Site Meter

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Erro na Longitude?

por desvela, em 18.02.11
O folclore habitual, repetido a leigos, ensina que a determinação da longitude era um problema quase inultrapassável, até à invenção do cronómetro por Harrison, em 1714, aquando do Longitude Prize...

Três décadas antes, em 1682, no prólogo do seu tratado de Astronomia Metódica, começava assim o padre António Carvalho da Costa:
Se para matéria tão larga te parecer pequeno este livrinho, sabe que não foi nossa tenção escrever volume corpulento, senão doutrina substancial; porque mais queremos aproveitar com a lição breve & clara do que ostentar erudições dilatadas & sempre confusas, nas quais de ordinário com pouco fruto se consome o tempo. (...)  E quando as erudições te façam saudade, aí estão os Ptolomeus, os Copérnicos, os Tichos Brahes, os Longomontanos, os Ricciolios, os de Chales & outros infinitos, onde não só poderás gastar o teu tempo, mas também a paciência. Se este nosso método te agradar, prossegue: que aqui começa a obra; & se não for do teu gosto, fecha o Livro, porque aqui se acaba.
Por isso, logo na página 9, tem um capítulo intitulado:
"Como se achará a diferença de longitude entre quaisquer dois lugares"
Observe-se em cada um dos lugares o tempo, em que se acaba o eclipse da Lua: a diferença entre os dois tempos observados convertida em arco do Equador dará a diferença de longitude buscada.

Não é preciso dizer mais nada... é esta a suposta complexidade inultrapassável, quando na realidade basta uma boa observação lunar. Na realidade, Carvalho da Costa diz mais, ilustrando a relação entre 15º e a diferença de 1 hora, dá um exemplo da diferença de latitude entre Londres e Lisboa para 42 minutos, ou seja 10º30', que era o valor visível em quase todos os mapas da época, mas que terá um erro de 1º face ao actual. Como sabemos, é preferível admitir um excesso de 4 minutos no relógio do que sequer imaginar que a crosta terrestre se pode movimentar 1º em 300 anos.

É claro que cépticos de serviço argumentarão que para efeitos de navegação, ninguém estaria à espera de eclipses lunares para se movimentar... e certamente Carvalho da Costa saberia isso muito bem.
O que interessa é o princípio! 
Ou seja, a partir da afirmação de possibilidade de usar a Lua para determinar a longitude, é quase imediato pensar-se noutros processos eficazes de o fazer em tempo real. Assim que li isto, tornou-se óbvio que se poderia usar a predição da Lua Nova, ou outro conhecimento absoluto sobre o movimento lunar. De facto, se Harrison ganhou o 1º prémio, o 2º prémio foi dado a um método de distância lunar, de Tobias Mayer e de Euler, coisa que também estaria nos planos de Newton.

Como os cronómetros eram raros e caros, durante um século acabou por ser este método de distância lunar a ser usado pela generalidade dos marinheiros, com o auxílio de tabelas lunares. Os detalhes podem ter sido descritos no concurso na proposta de Mayer e Euler, mas a ideia fulcral encontramo-la antes em Carvalho da Costa. Haveria um problema de medição associado à refracção atmosférica... e por isso mesmo, as 8 páginas anteriores são parcialmente dedicadas a esse tema.

A ideia de Carvalho da Costa não se aplicava à navegação, mas era extremamente eficaz para a cartografia. Aquando de um eclipse lunar, bastaria que todos os enviados do reino registassem eficazmente a hora local, para que se soubesse exactamente a longitude desse ponto, com a maior precisão devida à brevidade do eclipse. Isso permitiria desvios inferiores a 1º, se o relógio estivesse operacional. 

Seria esta uma ideia original de Carvalho da Costa? 
Quase de certeza que não. Ele não a propõe, nem a detalha... apenas a indica, já que se trataria de um livro para estudantes ou divulgação. 
Sendo algo simples, um método da distância lunar seria conhecido pelos marinheiros portugueses... e bastará seguir correspondência do reino, para ver se foram reportadas horas exactas de eclipses. Há um livro de Jerónimo Chaves, de 1534, que evidencia o interesse sistemático nos eclipses lunares.

Pela sua simplicidade, o método lunar permitiria a qualquer estado organizado saber as longitudes, de forma tão fácil quanto as latitudes. Seria muito provavelmente conhecido na antiguidade. É claro que é suposto dizer-se que na antiguidade não haveria relógios, mas também sabemos que isso não seria verdade, já que o mecanismo de Antícítera veio mostrar o contrário.

Qual então o Erro na Longitude?
A longitude não seria de tão fácil verificação quanto a latitude (coisa ao alcance de crianças), mas como vimos o método lunar substituiu-se ao cronómetro durante um século, com o uso de tabelas, conforme proposto por Meyer e Euler. Ou seja, não era necessário nenhum mecanismo sofisticado, bastava uma observação astronómica cuidadosa e organizada.
O erro na longitude é um erro induzido nos historiadores, de forma a convencerem-se da extrema dificuldade da navegação e reportá-la apenas a tempos recentes. São iludidos com nomes diferentes para coisas semelhantes, como quadrantes, sextantes, octantes, astrolábios, nónios... aparelhos simples que apenas se destinavam a medir ângulos, fazendo crer numa longa evolução.

O erro na longitude é exagerar-se nas consequências que esse erro traria. É uma forma análoga de trazer monstros, a ideia da terra plana, e outros medos, como justificação para o injustificável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:30



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D