Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



No mesmo livro "The Book of the Damned", Charles Fort faz uma áspera crítica ao Darwinismo, notando que já funcionava como um movimento religioso, com base numa "verdade de La Palice":
In 1859, the thing to do was to accept Darwinism; now many biologists are revolting and trying to conceive of something else. The thing to do was to accept it in its day, but Darwinism of course was never proved:

  • The fittest survive.
    • What is meant by the fittest?
    • Not the strongest; not the cleverest —Weakness and stupidity everywhere survive.
    • There is no way of determining fitness except in that a thing does survive.
    • "Fitness," then, is only another name for "survival."
  • Darwinism:
    • That survivors survive.
Portanto, o Darwinismo é assim reduzido por Fort à constatação: "os sobreviventes sobrevivem"... o que diga-se, de passagem, tinha escrito num comentário antigo:
Confundir evolucionismo com darwinismo tem dado jeito, mas o darwinismo é um evolucionismo nihilista - ou seja, procura que não haja nenhum nexo tirando a premissa de La Palice que "sobreviviam os mais aptos".
Sendo adepto de um evolucionismo, que é simulado pelo desenvolvimento do embrião, na gestação, considero que a constatação de Darwin, apesar de evidente, merece atenção (como já o disse), mas não no sentido de ver a evolução como "um acaso", sem nexo.
Nessa perspectiva, a diferença entre a ciência e a religião é pequena, ou inexistente.
A ciência vai precisando de caldeirões mágicos:
  • o caldeirão do Big-Bang, que originou o universo (nunca consigo escrever isto sem me rir)!
  • o caldeirão da Sopa Inicial, que originou a vida; 
... mas ao contrário da religião, que reclama um chef  (como alquimista da receita dos "caldos"), a ciência prefere chamar "acaso" ao chefe
Nesse sentido, a ciência só pretendeu retirar nexo ou propósito ao cozinhado, porque da mesma receita só mudou o empratamento.

A maneira como se encara a evolução é como um processo inacabado, em que o produto mais recente vira costas ao que foi antes, olhando sempre um futuro...
Assim, é natural ver figuras ilustrativas como a primeira que apresentamos (E):

... mas aqui decidimos juntar uma pequena reflexão, na figura (F).
Tipicamente, o que a ciência faz é colocar-se na posição (E), em que o observador fica fora do que vê, ou na melhor das hipóteses, vê-se como o elo mais recente da cadeia. Nessa visão limitada, alinham os eugenistas, que procuram "melhorar" a selecção natural, para condicionar um "novo homem".
Em (F) a única modificação que fazemos a essa representação clássica, é reflectir o homem, que enquanto observador, consegue ver (e entender) a sua evolução, incluindo-se a si mesmo no processo.
Ao reflectir filosoficamente sobre si, vendo-se ainda como igual aos outros homens, termina o processo evolutivo. Como é natural, os eugenistas vão ver-se sempre como mais um macaco no processo, e por muito que evoluam, não deixarão de ser novos macacos, até que consigam virar-se para si mesmos.

Há uns anos, ao ilustrar um postal, coloquei um vídeo de Aimee Mann... retirado do filme Magnólia.
Esse filme Magnólia, vim a saber agora (ao fazer esta compilação dos volumes Alvo de Maia), é inspirado na obra de Charles Fort, e na sua incessante pesquisa sobre coincidências e fenómenos anómalos, desprezados pela ciência.
E não faltam aí coincidências anómalas... entre as quais, referências às chuvas de sapos (e à passagem bíblica do Exodus 8:2). Mas destacamos a parte final desse vídeo - em que a criança está ao centro, e à sua direita está o quadro do Alfaborboleto (sobre o qual falámos).
Foram essas pequenas coincidências que nos trouxeram à obra de Charles Fort.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:43


6 comentários

De Anónimo a 24.01.2017 às 02:34

Muito bom... novas imagens:
The Living Stones of Sacsayhuaman https://www.youtube.com/watch?v=M9J_ivMwTxc
The Perforated Road or a band of holes is located not far from the Peruvian town of Pisco, just 160 kilometers away from the Nazca plateau. It is a mysterious structure, the purpose and the authorship of which is still unknown. https://www.youtube.com/watch?v=kFVfm6DRrRw

Cpts.
José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 25.01.2017 às 04:58

Obrigado pelos links, José Manuel.
Nunca tinha ouvido falar dessa "perforated road", nem aparece nos sites habituais... e é difícil perceber até que ponto é ou não antiga, mas parece seguir o esquema Nazca - só será bem apercebida por vista aérea.
Quanto a Sacsayhuaman é de facto mais um exemplo impressionante da construção "inca". A wikipedia em
https://en.wikipedia.org/wiki/Saksaywaman
também tem uma foto de grande dimensão do local, mas esse vídeo que sugeriu tem imagens muito melhores, e foca pontos importantes.
Mas parece que já há mistura de construções modernas (pedras mais pequenas) no meio dos antigos grandes muros.
Se o propósito do encaixe não alinhado deveria visar mesmo a resistência sísmica, já a maneira de encaixar as pedras daquela forma, parece mais complicada de realizar, mesmo esquecendo o arrasto dos grandes blocos (que deveria ser feito pelo deslizar em lama... já que os outros lamas não servem muito para carga).

Abraços

De José Manuel a 25.01.2017 às 14:19

Welcome to Arcana Factor!
ArcanaFactor.org is web-representation of Ombio Films Company – an independent research organization established in 2013 and registered in Moscow, Russia – OOO Ombio, and in Nevada, USA – Ombio Inc. Enjoy reading the materials of the expeditions to the places of ancient civilizations in South America!
http://www.arcanafactor.org/en/

Bon dia, este soviético noutro vídeo demonstra que os traços têm efeito 3D, e reproduziu uma figura humanoide/artística interessante:

http://www.arcanafactor.org/images/nazca-project.jpg
http://www.arcanafactor.org/images/phocagallery/nazca/thumbs/phoca_thumb_l_nazca.jpg

Tem aqui o site onde se vê melhor:
http://www.arcanafactor.org/en/

Outra leitura que me satisfez foi a deste tradutor oficial da Bíblia que vem confirmar outros menos politicamente corretos:

(...) “não há qualquer referência a Deus nos textos da Bíblia. Há, sim, a um coletivo, chamado Elohim, e a um deles em particular, chamado Yaveh“. A dada altura, explica o autor, “as traduções foram sendo adulteradas e foram convertendo Yaveh num Deus único e todo poderoso”. E acrescenta: “Em hebraico nem sequer há nenhuma palavra que signifique Deus”. No seu livro, Mauro Biglino detalha o percurso das traduções oficiais da Bíblia, acusando a Igreja Católica de ter adulterado as traduções “para inventar o monoteísmo”
http://observador.pt/2017/01/24/antigo-tradutor-do-hebraico-original-diz-que-a-biblia-nao-fala-de-deus/

Cpts.
José Oliveira GE-CH

De José Manuel a 25.01.2017 às 16:41

The Nazcan figures – computer graphics?
http://www.arcanafactor.org/en/our-projects/nazca/82-nazca-graphics

Cpts.

De da Maia a 26.01.2017 às 10:12

Obrigado, José Manuel.
Na série "dos Comentários" vou passar a incluir uma parte (mais ou menos mensal) com os links relevantes aqui sugeridos. Por vezes acabam por perder-se nas discussões informais que temos aqui nas caixas de comentários.
Da forma que estava a fazer, obrigava-me a ter que opinar sobre o assunto, o que deixava bastante material de fora, sobre o qual não tinha nada de especial a dizer. Irei passar a deixar os links com uma linha de descrição do assunto.

Quanto à questão do Elohim, é sim o plural de El, conforme um comentário antigo do Paulo Cruz:
http://alvor-silves.blogspot.pt/2012/11/cristo-na-india.html#c5138029725689139440

... e por acaso eu fiz referência a isso, notando que, em português, o plural de "El" seria feito com "Eles":
http://alvor-silves.blogspot.pt/2016/06/a-teia-global.html

Estou ainda a considerar voltar de novo ao assunto dos "deuses astronautas", seguindo algumas das suas sugestões.

Abraços.

De da Maia a 26.01.2017 às 10:23

Sobre o assunto dos gráficos em Nazca, a observação sobre as curvas de Bézier é errónea. Até no "Paint" do Windows, isso está implementado para fazer desenhos.
Basicamente permite fazer qualquer desenho, e portanto também permite ajustar às curvas de Nazca. Com o mesmo argumento, poderia pegar em qualquer silhueta, de uma pessoa, de um animal, ou qualquer outra coisa, e tudo é ajustável a um conjunto de pontos com curvas de Bézier. A sério, isso é simples especulação, porque a maioria das pessoas não trabalha com CAD ou programas de design.

Abraços.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D