Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




História "alienada", ou "ali é nada"?

por desvela, em 23.07.15
O canal História tem difusão quase mundial, por integrar praticamente todos os serviços de TV por cabo. Para além de ter passado a integrar rubricas de lojas de penhores, tem sistematicamente apostado na difusão da teoria dos "deuses astronautas", lançada por Erich Von Däniken em 1968, há já quase 50 anos.

Nas caixas de comentários já abordei este assunto com o José Manuel, até com respeito ao próprio personagem Däniken, que vê agora no final da sua vida, uma divulgação surpreendente, com uma legião de seguidores, personagens que vão dos mais aos menos ridículos.

A atitude da academia perante as referidas bizarrias é simplesmente ignorar, e não havendo espaço ao contraditório, há já quase uma meia dúzia de anos que o canal História insiste nesta linha "alien", ou melhor, "alienada". 

Apesar de "alienada" e "ali é nada" serem expressões homófonas, o significado é diferente.
A teoria pode ser "alienada" e ali haver qualquer coisa, ou não ser alienada, e não haver mesmo nada.
Nesse aspecto prefiro a versão "alienada" às versões que assumem "ali é nada".

Porém, convém distinguir a substância da mera aldrabice.
Estar aqui a discorrer sobre o nonsense da série "Ancient Aliens" seria uma imensa perda de tempo. Tudo faz parte do espectáculo, e do negócio rentável envolvido. No meio da encenação acabamos por ter conhecimento de algumas coisas, que de outra forma provavelmente nunca notaríamos. 

Entretanto, como é natural, houve quem se tivesse dedicado a rebater praticamente tudo:
Ancient Aliens - Debunked
de Chris White
Ancient Aliens Debunked - (full movie) HD

https://www.youtube.com/watch?v=j9w-i5oZqaQ

Intro ( 0:00 ) Puma Punku ( 3:38 ) The Pyramids ( 22:41 ) Baalbek, ( 37:40 ) 
Incan sites ( 55:33 ) Easter Island ( 1:01:33 ) Pacal's rocket ( 1:05:36 ) 
The Nazca Lines ( 1:13:10 ) Tolima "fighter jets" ( 1:21:16 ) Egyptian "light bulb" ( 1:27:01 ) 
Ufo's in ancient art ( 1:36:08 ) The crystal skulls ( 1:46:38 ) Ezekiel's Wheel ( 1:58:17 ) 
Ancient nuclear warfare ( 2:11:16 ) Vimana's ( 2:20:50 ) Anunnaki ( 2:32:52 ) 
Nephilim ( 2:54:37 ) Conclusion ( 3:07:10 )

Trata-se de um filme de mais de 3 horas, que ainda não vi na totalidade, mas vi alguns tópicos, nomeadamente alguns tratados neste blog. Talvez depois na caixa de comentários escreva algo mais detalhado sobre cada um dos tópicos.

Não nos fechando às nossas convicções iniciais, é um filme que merece ser visto. Mas, como não há bela sem senão, se faz uma boa e severa crítica a algumas afirmações do programa "Ancient Aliens", inclusivé demonstrando que são ali ditas mentiras descaradas, por outro lado não deixa de incorrer em defeitos que critica.

Começando por Puma Punku, ou Tiahuanaco, fiquei surpreendido com as diversas "mentiras" apontadas ao programa, pois desde a dureza da pedra à precisão dos recortes, tudo é sempre afirmado com grande peremptoriedade. Mas é de facto caricato um dos personagens da série estar a tentar mostrar um perfeito ângulo recto, quando por isso mesmo, se vê que não é perfeito...
No texto Tiahuanaco Liliputiano já tinha notado que as dimensões do monumento eram muito mais reduzidas do que aparentavam, agora surgem mais estas novidades que este filme "desmascara", e que desvalorizam a "importância misteriosa" da mítica cidade inca. Claro que quando não podemos confirmar, ficamos apenas sujeitos ao contraditório dos que nos informam, nem sequer sabendo se ainda estão lá ou não as pedras originais...

Passando à frente, e sobre o assunto das "lâmpadas egípcias" figuradas em Dendera, parece-me claramente que o filme tenta simplificar o problema que tratei aqui no texto Lucerna. Primeiro porque ignora propositadamente a "pilha de Bagdad", como prova de electricidade em tempos antigos, e depois para tentar mostrar que há fuligem nos tectos dá como exemplo de limpeza numa parte que não é câmara subterrânea, conforme relatado pelos "alienados". A interpretação do desenho pode ser facultativa, e não tem que representar nenhuma ampola de vidro, mas ainda é mais discutível que não seja ambígua como representação.
Por isso, este é um dos casos em que o autor se esforça tanto por contrariar a tese dos outros, que cai nos mesmos erros de raciocínio claramente tendencioso. De qualquer forma, não seria por isso que as lâmpadas egípcias me merecem crédito. O que me deixa mais convencido nesta matéria é o texto de Rafael Bluteau em 1717 - que volto a citar:
Maravilhosas, mas tristes, inúteis, e sempre fúnebres foram as tão celebradas lâmpadas ou lucernas inextinguíveis dos Egípcios. Que maior maravilha, do que luz perene de uma incombustível matéria, sempre ardendo e sempre luzindo, sem socorro de novo alimento, porque sem consumo do primeiro?
... e Bluteau estaria longe no tempo e no espaço da descoberta de Dendera, para sequer pensarmos em tal afirmação como sendo mera especulação sua.

Os restantes assuntos só levemente foram aqui mencionados... mais nos comentários. Por exemplo, o assunto dos "crânios de cristal" vi-o sempre da mesma forma que vejo os emails de "banqueiros do Niger" que me querem dar dinheiro. Puro preconceito - não acreditei naquilo nem nos emails dos "banqueiros", pronto. Mas, não é preciso o crânio de cristal para nada. Basta termos visto aqui como os romanos processavam vidro delicado, induzindo filtros dicróicos (texto dos Comentários (5)), algo aparentemente mais complicado do que a manufactura do crânio de cristal.

É especialmente curioso ver que esta substituição de Deuses por Aliens é motivada pela crença científica moderna. Quis-se banir a religião, mas como ela é inata, acaba por manifestar-se de maneira semelhante. Um ateu ferrenho é capaz de negar deuses e anjos, argumentando que "nunca foram vistos", mas já admitirá a existência de vida extraterrestre, sem nunca a ter visto! Admite uma vida num espaço mais largo que a Terra, porque foi ensinado a pensar dessa forma, tal como antes eram ensinados a acreditar num espaço mais largo que a Terra, chamado Céu, onde viviam os anjos.
Portanto, esta mudança de "deuses" para "extraterrestres" não é nenhuma mudança, é vestir os mesmos conceitos, de poderes superiores externos, com outra roupagem.
Se os cientistas modernos fossem mesmo cientistas, deveriam admitir com o mesmo grau de probabilidade - quer a existência de vida noutro espaço (extraterrestres), quer a existência de vida noutras dimensões (anjos)... e se não o fazem, é por mero interesse político, ou mais vulgarmente, por simples ignorância. Nada tem de objectivo admitir uma possibilidade e não a outra.
Mais objectivo é prescindir das duas, e colocar o problema de onde ele nunca saiu - da Terra, e de uma hierarquia que a comandou desde o início das civilizações - de xamãs a magos, de sacerdotes a maçons.

Os "alienados" dos "Ancient Aliens" podem cometer diversos erros graves, mas nada é comparável à versão dos "oficializados" académicos que consideram aceitável historicamente terem-se passado mais de 150 anos entre a descoberta da Austrália Ocidental e a descoberta da Austrália Oriental.
Nisso, a teoria oficial é tão ridícula, que faz os mais malucos parecerem gente séria e credível.
Mesmo com todas as imprecisões, e até falsidades, é melhor saber da existência de coisas "suspeitas" por via de uma história alienada, do que se querer omitir dizendo que ali não há nada. Depois do fumo, podemos averiguar se há alguma chama, ou não.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:21


4 comentários

De Anónimo a 26.07.2015 às 02:24

Coisas

Olá boa noite,

Cheguei inteiro a Genebra (3 meses de estrada, milhares de camiões TIR a ultrapassar em 10.000 km !) e vou publicar photos em breve na Wiki do Cromeleque dos Almendres e duma "descoberta" no Convento dos Templários de Tomar, ou melhor um petróglifo e uma máquina que poucos gostam que se mostre, para o visitante iniciado nesta coisa de procurar coisas ocultas Portugal tem muita coisa para ser divulgada, pois é sem dúvida o berço duma antiga civilização global megalítica desaparecida, sobre a teoria do “barman ET Däniken” gosto dela embora tenha sido esticada ao máximo por evidentes motivos de lucro financeiro...

Quando os romanos invadiram a Península Ibérica destruíram os últimos testemunhos dessa civilização megalítica, os druidas... só ficaram os menires, no meio disto tudo uma coisa é certa: desde sempre muito se têm esforçado de encobrir algo.

Cpts.
José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 27.07.2015 às 06:09

Excelente, meu caro José Manuel.
Ficamos a aguardar essas fotos.

Há uns tempos fui a Roma com a família... não vi o Papa, nem os museus do Vaticano (... filas enormes), mas andei por alguns museus, e no meio de 1300 fotografias, sempre encontrei coisas que normalmente são pouco divulgadas. Também vou ver se aqui coloco as mais importantes - essas são apenas uma meia dúzia.

Tenho todas as razões para supor que não foram os romanos, nem nenhum dos outros invasores, a destruir os monumentos nacionais (tirando talvez os franceses) - de resto, foi sempre um "inside job"... é a malta da capital que manda abaixo tudo o que pode pôr em causa os poderes instalados. A troco de patacos, de materiais de construção, a população ajudou... e o que ficou foi aquilo a que se não deu importância, porque tinha que ficar alguma coisa.

Vou ver se ainda lanço hoje um post sobre isso.

Abraços.

De Amélia Saavedra a 28.07.2015 às 14:51

E esta coisa de destruir ainda perdura durante os nossos dias... que digam os Talibãs e agora os jihadistas (ou lá o que é)... Budas gigantes já foram pelos ares... Na Síria e no Iraque estão atentar dar cabo do que resta... E assim vamos, por um lado tentam reinventar a história (manipulando ou ocultando vestígios e/ou documentos), por outro toca de fazer explodir o que resta... isto acontece mesmo à frente dos nossos olhos - ou mais concretamente na TV!

De Alvor-Silves a 30.07.2015 às 03:24

A questão, Amélia, é que essa tradição contra a representação em imagens vem da "noite dos tempos".

Primeiro começou como uma proibição religiosa contra a representação de "ídolos", terminando numa completa supressão de imagens pela tradição judaica e islâmica.
Se reparar não é difícil encontrar judeus famosos em todas as "artes" excepto na "arte, propriamente dita". Isso só acabou no Séc. XX, com o domínio das mentes por parte de Hollywood, e de toda a indústria publicitária.

Os desenhos quase infantis que eram feitos na Idade Média, seguiam esse ideal de restrição à representação mais icónica e menos explícita possível... algo que só mudou com o advento dos descobrimentos.

Portanto, a vontade de destruir registos históricos, especialmente tudo o que sejam representações explícitas e não abstractas, é uma ordem inscrita nos cânones judaicos e islâmicos, há milhares de anos. Por essa mesma razão, só ocasionalmente somos brindados com algumas excepções que fugiram a essa regra.

Outra coisa que foi completamente suprimida foram todos os mapas.
No entanto, chegaram-nos fragmentos romanos que nos mostram plantas de edifícios semelhantes às plantas que fazemos nos dias de hoje.
Raros casos que escaparam à destruição completa levada a cabo em toda a parte, durante milénios.
Um fragmento pode vê-lo aqui

https://en.wikipedia.org/wiki/Forma_Urbis_Romae

https://en.wikipedia.org/wiki/Theatre_of_Pompey#/media/File:Mapancientformaurbisromae.jpg

... este fragmento fazia parte de uma muito maior planta de Roma, feita no tempo do imperador Sétimo Severo.

Portanto, se as coisas se perdem é apenas porque há quem não se importe que elas se percam... e até patrocine a sua destruição, usando para esse efeito qualquer movimento insano - sejam jihadistas, talibãs, ou autarcas e vereadores das nossas câmaras municipais.

Abraço.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D