Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lemuria

por desvela, em 25.02.14
Nos estudos sobre migrações, um elemento de controlo, e que deveria ser particularmente tido em conta, seriam os estudos sobre os animais que podem ter acompanhado essas migrações. Tais estudos não parecem ter colhido a mesma atenção que os estudos directos, pelo menos em alguns casos.

Lemuria
No entanto, quando se fala no continente "Mu" ou "Lemuria", isso relaciona-se com os Lemures:
Lemures (Madagascar), Loris Tardigradus (Ceilão), Lemure voador (Sunda, Filipinas)

O nome Lemúria parece ter sido sugerido para explicar uma ligação dos primatas através do Oceano Índico, que seria assim explicada pela existência dessa plataforma continental, algo que veio a ser abandonado ao considerar-se a deriva das placas tectónicas.
No entanto, como esta versão encaixava ainda com um mito dos Tamil, de um reino afundado, criou uma ideia de "atlântida" no Índico... que se estendeu depois ao Pacífico.

Algumas notas:
  • (i) Lemurias - é ainda nome de festividades romanas, de 9 a 13 de Maio. Celebravam o espíritos "lemures" que atormentavam os vivos por terem sido vítimas de morte violenta. Foi o nome destes espíritos que Lineu usou para os primatas, seguindo talvez a sugestão de Paracelso.
  • (ii) Tardigradus - é o nome de um Loris, parente próximo dos Lemures, e que basicamente designa os seus passos vagarosos, foi ainda designação aplicada aos Tardigrades - os ursinhos espaciais (cf. Portugalliae). O Loris Tardigradus é encontrado no Ceilão, e no sul da Índia, entre os Tamil.
  • (iii) Acerca de Kumari Kandam, o míto Tamil refere esse continente afundado, e liga-o à personagem mítica: Maya Danava (Mayasura, Mamuni Mayan). Esse "asura" Maya é ligado à construção de construções notáveis - inclusive de cidades voadoras: Tripura. Este registo é usado na ligação mítica a fenómenos ETs.
__________
Os lemures (propriamente ditos) são uma excepção de Madagáscar, onde não há macacos, ou outros primatas. Os primatas têm essa particularidade de não serem nadadores, e como tal uma continuidade migratória deveria ter sido feita naturalmente por terra. Por outro lado, no lado americano apenas se encontram pequenos macacos, que diferem dos outros pelo facto de usarem uma cauda preensil.
Vejamos a distribuição dos primatas (não humanos):

Tornam-se razoavelmente evidentes algumas coisas normalmente menos consideradas.
  • (i) Os primatas gostam de calor. O número de primatas fora das zonas tropicais é quase reduzido ao Japão.
  • (ii) À excepção dos humanos, os primatas têm pêlo e não são nadadores.
  • (iii) Não há primatas na Austrália e na Papua - Nova Guiné.
Começamos por rever um mapa com a situação perante uma diminuição considerável do nível do mar, dentro dos limites habitualmente considerados para a Idade do Gelo (circa 200m):
Aumento continental (a azul claro) por descida do nível do mar (época glaciar).

Ou seja, a população de primatas que avançou para a zona das ilhas da Indonésia pode ser justificada pela mancha terrestre (azul clara) que praticamente levou a uma extensão contínua do sudeste asiático até à Austrália. A grande profundidade marítima na Fossa de Timor poderia justificar uma separação efectiva face à Nova Guiné e Austrália, mesmo em época de glaciação.
Nesse caso de separação marítima, a única possibilidade para a deslocação humana na direcção australiana seria por algum método de navegação primitiva. A restante possibilidade seria uma caça intensiva dos aborígenes, e específica dessas regiões (Austrália, Nova Guiné), que teria levado à extinção de quaisquer outros macacos ou hominídeos. 

Nota-se ainda neste mapa a ligação do Ceilão à Índia, com um eventual prolongamento terrestre na direcção do Índico (Dorsal de Chagos-Laquedivas), o que pode corresponder a esse mito antigo do "Kumari Kundam" (ver também o Planalto das Ilhas Mascarenhas, Reunião e Seychelles).
Parece-nos ainda natural considerar que Mu (para além da extensão de Kumari Kundam) poderia corresponder a todo o planalto afundado que vai de Java ao Japão. Esse certamente estaria emerso durante a Idade do Gelo.

Por oposição podemos ver o mapa que obtemos quando fazemos o oposto, ou seja subindo o nível do mar, por situação simétrica (a azul claro as partes que seriam submergidas). Há grandes extensões que têm uma altitude reduzida, e o efeito mais dramático seria na Europa-Rússia.
Submersão de zonas de baixa altitude (a azul claro) por aumento do nível do mar.

Numa situação deste género mantinha-se a grande cadeia montanhosa que é praticamente contínua entre Portugal e o Vietname ou pela China até o nordeste siberiano (as descontinuidades são nos Pirinéus e o Dardanelos; nesta situação Pequim passaria a cidade costeira...). 
Manter-se-iam muitas ilhas montanhosas da Indonésia à Nova-Guiné, mas haveria novas ilhas - em particular, a Austrália dividir-se-ia, a Índia e a Coreia passariam a ser, tal como o Japão, ilhas. Da grande extensão russa, não oriental, restaria a linha dos Urais.

É habitual folclore dizer-se que tais transformações demoram milhares de anos, etc... No entanto, nem sempre é assim. O Aral era um dos maiores lagos do mundo, aliás era chamado Mar Aral, e só era ultrapassado em dimensão pelo Mar Cáspio, e pelos lagos Superior e Victoria.
No espaço de 20 anos ficou reduzido a uma dimensão insignificante.
O que aconteceu ao Mar Aral?
Desaparecimento do Mar Aral em 20 anos (entre 1989 e 2009)

Pode falar-se do desvio dos rios, mas as causas do desaparecimento do Aral são essencialmente naturais... e o Cáspio também sofreu uma redução significativa.
Já aqui falámos de como o Mar Cáspio se deve ter ligado ao Oceano Ártico, e no Aral restaria uma outra parte desse enorme Mar que dividia a Europa da Ásia. 
A situação começou a ficar pantanosa já no tempo dos romanos, permitindo fácil migração dos mongóis, Hunos, até às paragens europeias. Ainda hoje toda aquela região tem inúmeros lagos, devido a essa baixa profundidade.
______
Tentou-se sempre tomar como fabulosas as referências dos geógrafos antigos que davam o Cáspio como um verdadeiro mar ligado ao Oceano Ártico. Esta situação recente mostra como se podem processar grandes alterações num curto espaço de tempo. Dentro de poucas décadas o próprio mar Aral poderá ser visto como um registo fabuloso, só conhecido por estudiosos e pela memória das populações locais. 

Nova Guiné - Múmias, Mãos, Antas 
Voltamos a insistir na questão singular da Papua - Nova Guiné, neste caso para notar que a tribo dos Anga tem uma tradição de mumificar antepassados:
«Mummies are not only found in Egypt. 
In Papua New Guinea, mummies show respect to their ancestors 
and are treated as if they’re still alive.» (http://blogs.ksbe.edu/lenelson/ )

De facto, a tradição de mumificar corpos não é apenas egípcia, conhecem-se outros casos, mas é especialmente notável esta tradição na Papua-Nova Guiné, que parece ser contínua desde os tempos mais remotos. O método é aqui "fumegante" e pode ter origem nalguma observação canibalesca...
É significativa esta atribuição religiosa de presença dos mortos, fortalecida certamente por algumas "inspirações" dos xamãs locais.
Portanto, para além de ter sido um ponto de origem da agricultura, também a Nova Guiné surpreende nesta remota tradição de mumificação... Isto liga ainda com a migração vista nos haplogrupos, que parece ter como ponto de origem as paragens da Oceania... e provavelmente as circunstâncias de variação do nível do mar, a variação entre a ligação continental (Mu) e a formação de ilhas, causando uma diversificação e competição acentuada. 

Temos ainda outras tradições que se mantêm - cavernas com mãos pintadas... num tom mais colorido do que o habitual:
Awim Cave Art (A. Toensing, National Geographic)

E o que é interessante, devido à tradição se manter naquelas paragens, compreender como isto resultava de um sangrento ritual de iniciação juvenil, neste caso da tribo Karawari.
Aparentemente há várias outras cavernas com inscrições variadas, para além de mãos... mas a informação parece ser mais escassa (actuam para isso outro tipo de mãos).

Ainda na Nova-Guiné, numa ilha chamada Unuapa, encontrámos um excelente artigo:
Sarah Byrne: "Community Archaeology as Knowledge Management: 
Reflections from Uneapa Island, Papua New Guinea", Public Archaeology 11(1), 2012.

onde, entre muitas interessantes considerações, parece ficar evidente que os dólmens tiveram um interesse prático algo surpreendente:
 

É claro que chegados à Europa, os dólmens cresceram, talvez crescendo a importância dos chefes locais, que requeriam um lugar mais alto à "mesa"... (Abraracourcix montado no seu escudo é uma boa caricatura dessa "necessidade de elevação").
Há ainda outras referências mais complicadas... de monumentos megalíticos na Nova Guiné, mas faltam imagens (por exemplo, no caso de Bunmuyuw ou Muyuw - Ilha de Woodlark - ver reconstrução simulada).

Deixamos um link para uma lista muito interessante de monumentos na Oceania - Melanesia:
http://www.wondermondo.com/Melanesia.htm

Porque afinal, não há apenas a Ilha da Páscoa no Pacífico, e se ela tem concentrado todas as atenções, é apenas uma parte de um fenómeno muito maior, que se estendia pelo oceano.
Já tínhamos falado do Taiti e da Pirâmide de Mahaiatea... juntamos apenas mais alguns exemplos de outras construções, espalhadas pelas ilhas do Pacífico:
Ilha de Tonga - Anta denominada Ha amonga a Maui

 
Ilhas Marquesas (tiki)[à esquerda] ....  Micronésia (Palau) - "Pedra Dinheiro" [à direita]

Há um misto entre a diversidade de construções, a sua discutível datação, e algumas analogias directas que se estabelecem com outras construções universais.

Parece-nos mais natural entender que as alterações geológicas, nomeadamente devido ao isolamento em ilhas, provocaram conflitos com rápida evolução daquelas populações... esse terá sido o contributo de um eventual afundamento de terras correspondentes a Mu ou a uma Lemuria perdida. As comunidades sobreviventes herdaram "lamúrias" passadas a violentos rituais sociais.

A parte de herança comum parece denotar que se restabeleceu uma cultura primitiva, baseada na zona da Nova-Guiné que veio a influenciar de forma definitiva todo o mundo... seriam evidências disso a mumificação, a pintura em cavernas, ou até os dólmens - que afinal podem ter servido mais de tronos do que de monumentos funerários. 
Convém recordar que os haplogrupos parecem apontar para uma origem na zona da Nova-Guiné
A passagem do K para M, S é feita nessas paragens, e é dessa mesma linha que surgem os N (siberianos), os O (chineses), os Q (indios-americanos) e os R (indo-europeus).
O poderoso controlo xamã teria mantido uma sociedade estagnada nas ilhas de origem, principalmente na Papua-Nova Guiné. Nos outros locais para onde migraram essa estagnação foi desaparecendo progressivamente, até ter resultado na civilização ocidental... que de alguma forma parece ser herdeira, para o mal e o para o bem, dessa primitiva forma de ser que foi reencontrada naquela ilha "parada no tempo".
24 a 27 Fevereiro 2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


Dos bancos, o velar e as pirâmides

por desvela, em 25.09.13
Muito oportunamente recebemos hoje um comentário de Olinda Gil sobre a descoberta de um banco com formato piramidal por um velejador açoriano, Diocleciano Silva, em mais uma reportagem da RTP Açores.

Com base nesse comentário, no blog Portugalliae (de J.M. Oliveira) está já uma compilação que relaciona com outras descobertas subaquáticas na zona dos Açores:
http://portugalliae.blogspot.pt/2013/09/teoria-da-atlantida-no-arquipelago-dos.html

Este é mais um achado, que se junta a outros que têm vindo a merecer atenção sobre os Açores (já aqui falámos das Pirâmides da ilha do Pico, da Grota do Medo, dos hipogeus na Terceira e Corvo, etc., não esquecendo também a estranha formação submarina ao largo da Madeira... agora disfarçada no Google Maps)

Apenas aproveito para complementar com alguma outra informação relacionada.
Começamos por uma informação batimétrica dessa zona, entre a Terceira e São Miguel, onde é muito bem conhecido o Banco de D. João de Castro.
Imagem batimétrica, onde se vê o Banco D. João de Castro (info daqui
e assinalamos com uma seta o outro banco que pode ser a formação pirâmidal mencionada.

A seta preta assinala uma proeminência que se destaca, que parece ter uma forma piramidal pronunciada, e que é a única tão próxima da superfície do mar, sem ser o conhecido Banco de D. João de Castro. Aliás as montanhas submarinas dos Açores têm sido alvo de exploração recente, como mostra o vídeo da Univ. dos Açores:
Vídeo da Univ. Açores sobre montanhas submarinas açorianas.

Portanto, é claro que o velejador Diocleciano Silva não será o primeiro a deparar-se com a estrutura, que será bem conhecida de todos os que realizaram estudos batimétricos na zona da fossa planalto Hirondelle (... andorinha, era o nome do barco do princípe Alberto I do Mónaco).
A página de onde retirei a figura batimétrica é sobre uma outra formação, chamada o Banco do Mónaco, mais a sul, sudoeste de S. Miguel. Trata-se de um vulcão submarino, e é curiosa a menção feita na página de vulcanologia:
The volcano is unusual for a European volcano as it has never been studied.

Os Açores têm destas coisas... há coisas que nunca foram estudadas.
Por isso são naturais as tentativas de descobrir - ou seja de retirar do encobrir, já que Portugal é feito da matéria do Encoberto.

É claro que a questão do velejador seria prontamente resolvida se houvesse informação disponível, mas assim fica encoberta por toda a ausência de informação divulgada. Estes "achados" são assim falados por uns tempos, correm o facebook por um par de dias, e depois aguarda-se que entrem naturalmente no esquecimento.
Como a população tem uma curiosidade não persistente, o assunto merece uma atenção fugaz, já que as pessoas se conformaram a ter uma informação não esclarecida. Rapidamente haverá outro assunto que prenderá a atenção, e o mistério desaparece naturalmente.

No caso em concreto convém notar apenas que a formação pode ser natural, pois o aparelho usado pelo velejador parecia estar no limite da sua resolução, e nessa altura as linhas curvas podem ser apresentadas simplificadamente por quatro linhas, e a forma quadrangular pode sugerir uma forma piramidal (as curvas de nível da montanha do Pico numa má resolução poderiam aparecer da mesma maneira).
De qualquer forma, mais importante do que haver ali ou não uma pirâmide, é não haver logo um esclarecimento ao velejador, e o assunto ser alvo de reportagem como se a Marinha não soubesse, nem se tivesse passado ali com um sonar antes...
Ora, este conhecimento vai mesmo para além dos 100 anos, já que há esses estudos reportados a Alberto do Mónaco, e também ao nosso rei D. Carlos, que foi igualmente um oceanógrafo reconhecido.

Muito antes, no Séc. XVI, o próprio D. João de Castro ficou conhecido pelos seus estudos sobre os baixios.
Nessa altura chamavam-se "baixios" e não "bancos", mas agora é mais fácil associar a riqueza que guardam estes bancos e perceber como pode haver uma crise com a revelação dos segredos dos bancos (... velando pirâmides financeiras).
O significado das palavras serve vários propósitos.

Esses baixios apareciam representados nos Roteiros de D. João de Castro, vice-rei da Índia, como é exemplo na próxima gravura, e visavam evitar problemas de navegação com profundidades baixas.
(Roteiros de D. João de Castro, Biblioteca da Univ. Coimbra)

É claro que esta precisão de contornos dos baixios envolveu uma pesquisa sistemática na navegação.
Na altura seria provavelmente usado o esquema clássico de lançar uma corda ao fundo e medir as braças.
Esta menção aos baixios pode ter sido mais sistematizada por ordem de D. João de Castro, mas já seria encontrada em mapas anteriores.
Alguns baixios em frente da costa de Moçambique já estavam delineados no Livro de Marinharia de João de Lisboa e apareceram designados depois com a referência a D. João de Castro. Por isso, antes da designação desse Banco D. João de Castro nos Açores (vulcão submarino que originou uma ilha temporária em 1720-22) havia outros "bancos de D. João de Castro", na costa próxima de Moçambique, junto às Ilhas Comores.

Costa de Moçambique. Baixios de D. João ... de Castro.
No Livro de Marinharia (c. 1514-60) a menção aos baixios, 
e sua localização no Google Maps (seta amarela).


Repare-se que a menção aos baixios envolve um conhecimento de grande profundidade no Séc. XVI.
E, é literalmente profundo, pois marcas envolvem medições que iriam muito além de várias centenas de metros.

Nota adicional: (12/10/2013) __________________
A Marinha parece ter reduzido o problema à confusão do navegador com o Banco D. João de Castro:

É engraçada a forma de desinformação dos tempos recentes - basta a uns dizerem que sim, e a outros dizem que não.
Um é velejador solitário, o outro é a Marinha com os registos oficiais de maior "sensibilidade".
Não foi preciso confrontação dos dois registos. 
Ficamos a saber que até à comunicação à RTP Açores, o velejador pesquisou durante vários meses sem saber da existência de tal banco, que aparece em todos os mapas. Por outro lado, os repórteres da RTP Açores fazem uma reportagem sem se informarem com mais nenhuma fonte. A Marinha demora 12 dias a concluir uma trivialidade poderia ter sido esclarecida em 5 minutos. 
Uma trapalhada!... uma sucessão de enganos e incompetências, que afectam instituições com algum prestígio - mas é suposto ser normal as instituições darem como perdida a sua respeitabilidade. Haja paciência!

De qualquer forma, já antevendo desfechos deste género como os únicos possíveis num quadro de ocultação, este texto foi feito para ter relevância para além da observação de Diocleciano Silva.
Entre outras coisas, fica claro pelo mapa que apresentámos aqui que há uma estrutura de forma piramidal acentuada, que não é o Banco D. João de Castro, é aquela que está assinalada pela seta a negro, e que mais uma vez não foi mencionada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55


Pés e Cabeça

por desvela, em 16.09.13
Um dos registos passados mais misteriosos é o que diz respeito à deformação cefálica.
Que motivo levou diferentes civilizações a deformarem os seus crânios de forma tão pronunciada?
Olhando para os crânios deformados da civilização de Paracas (Perú, zona Nazca), apenas pelos aspectos morfológicos, poderíamos até duvidar que se tratavam de Homo Sapiens...
Crânios deformados encontrados em Paracas... (ver também esta página)
Dada a sua vizinhança à paisagem Nazca, é de perguntar: 
- por que razão estes crânios expostos em museu, que lembram "figurações extraterrestres",
não aparecem habitualmente nos livros sobre Nazca, onde se fazem conjecturas sobre visitas passadas?

Não é só em Paracas (península de Ica, perto das figuras Nazcas) que se encontram crânios deformados.
A página da wikipedia que citámos (e que remete ao livro The Enigma Of Cranial Deformation: Elongated Skulls Of The Ancients, D.H. Childress and B. Foerster, 2012), indica vários casos: 
They were not unique in this, as the process of manipulating the shape of a child's head in infancy was practiced by many cultures, at different times, around the world. These other cultures include those in ancient Iraq, Russia, Melanesia, Malta, North America, Mexico, and possibly Egypt during the Amarna period: Tutankhamen has been cited as having an elongated head, but that is disputed by many scholars.
O que motivaria esta tradição em culturas que vão da Oceania (Melanésia) até à Europa (Rússia, Malta), ou às Américas (Mexico, Perú)?
Não se trata propriamente de uma moda de "corte de cabelo"... a deformação craniana é um processo violento, que poderia provocar dores inimagináveis.
Pintura do Séc. XIX (Paul Kane), representando o processo de deformação cefálica
numa criança índia Chinookan (EUA), e um resultado obtido no adulto...

No entanto, este processo estava normalmente associado a uma certa casta social... ou seja, parecia haver uma vontade de se parecer com algum modelo. Haveria uma ligação religiosa a xamãs ou sacerdotes, propagada pelas classes mais altas. É pouco verosímil que povos tão distintos se lembrassem do mesmo absurdo sem que houvesse um motivo forte, e sem dúvida que teria havido um elo ou influência comum. É dito ainda que tal prática, que ocorre modernamente, poderia colocar a pessoa mais próximo do "mundo dos espíritos"... pode ser por alucinações, ou por tradição de contacto com os tais "modelos".

Quanto à conexão entre estes crânios alongados, existentes nos Aztecas, Maias, Incas e os crânios alongados representados no Egipto, creio que esta imagem (daqui) é auto-suficiente:
Os crânios alongados de um lado do Atlântico... e do outro.
Quase todas as imagens apresentadas na página (que deve ser visitada)
... mostram bem as semelhanças e conexões culturais entre o Egipto e os Incas.

Bom, a sugestão de ligação habitual passa pela Atlântida perdida... mas convenhamos, isso não nos leva à Melanésia ou Polinésia, onde este costume ainda se mantinha, bem como que parece ter sido praticado entre os Aborígenes Australianos. Nem nos leva a registos russos... ou ainda à tradição que se manteve entre suevos e alanos (de que já falámos no texto "Suevos e os Arianismos", a propósito do texto "Mare Suevorum", no blog Portugalliae)

Isto é mais um dado no sentido da ligação que vai da Nova Guiné à Europa, passando pela América... falha aqui o registo indiano ou chinês. 
No caso chinês (ou japonês), as deformações não ficaram na cabeça, passaram para os pés.
O drama da deformação de pés, num conceito de "beleza" oriental.

Dir-se-à que isto "não tem pés, nem cabeça"... mas fico cada vez mais circunspecto com a língua e expressões que herdámos. Aliás, para além de alguns títulos "sugestivos", estou a evitar entrar na questão da linguagem, porque apesar de haver coincidências a um nível demasiado grande, não é fácil abordar o assunto de maneira clara, sem entrar em especulações. 
Porém, neste caso é inevitável falar na questão da palavra "colar"... lembrar a Cola do Dragão, cobra que afinal cobre e cobra, a troco de cobres, unindo o "cou" ao pescoço francês. E sendo coço a traseira, juntar pés e coço em pescoço, mostra como colam os colares ao pescoço, com as devidas Ordens. Bom, mas já dei o meu chá para essa procissão... 

O que me interessa aqui é abordar o "modelo"... ou seja, será que estas culturas pretenderam imitar um modelo de pessoas que tinham um aspecto diferente?
Haveria uma raça diferente, dominadora, que teria servido de modelo?
Poderia falar em extraterrestre... mas tenho largas dúvidas sobre essa teoria. 
O que teria mais de "extra" seria não se querer misturar com os outros, porque afinal de contas não deixariam de ter aspecto macacóide, como todos nós, desde o Erectus ao Sapiens, passando pelos Neandertal. Ah, e claro que também teriam "esperteza macaca"!

O que é perfeitamente natural, e é nisso que tenho insistido, é que estes últimos 100 ou 200 anos, nos mostraram como poderia evoluir rapidamente uma sociedade humana, quando o génio é libertado, e não fica preso em tradições absurdas que nos amarraram a cabeça e os pés.
Se houve dezenas de milhar de anos de estagnação não foi por falta de génio... foi porque uma educação condicionada, baseada numa estrita tradição, é a maior prisão que pode existir para o espírito humano. As pessoas são ensinadas a ter os seus objectivos programados para uma inserção na sua sociedade, e se essa sociedade está doente, os indivíduos são contaminados por essa doença. As ideias instalam-se e formatam os cérebros para determinadas expectativas e objectivos, são raros os que questionam o funcionamento, e só o fazem quando tiverem razões para isso.
Faço apenas notar uma coisa - o tempo mais importante é o tempo de perceber o que é importante.
Esse tempo nunca é uma perda de tempo, porque só depois de perceber a importância das coisas é que podemos falar em perda de tempo.

A verdade é importante, mas muito mais importante do que conhecer a verdade, é aprender a distinguir o que é falso. A verdade surge apenas como consequência desse processo. 
Por exemplo, o que será mais relevante? 
- Que se decida agora publicar os segredos, ou que se definam políticas educativas que mostrem a falsidade e de como a ocultação pode ser global?
Se os segredos fossem "revelados", ficaríamos convencidos?... Como dizia Albert Pike, o famoso mação, "revelar" é apenas colocar novo véu (velo). Tal coisa poderia ser feita numa grande encenação hollywoodesca, talvez até com  gente disfarçada de humanóides, para justificar a nossa provação (e de como os nossos dirigentes eram uns meros coitados, lutando contra forças extraterrestres)!

Não há qualquer dúvida que grande parte da humanidade foi enganada durante milhares de anos, e essa capacidade de enganar não desaparece pela simples vontade. Se somos capazes de enganar, o que é importante é ser capaz de reconhecer o engano. Se há estruturas sociais dedicadas ao engano, deveria também haver estruturas sociais dedicadas a combater o engano... caso contrário o desequilíbrio é imenso.

O maior engano das estruturas sociais é que passam a seres abstractos que se usam os indivíduos contra si próprios. Nunca nenhum indivíduo vai conseguir identificar-se à estrutura, e por isso, enquanto indivíduo, vai-se sempre sentir frágil. Pode julgar que ignora isso, por estar dentro e beneficiar da estrutura, mas não conseguirá nunca libertar-se do seu papel de simples indivíduo no meio da estrutura que o ultrapassa... 
O que uma sociedade faz de mal a um indivíduo, faz por medo a todos o que o souberem.

Bom, voltando à questão das cabeças alongadas, não posso deixar de mencionar o texto anterior Cobertura de Anedotos... onde fiz notar da semelhança das vestes dos Anedotos-Anunaki com os "bacalhaus", e também com a mitra papal. Ora, uma mitra alongada, sendo uma "cobertura" da cabeça, não pode deixar de ser referida neste contexto, porque tanto pode ter existido uma raça dominante com a cabeça alongada, como essa cobertura poderia ser disfarce, que depois levou a uma propagação desse costume entre os povos que sofriam a dominação dos outros.

No sentido da hipótese de ter havido mesmo uma raça com essa característica basta reparar numa grande diversidade de fisionomias humanas, que ainda existe, mas que seria muitíssimo mais acentuada há uns milénios atrás... e não deixo de lembrar uma figura que vi no Museu Nacional do Rio de Janeiro. Uma pequeníssima cabeça mumificada da Amazónia, da tribo dos jívaros:
Apesar de se poder ler na descrição que a cabeça foi reduzida pela remoção do crânio, o tamanho das letras dá para ter uma ideia de que tal cabeça caberá numa mão, algo que me impressionou, e que me deixou muitas dúvidas sobre a dimensão original do indivíduo liliputiano. Conhecemos a espécie que sobreviveu, mas já aqui referimos várias notícias que apontam no sentido de terem havido homens quase gigantes na Patagónia, e homens muito pequenos, pigmeus na Indonésia, na ilha das Flores, perto de Timor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:34


Sião ou não

por desvela, em 09.08.13
aqui dissertei sobre a Nova Guiné e Ilhas Salomão. Por outro lado, a Tailândia foi designada Sião.
Houve coisa, quando se ouve Salomão e Sião, em nomes de paragens muito orientais?

... acresce que a cidade de Ayutthaya, no Reino do Sião era chamada "Iudea".
Podemos perguntar o que motiva os nomes Salomão, Sião e Judeia aparecerem no Sudeste Asiático e Oceânia. A culpa, claro está, parece ser portuguesa... ou pelo menos, assim o dá a entender Turpin (General collections of voyages and travels, J. Pinkerton, Pag. 573):
  • The origin of the name Siam is unknown to its own inhabitants (...) in the Pegouan language it means "free". (...) It is suspected it was given by them by the Portuguese (...) 
  • The Siamese call the royal city Sigathia, or simply Crumg, that is to say, the court. The Portuguese, who corrupt all foreign words, by the difficulty they have to pronounce them, have called it Juthya and Odia. (...)
Por que razão vão os portugueses insistir em baptizar o país e a capital com nomes judaicos?
Curiosamente, a Tailândia, ou Sião, será praticamente a única a escapar à colonização europeia.

Não muito longe, na Indonésia, vamo-nos deparar com esta magnífica pirâmide:

Pode parecer que estamos perante uma pirâmide de degraus mexicana, mas não... há também pirâmides destas na Indonésia (Candi Sukuh). Está datada como sendo do Séc. XV... mas se isso será estranho, há ainda a considerar que havia um falo, com quase 2 metros de altura, que foi retirado do local, para ser higienicamente colocado no museu.

Ainda na Indonésia, somos ligeiramente surpreendidos com uma manifestação "megalítica"... aqui poderá ser exagerado o "mega", "multi" seria o prefixo certo. Ou seja, não se tratam de grandes pedras, mas sim de muitas pedras alinhadas, em Gunung Pandang:
Alinhamentos de Pedras em Gunung Pandang, Indonésia.

Estes casos indonésios são normalmente esquecidos na longa lista de sites, quer de pirâmides, quer de monumentos megalíticos. Como se depreende, isto dá um carácter ainda mais global às semelhanças em diversos continentes. 
Para além disso, há quem considere que poderia ter sido ali a mítica Atlântida (artigo do Jakarta Post).

Também não longe, nas Filipinas, vemos os mais de 1700 montes de forma cónica, chamados "montes de chocolate", na ilha de Bohol, sendo supostamente naturais. Apesar de não se tratar de fenómeno comum, é aceite que se tratam de formações naturais... De qualquer forma, o aspecto acentuadamente piramidal assemelha-se bastante aos montes artificiais existentes na Europa Atlântica:
Montes de Chocolate, em Bohol, nas Filipinas (Ilha de Cebu).

Devo dizer que interpretei mal uma péssima tradução, que vi agora reportar a uma página francesa:
http://destinationterre2.wordpress.com/2009/08/12/3eme-partie-les-tokhariens-chapitre-21-les-tokhariens-des-philippines/

Ao contrário, a versão francesa parece-me bastante instrutiva, e avança com uma vastidão de estranhos registos no mundo, ligando a diversos povos, em particular, neste caso, ao povo Tocharian, de origem siberiana, a que se associam a múmias da bacia de Tarim.

Assim, deveria ter falado apenas sobre os petroglifos de Angono, a que se atribui mais de 3000 anos, nalgumas inscrições:

Quando falei em "limpar o Cebu", referia-me a uma má interpretação da tradução da página mencionada. 
Por exemplo, uma grande estátua será afinal uma cabeça de leão... "Lion's head", colocada nos anos 1960's pelo Lions Club! Havia antes uma outra pedra, com aspecto de leão, que motivou a construção do Lion's Club...
 
Lions head, feito pelo Lions Club das Filipinas (Ilha de Cebu) e estátua natural.

O objectivo deste texto seria ilustrar diversos monumentos, pirâmides e megalitos, que surgem nas paragens do Sudeste Asiático e Oceania, para além do habitual Angkor Vat. Não se trata, como é óbvio de mostrar lugares turísticos, ainda que muitos destes monumentos estejam em paragens turísticas, como é o caso do Templo hindú de Besakhi em Bali. Apesar de Bali ser conhecida pelas praias, deveria merecer maior atenção este espectacular templo hindú, associado ao Séc. XIV ou XV:
 
Templo hindú de Besakhi em Bali, Indonésia

Já bastante mais significativo parece ser o Templo hindú de Virupaksha, em Hampi, Índia:

... e em particular esta magnífica escultura no Complexo Monumental de Vijayanagara que evidencia um par de elefantes puxando um carro encimado por um templo:
 
Hampi: Carro de Elefantes puxando um Templo, e megalitos

... havendo também neste local bastantes evidências megalíticas, em redor do templo. Aliás, em Hampi, na região de Karnataka é possível encontrar muitos exemplos de dólmens:

Estes registos indianos parecem misturar monumentos do Séc. XIV a XVI, mas também construções que remontam a 2000 ou 3000 a.C.
Ainda que estes dólmens sejam diferentes dos encontrados na Europa, evidenciam uma proliferação do conceito para outras fronteiras, que normalmente não fazem parte do conhecimento difundido.
Em particular fica a dúvida se a migração do conceito se deu no sentido indiano-europeu ou vice-versa...

(texto corrigido em 9/8/2013)

Aditamento (comentário de JM Oliveira, 3.09.2013):
Em resposta à minha frase:
"Ainda que estes dólmens sejam diferentes dos encontrados na Europa"

O José Manuel teve a gentileza de apontar esta figura que dispensa mais comentários:


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:27


Fernão de Oliveira (2)

por desvela, em 14.06.13
Vamos fazer uma pequena mistura antigo-moderno neste texto.

Catedral de Salamanca
Muitos foram vendo na catedral espanhola a escultura de um astronauta, e isso ganhou algum espaço de divulgação, devido à internet, nos últimos anos:
Catedral de Salamanca - escultura de astronauta. (imagem)

O que isto tem de especial? Nada. Nada, porque descobre-se que afinal é habitual os escultores de catedrais espanholas colocarem astronautas, fotógrafos, dragões a comer gelados, telemóveis, etc...
Sim é verdade, mas a versão oficial diz-nos que não foram os escultores antigos... é fruto da inspiração artística dos restauradores modernos! A Igreja ou o Estado encomendam o restauro, e o sujeito pensa - não, vou mas é aqui colocar um astronauta (deve ser pelo efeito Axe, com um cheiro de sovaco diferente).

Depois alguém publica uma foto diferente... que tanto circula como sendo uma foto anterior (versão de que existia antes do restauro), como posterior (versão de que foi vandalizado o restauro - creio que correcta).
Por isso aparece uma terceira versão, que creio ser a actual, com um restauro mais grosseiro, substituindo a anterior cara por uma máscara, tirando a expressão dos olhos.
Curiosamente não encontrei fotos dessa parte da Catedral sem o astronauta, antes do restauro, algo que teria acontecido em 1992 (parece ser uma teoria lançada pela Wikipedia portuguesa), e vi muitas pessoas a queixarem-se do mesmo problema - ausência de fotos anteriores (ninguém fotografou antes de 1992?).
Num dos sites apresentam-se testemunhos de que o astronauta já estaria representado na catedral em 1970. Antes dos anos 1960 era natural que as pessoas nem soubessem o que era um astronauta, e por isso nem notavam nada de especial numa representação com aquele aspecto.

Há quem também possa ver referências a astronautas nas esculturas de Pensacola:
Seria possível que o "astronauta" da Catedral de Salamanca tivesse sido inspirado nas esculturas encontradas na América-Latina? 
Após 1960, pela sua parecença com os astronautas, talvez isso tivesse motivado a ideia de um restauro original... ou seja, substituir a imagem que se parecia com um astronauta por uma verdadeira representação de astronauta moderno. Isso seria uma solução para evitar polémicas - criando uma figura mais explícita eliminava-se a parecença. As imagens anteriores não teriam entretanto sido divulgadas porque afinal iriam revelar essa semelhança, não resolvendo o problema.

Isto é obviamente uma hipótese... outra hipótese será que qualquer dia se veja uma garrafa de Coca-Cola esculpida no túmulo de Camões, por inspiração dos restauradores. 
Finalmente, a outra hipótese é a de que a evolução da tecnologia pode não ter sido o que se pensa... e já assim dizia Fernão de Oliveira.

Artilharia de Fernão de Oliveira 
Fernão de Oliveira escreveu também uma "Arte da Guerra do Mar", em 1555.
Não, não encontramos na decoração do livro nada de estranho. Talvez se destaque uma Fénix que sempre renasce das cinzas, um poder que renasce sempre de todas revoluções... porque, enfim, parece que tem sido preciso "mudar para que nada mude". Esta "arte" de Fernão de Oliveira tinha sido "novamente escrita", agora "vista e admitida pelos senhores deputados da Santa Inquisição". Há uma parte rasgada, e a data de 1555 é confirmada no final.

Há mais uma vez muito material de interesse, começando por uma dissertação sobre a necessidade de manter guerra constante para não ser surpreendido em paz pela guerra alheia.
Passamos directamente à artilharia. Diz ele, na página XXV:
A invenção da artilharia, segundo dizem alguns, foi achada na Alemanha do ano de Cristo de c. 1380, mas a mim me parece que é mais antiga. Porque nós temos que os homens da Fenícia se defendiam de Alexandre Manho com tiros de fogo. E que as gentes de Russia pelejavam com pelouros de chumbo lançados de canos de metal com fogo de enxofre. E alguns filósofos que fizeram fogo artificial que voava, o que parece que fariam com os materiais de pólvora que se acostuma nas bombardas e arcabuzes. Finalmente a fábula de Prometeu, o qual dizem que quis imitar os trovões e coriscos de Jupiter, disto parece que teve seu fundamento, que no princípio da Grécia sendo ela rústica, Prometeu trouxe este artifício de tiros de fogo do exército de Jupiter, rei de Creta ou da África, o qual artifício os rústicos Gregos imaginaram ser trovões, como também cuidaram que os homens de cavalo eram monstros. Como quer que seja, a invenção da artilharia quer velha, quer nova, ela é mais danosa que proveitosa para a geração humana.
(clique na figura para aumentar)

Portanto temos aqui uma explícita referência à existência de armas de fogo, artilharia, desde o tempo dos Fenícios, contra Alexandre Magno (ele diz Manho), e que também era usada na Rússia (muitas vezes o nome aparece só Rusia ou ainda como Rufia...).
Se "tiros de fogo" pode ter alguma ambiguidade, saber que o cerco foi a Tiro, diz muito sobre o conceito de "tiro"... e depois não atirem mais nossa língua, com o objectivo de atirar para a tirar.

No caso russo a descrição é bastante completa, e não parece oferecer grandes dúvidas. Afinal, já é aceite a utilização de dispositivos explosivos na China, praticamente desde a Antiguidade. A sua utilização apenas para efeitos pirotécnicos seria uma limitação filosófica benigna, pouco realista dada a capacidade humana, e desumana, de transformar invenções positivas em armas negativas... conforme Fernão de Oliveira salienta no final.

A referência a um Júpiter rei de Creta (ou África, talvez Cyrene, Líbia, que seria ilha), é bem mais antiga, e tem muito maior ambiguidade interpretativa. Pode servir como pista para entendermos como um rei passou a ser associado a raios e coriscos, e depois a um deus de raios e trovões, pela utilização da artilharia.
Não deixa ainda de ser curioso Fernão de Oliveira dizer que os gregos primitivos entendiam os cavaleiros como um conjunto monstruoso... sendo natural que daí tivesse surgido a noção de Centauro
Lembramos que também é dito que os cavaleiros espanhóis foram vistos como um conjunto homem-cavalo pelos Incas.

No fundo...
O que hoje é associado a representações de "antigos astronautas" tem algo de moda passageira...
Podemos usar uma imagem meso-americana, que encontrámos, para ilustrar a questão:

Acontece que hoje pode ser habitual ver esta figura como um Astronauta... mas no Séc. XIX seria muito mais natural ver esta representação como um Escafandrista.
Escafandristas em 1873 (wikipedia)

Portanto, estas interpretações estão sujeitas às modas dos tempos... convenientemente confundidas.
Depois, é preciso rever um pouco da história do mergulho.
No fundo, chegamos mesmo aos Assírios, que nos ofereceram esta representação:
Representação de um mergulhador num friso Assírio (c. 900 a.C.)

Trata-se provavelmente de um Anedoto, do homem-bacalhau, de que já falámos... e aqui torna-se mais evidente como ele poderia desaparecer nos mares, parecendo um homem-peixe.
A imagem pode ser encontrada no US-Navy Diving Manual. Acrescenta-se aí que a origem do mergulho poderia ser remetida a 3000 a.C., há ainda a lenda de Scyllis e da filha Cyana, ao tempo de Xerxes.

Mas, ainda mais interessante, voltamos ao cerco de Alexandre "Manho" aos fenícios de Tiro, que usavam "tiros", a que se contrapunha a "manha" de mandar mergulhadores ao fundo do Porto de Tiro para remover os obstáculos, em 332 a.C.
Nesse manual encontra-se ainda uma figura de 1511, que ilustra a utilização de um tubo de respiração:
Ilustração de 1511, mostrando o uso de um tubo de respiração em mergulho.

Bom... e haverá quem possa ver no mergulhador uma cabeça com aspecto alienígena?
Talvez... porém, serviria para isolar a cabeça para a respiração.
Outras imagens que nos aparecem com aspecto alienígena são, por exemplo, estas:

Ora, fica mais ou menos evidente que o halo que envolve a cabeça também poderia ser visto como uma "representação de santidade".
Essa foi uma outra interpretação... mas nos tempos que correm nem sequer se pensa em santos, nem em capacetes de escafrandos, vai-se directamente para astronautas ou alienígenas.

Enfim... o que concluir?
- Não vou discutir a versão dos "restauradores brincalhões", até porque esse caminho é uma contradição com a noção de obra "restaurada", é mais uma visão de "rês tourada". Quando a cozinha aventar uma "restauração" com ares desses, acaba-se a credibilidade do serviço, entra-se no fast-food justificativo.
- Tenho dúvidas sobre a capacidade tecnológica dos Anedotos. Já percebemos que impressionavam as civilizações menos desenvolvidas com um aspecto estranho. Tanto poderiam ser homens-peixe, como homens-falcão, homens-crocodilo, etc... dependia do povo e da religião que quisessem impor. Pelo lado homem-peixe justificar-se-iam os acessórios de mergulho. Porém, creio que o mais importante seria protegerem o seu corpo... A última imagem indicia uma possível vestimenta imune a alguma flecha perdida, que os poderia vitimar. Assim, para não serem vítimas de ataques de populações hostis, ou de um atirador incauto, uma fatiota-armadura com um elmo de vidro espesso seria suficiente para lhes conferir um estatuto de imunidade, de divindade.
- Bom, e sobre os Anedotos mais não sei, mas como também percebemos, as Anedotas continuam...

14/06/2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:54


Cobertura de Anedotos

por desvela, em 28.05.13
Nota de Rodopé (bis)
Começamos com mais uma "Nota de Rodopé"... 
Já tínhamos falado de Rodopé, a propósito da fábulas de Esopo e de Perrault. 

Faltou-nos uma história de "sapatinho rosa-dourado"... de uma escrava grega, que apreciada pelo seu senhor recebe os tais sapatinhos, causando inveja nas outras escravas... que a sobrecarregam de trabalho!
Acontece que o faraó Amásis II convida todos para uma festa em Mênfis, mas a pobre escrava não pode ir... é sobrecarregada com trabalho pelas outras invejosas! 
Lembra uma história de gata borralheira... e enquanto a festa decorre em Mênfis (só faltaria ter a actuação de algum Elvis...), a pobre escrava, ao lavar a roupa, molha os chinelos. 
Pior, quando os deixa ao sol a secar, um pássaro pega num e foge com ele.
Porém, o pássaro era afinal o deus Hórus, que deixa cair o chinelo em frente a Amásis II.
Tomando tal sinal divino evidente, o faraó procura a donzela que tenha o outro chinelo rosa-dourado. Acaba por encontrar a escrava... essa escrava é Cinderela?... Não, é Rodopé!
 
Ponte Diavolski, Bulgaria - Montes Rodopé (Trácia)... e o sapato de Cinderela.

Parecerá de facto, a história da Cinderela, mas de quem? 
De Esopo, de Estrabão, de Perrault, dos Irmãos Grimm, ou de Disney?
Bom, parece que também há uma versão chinesa - com Ye Xian, que perde um sapatinho dourado, e também tem uma madrasta malvada. É sabida a importância que os chineses davam aos pés pequenos, por isso esta história é também antiga - encontra-se numa compilação do Séc. IX d.C. (ver também aqui).

Encontrei, por mero acaso, mais esta "nota de Rodopé". 
Não era sobre isso que queria falar. Mas, aparecendo contada por Estrabão, convirá situar a época. 
Rodopé tal como Spartacus seriam escravos da Trácia. A brutal repressão romana à revolta de Spartacus ainda estaria fresca na memória dos gregos, e não podendo falar de Spartacus, talvez ocorresse a Estrabão falar de Rodopé, enquanto símbolo escravo da vizinha Trácia.
Se o grego Esopo atribuíra a Rodopé uma das pirâmides egípcias, o grego Estrabão iria dar-lhe um pé, que colocaria, através de Hórus, ao lado do poder divino faraónico. 
Se o pé do trácio Spartacus, como o de mais 30 mil escravos, foi pregado numa cruz na Via Ápia, houve poucas décadas depois outro pé onde tal cruz ficou imortalizada, com uma Roma rendida a esse símbolo.

4) O declínio egípcio
Amásis II - o faraó que escolheria o pé de Rodopé - seria o último grande faraó egípcio. A partir daí, de Rodopé ficaria essencialmente um Canto, um canto de arquitectos e poetas. 
Logo a seguir à morte de Amásis II os egípcios iriam cair sob domínio persa, do Império Aqueménida, ficando como uma província (isto, à excepção de um curto período, onde por alguns anos a capital será a cidade egípcia de Mendes - XIX dinastia).

Se a civilização egípcia consegue resistir ao primeiro Império, ou primeira monarquia Assíria, o mesmo já não se passará na transição para o segundo Império, quando Medos, Caldeus e Persas passam o poder da velha capital assíria de Nínive para a Babilónia, e depois Persépolis.
Já falámos da descrição de Figueiredo que fazia a divisão em 7 monarquias em vez de 4 impérios.
Quando se fala na mitologia do "Quinto Império", há em comum a primeira monarquia iniciada com os Assírios, por Nimrod ou Nembroth (associado à Torre de Babel e à capital Nínive).
Após a queda assíria, com Assurbanípal, ou Sardanapalo, o segundo império de Medos e Caldeus, começaria na Babilónia, e ficaria marcado por Nabucodonosor, em particular pelo registo bíblico da deportação hebraica, que terminaria com a ascensão persa de Ciro (560-530 a.C), a quem Figueiredo associa a terceira monarquia, persa, que só seria deposta por Alexandre Magno, marcando também o fim do segundo império. O terceiro império será macedónio-grego, a que se seguiria o quarto, de Roma.

O declínio egípicio, a ascensão de Nabucodonosor, e depois de Ciro, no Séc. VI a.C. vai produzir uma significativa mudança global. É dessa época que nos vão chegar os antigos registos históricos, míticos e religiosos... notando que são contemporâneos, ou posteriores ao "grande" Ciro, os "veneráveis": 
- Sete Sábios Gregos (em particular, Sólon, ou antes Tales de Mileto, 624 a 554 a.C) 
- Buda, ou Sidarta Gautama (563 a 483 a.C), 
- Confúcio, ou Kung Fu Tziu (551 a 479 a.C).

O ponto principal é que é nesta época que se definem os registos que passam para as gerações seguintes.
O caso mais emblemático será a confusão hebraica-judaica. É reconhecido que quando Ciro recoloca hebreus e judeus no mesmo "território de origem" já se teria perdido grande parte da cultura pelo período no cativeiro da Babilónia... onde choraram por Sião. Até a língua hebraica seria estranha aos judeus, pelo que a recuperação bíblica será feita com a ajuda dos magos persas - os seus antigos captores.
Não será assim tão estranho que haja muitos pontos comuns entre os registos míticos babilónicos e aqueles que serão depois adoptados pelos judeus. 

Por outro lado, ainda antes do declínio, fica claro que há uma aproximação entre egípcios e gregos.
Sólon, um dos Sete Sábios Gregos do Séc. VI a.C. procura informações no Egipto... em particular será aí que terá o registo da Atlântida, que depois será contado por Platão. 
O aparecimento da cultura grega não pode ser desligado dessa clara influência egípcia, que assim procura uma oposição à expansão persa. O Egipto acabará por retomar o seu protagonismo através deste investimento, pela importância que a dinastia Ptolomaica de Alexandria assumirá até à queda de Cleópatra. 

A tragédia que envolve Júlio César, Cleópatra, Marco António e Augusto Octávio, é uma história que assinala a luta de poder na transição entre o 3º Império sediado em Alexandria e a passagem para o 4º Império sediado em Roma.
Não será imediata, pois mesmo durante o período romano, Alexandria com a sua Biblioteca continuará a ser o principal pólo de conhecimento da Antiguidade. Será apenas com a chegada de Constantino, e a consagração de Bizâncio, que Alexandria perderia a sua importância como capital oriental, entrando em declinio até à conquista árabe.

Se notamos uma influência egípcia na formação filosófica e científica grega, também podemos ver alguma exportação filosófica para Oriente. Em muitos aspectos encontramos noções da filosofia de Hermes ou de Zoroastro nas reflexões budistas, confucianas ou taoístas.  Nota-se uma mudança significativa na forma, mas há muitos pontos comuns no conteúdo, que passam por quase todas as filosofias e religiões.

5) Beroso - Anedotos e Caldeus
Há vários relatos sobre Beroso, mas a sua história dos Caldeus só teria chegado parcialmente através de alguns relatos de Eusébio. Encontrámos um notável trabalho de Isaac Cory que nos dá uma tradução em inglês das citações de Eusébio, e das passagens atribuídas a Beroso (Berossus).
Começamos por esta:
(...) then Ammenon the Chaldean, in whose time appeared the Musarus Oannes the Annedotus from the Erythrean sea.
Quem era esta abominação "Joanes, Anedoto do Mar Vermelho"? 
- Os anedotos eram homens-peixe!
Parecerá "anedota", mas estes "anedotos" eram apresentados como se estivessem "vestidos de peixe", vendo-se os pés, e a cabeça na posição das guelras, assim:
 
Dois Anedotos - Homens Peixe... (imagem) e um enorme bacalhau (imagem)

Se a ideia era dessa forma passarem por "homens-peixe", parece de facto "anedota", e o nome "anedoto" é apropriado. Para além de "Joanes", ou "Oanes", Beroso refere mais anedotos, sempre do Mar "Eritreu"-Vermelho, um outro teria o nome Odacon.
Num dos relatos é dito que o Anedoto conversava com os homens de dia, não comia, e ao pôr-do-sol mergulhava nas águas, onde ficava toda a noite. Parece que com esta anedota eram convencidos os assírios que ele era anfíbio... 
De qualquer forma, aprenderam dele as letras, ciências e outro tipo de artes, como das sementes e frutos. Teria ainda ensinado-os a construir casas, fundar templos, compilar leis, bem como os princípios de geometria. Os seus conhecimentos eram considerados tão universais que nada mais era necessário, tendo tornado os caldeus mais gentis e humanos.
Ao lado decidimos colocar uma imagem de um enorme bacalhau... para que se torne mais claro o que poderia ser um Anedoto ou uma anedota, um bacalhau ou uma cabala.


Não deixa de ser algo estranha esta reverência dos caldeus a esses homens-peixe, que vindos de um Mar Eritreu lhes teriam transmitido conhecimento fundamental. Já aqui referimos da ambiguidade sobre a designação "Eritreu", e de que o Mar Vermelho já foi tido e achado em lugares diferentes. Em particular, esta pesca de bacalhau poderia corresponder a uma secagem de pele noutras paragens, talvez na zona da ilha Eritreia, colocada na Iberia.

Por outro lado, um símbolo na hierarquia cristã é a Mitra, um barrete que já foi visto como perfil de cabeça de peixe. O nome "mitra" está também associado a uma religião persa que chegou a ter um destaque semelhante ao do cristianismo à época da sua implantação no Império Romano. Porém, o barrete do mitraísmo seria o barrete frígio, e não algo com uma abertura que lembra a boca de peixe, como a mitra papal.
Mitra de João XXIII.

Não é nenhuma novidade que um símbolo cristão é o peixe, mas não é convincente que tal se deva às iniciais ΙΧΘΥΣ que corresponderiam a Iesous Christos Theou Yios Soter (Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador,  sendo Ichtys a palavra grega de peixe)... ou ainda a um "alfa" que tem a forma de peixe.
Se o hábito faz o monge, neste caso parece que há hábitos que vêm de longe, do fundo do mar...

6) Beroso - Dilúvio
No mesmo relato atribuído a Beroso fala-se do dilúvio. A divindade é Cronus, que aparece numa visão ao regente Xisuthrus (ou Sisithrus), avisando-o do dilúvio que destruiria a humanidade. Por isso, ele é encarregue de fazer uma história do mundo que guardaria na Cidade do Sol (ver Heliopolis) em Sippara, e de construir um navio onde levaria quem e tudo o que conseguisse, inclusivé todas as espécies de animais.
Depois, tal como na bem conhecida história de Noé, após o dilúvio, envia pássaros três vezes, até que eles não regressaram - o que significava que tinham encontrado terra firme. Num relato (via Abydenus) diz-se explicitamente que o navio se mantinha na Arménia, onde era ainda costume os habitantes fazerem pulseiras e amuletos a partir da sua madeira! (isto é visto como prova posterior da presença do barco no monte Ararat)

Nesse mesmo relato fala-se da construção de Torre de Babel, feita pelos habitantes da terra para desafiarem as alturas, contra vontade dos deuses, que através de ventos a demoliram caindo sobre os executantes, ao mesmo tempo que misturavam as diversas línguas, havendo antes apenas uma língua universal. Do desacordo teria surgido depois uma guerra entre Cronus e Titan...
A torre é colocada na Babilónia, e é dito que "para confusão é pelos Hebreus chamada Babel"...

Podemos concluir, que a menos de detalhes, e diferença de nomes, estas estórias caldeias-babilónicas do Dilúvio e de Babel são exactamente as mesmas que aparecem depois na tradição judaico-cristã. A grande diferença será o carácter monoteísta que parece associado a Cronus, eliminando referências a outros deuses ou a entidades míticas ou controversas, como o caso dos homens-peixe, os anedotos.

Será que podemos associar estes homens-peixe às figuras de sereias ou ao mito da Atlântida?
Até que ponto é que a questão do desaparecimento de uma potência atlântica não estaria ligada ao próprio mito do dilúvio?
- Afinal, havendo uma Idade do Gelo, quando essa termina para onde iria a água derretida?
- Não faria sentido considerar que o degelo teria provocado um considerável aumento da água do mar, afundando por completo povoações costeiras?
Se os gelos permanentes chegassem até ao Sul de França, como é habitualmente admitido, a retenção de água nesses gelos seria enorme, e a linha de costa seria bem diferente, estendendo-se muitos quilómetros no que hoje é Oceano. Um aquecimento do planeta teria como consequência uma catástrofe diluviana para civilizações costeiras. Só seriam sobreviventes as que assumissem algum carácter marítimo, ou que migrassem para zonas montanhosas. Essa mudança climática provocaria ainda uma mudança civilizacional, arruinando estruturas antigas, deixando perdidas várias tribos, e praticamente tudo teria que ser recomeçado.
Porém, quem sobrevivesse com a herança do passado perdido teria uma grande vantagem civilizacional face a todos os outros sobreviventes desorientados e espalhados por diversas partes, regressando à faceta de homens de cavernas.

Num dos relatos atribuído a Beroso é dito que o mesmo Oanes indicava que no início os homens teriam aparecido também com duas asas, outros com quatro asas e duas caras... podendo ser de homem e mulher.
Haveria ainda figuras humanas com cornos e pernas de cabras, outros pés de cavalo, touros com cabeça humana, etc... toda uma mistura zoológica, que teria sido desenhada no templo de Belus na Babilónia!
Não será assim de admirar que também no Egipto, por altura semelhante, tivessem aparecido representações mistas, que invocavam uma parte humana e outra parte animal... assim se constitui uma boa parte do panteão de divindades egípcias, que também foi exportada para mitos gregos.

Que propósito haveria nestes anedotos, ou nestas anedotas?...
Ou antes, como se manifestaria uma civilização mais avançada no contacto com tribos que estavam praticamente na pré-história? 
Teria paciência para fazer evoluir essas tribos para o mesmo nível? 
Aparecia como elite e tratava os restantes como servos? 
Interviria pontualmente como deuses e deixaria as tribos prosseguir a sua evolução?

Há alguns pontos na mitologia que podem ser encarados como abordagens a estas perguntas.
A civilização preponderante poderia ser encarada como um deus dominante, imortal, que decidiria sobre o futuro das civilizações que nasciam. A diferença de poder seria tal que permitiria intervir para proteger ou aniquilar civilizações emergentes. 
Neste sentido, apenas uma civilização, ou estrutura civilizacional, seria imortalizada... as outras passariam por fados, por jogos de poder, que as levariam a aniquilar-se. Não admitiria filhos... no sentido em que evitaria a competição interna com uma fonte semelhante de poder. 
Estamos perante uma figuração semelhante à de Cronos... que será deposto por Zeus.
O poder com Zeus substituiria essa dominância absoluta de Cronos, partilhando o Olimpo com os seus irmãos, numa oligarquia divina. Figurativamente, seria como substituir uma civilização dominante por uma assembleia olímpica de estruturas civilizacionais dominantes. Seria como se houvesse apenas doze tribos (o número de elementos no Olimpo) que decidissem sobre o futuro das guerras entre todas as outras... 
(ou ainda, seria como um conselho de segurança da ONU, onde cinco estados detêm o poder de veto)

De uma forma, ou de outra, não importa muito, os impérios ou monarquias que dominaram o mundo a partir dos Assírios, parecem ter tido um patrocínio externo, uma influência civilizacional superior que se constituiu como mitologia. Há quem refira os Anunnaki, o que parece ser apenas nome alternativo para a figuração dos Anedotos (um nome por interpretação cuneiforme, o outro das transcrições gregas de Beroso). 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:09


Atlantis

por desvela, em 08.10.12
Há quase ano e meio, no post "Traffic Signs", incluí um PDF em inglês:
Undercover History
onde referia que o relato da Atlântida feito por Platão não seria mais do que um antigo relato da América. Quando Platão descreve uma ilha maior que a Ásia e a África então conhecidas, situada além das Colunas de Hércules, no meio do Oceano, que outra descrição poderia aí caber que não fosse o continente americano?

As razões são várias, mas faltou apresentar nessa altura um mapa que esclarece que essa era também uma opinião à época dos descobrimentos, que um famoso cartógrafo - Nicola Sanson - deixou registada. A ligação americana é ainda abordada por Francis Bacon na obra "New Atlantis".

Num mapa datado na transição de 1700, Sanson vai ilustrar o novo continente com o antigo nome e o mapa da América é designado "Atlantis Insula":
(img)

Para Sanson, o "Altera Continens", o "outro continente", toda a América, é denominada ATLANTIS.
As Caraíbas são as Ilhas Hespérides, as Canárias/Madeira seriam as Fortunatas, e as Ilhas de Cabo Verde as Gorgodas (note-se que o Cabo Verde era o Promontório Arsinarium). 
Thule é a Islândia, e Sanson parece dar a entender que Ultima Thule poderia ser a Terra do Fogo, numa pequena nota junto ao Estreito de Magalhães.

A vermelho, com destaque especial, coloca duas cidades:
- Machimos Bellatrix
- Eusebes Religiosa
... que correspondem a Tenochtitlan (dos Aztecas) e Cuzco (dos Incas).
Estas cidades estavam incluídas numa outra descrição "Atlântida", nomeada Meropis pelo historiador Theopompus (cronista de Filipe II, pai de Alexandre Magno).
É interessante a designação Meropis, pois relaciona-se claramente com Merope, a mais nova das ninfas Pleiades, filhas de Atlas, designada como "estrela perdida". Merope seria a mulher de Sisífo. As Pleiades estavam ligadas às Ilhas Hespérides, e como tal ligadas ao Ocidente "perdido".

Como os nomes revelam, Machimos seria uma cidade bélica e Eusebes uma cidade religiosa. Os Meropes seriam gigantes, com o dobro da altura dos humanos normais (lembremos os patagões...), e se há quem argumente que a obra de Theopompus se destinava a ridicularizar o relato de Platão, Nicola Sanson não deixa de dar o devido destaque no mapa às duas cidades.

É também curiosa a antiga estrutura de Tenochtitlan, hoje Cidade do México, já que era praticamente uma cidade rodeada por água. Parte da descrição de Platão revela uma cidade rodeada por água, com grandes templos internos. O grande lago Texcoco foi depois completamente assoreado pelos espanhóis, e hoje boa parte da Cidade do México assenta sobre um fundo enlameado. 
Modelo da antiga cidade Azteca de Tenochtitlan


Convém aqui lembrar a versão de Schwennhagen, que sustenta que o domínio da Atlântida era um domínio dos antigos povos americanos sobre a Europa, invocando o relato da guerra entre gregos e atlantes, reportada por Sólon e escrita por Platão no Timeu.

Porém, o mais incontornável para os contemporâneos dos "descobrimentos" do Séc. XVI é justamente a confirmação da existência da Atlântida pela "descoberta" da América. Pela descrição, a Atlântida corresponderia a um continente maior que a África e Ásia, situado para além das Colunas de Hércules... essa era a versão de Platão e foi isso que encontraram - a América no seu conjunto seria uma "ilha" maior do que os gregos conheciam da África e Ásia, juntas.
A ideia de que a Atlântida está no meio do Oceano Atlântico é apenas uma fabricação posterior. Se Platão não mencionava a América, não poderia limitar-se ao Oceano Atlântico, apenas haveria um grande Oceano, um conjunto do Atlântico com o Pacífico, e assim a América surge como uma ilha continental no meio desse vasto Oceano global. Era também esse o entendimento de Sanson e alguns contemporâneos. Modificar o relato, falando de uma ilha desaparecida no meio do Atlântico, surge como uma deturpação conveniente, destinada a manter a América ausente dos relatos antigos, e a manter o relato de Platão como um mito fabuloso.

Como já aqui referimos, o esplendor cultural grego aparece subitamente no Séc.V a.C., numa altura em que iniciam as suas guerras com os Persas e mantêm excelentes relações com o Egipto. Ou seja, tudo indica que os gregos foram acarinhados pelos egípcios como força de interposição contra a expansão persa. Esta viagem de Sólon, relatada por Platão, atesta essa cumplicidade que se manteria por séculos. A ligação tornou-se mais evidente com o reinado Ptolomaico, que basicamente uniu as duas culturas, fazendo de Alexandria o centro urbano do conhecimento na Antiguidade, simbolizado pela sua Biblioteca, e eclipsando a partir daí a importância das restantes cidades gregas.

Dando crédito ao relato da Atlântida, não nos parece improvável que uma civilização americana tivesse atingido um grau de desenvolvimento naval que lhe permitiria tratar os povos da bacia mediterrânica como vassalos, tendo aí estabelecido colónias, e usando a Península Ibérica e Mauritânia como base de assalto (conforme sugere Schwennhagen). A designação de "Atlantes" ainda se mantinha nos antigos geógrafos para povos situados no litoral da coordilheira do Atlas, conforme podemos ver na reconstrução do atlas de Dionísio Periegetes. É claro que o nome poderia derivar da designação dos montes, associados a Atlas, já que as Colunas de Hércules simbolizariam os pilares onde o titã assentaria o mundo sobre os seus ombros.

Não parece assim tão improvável a existência de uma tal civilização dominante, dizimada por uma catástrofe natural, como um embate de meteoro, ou pequeno cometa. Se tal evento é admitido que possa ter ocorrido junto à Península do Iucatão, nada parece impedir que a data fosse contemporânea com o fim dessa civilização, e um efectivo dilúvio que teria colapsado as fundações do seu império e dizimado uma grande parte da população terrestre, podendo mesmo levar a uma alteração na rotação da Terra, conforme sugeriam os sacerdotes egípcios. Este teria sido o dilúvio registado por muitos povos... mas como os sacerdotes egípcios revelariam a Sólon, outros dilúvios teriam ocorrido antes desse.
O impacto de um cometa seria o suficiente para gigantescos maremotos, para um aumento do nível do mar, e uma subsequente Idade do Gelo. Os eventuais sobreviventes seriam essencialmente populações interiores com pouco contacto com as principais civilizações. Os sobreviventes mais informados poderiam depois desempenhar o papel de autênticas divindades. Mantendo uma parte do conhecimento e recuperando alguns artefactos, apareceriam como magos, influentes sacerdotes, capazes de definir o posterior desenvolvimento de impérios. A América seria território proibido por razão dos vestígios dessa civilização anterior, e até que o território fosse limpo dessa origem, manter-se-ia oculto. As viagens a essas paragens seriam desencorajadas ou mesmo proibidas. O passado permaneceria secreto, para benefício dessa elite sacerdotal que definiria o curso da futura civilização. Apesar de muitas diferenças, houve pontos comuns em civilizações que cresceram em diferentes paragens, quase sem contacto entre si. A separação entre o Ocidente e o Oriente foi muito mais que fruto da distância geográfica. Nenhuma razão parece ser suficiente para explicar uma ausência de contacto durante milénios entre a China e a Europa, e muito menos para termos a Índia e a China sem contactos constantes ou história comum.

A ocultação propositada do continente americano carece de dados para sustentarmos esta versão especulativa. Mas a conjugação com do relato da Atlântida com os diversos relatos diluvianos, dá a entender uma quebra civilizacional profunda, que provocou uma perda da memória passada. A humanidade parece ter renascido sem memória, enredada em mitos induzidos, e não haverá melhor explicação para isso do que uma catástrofe de dimensões épicas. É nesse sentido que o mito da Atlântida poderá servir como uma antiga peça no puzzle da persistente ocultação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:52


Atlantis

por desvela, em 07.10.12
Há quase ano e meio, no post "Traffic Signs", incluí um PDF em inglês:
Undercover History
onde referia que o relato da Atlântida feito por Platão não seria mais do que um antigo relato da América. Quando Platão descreve uma ilha maior que a Ásia e a África então conhecidas, situada além das Colunas de Hércules, no meio do Oceano, que outra descrição poderia aí caber que não fosse o continente americano?

As razões são várias, mas faltou apresentar nessa altura um mapa que esclarece que essa era também uma opinião à época dos descobrimentos, que um famoso cartógrafo - Nicola Sanson - deixou registada. A ligação americana é ainda abordada por Francis Bacon na obra "New Atlantis".

Num mapa datado na transição de 1700, Sanson vai ilustrar o novo continente com o antigo nome e o mapa da América é designado "Atlantis Insula":


Para Sanson, o "Altera Continens", o "outro continente", toda a América, é denominada ATLANTIS.
As Caraíbas são as Ilhas Hespérides, as Canárias/Madeira seriam as Fortunatas, e as Ilhas de Cabo Verde as Gorgodas (note-se que o Cabo Verde era o Promontório Arsinarium). 
Thule é a Islândia, e Sanson parece dar a entender que Ultima Thule poderia ser a Terra do Fogo, numa pequena nota junto ao Estreito de Magalhães.

A vermelho, com destaque especial, coloca duas cidades:
- Machimos Bellatrix
- Eusebes Religiosa
... que correspondem a Tenochtitlan (dos Aztecas) e Cuzco (dos Incas).
Estas cidades estavam incluídas numa outra descrição "Atlântida", nomeada Meropis pelo historiador Theopompus (cronista de Filipe II, pai de Alexandre Magno).
É interessante a designação Meropis, pois relaciona-se claramente com Merope, a mais nova das ninfas Pleiades, filhas de Atlas, designada como "estrela perdida". Merope seria a mulher de Sisífo. As Pleiades estavam ligadas às Ilhas Hespérides, e como tal ligadas ao Ocidente "perdido".

Como os nomes revelam, Machimos seria uma cidade bélica e Eusebes uma cidade religiosa. Os Meropes seriam gigantes, com o dobro da altura dos humanos normais (lembremos os patagões...), e se há quem argumente que a obra de Theopompus se destinava a ridicularizar o relato de Platão, Nicola Sanson não deixa de dar o devido destaque no mapa às duas cidades.

É também curiosa a antiga estrutura de Tenochtitlan, hoje Cidade do México, já que era praticamente uma cidade rodeada por água. Parte da descrição de Platão revela uma cidade rodeada por água, com grandes templos internos. O grande lago Texcoco foi depois completamente assoreado pelos espanhóis, e hoje boa parte da Cidade do México assenta sobre um fundo enlameado. 
Modelo da antiga cidade Azteca de Tenochtitlan


Convém aqui lembrar a versão de Schwennhagen, que sustenta que o domínio da Atlântida era um domínio dos antigos povos americanos sobre a Europa, invocando o relato da guerra entre gregos e atlantes, reportada por Sólon e escrita por Platão no Timeu.

Porém, o mais incontornável para os contemporâneos dos "descobrimentos" do Séc. XVI é justamente a confirmação da existência da Atlântida pela "descoberta" da América. Pela descrição, a Atlântida corresponderia a um continente maior que a África e Ásia, situado para além das Colunas de Hércules... essa era a versão de Platão e foi isso que encontraram - a América no seu conjunto seria uma "ilha" maior do que os gregos conheciam da África e Ásia, juntas.
A ideia de que a Atlântida está no meio do Oceano Atlântico é apenas uma fabricação posterior. Se Platão não mencionava a América, não poderia limitar-se ao Oceano Atlântico, apenas haveria um grande Oceano, um conjunto do Atlântico com o Pacífico, e assim a América surge como uma ilha continental no meio desse vasto Oceano global. Era também esse o entendimento de Sanson e alguns contemporâneos. Modificar o relato, falando de uma ilha desaparecida no meio do Atlântico, surge como uma deturpação conveniente, destinada a manter a América ausente dos relatos antigos, e a manter o relato de Platão como um mito fabuloso.

Como já aqui referimos, o esplendor cultural grego aparece subitamente no Séc.V a.C., numa altura em que iniciam as suas guerras com os Persas e mantêm excelentes relações com o Egipto. Ou seja, tudo indica que os gregos foram acarinhados pelos egípcios como força de interposição contra a expansão persa. Esta viagem de Sólon, relatada por Platão, atesta essa cumplicidade que se manteria por séculos. A ligação tornou-se mais evidente com o reinado Ptolomaico, que basicamente uniu as duas culturas, fazendo de Alexandria o centro urbano do conhecimento na Antiguidade, simbolizado pela sua Biblioteca, e eclipsando a partir daí a importância das restantes cidades gregas.

Dando crédito ao relato da Atlântida, não nos parece improvável que uma civilização americana tivesse atingido um grau de desenvolvimento naval que lhe permitiria tratar os povos da bacia mediterrânica como vassalos, tendo aí estabelecido colónias, e usando a Península Ibérica e Mauritânia como base de assalto (conforme sugere Schwennhagen). A designação de "Atlantes" ainda se mantinha nos antigos geógrafos para povos situados no litoral da coordilheira do Atlas, conforme podemos ver na reconstrução do atlas de Dionísio Periegetes. É claro que o nome poderia derivar da designação dos montes, associados a Atlas, já que as Colunas de Hércules simbolizariam os pilares onde o titã assentaria o mundo sobre os seus ombros.

Não parece assim tão improvável a existência de uma tal civilização dominante, dizimada por uma catástrofe natural, como um embate de meteoro, ou pequeno cometa. Se tal evento é admitido que possa ter ocorrido junto à Península do Iucatão, nada parece impedir que a data fosse contemporânea com o fim dessa civilização, e um efectivo dilúvio que teria colapsado as fundações do seu império e dizimado uma grande parte da população terrestre, podendo mesmo levar a uma alteração na rotação da Terra, conforme sugeriam os sacerdotes egípcios. Este teria sido o dilúvio registado por muitos povos... mas como os sacerdotes egípcios revelariam a Sólon, outros dilúvios teriam ocorrido antes desse.
O impacto de um cometa seria o suficiente para gigantescos maremotos, para um aumento do nível do mar, e uma subsequente Idade do Gelo. Os eventuais sobreviventes seriam essencialmente populações interiores com pouco contacto com as principais civilizações. Os sobreviventes mais informados poderiam depois desempenhar o papel de autênticas divindades. Mantendo uma parte do conhecimento e recuperando alguns artefactos, apareceriam como magos, influentes sacerdotes, capazes de definir o posterior desenvolvimento de impérios. A América seria território proibido por razão dos vestígios dessa civilização anterior, e até que o território fosse limpo dessa origem, manter-se-ia oculto. As viagens a essas paragens seriam desencorajadas ou mesmo proibidas. O passado permaneceria secreto, para benefício dessa elite sacerdotal que definiria o curso da futura civilização. Apesar de muitas diferenças, houve pontos comuns em civilizações que cresceram em diferentes paragens, quase sem contacto entre si. A separação entre o Ocidente e o Oriente foi muito mais que fruto da distância geográfica. Nenhuma razão parece ser suficiente para explicar uma ausência de contacto durante milénios entre a China e a Europa, e muito menos para termos a Índia e a China sem contactos constantes ou história comum.

A ocultação propositada do continente americano carece de dados para sustentarmos esta versão especulativa. Mas a conjugação com do relato da Atlântida com os diversos relatos diluvianos, dá a entender uma quebra civilizacional profunda, que provocou uma perda da memória passada. A humanidade parece ter renascido sem memória, enredada em mitos induzidos, e não haverá melhor explicação para isso do que uma catástrofe de dimensões épicas. É nesse sentido que o mito da Atlântida poderá servir como uma antiga peça no puzzle da persistente ocultação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52


Kafkania - uma pedra

por desvela, em 29.06.11

O site espanhol Proel.org tem uma excelente página linguística onde se estabelece uma árvore genealógica dos alfabetos antigos:
Origem do gráfico: Proel.org

É um exercício interessante estabelecer ligações desta forma, que não se prendam exactamente com o lugar atribuído e as convenções habituais... 
Por exemplo, sinalizamos que o indiano Brahmi é ligado ao Fenício como desvio do Aramaico, com uma particularidade que os autores desse blog dizem no início:
El brahmi es un sistema de escritura silábico con un lapso de uso que va desde el siglo V a. C. hasta el V d. C. El sentido de la escritura era al principio de derecha a izquierda, pero en el siglo III a. C. cambia en sentido contrario.
O que se passa para uma escrita subitamente mudar, deixando de se escrever segundo a sua influência fenícia original - de nascente para poente, passando a escrever-se de poente para nascente, copiando a influência grega? 
Estando reportado ao Séc. III a.C. ocorre já depois da incursão de Alexandre Magno, e por isso está localizada uma forte possibilidade de influência!
Já aqui apontámos essa diferença da direcção de escrita, num texto anterior.

Espanca - Ourique
A propósito dos Tartéssios (a que se costuma ligar Tarsis, e os Cónios) e da sua língua, nesse site são referenciadas diversas estelas em Espanca, Ourique, Bensafrim. A escrita tartéssia é considerada irmã da hebraica, da púnica, da aramaica, ou do grego antigo, no sentido em que derivam directamente do fenício original. Já aqui tínhamos mencionada a estela da Abóbada
com uma eventual ligação às siglas poveiras, mas fica agora claro que há todo um registo que liga a uma cultura tartéssia do sudoeste ibérico. Citamos os referidos autores, de novo, a este propósito:
Por ello y por su riqueza minera, Tartessos alcanzó inmenso poderío. El país de los tartesios es citado con mucha frecuencia en la Biblia y siempre en términos de un pueblo rico y rebosante de esplendor (1 Reyes 10:22; 2 Crónicas 20:36-37; Ezequiel 27:12; 38:13).
Esta língua, tal como a fenícia, usava a direcção nascente-poente... e como já aqui demos a entender, terá terminado os seus dias com aqueles que seguiram a direcção poente-nascente, e tal como os púnicos de Cartago, a civilização foi aniquilada pelos Romanos. O pormenor da escrita Brahmi inverter o seu sentido, após a presença de Alexandre, é revelador de que só havia uma direcção a seguir. Os próprios gregos tinham invertido esse sentido, já que o grego antigo até ao Séc. VIII a.C. usava a direcção fenícia, tal como o Etrusco... outra civilização que irá tombar. Os gregos mudam a sua direcção e influenciam a direcção romana, que tomará conta da Pax. Seguindo a linha do aramaico, apenas os judeus e os árabes vão manter a direcção oposta.

A influência da escrita fenícia, através do aramaico, é colocada pelos autores para além do Brahmi indiano, e chega à Sibério, ao Mongol e Manchú... mas com direcções já diferentes. Os autores ilustram as direcções de influência num esquema interessante.

Distinguiria dois períodos, que me parecem confundir-se quanto à Fenícia. Um primeiro período que não colocaria necessariamente no Líbano, já que a sua influência se confunde com a própria civilização oceânica europeia, em interacção com os Celtas. Um outro período, colocado na habitual zona do Líbano/Síria, onde se teria cimentado o aramaico como desvio do fenício original.

Disco de Phaitos
Uma outra linha interessante, e que tem sido associada ao mito da Atlântida, está relacionada com a escrita encontrada em Creta. É sobejamente conhecido o chamado Disco de Phaitos:
Estas escritas minóicas foram depois genericamente classificadas como Linear A ou B, seguindo o sentido greco-romano. Não é o caso do Disco de Phaitos, que apesar de não estar decifrado, assume-se correr no sentido fenício... se é que a distinção faz muito sentido num alinhamento espiral.

Quanto a tratar-se de algum legado da civilização Atlântida, parece-me ser inconsistente com os relatos de grande avanço civilizacional. A escrita longe de estar simplificada, está alinhada de forma rudimentar, de forma semelhante a muitos outros registos de civilizações da Idade do Bronze. A Atlântida poderá ter existido enquanto civilização avançada anterior ou na Idade do Bronze, mas conforme já referi há algumas extrapolações exarcebadas relativamente ao seu desenvolvimento. Parece bastante mais natural que uma Atlântida, situada na costa Atlântica, provavelmente africana (é aí que encontramos persistentemente referenciados os Atlantes), tenha sido vítima de uma mudança climática. De uma época fria, em que os gelos concentravam a água nos pólos, poderá ter havido uma mudança súbita, que originou uma inundação da sua capital. O clima temperado dará origem a uma mudança na relação de forças, admitindo que anteriormente os Atlantes subjugavam os povos mediterrânicos, de acordo com o relato de Platão. A civilização marítima fenícia ou a minóica poderão ter sido suas herdeiras, directamente ou pelo resultado do contacto com essa civilização perdida, mas não terão sido necessariamente casos únicos...

Pedra de Kafkania
Relativamente à língua minóica, não deixa de ser interessante os autores colocarem uma origem anterior, vários milénios antes de Cristo, na zona da Transilvânia... a que vão chamar língua Tartária. Ainda revelador é o mapa da civilizações "paleo-balcânicas" que apresentam:

É revelador, porque os autores datam estas civilizações entre 6000 a.C. e 3000 a.C., e como podemos observar os focos (a verde) estariam longe de qualquer zona costeira actual, mas já não seria bem assim se admitirmos o nível do mar mais elevado, conforme temos apresentado.

Nesta sequência, que leva aos minóicos, e para além do Disco de Phaitos, há uma pequena pedra que tem inscrições similares, e que foi descoberta recentemente, próximo de Kafkania-Olimpo:

Levantam-se algumas dúvidas sobre a autenticidade do achado de 1995, por razões bizarras que podem ser lidas na wikipedia. É interessante ter sido encontrada fora de Creta, em Kafkania.

Através deste pequeno artefacto, fomos chegados neste processo a Kafkania, vila próxima do Olimpo.
Mas tal como em O Processo, este nosso processo também parece ainda não ter fim à vista! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:15


Kafkania - uma pedra

por desvela, em 28.06.11

O site espanhol Proel.org tem uma excelente página linguística onde se estabelece uma árvore genealógica dos alfabetos antigos:
Origem do gráfico: Proel.org

É um exercício interessante estabelecer ligações desta forma, que não se prendam exactamente com o lugar atribuído e as convenções habituais... 
Por exemplo, sinalizamos que o indiano Brahmi é ligado ao Fenício como desvio do Aramaico, com uma particularidade que os autores desse blog dizem no início:
El brahmi es un sistema de escritura silábico con un lapso de uso que va desde el siglo V a. C. hasta el V d. C. El sentido de la escritura era al principio de derecha a izquierda, pero en el siglo III a. C. cambia en sentido contrario.
O que se passa para uma escrita subitamente mudar, deixando de se escrever segundo a sua influência fenícia original - de nascente para poente, passando a escrever-se de poente para nascente, copiando a influência grega? 
Estando reportado ao Séc. III a.C. ocorre já depois da incursão de Alexandre Magno, e por isso está localizada uma forte possibilidade de influência!
Já aqui apontámos essa diferença da direcção de escrita, num texto anterior.

Espanca - Ourique
A propósito dos Tartéssios (a que se costuma ligar Tarsis, e os Cónios) e da sua língua, nesse site são referenciadas diversas estelas em Espanca, Ourique, Bensafrim. A escrita tartéssia é considerada irmã da hebraica, da púnica, da aramaica, ou do grego antigo, no sentido em que derivam directamente do fenício original. Já aqui tínhamos mencionada a estela da Abóbada
com uma eventual ligação às siglas poveiras, mas fica agora claro que há todo um registo que liga a uma cultura tartéssia do sudoeste ibérico. Citamos os referidos autores, de novo, a este propósito:
Por ello y por su riqueza minera, Tartessos alcanzó inmenso poderío. El país de los tartesios es citado con mucha frecuencia en la Biblia y siempre en términos de un pueblo rico y rebosante de esplendor (1 Reyes 10:22; 2 Crónicas 20:36-37; Ezequiel 27:12; 38:13).
Esta língua, tal como a fenícia, usava a direcção nascente-poente... e como já aqui demos a entender, terá terminado os seus dias com aqueles que seguiram a direcção poente-nascente, e tal como os púnicos de Cartago, a civilização foi aniquilada pelos Romanos. O pormenor da escrita Brahmi inverter o seu sentido, após a presença de Alexandre, é revelador de que só havia uma direcção a seguir. Os próprios gregos tinham invertido esse sentido, já que o grego antigo até ao Séc. VIII a.C. usava a direcção fenícia, tal como o Etrusco... outra civilização que irá tombar. Os gregos mudam a sua direcção e influenciam a direcção romana, que tomará conta da Pax. Seguindo a linha do aramaico, apenas os judeus e os árabes vão manter a direcção oposta.

A influência da escrita fenícia, através do aramaico, é colocada pelos autores para além do Brahmi indiano, e chega à Sibério, ao Mongol e Manchú... mas com direcções já diferentes. Os autores ilustram as direcções de influência num esquema interessante.

Distinguiria dois períodos, que me parecem confundir-se quanto à Fenícia. Um primeiro período que não colocaria necessariamente no Líbano, já que a sua influência se confunde com a própria civilização oceânica europeia, em interacção com os Celtas. Um outro período, colocado na habitual zona do Líbano/Síria, onde se teria cimentado o aramaico como desvio do fenício original.

Disco de Phaitos
Uma outra linha interessante, e que tem sido associada ao mito da Atlântida, está relacionada com a escrita encontrada em Creta. É sobejamente conhecido o chamado Disco de Phaitos:
Estas escritas minóicas foram depois genericamente classificadas como Linear A ou B, seguindo o sentido greco-romano. Não é o caso do Disco de Phaitos, que apesar de não estar decifrado, assume-se correr no sentido fenício... se é que a distinção faz muito sentido num alinhamento espiral.

Quanto a tratar-se de algum legado da civilização Atlântida, parece-me ser inconsistente com os relatos de grande avanço civilizacional. A escrita longe de estar simplificada, está alinhada de forma rudimentar, de forma semelhante a muitos outros registos de civilizações da Idade do Bronze. A Atlântida poderá ter existido enquanto civilização avançada anterior ou na Idade do Bronze, mas conforme já referi há algumas extrapolações exarcebadas relativamente ao seu desenvolvimento. Parece bastante mais natural que uma Atlântida, situada na costa Atlântica, provavelmente africana (é aí que encontramos persistentemente referenciados os Atlantes), tenha sido vítima de uma mudança climática. De uma época fria, em que os gelos concentravam a água nos pólos, poderá ter havido uma mudança súbita, que originou uma inundação da sua capital. O clima temperado dará origem a uma mudança na relação de forças, admitindo que anteriormente os Atlantes subjugavam os povos mediterrânicos, de acordo com o relato de Platão. A civilização marítima fenícia ou a minóica poderão ter sido suas herdeiras, directamente ou pelo resultado do contacto com essa civilização perdida, mas não terão sido necessariamente casos únicos...

Pedra de Kafkania
Relativamente à língua minóica, não deixa de ser interessante os autores colocarem uma origem anterior, vários milénios antes de Cristo, na zona da Transilvânia... a que vão chamar língua Tartária. Ainda revelador é o mapa da civilizações "paleo-balcânicas" que apresentam:

É revelador, porque os autores datam estas civilizações entre 6000 a.C. e 3000 a.C., e como podemos observar os focos (a verde) estariam longe de qualquer zona costeira actual, mas já não seria bem assim se admitirmos o nível do mar mais elevado, conforme temos apresentado.

Nesta sequência, que leva aos minóicos, e para além do Disco de Phaitos, há uma pequena pedra que tem inscrições similares, e que foi descoberta recentemente, próximo de Kafkania-Olimpo:

Levantam-se algumas dúvidas sobre a autenticidade do achado de 1995, por razões bizarras que podem ser lidas na wikipedia. É interessante ter sido encontrada fora de Creta, em Kafkania.

Através deste pequeno artefacto, fomos chegados neste processo a Kafkania, vila próxima do Olimpo.
Mas tal como em O Processo, este nosso processo também parece ainda não ter fim à vista! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D