Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A batalha dos Três Reis

por desvela, em 14.12.10
Em terra de mouros, ficou assim conhecida a batalha de Alcácer-Quibir... a razão seria simples, os três reis envolvidos teriam perecido em batalha. Apresentamos a conhecida (e única?) ilustração da batalha, feita por Miguel de Andrada, um dos sobreviventes:
Batalha de Alcácer Quibir, 1578
Ilustração de Miguel de Andrade (1629)

Aproveitamos mencionar Miguel de Andrade, para falar de um excerto (seleccionado na wikipedia - Segundo Diálogo, Miscelâneas) acerca de uma ponte em Lisboa "há muitos mil anos".  A certa altura dizem os personagens de Andrade:
Devoto: (...) Pois vemos que quando Lisboa era nada, em comparação do que hoje é, tinha aqui ponte de pedra, segundo agora se parece nos pedaços de pilares que dela ali vedes, desta banda e da outra.
Galácio: Isso seria há muitos mil anos, em tempo que este rio seria mais estreito, e menos fundo.
Devoto: A largura é a mesma, segundo mostram os vestígios dos pilares que vedes, que chega o rio a eles e não passa; e quanto a profundidade, ainda que seja mais, o que não sabemos, contudo, bem se pudera refazer de pedra, que no fundo devem estar os alicerces ou bases dos pilares; quanto mais, que a arte da arquitectura com dinheiro muito alcança e pode, para se fazer de hum só arco: pois dizem, que é infinita esta arte sem termo. E vemos que naquele tão famoso rio Danúbio, está ainda em pé a ponte que nele mandou fazer o Imperador Trajano, com quase todos os pilares inteiros por cima da água cento e cinquenta pés, os vinte deles, que se parecem, e cada hum de sessenta pés de grossura, e o vão de cada arco de cento e sessenta pés. […] Por onde digno era da grandeza de Lisboa, haver aqui uma famosa ponte de pedra, ainda que se fintasse para isso todo o reino.
Galácio: Já nos contentáramos com ela de barcas.
Danúbio - desenho com a ponte de Trajano, supostamente destruída no séc. III,
o que contradiz a afirmação "está ainda de pé a ponte..." que Andrade coloca em Devoto.

Mais uma vez, pequenos registos soltos... Miguel de Andrade, que acompanhou D. Sebastião, fala de uma ponte que se perdeu o rasto, o rasto dos pilares, e pior, perdeu-se mesmo o mito desse rasto. Uma ponte, com milhares de anos ligando Lisboa e outra margem... que margem? Será fácil argumentar que é a  ponte de Sacavém, relatada por Francisco de Holanda (1571, Da fábrica que falece a cidade de Lisboa), mas há um problema... ou falamos de pequenas pontes - inferiores a 30 metros (sobre o Trancão), ou falamos de pontes superiores a 3000 metros (sobre o Tejo)! Fala-se em mudanças da paisagem por consequência do terramoto de 1755... após isso bastaria uma ponte de madeira sobre o Trancão (... se falarmos da mesma Sacavém).
Afinal há sempre explicações, mesmo que infundadas, e a destruição de 1755 aparece sempre como explicação de recurso às diversas perdas nacionais. O panorama de partilha mundial precisou ainda de incursões mais cirúrgicas para readaptar a paisagem a uma estória consistente.

As caricaturas de Gillray explicam muito... (Jorge III/Pitt e Napoleão)
... mas este problema não foi só externo, é interno e anterior.

Voltamos a Alcácer, na Barbaria, e à peça (1591) de George Peele sobre a batalha.
É uma das poucas peças estrangeiras que trata de um assunto marcante para Portugal, e se arrisca a nunca ser conhecida publicação em português. O bolo estava partido entre Portugal e Espanha, os Habsburgos tentaram com a chancela papal ficar com todo o bolo, mas Vestfália e depois Viena acabarão por trazer uma partilha mais estável.

A figura central da peça é Thomas Stukeley, sobre o qual Peele no seu Farewell (sobre a expedição de Drake e Norris, a chamada Contra-Armada), diz o seguinte:
Bid theatres, and proud tragedians, Bid Mahomet's Poo, and mighty Tamburline, and the rest. King Charlemagne, Tom Stukeley, and Adieu !
Dificilmente se colocaria numa mesma frase Maomé, Tamerlão, Carlos Magno e o quase desconhecido Stukeley... porém os seus contemporâneos dão-lhe algum relevo crítico, talvez suspeitando ser filho de Henrique VIII. Afinal, o título da peça acaba por colocar quase ao mesmo nível a morte dos três reis e a morte de Stukeley. Esse será um moto de interesse para o público inglês, já que Stukeley teria procurado depor a rainha Isabel.

Como diria Fuller, a propósito de Stuckeley, mas referindo-se à batalha de Alcácer:
A fatal fight, where in one day was slain, Three Kings that were, and One that would he fain
O resultado da batalha foi favorável a Filipe II e também ao império Otomano, mas a pressão sobre este "domínio filipino", omnipotente agora com os dois hemisférios de Tordesilhas, tornava a partilha ineficaz no quadro Europeu. A partir da derrota da Armada Invencível, a Guerra dos Trinta Anos terminará com o domínio espanhol Habsburgo, e com o fim do Vaticano como centro de arbitragem.
Os próximos tratados de paz dispensarão por completo a chancela ou até a presença papal... o mundo Charlemagne estava a modificar-se mas já era demasiado vasto para desaparecer.

NOTA: Há um ano atrás, quando comecei esta publicação, comecei com D. Sebastião, abordando algumas inconsistências que foram transparecendo a partir da cartografia antiga, com que acidentalmente me deparei. A partir daí, tratou-se de tentar desmontar e montar um gigantesco puzzle com milhares de anos, começando com a parte em que é evidente que as peças não encaixam - os descobrimentos marítimos. Fica o obrigado a quem foi seguindo este percurso, e não me deixou a falar sózinho - Maria da Fonte, José Manuel, Calisto, KTemplar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:18


4 comentários

De Anónimo a 15.12.2010 às 05:55

Caro Alvor

Fantástico! Descobriu a PONTE! ATLANT-AFRIQ...
A PONTE ENTRE LISBOA E O NOROESTE DE ÁFRICA. A Ponte Milenar. A Ponte da perdida Atlântida!

Parabéns! Estou felicíssima!

Maria da Fonte

Maria da Fonte

De AlvorSilves a 16.12.2010 às 01:10

Cara Maria da Fonte,
só pode ter feito confusão!

Aquilo que sugeri é que na conversa dos personagens de Miguel de Andrada se fala de uma ponte "de muitos mil anos" que, pela comparação com a ponte de Trajano, pode ser encarada como uma ponte entre as duas margens do Tejo, e dificilmente com a ponte de Sacavém.
A menos que veja a "margem sul" como África, não sugeri nenhuma ponte dessas dimensões continentais... o que aliás me parece inexequível - ainda hoje.

A ilustração de Francisco de Holanda, por outro lado, dá ideia de uma ponte de Sacavém com dimensões também demasiado grandes para o Rio Trancão, conforme se pode ver aqui:
Ponte de Sacavém - desenho de F. de Holanda (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/67/Ponte_de_Sacav%C3%A9m_%28Francisco_de_Holanda%29.jpg/800px-Ponte_de_Sacav%C3%A9m_%28Francisco_de_Holanda%29.jpg)

mas por outro lado, demasiado pequenas para o Tejo próximo de Lisboa, no Mar da Palha.
Ainda que seja mais próximo de Vila Franca de Xira do que de Sacavém, os montes desenhados não se coadunam muito com a paisagem actual - nem para o Trancão, nem para o Tejo.

abraço!

De Anónimo a 16.12.2010 às 06:20

Caro Alvor

RECORDAÇÔES DE ATLÂNTIDA?
OU
RECORDAÇÕES DE PANGEIA?

Se formos por aqui, a Hipótese das duas Margens da Ponte, é ainda mais fantástica!

Galácio diz que a Ponte teria muitos MIL ANOS!
MUITOS MIL ANOS, não são meia dúzia, terão que ser muitos mais.
Toda a Geografia se alterou há cerca de 12 500 anos.

Nesse Tempo, o ATLÂNTICO ATRAVESSÁVA-SE A PÉ!

A fixação pela Terra Nova, seria assim, uma reminiscência desse Passado.

E O CAIS DAS COLUNAS?
Não será a Memória das Colunas de Hércules?
Recorde-se que a ESTÁTUA DE HÉRCULES DO BRONZE, está no MUSEU DO VATICANO.
E por lá, sabem sempre o exacto significado de todas as coisas.

Um abraço

Maria da Fonte

De AlvorSilves a 18.12.2010 às 11:42

A observação do Cais das Colunas é muito pertinente!
O nome é suficientemente elucidativo para sinalizar um registo perdido de colunas que restariam de uma velha ponte, e não dos pequenos postes que ficaram.
Obrigado pela interessante sugestão.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Dezembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D