Site Meter

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Academia dos Humildes e Ignorantes

por desvela, em 07.06.10
O nome Academia dos Humildes e Ignorantes é sugestivo... e pode levar-nos longe!
Começámos com um excerto musical da Academia dos Singulares... que recria aqui "Salve Regina", tema de um compositor português Filipe da Madre de Deus (1630-1687), do final renascentista - início do barroco, obra provavelmente dedicada à Rainha Luísa de Gusmão.
É um bom exemplo actual de recuperação de legados quase esquecidos...

No Séc. XVII e XVIII apareceram em Portugal academias com nomes talvez bizarros como Academia dos Generosos (1647), Academia dos Singulares (1667), e depois em 1717, por iniciativa do Conde de Ericeira, a Academia de Portugal, e a de História (1720), fixando-se uma única em 1780 a conhecida Academia das Ciências de Lisboa.

Até aqui não há grande novidade, e não haveria razão para este artigo. 
O facto curioso ocorre em 1758, na altura do Processo dos Távoras, com uma série de conferências de uma outra academia de anónimos, cujo nome é notável:
Academia dos Humildes e Ignorantes

A única identificação serão as iniciais: D.F.J.C.D.S.R.B.H. que aparece na obra:
Diálogo entre um Teólogo, um Filósofo, um Ermitão e um Soldado
dividida em 8 volumes, com quase 50 conferências cada, num total que se aproxima das 4000 páginas.
Um nome manuscrito na versão copiada da Biblioteca do Michigan é Joaquim de Santa Rita, que é associado como autor... mas poderá ser apenas o nome de proprietário (Nota: Frei Joaquim de Santa Rita Botelho, é um bispo de Cochim, mas em período posterior).

Sendo pouco conhecida, houve alguma alma generosa que se deu ao trabalho de disponibilizar os 8  volumes nos Google Books. Foi aí que a encontrei, e este link
http://books.google.pt/books?id=LlgDAAAAMAAJ
permite aceder ao primeiro e restantes volumes (links no final dessa página).

É talvez o primeiro grande projecto enciclopédico português, pensado na base de reconstruir a informação perdida após o Terramoto de 1755. Os personagens encontram-se na Praia da Consolação, perto de Peniche, e perante uma audiência que vai aumentando, enunciam os seus conhecimentos.

Há uma descrição mais detalhada da história do Rei Tubal e parte inicial, cf. Tomo 1 (Conf. XII, pág.89), que depois é continuada, cf. Tomo 2 (Conf. XVII, pág. 129).


A obra é de tal forma vasta, que não ouso avançar desde já no seu conteúdo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:37



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2010

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D