Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Por Tubal

por desvela, em 28.05.10
O título será um pouco provocatório, já que "Por Tubal" se presta a uma semelhança a "Portugal", ainda que não haja qualquer dado objectivo nesse sentido.
A origem do termo Portugal sempre esteve ligada Portus Cale, o porto da cidade Cale, que seria o Porto. Daí a sua evolução de Portucale para Portugal, por evolução do C em G, como é suposto ter acontecido com outras palavras sob o domínio godo, neste caso suevo.

Este texto versa a sequência descrita por Damião Castro acerca dos reis no seu "tempo fabuloso", no prefácio do seu livro (ver post anterior). Apesar de denegrir essa versão que classifica de fábula, dá-nos várias pistas, que constituem um bom resumo dos múltiplos trabalhos anteriores.
Convém notar que em nenhum destes textos antigos aparece referência a nenhum culto a Endovélico, ou a outras entidades cujo nome foi popularizado, na transição do Séc. XIX/Séc. XX, por Leite de Vasconcelos.
Há um busto conhecido, com características de escultura grega, que tem sido associado a uma representação de Endovélico:
Com as precauções que já tomo nestas coisas, parece-me que a troca dos V pelos B, pode levar a:
EndoBélico
ou seja, literalmente a uma guerra interna. Na minha opinião, este nome pentassilábico e composto, parece-me ainda pouco normal para o tratamento comum a um deus.
Por outro lado, a referência tardia encontra-se bem justificada na sequência do fim da mitologia fabulosa, definitivamente encerrada por Herculano. Dos partidários de Tubal deixou de se ouvir falar, e foi rapidamente substituído por uma mitologia mais moderada, associada então a Endovélico.

Tomando o lado que deixou de ter voz, talvez encontremos aqui uma estátua com origem no período de influência grega na Lusitânia... também não é de negligenciar as várias estátuas de guerreiros, para evocações ainda anteriores (ver também blog Portugalliae):


Retomando a ordem cronológica de Damião Castro, enunciamos os vários reis, a partir do Dilúvio de Ogiges - nome associado a um Rei de Tebas, mas também a uma ilha Atlântica. Convirá desde já notar que os antigos historiadores portugueses e espanhóis procuraram associar, para além das referências toponímicas, alguns nomes da mitologia grega e egípcia.
Isto é curioso, pois é começando justamente em Tebas que encontramos o primeiro nome repartido pelo Egipto e pela Grécia - em ambos os casos encontramos uma cidade de Tebas, o que sempre se terá prestado a naturais confusões.
De Tebas segue-se este nome Tubal, cuja construção fonética não é muito diferente.
  • 0. Dilúvio de Ogiges (Tebas)
  • 1. Tubal e Tarsis chegam à península.
  • Fundação da "República de Setúbal"... a primeira República.
  • 2. Hibero, filho de Tubal, de onde viria o nome Ibéria
  • 3. Jubaldo, o astrónomo
  • 4. Brigo, o povoador, que teria fundado Lacobriga~Lagos, Medobriga~Portalegre
  • 5. Tago, de memória imortal
  • 6. Beto, associado a Bétis, no Guadalquivir.
De acordo com Damião Castro, os antigos historiadores apontavam aqui a entrada de um rei impostor, de nome Gerião, que teria morto Beto. Por sua vez Gerião teria sido morto por Júpiter Osíris... um rei herói (externo) disposto a irradicar tiranos.
O nome Júpiter Osíris associa num único rei as duas principais divindades dos Panteões Romano e Egípcio. Isto parece claro exagero, mas pode ser explicado por diversas razões, talvez a mais plausível será haver uma necessidade cristã de invocar uma origem humana para os cultos de Júpiter/Osíris, o que se enquadrava nesta versão de historiadores posteriores.

Independentemente disso, o nome Júpiter Osíris será seguido pelo filho Hórus Hércules Líbico, que vingará a morte do pai às mãos dos Lomínios, filhos de Gerião. Mais uma vez mistura-se a descendência (de facto, Hércules descende de Júpiter, tal como Hórus descende de Osíris), misturando com uma parte diversa humana, que envolve Gerião e os filhos.
  • 7. Gerião, rei impostor
  • 8. Júpiter Osíris, rei herói, que depõe tiranos, matando Gerião na sua vinda à Ibéria
  • 9. Lomínios, filhos de Gerião, matam Júpiter Osíris
  • 10. Hórus Hércules Líbico, filho de Júpiter Osíris, mata os Lomínios
  • - funda em Sagres (Promontório Sacro), um Templo a Tubal
  • - parte para Itália, deixando Hispalo como sucessor
  • 11. Hispalo, funda Hispalis~Sevilha
  • 12. Hispano, de onde viria o nome Espanha
  • 13. Hespero, renomeia Espanha como Hesperia
  • 14. Atlante Italo, irmão de Hórus Hércules
De acordo com Damião Castro, o primeiro historiador romano, Fabio Pictor (Séc. III BCE), apontaria a filha de Atlante Italo, de nome Roma, como fundadora da cidade.
  • 15. Sicoro, sucede a Atlante Italo
  • 16. Sicano, forma uma colónia na Sicília
  • 17. Siceleo
  • 18. Luso, o memorável, de onde se teria originado o nome Lusitânia
  • 19. Siculo, o último rei antes de um breve período de anarquia.
Aproveitando esse período de anarquia, surge Baco, considerado impostor, que conseguirá que o seu filho Lísias seja aceite... fazendo crer que transporta a alma do defunto Luso.
  • 20. Baco, impostor, filho de Semele (e de Jupiter, de acordo com a lenda romana)
  • 21. Lísias, filho de Baco, renomeia a Lusitânia como Lisitânia
  • 22. Licínio Caco, capitão de Baco
  • 23. Trogo Pompeo - Justino
  • 24. Gorgoris, o Rei à Época da Guerra de Tróia
Gorgoris é suposto ser o pai e avô de Abidis, e também o pai de Calipso. Abidis, crescido abandonado numa mata de Santarém, será o último rei da Lusitânia no "tempo fabuloso".
De acordo com Damião Castro, é Gorgoris que irá ceder a sua filha Calipso a Ulisses, rei de Ítaca, após a Guerra de Tróia.
  • 25. Ulisses
  • 26. Diomedes
  • 27. Teucro
  • 28. Mnesteo
  • 29. Coleo de Samos
  • 30. Abidis
Ulisses é o fundador de Lisboa, de acordo com vários historiadores antigos (Platão, Marciano Capela, Solino, Asclepíades, ... ), ainda que Damião Castro insista numa possível confusão entre Olisipo (atlântica) e uma Ulisipo (mediterrânica, mas perto de Málaga). Diz ainda que o próprio Heródoto coloca viagens de Ulisses fora do Estreito de Gibraltar, visitando ilhas de Aea e Ogigia. Por outro lado, diz que é natural que tenha partido num navio fenício saído de Smirna, já que a sua armada teria sido destruída por Telemon, rei de Salamina, pai de Ajax (que perdendo para Ulisses as armas de Aquiles, se suicida na Guerra de Tróia).

Diomedes e Teucro, também elementos da Guerra de Tróia são apontados em expedições ao Minho e à Galiza. Aponta ainda como rei Mnesteo, que é normalmente considerado um troiano, companheiro de Eneias.
Apontando os relatos anteriores como pouco credíveis, acaba ainda assim por ir contra a opinião de Gouguette (historiador francês, comissionado por Luis XIV) que recusava qualquer presença grega na Península Ibética.
Para isso diz não poder ignorar essa presença grega pelo menos em Cadiz pelas viagens de Coleo de Samos, referido por Heródoto, dizendo ainda que nessa altura haveria um comércio com hebreus em Tiro, no tempo do Rei Salomão.
Aceita ainda um contacto com Fenícios e Gregos de Focea e de Rodes, por esta altura.
Com os Fenícios, no tempo do Rei Hirão, refere ainda uma diferença entre Paletiro (a Tiro libanesa) e a ilha de Tiro, que faz corresponder a Medina-Sidonia, ou seja a Cadiz. Nesse tempo haveria um culto de Hércules no Promontório de Sagres. Por outro lado, pela parte dos gregos de Focea, associa Sagunto (Valência) e a ilha de Zacinto, e pela parte dos gregos de Rodes, a fundação de Roda, na Andaluzia.

Após o último rei lusitano, Abidis, neto de Gorgoris, que é associado ao mito de ter sido criado selvagem numa mata de Santarém por uma cerva, apresenta um período de Anarquia, a que se teriam seguido, só então, as invasões celtas, por Ambigato. Teria havido uma divisão entre Turdulos e Turdetanos, exceptuando-se a parte norte, da Galiza aos Pirinéus.
- Um pormenor curioso será associar o nome de Elvas a uma fixação de Celtas Helvéticos, citando André Resende (1500-73).

Não deixa de dizer que ignora, por achar que nem merecem referência, histórias fabulosas (no tempo escuro, antes do Dilúvio) sobre Tritões, as suas viagens a Ocidente e Oriente, e batalhas que fariam tremer a terra, com Gigantes e Deuses, e ainda com um despótico Rei Tártaro, que teria vindo dos infernos...

Observação 1: Por tudo aquilo que afirma no Prefácio que irá omitir no Livro, Damião Castro acaba no entanto por ser uma das referências mais sólidas sobre estas lendas, parecendo querer passar esses registos fabulosos, criticando-os mas com argumentos pouco convincentes.
Observação 2: É ainda interessante ver esta associação romana/egípcia entre deuses e personagens históricos, sabendo-se que em ambas as culturas essa deificação de antepassados era um ponto cultural comum. A duplicação de nomes é ainda interessante, já que se repete por homónimos noutros casos, para além de Tebas, há o exemplo do Monte Ida - em Creta é o local do nascimento de Júpiter; já na Turquia, o outro Monte Ida seria a origem de Páris.
Observação 3: Para além desta referência à presença grega na península ibérica, é ainda de considerar em que consiste a ligação a Tróia, não devendo ser excluída a hipótese de Tróia ser uma cidade ibérica. Para isso, um candidato óbvio e natural será ainda Setúbal e a sua península de Tróia (ainda que nada seja sugerido a esse respeito por Damião Castro).
Observação 4: A presença cartaginesa na península é actualmente quase consensual. Podemos ir um pouco mais longe? Porque não considerar os Fenícios como nome alternativo para os originários da península ibérica... que se estabeleceram em Tiro e Cartago, reparando numa composição do nome, partida de Tago ou Tagus:
Car-Tago, Car-Tagus

Observação 5: Por sugestão de um comentário [Maria da Fonte, no blog Portugalliae], as siglas poveiras (que ainda hoje são usadas pelos pescadores da Póvoa de Varzim), por exemplo:

fazem em muito lembrar inscrições em estelas lusitanas (estela da Abóbada)

Por outro lado, esta forma de escrita não se afasta muito de uma primitiva escrita fenícia, tendo até semelhanças com eventuais inscrições fenícias encontradas no Brasil.
Mais, estas inscrições não são muito diferentes das que constituem símbolos de pedras rúnicas, fazendo uma ligação cultural, por via marítima, que uniria toda a costa Atlântica à América (dir-se-ia quase uma ligação NATO...)
Esta pista, sempre dentro do "tempo fabuloso", levar-nos-ia para eventuais ligações remotas por via Atlântica. Afinal a "ilha que era do tamanho de um continente" conforme Platão descreve a Atlântida, foi por várias vezes identificada à América - até que toda essa convicção se voltou a perder nos Séculos XVIII, XIX e XX.
Todas essas hipóteses foram excluídas e consideradas fantasiosas.
No entanto essa recusa de conhecimento anterior, levanta "enigmas históricos", como é o caso dos Povos do Mar, cujas invasões são referidas por diferentes culturas na bacia mediterrânica, ajustando-se à descrição que Platão tenta fazer de uma tentativa de conquista atlante repelida por Atenas, conforme os sacerdotes egípcios tinham contado a Sólon.
Porém... que credibilidade dar a Platão, e a tantos outros, comparando com os mais sábios historiadores franceses e ingleses da Idade Moderna que formataram a história actual?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:15


Por Tubal

por desvela, em 27.05.10
O título será um pouco provocatório, já que "Por Tubal" se presta a uma semelhança a "Portugal", ainda que não haja qualquer dado objectivo nesse sentido.
A origem do termo Portugal sempre esteve ligada Portus Cale, o porto da cidade Cale, que seria o Porto. Daí a sua evolução de Portucale para Portugal, por evolução do C em G, como é suposto ter acontecido com outras palavras sob o domínio godo, neste caso suevo.

Este texto versa a sequência descrita por Damião Castro acerca dos reis no seu "tempo fabuloso", no prefácio do seu livro (ver post anterior). Apesar de denegrir essa versão que classifica de fábula, dá-nos várias pistas, que constituem um bom resumo dos múltiplos trabalhos anteriores.
Convém notar que em nenhum destes textos antigos aparece referência a nenhum culto a Endovélico, ou a outras entidades cujo nome foi popularizado, na transição do Séc. XIX/Séc. XX, por Leite de Vasconcelos.
Há um busto conhecido, com características de escultura grega, que tem sido associado a uma representação de Endovélico:
Com as precauções que já tomo nestas coisas, parece-me que a troca dos V pelos B, pode levar a:
EndoBélico
ou seja, literalmente a uma guerra interna. Na minha opinião, este nome pentassilábico e composto, parece-me ainda pouco normal para o tratamento comum a um deus.
Por outro lado, a referência tardia encontra-se bem justificada na sequência do fim da mitologia fabulosa, definitivamente encerrada por Herculano. Dos partidários de Tubal deixou de se ouvir falar, e foi rapidamente substituído por uma mitologia mais moderada, associada então a Endovélico.

Tomando o lado que deixou de ter voz, talvez encontremos aqui uma estátua com origem no período de influência grega na Lusitânia... também não é de negligenciar as várias estátuas de guerreiros, para evocações ainda anteriores (ver também blog Portugalliae):


Retomando a ordem cronológica de Damião Castro, enunciamos os vários reis, a partir do Dilúvio de Ogiges - nome associado a um Rei de Tebas, mas também a uma ilha Atlântica. Convirá desde já notar que os antigos historiadores portugueses e espanhóis procuraram associar, para além das referências toponímicas, alguns nomes da mitologia grega e egípcia.
Isto é curioso, pois é começando justamente em Tebas que encontramos o primeiro nome repartido pelo Egipto e pela Grécia - em ambos os casos encontramos uma cidade de Tebas, o que sempre se terá prestado a naturais confusões.
De Tebas segue-se este nome Tubal, cuja construção fonética não é muito diferente.
  • 0. Dilúvio de Ogiges (Tebas)
  • 1. Tubal e Tarsis chegam à península.
  • Fundação da "República de Setúbal"... a primeira República.
  • 2. Hibero, filho de Tubal, de onde viria o nome Ibéria
  • 3. Jubaldo, o astrónomo
  • 4. Brigo, o povoador, que teria fundado Lacobriga~Lagos, Medobriga~Portalegre
  • 5. Tago, de memória imortal
  • 6. Beto, associado a Bétis, no Guadalquivir.
De acordo com Damião Castro, os antigos historiadores apontavam aqui a entrada de um rei impostor, de nome Gerião, que teria morto Beto. Por sua vez Gerião teria sido morto por Júpiter Osíris... um rei herói (externo) disposto a irradicar tiranos.
O nome Júpiter Osíris associa num único rei as duas principais divindades dos Panteões Romano e Egípcio. Isto parece claro exagero, mas pode ser explicado por diversas razões, talvez a mais plausível será haver uma necessidade cristã de invocar uma origem humana para os cultos de Júpiter/Osíris, o que se enquadrava nesta versão de historiadores posteriores.

Independentemente disso, o nome Júpiter Osíris será seguido pelo filho Hórus Hércules Líbico, que vingará a morte do pai às mãos dos Lomínios, filhos de Gerião. Mais uma vez mistura-se a descendência (de facto, Hércules descende de Júpiter, tal como Hórus descende de Osíris), misturando com uma parte diversa humana, que envolve Gerião e os filhos.
  • 7. Gerião, rei impostor
  • 8. Júpiter Osíris, rei herói, que depõe tiranos, matando Gerião na sua vinda à Ibéria
  • 9. Lomínios, filhos de Gerião, matam Júpiter Osíris
  • 10. Hórus Hércules Líbico, filho de Júpiter Osíris, mata os Lomínios
  • - funda em Sagres (Promontório Sacro), um Templo a Tubal
  • - parte para Itália, deixando Hispalo como sucessor
  • 11. Hispalo, funda Hispalis~Sevilha
  • 12. Hispano, de onde viria o nome Espanha
  • 13. Hespero, renomeia Espanha como Hesperia
  • 14. Atlante Italo, irmão de Hórus Hércules
De acordo com Damião Castro, o primeiro historiador romano, Fabio Pictor (Séc. III BCE), apontaria a filha de Atlante Italo, de nome Roma, como fundadora da cidade.
  • 15. Sicoro, sucede a Atlante Italo
  • 16. Sicano, forma uma colónia na Sicília
  • 17. Siceleo
  • 18. Luso, o memorável, de onde se teria originado o nome Lusitânia
  • 19. Siculo, o último rei antes de um breve período de anarquia.
Aproveitando esse período de anarquia, surge Baco, considerado impostor, que conseguirá que o seu filho Lísias seja aceite... fazendo crer que transporta a alma do defunto Luso.
  • 20. Baco, impostor, filho de Semele (e de Jupiter, de acordo com a lenda romana)
  • 21. Lísias, filho de Baco, renomeia a Lusitânia como Lisitânia
  • 22. Licínio Caco, capitão de Baco
  • 23. Trogo Pompeo - Justino
  • 24. Gorgoris, o Rei à Época da Guerra de Tróia
Gorgoris é suposto ser o pai e avô de Abidis, e também o pai de Calipso. Abidis, crescido abandonado numa mata de Santarém, será o último rei da Lusitânia no "tempo fabuloso".
De acordo com Damião Castro, é Gorgoris que irá ceder a sua filha Calipso a Ulisses, rei de Ítaca, após a Guerra de Tróia.
  • 25. Ulisses
  • 26. Diomedes
  • 27. Teucro
  • 28. Mnesteo
  • 29. Coleo de Samos
  • 30. Abidis
Ulisses é o fundador de Lisboa, de acordo com vários historiadores antigos (Platão, Marciano Capela, Solino, Asclepíades, ... ), ainda que Damião Castro insista numa possível confusão entre Olisipo (atlântica) e uma Ulisipo (mediterrânica, mas perto de Málaga). Diz ainda que o próprio Heródoto coloca viagens de Ulisses fora do Estreito de Gibraltar, visitando ilhas de Aea e Ogigia. Por outro lado, diz que é natural que tenha partido num navio fenício saído de Smirna, já que a sua armada teria sido destruída por Telemon, rei de Salamina, pai de Ajax (que perdendo para Ulisses as armas de Aquiles, se suicida na Guerra de Tróia).

Diomedes e Teucro, também elementos da Guerra de Tróia são apontados em expedições ao Minho e à Galiza. Aponta ainda como rei Mnesteo, que é normalmente considerado um troiano, companheiro de Eneias.
Apontando os relatos anteriores como pouco credíveis, acaba ainda assim por ir contra a opinião de Gouguette (historiador francês, comissionado por Luis XIV) que recusava qualquer presença grega na Península Ibética.
Para isso diz não poder ignorar essa presença grega pelo menos em Cadiz pelas viagens de Coleo de Samos, referido por Heródoto, dizendo ainda que nessa altura haveria um comércio com hebreus em Tiro, no tempo do Rei Salomão.
Aceita ainda um contacto com Fenícios e Gregos de Focea e de Rodes, por esta altura.
Com os Fenícios, no tempo do Rei Hirão, refere ainda uma diferença entre Paletiro (a Tiro libanesa) e a ilha de Tiro, que faz corresponder a Medina-Sidonia, ou seja a Cadiz. Nesse tempo haveria um culto de Hércules no Promontório de Sagres. Por outro lado, pela parte dos gregos de Focea, associa Sagunto (Valência) e a ilha de Zacinto, e pela parte dos gregos de Rodes, a fundação de Roda, na Andaluzia.

Após o último rei lusitano, Abidis, neto de Gorgoris, que é associado ao mito de ter sido criado selvagem numa mata de Santarém por uma cerva, apresenta um período de Anarquia, a que se teriam seguido, só então, as invasões celtas, por Ambigato. Teria havido uma divisão entre Turdulos e Turdetanos, exceptuando-se a parte norte, da Galiza aos Pirinéus.
- Um pormenor curioso será associar o nome de Elvas a uma fixação de Celtas Helvéticos, citando André Resende (1500-73).

Não deixa de dizer que ignora, por achar que nem merecem referência, histórias fabulosas (no tempo escuro, antes do Dilúvio) sobre Tritões, as suas viagens a Ocidente e Oriente, e batalhas que fariam tremer a terra, com Gigantes e Deuses, e ainda com um despótico Rei Tártaro, que teria vindo dos infernos...

Observação 1: Por tudo aquilo que afirma no Prefácio que irá omitir no Livro, Damião Castro acaba no entanto por ser uma das referências mais sólidas sobre estas lendas, parecendo querer passar esses registos fabulosos, criticando-os mas com argumentos pouco convincentes.
Observação 2: É ainda interessante ver esta associação romana/egípcia entre deuses e personagens históricos, sabendo-se que em ambas as culturas essa deificação de antepassados era um ponto cultural comum. A duplicação de nomes é ainda interessante, já que se repete por homónimos noutros casos, para além de Tebas, há o exemplo do Monte Ida - em Creta é o local do nascimento de Júpiter; já na Turquia, o outro Monte Ida seria a origem de Páris.
Observação 3: Para além desta referência à presença grega na península ibérica, é ainda de considerar em que consiste a ligação a Tróia, não devendo ser excluída a hipótese de Tróia ser uma cidade ibérica. Para isso, um candidato óbvio e natural será ainda Setúbal e a sua península de Tróia (ainda que nada seja sugerido a esse respeito por Damião Castro).
Observação 4: A presença cartaginesa na península é actualmente quase consensual. Podemos ir um pouco mais longe? Porque não considerar os Fenícios como nome alternativo para os originários da península ibérica... que se estabeleceram em Tiro e Cartago, reparando numa composição do nome, partida de Tago ou Tagus:
Car-Tago, Car-Tagus

Observação 5: Por sugestão de um comentário [Maria da Fonte, no blog Portugalliae], as siglas poveiras (que ainda hoje são usadas pelos pescadores da Póvoa de Varzim), por exemplo:
fazem em muito lembrar inscrições em estelas lusitanas (estela da Abóbada)
Por outro lado, esta forma de escrita não se afasta muito de uma primitiva escrita fenícia, tendo até semelhanças com eventuais inscrições fenícias encontradas no Brasil.
Mais, estas inscrições não são muito diferentes das que constituem símbolos de pedras rúnicas, fazendo uma ligação cultural, por via marítima, que uniria toda a costa Atlântica à América (dir-se-ia quase uma ligação NATO...)
Esta pista, sempre dentro do "tempo fabuloso", levar-nos-ia para eventuais ligações remotas por via Atlântica. Afinal a "ilha que era do tamanho de um continente" conforme Platão descreve a Atlântida, foi por várias vezes identificada à América - até que toda essa convicção se voltou a perder nos Séculos XVIII, XIX e XX.
Todas essas hipóteses foram excluídas e consideradas fantasiosas.
No entanto essa recusa de conhecimento anterior, levanta "enigmas históricos", como é o caso dos Povos do Mar, cujas invasões são referidas por diferentes culturas na bacia mediterrânica, ajustando-se à descrição que Platão tenta fazer de uma tentativa de conquista atlante repelida por Atenas, conforme os sacerdotes egípcios tinham contado a Sólon.
Porém... que credibilidade dar a Platão, e a tantos outros, comparando com os mais sábios historiadores franceses e ingleses da Idade Moderna que formataram a história actual?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15


Damião Castro

por desvela, em 24.05.10
Fruto da evolução dos tempos, parece-nos ser transmitida a mensagem de que antes de Alexandre Herculano mais nenhuns historiadores teriam existido em Portugal...
Está longe de ser assim! A sugestão de leitura no comentário ["Calisto": 28 de Abril 2010], leva-nos a Damião de Lemos Faria e Castro, e à sua História apresentada à Rainha D. Maria I.

Alexandre Herculano, apenas menciona a Monarquia Lusitana de Frei Bernardo Brito como um "livro altamente ridículo", e apesar de reconhecer que é baseado em fontes muito antigas, Herculano parece estar provido do alto de uma cátedra revisionista, suprimindo sem qualquer referência essa "parte mitológica". Até aqui estaria no seu direito de historiador, seleccionando as fontes que considerava credíveis. Parece-nos no entanto, destrutivo e não inocente, a completa supressão desses mitos, quando decide publicar as suas "Lendas e Narrativas". Para Herculano e seguidores, Portugal parecia não ter direito a história anterior à formação da nacionalidade com o Condado Portucalense. Seria o equivalente a suprimir à História Inglesa os míticos Rei Artur, Lancelot, Merlin ou Parseval. Um Herculano inglês teria suprimido Avalon e Excalibur... Por culpa dessas cátedras patrocinadas, fomos reduzidos na capacidade de sonhar, sendo-nos apenas autorizado um pastor Viriato, terror dos romanos, e o eterno Desejado!

A abordagem de Damião Castro, algumas décadas antes é diferente, e ainda assim tem que ser enquadrada numa corrente de influência iluminista francesa crescente, e ao mesmo tempo no contexto da sua ligação aos jesuítas, que recobravam influência junto à filha de D. José, após a perseguição movida pelo Marquês de Pombal.
Castro critica ferozmente a parte mitológica da História nacional, recorrendo-se habitualmente às opiniões lapidares de historiadores franceses, mas não deixa de mencionar detalhadamente essa mitologia, sendo por isso uma fonte muito interessante.

Breve menção à História de Damião Castro
Castro divide a História em três tempos:
  • Identifica o Tempo Escuro ao da criação de Adão, dizendo o seguinte:
    "Ponto luminoso marcado pela Escritura Santa em que só brilha a luz da verdade na História Sagrada, quando toda a Política, e Profana estava envolvida no Caos tenebroso da maior escuridade". Faz terminar este Tempo no Dilúvio, que diz de Ogiges, lendário Rei de Tebas, dizendo tratar-se de "22 séculos de sombras impenetráveis e trevas imensas".
  • Identifica depois o Tempo Fabuloso começando do Dilúvio, até à primeira Olimpíada no ano 776 antes da Era Vulgar (com a duracao de aproximadamente um milénio). Justifica a designação, pela "confusão , e miscelânea de verdades e mentiras com que os Poetas organizaram os seus escritos".
  • O Tempo Histórico seria começado depois dessa 1ª Olimpíada, a partir da qual, considerava haver relatos fidedignos, ou conforme diz "das Olimpíadas em diante principiou a brilhar na História a verdade dos sucessos sem as tisnas da escuridade, sem as manchas da fábula".
Sobre Heródoto chega a ser radical ao ponto de dizer "em lugar de lhe darmos com Cícero o nome de Pai da História, lhe chamaremos um dos Progenitores da Fábula".
É mesmo mais cáustico dizendo que a "luz histórica" nos permitia agora ver os pais das patranhas referindo-se a fontes antigas: Aunio, Filo, Beroso, Manethon e Metastene.

Por outro lado, é interessante notar a sequência pela qual ele diz que poderia ir buscar fontes fidedignas (através do contacto entre gerações):
- da sua geração até D. Pedro II, dessa geração até D. Filipe IV, depois até ao Cardeal D. Henrique... saltando depois até D. Afonso Henriques.

As escolhas Pedro II, Filipe IV, Cardeal D. Henrique, seriam as piores possíveis que eu nomearia para fontes sem pressões circunstânciais... dificilmente pode ser escolha acidental de reis. Mais, diz irá faz aquela História para evitar uma certa humilhação de se traduzir outras histórias...
Damião Castro alinha no jogo, mas não o esconde, e por isso acabará por ser necessário mais tarde um Alexandre Herculano.
Renega começar no Tempo Fabuloso o princípio da História Antiga de Portugal, como teriam feito "Frei Bernardo de Brito, Manoel de Faria e Sousa, Padres João de Mariana, José Moret, o Arcebispo D. Rodrigo Ximenes, Gabriel de Henão, e quase todos os Historiadores das Hespanhas". Esta informação não serve para refutar "quase todos os historiadores" anteriores, é um elemento importante para identificar documentação que seria menosprezada ou perdida.
Muito mais do que uma mensagem de superioridade face aos precedentes, parece-nos ser uma tentativa de passar informação, tanto mais que aproveita o Prefácio para fazer aquilo que diz que não irá fazer...

Alguns raciocínios são elucidativos:
(i) Para justificar que seria inverosímel que Tubal e o sobrinho Tarsis tivessem migrado para as Hespanhas, diz que o horror às águas após o Dilúvio os desmotivaria para tal viagem.
(ii) Chamando "sectários" a Florião do Campo, Garibay, Beuter e Vazeo, que "beberam na fonte impura de Beroso", diz-nos que quer esses, quer "o novo engenho vasto" de D. José Pellicer não teriam conseguido tirar dos "cofres da sua erudição" motivos que tornassem a história susceptível a "engenhos menos vulgares" de Diaristas de Sotelo, que teriam conseguido derrotar uma opinião favorável a Tubal e Tarsis. A escolha de adjectivos para os vencedores e para o vencido será elucidativa do partido que é seu, mas que não pode tomar.
(iii) Escarnece assim da ideia de uma República de Setúbal formada por esses netos de Noé, do nome do filho Hibero (de onde viria o nome Ibéria), de Tago (de onde viria o nome Tejo), de Beto (de onde viria o nome Bética), de Hispalis e Hespero (de onde viria o nome Hespanha e Hespérides), e também dos mitos associados de Osíris, Hércules, dos filhos de Gerião, Baco, de Luso (de onde viria o nome Lusitânia).
Acaba por parar, dizendo que foi um autor estrangeiro, Quien de la Neufville, que lhe fez ver tudo isso necessitaria de indagação crítica, judiciosa e severa. E é genial dizendo que o eminente autor francês resolve a questão em dois parágrafos, resumidamente porque: Tubal nunca veio à Espanha; que os seus descendentes iberos são os vindos da Ibéria na Geórgia; que eram uns "brutos, incapazes de religião e política"; que sempre foram os mesmos até que estrangeiros, como egípcios, gregos, cartagineses, e gauleses, "adoçassem o seu ar bárbaro e a dureza dos seus costumes". Dificilmente não se ficaria convencido com tal profundidade e elogio nos argumentos dos historiadores franceses...
(iv) Mais à frente, aludindo a que a marinha Grega seria "das mais fracas", e "não poderiam ter passado o Mediterrâneo", cita outro francês, Bochart. Este teria argumentado a origem fenícia de diversos locais, evitando associações com nomes gregos, já que nunca poderiam ter chegado a terras portuguesas. Por exemplo, Minho viria do fenício Manin (quiçá querendo evitar talvez a associação de Minho ao grego Minos), Tejo de Dagi, Lisboa de Alis-ubbo, etc... ao ponto de Damião Castro dizer que fez um tal "dilúvio de conjecturas" que ninguém tomaria Bochart "como fiador" nesta última. Mas é moderado, dizendo apenas que, devido ao grande número, "se algumas coisas acertou, noutras podia errar".

Se há algo que se nota imediatamente é este cuidado em seguir, e não hostilizar demasiadamente as "opiniões dos estrangeiros". Porém o trabalho de Damião Castro acabará esquecido, face à versão mais politicamente correcta que Alexandre Herculano tomará em mãos, evitando talvez estes conflitos pouco sustentáveis com um passado remoto.

Sem entrar já nos detalhes do livro de Damião Castro,
História Geral de Portugal e suas Conquistas
que pode ser consultado aqui:
http://books.google.pt/books?id=ZerqifGsq3YC
não deixamos de notar como interessante a referência às Torres Altas(**) de Tróia (no Prefácio, página XXXI), bem como uma referência à chegada da Armada de Ulisses no Tejo, a fundação da cidade Ulyssipo que o Rei Gorgoris teria consentido, cedendo a Ulisses a mão da sua filha Calipso. Asclepíades teria assegurado que aí Ulisses fundara um Templo de Minerva, onde teria ainda visto (no seu tempo, séc. II-BCE) destroços dos seus navios.

(**) Comparar com as Torres de Shetland (ver 2ª notícia Abril/2010 no blog Portugalliae). Essas torres são de origem desconhecida, segundo a reportagem da BBC, estando subjacente um comércio marítimo na Idade do Bronze que talvez envolvesse um antigo comércio marítimo na Europa Ocidental.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:38


Damião Castro

por desvela, em 23.05.10
Fruto da evolução dos tempos, parece-nos ser transmitida a mensagem de que antes de Alexandre Herculano mais nenhuns historiadores teriam existido em Portugal...
Está longe de ser assim! A sugestão de leitura no comentário ["Calisto": 28 de Abril 2010], leva-nos a Damião de Lemos Faria e Castro, e à sua História apresentada à Rainha D. Maria I.

Alexandre Herculano, apenas menciona a Monarquia Lusitana de Frei Bernardo Brito como um "livro altamente ridículo", e apesar de reconhecer que é baseado em fontes muito antigas, Herculano parece estar provido do alto de uma cátedra revisionista, suprimindo sem qualquer referência essa "parte mitológica". Até aqui estaria no seu direito de historiador, seleccionando as fontes que considerava credíveis. Parece-nos no entanto, destrutivo e não inocente, a completa supressão desses mitos, quando decide publicar as suas "Lendas e Narrativas". Para Herculano e seguidores, Portugal parecia não ter direito a história anterior à formação da nacionalidade com o Condado Portucalense. Seria o equivalente a suprimir à História Inglesa os míticos Rei Artur, Lancelot, Merlin ou Parseval. Um Herculano inglês teria suprimido Avalon e Excalibur... Por culpa dessas cátedras patrocinadas, fomos reduzidos na capacidade de sonhar, sendo-nos apenas autorizado um pastor Viriato, terror dos romanos, e o eterno Desejado!

A abordagem de Damião Castro, algumas décadas antes é diferente, e ainda assim tem que ser enquadrada numa corrente de influência iluminista francesa crescente, e ao mesmo tempo no contexto da sua ligação aos jesuítas, que recobravam influência junto à filha de D. José, após a perseguição movida pelo Marquês de Pombal.
Castro critica ferozmente a parte mitológica da História nacional, recorrendo-se habitualmente às opiniões lapidares de historiadores franceses, mas não deixa de mencionar detalhadamente essa mitologia, sendo por isso uma fonte muito interessante.

Breve menção à História de Damião Castro
Castro divide a História em três tempos:
  • Identifica o Tempo Escuro ao da criação de Adão, dizendo o seguinte:
    "Ponto luminoso marcado pela Escritura Santa em que só brilha a luz da verdade na História Sagrada, quando toda a Política, e Profana estava envolvida no Caos tenebroso da maior escuridade". Faz terminar este Tempo no Dilúvio, que diz de Ogiges, lendário Rei de Tebas, dizendo tratar-se de "22 séculos de sombras impenetráveis e trevas imensas".
  • Identifica depois o Tempo Fabuloso começando do Dilúvio, até à primeira Olimpíada no ano 776 antes da Era Vulgar (com a duracao de aproximadamente um milénio). Justifica a designação, pela "confusão , e miscelânea de verdades e mentiras com que os Poetas organizaram os seus escritos".
  • O Tempo Histórico seria começado depois dessa 1ª Olimpíada, a partir da qual, considerava haver relatos fidedignos, ou conforme diz "das Olimpíadas em diante principiou a brilhar na História a verdade dos sucessos sem as tisnas da escuridade, sem as manchas da fábula".
Sobre Heródoto chega a ser radical ao ponto de dizer "em lugar de lhe darmos com Cícero o nome de Pai da História, lhe chamaremos um dos Progenitores da Fábula".
É mesmo mais cáustico dizendo que a "luz histórica" nos permitia agora ver os pais das patranhas referindo-se a fontes antigas: Aunio, Filo, Beroso, Manethon e Metastene.

Por outro lado, é interessante notar a sequência pela qual ele diz que poderia ir buscar fontes fidedignas (através do contacto entre gerações):
- da sua geração até D. Pedro II, dessa geração até D. Filipe IV, depois até ao Cardeal D. Henrique... saltando depois até D. Afonso Henriques.

As escolhas Pedro II, Filipe IV, Cardeal D. Henrique, seriam as piores possíveis que eu nomearia para fontes sem pressões circunstânciais... dificilmente pode ser escolha acidental de reis. Mais, diz irá faz aquela História para evitar uma certa humilhação de se traduzir outras histórias...
Damião Castro alinha no jogo, mas não o esconde, e por isso acabará por ser necessário mais tarde um Alexandre Herculano.
Renega começar no Tempo Fabuloso o princípio da História Antiga de Portugal, como teriam feito "Frei Bernardo de Brito, Manoel de Faria e Sousa, Padres João de Mariana, José Moret, o Arcebispo D. Rodrigo Ximenes, Gabriel de Henão, e quase todos os Historiadores das Hespanhas". Esta informação não serve para refutar "quase todos os historiadores" anteriores, é um elemento importante para identificar documentação que seria menosprezada ou perdida.
Muito mais do que uma mensagem de superioridade face aos precedentes, parece-nos ser uma tentativa de passar informação, tanto mais que aproveita o Prefácio para fazer aquilo que diz que não irá fazer...

Alguns raciocínios são elucidativos:
(i) Para justificar que seria inverosímel que Tubal e o sobrinho Tarsis tivessem migrado para as Hespanhas, diz que o horror às águas após o Dilúvio os desmotivaria para tal viagem.
(ii) Chamando "sectários" a Florião do Campo, Garibay, Beuter e Vazeo, que "beberam na fonte impura de Beroso", diz-nos que quer esses, quer "o novo engenho vasto" de D. José Pellicer não teriam conseguido tirar dos "cofres da sua erudição" motivos que tornassem a história susceptível a "engenhos menos vulgares" de Diaristas de Sotelo, que teriam conseguido derrotar uma opinião favorável a Tubal e Tarsis. A escolha de adjectivos para os vencedores e para o vencido será elucidativa do partido que é seu, mas que não pode tomar.
(iii) Escarnece assim da ideia de uma República de Setúbal formada por esses netos de Noé, do nome do filho Hibero (de onde viria o nome Ibéria), de Tago (de onde viria o nome Tejo), de Beto (de onde viria o nome Bética), de Hispalis e Hespero (de onde viria o nome Hespanha e Hespérides), e também dos mitos associados de Osíris, Hércules, dos filhos de Gerião, Baco, de Luso (de onde viria o nome Lusitânia).
Acaba por parar, dizendo que foi um autor estrangeiro, Quien de la Neufville, que lhe fez ver tudo isso necessitaria de indagação crítica, judiciosa e severa. E é genial dizendo que o eminente autor francês resolve a questão em dois parágrafos, resumidamente porque: Tubal nunca veio à Espanha; que os seus descendentes iberos são os vindos da Ibéria na Geórgia; que eram uns "brutos, incapazes de religião e política"; que sempre foram os mesmos até que estrangeiros, como egípcios, gregos, cartagineses, e gauleses, "adoçassem o seu ar bárbaro e a dureza dos seus costumes". Dificilmente não se ficaria convencido com tal profundidade e elogio nos argumentos dos historiadores franceses...
(iv) Mais à frente, aludindo a que a marinha Grega seria "das mais fracas", e "não poderiam ter passado o Mediterrâneo", cita outro francês, Bochart. Este teria argumentado a origem fenícia de diversos locais, evitando associações com nomes gregos, já que nunca poderiam ter chegado a terras portuguesas. Por exemplo, Minho viria do fenício Manin (quiçá querendo evitar talvez a associação de Minho ao grego Minos), Tejo de Dagi, Lisboa de Alis-ubbo, etc... ao ponto de Damião Castro dizer que fez um tal "dilúvio de conjecturas" que ninguém tomaria Bochart "como fiador" nesta última. Mas é moderado, dizendo apenas que, devido ao grande número, "se algumas coisas acertou, noutras podia errar".

Se há algo que se nota imediatamente é este cuidado em seguir, e não hostilizar demasiadamente as "opiniões dos estrangeiros". Porém o trabalho de Damião Castro acabará esquecido, face à versão mais politicamente correcta que Alexandre Herculano tomará em mãos, evitando talvez estes conflitos pouco sustentáveis com um passado remoto.

Sem entrar já nos detalhes do livro de Damião Castro,
História Geral de Portugal e suas Conquistas
que pode ser consultado aqui:
http://books.google.pt/books?id=ZerqifGsq3YC
não deixamos de notar como interessante a referência às Torres Altas(**) de Tróia (no Prefácio, página XXXI), bem como uma referência à chegada da Armada de Ulisses no Tejo, a fundação da cidade Ulyssipo que o Rei Gorgoris teria consentido, cedendo a Ulisses a mão da sua filha Calipso. Asclepíades teria assegurado que aí Ulisses fundara um Templo de Minerva, onde teria ainda visto (no seu tempo, séc. II-BCE) destroços dos seus navios.

(**) Comparar com as Torres de Shetland (ver 2ª notícia Abril/2010 no blog Portugalliae). Essas torres são de origem desconhecida, segundo a reportagem da BBC, estando subjacente um comércio marítimo na Idade do Bronze que talvez envolvesse um antigo comércio marítimo na Europa Ocidental.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38


A espiga e o alecrim

por desvela, em 21.05.10


Começo pelo verso de Camões (inspirado no de Petrarca), dito pelo soldado Leonardo:


- Tra la spica e la man, qual muro è messo! (Entre a espiga e a mão que muro se levanta!)

Maia e Maio
O dia da espiga é uma tradição de Maio, perdida nos tempos... por um lado relacionada muitas vezes com cultos pagãos associados à primavera, pode ter sofrido alterações na sua colocação no calendário, relativamente a Março.
O nome Maio, Maia, foi ficando... nalgumas regiões de Portugal ainda subsiste a tradição de fazer uma boneca de palha, chamada Maia!

Maia seria uma deusa filha de Atlas, e de uma ninfa oceânica da Arcádia, figura como uma das sete estrelas nas Plêiades. Será dos raros casos em que o seu nome não sofre grande alteração ao longo dos tempos, e é sonoramente idêntico em várias línguas. Numa pequena variação, Ésquilo terá aparentemente tentado associá-la a Gaia!
Por outro lado, teve com Zeus/Júpiter um filho que seria Hermes/Mercúrio, e protegeu Arcas de Hera (que tinha transformado a mãe Calisto num urso, no céu ficando a Ursa Maior, e Arcas como a Ursa Menor).

Já na tradição romana, Maia é muito associada aos ritos de primavera e assim há uma ligação a esta tradição da espiga em Maio e a uma boneca com o seu nome. Este dia de descanso em Maio, tradição milenar, está na origem de tradições mais recentes que o estabelecem a 1 de Maio.
Se por um lado o dia de espiga foi ligado à quinta-feira de Ascensão, por influência católica, está também ligado ao movimento laboral.

O nome Maia é ainda indissociável de outras particularidades...
- Os Senhores da Maia, estiveram na fundação de Portugal. Começando com Trastamiro Aboazar (cujo nome é de origem desconhecida, talvez árabe), temos talvez o mais marcante Gonçalo Mendes da Maia, "o Lidador", amigo próximo de D. Afonso Henriques.
- Os Maias, o romance de Eça de Queirós...
- Os Maias, povo que "curiosamente ostentou este nome, do outro lado do Atlântico...
- Ilha de Maio, que é nome de ilha em Cabo Verde, mas também foi nome de ilha nas Caraíbas.

Porém, regressando à espiga, a tradição de Maio, junta-lhe outras "flores":
- malmequeres, papoilas, alecrim, oliveira, videira...
Cada uma destas "flores" parece ter um certo significado, mas nem sempre unânime.
Por exemplo, foi-me dito ouro/prata para malmequeres amarelos/brancos, liberdade pela papoila, e o alecrim parece estar relacionado com a saúde...

Alecrim
Há é claro a célebre canção popular... mas há mais!
De António José da Silva tivémos as Guerras de Alecrim e Manjerona onde, logo de ínicio e um pouco a despropósito, diz o personagem Semicúpio:
- Já fica assinalada na Carta de Marear toda a costa de leste a oeste, com seus cachopos e baixios!
É claro que é uma referência semelhante à de Pedro Nunes, quando se refere às cartas de marear, e à maior ignorância na leitura de leste a oeste... que a tal rotação do portulano de Pedro Reinel parece associar ao México. Talvez por este tipo de impertinências, António José da Silva acabou por dificuldades na aceitação do seu trabalho, e acabou por terminar à mão da Inquisição.
Talvez por causa de um acréscimo de impertinências o terramoto de 1755 não seja apenas um sismo, seja também um incêndio que delapidou a nossa memória documental, e um período ilustrado pelas inúmeras execuções e autos-de-fé subsequentes:

Fez hoje 561 anos que, a 20 de Maio de 1449, o Infante Dom Pedro foi morto na Batalha de Alfarrobeira, e proscrito da história nacional (excepto no breve período de seu neto, D. João II). Olhando para o seu eterno semblante jovem, aqui:


... não podemos deixar de ler Camões, a despropósito (Canto 7, §77) de um velho de aspecto venerando:

Cujo nome não pode ser defunto
Enquanto houver no mundo trato humano:
No trajo a Grega usança está perfeita,
Um ramo por insígnia na direita.

Um ramo na mão tinha... Mas, ó cego!
Eu, que cometo insano e temerário,
Sem vós, Ninfas do Tejo e do Mondego,
Por caminho tão árduo, longo e vário!
Vosso favor invoco, que navego
Por alto mar, com vento tão contrário,
Que, se não me ajudais, hei grande medo
Que o meu fraco batel se alague cedo.

E a partir desse ponto, e por muitos séculos, quero crer que novos ramos foram adicionados à espiga... até que do nevoeiro se descobrisse o encoberto, e o mundo desejado voltasse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:28


A espiga e o alecrim

por desvela, em 20.05.10

Começo pelo verso de Camões (inspirado no de Petrarca), dito pelo soldado Leonardo:

- Tra la spica e la man, qual muro è messo! (Entre a espiga e a mão que muro se levanta!)

Maia e Maio
O dia da espiga é uma tradição de Maio, perdida nos tempos... por um lado relacionada muitas vezes com cultos pagãos associados à primavera, pode ter sofrido alterações na sua colocação no calendário, relativamente a Março.
O nome Maio, Maia, foi ficando... nalgumas regiões de Portugal ainda subsiste a tradição de fazer uma boneca de palha, chamada Maia!

Maia seria uma deusa filha de Atlas, e de uma ninfa oceânica da Arcádia, figura como uma das sete estrelas nas Plêiades. Será dos raros casos em que o seu nome não sofre grande alteração ao longo dos tempos, e é sonoramente idêntico em várias línguas. Numa pequena variação, Ésquilo terá aparentemente tentado associá-la a Gaia!
Por outro lado, teve com Zeus/Júpiter um filho que seria Hermes/Mercúrio, e protegeu Arcas de Hera (que tinha transformado a mãe Calisto num urso, no céu ficando a Ursa Maior, e Arcas como a Ursa Menor).

Já na tradição romana, Maia é muito associada aos ritos de primavera e assim há uma ligação a esta tradição da espiga em Maio e a uma boneca com o seu nome. Este dia de descanso em Maio, tradição milenar, está na origem de tradições mais recentes que o estabelecem a 1 de Maio.
Se por um lado o dia de espiga foi ligado à quinta-feira de Ascensão, por influência católica, está também ligado ao movimento laboral.

O nome Maia é ainda indissociável de outras particularidades...
- Os Senhores da Maia, estiveram na fundação de Portugal. Começando com Trastamiro Aboazar (cujo nome é de origem desconhecida, talvez árabe), temos talvez o mais marcante Gonçalo Mendes da Maia, "o Lidador", amigo próximo de D. Afonso Henriques.
- Os Maias, o romance de Eça de Queirós...
- Os Maias, povo que "curiosamente ostentou este nome, do outro lado do Atlântico...
- Ilha de Maio, que é nome de ilha em Cabo Verde, mas também foi nome de ilha nas Caraíbas.

Porém, regressando à espiga, a tradição de Maio, junta-lhe outras "flores":
- malmequeres, papoilas, alecrim, oliveira, videira...
Cada uma destas "flores" parece ter um certo significado, mas nem sempre unânime.
Por exemplo, foi-me dito ouro/prata para malmequeres amarelos/brancos, liberdade pela papoila, e o alecrim parece estar relacionado com a saúde...

Alecrim
Há é claro a célebre canção popular... mas há mais!
De António José da Silva tivémos as Guerras de Alecrim e Manjerona onde, logo de ínicio e um pouco a despropósito, diz o personagem Semicúpio:
- Já fica assinalada na Carta de Marear toda a costa de leste a oeste, com seus cachopos e baixios!
É claro que é uma referência semelhante à de Pedro Nunes, quando se refere às cartas de marear, e à maior ignorância na leitura de leste a oeste... que a tal rotação do portulano de Pedro Reinel parece associar ao México. Talvez por este tipo de impertinências, António José da Silva acabou por dificuldades na aceitação do seu trabalho, e acabou por terminar à mão da Inquisição.
Talvez por causa de um acréscimo de impertinências o terramoto de 1755 não seja apenas um sismo, seja também um incêndio que delapidou a nossa memória documental, e um período ilustrado pelas inúmeras execuções e autos-de-fé subsequentes:


Fez hoje 561 anos que, a 20 de Maio de 1449, o Infante Dom Pedro foi morto na Batalha de Alfarrobeira, e proscrito da história nacional (excepto no breve período de seu neto, D. João II). Olhando para o seu eterno semblante jovem, aqui:
... não podemos deixar de ler Camões, a despropósito (Canto 7, §77) de um velho de aspecto venerando:

Cujo nome não pode ser defunto
Enquanto houver no mundo trato humano:
No trajo a Grega usança está perfeita,
Um ramo por insígnia na direita.

Um ramo na mão tinha... Mas, ó cego!
Eu, que cometo insano e temerário,
Sem vós, Ninfas do Tejo e do Mondego,
Por caminho tão árduo, longo e vário!
Vosso favor invoco, que navego
Por alto mar, com vento tão contrário,
Que, se não me ajudais, hei grande medo
Que o meu fraco batel se alague cedo.

E a partir desse ponto, e por muitos séculos, quero crer que novos ramos foram adicionados à espiga... até que do nevoeiro se descobrisse o encoberto, e o mundo desejado voltasse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


Teatro dos Descobrimentos

por desvela, em 08.05.10


Em múltiplos sites aparece este "mapa de descobrimentos", sem que eu tenha encontrado nenhuma referência a quem teria sido o Autor ou a Data em que foi realizado...

Pela exactidão do contorno, somos imediatamente levados a pensar que se trata de uma reprodução realizada pelo menos no Século XX, já que só nessa altura haveria conhecimento para um tal grau de precisão! Especialmente se olharmos para a Costa Norte do Canadá.

No entanto, não deixa de ser curioso que quem terá feito este mapa, insiste nalgumas (im)precisões, típicas da época dos descobrimentos, especialmente nas ilustrações internas.

A reprodução poderá até ter alterações posteriores, mas todo o estilo do mapa, o destaque a ser "Projecção Mercator" (... que outra haveria de ser depois do séc. XVII ?), induz uma resposta curiosa:
... este mapa tem todas as características das cartas do Séc. XVI

Certamente que haverá uma resposta, e um eventual culpado (recente) de tal finura, mas vou colocar a questão de uma forma diferente...
- Quando Pedro Nunes, em 1537, afirma: "E fizeram o mar tão chão que não há hoje quem ouse dizer que achasse novamente alguma pequena ilha, alguns baixos, ou se quer algum penedo, que por nossas navegações não seja já descoberto",
e num "esboço autorizado", no mesmo Tratado da Sphera, é capaz de fazer mapas destes:
... seria de esperar que, sem outras restrições, apresentasse um mapa semelhante para ser consistente com a sua afirmação!
Notas adicionais sobre o mapa:
O mapa tem uma inscrição no canto inferior esquerdo, que o parece associar ao Museu da Marinha (**).
No entanto, não se enquadra num típico mapa histórico, porque:
(i) Não aparecem as designações dos continentes America ou Australia, nem aparece o Havai.
(ii) Na Australia não há qualquer nome, apenas desenho de paisagem, que nem será o mais ajustado face ao conhecimento após o Séc. XIX.
(iii) Na América as designações referem-se apenas a Canada, Nova Granada, Nova Espanha, Terra Florida, Terra de Corte Real, e Terra dos Bacalhaos.
(iv) As restantes designações e bandeiras são apropriadas para um mapa da época de D. Sebastião.
(v) A referência à Projecção Mercator também seria apropriada para a época de D. Sebastião, depois do Séc. XVII tornou-se de tal forma comum, que seria redundante referi-lo num mapa.
(vi) Há uma bandeira portuguesa e outra espanhola nas Filipinas, o que se ajustaria ainda à época de D. Sebastião, tal como a reclamação da Terra de Corte Real para Portugal.
(vii) Se o mapa pretendesse só invocar historicamente os descobrimentos portugueses seria redundante colocar as bandeiras espanholas (não coloca francesas ou inglesas), e não faria sentido colocar as bandeiras de outras nações à época de D. Sebastião. Aliás D. Sebastião seria talvez o único monarca com a coragem de aceitar a publicação de tal mapa.
(viii) Se a linha costeira não tem quase nenhum erro, o mesmo não podemos dizer do Rio Amazonas e do Rio da Prata, que são ilustrados conforme era habitual no Séc. XVI.
(ix) Independentemente da datação, o autor coloca diferentes tipos de embarcações no mapa. Podemos ver algumas bem primitivas na direcção da Terra dos Bacalhaos. Isso é ainda uma informação adicional sobre a época das viagens.
(x) Na Gronelândia aparecem pinguins... algo estranho de se confundir já no Séc. XIX ou XX.
(xi) São assinaladas algumas trajectórias de viagens históricas:
-- (a) Vemos as rotas das viagens de Dias, Gama, Cabral ou Magalhães (esta terminando nas Filipinas), mas não de Colombo...
-- (b) São apresentadas viagens que saem dos Açores. Uma dirige-se para Gronelândia-leste, e deverá ser uma viagem dos Corte-Real. A outra é mais difícil de identificar, saindo dos Açores, atinge a Flórida, e depois sobe a costa americana até à Nova Escócia.
-- (c) Há ainda uma viagem, também não identificada, que saindo do Perú em direcção ao Pacífico atinge as Ilhas Salomão, e regressa pelo Pacífico explorando a costa Mexicana.
Estes são alguns dos indícios suficientes para supor que este mapa pode até ter sido feito posteriormente, mas reflectiria um eventual mapa à época de D. Sebastião. Com uma outra versão, com maior resolução, talvez se conseguissem ainda retirar muito mais conclusões.

(**) Actualização em 10 de Maio de 2010

Após KTemplar ter disponibilizado ontem algumas fotografias de uma cópia que possui, em
são interessantes as conclusões:
(C1) - A inscrição diz
"Executado pelo pessoal técnico do Museu da Marinha. Maio de 1970"
(C2) - A viagem Açores-Flórida-Nova Escócia é atribuída a Gaspar Corte-Real (1501-02). A viagem Açores-Gronelândia é atribuída a João Fernandes Labrador (1495).
(C3) - A viagem Perú-Ilhão Salomão-México é atribuída a Pedro Fernandes Queirós (navegador já aqui referido por JM-CH). A outra parte da exploração Californiana é atribuída a João Rodrigues Cabrilho (1542).
(C4) - Curiosamente, na cópia de KTemplar, não aparecem os pinguins na Gronelândia!!

Portanto, há mais do que uma versão do mapa... com ou sem pinguins!
As perguntas que ficam são:
- o que leva o "pessoal técnico" do Museu da Marinha a decidir ou não colocar "pinguins na Gronelândia"?
- de onde vem esta inspiração para um mapa comemorativo, próprio para o Séc. XVI, com nomenclatura própria dessa época específica (reinado de D. Sebastião)?
- de onde vem a inspiração para desenhos pouco informados de animais, como tigres ou cangurus?
Para além das outras questões já mencionadas em cima...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


Teatro dos Descobrimentos

por desvela, em 07.05.10


Em múltiplos sites aparece este "mapa de descobrimentos", sem que eu tenha encontrado nenhuma referência a quem teria sido o Autor ou a Data em que foi realizado...

Pela exactidão do contorno, somos imediatamente levados a pensar que se trata de uma reprodução realizada pelo menos no Século XX, já que só nessa altura haveria conhecimento para um tal grau de precisão! Especialmente se olharmos para a Costa Norte do Canadá.

No entanto, não deixa de ser curioso que quem terá feito este mapa, insiste nalgumas (im)precisões, típicas da época dos descobrimentos, especialmente nas ilustrações internas.

A reprodução poderá até ter alterações posteriores, mas todo o estilo do mapa, o destaque a ser "Projecção Mercator" (... que outra haveria de ser depois do séc. XVII ?), induz uma resposta curiosa:
... este mapa tem todas as características das cartas do Séc. XVI

Certamente que haverá uma resposta, e um eventual culpado (recente) de tal finura, mas vou colocar a questão de uma forma diferente...
- Quando Pedro Nunes, em 1537, afirma: "E fizeram o mar tão chão que não há hoje quem ouse dizer que achasse novamente alguma pequena ilha, alguns baixos, ou se quer algum penedo, que por nossas navegações não seja já descoberto",
e num "esboço autorizado", no mesmo Tratado da Sphera, é capaz de fazer mapas destes:
... seria de esperar que, sem outras restrições, apresentasse um mapa semelhante para ser consistente com a sua afirmação!
Notas adicionais sobre o mapa:
O mapa tem uma inscrição no canto inferior esquerdo, que o parece associar ao Museu da Marinha (**).
No entanto, não se enquadra num típico mapa histórico, porque:
(i) Não aparecem as designações dos continentes America ou Australia, nem aparece o Havai.
(ii) Na Australia não há qualquer nome, apenas desenho de paisagem, que nem será o mais ajustado face ao conhecimento após o Séc. XIX.
(iii) Na América as designações referem-se apenas a Canada, Nova Granada, Nova Espanha, Terra Florida, Terra de Corte Real, e Terra dos Bacalhaos.
(iv) As restantes designações e bandeiras são apropriadas para um mapa da época de D. Sebastião.
(v) A referência à Projecção Mercator também seria apropriada para a época de D. Sebastião, depois do Séc. XVII tornou-se de tal forma comum, que seria redundante referi-lo num mapa.
(vi) Há uma bandeira portuguesa e outra espanhola nas Filipinas, o que se ajustaria ainda à época de D. Sebastião, tal como a reclamação da Terra de Corte Real para Portugal.
(vii) Se o mapa pretendesse só invocar historicamente os descobrimentos portugueses seria redundante colocar as bandeiras espanholas (não coloca francesas ou inglesas), e não faria sentido colocar as bandeiras de outras nações à época de D. Sebastião. Aliás D. Sebastião seria talvez o único monarca com a coragem de aceitar a publicação de tal mapa.
(viii) Se a linha costeira não tem quase nenhum erro, o mesmo não podemos dizer do Rio Amazonas e do Rio da Prata, que são ilustrados conforme era habitual no Séc. XVI.
(ix) Independentemente da datação, o autor coloca diferentes tipos de embarcações no mapa. Podemos ver algumas bem primitivas na direcção da Terra dos Bacalhaos. Isso é ainda uma informação adicional sobre a época das viagens.
(x) Na Gronelândia aparecem pinguins... algo estranho de se confundir já no Séc. XIX ou XX.
(xi) São assinaladas algumas trajectórias de viagens históricas:
-- (a) Vemos as rotas das viagens de Dias, Gama, Cabral ou Magalhães (esta terminando nas Filipinas), mas não de Colombo...
-- (b) São apresentadas viagens que saem dos Açores. Uma dirige-se para Gronelândia-leste, e deverá ser uma viagem dos Corte-Real. A outra é mais difícil de identificar, saindo dos Açores, atinge a Flórida, e depois sobe a costa americana até à Nova Escócia.
-- (c) Há ainda uma viagem, também não identificada, que saindo do Perú em direcção ao Pacífico atinge as Ilhas Salomão, e regressa pelo Pacífico explorando a costa Mexicana.
Estes são alguns dos indícios suficientes para supor que este mapa pode até ter sido feito posteriormente, mas reflectiria um eventual mapa à época de D. Sebastião. Com uma outra versão, com maior resolução, talvez se conseguissem ainda retirar muito mais conclusões.

(**) Actualização em 10 de Maio de 2010

Após KTemplar ter disponibilizado ontem algumas fotografias de uma cópia que possui, em
são interessantes as conclusões:
(C1) - A inscrição diz
"Executado pelo pessoal técnico do Museu da Marinha. Maio de 1970"
(C2) - A viagem Açores-Flórida-Nova Escócia é atribuída a Gaspar Corte-Real (1501-02). A viagem Açores-Gronelândia é atribuída a João Fernandes Labrador (1495).
(C3) - A viagem Perú-Ilhão Salomão-México é atribuída a Pedro Fernandes Queirós (navegador já aqui referido por JM-CH). A outra parte da exploração Californiana é atribuída a João Rodrigues Cabrilho (1542).
(C4) - Curiosamente, na cópia de KTemplar, não aparecem os pinguins na Gronelândia!!

Portanto, há mais do que uma versão do mapa... com ou sem pinguins!
As perguntas que ficam são:
- o que leva o "pessoal técnico" do Museu da Marinha a decidir ou não colocar "pinguins na Gronelândia"?
- de onde vem esta inspiração para um mapa comemorativo, próprio para o Séc. XVI, com nomenclatura própria dessa época específica (reinado de D. Sebastião)?
- de onde vem a inspiração para desenhos pouco informados de animais, como tigres ou cangurus?
Para além das outras questões já mencionadas em cima...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:01


Theatrum Mundi

por desvela, em 07.05.10
No final do séc. XVI aparece um mapa com a designação "Theatrum Mundi", atribuído inicialmente a João Lavanha em 1597 (e a Luis Teixeira com eventual conclusão c. 1612, de acordo com a Portugaliae Monumenta Cartographica), mas provavelmente baseado num mapa português muito anterior:
Theatrum Mundi (cópia) - João Lavanha, Luis Teixeira (c. 1597-1612)

Apesar de aparentar algumas presumíveis incorrecções demasiado evidentes (a sempre oculta Austrália, propositadamente confundida com a Antártida e com o nome Nova Guiné), este é talvez um dos exemplares portugueses mais interessantes dos que restam intactos, apresentando todo o mundo.
Em particular apresenta o Estreito de Anian, que não se chamava Estreito de Bering, pois quem "descobriu" esse Estreito - o explorador Vitus Bering (1681-1741) - ainda não era tampouco nascido...
Apresenta de forma muito rigorosa toda a Passagem Noroeste (realizada por Amundsen em 1906), e também a Passagem do Nordeste que deverá ter sido navegada por David Melgueiro em 1660-62, mas que é atribuída a Nordenskjold em 1878-79.
O mapa português insiste em não usar a projecção de Mercator, e tirando esse aspecto, não será muito diferente de um mapa anterior (c. 1570) do famoso Abraham Ortelius:

Também Ortelius apresenta uma possibilidade para ambas as passagens, e a representação sugere o Estreito de Anian (onde está o Anian Regnum)... no entanto, não é a mesma coisa!
A representação do continente americano era, no final do Séc. XVI, muito melhor do que em mapas posteriores. Damos como exemplo, um mapa c. 1630, de Hondius, talvez um dos melhores do Séc. XVII, mas onde já desapareceu o Estreito de Anian... e qualitativamente inferior até ao mapa de João de Lisboa (o do logotipo alvor-silves) publicado um século antes.
Jodocus Hondius (c. 1630)

Até à viagem do "Captain Cook" em 1768-71, a parte ocidental da América do Norte foi-se desvanecendo dos mapas. A Austrália seria pontualmente representada, apenas na sua parte ocidental, após as viagens de Tasman (1642-44). Ver, por exemplo, G. Delisle (c.1700).
Após a restauração de independência, praticamente deixam de se encontrar mapas relevantes, de origem portuguesa. Será um caso de estudo em que uma nação evolui no tempo, mas perde toda a sua capacidade intelectual para as gerações seguintes.

Análise do Mapa Theatrum Mundi
O mapa Theatrum Mundi de João Baptista Lavanha é provavelmente um último grito abafado, realizado a pedido de Catarina de Bragança.
Nele encontramos uma distorção provocada por duas rosas-do-vento polares, alguma imprecisão nos contornos dessa parte americana (tal como em África), mas que retrata fielmente os detalhes e contornos na "parte obscura" da América: Alasca e Canadá. Se seguirmos a linha de costa encontramos correspondentes em (quase) todos os casos (p. ex. Baía de Hudson - 1611, Baía de Baffin-1616) , o que não se verifica sempre com o mapa de Ortelius. Também clara é a diferença no contorno da Rússia setentrional. Em Lavanha, já é possível nomear Nova Zembla, descoberta por Barents em 1597, que aí morre.
A realização de tal mapa só seria justificável por uma coincidência muito para além do razoável, e como tal este mapa não faz parte da "colecção oficial", encontrando-se ainda assim na Portugallia Monumenta Cartographica, de 1960.
É actualmente quase desconhecido, pois mais uma vez foi concedida à nova geração o privilégio de se esquecer da anterior.
Terras na América Setentrional no Theatrum Mundi (de oeste-leste, norte-sul):
- Mendocino, Quiuira Regio, Anian Regio, Bergi Regio,
- Agama, Canaoga, Tolm,
- Chiugigua, Cogibel, Albardos, Zubgara, Sete Cidades, Nova Granada,
- Avanares, Capaschi, Florida, Cossa, Tagil
- Saguena, Ochalaga, Apalache n,
- Canadaa, Norumberga
- Stotilano, Aratoris, Terra Nova dos Bacalhaos

Há dois lagos nomeados:
- Conibas (provavelmente a entrada do Mar Beaufort na Baía Amundsen)
- Mar Doce (provavelmente a baía de Hudson)
Talvez o mais interessante seja ainda o nome:
- Mar Vermelho: actualmente o Golfo da Califórnia
Esta designação encontra-se noutros mapas. Convém notar que o outro mar vermelho seria então designado Mar Arábico (havendo ainda o Mar Pérsico).
Não vou entrar em detalhes sobre toda a confusão que pode existir quando se referem coisas que se passaram no Mar Vermelho, confundindo Califórnia com Arábia... Não deixo de salientar que a Califórnia foi também vista como uma terra prometida, e que no prolongamento do Rio Colorado encontramos a inscrição Ceuola e depois Sete Cidades (referindo-se provavelmente às Sete Cidades de Cíbola... ou será Cebola?)
Quanto às outras designações também muito há a dizer... por exemplo, Agama é entendida como uma palavra em sanscrito referindo-se a um dos vedas. Há um Canaoga Park na Califórnia, etc... mas uma parte destes nomes estranhos perdeu-se nos mitos dos tempos.
Encobrimentos...
Como é fácil concluir, a política de encobrimentos manteve-se mesmo após as descobertas portuguesas, e até à viagem de Cook. A viagem de Cook, quase contemporânea da Revolução de Independência Americana marcou definitivamente o fim da ocultação de uma parte considerável do mundo.
De c. 1600 até 1771, o mundo que era "descoberto", ou melhor, não era "encoberto", não incluía metade da Austrália e Nova Zelândia, Havai, ou ainda a parte norte da América, acima da Califórnia.
O que se passou nessa parte "encoberta", e perfeitamente habitável, durante mais de dois séculos? O que determinou o seu fim, caso tenha havido "fim"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:28


Theatrum Mundi

por desvela, em 06.05.10
No final do séc. XVI aparece um mapa com a designação "Theatrum Mundi", atribuído inicialmente a João Lavanha em 1597 (e a Luis Teixeira com eventual conclusão c. 1612, de acordo com a Portugaliae Monumenta Cartographica), mas provavelmente baseado num mapa português muito anterior:

Theatrum Mundi - João Lavanha, Luis Teixeira (c. 1597-1612)

Apesar de aparentar algumas presumíveis incorrecções demasiado evidentes (a sempre oculta Austrália, propositadamente confundida com a Antártida e com o nome Nova Guiné), este é talvez um dos exemplares portugueses mais interessantes dos que restam intactos, apresentando todo o mundo.

Em particular apresenta o Estreito de Anian, que não se chamava Estreito de Bering, pois quem "descobriu" esse Estreito - o explorador Vitus Bering (1681-1741) - ainda não era tampouco nascido...

Apresenta de forma muito rigorosa toda a Passagem Noroeste (realizada por Amundsen em 1906), e também a Passagem do Nordeste que deverá ter sido navegada por David Melgueiro em 1660-62, mas que é atribuída a Nordenskjold em 1878-79.

O mapa português insiste em não usar a projecção de Mercator, e tirando esse aspecto, não será muito diferente de um mapa anterior (c. 1570) do famoso Abraham Ortelius:

Abraham Ortelius (c. 1570)

Também Ortelius apresenta uma possibilidade para ambas as passagens, e a representação sugere o Estreito de Anian (onde está o Anian Regnum)... no entanto, não é a mesma coisa!

A representação do continente americano era, no final do Séc. XVI, muito melhor do que em mapas posteriores. Damos como exemplo, um mapa c. 1630, de Hondius, talvez um dos melhores do Séc. XVII, mas onde já desapareceu o Estreito de Anian... e qualitativamente inferior até ao mapa de João de Lisboa (o do logotipo alvor-silves) publicado um século antes.

Jodocus Hondius (c. 1630)

Até à viagem do "Captain Cook" em 1768-71, a parte ocidental da América do Norte foi-se desvanecendo dos mapas. A Austrália seria pontualmente representada, apenas na sua parte ocidental, após as viagens de Tasman (1642-44). Ver, por exemplo, G. Delisle (c.1700).

Após a restauração de independência, praticamente deixam de se encontrar mapas relevantes, de origem portuguesa. Será um caso de estudo em que uma nação evolui no tempo, mas perde toda a sua capacidade intelectual para as gerações seguintes.

Análise do Mapa Theatrum Mundi

O mapa Theatrum Mundi de João Baptista Lavanha é provavelmente um último grito abafado, realizado a pedido de Catarina de Bragança.

Nele encontramos uma distorção provocada por duas rosas-do-vento polares, alguma imprecisão nos contornos dessa parte americana (tal como em África), mas que retrata fielmente os detalhes e contornos na "parte obscura" da América: Alasca e Canadá. Se seguirmos a linha de costa encontramos correspondentes em (quase) todos os casos (p. ex. Baía de Hudson - 1611, Baía de Baffin-1616) , o que não se verifica sempre com o mapa de Ortelius. Também clara é a diferença no contorno da Rússia setentrional. Em Lavanha, já é possível nomear Nova Zembla, descoberta por Barents em 1597, que aí morre.

A realização de tal mapa só seria justificável por uma coincidência muito para além do razoável, e como tal este mapa não faz parte da "colecção oficial", encontrando-se ainda assim na Portugallia Monumenta Cartographica, de 1960.
É actualmente quase desconhecido, pois mais uma vez foi concedida à nova geração o privilégio de se esquecer da anterior.

Terras na América Setentrional no Theatrum Mundi (de oeste-leste, norte-sul):
- Mendocino, Quiuira Regio, Anian Regio, Bergi Regio,
- Agama, Canaoga, Tolm,
- Chiugigua, Cogibel, Albardos, Zubgara, Sete Cidades, Nova Granada,
- Avanares, Capaschi, Florida, Cossa, Tagil
- Saguena, Ochalaga, Apalache n,
- Canadaa, Norumberga
- Stotilano, Aratoris, Terra Nova dos Bacalhaos

Há dois lagos nomeados:
- Conibas (provavelmente a entrada do Mar Beaufort na Baía Amundsen)
- Mar Doce (provavelmente a baía de Hudson)

Talvez o mais interessante seja ainda o nome:
- Mar Vermelho: actualmente o Golfo da Califórnia
Esta designação encontra-se noutros mapas. Convém notar que o outro mar vermelho seria então designado Mar Arábico (havendo ainda o Mar Pérsico).

Não vou entrar em detalhes sobre toda a confusão que pode existir quando se referem coisas que se passaram no Mar Vermelho, confundindo Califórnia com Arábia... Não deixo de salientar que a Califórnia foi também vista como uma terra prometida, e que no prolongamento do Rio Colorado encontramos a inscrição Ceuola e depois Sete Cidades (referindo-se provavelmente às Sete Cidades de Cíbola... ou será Cebola?)

Quanto às outras designações também muito há a dizer... por exemplo, Agama é entendida como uma palavra em sanscrito referindo-se a um dos vedas. Há um Canaoga Park na Califórnia, etc... mas uma parte destes nomes estranhos perdeu-se nos mitos dos tempos.

Encobrimentos...

Como é fácil concluir, a política de encobrimentos manteve-se mesmo após as descobertas portuguesas, e até à viagem de Cook. A viagem de Cook, quase contemporânea da Revolução de Independência Americana marcou definitivamente o fim da ocultação de uma parte considerável do mundo.

De c. 1600 até 1771, o mundo que era "descoberto", ou melhor, não era "encoberto", não incluía metade da Austrália e Nova Zelândia, Havai, ou ainda a parte norte da América, acima da Califórnia.

O que se passou nessa parte "encoberta", e perfeitamente habitável, durante mais de dois séculos? O que determinou o seu fim, caso tenha havido "fim"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2010

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D