Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Idade do Bronze e Oricalco

por desvela, em 17.02.11
Bronze, liga de cobre e estanho, tem pronúncia e escrita semelhante em quase todas as línguas europeias (mesmo no basco, magiar, suomi...), com excepção do grego onde a palavra é bastante diferente - Kratéroma.
Quem leu as traduções que nos passam do relato de Platão sobre a Atlântida, deve ter reparado na referência a um metal quase tão valioso quanto o ouro... o chamado oricalco

Oricalco (Ορείχαλκο) é a palavra grega para a liga de cobre e zinco, ou seja, o latão ou pechisbeque!
Está instalada mais uma confusão... já que as designações para bronze e latão confundem-se em várias línguas.
Por exemplo, em grego, a Idade do Bronze é também chamada Idade do Oricalco.

O disco Nebra. Um artefacto de bronze e ouro, de índole astronómica, 
onde se vê a Lua, o Sol, e provavelmente as 7 Pleiades, entre outras estrelas. 

A transição da Idade do Bronze para a Idade do Ferro parece ter sido devastadora.
É natural que os efeitos dessa devastação ainda se façam sentir hoje, pelas razões que tentamos explicar.
Em quase todas as culturas permaneceu a ideia de que a felicidade se teria perdido nessa transição.
Na cultura greco-romana isso é simbolicamente representado pela deposição de Saturno/Cronos pelo seu filho, Júpiter/Zeus. 
As saturnálias, correspondentes carnavalescas em Roma, pretendiam reviver esse tempo de felicidade popular, ao ponto dos escravos, por um dia, trocarem de lugar com os seus senhores. Este indício de metáfora, talvez signifique ter sido exactamente nessa altura que foi generalizada a escravidão, enquanto sistema social. De qualquer forma, havendo diversos registos megalíticos impressionantes na Idade do Bronze, isso envolveria trabalho necessariamente pesado para uma parte da população.

Há um progresso substancial ao passar do cobre para o bronze ou latão, mais complexos no fabrico das ligas metálicas, do que na consolidação do ferro em aço pela adição de carbono.
Torna-se quase indiscutível que isto levou a uma civilização comercial de cariz global, pelo simples facto de serem raras as minas de estanho, necessário ao bronze. Os pontos de extracção eram tipicamente as ilhas britânicas e também a península ibérica. Há aliás traços claros de uma civilização do Atlântico Ocidental, que ligava toda a costa atlântica, começando em Portugal, indo até às ilhas britânicas e estendendo-se até à Dinamarca ou Noruega, provavelmente.

Cassitérides
As Cassitérides foram tomadas literalmente como Ilhas do Estanho (Κασσίτερος), sendo normalmente identificadas à Grã-Bretanha, havendo porém quem advogue tratarem-se de ilhas na Aquitânia, antes do assoreamento... entre outras teorias. Eram ainda alvo de referência longínqua para os Romanos, e aparentemente não foi dada nenhuma indicação de confusão com a Britânia.

O geógrafo Estrabão (séc. I) coloca as ilhas Cassitérides a noroeste da Hispania, em número de 10 pequenas ilhas, dispostas em forma de anel... Para esta descrição, a única localização que nos ocorre é a do Arquipélago dos Açores, se bem que sendo hoje 9 ilhas, e só o grupo central se poderá considerar disposto em forma minimamente anelar... Para além disso, é claro que não há nenhuma referência a exploração de nenhum minério nessas ilhas (a menos que o chá se dê bem com o estanho).

Os touros de Creta
Os vestígios da civilização minóica, em Cnossos, são um dos mais interessantes monumentos da idade do Bronze. Magníficos murais ilustram uma paixão pelos touros...
... e como bem sabemos são conhecidos os enormes prados com inúmeros touros em Creta! 
Bom, não será bem em Creta... talvez na Grécia, talvez em Itália, talvez na Turquia. 
É escusado, se há local onde sempre se associaram touros, e uma forte tradição taurina, é a Hispania!
Creta dificilmente teria condições para a criação taurina, tal como toda a Grécia, em geral.

A tradição era de tal forma forte que criou a ideia do Minotauro... do rei Minos. Ora, há especificamente um sítio que tem o registo "Minus", desde o tempo dos Romanos - é o Rio Minho!
Será que no palácio dos nossos Vice-Reis na Índia não haveria murais, ou quadros com representações de paisagens portugueses? Ou seja, por que não considerar que estamos na presença de um palácio num entreposto comercial avançado, em Creta, destinado a negociar com os povos próximos - gregos, egípcios, hititas, etc... 
Não restou um único vestígio semelhante na Hispania, é claro!
Da mesma forma que não restaram vestígios identificáveis da presença árabe em Portugal, apesar de ser bem mais recente e ter sido prolongada, com importantes taifas independentes, como a de Silves.
O nível de destruição de registos históricos em Portugal tem aí um exemplo bem ilustrativo.

Na Hispania, só na tradição dos forcados os touros seriam respeitados da mesma forma que vemos no mural. Pela parte da aristocracia, que entretanto se implantou, o espectáculo consistia, e consiste, em cravar o Ferro num símbolo da idade do Bronze. A luta é propositadamente desigual e não se pretende qualquer surpresa para o desfecho. Nesse ponto, os incas tentaram reproduzir o mesmo cenário desigual atando um condor a um touro, procurando desfazer simbolicamente a invasão, na sua interpretação.

O que mais impressiona é a nossa aceitação natural deste cenário de touros em Creta, sem questionar a ausência de vestígios de touros nessas paragens. A própria presença de touros nos registos mesopotâmicos deixa a dúvida da sua original existência nessas paragens, ainda que aí seja mais natural uma extinção, de forma semelhante à que supostamente ocorreu com os leões.

Os povos do mar
O final da idade do Bronze está muito associado à invasão pelos chamados "povos do mar"... desconhecidos que invadiram e pilharam as civilizações clássicas. É o período que se segue ao registo da Guerra de Tróia, e vai fazer a transição de milénio ~ 1000 a.C. introduzindo a idade do Ferro.

Na linha do que aqui temos sugerido, há uma efectiva hipótese de que uma civilização de carácter comercial e marítimo ligasse toda a Idade do Bronze, não apenas na costa atlântica, mas estendendo-se ainda a entrepostos mediterrânicos, nalgumas ilhas, como Malta, Sicília ou Creta.
A Guerra de Tróia poderá ter significado o fim dessa estrutura organizativa, deixando na sociedade fracturada alguns marinheiros, entregues a um novo destino de pilhagem. Ou seja, os "povos do mar" seriam o resto da sociedade que se fracturava com o fim da organização centrada numa Tróia ocidental.
Uma parte significativa desta população ocidental poderá ter levado a uma reorganização em torno de Tiro, e de Sídon... a fénix iria renascer sob o nome Fenícia, e depois em Cartago, mantendo o espírito e a tradição de navegação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:25


10 comentários

De Anónimo a 18.02.2011 às 02:33

Achei interessante que falasse nas Touradas, porque tenho lido alusões de que seriam uma herança da Atlântida.
Sabe de onde surgiu a hipótese de que as Touradas, ou mais própriamente as Danças semelhantes ás dos Forcados frente ao Touro, seriam uma herança da Atlântida?

De Alvor-Silves a 18.02.2011 às 04:36

Já foi aqui aludido (por Calisto), e a propósito do Cavalo de Tróia, da singularidade dos cavalos lusitanos... quase predestinados ao toureio.

Não conheço muito sobre a literatura acerca da Atlântida, e por isso não sei dessa relação, no entanto ela pode ser enquadrada neste âmbito de uma civilização atlântica, a essência ou o resto de uma civilização atlante.
Convém notar que os geógrafos romanos colocavam "atlantes" como vizinhos dos mauros (Marrocos/Mauritânia), e daí o nome da coordilheira do Atlas!

Os ingleses acabaram por definir o seu Zé Povinho na forma do John Bull... gozariam com uma essência do povo de outra origem?

As touradas eram populares, no entanto não restou uma única praça antiga... talvez tenham caído todas no tempo do Marquês de Pombal, por altura do terramoto, já que ele proibiu as touradas. Há um aspecto dúbio, já que as touradas garantiram a própria sobrevivência da tradição e do animal.

Outro aspecto dúbio é a nomenclatura. Tem o "inteligente", como se houvesse uma "inteligência" secreta que supervisionasse as touradas.

Há um virtual amigo que apreciaria que lembrasse aqui outras touradas:
http://www.youtube.com/watch?v=LbZLQjrB0No (http://www.youtube.com/watch?v=LbZLQjrB0No)

De José Manuel de Oliveira a 18.02.2011 às 07:24

Olá,

Desejo sinceramente que encontrem o que os portugueses andavam verdadeiramente à procura e em pouco tempo por todos os oceanos, houve uma autentica corrida pelos mares fora, só pode ter sido algo que ressurgiu de repente, ou algo que o impedia que deixou de o fazer, é reflexão militar geopolítica minha, e andavam a mando do Vaticano, mas também pode ser uma missão de destruição do que restasse da tal civilização pré-histórica.

Antes de Marco Pólo já tinham enviado à China missões, e isto seria ridículo de ser para cristianizar os chinesas... havia outras razoes.

Ver a Estela Nestoriana na China oficialmente cristã do século VII
http://fr.wikipedia.org/wiki/St%C3%A8le_nestorienne
e depois João de Montecorvino em 1279 foi enviado à Arménia e Pérsia e mais tarde à China onde chegou em 1294.

Isto é somente uma das provas do que eu acima afirmo, andavam à procura de algo... um (ou vários) Reino perdido, de que D. Afonso Henriques recebeu dos arménios informações:

A lenda se espalha pela Europa. O anúncio do bispo armênio trouxe à tona cartas supostamente assinadas por Preste João e endereçadas ao Papa Alexandre III; a Frederico I, Sacro Imperador Romano-Germânico; ao rei Luís VII da França; e a Afonso Henriques, rei de Portugal. Essas mensagens asseguravam ao Preste João domínios territoriais que se estendiam às "Três Índias" e a vários outros países, além de dezenas de reinos a ele subordinados, entre os quais as dez "tribos perdidas de Israel", que Alexandre, O Grande, teria perdido atrás da Muralha de Gog e Magog. Segundo as cartas do Preste João, quando ele partia para a guerra levava com ele dez cruzes de ouro ornadas com pedras preciosas e atrás de cada uma delas marchavam dez mil cavaleiros e cem mil homens a pé.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Preste_Jo%C3%A3o

As cruzes e Igrejas da Etiópia e outras são anteriores a Cristo e ao Império Romano...

Os povos do mar são certamente a peça chave deste puzzle, a única teoria credível que conheço é a de terem fugido das ilhas a norte das britânicas, mas não é só este tipo de nórdicos que são representados e relatados pelos egípcios, são dois, uns com cornos nos capacetes e outros com penas ou algo parecido.

Muitas das ilhas da actual Indonésia poderiam ter sido o que resta do Continente de Mu, ainda tem 150 vulcões e o de Toba na de Sumatra pode ter sido à 70.000 a causa da era glacial (Glaciação de Würm) ver aqui a teoria http://fr.wikipedia.org/wiki/Th%C3%A9orie_de_la_catastrophe_de_Toba

Mas conheço pouco das disputas entre castelhanos e portugueses sobre esta região, o intuito de o tal português Pedro Fernandes de Queirós (1595) querer na zona do Nan Madol fundar uma nova Jerusalém é enigmático, e ele tinha sido recebido no Vaticano pelo Papa antes de fazer a viagem à Austrália.

Este actual cristianismo romano é usurpador do símbolo da Cruz duma civilização desaparecida, e o Vaticano tudo tem feito para destruir o que o possa provar.

Se fizerem uma leitura da história à luz disto que enunciei cai a mascara do encoberto.

Boas leituras, cumprimentos, José Manuel CH-GE

De Anónimo a 19.02.2011 às 04:32

Talvez a divergência entre portugueses e castelhanos fosse essa.
Enquanto os portugueses pretenderiam conhecer, e preservar. os castelhanos estavam encarregados de destruir.
Percebe-se que Castela é metida a martelo na História dos Descobrimentos.
Não faziam parte do filme! São-nos impostos!
Por quem? Pelo Vaticano?
Se foi assim, eles foram os Espiões!

Mas também, se percebe, dada a natureza "sensível" da questão. O Bórgia deve ter mandado destruir tudo o que fosse revelador.

E o interessante da questão, é que o masson Pombal, apagou o que restava em Portugal.
Vaticano e Maçonaria!!!
Isso da Jerusalém Celestial, de que todos falam. "Um novo Céu e uma nova Terra" que desce dos Céus....

De Anónimo a 19.02.2011 às 14:01

Caro(a)a anónimo(a),
não sei se ajuda mas talvez aqui encontre um pouco de informação:
http://www.g-sat.net/festa-brava-2033/a-historia-da-tauromaquia-196501.html

O cavalo (e as suas qualidades) está muito ligado ao touro, a melhor explicação que encontrei foi a dada pelo mestre Luis Valença nos primeiros minutos da entrevista aqui:
http://www.tribunalusitana.com/programas/mestre-luis-valenca
(espero não me ter enganado no link)

isto para dizer que há uma teoria (se assim se pode chamar) muito curiosa sobre a Atlântida...mas seria muia informação para colocar num comentário.

Caro Da Maia já avancei um pouco sobre a cavalaria grega e a hibérica, e cheguei ao mesmo problema, que é a distinção entre cavalaria com atrelado (tipo bigas gregas) ou cavalaria como Alexandre o grande tanto aproveitou (cavalo e cavaleiro). Continuo a achar estranho...

Com os melhores cumprimentos,

Calisto

De Anónimo a 20.02.2011 às 02:27

Meus amigos. Não sou pessoa de muitas subtilezas. Gosto de lêr este blog, vê-se que o autor é uma pessoa estudada bem como os comentadores. Não costumo comentar, mas costumo ler, apesar da prosa do Alvor-Silves ser ás vezes enviezada, fazendo um esforço, consigo perceber a sua ideia.
A questão das touradas surgiu porque me lembrei de ter lido algures por aí, que as corridas de touros nos Açores tinham, aspectos da cultura Atlante.
Não que alguém saiba ao certo o que foi a cultura Atlante, mas se calhar há quem tenha uma ideia. Foi por isso, que comentei.
Mas quanto ao vídeo amigo Calisto, parece que naquela tourada do Vinte Cinco de Abril, os portugueses fizeram o papel de bezerras. Chocas, mais própriamente.
Abraços
Anónimo - José

De Alvor-Silves a 20.02.2011 às 05:17

Obrigado pelos diversos comentários.
Enviaram-me muita informação para ser respondida em poucas palavras.

Estou muito de acordo com o comentário de 18 de Fevereiro de 2011 às 20:32, e também alinho com o último comentário do Anónimo-José.
De facto às vezes os textos saiem enviesados, porque o próprio assunto é enviesado.
Aí quando não tenho ideias bem definidas, ou não digo nada, ou deixo algumas ideias que tento seguir.
Como a ideia é lutar contra o silêncio instalado, prefiro arriscar algumas linhas, a omitir o assunto. Se não adianto mais, é porque não tenho dados suficientes...

Por exemplo, será fácil colocar isto tudo em termos de uma grande maquinação entre aristocracia+igreja e maçonaria+judeus.
E, de um modo geral, essa é uma hipótese com muita consistência, mas não explicará muitas outras coisas.
Há certas coisas só explicáveis com interferência a um outro nível.

De Anónimo a 20.02.2011 às 09:54

Caro Anónimo - José,

presumo que se esteja a referir à tourada à corda na ilha Terceira. Se assim for, talvez a razão seja na descrição da Atlântida de Platão com a utilização de varas e cordas para a captura do touro pelos 10 reis antes do sacrifício.
Tem alguma informação sobre a origem dos forcados? É que nunca consegui grande coisa, além da substituição dos alabardeiros da casa da guarda pelos monteiros das chocas.

Quanto à tourada que refere, eu não sei se fizeram ou se ainda fazem, não sei se fomos/somos chocas ou se fomos/somos mais cabrestos.

Já agora, será que o caro Alvor me pode informar se na sua opinião, se considerar o Egipto como estando no interior das colunas de Héracles, nós também estamos, ou não?

Com os melhores cumprimentos,

Calisto

De Anónimo a 21.02.2011 às 03:04

Consta que os Reis de Portugal até Dom António, O Prior do Crato , sabiam tourear, e toureavam Touros Bravos.
Filipe II, o usurpador, para alegrar as Hostes, até organizou uma Tourada Real.
Mas claro que não toureou. Mandou que se toureasse!
São assim, os cobardes!

Da fonte

De Anónimo a 21.02.2011 às 10:11

Cara Maria da Fonte,
se me permite, acrescento 2 notas:
- 1478, El Rei D. João II enfrentou e pegou de caras um touro na vila de Alcochete. O bravo animal surgiu na via em que o Rei se deslocava.
- Mais um Rei que sabia tourear, D. Miguel, o Rei Toureiro.

Melhores cumprimentos,

Calisto

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D