Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Basiliscos de Basileia e Medos de Medusa

por desvela, em 30.05.11
Ainda sobre as Âncoras Suiças (2), convém esclarecer algo sobre os símbolos de Basileia.
Como é óbvio, não há nenhuma relação oficial do símbolo a quaisquer proas de navios... é suposto vermos aí a parte superior de um ceptro bispal (báculo), e não só, costuma estar acompanhado de Basiliscos, que são seres míticos (com aspecto de Gallos) capazes de "matar com o simples olhar"...

Pretender-se-à que o símbolo seja o báculo do bispo, como protector de Basileia, porém já explicámos nesse texto que as descobertas nas minas suiças - de barcos incrustados nas montanhas - poderiam ter um efeito semelhante às do Basilisco, sendo capaz de petrificar o mais céptico, com um simples olhar!

Para além destes Basiliscos de Basileia, encontramos uma lenda semelhante com Medusa.
Medusa seria uma das três Górgonas, e a única delas mortal, que sucumbiu à espada de Perseu.
É interessante saber que para além de Medusa, as irmãs imortais Esteno e Euríale, habitariam o Ocidente. Isso é consistente com a lenda que coloca Perseu a repousar nas terras de Atlas, e a petrificar o titã por olhar para a cabeça da Medusa. Já não é tão consistente colocar o artifício de Hércules que substituiu temporariamente Atlas na sustentação do mundo, pois Atlas já estaria então petrificado como montanha.

Perseu, depois Hércules, e depois Jasão, são colocados a efectuar estas viagens a paragens ocidentais, onde se deparam com um mundo inóspito, polvilhado de perigos, onde contam com a protecção de Atena. Perseu, acabará por libertar uma Andrómeda de ascendência fenícia, ameaçada pelo monstro marinho Cetus (... um cetáceo). Perseu e Andrómeda são colocados como ancestrais dos persas.
Andrómeda acorrentada, será salva de Cetus por um Perseu, 
montado no Pégaso que resultou da morte de Medusa

Também Hércules se depara com um monstro, o dragão Ládon (descendente de Cetus), que guardava os pomos de ouro (... ou laranjas) no Jardim das Hespérides. Na viagem de regresso com os Argonautas, Jasão encontra ainda o rasto desse dragão (mas que não é a mesma serpente que guarda o Tosão de Ouro).
A colaboração de Atena, já munida com a aegis da cabeça de Medusa (oferecida por Perseu), na questa de Jasão é evidenciada nesta imagem, onde o salva da serpente:

A deusa do conhecimento guardará como seu escudo a cabeça aterradora da Medusa, mas colabora com os diversos heróis nas suas viagens marítimas intrépidas.
Se a viagem de Hércules está de sobremaneira associada à Hespanha, o mesmo não acontece com a de Jasão que é colocada no Mar Negro, por isso de forma alguma se poderia Jasão na rota das Hespérides e de Hércules... a menos que consideremos o nível do mar diferente, como já temos insistido!

Usando a topografia actual, apresentamos a situação que permitiria um contorno da Europa, levado por Jasão e Argonautas, seguindo pelo Mar Negro, que aqui invadiria as extensas planícies da Europa de Leste, conectando com o Mar Báltico, de forma a ser possível o regresso pelo lado da Península Ibérica, entrando pelo lado oposto das colunas de Hércules... conforme ilustrado aqui:
É claro que tal situação topográfica apresenta tabus inquebráveis...
Ninguém aceitará de bom grado ter uma Irlanda e Britania quase submersa e reduzida quase a Gales e Escócia, ter uma França polvilhada de ilhas, ter uma Polónia quase debaixo de água (apesar das extensas minas de sal que tem), ter uma Líbia reduzida à zona de Cyrene (sirenes, sereias), e ter uma Hungria abaixo do nível do mar. São demasiadas coisas para aceitar, ainda que possam dar consistência a relatos inconsistentes, em particular a António Galvão e à viagem de Alceus.
Como já referimos a situação poderia ainda ser mais exagerada, abrindo mais o caminho pela zona da Europa de Leste, que é particularmente baixa... mas para isso temos que aceitar que o nível do mar não foi sempre o mesmo, e houve alterações consideráveis, ao longo dos tempos - e não dos milhões de anos geológico-evolucionistas, mas apenas de milhares de anos de testemunho humano.

Dificilmente, mesmo assim, se conseguiriam explicar os registos de embarcações na Suiça... ainda que Basileia esteja apenas a 244m acima do nível do mar, e por isso as minas nas redondezas possam atingir zonas que não necessitariam mais do que pouco mais de uma centena de metros de aumento do nível do mar. Qualquer outra coisa implicaria transformações geológicas de magnitude planetária.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:50


Das Maçãs às Laranjas

por desvela, em 30.05.11
Este texto pode bem seguir-se às Caves de Maastricht, no que diz respeito à Holanda, via Casa de Nassau-Oranje, pelo laranja, cor que no fim do Séc. XVI ficaria ligada à independência e crescimento holandês do Séc. XVII. Pode ler-se na wikipedia:
A laranja doce foi trazida da China para a Europa no século XVI pelos portugueses. É por isso que as laranjas doces são denominadas "portuguesas" em vários países, especialmente nos Bálcãs (por exemplo, laranja em grego é portokali e portakal em turco), em romeno é portocala e portogallo com diferentes grafias nos vários dialectos italianos .
Quem já tiver falado com magrebinos, saberá ainda que a palavra árabe para Laranja também deriva de Portugal... Desconheço pois a origem da ideia de que não havia laranjas a ocidente, mas é relatado o problema da viagem de Vasco da Gama com o escorbuto, associado à falta de consumo de citrinos - apesar de ser assumido que existiam limões trazidos da Pérsia, e disseminados pelos árabes. 
O mesmo não teria acontecido com as laranjas, e a vila francesa de Orange por acidente ficou ligada a laranjas, alguns dizem que vindas das Cruzadas!

Pretende-se pois constar que no mundo greco-romano não existiriam citrinos, o que seria complicado distinguir no pretenso legado artístico e arquitectónico greco-romano que é essencialmente de um mundo sem cores, não fora alguns frescos de naturezas-mortas de Pompéia:
Natureza-morta de Pompéia, onde não se devem ver laranjas. (imagem)

Louro da laranja
O assunto chega a ser colocado ao ponto de não haver palavra para designar o cor-de-laranja, e por isso a uma dificuldade de rimas... a palavra é de facto difícil de encontrar em textos portugueses do Séc. XVI, e a primeira ocorrência que encontrámos, é curiosamente Camões:
Mil árvores estão ao céu subindo,
Com pomos odoríferos e belos:
A laranjeira tem no fruto lindo
A cor que tinha Dafne nos cabelos;
Encosta-se no chão, que está caindo,
A cidreira com os pesos amarelos;
Os formosos limões ali, cheirando,
Estão virgíneas tetas imitando.
Lusíadas, Canto IX, §56
Camões dá uma preciosa informação... Dafne seria ruiva, ou loura, de cabelos laranja.
Atendendo a que Dafne está associada ao Loureiro, e os Louros não são Louros (de cor), ficaram-nos os louros como folhas descoloridas, e a informação camoniana ganha esse especial interesse!
L'ouro de ouro, e não do loureiro... mas sim de laranjeira, tal como é dito que Orange vem do "ór" francês de ouro (há ainda a pretensa origem pelo sanscrito indiano de "naranga", deu o espanhol "naranja", mas em português manteve-se o L para laranja, detalhes...).
Dafne que fugindo ao deus Sol se transforma em loureiro, ou laranjeira?

Esquecendo os detalhes... a cor-de-laranja esteve sempre bem presente e num pôr-do-sol marítimo e não poderia ser ocultada como uma das cores do arco-íris, ou de outras manifestações que tem na natureza. Parece ridícula a justificação de falha de palavra para a cor-de-laranja.
A imposição contra o laranja parece ter assim motivação humana propositada.

Maçãs e Laranjas
Às laranjas ligam-se maçãs... de ouro!
Começamos pelo pecado original - a maçã de Eva, que ficou no garganta dos homens como maçã de Adão... mas listamos mais alguns exemplos para que se perceba melhor:
  • Maçã de Eva, o conhecimento proibido do Jardim do Paraíso;
  • Maçã de Hércules e a sua Maça, os pomos de ouro e as Hespérides;
  • Maçã de Guilherme Tell, de que já falámos;
  • Maçã de Isaac Newton, na teoria da gravidade
... e mais recentemente poderíamos invocar a marca Apple no campo informático, só para lembrar alguns dos exemplos mais conhecidos que usaram a maçã como símbolo (podem ainda incluir-se as lendas nórdicas e celtas). Uma maçã malfadada que em latim se entende como Malum

No entanto, no caso de Hércules, os "pomos de ouro" foram considerados como designação alternativa para a laranja (que em latim teve a designação Malum Medicum... maçã medicinal (?), cf. Dicionário de Jerónimo Cardoso, 1643). Isso é confirmado por Bernardino Silva (na Defensam da Monarchia Lusitana, p. 137):
donde disse Salamão: Mala aurea in lectis argenteis homo qui loquitur verbum in tempore suo. O falar tempestivamente com palavras arresoadas & brandas, são maçãs de ouro em leitos de prata. Não falta quem por maçãs d'ouro entenda laranjas, & nesse sentido diz o Poeta Latino: Aurea mala decem misicras, altera mictam. Medicina tão própria para os doentes de cólera, que não haverá Acessias que as não receite (...)
Ou seja, as supostas "maçãs de ouro" de Hércules, ou outros heróis, não eram mais do que simples "laranjas" do jardim das Hespérides.
Onde era esse jardim ocidental, da estrela da tarde, de Hesper? Será difícil não associar laranjas a Portugal... especialmente para árabes, que usam a palavra como tal. Aliás podemos citar Duarte Nunes do Leão (1610):
Finalmente desta fruta é tão provida toda a terra, que na primavera em qualquer lugar que se ache uma pessoa, lhe cheirará a flor de laranja.
Ao mesmo tempo Duarte Leão revela a imensa exportação que era feita para a Flandres e Inglaterra!
O jardim das laranjas estava já a ser exportado em grande quantidade...
A laranja que é hoje vista como um fruto banal, bem poderia ter sido vista como uma antiga preciosidade, ao nível que tomaram depois as especiarias.

Podemos ainda ter entendimento diferente daqueles provérbios bastante conhecidos
A laranja de manhã é de ouro, à tarde é de prata e à noite mata.
Na alvorada dos tempos terá sido de ouro, nos tempos de esperança, de Hesper, no poente da tarde, foi de prata, e durante a noite da idade das trevas terá sido proibida.
Só assim faz sentido a redescoberta da laranja, coincidente com as "redescobertas" nos "descobrimentos", e poderá perguntar-se até que ponto o nome Portugal, que se associa às laranjas em várias línguas, não terá sido mais uma consequência do que uma causa!

Clementinas, Tangerinas
Como etiquetamos este texto como "estória", vemos que as variantes reduzidas de laranja, clementinas e tangerinas, levam-nos por conjectura de etimologia a dois episódios:
  • Clemente V... que cede a Filipe, o Belo, e ordena a destruição dos templários, passando o papado para Avignon, em 1309. Os templários vêm a Portugal sob protecção de D. Dinis.
  • Tanger... e a autorização para o início da expansão africana, e dos descobrimentos, em 1415, com a participação dos templários.
Picasso: les demoiselles d'Avignon... a fruteira deveria conter uma clementina!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:02


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2011

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D