Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O texto anterior sobre as antiguidades indonésias, ia na linha da tese que temos vimos a desenvolver há mais de um ano - a origem da maioria das raças humanas na Oceania, com duas grandes vagas de migração para a Europa, Ásia, e depois para a América.
Passados dois ou três dias surge então a notícia, que o José Manuel fez o favor de trazer num comentário e que é esta

As inscrições rupestres terão aparecido primeiro na Indonésia
http://www.20min.ch/ro/news/monde/story/L-art-des-cavernes-serait-d-abord-apparu-en-Asie-11921928

L'Indonésie veut protéger les grottes ornées de peinture découvertes par des chercheurs, indiquant que l'art pariétal n'est pas apparu d'abord en Europe selon une idée couramment admise.
Cette main découverte dans les grottes de Maros en Indonésie est datée de 39 900 ans au moins. 
(photo: AFP)

Antes de ter concluído a muito provável origem das migrações na região da Melanésia, já o José Manuel me tinha chamado a atenção para o seu importante texto:

A Montanha com escritos Ili-kere-kere de Timor-Leste 
e a caverna Lena Hara no Tutuala (Nova Sagres)
http://portugalliae.blogspot.ch/2011/02/caverna-lena-hara-no-tutuala-nova.html

em que nomeadamente se refere às estranhas inscrições na caverna de Lena Hara
 
Inscrições em Lena Hara (Timor) datadas entre 30 e 35 mil anos

Ora, tivesse-me eu lembrado deste texto do José Manuel, e certamente que o teria incluído no anterior, onde falei de Timor. Porém, as coisas escapam da memória, e se fiz aí um comentário sobre os óculos do Bornéu, já não me lembro em que texto li isso (... mas lembro que tinha sido surpresa dos navegadores portugueses na chegada ao Bornéu verem os óculos popularizados nesse reino).

Este é sempre um problema de atenção - as informações nem sempre nos chegam no momento em que estamos mais predispostos a lhes dedicar maior cuidado. 

Ontem, a informação sobre estas cavernas de Maros, na Indonésia, surgiu em catadupa na comunicação social, por exemplo aqui:
e deixamos mais duas imagens sugestivas dessa gruta de Maros, nas Celebes (Sulawesi)
 
... notando que a primeira imagem parece de gado caprino, e a segunda de gado bovino.

Podemos ver nas notícias que a datação varia entre 35 e 40 mil anos, sendo assim o valor 39 900, uma precisão bizarra do jornal suiço, pois estas datações não funcionam ao tom do relógio suiço. 

Se por um lado, "esta notícia vem a calhar", o que é certo é que já tinha lido há bastante tempo a informação do José Manuel sobre a caverna de Timor, que tem o mesmo nível de importância, ou até mais, com a mesma ordem de datação - 30 a 35 mil anos.

Passamos ao tópico seguinte - a datação, a informação e desinformação.
O Bartolomeu apontou seguidamente umas notícias de datação de pedras de 120 milhões de anos com "o mapa do relevo dos montes Urais" (... cuja fonte seria o pravda.ru).

A questão é simples - por que razão damos valor a uma informação e não a outra?
O caso das pedras com 120 milhões de anos é até demasiado grotesco (literalmente) para ser comentado. Mesmo 120 mil anos são uma passagem de tempo que ninguém concebe seriamente. Quando se acende o génio humano, é preciso justificar-se o que as pessoas faziam, tendo em conta os últimos 120 anos. Portanto, ou as lâmpadas estavam fundidas, e não acendiam nenhum génio, não havendo aí humanos com registos claros de inteligência, ou então falamos de uma evolução cada vez mais rápida - até ao ponto em que pode ter sido devastada por acidentes naturais, ou pela sua inconsciência. Se foi mais por razão de inconsciência, o mais natural é um recomeçar repensado, guardando o génio na lâmpada, para evitar novos problemas. Esse foi um claro papel dos educadores religiosos, dos xamãs - criar medos, criar condicionantes, conforme já aqui mencionámos. Manter os medos, para evitar que o rebanho se transformasse numa alcateia de lobos.
Encontrar relevo numa pedra que "parecem os montes Urais", pois não deve ser difícil, e até se podem encontrar relevos com os contornos da Irlanda numa nuvem vulgar. O resto é folclore.

Interessa aqui não tanto a natureza da informação, mas por que razão a creditamos, ou seja, por que razão acreditamos.
A informação é um processo social, e distinguem-se dois tipos:
--- a informação auto-suficiente,
--- a informação insuficiente.
A auto-suficiente é aquela em que o receptor a pode verificar com os dados que lhe são disponibilizados. É essa informação que aqui coloco. Coloco os dados e como chego às conclusões.
Há ainda uma informação auto-suficiente experimental, em que o receptor é convidado a experimentar uma receita - os primeiros cientistas foram, sem grandes dúvidas, cozinheiros(as).
Ora se uma receita culinária está ao alcance do supermercado, não há supermercados científicos onde se possam comprar os ingredientes para fazer experiências científicas... que são mais perigosas do que errar no tempero do sal.
Assim, dentro da informação experimental, a mais complexa não é auto-suficiente, o receptor tem que acreditar nos resultados, e a ciência perde o seu carácter absoluto, para passar a ser uma religião, uma fé na comunidade.
Acontece assim com os processos de datação. Os arqueólogos podem dizer 40 mil ou 10 mil (era a datação anterior atribuída aos mesmos desenhos), e o público pode acreditar ou não. Não terá informação suficiente para disputar o resultado, apenas as suas contradições, o seu bom senso, face a outro conhecimento.
Quando formulei a hipótese de que fazia sentido a vinda da Melanésia, não foi por acreditar nos estudos haplogrupos, nem por acreditar que haviam 800 línguas na Papua, nem por mais nenhuma razão particular entre muitas. O que interessava é que a soma de razões diferentes ia apontando no mesmo sentido. Quando muitas razões distintas apontam para o mesmo resultado, é menos provável que haja ali grande vício informativo, menos provável ainda quando resulta também de uma conclusão lógica (darwiniana) - as ilhas têm maior apetência para serem o berço de maior diversidade genética. Sobretudo quando estamos numa região que estaria sujeita à transição entre ilha e continente pelo baixo nível do mar.

Por isso, o que traz de novo esta notícia?
Não é a suspeita de que havia pinturas com 35 mil anos na Melanésia, porque isso já o José Manuel reportara sobre Timor. A novidade é que este facto ganhou credibilidade na comunidade, sendo propagado por importantes órgãos de comunicação. Assim, ficamos também a saber que isto de uma pintura rupestre ter 10 ou 35 mil anos, depende muito de quem faz o processo de datação, datação que está longe de ser uma ciência muito exacta. Se já se apontavam essas datas para Lara Hara, o facto parece ter sido mais negligenciado do que este.
E a pintura de mãos em cavernas dessa zona não é aqui novidade, pois já tinhamos falado de Awin Cave, na Nova Guiné:

Certamente que estas "mãos" têm datação mais recente - até pelo colorido interessante, mas podemos entender que isso não é assim "tão científico". Interessa que as manifestações culturais primitivas se espalharam por todo o planeta - desde cavernas na Nova Guiné à Europa, e até à Argentina (Cueva de las Manos). Como já vimos, não apenas neste aspecto rupestre, mas até na questão dos dólmens, dos menires, e da mumificação. Portanto, a datação acaba por ser algo secundária, se supusermos que foi uma população com a mesma origem que produziu a mesma expressão cultural.

Finalmente, regressando à informação, é conveniente ser cauteloso com informação insuficiente.
Uma medida para a informação insuficiente é a sua possibilidade de falsificação, ao contrário da auto-suficiente. Somos por educação demasiado crédulos com muitas fontes de informação que se vieram a revelar igualmente dignas de suspeita.
Por exemplo, a história desde que há jornais, está cheia de notícias falsas, algumas das quais se destinaram a convencer populações a alinhar numa causa, numa guerra, por via de notícias que foram depois reconhecidas falsas (o caso das armas de destruição massiva no Iraque é só um exemplo, até ao ponto de não sabermos se alguma ameaça tinha existido ou não).
Convém notar que o próprio desmascarar, e levantar suspeita, sobre notícias fabricadas, é uma forma de manipulação - porque torna as pessoas mais desconfiadas, e com maior sentimento de isolamento num mundo de falsidades.
A informação insuficiente é inevitável, porque é óbvio que há situações que não podemos verificar, apenas temos um "confio" com um fio muito frágil, que se rompe pela mentira. E a mentira nem sempre é propositada, pode resultar de uma diferente interpretação da comunicação, por isso os canais devem estar abertos para aclarar.
O crédito nem sempre deve ser um "crê dito", e a falsidade nem sempre é uma "falsa idade" das datações... tudo pode resultar de simples erro. Podemos sempre ser mais tolerantes, mas não tolo-errantes, aceitando persistentes erros e propositadas mentiras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:32


2 comentários

De Bartolomeu Lanca a 10.10.2014 às 18:30

Ou talvez o erro contenha uma raiz de movimento, para aprender, mas aparte do jogo de palavras parece andar o jogo das rotativas, os achados da arqueologia não são novidade já que desde o século 19 aparecem referências aos locais nos vários continentes com cores/desenhos/marcas de presença humanóide que as datações vão a pouco e pouco ora revelando ora sendo colocadas em causa derivado das contaminações com matérias provenientes de outras origens, em intervalos e 20.000 às centenas de milhar de anos.
As rotativas têm um papel fundamental, manter postos de trabalho olhando aos meios mais que aos fins, e, se por um lado pode ser legítimo ao mesmo tempo surpreende os desatentos ou desinteressados (naturalmente). Não é só nos achados arqueológicos que os jornais actuam assim, é em tudo, as notícias repetem-se por vezes com intervalos de apenas 1 ano.
Sobre a diversidade genética, não considerando a humana (ou o que se assemelhe a este nome), se considerarmos as aves, o nível do mar pouco ou nada interessa, mas como não voamos (ou não temos lembrança disso) há que interpretar como for mais conveniente para continuarmos a achar que a inteligência é algo que nos assiste e que o resto é folclore.

De Alvor-Silves a 11.10.2014 às 03:09

Muito bem, meu caro.
É, rolar, enrolar pode ser errolar do erro.

As ideias mais comuns de origem europeia até ao Séc. XIX, estão num resumo do Congresso de Antropologia, Bruxelas (1872), onde foi o arqueólogo português Carlos Ribeiro:
books.google.pt/books?id=qnnjYLN-840C (http://books.google.pt/books?id=qnnjYLN-840C&pg=RA1-PA1)

... tratava-se da história que colocava a migração da raça ariana da zona do Nepal, que se teria espalhado pela Ásia e Europa. Era também essa antiga ideia ariana que desconsiderava os indígenas africanos e americanos.

Tem razão quanto à contaminação do material, mas creio que o maior obstáculo é a contaminação do espiritual... porque quando uma ideia "pega de estaca", é difícil combater o status quo que vem com ela, e o meio científico não é muito diferente dos outros.

A sua objecção pelo exemplo das aves é muito pertinente - nem tinha pensado por esse prisma, mas não se aplica ao enquadramento.
O enquadramento de que falo é de limitação, numa prisão, numa ilha.
Para perceber mais facilmente o quero dizer, permita sugerir-lhe este texto
http://alvor-silves.blogspot.com/2012/12/arquitecturas-4.html

Ou seja, numa espécie bem sucedida as mutações têm um papel residual, o mesmo não se passa com um ataque à espécie... ou desaparece, ou quem é sucedido prevaleceu sobre o ataque - caso das bactérias multi-resistentes. Uma ilha tem esse aspecto restritivo, que limita os recursos outrora mais abundantes num continente. Ora, para as aves, as ilhas não têm o mesmo efeito, porque se a situação piorar, uma ave pode voar dali para outra paragem, onde consegue alimento. Não precisam de evolução tão radical, e o se notarmos o estranho comportamento ornitológico veremos que se tratam mais de "pancadas", de programações genéticas na espécie, de índole reprodutora, que levam até às tais migrações de longa distância (ou não), ao espalhafato de colorido, à parafernália de sons, etc.
Se reparar, mesmo no que diz respeito às aves, o número de espécies é muito menor nas que têm voo de longo curso, comparativamente às que ficam presas numa limitação genética de pequeno voo, reduzidas a um certo espaço tropical.
O mesmo se passa relativamente ao habitats aquáticos. Não há muitas espécies de peixes de longo curso, comparativamente aos que se mantêm presos a um pequeno habitat. Aliás, é uma garantia de ter espécies diferentes se tiver lagos isolados, ou múltiplas poças em termos de micro-organismos. Isso é uma consequência trivial da evolução separada, e de facto essa é a melhor observação de Darwin - se não houvesse uma tendência caótica na evolução definida pelas circunstâncias, os animais da Galápagos teriam seguido a mesma evolução - fosse ela numa ilha ou noutra. Sabemos que não é assim, e portanto a evolução não estava escrita ou pré-programada nos genes, era definida pelo caos circunstancial, diferente em cada ilha, em cada espaço isolado.

Reparamos ainda no caso dos insectos voadores - há um reduzido número de espécies, quando comparamos com o grande número de espécies de aranhas, por exemplo. A escala é completamente diferente - para a dimensão de um insecto a Terra é maior que Júpiter, mas tem ainda a diferença típica de diversidade entre espécies de cariz local e mais global.
De qualquer forma, a sua questão fez todo o sentido - obrigado.
Abraços.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D