Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mapas de Dieppe

por desvela, em 04.09.10

Nos Mapas de Dieppe (ver, por exemplo, descrição em portugalliae) encontramos, para além de possíveis representações da Austrália... assunto sobre o qual não vale a pena insistir (é quase inquestionável que à época, c. 1547, a Austrália era já bem conhecida), encontramos nos frisos circundantes cenas evocativas de cariz mitológico. Neste primeiro friso, um governante Rei entrega a Hermes/Mercúrio uma mensagem que entrega a uma deusa dos mares, provavelmente Tétis. O pormenor mais interessante é a representada cidade com altas torres, envolta num certo cinzentismo, que seria mais apropriado para representa uma cidade industrial, 3 séculos depois. Nota-se ainda um sol poente sobre o mar habitado por ninfas...
No outro friso, a cena mitológica repete-se, com a entrega da mensagem a Diana/Artemisa, passando eventualmente por Marte e Vénus... Diana está numa quadriga!

A referência a este frisos com motivos mitológicos prende-se com os fados mitológicos que regressaram no Séc.XVI, sendo bem ilustrados nos Lusíadas de Camões.

Numa corte que durante um milénio negou o transporte por meio da roda, pode perceber-se até que ponto as condicionantes regressivas embebiam as políticas decididas. Essas políticas implícitas, secretas, que condicionaram o transporte, que condicionaram o conhecimento, só transpareciam subrepticiamente nas obras artísticas.
Podemos falar em condicionantes tenebrosas do obscurantismo religioso, mas é surpreendente o ressurgimento de toda a mitologia greco-romana no período renascentista.
À parte as variações na nomenclatura, os romanos adoptaram a mitologia grega. A conquista da Grécia/Corinto (146 BCE) está ligada a dois nomes que também tiveram relevância na Hispania:
- Quinto Cecílio Metelo, que derrotou os celtiberos e combateu Viriato,
- Lúcio Múmio Acaico, que foi pretor na Hispania.

Coincidência ou não, o mundo estagnou durante o milénio medieval em que se omitiu a mitologia greco-romana, ainda que prevalecesse o calendário juliano.

As navegações seriam retomadas oficialmente para as Américas quando houve uma chancela papal obtida por Colombo para navegar. Em Natal, Brasil, encontra-se uma coluna romana, denominada "capitolina"... (supostamente oferecida por Itália para comemorar um acto de aviação - fica o registo, abstendo-me de comentar o estranho presente da Itália nacionalista de Mussolini). 

Se em 1492 houve uma autorização de estender o território conhecido para as Américas, houve uma parcela significativa do mundo que permaneceu obscura. Compreendia basicamente toda a costa oeste americana, acima da Califórnia, e a Austrália. Só após 1775, quando os EUA se libertavam do jugo inglês, as viagens de Cook permitiriam abrir esse Novo mundo, reconhecido, visitado, mas oculto.
Cândido Costa, no final do Séc.XIX chega a falar em 5000 monumentos que atestariam evidências de presença pré-columbiana.

Será difícil de determinar se os jogos cortesãos eram produto de uma corte enfastiada, desejosa de mostrar a sua prevalência divina, ou se ainda acima disso, estariam sujeitos a determinações externas, para além das cortes europeias. Estariam os territórios ocultos abandonados, ou sob domínio civilizacional anterior?

Ou seja, tanto podemos crer que os territórios eram silvestres, abandonados sem propósito, ou albergavam um eventual paraíso terrestre, dominado por uma civilização tão antiga que controlaria as restantes, de tal forma superior, que seriam vistos como deuses. Afinal, o que distingue o homem actual do homem do Séc.XVIII senão pouco mais de dois séculos de civilização. 
Do mundo dos coches ao mundo dos foguetões pareceram bastar dois séculos de progresso... quantos dois séculos houve na história da humanidade? Quantas vezes houve oportunidade de dar o salto para um avanço tecnológico significativo? Desde egípcios, babilónios, gregos, hindus, chineses, houve inúmeros avanços da ciência interrompidos para só serem retomados após o renascimento. Estagnações de milénios para rompantes avanços num par de séculos... Estagnações de facto, ou induzidas?

Termino com o mote para o próximo post:


... porque, para além das cortes europeias, estes Magos, de barretes frígios, quais portadores da revolução republicana, foram intervenientes pontuais em várias Estórias.
Figuraram em histórias, em nomes de ilhas, praias, terras, fortes, mas a sua proveniência foi sempre misteriosa e aclamada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:03


14 comentários

De Anónimo a 05.09.2010 às 05:03

Este blog é um pérola da nossa blogsfera.

Parabéns :)
Daniel Constante

De José Manuel CH-GE a 06.09.2010 às 01:57

Olá,

É, só uma opinião, e dividido em duas partes, não precisa de publicar:

1ª parte
"As navegações seriam retomadas oficialmente para as Américas quando houve uma chancela papal obtida por Colombo para navegar." [alvor-silves]

Surpreendido por esta sua análise politicamente pouco correcta, mas certa.
Pessoalmente atribuo a culpa pelos recuos civilizacionais às regências pelas mulheres e religiosos, mas uma que domina as outras é o dinheiro, ricos e poderosos não têm interesse em evoluções técnicas, para que queriam a roda nos carros se tinham escravos para deslocar as liteiras... e o povinho ainda se punha a andar de carro e fugia ao colhedor de imposto do rei... se as Américas não estivessem ocultas os séculos de escravatura desde o Império Romano não teriam existido pois ia-se tudo embora.

Quanto às descobertas são sempre pouco ou nada originais excepto para quem pensa ser o primeiro a fazê-las, todas as informações de que o homo sapiens precisa para "descobrir" algo estão à sua disposição nos reinos animal vegetal e outros, é aí que se vai buscar as informações, pois o homem em si pouca informação têm por si mesmo, a não ser a arte de fazer a guerra e destruir, há quem diga que o Universo se contrai e expande sem fim e o espírito humano guarda a memória das suas experiencias, talvez.

"Será difícil de determinar se os jogos cortesãos eram produto de uma corte enfastiada, desejosa de mostrar a sua prevalência divina, ou se ainda acima disso, estariam sujeitos a determinações externas, para além das cortes europeias. Estariam os territórios ocultos abandonados, ou sob domínio civilizacional anterior?" [alvor-silves]

Essa não devia ser questionada pois basta ir ver a pirâmide a que cobriram as cobras na América para se ter a resposta, só não vê quem não quer ver, a Europa não tem e não chega aos calcanhares do desenvolvimento tecnológico que tiveram as civilizações pré colombianas, ver sobre a pirâmide aqui:
Templo de la Serpiente Emplumada (Proyecto "Tlalocan camino bajo tierra") México
http://portugalliae.blogspot.com/2010/08/templo-de-la-serpiente-emplumada.html

O guardador de porcos Pizarro casou-se com uma filha de um Rei e apoio-o na guerra civil contra o que dominava o Império Inca, foi isto que deu a América aos castelhanos, está tudo documentado no Archivo General de lndias, é só lá ir ler….
Já agora uma que não sabia é que o Tratado de Tordesilhas foi dado como património na UNESCO:
http://www.mcu.es/novedades/novedadesTratadoTordesillas.html

Ainda hoje uma maioria da humanidade pensa que o progresso tecnológico é nefasto para o homem, e remete nas mãos de Deus o seu destino, é esta a fonte da estagnação…

E é erro reconhecido actualmente de culpar os “bárbaros” germânicos pela idade média e queda do Império, os germânicos eram tanto ou mais avançados que os romanos, mas isso é mais um tabu, olhem para as catedrais góticas e para as piscinas romanas e comparem.

De José Manuel CH-GE a 06.09.2010 às 02:02

2ª parte)
"Estagnações de milénios para rompantes avanços num par de séculos... Estagnações de facto, ou induzidas?" [alvor-silves]

Boa pergunta, o terceiro Cérbero do homem dá a resposta, é ele que comanda, resolvi-me a divulgar o artigo sobre o assunto, da Universidade de Lausanne, quando tiver paciência. Estagnações ! ? Ide lá fazer uma cópia de um vazo oco de gargalo fino em diurite como os dos egípcios!? Não é estagnação, é que ainda não temos técnicas para tal neste ano de 2010 em que não estamos estagnados!

A “estagnação” é voluntária, sempre que pode o homem regressa à sua origem animal, é o seu terceiro cérebro que comanda os dois outros.

Existem carros com velas e quatro rodas em mapas quinhentistas sobre os jesuítas portugueses no Tibete, deslocavam-se nas estepes com eles, não eram puxados por animais aparentemente, mas um dos objectos que prova a tal avançada civilização actualmente é o The Antikythera Mechanism, A Calendar Computer from Circa 80 BC, mas escondem que era um relógio de marinha igualmente e servia para calcular as latitudes na navegação, tem numas das suas rodas dentadas o mais antigo nome gravado Espanha.

Continua o mistério porquê os gregos antigos esconderam e impediram o uso das tecnologias dos "Deuses" tudo foi transformado em mitologias e lendas por decreto oficial, e se compararmos com a nossa actual era fazemos o mesmo (comparar as revista de tipo Maria e TV guia com as científicas especializadas) quando se fala em informática diz-se maioritariamente o "Deus Bill Gates dos computadores" e poucos sabem explicar o que inventou aplicou e vendeu apesar de o utilizarem, e podia ir buscar mais exemplos contemporâneos no Pasteur por exemplo que nada inventou mas é conhecido como o "Deus Pasteur" da pasteurização, dentro de dois mil anos deve ser confundido com um guardador de cabras ou ovelhas, e paro por aqui de incomodar o alvor Silves.

A maioria das pessoas saem da escola e universidade e poucos anos depois já esqueceram quase tudo o que aprenderam, o cerne das suas vidas e pensamentos são pouco sapiens, baseiam-se em sexo, prazer, comer e beber cada qual com o seu ópio e maioritariamente é religioso, basta uma pequena guerra ou cataclismo pra regressarem às suas origens.

"Pão e jogos"... , é o que impede o caos.

Não tenho a pretensão de tudo saber, venho aqui aprender o que houver, e gostei de ler, mas esperava que encontra-se algo mais nos mapas.

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE

De Anónimo a 09.09.2010 às 23:30

Caro Alvor

Os do Barrete Frígio, eram Troianos, e segundo parece o Barrete já remonta ao tempo dos Vedas e de Uruk.
Pertencia a Mitra, a Luz filha do Espírito.
Os Romanos chamaram-lhe Deus Mitra no masculino, possivelmente para exorcisar o malfadado poder estagnador das Mulheres, ao longo dos Séculos, conseguindo com isso um grande avanço civilizacional.

Não que eu o veja. Mas eu preciso de óculos novos.

É muito curioso que seja encontrado em várias personagens dos Painéis de São Vicente.

Mas interessante mesmo, foi a seita maçónica do Robespierre e Companhia, considerarem-se seus herdeiros.
Herdeiros aqueles, só do Circo, onde se matavam seres humanos para divertimento das mentes psicopatas dos Romanos.

Como se a Herança, aqui, não fosse também Genética!
E eles, uma degenerada Raça Bastarda.

Cumprimentos

Da Fonte

Sem Maria, para não incomodar o fundamentalismo masculino

De AlvorSilves a 10.09.2010 às 04:32

Caro José Manuel,

a sua mensagem é extensa e muito informativa! Mais uma vez obrigado, por sempre contribuir de forma muito positiva para as nossas conversas.

Tem razão, a civilização nas Américas estava muito desenvolvida... mais do que aquilo que se pretende admitir...

O que mais me impressiona é ainda outra coisa... fala-se da ausência da roda nas civilizações pré-colombianas, mas o que se passava na Europa era exactamente a mesma coisa. As estradas que o povo usava, eram ainda as romanas... nem conheço nenhuma estrada medieval!

Não sei até que ponto seria isto global - seria interessante uma extensa pesquisa para averiguar se durante aquele milénio (Séc. IV - Séc. XIV) houve de facto alguma civilização que assumisse a roda. Não me recordo de ver ilustrações de locomoção árabes com rodas, e parece-me mesmo que a utilização no Oriente (China) também não foi constante.
Há uma utilização circunstancial das ordens militares, dos templários, em aparelhos de guerra, nas Cruzadas... mas sabemos também que os templários não eram parte do sistema, e sofreram por isso!

De facto, o nosso entendimento sobre os legados antigos é demasiado baseado nos pressupostos actuais... e como diz, é bem natural que a identificação divina inclua uma menção humana superlativa e pouco ou nada mais que isso! No post de 10 de Junho, refiro que o próprio Camões diz isso nos Lusíadas:
Divinos os fizeram, sendo humanos.
Que Júpiter, Mercúrio, Febo e Marte,
Eneias e Quirino, e os dois Tebanos,
Ceres, Palas e Juno, com Diana,
Todos foram de fraca carne humana.


Sobre os mapas... de facto, não coloquei nada de especial sobre a Austrália, porque a informação não é assim tão diferente da que já se retira doutros mapas portugueses anteriores. Pressupõe uma interpretação subjectiva que não é tão evidente. Talvez ainda volte ao assunto!

Abraços, e irei ler depois o seu novo post.

De AlvorSilves a 10.09.2010 às 04:34

Daniel Constante: obrigado por gostar... e esteja à vontade para criticar.

De AlvorSilves a 10.09.2010 às 04:52

Da Fonte,
bom ataque ao fundamentalismo masculino... e aí há mesmo uma diferença de DNA! Suficiente para criar amazonas... um planeta de mulheres, como já sugeriu o José Manuel?
Afinal, enquanto os homens se dedicavam a aspectos mais materiais da consciência, as mulheres teciam na espera... e a que dimensão chegaram essas teias - seriam as de Penélope que aguarda Ulisses?

Quanto ao Barrete... é sempre interessante reencontrar no português expressões que se perdem na origem, e.g.: "já te enfiaram o barrete"! Seria este, o barrete frígio?

Muito boa observação dos barretes...
-- de facto Mitra (Apolo/Afrodite?) aparece associada ao barrete, assim como ao touro. Tradição tauromáquica nacional - o barrete dos campinos, e o touro!
-- nos painéis, mas não há uma correspondência tão evidente - na forma e na cor vermelha - como acontece no caso do mosaico.

Aquilo que sei do Tribunal do Terror, só me faz estar de acordo consigo... mas desse período revolucionário francês restou muito de romântico e pouco de objectivo!

Abraços!

De Anónimo a 10.09.2010 às 05:18

Caro José Manuel

E leu o tal Tratado, património da Humanidade?
Tenho a certeza que leu.
Leu a cópia que está em Sevilha, a do Tombo e a da BN.
Todas falsificadas. A de Sevilha junta dois Tratados distintos. Ás outras duas faltam folhas.

E sobre as assinaturas, ou por outra sobre as NÂO ASSINATURAS é melhor nem falar.

Agora a questão que se coloca, sobre o Tratado de Tordesilhas, não é como os ilustres Paleógrafos da Unesco, e não só, o leram.
É como é que eu, que não estudei Paleografia, consegui lêr as TRÊS CÓPIAS.
COMO FOI POSSÍVEL?

Cabe-lhe a si responder.
Não a mim.
E peço-lhe que o faça.

Maria da Fonte

Com Maria, porque eu irrito-me rápido, mas passa-me depressa.

De Anónimo a 10.09.2010 às 06:31

Caro Alvor

Naquele tempo, no dos Painéis, o vermelho era a côr de uma família, não de todas.
Os Robespierrianos é que na tentativa de legitimar o injustificável, enfiraram eles sim, o barrete a todo o povo.
Vermelho, dos Pendragóns.
Como se Robespierre tivesse alguma linhagem que prestasse...

Quanto critiquei o fundamentalismo masculino, não pensava em Penélope nem em Teias.

Estava a pensar numa mulher, que por acaso era Rainha, e que no meio dum imenso cataclismo, que lhe destruiu o Reino, não partiu sem primeiro encontrar e levar consigo, o corpo do Rei morto, e do filho gravemente ferido.

Ao Rei morto, deu-lhe um Túmulo, numa nova Terra.
Ao filho, curou-lhe-lhe as feridas e defendeu os seus direitos.

Refiro-me à Rainha ISIS.
E no seu tempo houve carros de rodas e barcos.
Mais barcos, por força das trágicas circunstâncias.

E no Reinado de Hatschepsut, não consta que se tenha estagnado.
Pelo contrário.
Por essa época, já os Egípcios tinham podido voltar à América.

A estagnação vem com certa pseudo-elite greco-romana.
A época medieval é só uma consequência, de um retrocesso induzido anteriormente.

Estradas Romanas, caro Alvor?
Tem mesmo, mas mesmo, mesmo, a certeza de que são romanas?

Não serão Celtas?

Cumprimentos

Maria da Fonte

De José Manuel CH-GE a 10.09.2010 às 23:21

“O que mais me impressiona é ainda outra coisa... fala-se da ausência da roda nas civilizações pré-colombianas, mas o que se passava na Europa era exactamente a mesma coisa.” [Alvor Silves]

Olá,

No Brasil têm autênticas auto-estradas na Amazónia que ligam enormes rotundas ainda hoje habitadas por índios que não utilizam a roda… os “índios” da Papua Nova Guiné (ilha descoberta por navegadores portugueses em 1511) se fossem os únicos a sobreviverem a um cataclismo em 2010 o que farão com as nossas auto-estradas? Nada pois vivem actualmente na era da pedra e usam e fabricam machados de pedras…não utilizam a roda tão-pouco.

Pois SIM os pré-colombianos conheciam e utilizavam a roda nos “Carros de brinquedo para crianças”, ver aqui as imagens:

Trabalhos do Prof. Dr. E. F. Legner discoverfl@live.com CIVILIZATIONS IN AMERICA
http://faculty.ucr.edu/~legneref/ethnic/classic.htm (Não funciona com o Firefox)

Fig. 1. Pottery image of a dog-like animal with a crown from Tres Zapotes, Veracruz, dated ca. 100-200 AD. Such “toys” were able to be pulled, but they are believed to be funeral offerings because they shown no ear (Pettit & Pettit 1978). http://faculty.ucr.edu/~legneref/ethnic/htm/et1.htm

Fig. 2. A wheeled “toy” from Mexico and dated from ca. 100-200 AD (Jairazbhoy 1976) http://faculty.ucr.edu/~legneref/ethnic/htm/et2.htm

Fig. 3. Ceramic deer on wheels, from Remojadas, Veracruz, dated ca. 600-800 AD (Coe 1994) http://faculty.ucr.edu/~legneref/ethnic/htm/et3.htm

Fig. 4. Wheeled cat-like whistle of clay, 9.25 in. high from Veracruz, Mexico, dated 550-950 AD (Easby & Scott 1970) http://faculty.ucr.edu/~legneref/ethnic/htm/et4.htm

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D