Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Garrett

por desvela, em 08.12.10
Uma obra pouco conhecida, mas quase de leitura obrigatória, é o texto de Almeida Garrett (1830):

Portugal na balança da Europa :
do que tem sido e do que ora lhe convém ser na nova ordem de coisas do mundo civilizado

A propósito de Napoleão, Garrett consegue ser bastante elucidativo:
"A França e o mundo agradecido se prostraram ante ele, e o adoraram como ao salvador da espécie humana." (...) 
"[Napoleão] viu os homens e as nações curvadas diante de si, e da altura onde estava escorregou-lhe o pé sobre as cervizes que se lhe inclinavam. A Europa já era escrava de Bonaparte e ainda duvidava da sua servidão - os povos tinham perdido a liberdade, independência, glória, honra - e ainda lhes custava a crer que fosse seu tirano, quem havia sido seu libertador."
Da glória e da esperança republicana
à decadência e ridículo sob o "Teatro Real da Europa":
http://putl.pt/5199
A questão Napoleónica é ainda um marco simbólico, até na sua ascendência corsa. A primeira Constituição moderna não é a americana, pois essa foi inspirada na primeira:
Constituição da Córsega de 1755, de Pasquale Paoli

A Córsega com Pasquale Paoli não era uma república... pois a rainha declarada era a "Virgem Maria". Essa breve independência republicana de Génova foi quebrada com a venda da ilha à França que a conquistou. Apesar dos esforços de Paoli, exilado em Inglaterra, a Córsega não voltou a obter a independência... e perdeu o motivo - afinal o maior espírito de França, Napoleão, teria nacionalizado a Córsega pela sua própria origem. A questão perdeu o impacto, e o curto movimento independentista corso foi-se dissipando.

O Teatro Real Europeu conseguiu de novo assegurar o domínio da oligarquia. Conforme explica Garrett:
"As legiões francesas só foram odiadas e acometidas da indignação popular (que ao cabo as venceu), depois que o seu chefe, já legitimado por reis, já amigo federado deles, como eles enganou e zombou das nações nas suas promessas" (...)
"E esse homem, que havia saído das falanges do povo, e de quem todos esperavam liberdade, não só pejorou e atraiçoou a causa que defendera (...) desprezou o apoio de quem o alevantara, e quis firmar-se nos abusos e no erro, que já haviam precipitado os seus antecessores: chamou as classes inúteis para redor do seu trono, federou-se com os reis e potentados contra as nações e os povos, retrogradou a civilização e cuidou de aniquilar a liberdade"

E sobre a ingratidão da realeza para com os povos, Garrett vai mais longe:
"[os reis] ligaram-se, pelejaram contra o soldado da fortuna enquanto ele trajou as roupas da liberdade, e desembainhou a espada em prol da humanidade. Venceu ele (...) forjou um ceptro como o deles, e desde esse momento foi ídolo e adoração dos reis, o que havia sido dos povos. Solicitaram a sua aliança, pagaram-lhe páreas e tributos, receberam assentamento de criados seus, prostituiram-lhe as suas filhas!..."     (...)  
"Porém quando o povo indignado sacudiu o jugo alheio, e meteu ombros à reconquista da independência, qual deles apareceu à frente dessas legiões denodadas e generosas?"
A análise de Garrett é profunda mas muito contemporânea, recorrendo aos exemplos clássicos, é ainda notável ao invocar um conflito de classes, que prevê ocorrer na Rússia:
"Em suma, a guerra dos povos é aos privilégios exclusivos, incertos, vagos e arbitrários, como a vontade de um só homem de cujo capricho emanam: ela é por toda a parte a mesma, unânime. Se entre uma nação esta classe se empenha mais na guerra, entre essoutra, outra classe; as circunstâncias particulares, a particular natureza ou constituição das sociedades produz essa diferença, não a natureza da contenda, não o objecto dela, não o fim, não a causa. 
Onde há opressão há revolução, onde a administração se opõe ao espírito do século, à opinião dos povos, o estado de guerra entre governante e governado existe; onde as classes que possuem e produzem trabalham só, as que só consomem governam só, por horas ou por dias está a peleja aberta entre elas."

Poderia parecer que Garrett estava a ser influenciado pelas ideias de Karl Marx... mas há uma diferença temporal - quando Garrett escreve este texto, Marx teria apenas 12 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17


2 comentários

De Anónimo a 08.12.2010 às 22:38

Caro Alvor

Mas nós sabemos que Marx não foi original.
Nem Napoleão, que contráriamente ao que se diz, não nasceu Plebleu, mas sim descendente de Carlos Magno. Um Carolíngeo. A linhagem usurpadora.
Ambos Marx e Napoleão, curiosamente, ou talvez não, descendiam de Judeus.


Cerca de 25 Mil anos de História...

Gaia....
Gaia ou Nemésis, sua Filha?

Um abraço da

Maria da Fonte

De AlvorSilves a 11.12.2010 às 05:30

Cara Maria da Fonte,

está a fazer um ano que comecei a divulgação destes conteúdos.
Ao fim de um ano, muita coisa mudou... a percepção das limitações de liberdade, e a política de ilusão na civilização ocidental vão ficando cada vez mais claras, agora aos olhos de todos.
Mais que Nemésis deveria ser Témis a manifestar-se, nem que uma seja a expressão da outra.

Tem razão, a linha de Carlos Magno não foi interrompida, e é a linha de referência até hoje. Basta ir ao Geneall para notar que o traço de sangue procurado termina aí.

Três Reis Magos?... ou dois Reis Magnos:
- Alexandre Magno, Carlos Magno,
... ainda que depois haja alguns outros como Afonso III (Leão), que aparecem com cognome Magno/Grande... pelo bom serviço prestado à causa!

Napoleão poderia ter sido o candidato eleito a Magno seguinte, mas as coisas correram por outro caminho.
http://www.joraga.net/gilvicente/imgs/natalCP29Reis.jpg

Como lhe dizia, aqueles que estão na fronteira são os primeiros a sentir o embate das forças invasoras. Primeiro sentimos isso a nível pessoal, mas depois vemos que se trata de uma manifestação local de um processo mais amplo que se vai implantar globalmente...

Um abraço.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D