Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




dos Santos e Silva

por desvela, em 03.08.11

Portugal, 1917... não é novidade que, ao longo dos séculos, muitos foram aqueles que tentaram publicar, para transmitir à população, um conhecimento que parecia ser destinado à ocultação.
Calisto encontrou uma preciosidade de J. E. dos Santos e Silva, então engenheiro da Direcção Geral das Colónias, que procurava compilar conhecimento que se afastava "dos modernos historiadores portugueses" que faziam surgir "quase espontaneamente" a nossa História com D. Afonso Henriques (cito o autor).

Para além de no excelente material compilado por Calisto ficar evidenciada uma outra estória sobre as Colunas e Torres de Hérculesparece ainda clara uma ligação Egiptânia e não só... temos uma confirmação para a existência de um Canal do Suez na Antiguidade.

Não podemos deixar de notar que Estrabo dá a entender que os Pilares/Colunas seriam no seu tempo as torres que estavam em Cadiz:
... while the Iberians and Libyans place them at Gades, alleging that 
there is nothing at all resembling pillars close by the strait.

pelo que talvez haja uma confusão no texto com essas torres, que já teriam desaparecido por altura das invasões napoleónicas, fazia mais de um século quando Santos e Silva escreveu o livro (em vez de livro apetece aqui dizer balanço de balança, se libro vier de libra).


------------------- email de Calisto Barbuda  -------------------

Quando há pouco tempo andava à procura de informações sobre os Coni/Cynetes/Cunetes, deparei-me com este livro:
Episódios e Tradições relativos à História Antiga da LusitaniaJ. E. dos Santos e Silva (Lisboa, 1917) 
foi aqui que encontrei umas informações sobre Hércules que achei curiosas, pondo de parte algumas coisas que não percebi como por exemplo ter o nome de Rhamsés II, e a data 1600, quando Sesóstris I reinou 1908-1875 a.c.

Segundo o autor, sobre a vida de Sesóstris I (Rhamsés II), diz que os episódios relatados podem ser relativos a vários dos seus Reis 
“(...) mas que a imaginação e vaidade nacional reuniram n’um só. Supõem que é o Sesác dos livros sagrados; que viveu muito antes da guerra de Troya, no tempo dos Juízes de Israel; que é o Setósis de Maneton; o Egypto, irmão de Danáo; Typhon da Mythologia; o Pharaó submergido nas ondas do Mar Vermelho, quando ia em perseguição de Moysés; e por último que era ou foi chamado o Osíris Egypcio.
Heródoto coloca este rei um século antes da guerra de Tróia (1300 a 1100 A.C.), Cantù coloca em 1600, época em que a península Ibérica foi reinada por Geryon, e como o Sesóstris foi chamado de Osiris, parece lógico que o libertador da Península tenha sido ele.

A data de Heródoto, segundo o autor do livro, coincidiria com a invasão dos Pelasgos na Península, mas refere também que antes destas invasões podem ter havido outras, por outro lado entre os historiadores tem havido confusões chamando Pelasgos aos Tyrrhenos, por isto será (para o autor) a data que Cantù menciona; ou um século depois, na opinião de Bossuet (ou seja, 1491-1457 a.c.).

O autor continua dizendo que: 
Não há tambêm unidade de opiniões sôbre se a derrota de Geryon e a sua morte foi simultâneamente com a dos seus três filhos, nem são unânimes os autores em supôr a vinda de Horus distinta da de Osíris. O que é mais seguido e comentado nos livros antigos é a invasão da Península pelo Hércules Egypcio, isto é, por um rei conquistador d’aquela nacionalidade, cujos feitos o fizeram comparar com o deus Hércules, e que ficou conhecido por êste nome. Considerando, portanto, que a existência de Osíris e Horus, a ser verdadeira, teria necessáriamente que remontar-se a uma época muitíssimo anterior à de Geryon, em cujo tempo reinava no Egypto a XVIII dinastia, de que Sesóstris foi um dos últimos reis (1643, antes de Christo), e que a época d’êste rei coincide com a de Geryon, temos que concluir que o Hércules Egypcio, libertador da Ibéria, foi realmente Sesóstris.
Segundo Heródoto, Hércules teve origem no Egipto, de onde Gregos e Fenícios o adoptaram dando esse nome aos seus heróis, assim na Fenícia era Hércules Tyriano ou Melkarth, na Grécia era Hércules Thebano ou Heraklés, na Gália identificaram-no como Ogmios dos Celtas, chamando-lhe Hércules Gaulês, e na Itália também foi introduzido o culto do Hércules Tebano. Toledo e Huesca consagram vitimas a Hércules Endovecélio (ou Endovélico), mas Leite Vasconcelos (Religiões da Luzitânia) diz supor serem falsas as inscrições.
A história dos diferentes Hércules é um conjunto de prodígios, ou antes, é a história de todos aqueles que tiveram o mesmo nome e suportaram os mesmos trabalhos. Tem-se exagerado os sues feitos, reùnindo-os em um só homem e atribuindo-lhe todas as grandes emprêsas de que se ignorava o autor, cobrindo-os assim d’uma notoriedade que os elevava acima da espécie humana (Diodoro Sículo). Comtudo, o que parece averiguado é que um grande conquistador, que supomos ser Sesóstris e não Osíris nem Orus, e a quem se chamou «o Hércules Egypcio», à frente de forte exército d’esta nacionalidade, depois de ter empreendido uma grande peregrinação, ennobrecendo com os seus feitos quasi todo o mundo, veio à Península Ibérica.
O autor continua dizendo que por todas as partes extremas a que ele chegou erigiu colunas simbólicas das suas vitórias com inscrição do seu nome, pátria e a resenha das vitórias obtidas pelo seu exército sobre os povos subjugados, segundo Heródoto só Sesóstris usou a prática de establecer estas colunas, encontrando-se no tempo de Heródoto as de Scythia e da Thrácia, 
“Não será, pois, para estranhar e talvez seja esta a verdade histórica que as famosas colunas de Hércules do estreito de Gibráltar, que separa a Península Ibérica da África e que a fantasia transformou nos montes Calpe e Abyla, sejam as colunas colocadas por Sesóstris em Cádiz quando conquistou a Península e derrotou o rei Geryon.”.
Fala depois da introdução da agricultura na Península por ele, e diz que: 
“Estamos, pois, em presença d’outra grande invasão na Península, constituida pelo povo Egypcio e por todos aqueles que o conquistador arrastou na sua passagem; Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios; os quais, como veremos, prolongaram aqui o seu império por muitos anos, devendo ter deixado forçosamente vestígios da sua passagem na raça peninsular.”
Fala depois dos seus feitos, da abertura do canal do Suez que terminaram no tempo dos primeiros Lagidas (250 a.c.), tendo depois ficado obstruida e tornou-se novamente navegável no tempo de Trajano e Adriano conservando-se até ao séc. VI quando foi novamente obstruido sendo reaberto em 1869.
Para o autor, as lendas de Osiris e Sesóstris são semelhantes, os dois saem do Egipto, conquistam nações bárbaras, estabelecem a ordem social, fomentam a riqueza, etc, sendo “endeusados”, 
“(...) ficando na memória dos povos como um mito de virtudes cuja tradição constitue uma parte das suas crenças religiosas. Estas circunstâncias e o facto de Sesóstris ter sido chamado Osíris confirmam a suposição de ser aquele rei egypcio o Hércules que veio à Península e não o verdadeiro Osíris que, se existiu, foi em tempos muito mais remotos.”
Mais à frente diz: 
Há contudo uma consideração que, se bem não altera fundamentalmente a tradição, modifica-a na forma como os acontecimentos se teriam dado. Geryon, conhecido pelo monstro de três cabeças, por ter três filhos ou três exércitos, podia ter sido derrotado em Tarifa, na primeira invasão dos Egypcios, juntamente com os filhos, ou em três batalhas dadas em vários pontos da Península; e, n’êste caso, fica posta de parte a vinda de Horos para castigar os filhos de Geryon. O que porém, importa verdadeiramente é o facto, que parece fóra de dúvida, de ter-se dado na Península uma grande invasão egypcia acompanhada de Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios, catorze a dezasseis séculos antes de Christo.
Quando o autor fala dos Sírios diz o seguinte: 
“Carteya, diz Strabão, mantinha grande comércio com os Iberos e foi tomada por Amilcar, carthaginês, no ano de 236 da fundação de Roma. Era a povoação mais importante junto ao Estreito de Gibráltar (fretum Herculeum ou Gaditano), que para os antigos estava situado entre o cabo de Espartel (Ampelusa), junto ao monte Almina (Abyla), termo de Ceuta e o promontorium Junonis, antigo monte Calpe ao noroeste da ponta d’Europa, na montanha de Gibráltar. Êstes montes, Abyla e Calpe, eram as colunas de Hércules da Mythologia; as verdadeiras e reais deviam porêm, ser as de Sesóstris, edificadas em Cádiz.”
Sobre as colunas de Hércules o autor diz o seguinte: 
As colunas de Hércules passavam por ser antigamente, as portas do mundo. Êste monumento substiu até 1145. Constava de uma estrutura de pilares de pedra sobrepostos, formando uma espécie de torre levantada na praia ou já no mar. Cada pilar tinha quinze côvados de circunferência e dez de altura. O conjunto, que media de 60 a 100 côvados de alto, estava ligado sólidamente por barras de ferro chumbadas. Sôbre esta tôrre, em que todavia não existiam portas nem câmaras interiores, levantava-se uma estátua de bronze doirado, de Melkarth, o Hércules phenício, da altura de 6 côvados, representando o deus sob a figura de um homem barbado, com cinto e manto que lhe descia até ao joelho. Com a mão esquerda apanhava as dobras do manto contra o peito, e no braço direito estendido, a mão segurava uma chave ao mesmo tempo que o indicador apontava para o Estreito. O facto, porêm, de existir sôbre as colunas a estátua de Melkarth, não significa que elas fôssem construidas pelos Phenícios, mas unicamente a sua consagração àquele deus, efectuada posteriormente por aqueles povos invasores.

            Os Cruzados e os piratas normandos chamavam ao Estreito, Karlsar, ' as águas do homem'; e Isidoro de Beja, no tempo do domínio árabe, atribuia uma significação profética à atitude da dextra de Melkarth: a chave que empunha era o símbolo de que era essa a porta do país; e o dedo, apontando para o Estreito, queria dizer o caminho por onde vieram os exércitos de Muza.

            As colunas de Hércules foram destruídas em 1145 pelo almirante árabe Ali-ibn-Isa-ibn-Maimun, que se sublevára em Cádiz. Corria a tradição que a estátua era de oiro puro e por isso o Árabe a abateu: era doirada, mas ainda assim a douradura produzio 12.000 dinàrs. (Dozy, Histoire et Littérature d’Espagne).”
Só uma última referência em que é dito que 


“(...) outros dão a entender que Espanha quer dizer, terra desconhecida e afastada. Em língua euskara (vascongada) Espanha significa extremidade, isto é, extremo do mundo conhecido, convicção antiga que deu origem ao  non plus ultra que dizem estava escrito nas colunas d’Hércules, e que se vê reproduzido nas moedas peninsulares.”
No fim de ler isto lembrei-me da questão levantada pela Maria da Fonte sobre o haplogrupo de Tutankhamun ser da Península Ibérica...

Estátuas do templo de Melkarth em Cadiz...
cuja pose parece ser tipicamente egípcia. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31


1 comentário

De Anónimo a 05.08.2011 às 20:52

A Estátua de Hércules também indica o Ocidente, como o Cavaleiro da Ilha do Corvo...

Que existiu a Ocidente, que deixou uma marca tão profunda? E uma necessidade de o assinalar tão persistentemente?

Sabemos que Tutankhamon era R1b, se um dia podermos confirmar que tinha ou dois Genes Lusos, poderemos provar a nossa origem.

Maria da Fonte

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D