Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Colombo (17/12/2009)

por desvela, em 30.12.12
Não me interessa especialmente a pessoa de Colombo, interessa-me mais a personagem. Por isso, é para mim razoavelmente secundário saber onde nasceu, ou a sua filiação biológica. 
"Personagem" hoje tem significado diferente de "pessoa", mas ambas derivam de "persona", que deve decompor-se em "per-sona", no sentido "per"-através, e "sona"-soa... ou seja, que o som vem através de si. É hoje algo estranho associar uma pessoa apenas como veículo de emissão de som, é mais apropriado à figura auxiliar de uma personagem, de um actor.
Uma personagem pode ser interpretada por vários actores, várias pessoas.
Na minha opinião Colombo foi personagem, pouco escreveu no guião que o viria a tornar famoso. A personagem poderia ter tido outro actor, e a as particularidades da pessoa de Colombo têm só interesse para compreender por que razão se tornou "o escolhido".

Recupero aqui o texto com o título "Colombo", que publiquei no Knol em 17 de Dezembro de 2009, e que entretanto desapareceu, devido ao cancelamento do projecto Knol da Google. Aliás, já antes o tinha cancelado, e por isso, a reclusão deste texto foi mais resultado de auto-censura induzida à época.
Ora, apesar de poder justificar as razões que levaram à reclusão de alguns textos, acabo por notar que fazem falta... Fazem falta porque permitem comparar uma opinião "mais entusiasmada" à época, com a distância que o tempo deixou correr. Para além disso, fazem parte da história deste blog, e seria algo contraditório criticar a supressão histórica e fazer o mesmo aqui...
Nem é que tenha mudado de opinião, pelo contrário, relendo os textos até me surpreende nem ter mudado quase nada, simplesmente hoje não exporia assim, para não me expor...
A falta de sentido na vida de muitos, leva-os a procurar retirar sentido à dos outros. Isso é uma característica tipificada na vida de algumas alimárias, que se resume a uma competição territorial, alimentada pela sua biologia. Quando o indivíduo se julga o campeão da carica, ou similar, é a sua biologia competitiva a falar mais alto. Qual o sentido dessa biologia competitiva? - Não é a preservação do indivíduo, porque esse é condenado à morte pela própria biologia celular (nem as bactérias são imortais). Será o apuramento da espécie? - Até que ponto, até que só restasse uma? - Para quê? - Será que se pensa que o universo é uma entidade masoquista que vai criar uma espécie que o dominaria (como se tal fosse possível...), ou será que se pensa que é uma entidade sádica que visa aniquilar as espécies menos aptas? Já sei que nem se pensa uma coisa, nem outra, agora é moda pensar que é tudo fruto do "acaso". O "acaso", tal como Deus, é tido como uma entidade supra-universal, condicionaria o universo, mas não faz parte dele, contrariando a própria definição de universo - que engloba tudo. Não sei se a epistemologia moderna se esqueceu deste "detalhe" de contradição lógica, ou quer fazê-lo passar por esquecido, mas tem feito Escola, e que Escola!
O que me parece evidente é que a humanidade se entretém em criar objectivos num universo artificial, construído por si própria, a que chama "sociedade", e que sob o ponto de vista da competição genética, terá tanto sentido quanto as cortes sexuais feitas pelos pavões - sem dúvida que há muito pavonear digno de admiração.

Bom, como isto já parecerá pavonear filosófico, segue o texto:






Colombo
3ª Parte de 7 - Tese de Alvor-Silves
17 de Dezembro de 2009

Colombo, Ceilão
Começamos por outro nome Colombo, o de uma cidade perto da outra Índia.
Foi interessante ler esta justificação para o nome Colombo, capital do Ceilão (Sri Lanka):

( Wikipedia de 19/3/2008 até hoje, 15/12/2009):
  • O nome Colombo foi introduzido pelos portugueses em 1505. Parece derivado do termo cingalês clássico kolon thota, que significa "porto sobre o rio Kelani". Outra teoria afirma que deriva da expressão cingalesa kola-amba-thota, que significa "porto com árvores frondosas de manga".
A versão que acabo de transcrever - não será fortuita - é generosa, e resultará de algum estudo erudito, suportado por documentação adequada à época.
Estará fora de causa associar o nome Colombo em 1505, ao navegador "genovês"?... que, por mero acaso, nessa altura acabava de navegar para a Colômbia?
Aparentemente, tal associação de homónimos contemporâneos será estranha. Porquê?
Porque Colombo estava ao serviço de Espanha, mas também de uma parte de Portugal.
Essa parte de Portugal, saiu de tal forma vencedora para a História, que apagou grande parte dos traços incriminatórios. No entanto, D. Manuel conseguindo ser rei, teve que conviver durante algum tempo com uma parte de Portugal que não se identificava com o seu projecto... e veria em D. Jorge o legítimo sucessor de D. João II.
Assim, há de facto duas hipóteses que me ocorrem... foi pretendido por D. Manuel honrar o seu suposto "meio-irmão" Colombo (de acordo com uma tese largamente veiculada), ou foi um nome decidido pela "outra parte de Portugal", que conseguiu nomear vários vice-reis da Índia - para deixar mais essa pista na História? Como o Ceilão foi "descoberto" por Lourenço de Almeida, filho de Francisco de Almeida (claramente, um não adepto da cruzada), estou em crer que se tratou de mais um legado!

Não há só uma história de rivalidade entre Portugal e Espanha, há também uma estória por contar, e natural, de grande cumplicidade... O temor é que essa cumplicidade seja vista como traição, já que em certos casos é disso que se trata, e nem sempre é facilmente desculpável em termos de "valores maiores".

Na "estória de Portugal" que nos é contada, há só um "traidor" simbólico, um desgraçado ambicioso, aparentemente um funcionário competente, que dava pelo nome de Miguel de Vasconcelos, e que foi defenestrado (atirado da janela), no dia em que os Duques de Bragança tomaram o Reino de Portugal de assalto aos Espanhóis. Claro, e é suposto acreditar que antes não haveria nomes numa resistência, nem outros nomes num colaboracionismo... e tudo se resume ao tal "Miguel de Vasconcelos e Brito".

Infantes - Dom Henrique... e Dom Pedro
As navegações portuguesas, iniciadas por D. Fuas Roupinho, ganharam um impulso maior com a vinda dos templários no reinado de Dom Dinis, e foram prosseguidas de forma muito activa por D. Afonso IV. Uma comunicação de Afonso IV ao papa Clemente VI, mostra que os portugueses teriam começado a descobrir as ilhas e já passado o cabo Não... (ou Bojador, que é ao lado), antes de 1336. No entanto, imediatamente depois surgem várias cartas italianas e catalãs, relatando a presença exacta das ilhas comunicada ao papa (Canárias, Madeira, algumas ilhas dos Açores)... muito antes da sua descoberta oficial no tempo do Infante D. Henrique! Torna-se claro para Afonso IV que não poderá haver mais fuga de informação, nem tão pouco para o Papa. Começa a grande política de sigilo nacional, cujo episódio mais eloquente é a morte de Inês de Castro. Camões compara-a a Polixena... não é por acaso - ela teria que morrer para que os navios pudessem partir. Toda a estória relacionada com o "amor puro", "a fonte dos amores", etc... é um aproveitamento posterior das tentativas feitas por Garcia de Resende e Camões para transmitirem uma mensagem, que doutra forma ter-se-ia perdido nas chamas inquisitórias... mesmo assim a mensagem não passou, e isso será assunto que abordarei depois.

As navegações que o Infante Dom Henrique declara como "suas" descobertas, têm, pelo menos 100 anos de atraso, graças a essa política de escrupuloso sigilo (com cumplicidade inglesa).
O que era declarado descoberto pertenceria a Portugal, e uma parte do não declarado, e encoberto, iria pertencer à Inglaterra (e outros aliados, como por exemplo a Dinamarca).

A diferença entre o Encoberto e o Descoberto será aproximadamente 100 anos.

Esse prazo foi mais ou menos escrupulosamente cumprido, à excepção de pequenos eventos que podem ter comprometido esse valor (como por exemplo, a passagem do Cabo da Boa Esperança, ou do Trópico de Capricórnio, em 1377, ou a descoberta do Japão, anterior a 1435).

O plano do Infante Dom Henrique, nada tinha a ver com navegações....
O seu plano era arranjar meios para financiar "sózinho" uma cruzada para a conquista de Jerusalém, esse sim, o velho sonho dos templários, do qual D. Manuel (seu "neto", por adopção) foi o grande herdeiro! Só não o prosseguiu mais, pois teve oposições de alguns Vice-Reis da Índia.

Foi por isso, que Henrique, depois que o irmão, Infante Dom Pedro foi morto, tratou de negociar bulas papais para legalizar e reintroduzir a noção de escravatura... noção abandonada há muito na Europa.
Todos os meios justificavam o fim da cruzada.

A contrario desta ideia de Cruzada, surgiu o Infante Dom Pedro (regente de 1439 a 1449), protagonista primeiro de uma ideia completamente diferente, demasiado avançada para a época...

Infante D. Pedro, das "Sete Partidas"

Foi o Infante Dom Pedro o catalizador de todo o modernismo que depois se seguiria na Europa.
Os maiores elogios que são feitos nos Lusíadas, são feitos a ele... mas de forma necessariamente dissimulada. A "fonte dos amores" de Inês, não é mais do que "a fonte de Pedro", deste Pedro, Duque de Coimbra, quase banido da memória nacional.

Ao invés de prosseguir na ideia de Cruzada, o intuito do Infante Dom Pedro era o de colonizar, evangelizar, e dinamizar o comércio. Encontrou poderosos adversários, e acabou morto epicamente na Batalha de Alfarrobeira, numa conjugação de interesses do Ducado de Bragança (através de Afonso, meio-irmão) e de alguma cumplicidade do Ducado de Viseu (através de Henrique, irmão).

Esse projecto do Infante D. Pedro foi seguido pelo seu neto (materno) - D. João II.
O projecto do Infante D. Henrique foi seguido pela "filha adoptiva", a poderosa Dona Beatriz de Viseu, a única mulher que regeu a Ordem de Cristo, e que serviu de mediadora entre Portugal e Espanha no Tratado de Alcáçovas. Dona Beatriz foi a mãe da Rainha Dona Leonor, e do futuro D. Manuel.

Foi por essa razão que D. João II não poderia fazer outra coisa que eliminar duramente os ardis de bastidores, com Castela, e que eram protagonizados pelos duques de Viseu e de Bragança. Nem que para isso recorresse a execuções sumárias ou formais... e mesmo assim, acabou envenenado!


A missão de Colombo
De partida para Espanha, a partir de 1484 (8 anos antes da "descoberta" das Antilhas), não foi apenas Colombo, mas toda uma comitiva nacional, associada aos duques de Bragança e Viseu.
Nessa altura (1484) já D. João II tinha controlado, com uma política draconiana, as tentativas de insubordinação dessas poderosas casas ducais. É assim natural o exílio, e um início de colaboração com Castela e Aragão.
Por matrimónio com Dona Leonor, filha de Beatriz de Viseu, D. João II já foi longe ao assassinar o cunhado, pelo que procurou compensar o seu irmão mais novo... o futuro D. Manuel. Internamente, o objectivo da Casa de Viseu seria ainda pressionar Dom João II a esquecer a América e a concentrar-se no projecto de Cruzada.

É por isso que D. Manuel passa a usar a divisa "Spera". A data constante 1377... indicará que a espera para o ataque surpresa, numa Cruzada pela península arábica durava desde há mais de um século.

A "Spera"
É escusado manter a fantasia de que contornar a costa africana era "muito difícil"...
- Os cabos só seriam importantes numa navegação costeira, e os portugueses, desde o momento em que faziam carreiras constantes para os Açores (pelo menos desde 1432), deixaram de se preocupar com "cabos"!
- Aliás, os únicos Cabos que registamos são simbólicos e políticos... uma vez passados, deixou-se de ouvir falar em "Cabos". O grande Adamastor é um monstro político e Camões conheceu-o na sua fogosa expressão juvenil. Haveria de tornar-se ainda mais eficaz!

A progressão partindo por terra de Ceuta para a conquista de Tanger, plano de Dom Henrique falhara em 1437, com o cativeiro do Infante Santo, D. Fernando. Esse teste mostrou que a capacidade nacional não era suficiente para missões mais ambiciosas, e para a concretização da Cruzada...
Continuava a "SPERA"...

Voltou a estar sobre a mesa, quando o jovem Afonso V foi induzido pelos tios, Duques de Viseu e Bragança, e fez proezas nas conquistas de Céguer, Arzila e Tanger.
No entanto, quando Afonso V ficou sem apoio na sua pretensão ao trono de Castela (tendo que colocar num mosteiro a sua 2ª mulher, "A Excelente Senhora" legítima herdeira), tornou-se ainda mais claro ao seu filho, D. João II, que não poderia ter qualquer compaixão com os adversários (... e mesmo assim, teve alguma)!

É absolutamente inverosímel a estória que o Infante Dom Henrique teria enviado 12 expedições para passar o Cabo Bojador... mesmo assim, a repetição da estória inventada para o Cabo Não, voltou a funcionar "recriando esse novo obstáculo no imaginário".

Sem adiantar outros factos mais explícitos que abordaremos depois... os registos de chegada de pau brasil a Portugal, constam até dos Contos de Canterbury (Chaucer,1386), conforme já notado por outros autores.
Para além disso, o próprio Zurara (1453) refere-se à grande altura de edíficios de Lisboa, o que era permitido pela chegada das novas madeiras (observação do Visconde de Carreira, séc. XIX).

A "ilha Brasil" (ou São Brandão) foi referida por Afonso IV na comunicação ao Papa, e passou também a fazer parte dos sucessivos mapas, durante 200 anos - só acabou com a definição da descoberta do Brasil, após 1500. Foi colocada estrategicamente próximo da Irlanda... o que nem era uma forma incorrecta, como veremos!

Contactos pré-colombianos
À altura da viagem de Colombo, o continente americano era completamente conhecido dos portugueses... e não falamos apenas do Brasil!

Portugal tinha relações comerciais com os Incas e com os Aztecas, desde 1440... esse foi aliás o problema desses povos, julgaram que os espanhóis viriam substituir o comércio com os portugueses!

É claro que também se pode julgar que todo o ouro que chegava a Portugal era resultado de negócios com caravanas berberes na costa dos desertos de África.

Quem achar provável que tal quantidade de ouro, especiarias, etc... passeasse pelos desertos do Saara, ou estivesse em minas de ouro de um reino perdido do Benim, ou de uma cidade fabulosa de Tumbuctu, que nunca existiu, então foi bastante bem convencido.
Conforme registado, o ouro que nos chegava era previamente fundido nas Feitorias, e por isso dificilmente se encontrarão vestígios de artefactos.

O plano que Colombo deveria cumprir: - declarar como descoberta de Espanha um território que minaria as preciosas possessões portuguesas, e forçar novas negociações!


Etiópia e depois Guiné
Acerca destes dois nomes "míticos", Duarte Pacheco Pereira menciona, sobre o Infante D. Henrique:

... & assim descobriu mais por Guinee que antigamente se chamava Ethiopia ...

Esta informação dá-nos a indicação que Etiópia era uma designação anterior de Guiné.... Porquê?

Apesar de serem "atribuídas" mais de 50 expedições só ao Infante Dom Henrique, e de muitas mais navegações (... até privadas por Fernão Gomes, ~1470), num total de centenas de expedições, contando com D. João II, ninguém se teria lembrado de navegar para ocidente?
Ninguém teria tido ensejo de prosseguir o esforço de encontrar a ilha de São Brandão ou a ilha Brasil... Portanto, só Colombo, numa única expedição, se lembraria de propor tal coisa?
O que impedia os portugueses de tentarem? Ah! Os cálculos do diâmetro da Terra!
Um rei pragmático, D. João II, beneficiando de tantas riquezas de terras desconhecidas, em que incluía não apenas ouro, mas também especiarias, e tantos outros produtos, e isto antes de chegar à Índia... não autorizaria nenhuma expedição para essas paragens, porquê? - porque confiava cegamente numas contas sobre o diâmetro da terra!
Alguém ainda acredita nessa estória tão mal contada?
... aparentemente, é conveniente que sim!

Nem se trata de reconhecer nada de especial... Duarte Pacheco Pereira não tem problema em atribuir navegações, para o contorno costeiro de África - aos gregos e fenícios... e até se atribuem navegações atlânticas aos fenícios!
Porquê?... porque isso não era nada, comparado com as navegações nacionais!

Duarte Pacheco Pereira, no seu "Esmeraldo de Situ Orbis", é bastante claro a esse respeito... mas também diz que teve o cuidado de preparar essa obra convenientemente, pois D. Manuel quereria "fiar-se" do que iria escrever... e, mesmo assim, a obra esteve perdida até ao Séc. XIX.
Tem um pequeno descuido, onde diz explicitamente que navegou para o Brasil, a mando de D. Manuel em 1498, mas isso é um detalhe sem qualquer importância, face a tudo o resto que nos consegue dizer - para quem o queira ler a sério!

Voltando à Etiópia e à Guiné.
A mudança de designação deu-se no tempo dos Infantes Henrique ou Pedro.
De facto, à latitude do Brasil, encontramos a Etiópia, do lado oriental de África.
Se não existisse um continente americano, por circum-navegação terrestre, quem encontrasse o Brasil poderia legitimamente concluir tratar-se da Etiópia!

Portanto a confusão de Colombo com as Índias, é uma velha confusão, que começou com:
- o Brasil ser identificado à Etiópia.

Depois, percebemos que ao tempo do Infante D. Henrique ou melhor do Infante D. Pedro, concluiu-se que não era o mesmo território, havia todo um continente, e essa designação de Etiópia foi progressivamente abandonada, passando a usar-se outro termo, o termo Guiné... que se prestou a outras tantas confusões à época, e posteriormente (p.ex: Guiana, Nova Guiné)!

Note-se que a designação correcta é Guiene, pois surge de nome antigo da província da Aquitânia francesa - que esteve sob domínio inglês, em particular do avô dos Infantes D. Henrique e D. Pedro.
A recuperação desse termo pelos ingleses e franceses não é acidental!

Ou seja, aquilo que conhecemos hoje como América, teve antes os seguintes nomes:
Séc. XIV: Brasil/Etiópia >> Séc. XV: Etiópia/Guiné >> Sec. XVI: Índias Ocidentais/América


Enquadramento político à época
Dona Beatriz de Viseu foi mediadora no Tratado de Alcáçovas-Toledo, 1479-80, negociado entre a sua sobrinha, a Rainha Isabel de Castela, e o seu genro, D. João II.
Ficaram à sua guarda pelas Terçarias de Moura até 1483 os filhos de ambos, os príncipes Afonso e Beatriz, que de facto eram reféns em Moura, para o cumprimento do acordo.

Esse acordo previa a união dos reinos com o casamento que veio a ocorrer em 1490.
Mesmo após a morte do príncipe Afonso em 1491, Castela mostrou que não estava completamente de má fé, pois a princesa Beatriz voltou a casar-se com D. Manuel, havendo um herdeiro Miguel de La Paz, que morreu com 3 anos... inviabilizou-se a união dos reinos, até ao problema de D. Sebastião, resolvido por Filipe II, em 1578, da maneira que já vimos noutro capítulo.

Dona Beatriz de Viseu, pouco considerada na História, assume um papel de relevância extrema, colocada como mediadora entre Portugal e Espanha, num papel normalmente reservado ao Vaticano.

Libertado o seu filho Afonso, em 1483, D. João II trata de resolver os problemas internos, executando exemplarmente alguns cabecilhas dessa conspiração que já havia vitimado o avô, o Infante Dom Pedro. Executa o primo (Duque de Bragança) e mata o irmão (Duque de Viseu) da sua mulher, a Rainha Dona Leonor, mas nunca ousa tocar na mãe, Dona Beatriz.

No entanto, a correspondência entre Isabel de Castela e Beatriz acentua-se, havendo uma útil confusão com a existência de uma outra Beatriz (freira portuguesa, no mosteiro de Toledo... depois santificada).
O projecto é ambicioso, e difícil de descrever em poucas palavras. Inclui um acordo com Génova e Milão, que envolve a eleição do Papa Alexandre VI, a instauração da Inquisição, e o cumprimento de uma visão intolerante - a das Cruzadas - com a cumplicidade do Vaticano (controlado nessa altura por uma ligação Espanhola-Milanesa-Genovesa).

É preciso relembrar a rivalidade Génova-Veneza, para entender que D. João II, virado a Ocidente, tinha em Veneza um aliado, e em Génova um inimigo... ao contrário do que acontecia com os Duques de Viseu, como o Infante D. Henrique, ou D. Manuel - esses teriam em Veneza um inimigo contra o projecto de comércio oriental, e em Génova um aliado.

Surgem assim dois pólos que são simbólicos:
  • (1) Aliança Oriental - Portugal: Beatriz & Espanha:Castela & Génova
  • (2) Aliança Ocidental - Portugal: João II & Inglaterra & Veneza
Não é acidental, a representação esquerda|direita, que invoca os dois lados em questão.

Dom Manuel surge com a sua divisa "Spera" com uma esfera armilar com a eclíptica virada a Oriente, e será essa que irá manter (e se mantém até hoje, na nossa bandeira - o que é relevante).
Dom João II, ao morrer pede para que use duas esferas, uma com eclíptica a Ocidente, outra com eclíptica a Oriente. O seu filho bastardo, Dom Jorge, e os sucessores Duques de Aveiro, irão usar o escudo com um risco virado a Ocidente.

O rei D. Manuel aceita essa duplicidade poucos anos... até consolidar o poder, e definir por completo o seu lado Oriental.

Conseguirá em 3 anos, 1498-1500, definir por completo o território descoberto no seu hemisfério Oriental, após Tordesilhas. Ou seja, o Brasil, a Gronelândia, toda a África Oriental, e a Índia.

Faz mais descobertas em 3 anos, do que os seus predecessores em 200 anos?
E é preciso notar que não são descobertas quaisquer... são quase as mais difíceis - a viagem para a Gronelândia é notável! Basta ver o mapa de Cantino (1502) para ver a precisão com que é apresentada a Gronelândia. Nesse mapa, as outras partes mais acessíveis e apetecíveis têm uma distorção natural que o copista não pode entender...

Só na viagem de Vasco da Gama é feita maior progressão (em mares infestados de embarcações inimigas, a que se adicionam conquistas), do que na soma das progressões anteriores, atribuídas ao Infante D. Henrique e ao Rei Dom João II.
D. Manuel I quererá denominar-se César Manuel... o povo escolheu simpaticamente o Venturoso!
Terminava a "Spera" do projecto oriental dos Viseu... a ruína do reino com a guerra contra os infiéis no Oriente iria começar!

Cabos difíceis... mas só em África!
Nesse aspecto de conquistas, Dom Manuel é muito eficaz.
Muito graças a Afonso de Albuquerque (ao contrário de outros vice-reis, que se mantêm noutro projecto), consegue vitórias em cima de vitórias.
Em 1513 está a estabelecer-se na China. Em 15 anos, não é notável declarar essas "descobertas", é notável a capacidade militar - o Índico é um grande mar português.

A ser verdade a História oficial, nos seus 15 anos de reinado, Dom João II, o "Príncipe Perfeito", basicamente apenas acrescentou como descoberta a parte sul, ocidental de África.
Aí não teve que fazer uma única conquista, o seu grande feito teria sido contornar o Cabo da Boa Esperança, e preparar o caminho? A ser verdade essa História, que caminho?
O caminho para as conquistas na Índia ou o caminho para outros Cabos?
Alguém sabe mais algum nome de Cabo após esse?
Não!... Deixaram de haver Cabos na Ásia, só havia em África?
Deixou de haver problemas na mudança dos ventos no Índico?

Subitamente muda-se das rápidas caravelas, e passa-se de novo para as pesadas naus.
Com essa mudança para uma embarcação mais lenta, aceleram-se as descobertas!
Alguém pode acreditar nesta versão oficial?


A (ir)relevância da estória de Colombo
É nos jogos políticos, entre as alianças europeias estabelecidas, que se definem duas curiosas empresas individuais, envolvendo 3 nações diferentes.

No acordo Viseu-Espanha-Génova, aparece a figura de Colombo.
(i) Colombo será um português, enviado pela casa Viseu, navegando sob bandeira espanhola e sob nacionalidade genovesa. O seu plano é um plano da casa Viseu... tendo sido poupado em Lisboa, é natural que se tratasse mesmo de um "cunhado bastardo" de D. João II.
Mas, não será caso único!
Mais tarde, em 1498, já morto D. João II, é honrado parte do compromisso com a outra aliança!
(ii) Labrador (João Fernandes) é um português, associado a D. João II e à casa Aveiro, navegando sob bandeira inglesa, e sob comando de um veneziano Giovani Cabotto.

Isso dá algumas ideias do que estaria concordado entre D. João II e os ingleses, após Alcáçovas. Toda a América, acima do paralelo das Canárias, ficaria para os ingleses. Acabou por ser cumprido!

Um equilíbrio europeu pensado pacífico por D. João II, foi destruído pela viagem de Colombo e pelo Tratado de Tordesilhas.
Até ao Tratado de Alcáçovas, tudo tinha ficado Encoberto, a partir de Tordesilhas, iria jogar-se a Descoberto, encobrindo tudo o que se tinha acordado anteriormente. O papel de D. João II no Tratado de Tordesilhas é já menor, e mostra como estaria enfraquecido no seu progressivo envenenamento. Terá conseguido deslocar o meridiano, assegurando o Brasil... última terra do sonho ocidental!

Qual era o sonho ocidental?
Após o Tratado de Alcáçovas, D. João II teria "tudo sob controlo":
(a) As Minas - especialmente a Inca, mas também a Azteca, estão abaixo do paralelo das Canárias, e dentro do território português, "da Guiné".
(b) Havia duas possibilidades de atingir a China e a Índia:
    (i) A via da cruz, pela guerra com os otomanos, no Índico - via seguida por D. Manuel;
   (ii) A via da vera cruz, pacífica, contornando a América do Sul - via pretendida por D. João II.

Em 1483-84 Diogo Cão descobre o Estreito de Magalhães, e realizam-se as explorações na costa oeste da América do Sul. Porquê?
Os alemães não tiveram problemas em reivindicar para Martin Behaim a passagem do Estreito... apenas porque Pigafetta relatou que Magalhães teria visto um mapa seu, com essa passagem!
Ora Behaim, estava ao serviço de Dom João II, e viajou com Diogo Cão em 1483-84...

A sustentação da tese de Behaim foi tida como fraca, pois não haveria capacidade de navegação por iniciativa própria... Isso no caso português não se justifica, o problema é que no caso nacional, tudo será sempre insuficiente perante desígnios encobertos ainda latentes.

O sonho ocidental, do Infante Dom Pedro, e de Dom João II, era tão simplesmente um grande mar pacífico - e por isso alguém cuidou que o "Mar do Sul" de Balboa... tenha ficado para sempre
Oceano Pacífico
como provavelmente foi baptizado por D. João II, ao mesmo tempo que do outro lado, em África, anunciava o Cabo da Boa Esperança...

Ao fim de 500 anos, talvez se perceba que Cabo ele tinha que dobrar...
Se o nomeou como Boa Esperança em 1488, num eventual acordo celebrado com a facção representada pelo Dia S. Bartolomeu (ou seja Bartolomeu Dias), rapidamente deverá ter concluído, que viriam aí as verdadeiras Tormentas!

Qual é então o enquadramento da viagem de Fernão de Magalhães?...
Todos os traços de anterior presença portuguesa, fora do hemisfério oriental, não eram convenientes.
Por várias razões...
Tal como o Infante Dom Henrique, Dom Manuel não teve problemas em ostentar a sua vaidade e receber louros de iniciativas para as quais não contribuiu. Pelo acordo com Espanha, e evitando uma grande guerra (com proporções que só D. Sebastião experimentou...) iria manter-se dentro do seu hemisfério.

A missão de Fernão de Magalhães deverá ter tido o duplo acordo de D. Manuel, e também do Imperador Carlos V, rei de Espanha. Seria destinada essencialmente a apagar os traços deixados pelas anteriores navegações portuguesas, na zona após o Rio da Prata, onde os espanhóis tinham acabado de chegar. Por isso, a expedição de Magalhães ficou um ano em terra, com inúmeros pretextos de atrasos, que levaram a motins.

Fernão de Magalhães sabia que a memória iria ser apagada, de uma forma ou doutra... e por isso tinha um plano pessoal diferente. Com cumplicidade de cartógrafos portugueses (Reinel, Faleiro?) terá obtido informações para a travessia do Estreito, dando-lhe indicações cartográficas de como chegar às Molucas.

Havia ainda a aposta na empresa da viagem do Pacífico, para que esse feito não fosse separado da memória nacional... Não será acidental que Magalhães, ao entrar no "Mar do Sul"... o tenha designado Oceano Pacífico, e depois tenha optado por morrer, ao chegar às Molucas!
Não poderia ter outro fim honroso se aceitasse voltar!... Toda esta estória é profundamente trágica!

E... Colombo?
Sobra muito pouco para dizer sobre Colombo... a importância que lhe é dada hoje é conjuntural. No final da sua vida tinha caído em desgraça, pois percebeu-se rapidamente o nível de encobrimento em que os portugueses tinham conseguido manter as descobertas... já nada havia a descobrir!

Até meados do século XVI não houve ninguém com bom senso, que fosse denominado descobridor, isso foi uma reinvenção posterior, especialmente dos séc. XVII e XVIII, quando se percebeu que aquilo que iria valer seria apenas o que se tinha declarado.
Aí, começaram as sociedades secretas, que de alguma forma foram acompanhando os segredos que restavam... quer de descobertas marítimas, quer de descobertas científicas!

Mesmo à "descoberta" de Giovani Caboto em 1498 não foi dada especial importância, nem tão pouco é dada sobre-importância a Walter Raleigh, 1584, que nesse caso "descobriu" para a Inglaterra as primeiras províncias que iriam fazer parte dos EUA, nomeadamente a Virginia e Carolina.

Os portugueses encobriram durante 200 anos as descobertas.
Os europeus iriam fazer o mesmo à memória dos portugueses, dilacerados por lutas cruéis internas que se mantiveram até ao séc. XIX. A partir daí... deverá entrar também o esquecimento forçado e natural.

Será provavelmente difícil atribuir a descoberta do continente americano a alguém, provavelmente a um fenício, ao missionário São Brandão, a um viking dinamarquês... ou a um pescador da Maia?
Aquilo que se sabe é que começaram a chegar produtos exóticos à Europa, através de Portugal, no início do Século XIV, e que aí começam as alusões às ilhas míticas - nomeadamente à Ilha Brasil.

Uma exploração sistemática do continente americano ocorreu especialmente entre 1440-49.
Foi retomada entre 1471-1488.

Quando Colombo chega às Antilhas, já os portugueses tinham terminado a exploração costeira de todo o continente americano.

Valerá a pena falar mais de Colombo?
... ou será de pedir à Ordem da Jarreteira, à Ordem do Tosão de Ouro, já para não falar do Vaticano, e outras organizações, que abram as suas bibliotecas, pelo menos deste período!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:47


Colombo (17/12/2009)

por desvela, em 29.12.12
Não me interessa especialmente a pessoa de Colombo, interessa-me mais a personagem. Por isso, é para mim razoavelmente secundário saber onde nasceu, ou a sua filiação biológica. 
"Personagem" hoje tem significado diferente de "pessoa", mas ambas derivam de "persona", que deve decompor-se em "per-sona", no sentido "per"-através, e "sona"-soa... ou seja, que o som vem através de si. É hoje algo estranho associar uma pessoa apenas como veículo de emissão de som, é mais apropriado à figura auxiliar de uma personagem, de um actor.
Uma personagem pode ser interpretada por vários actores, várias pessoas.
Na minha opinião Colombo foi personagem, pouco escreveu no guião que o viria a tornar famoso. A personagem poderia ter tido outro actor, e a as particularidades da pessoa de Colombo têm só interesse para compreender por que razão se tornou "o escolhido".

Recupero aqui o texto com o título "Colombo", que publiquei no Knol em 17 de Dezembro de 2009, e que entretanto desapareceu, devido ao cancelamento do projecto Knol da Google. Aliás, já antes o tinha cancelado, e por isso, a reclusão deste texto foi mais resultado de auto-censura induzida à época.
Ora, apesar de poder justificar as razões que levaram à reclusão de alguns textos, acabo por notar que fazem falta... Fazem falta porque permitem comparar uma opinião "mais entusiasmada" à época, com a distância que o tempo deixou correr. Para além disso, fazem parte da história deste blog, e seria algo contraditório criticar a supressão histórica e fazer o mesmo aqui...
Nem é que tenha mudado de opinião, pelo contrário, relendo os textos até me surpreende nem ter mudado quase nada, simplesmente hoje não exporia assim, para não me expor...
A falta de sentido na vida de muitos, leva-os a procurar retirar sentido à dos outros. Isso é uma característica tipificada na vida de algumas alimárias, que se resume a uma competição territorial, alimentada pela sua biologia. Quando o indivíduo se julga o campeão da carica, ou similar, é a sua biologia competitiva a falar mais alto. Qual o sentido dessa biologia competitiva? - Não é a preservação do indivíduo, porque esse é condenado à morte pela própria biologia celular (nem as bactérias são imortais). Será o apuramento da espécie? - Até que ponto, até que só restasse uma? - Para quê? - Será que se pensa que o universo é uma entidade masoquista que vai criar uma espécie que o dominaria (como se tal fosse possível...), ou será que se pensa que é uma entidade sádica que visa aniquilar as espécies menos aptas? Já sei que nem se pensa uma coisa, nem outra, agora é moda pensar que é tudo fruto do "acaso". O "acaso", tal como Deus, é tido como uma entidade supra-universal, condicionaria o universo, mas não faz parte dele, contrariando a própria definição de universo - que engloba tudo. Não sei se a epistemologia moderna se esqueceu deste "detalhe" de contradição lógica, ou quer fazê-lo passar por esquecido, mas tem feito Escola, e que Escola!
O que me parece evidente é que a humanidade se entretém em criar objectivos num universo artificial, construído por si própria, a que chama "sociedade", e que sob o ponto de vista da competição genética, terá tanto sentido quanto as cortes sexuais feitas pelos pavões - sem dúvida que há muito pavonear digno de admiração.

Bom, como isto já parecerá pavonear filosófico, segue o texto:






Colombo
3ª Parte de 7 - Tese de Alvor-Silves
17 de Dezembro de 2009

Colombo, Ceilão
Começamos por outro nome Colombo, o de uma cidade perto da outra Índia.
Foi interessante ler esta justificação para o nome Colombo, capital do Ceilão (Sri Lanka):

( Wikipedia de 19/3/2008 até hoje, 15/12/2009):
  • O nome Colombo foi introduzido pelos portugueses em 1505. Parece derivado do termo cingalês clássico kolon thota, que significa "porto sobre o rio Kelani". Outra teoria afirma que deriva da expressão cingalesa kola-amba-thota, que significa "porto com árvores frondosas de manga".
A versão que acabo de transcrever - não será fortuita - é generosa, e resultará de algum estudo erudito, suportado por documentação adequada à época.
Estará fora de causa associar o nome Colombo em 1505, ao navegador "genovês"?... que, por mero acaso, nessa altura acabava de navegar para a Colômbia?
Aparentemente, tal associação de homónimos contemporâneos será estranha. Porquê?
Porque Colombo estava ao serviço de Espanha, mas também de uma parte de Portugal.
Essa parte de Portugal, saiu de tal forma vencedora para a História, que apagou grande parte dos traços incriminatórios. No entanto, D. Manuel conseguindo ser rei, teve que conviver durante algum tempo com uma parte de Portugal que não se identificava com o seu projecto... e veria em D. Jorge o legítimo sucessor de D. João II.
Assim, há de facto duas hipóteses que me ocorrem... foi pretendido por D. Manuel honrar o seu suposto "meio-irmão" Colombo (de acordo com uma tese largamente veiculada), ou foi um nome decidido pela "outra parte de Portugal", que conseguiu nomear vários vice-reis da Índia - para deixar mais essa pista na História? Como o Ceilão foi "descoberto" por Lourenço de Almeida, filho de Francisco de Almeida (claramente, um não adepto da cruzada), estou em crer que se tratou de mais um legado!

Não há só uma história de rivalidade entre Portugal e Espanha, há também uma estória por contar, e natural, de grande cumplicidade... O temor é que essa cumplicidade seja vista como traição, já que em certos casos é disso que se trata, e nem sempre é facilmente desculpável em termos de "valores maiores".

Na "estória de Portugal" que nos é contada, há só um "traidor" simbólico, um desgraçado ambicioso, aparentemente um funcionário competente, que dava pelo nome de Miguel de Vasconcelos, e que foi defenestrado (atirado da janela), no dia em que os Duques de Bragança tomaram o Reino de Portugal de assalto aos Espanhóis. Claro, e é suposto acreditar que antes não haveria nomes numa resistência, nem outros nomes num colaboracionismo... e tudo se resume ao tal "Miguel de Vasconcelos e Brito".

Infantes - Dom Henrique... e Dom Pedro
As navegações portuguesas, iniciadas por D. Fuas Roupinho, ganharam um impulso maior com a vinda dos templários no reinado de Dom Dinis, e foram prosseguidas de forma muito activa por D. Afonso IV. Uma comunicação de Afonso IV ao papa Clemente VI, mostra que os portugueses teriam começado a descobrir as ilhas e já passado o cabo Não... (ou Bojador, que é ao lado), antes de 1336. No entanto, imediatamente depois surgem várias cartas italianas e catalãs, relatando a presença exacta das ilhas comunicada ao papa (Canárias, Madeira, algumas ilhas dos Açores)... muito antes da sua descoberta oficial no tempo do Infante D. Henrique! Torna-se claro para Afonso IV que não poderá haver mais fuga de informação, nem tão pouco para o Papa. Começa a grande política de sigilo nacional, cujo episódio mais eloquente é a morte de Inês de Castro. Camões compara-a a Polixena... não é por acaso - ela teria que morrer para que os navios pudessem partir. Toda a estória relacionada com o "amor puro", "a fonte dos amores", etc... é um aproveitamento posterior das tentativas feitas por Garcia de Resende e Camões para transmitirem uma mensagem, que doutra forma ter-se-ia perdido nas chamas inquisitórias... mesmo assim a mensagem não passou, e isso será assunto que abordarei depois.

As navegações que o Infante Dom Henrique declara como "suas" descobertas, têm, pelo menos 100 anos de atraso, graças a essa política de escrupuloso sigilo (com cumplicidade inglesa).
O que era declarado descoberto pertenceria a Portugal, e uma parte do não declarado, e encoberto, iria pertencer à Inglaterra (e outros aliados, como por exemplo a Dinamarca).

A diferença entre o Encoberto e o Descoberto será aproximadamente 100 anos.

Esse prazo foi mais ou menos escrupulosamente cumprido, à excepção de pequenos eventos que podem ter comprometido esse valor (como por exemplo, a passagem do Cabo da Boa Esperança, ou do Trópico de Capricórnio, em 1377, ou a descoberta do Japão, anterior a 1435).

O plano do Infante Dom Henrique, nada tinha a ver com navegações....
O seu plano era arranjar meios para financiar "sózinho" uma cruzada para a conquista de Jerusalém, esse sim, o velho sonho dos templários, do qual D. Manuel (seu "neto", por adopção) foi o grande herdeiro! Só não o prosseguiu mais, pois teve oposições de alguns Vice-Reis da Índia.

Foi por isso, que Henrique, depois que o irmão, Infante Dom Pedro foi morto, tratou de negociar bulas papais para legalizar e reintroduzir a noção de escravatura... noção abandonada há muito na Europa.
Todos os meios justificavam o fim da cruzada.

A contrario desta ideia de Cruzada, surgiu o Infante Dom Pedro (regente de 1439 a 1449), protagonista primeiro de uma ideia completamente diferente, demasiado avançada para a época...

Infante D. Pedro, das "Sete Partidas"

Foi o Infante Dom Pedro o catalizador de todo o modernismo que depois se seguiria na Europa.
Os maiores elogios que são feitos nos Lusíadas, são feitos a ele... mas de forma necessariamente dissimulada. A "fonte dos amores" de Inês, não é mais do que "a fonte de Pedro", deste Pedro, Duque de Coimbra, quase banido da memória nacional.

Ao invés de prosseguir na ideia de Cruzada, o intuito do Infante Dom Pedro era o de colonizar, evangelizar, e dinamizar o comércio. Encontrou poderosos adversários, e acabou morto epicamente na Batalha de Alfarrobeira, numa conjugação de interesses do Ducado de Bragança (através de Afonso, meio-irmão) e de alguma cumplicidade do Ducado de Viseu (através de Henrique, irmão).

Esse projecto do Infante D. Pedro foi seguido pelo seu neto (materno) - D. João II.
O projecto do Infante D. Henrique foi seguido pela "filha adoptiva", a poderosa Dona Beatriz de Viseu, a única mulher que regeu a Ordem de Cristo, e que serviu de mediadora entre Portugal e Espanha no Tratado de Alcáçovas. Dona Beatriz foi a mãe da Rainha Dona Leonor, e do futuro D. Manuel.

Foi por essa razão que D. João II não poderia fazer outra coisa que eliminar duramente os ardis de bastidores, com Castela, e que eram protagonizados pelos duques de Viseu e de Bragança. Nem que para isso recorresse a execuções sumárias ou formais... e mesmo assim, acabou envenenado!


A missão de Colombo
De partida para Espanha, a partir de 1484 (8 anos antes da "descoberta" das Antilhas), não foi apenas Colombo, mas toda uma comitiva nacional, associada aos duques de Bragança e Viseu.
Nessa altura (1484) já D. João II tinha controlado, com uma política draconiana, as tentativas de insubordinação dessas poderosas casas ducais. É assim natural o exílio, e um início de colaboração com Castela e Aragão.
Por matrimónio com Dona Leonor, filha de Beatriz de Viseu, D. João II já foi longe ao assassinar o cunhado, pelo que procurou compensar o seu irmão mais novo... o futuro D. Manuel. Internamente, o objectivo da Casa de Viseu seria ainda pressionar Dom João II a esquecer a América e a concentrar-se no projecto de Cruzada.

É por isso que D. Manuel passa a usar a divisa "Spera". A data constante 1377... indicará que a espera para o ataque surpresa, numa Cruzada pela península arábica durava desde há mais de um século.

A "Spera"
É escusado manter a fantasia de que contornar a costa africana era "muito difícil"...
- Os cabos só seriam importantes numa navegação costeira, e os portugueses, desde o momento em que faziam carreiras constantes para os Açores (pelo menos desde 1432), deixaram de se preocupar com "cabos"!
- Aliás, os únicos Cabos que registamos são simbólicos e políticos... uma vez passados, deixou-se de ouvir falar em "Cabos". O grande Adamastor é um monstro político e Camões conheceu-o na sua fogosa expressão juvenil. Haveria de tornar-se ainda mais eficaz!

A progressão partindo por terra de Ceuta para a conquista de Tanger, plano de Dom Henrique falhara em 1437, com o cativeiro do Infante Santo, D. Fernando. Esse teste mostrou que a capacidade nacional não era suficiente para missões mais ambiciosas, e para a concretização da Cruzada...
Continuava a "SPERA"...

Voltou a estar sobre a mesa, quando o jovem Afonso V foi induzido pelos tios, Duques de Viseu e Bragança, e fez proezas nas conquistas de Céguer, Arzila e Tanger.
No entanto, quando Afonso V ficou sem apoio na sua pretensão ao trono de Castela (tendo que colocar num mosteiro a sua 2ª mulher, "A Excelente Senhora" legítima herdeira), tornou-se ainda mais claro ao seu filho, D. João II, que não poderia ter qualquer compaixão com os adversários (... e mesmo assim, teve alguma)!

É absolutamente inverosímel a estória que o Infante Dom Henrique teria enviado 12 expedições para passar o Cabo Bojador... mesmo assim, a repetição da estória inventada para o Cabo Não, voltou a funcionar "recriando esse novo obstáculo no imaginário".

Sem adiantar outros factos mais explícitos que abordaremos depois... os registos de chegada de pau brasil a Portugal, constam até dos Contos de Canterbury (Chaucer,1386), conforme já notado por outros autores.
Para além disso, o próprio Zurara (1453) refere-se à grande altura de edíficios de Lisboa, o que era permitido pela chegada das novas madeiras (observação do Visconde de Carreira, séc. XIX).

A "ilha Brasil" (ou São Brandão) foi referida por Afonso IV na comunicação ao Papa, e passou também a fazer parte dos sucessivos mapas, durante 200 anos - só acabou com a definição da descoberta do Brasil, após 1500. Foi colocada estrategicamente próximo da Irlanda... o que nem era uma forma incorrecta, como veremos!

Contactos pré-colombianos
À altura da viagem de Colombo, o continente americano era completamente conhecido dos portugueses... e não falamos apenas do Brasil!

Portugal tinha relações comerciais com os Incas e com os Aztecas, desde 1440... esse foi aliás o problema desses povos, julgaram que os espanhóis viriam substituir o comércio com os portugueses!

É claro que também se pode julgar que todo o ouro que chegava a Portugal era resultado de negócios com caravanas berberes na costa dos desertos de África.

Quem achar provável que tal quantidade de ouro, especiarias, etc... passeasse pelos desertos do Saara, ou estivesse em minas de ouro de um reino perdido do Benim, ou de uma cidade fabulosa de Tumbuctu, que nunca existiu, então foi bastante bem convencido.
Conforme registado, o ouro que nos chegava era previamente fundido nas Feitorias, e por isso dificilmente se encontrarão vestígios de artefactos.

O plano que Colombo deveria cumprir: - declarar como descoberta de Espanha um território que minaria as preciosas possessões portuguesas, e forçar novas negociações!


Etiópia e depois Guiné
Acerca destes dois nomes "míticos", Duarte Pacheco Pereira menciona, sobre o Infante D. Henrique:

... & assim descobriu mais por Guinee que antigamente se chamava Ethiopia ...

Esta informação dá-nos a indicação que Etiópia era uma designação anterior de Guiné.... Porquê?

Apesar de serem "atribuídas" mais de 50 expedições só ao Infante Dom Henrique, e de muitas mais navegações (... até privadas por Fernão Gomes, ~1470), num total de centenas de expedições, contando com D. João II, ninguém se teria lembrado de navegar para ocidente?
Ninguém teria tido ensejo de prosseguir o esforço de encontrar a ilha de São Brandão ou a ilha Brasil... Portanto, só Colombo, numa única expedição, se lembraria de propor tal coisa?
O que impedia os portugueses de tentarem? Ah! Os cálculos do diâmetro da Terra!
Um rei pragmático, D. João II, beneficiando de tantas riquezas de terras desconhecidas, em que incluía não apenas ouro, mas também especiarias, e tantos outros produtos, e isto antes de chegar à Índia... não autorizaria nenhuma expedição para essas paragens, porquê? - porque confiava cegamente numas contas sobre o diâmetro da terra!
Alguém ainda acredita nessa estória tão mal contada?
... aparentemente, é conveniente que sim!

Nem se trata de reconhecer nada de especial... Duarte Pacheco Pereira não tem problema em atribuir navegações, para o contorno costeiro de África - aos gregos e fenícios... e até se atribuem navegações atlânticas aos fenícios!
Porquê?... porque isso não era nada, comparado com as navegações nacionais!

Duarte Pacheco Pereira, no seu "Esmeraldo de Situ Orbis", é bastante claro a esse respeito... mas também diz que teve o cuidado de preparar essa obra convenientemente, pois D. Manuel quereria "fiar-se" do que iria escrever... e, mesmo assim, a obra esteve perdida até ao Séc. XIX.
Tem um pequeno descuido, onde diz explicitamente que navegou para o Brasil, a mando de D. Manuel em 1498, mas isso é um detalhe sem qualquer importância, face a tudo o resto que nos consegue dizer - para quem o queira ler a sério!

Voltando à Etiópia e à Guiné.
A mudança de designação deu-se no tempo dos Infantes Henrique ou Pedro.
De facto, à latitude do Brasil, encontramos a Etiópia, do lado oriental de África.
Se não existisse um continente americano, por circum-navegação terrestre, quem encontrasse o Brasil poderia legitimamente concluir tratar-se da Etiópia!

Portanto a confusão de Colombo com as Índias, é uma velha confusão, que começou com:
- o Brasil ser identificado à Etiópia.

Depois, percebemos que ao tempo do Infante D. Henrique ou melhor do Infante D. Pedro, concluiu-se que não era o mesmo território, havia todo um continente, e essa designação de Etiópia foi progressivamente abandonada, passando a usar-se outro termo, o termo Guiné... que se prestou a outras tantas confusões à época, e posteriormente (p.ex: Guiana, Nova Guiné)!

Note-se que a designação correcta é Guiene, pois surge de nome antigo da província da Aquitânia francesa - que esteve sob domínio inglês, em particular do avô dos Infantes D. Henrique e D. Pedro.
A recuperação desse termo pelos ingleses e franceses não é acidental!

Ou seja, aquilo que conhecemos hoje como América, teve antes os seguintes nomes:
Séc. XIV: Brasil/Etiópia >> Séc. XV: Etiópia/Guiné >> Sec. XVI: Índias Ocidentais/América


Enquadramento político à época
Dona Beatriz de Viseu foi mediadora no Tratado de Alcáçovas-Toledo, 1479-80, negociado entre a sua sobrinha, a Rainha Isabel de Castela, e o seu genro, D. João II.
Ficaram à sua guarda pelas Terçarias de Moura até 1483 os filhos de ambos, os príncipes Afonso e Beatriz, que de facto eram reféns em Moura, para o cumprimento do acordo.

Esse acordo previa a união dos reinos com o casamento que veio a ocorrer em 1490.
Mesmo após a morte do príncipe Afonso em 1491, Castela mostrou que não estava completamente de má fé, pois a princesa Beatriz voltou a casar-se com D. Manuel, havendo um herdeiro Miguel de La Paz, que morreu com 3 anos... inviabilizou-se a união dos reinos, até ao problema de D. Sebastião, resolvido por Filipe II, em 1578, da maneira que já vimos noutro capítulo.

Dona Beatriz de Viseu, pouco considerada na História, assume um papel de relevância extrema, colocada como mediadora entre Portugal e Espanha, num papel normalmente reservado ao Vaticano.

Libertado o seu filho Afonso, em 1483, D. João II trata de resolver os problemas internos, executando exemplarmente alguns cabecilhas dessa conspiração que já havia vitimado o avô, o Infante Dom Pedro. Executa o primo (Duque de Bragança) e mata o irmão (Duque de Viseu) da sua mulher, a Rainha Dona Leonor, mas nunca ousa tocar na mãe, Dona Beatriz.

No entanto, a correspondência entre Isabel de Castela e Beatriz acentua-se, havendo uma útil confusão com a existência de uma outra Beatriz (freira portuguesa, no mosteiro de Toledo... depois santificada).
O projecto é ambicioso, e difícil de descrever em poucas palavras. Inclui um acordo com Génova e Milão, que envolve a eleição do Papa Alexandre VI, a instauração da Inquisição, e o cumprimento de uma visão intolerante - a das Cruzadas - com a cumplicidade do Vaticano (controlado nessa altura por uma ligação Espanhola-Milanesa-Genovesa).

É preciso relembrar a rivalidade Génova-Veneza, para entender que D. João II, virado a Ocidente, tinha em Veneza um aliado, e em Génova um inimigo... ao contrário do que acontecia com os Duques de Viseu, como o Infante D. Henrique, ou D. Manuel - esses teriam em Veneza um inimigo contra o projecto de comércio oriental, e em Génova um aliado.

Surgem assim dois pólos que são simbólicos:
  • (1) Aliança Oriental - Portugal: Beatriz & Espanha:Castela & Génova
  • (2) Aliança Ocidental - Portugal: João II & Inglaterra & Veneza
Não é acidental, a representação esquerda|direita, que invoca os dois lados em questão.

Dom Manuel surge com a sua divisa "Spera" com uma esfera armilar com a eclíptica virada a Oriente, e será essa que irá manter (e se mantém até hoje, na nossa bandeira - o que é relevante).
Dom João II, ao morrer pede para que use duas esferas, uma com eclíptica a Ocidente, outra com eclíptica a Oriente. O seu filho bastardo, Dom Jorge, e os sucessores Duques de Aveiro, irão usar o escudo com um risco virado a Ocidente.

O rei D. Manuel aceita essa duplicidade poucos anos... até consolidar o poder, e definir por completo o seu lado Oriental.

Conseguirá em 3 anos, 1498-1500, definir por completo o território descoberto no seu hemisfério Oriental, após Tordesilhas. Ou seja, o Brasil, a Gronelândia, toda a África Oriental, e a Índia.

Faz mais descobertas em 3 anos, do que os seus predecessores em 200 anos?
E é preciso notar que não são descobertas quaisquer... são quase as mais difíceis - a viagem para a Gronelândia é notável! Basta ver o mapa de Cantino (1502) para ver a precisão com que é apresentada a Gronelândia. Nesse mapa, as outras partes mais acessíveis e apetecíveis têm uma distorção natural que o copista não pode entender...

Só na viagem de Vasco da Gama é feita maior progressão (em mares infestados de embarcações inimigas, a que se adicionam conquistas), do que na soma das progressões anteriores, atribuídas ao Infante D. Henrique e ao Rei Dom João II.
D. Manuel I quererá denominar-se César Manuel... o povo escolheu simpaticamente o Venturoso!
Terminava a "Spera" do projecto oriental dos Viseu... a ruína do reino com a guerra contra os infiéis no Oriente iria começar!

Cabos difíceis... mas só em África!
Nesse aspecto de conquistas, Dom Manuel é muito eficaz.
Muito graças a Afonso de Albuquerque (ao contrário de outros vice-reis, que se mantêm noutro projecto), consegue vitórias em cima de vitórias.
Em 1513 está a estabelecer-se na China. Em 15 anos, não é notável declarar essas "descobertas", é notável a capacidade militar - o Índico é um grande mar português.

A ser verdade a História oficial, nos seus 15 anos de reinado, Dom João II, o "Príncipe Perfeito", basicamente apenas acrescentou como descoberta a parte sul, ocidental de África.
Aí não teve que fazer uma única conquista, o seu grande feito teria sido contornar o Cabo da Boa Esperança, e preparar o caminho? A ser verdade essa História, que caminho?
O caminho para as conquistas na Índia ou o caminho para outros Cabos?
Alguém sabe mais algum nome de Cabo após esse?
Não!... Deixaram de haver Cabos na Ásia, só havia em África?
Deixou de haver problemas na mudança dos ventos no Índico?

Subitamente muda-se das rápidas caravelas, e passa-se de novo para as pesadas naus.
Com essa mudança para uma embarcação mais lenta, aceleram-se as descobertas!
Alguém pode acreditar nesta versão oficial?


A (ir)relevância da estória de Colombo
É nos jogos políticos, entre as alianças europeias estabelecidas, que se definem duas curiosas empresas individuais, envolvendo 3 nações diferentes.

No acordo Viseu-Espanha-Génova, aparece a figura de Colombo.
(i) Colombo será um português, enviado pela casa Viseu, navegando sob bandeira espanhola e sob nacionalidade genovesa. O seu plano é um plano da casa Viseu... tendo sido poupado em Lisboa, é natural que se tratasse mesmo de um "cunhado bastardo" de D. João II.
Mas, não será caso único!
Mais tarde, em 1498, já morto D. João II, é honrado parte do compromisso com a outra aliança!
(ii) Labrador (João Fernandes) é um português, associado a D. João II e à casa Aveiro, navegando sob bandeira inglesa, e sob comando de um veneziano Giovani Cabotto.

Isso dá algumas ideias do que estaria concordado entre D. João II e os ingleses, após Alcáçovas. Toda a América, acima do paralelo das Canárias, ficaria para os ingleses. Acabou por ser cumprido!

Um equilíbrio europeu pensado pacífico por D. João II, foi destruído pela viagem de Colombo e pelo Tratado de Tordesilhas.
Até ao Tratado de Alcáçovas, tudo tinha ficado Encoberto, a partir de Tordesilhas, iria jogar-se a Descoberto, encobrindo tudo o que se tinha acordado anteriormente. O papel de D. João II no Tratado de Tordesilhas é já menor, e mostra como estaria enfraquecido no seu progressivo envenenamento. Terá conseguido deslocar o meridiano, assegurando o Brasil... última terra do sonho ocidental!

Qual era o sonho ocidental?
Após o Tratado de Alcáçovas, D. João II teria "tudo sob controlo":
(a) As Minas - especialmente a Inca, mas também a Azteca, estão abaixo do paralelo das Canárias, e dentro do território português, "da Guiné".
(b) Havia duas possibilidades de atingir a China e a Índia:
    (i) A via da cruz, pela guerra com os otomanos, no Índico - via seguida por D. Manuel;
   (ii) A via da vera cruz, pacífica, contornando a América do Sul - via pretendida por D. João II.

Em 1483-84 Diogo Cão descobre o Estreito de Magalhães, e realizam-se as explorações na costa oeste da América do Sul. Porquê?
Os alemães não tiveram problemas em reivindicar para Martin Behaim a passagem do Estreito... apenas porque Pigafetta relatou que Magalhães teria visto um mapa seu, com essa passagem!
Ora Behaim, estava ao serviço de Dom João II, e viajou com Diogo Cão em 1483-84...

A sustentação da tese de Behaim foi tida como fraca, pois não haveria capacidade de navegação por iniciativa própria... Isso no caso português não se justifica, o problema é que no caso nacional, tudo será sempre insuficiente perante desígnios encobertos ainda latentes.

O sonho ocidental, do Infante Dom Pedro, e de Dom João II, era tão simplesmente um grande mar pacífico - e por isso alguém cuidou que o "Mar do Sul" de Balboa... tenha ficado para sempre
Oceano Pacífico
como provavelmente foi baptizado por D. João II, ao mesmo tempo que do outro lado, em África, anunciava o Cabo da Boa Esperança...

Ao fim de 500 anos, talvez se perceba que Cabo ele tinha que dobrar...
Se o nomeou como Boa Esperança em 1488, num eventual acordo celebrado com a facção representada pelo Dia S. Bartolomeu (ou seja Bartolomeu Dias), rapidamente deverá ter concluído, que viriam aí as verdadeiras Tormentas!

Qual é então o enquadramento da viagem de Fernão de Magalhães?...
Todos os traços de anterior presença portuguesa, fora do hemisfério oriental, não eram convenientes.
Por várias razões...
Tal como o Infante Dom Henrique, Dom Manuel não teve problemas em ostentar a sua vaidade e receber louros de iniciativas para as quais não contribuiu. Pelo acordo com Espanha, e evitando uma grande guerra (com proporções que só D. Sebastião experimentou...) iria manter-se dentro do seu hemisfério.

A missão de Fernão de Magalhães deverá ter tido o duplo acordo de D. Manuel, e também do Imperador Carlos V, rei de Espanha. Seria destinada essencialmente a apagar os traços deixados pelas anteriores navegações portuguesas, na zona após o Rio da Prata, onde os espanhóis tinham acabado de chegar. Por isso, a expedição de Magalhães ficou um ano em terra, com inúmeros pretextos de atrasos, que levaram a motins.

Fernão de Magalhães sabia que a memória iria ser apagada, de uma forma ou doutra... e por isso tinha um plano pessoal diferente. Com cumplicidade de cartógrafos portugueses (Reinel, Faleiro?) terá obtido informações para a travessia do Estreito, dando-lhe indicações cartográficas de como chegar às Molucas.

Havia ainda a aposta na empresa da viagem do Pacífico, para que esse feito não fosse separado da memória nacional... Não será acidental que Magalhães, ao entrar no "Mar do Sul"... o tenha designado Oceano Pacífico, e depois tenha optado por morrer, ao chegar às Molucas!
Não poderia ter outro fim honroso se aceitasse voltar!... Toda esta estória é profundamente trágica!

E... Colombo?
Sobra muito pouco para dizer sobre Colombo... a importância que lhe é dada hoje é conjuntural. No final da sua vida tinha caído em desgraça, pois percebeu-se rapidamente o nível de encobrimento em que os portugueses tinham conseguido manter as descobertas... já nada havia a descobrir!

Até meados do século XVI não houve ninguém com bom senso, que fosse denominado descobridor, isso foi uma reinvenção posterior, especialmente dos séc. XVII e XVIII, quando se percebeu que aquilo que iria valer seria apenas o que se tinha declarado.
Aí, começaram as sociedades secretas, que de alguma forma foram acompanhando os segredos que restavam... quer de descobertas marítimas, quer de descobertas científicas!

Mesmo à "descoberta" de Giovani Caboto em 1498 não foi dada especial importância, nem tão pouco é dada sobre-importância a Walter Raleigh, 1584, que nesse caso "descobriu" para a Inglaterra as primeiras províncias que iriam fazer parte dos EUA, nomeadamente a Virginia e Carolina.

Os portugueses encobriram durante 200 anos as descobertas.
Os europeus iriam fazer o mesmo à memória dos portugueses, dilacerados por lutas cruéis internas que se mantiveram até ao séc. XIX. A partir daí... deverá entrar também o esquecimento forçado e natural.

Será provavelmente difícil atribuir a descoberta do continente americano a alguém, provavelmente a um fenício, ao missionário São Brandão, a um viking dinamarquês... ou a um pescador da Maia?
Aquilo que se sabe é que começaram a chegar produtos exóticos à Europa, através de Portugal, no início do Século XIV, e que aí começam as alusões às ilhas míticas - nomeadamente à Ilha Brasil.

Uma exploração sistemática do continente americano ocorreu especialmente entre 1440-49.
Foi retomada entre 1471-1488.

Quando Colombo chega às Antilhas, já os portugueses tinham terminado a exploração costeira de todo o continente americano.

Valerá a pena falar mais de Colombo?
... ou será de pedir à Ordem da Jarreteira, à Ordem do Tosão de Ouro, já para não falar do Vaticano, e outras organizações, que abram as suas bibliotecas, pelo menos deste período!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:47


A Mina e A Méjica

por desvela, em 04.12.12
Neste "peça a peça" vou colocando algumas das coisas que fui vendo ao longo destes três anos, mas que aqui não escrevi, porque acabavam por ser "mais do mesmo". Mais provas, e alguma documentação, que ia sempre ao encontro da tese principal - a História ensinada é uma estória onde se esconde outra história...
Como me vou relembrando de algumas coisas, e encontrando outras novas, acaba por me parecer útil reunir os diversos elementos, que acabam por acrescentar alguns detalhes. O material é tanto que dará para encher muitos textos, mas são essencialmente muitos indícios do mesmo, e não propriamente grandes novidades.
É claro que é fácil rebater um documento isoladamente, enquanto que contra uma extensa lista de documentos e evidências, a Academia usa os expedientes habituais:
- ignora até poder, pode também falar em "algo absurdo" ou em "algo interessante" (é indiferente), mas requer mais explicações (infindáveis, ao bom estilo kafkiano), e quando, esgotando a paciência de todos, finalmente aceita... nada faz, e continua a ignorar como antes, até que venha a nova geração, e tudo se repete. Andamos nisto há séculos... podemos dizer milénios. 
Temos aqui exemplos ilustrativos.

O assunto é sobre a descoberta do Brasil, e menciono três textos.
- Uma bem conhecida carta de Mestre João Faras, um espanhol da migração judaica, ao serviço do Rei de Portugal, D. Manuel, na esquadra que colocou o carimbo de descobrimento no Brasil.
- O livro de Faustino da Fonseca, "Descobrimento do Brazil" e um texto com o mesmo nome, de Garcia Redondo, académico brasileiro, que cita e elogia Faustino. Ambos os textos são do início do Séc. XX, passaram-se 100 anos, e praticamente estão esquecidos. O texto de Garcia Redondo é mais curto, e encontra-se mais facilmente... já o de Faustino não se encontra às primeiras tentativas.

Mestre João
Sobre a carta de Mestre João, descoberta por Vernhagen no Séc. XIX, não há muito a dizer, bastaria um "sem comentários" e ler bem o que ele escreveu. Há uma página razoavelmente completa na Wikipedia, há a documentação na Torre do Tombo, e a transcrição associada:

Excerto da carta de Mestre João (Faras), onde desenha 
o Cruzeiro do Sul para orientação do pólo antártico.

O que tem a descrição de especial? Não é apresentar o Cruzeiro do Sul, pois desde as viagens aceites de Diogo Cão em 1482 seria impossível não o ver...
A maior particularidade é esta citação:
Quanto, Senhor, ao sítio desta terra, mande Vossa Alteza trazer um mapa-múndi que tem Pero Vaz Bisagudo e por aí poderá ver Vossa Alteza o sítio desta terra; mas aquele mapa-múndi não certifica se esta terra é habitada ou não; é mapa dos antigos e ali achará Vossa Alteza escrita também a Mina.
Portanto, Mestre João, que acaba de chegar ao Brasil com Pedro Álvares Cabral, diz que aquela terra estava num mapa de Bisagudo. 
Resumindo: por acaso acabavam de descobrir o Brasil, mas tinham deixado em Portugal um mapa que já tinha desenhada aquela costa. 
Há gente que engole isto, e de facto só tem um problema de interpretação dado o significado da palavra "des-cobrir" - Cabral conseguiu "descobrir" por sorte, já o mapa de Bisagudo, esse ficou "encoberto" por azar.
Há um detalhe que ninguém parece mencionar, mas que para mim é muito importante... a Mina.
Aquilo que se torna claro é que a Mina era na América, ou antes - havia um Castelo da Mina junto aos incas, e um Forte da Mina no Benim - algo que escrevi há três anos, quando reparei no paralelismo das descrições entre as costas africana e americana.

Faustino da Fonseca e Garcia Redondo
Este episódio do mapa de Bisagudo é notado no livro 
Descoberta do Brazil, de Faustino da Fonseca.
Aliás, terá sido notado a partir do momento em que Francisco Varnhagen vai desencobrir as cartas, e há muito tínhamos referido Cândido Costa, que compilara informação no mesmo sentido. Na transição de 1900 sucedem-se os achados contraditórios, e pela não divulgação, são vários a chegar às mesmas conclusões. Uns terão ficado inconformados, outros terão-se conformado a alguma irmandade que cuida destes desvios.
Faustino da Fonseca, tentará publicar a sua compilação de factos por ocasião do 4º centenário da descoberta do Brasil, em 1900. Como ele diz, foi a popularidade do seu texto que evitou que ele ficasse completamente encoberto, e acabou por ser editado, para ser hoje convenientemente esquecido.
De acordo com a wikipedia, seria afiliado maçon, foi senador e director da Biblioteca Nacional, depois da implantação da República. Não terá sido o primeiro, nem o último director, que demonstrara antes as inconsistências na descoberta do Brasil.

Há muita informação importante no trabalho de Faustino da Fonseca, e são tantos os elementos que ele reúne que acaba por ser difícil retirar alguns do contexto.
Garcia Redondo, em palestra na Academia Brasileira, rendido à demonstração de Faustino, sintetiza assim as conclusões ("O Descobrimento do Brazil", Garcia Redondo, página 34):
  • 1436—Regista André Bianco nas suas cartas e no seu portulano as descobertas do Brazil ou Antilia, Mar de Baga e Mar de Sargaços.
  • 1447—Um navio parte do Porto e vae á Groelandia onde os marinheiros desembarcam.
  • 1448—Regista André Bianco nas suas cartas a existencia do Brazil á distancia precisa de 1500 milhas comprehendidas entre as ilhas do Cabo Verde e o Cabo de S. Roque.
  • 1452—Diogo de Teive e seu filho João descobrem a ilha das Flores e chegam á latitude da terra do Lavrador.
  • 1472—Descobre João Vaz Corte Real a Terra de João Vaz, ou Terra Nova, ou Terra dos Bacalhaus, na America do Norte.
  • 1473-1484—Affonso Sanches descobre as Antilhas.
  • 1487—Viagem á America de Fernão Dulmo e João Affonso Estreito, acompanhados de Martim Behaim, que registou, depois, no globo terraqueo que construiu e no mappa do erario real portuguez, a existencia da peninsula da Florida, das Antilhas e do golfo do Mexico.
  • 1492—Descoberta, entre 30 de Janeiro e 14 de abril, da terra do Lavrador, por João Fernandes Lavrador e Pedro de Barcellos.
Para quem começa a ler a documentação, como diz Garcia Redondo, o que é quase impossível é mostrar que foi Colombo o primeiro a realizar tal viagem...
O mais notável será a leitura do próprio Colombo, que vai à "Terra Firme" (Colômbia, Venezuela), para confirmar da existência das terras que el-Rei Dom João II lhe assegurava existirem, ou seja, de toda a América do Sul, em particular do Brasil, demarcado pelo afastamento do meridiano de Tordesilhas.
Conforme diz Faustino da Fonseca, não era Colombo que inovava pela ideia de circum-navegação, essa ideia era vendida a D. João II, e depois a Colombo, por Toscanelli e pela academia externa, que ignorava a extensão prática da América, bloqueadora da passagem.
Reconstrução da visão de Toscanelli (1474)
(esta ideia de Circumnavegação será adoptada depois por Colombo)

Os portugueses é que se afastavam da escolástica, e afirmavam a experiência, "a madre de todas as cousas", conforme dizia Duarte Pacheco Pereira. O relato da extensão americana, que Pacheco descreve ao delimitar correctamente pela parte portuguesa do continente americano, surpreende Humboldt, já que à época as navegações espanholas nenhuma informação traziam da ligação contínua entre a América do Norte e do Sul.

A Méjica
Garcia Redondo vai ainda juntar uma nota sobre Vespúcio, e como a América resultaria de uma manobra francesa para lembrar o seu cartógrafo Rigmann... mas nacionalidades são ali uma capa que esconde outra estrutura, em que os francos são armados em galos. Redondo refere ainda a possibilidade do nome advir de uma designação dos Índios da Nicarágua para "Terras Altas".
Já aqui abordei o tema, e não me oferecem dúvidas que o termo Américo nada tem a ver com Alberico Vespúcio, que depois passou a ser conhecido como Américo...
Notei depois outro detalhe, que aproveito para escrever agora. 
Figueiredo fazia a separação - falava "da Mérica" e nem sempre da América
Ora, entre Mérico e México, temos apenas um ligeiro desvio de "r" para "x", acresce que os espanhóis ainda escrevem alternativamente "Méjico" enfatizando o som "r" no nome.
Por outro lado, Mexica era o nome dado ao povo Azteca, e pronunciava-se Méhícá, onde o "h" pode ser substituído sem grande distorção pelo "rr" do "j" espanhol.
Ou seja, se perguntassem a um português, diria A Mérrica, um espanhol A Méjica.
As suas malaguetas, paprikas ou amrikas, seriam afinal a pimenta, cujo o prato principal seria o ouro, disfarçadamente misturado no paralelo africano da Costa da Malagueta.
Se a Mexica caíu com Cortés, o nome já em uso acabou por brindar um Alberico renomeado Américo, mantendo-se alguma fonética original.

O atlas Miller 
Já vimos como Faustino da Fonseca (1900), Garcia Redondo (1911), ambos membros da Academia das Ciências de cada país, tomaram conhecimento do assunto, moveram-se para publicar as redescobertas, pelos cargos influentes conseguiriam alguma tomada de posição institucional. Porém, isto foi antes da Primeira Guerra Mundial, depois o assunto parece ter ficado algo esquecido, ou talvez não, e houve uma Segunda Guerra Mundial, e depois um grande silêncio.
Só que este problema acaba por aparecer ciclicamente, porque as coisas não batem certo, e alguém descobre, ou porque as coisas passam de uns a outros, quanto mais não seja em conversa casual.
Chegou-me a notícia (via KT-USA) de uma tese de doutoramento polémica sobre o Atlas Miller, de Alfredo Pinheiro Marques, na Universidade de Coimbra (e que parece ser levado o autor a mover processo judicial). Incluía-se um título significativo:

  • MARQUES, Alfredo Pinheiro
    Para o Silêncio da História: Carta ao Primeiro-Ministro do Meu País, sobre a Censura e a Mentira na História de Portugal
    [For the Silence of History: a Letter to the Prime Minister of My Country, on the Censorship and Lies in the History of Portugal], Coimbra - Figueira da Foz: Edição do Autor, 1999; 235 pp., c/il.; Dep. Legal (Portugal) 139040/99, ISBN 972-97193-2-2. The book about the censorship in Portuguese historiography and commemorations, and the international scandal of the 17th International Conference on the History of Cartography, Lisbon 1997.
Apesar de ter a curiosidade inerente em ver o que é dito sobre o Atlas Miller (de que já aqui falei), o título da "Carta ao PM" é suficientemente esclarecedor. Passados 100 anos, não foi Faustino da Fonseca a ter problemas ("O escândalo dos dramas do concurso do Centenário da Índia". Lisboa, Editora Agência Universal Publ., 1898), mas aparece sempre alguém... neste caso o director do Centro de Estudos do Mar. Se Luís de Albuquerque resistiu à tentação, parece que a nova geração nem tanto...
Não tenho grandes dúvidas que há segredos na representação das cartas portuguesas, e o mais simples - que consiste em virar o portulano de Pedro Reinel, será um deles. É bem possível que Alfredo Marques tenha identificado outros e se tenha deparado com o processo kafkiano inerente (felizmente que não é dirigido contra ele). Porém, parece-me que o segredo que escapou a Alfredo Marques é que se tratam mesmo de segredos... ainda hoje.

Essa reacção da parte culta, do culto, vi em inacção e acção há três anos... nos últimos quinze dias de Dezembro de 2009, e não me surpreendeu. Já as manifestações mais ocultas, essas vieram nos quinze dias seguintes, e deram-me uma dimensão suplementar do problema... essas diabruras é bom que fiquem de onde nunca deveriam ter saído.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


A Mina e A Méjica

por desvela, em 03.12.12
Neste "peça a peça" vou colocando algumas das coisas que fui vendo ao longo destes três anos, mas que aqui não escrevi, porque acabavam por ser "mais do mesmo". Mais provas, e alguma documentação, que ia sempre ao encontro da tese principal - a História ensinada é uma estória onde se esconde outra história...
Como me vou relembrando de algumas coisas, e encontrando outras novas, acaba por me parecer útil reunir os diversos elementos, que acabam por acrescentar alguns detalhes. O material é tanto que dará para encher muitos textos, mas são essencialmente muitos indícios do mesmo, e não propriamente grandes novidades.
É claro que é fácil rebater um documento isoladamente, enquanto que contra uma extensa lista de documentos e evidências, a Academia usa os expedientes habituais:
- ignora até poder, pode também falar em "algo absurdo" ou em "algo interessante" (é indiferente), mas requer mais explicações (infindáveis, ao bom estilo kafkiano), e quando, esgotando a paciência de todos, finalmente aceita... nada faz, e continua a ignorar como antes, até que venha a nova geração, e tudo se repete. Andamos nisto há séculos... podemos dizer milénios. 
Temos aqui exemplos ilustrativos.

O assunto é sobre a descoberta do Brasil, e menciono três textos.
- Uma bem conhecida carta de Mestre João Faras, um espanhol da migração judaica, ao serviço do Rei de Portugal, D. Manuel, na esquadra que colocou o carimbo de descobrimento no Brasil.
- O livro de Faustino da Fonseca, "Descobrimento do Brazil" e um texto com o mesmo nome, de Garcia Redondo, académico brasileiro, que cita e elogia Faustino. Ambos os textos são do início do Séc. XX, passaram-se 100 anos, e praticamente estão esquecidos. O texto de Garcia Redondo é mais curto, e encontra-se mais facilmente... já o de Faustino não se encontra às primeiras tentativas.

Mestre João
Sobre a carta de Mestre João, descoberta por Vernhagen no Séc. XIX, não há muito a dizer, bastaria um "sem comentários" e ler bem o que ele escreveu. Há uma página razoavelmente completa na Wikipedia, há a documentação na Torre do Tombo, e a transcrição associada:

Excerto da carta de Mestre João (Faras), onde desenha 
o Cruzeiro do Sul para orientação do pólo antártico.

O que tem a descrição de especial? Não é apresentar o Cruzeiro do Sul, pois desde as viagens aceites de Diogo Cão em 1482 seria impossível não o ver...
A maior particularidade é esta citação:
Quanto, Senhor, ao sítio desta terra, mande Vossa Alteza trazer um mapa-múndi que tem Pero Vaz Bisagudo e por aí poderá ver Vossa Alteza o sítio desta terra; mas aquele mapa-múndi não certifica se esta terra é habitada ou não; é mapa dos antigos e ali achará Vossa Alteza escrita também a Mina.
Portanto, Mestre João, que acaba de chegar ao Brasil com Pedro Álvares Cabral, diz que aquela terra estava num mapa de Bisagudo. 
Resumindo: por acaso acabavam de descobrir o Brasil, mas tinham deixado em Portugal um mapa que já tinha desenhada aquela costa. 
Há gente que engole isto, e de facto só tem um problema de interpretação dado o significado da palavra "des-cobrir" - Cabral conseguiu "descobrir" por sorte, já o mapa de Bisagudo, esse ficou "encoberto" por azar.
Há um detalhe que ninguém parece mencionar, mas que para mim é muito importante... a Mina.
Aquilo que se torna claro é que a Mina era na América, ou antes - havia um Castelo da Mina junto aos incas, e um Forte da Mina no Benim - algo que escrevi há três anos, quando reparei no paralelismo das descrições entre as costas africana e americana.

Faustino da Fonseca e Garcia Redondo
Este episódio do mapa de Bisagudo é notado no livro 
Descoberta do Brazil, de Faustino da Fonseca.
Aliás, terá sido notado a partir do momento em que Francisco Varnhagen vai desencobrir as cartas, e há muito tínhamos referido Cândido Costa, que compilara informação no mesmo sentido. Na transição de 1900 sucedem-se os achados contraditórios, e pela não divulgação, são vários a chegar às mesmas conclusões. Uns terão ficado inconformados, outros terão-se conformado a alguma irmandade que cuida destes desvios.
Faustino da Fonseca, tentará publicar a sua compilação de factos por ocasião do 4º centenário da descoberta do Brasil, em 1900. Como ele diz, foi a popularidade do seu texto que evitou que ele ficasse completamente encoberto, e acabou por ser editado, para ser hoje convenientemente esquecido.
De acordo com a wikipedia, seria afiliado maçon, foi senador e director da Biblioteca Nacional, depois da implantação da República. Não terá sido o primeiro, nem o último director, que demonstrara antes as inconsistências na descoberta do Brasil.

Há muita informação importante no trabalho de Faustino da Fonseca, e são tantos os elementos que ele reúne que acaba por ser difícil retirar alguns do contexto.
Garcia Redondo, em palestra na Academia Brasileira, rendido à demonstração de Faustino, sintetiza assim as conclusões ("O Descobrimento do Brazil", Garcia Redondo, página 34):
  • 1436—Regista André Bianco nas suas cartas e no seu portulano as descobertas do Brazil ou Antilia, Mar de Baga e Mar de Sargaços.
  • 1447—Um navio parte do Porto e vae á Groelandia onde os marinheiros desembarcam.
  • 1448—Regista André Bianco nas suas cartas a existencia do Brazil á distancia precisa de 1500 milhas comprehendidas entre as ilhas do Cabo Verde e o Cabo de S. Roque.
  • 1452—Diogo de Teive e seu filho João descobrem a ilha das Flores e chegam á latitude da terra do Lavrador.
  • 1472—Descobre João Vaz Corte Real a Terra de João Vaz, ou Terra Nova, ou Terra dos Bacalhaus, na America do Norte.
  • 1473-1484—Affonso Sanches descobre as Antilhas.
  • 1487—Viagem á America de Fernão Dulmo e João Affonso Estreito, acompanhados de Martim Behaim, que registou, depois, no globo terraqueo que construiu e no mappa do erario real portuguez, a existencia da peninsula da Florida, das Antilhas e do golfo do Mexico.
  • 1492—Descoberta, entre 30 de Janeiro e 14 de abril, da terra do Lavrador, por João Fernandes Lavrador e Pedro de Barcellos.
Para quem começa a ler a documentação, como diz Garcia Redondo, o que é quase impossível é mostrar que foi Colombo o primeiro a realizar tal viagem...
O mais notável será a leitura do próprio Colombo, que vai à "Terra Firme" (Colômbia, Venezuela), para confirmar da existência das terras que el-Rei Dom João II lhe assegurava existirem, ou seja, de toda a América do Sul, em particular do Brasil, demarcado pelo afastamento do meridiano de Tordesilhas.
Conforme diz Faustino da Fonseca, não era Colombo que inovava pela ideia de circum-navegação, essa ideia era vendida a D. João II, e depois a Colombo, por Toscanelli e pela academia externa, que ignorava a extensão prática da América, bloqueadora da passagem.
Reconstrução da visão de Toscanelli (1474)
(esta ideia de Circumnavegação será adoptada depois por Colombo)

Os portugueses é que se afastavam da escolástica, e afirmavam a experiência, "a madre de todas as cousas", conforme dizia Duarte Pacheco Pereira. O relato da extensão americana, que Pacheco descreve ao delimitar correctamente pela parte portuguesa do continente americano, surpreende Humboldt, já que à época as navegações espanholas nenhuma informação traziam da ligação contínua entre a América do Norte e do Sul.

A Méjica
Garcia Redondo vai ainda juntar uma nota sobre Vespúcio, e como a América resultaria de uma manobra francesa para lembrar o seu cartógrafo Rigmann... mas nacionalidades são ali uma capa que esconde outra estrutura, em que os francos são armados em galos. Redondo refere ainda a possibilidade do nome advir de uma designação dos Índios da Nicarágua para "Terras Altas".
Já aqui abordei o tema, e não me oferecem dúvidas que o termo Américo nada tem a ver com Alberico Vespúcio, que depois passou a ser conhecido como Américo...
Notei depois outro detalhe, que aproveito para escrever agora. 
Figueiredo fazia a separação - falava "da Mérica" e nem sempre da América
Ora, entre Mérico e México, temos apenas um ligeiro desvio de "r" para "x", acresce que os espanhóis ainda escrevem alternativamente "Méjico" enfatizando o som "r" no nome.
Por outro lado, Mexica era o nome dado ao povo Azteca, e pronunciava-se Méhícá, onde o "h" pode ser substituído sem grande distorção pelo "rr" do "j" espanhol.
Ou seja, se perguntassem a um português, diria A Mérrica, um espanhol A Méjica.
As suas malaguetas, paprikas ou amrikas, seriam afinal a pimenta, cujo o prato principal seria o ouro, disfarçadamente misturado no paralelo africano da Costa da Malagueta.
Se a Mexica caíu com Cortés, o nome já em uso acabou por brindar um Alberico renomeado Américo, mantendo-se alguma fonética original.

O atlas Miller 
Já vimos como Faustino da Fonseca (1900), Garcia Redondo (1911), ambos membros da Academia das Ciências de cada país, tomaram conhecimento do assunto, moveram-se para publicar as redescobertas, pelos cargos influentes conseguiriam alguma tomada de posição institucional. Porém, isto foi antes da Primeira Guerra Mundial, depois o assunto parece ter ficado algo esquecido, ou talvez não, e houve uma Segunda Guerra Mundial, e depois um grande silêncio.
Só que este problema acaba por aparecer ciclicamente, porque as coisas não batem certo, e alguém descobre, ou porque as coisas passam de uns a outros, quanto mais não seja em conversa casual.
Chegou-me a notícia (via KT-USA) de uma tese de doutoramento polémica sobre o Atlas Miller, de Alfredo Pinheiro Marques, na Universidade de Coimbra (e que parece ser levado o autor a mover processo judicial). Incluía-se um título significativo:

  • MARQUES, Alfredo Pinheiro
    Para o Silêncio da História: Carta ao Primeiro-Ministro do Meu País, sobre a Censura e a Mentira na História de Portugal
    [For the Silence of History: a Letter to the Prime Minister of My Country, on the Censorship and Lies in the History of Portugal], Coimbra - Figueira da Foz: Edição do Autor, 1999; 235 pp., c/il.; Dep. Legal (Portugal) 139040/99, ISBN 972-97193-2-2. The book about the censorship in Portuguese historiography and commemorations, and the international scandal of the 17th International Conference on the History of Cartography, Lisbon 1997.
Apesar de ter a curiosidade inerente em ver o que é dito sobre o Atlas Miller (de que já aqui falei), o título da "Carta ao PM" é suficientemente esclarecedor. Passados 100 anos, não foi Faustino da Fonseca a ter problemas ("O escândalo dos dramas do concurso do Centenário da Índia". Lisboa, Editora Agência Universal Publ., 1898), mas aparece sempre alguém... neste caso o director do Centro de Estudos do Mar. Se Luís de Albuquerque resistiu à tentação, parece que a nova geração nem tanto...
Não tenho grandes dúvidas que há segredos na representação das cartas portuguesas, e o mais simples - que consiste em virar o portulano de Pedro Reinel, será um deles. É bem possível que Alfredo Marques tenha identificado outros e se tenha deparado com o processo kafkiano inerente (felizmente que não é dirigido contra ele). Porém, parece-me que o segredo que escapou a Alfredo Marques é que se tratam mesmo de segredos... ainda hoje.

Essa reacção da parte culta, do culto, vi em inacção e acção há três anos... nos últimos quinze dias de Dezembro de 2009, e não me surpreendeu. Já as manifestações mais ocultas, essas vieram nos quinze dias seguintes, e deram-me uma dimensão suplementar do problema... essas diabruras é bom que fiquem de onde nunca deveriam ter saído.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59


A viagem ao Brasil em 1498

por desvela, em 04.06.12
Ao fim de muito tempo, vi ontem, pela primeira vez em televisão, alguém referir-se à descoberta do Brasil em 1498 por Duarte Pacheco Pereira. Quem o fez foi Miguel Sousa Tavares, respondendo à pergunta final num programa da SIC-Notícias, chamado "Conversas Improváveis".

O incidente é isolado e nada tem de especial, para além de ir completamente contra a versão oficial, que atribui o relato de descoberta à viagem de Pedro Álvares Cabral em 1500.
A tese deveria ser largamente conhecida desde a publicação do Esmeraldo de Situ Orbis em 1892, por Raphael Basto, conservador da Torre do Tombo. Mais conhecida ainda quando Jorge Couto em 1995 sustentou a tese dessa descoberta anterior, com documentação adicional. Jorge Couto é uma figura reconhecida, tendo sido presidente do Instituto Camões e director da Biblioteca Nacional (2005-2011).
No entanto, apesar disso, que eu saiba, a tese de 1500 nunca foi beliscada em comunicações públicas, para uma larga plateia, por exemplo em televisão. Assim, a demonstração por Jorge Couto da viagem de Duarte Pacheco Pereira, em 1498, passa ao lado do folclore oficial, e de todo o comentário ou discussão, ao longo dos últimos 20 anos. Nada de estranhar, pois já teria passado ao lado da discussão do grande público durante todo o Séc. XX. Afinal, passam já 120 anos desde a publicação por Raphael Basto, que confrontou dois exemplares do Esmeraldo de Situ Orbis. Os exemplares estavam incompletos, sem nenhum dos 16 mapas (vistos na biblioteca dos Marqueses de Abrantes), e aparentemente em Setembro de 1844, para além da lei sobre funerais que originou depois a Revolta da Maria da Fonte, também houve uma portaria que retirou o livro da Biblioteca de Évora.
O detalhe da descoberta do Brasil em 1498, inscrito no livro, não passou obviamente despercebido, pois é referido pelo próprio inspector em 1891, na primeira página.

A afirmação que Duarte Pacheco Pereira dirige a D. Manuel é esta:
(...) alem do que dito é, a experiência que é madre das coisas nos desengana & de toda duvida nos tira & portanto bem aventurado Principe temos sabido & visto como no terceiro ano de vosso Reinado do ano de nosso senhor de mil quatrocentos noventa & oito donde nos vossa alteza mandou descobrir a parte ocidental passando alem a grandeza do mar oceano onde é achada & navegada uma tão grande terra firme com muitas & grandes ilhas adjacentes a ela que se estende a setenta graus de ladeza da linha equinocial contra o polo artico  & posto que seja assaz fora é grandemente pauorada, & do mesmo circulo equinocial toma outra vez & vai além em vinte & oito graus & meio de ladeza contra o polo antartico (...)

Fica completamente claro que Duarte Pacheco Pereira ao referir-se a uma extensão de terra firme que vai da latitude 70ºN (Gronelândia, Norte do Canadá) a 28ºS (Rio Grande do Sul, Brasil), dá logo no ano de 1506 uma informação demasiado detalhada sobre o que se conhecia da América. Aliás, dá informações precisas sobre a parte da América que estaria destinada dentro do Hemisfério português, de acordo com o Tratado de Tordesilhas. Isto praticamente mostra que o conhecimento do continente americano era completo, antes mesmo do nome América ter sido associado a Alberico Vespúcio. Dizer que 1498 é a data da primeira viagem ao Brasil apenas peca por ser tão escasso quanto tudo o que esconde essa afirmação e que Duarte Pacheco Pereira revela.

Quando falei do Esmeraldo de Situ Orbis, em 17 de Dezembro de 2009, no Knol da Google, escrevi o seguinte:

Duarte Pacheco Pereira não tem problema em atribuir navegações, para o contorno costeiro de África - aos gregos e fenícios... e até se atribuem navegações atlânticas aos fenícios!
Porquê?... porque isso não era nada, comparado com as navegações nacionais!
Duarte Pacheco Pereira, no seu "Esmeraldo de Situ Orbis", é bastante claro a esse respeito... mas também diz que teve o cuidado de preparar essa obra convenientemente, pois D. Manuel quereria "fiar-se" do que iria escrever... e, mesmo assim, a obra esteve perdida até ao Séc. XIX.
Tem um pequeno descuido, onde diz explicitamente que navegou para o Brasil, a mando de D. Manuel em 1498, mas isso é um detalhe sem qualquer importância, face a tudo o resto que nos consegue dizer - para quem o queira ler a sério!

Nessa altura procurei ligar a descrição da Costa de África à descrição da Costa Americana
Paralelismo África-América (Tese de Alvor-Silves, Dezembro 2009)

Vim na altura a saber (pelo José Manuel-CH) que a Duquesa de Medina-Sidonia, Luisa Alvarez de Toledo tinha argumentado no mesmo sentido no livro Africa versus America.

Provavelmente, caso fosse hoje, nem teria escrito nada acerca desse paralelismo... simplesmente porque é difícil sustentar a tese baseando-nos apenas na leitura de textos antigos, já que facilmente se poderá contra-argumentar que se tratam de coincidências interpretativas, sem usar outras provas.
Se usei aqui muitas interpretações, e fui avançando com diversas possibilidades, elas foram sendo sustentadas cada vez mais em citações literais, e factos documentais. Inicialmente não fazia ideia de que existisse tanta matéria "escondida com o rabo de fora", e por isso ainda procurava estabelecer relações fugazes, que pouco a pouco deixaram de ser fugazes... 

Quebrada a confiança com o conhecimento oficial, aquilo que escrevi sofre de toda a incerteza sobre as fontes e sobre a interpretação que fazemos delas. As diversas hipóteses que fui escrevendo resultam de tentativas parciais de encontrar nexo lógico, sem desacreditar tudo o que nos foi transmitido. O formato de blog tem a vantagem de não pretender ser mais do que uma interpretação escrita naquela data, em face da conjugação dos diversos dados acumulados, procurando focar mais no nexo lógico global do que no detalhes contraditórios.
Afinal, o que podemos saber resulta apenas do que nos é dado a saber... nada mais do que isso.
A maioria dos textos a que temos acesso é posterior à Idade Média, e muito tempo terá havido para definir o conhecimento que se divulgaria e o que iria ser ocultado. O povo nasce órfão de informação antiga... mal conhecemos os nomes dos trisavós, e poucas famílias passaram no seu seio histórias anteriores ao Séc. XIX. A partir daí fica só a confiança na cultura comum aprendida na escola formadora de mentes... Mesmo sobre monumentos/livros, devemos contar com reconstruções/ reedições, com a boa-fé dos criadores/autores, etc.
Quebrada a confiança, a grande certeza é a incerteza... e se dela não se livra o povo, órfão de antigos legados familiares, também não estarão muito mais seguros os depositários de conhecimento mais antigo. Afinal, têm que contar que a informação nunca foi alterada, coisa algo difícil de assumir mesmo em casas reais europeias, cujo legado teve múltiplas oscilações, e dificilmente chega ao Séc. X d.C. Indo mais longe, o registo perde-se nos legados religiosos. 
De qualquer forma, esquecendo o encobrimento nas descobertas arqueológicas, não há aparentemente um registo fiável para além das civilizações egípcias ou mesopotâmicas... como se os nossos anteriores antepassados nada nos tivessem querido deixar de importante. 
E, no entanto, em todos os povos parece ter havido a necessidade de transmitir um legado, não tanto uma história factual, mas antes uma tradição cultural religiosa, cujo significado primeiro se perdeu. A excepção parece ser a tradição hebraica, já que o Velho Testamento engloba também uma história do povo.
Vemos assim que o conhecimento que foi passando, não apagado entre gerações, foi uma mensagem religiosa autorizada. As histórias de heróis deveriam ser igualmente populares, mas retirando personagens divinos, poucas ficaram nos mitos, e talvez Hércules seja a excepção humana.
As novas gerações nasciam com conhecimento restrito, com pouco mais do que recebiam dos pais,  quase ignorando os avós. Quando isso acontece a evolução é normalmente pequena, e os jovens arriscam a fazer apenas uma repetição do percurso dos progenitores, sem acumular inovação no conhecimento. Isso seria tanto mais efectivo quanto as imposições religiosas visassem condicionar o progresso do conhecimento. A motivação poderia ser simplesmente manter o maior conhecimento na pequena elite reinante, para facilitar o controlo. No entanto, essa estagnação cultural funciona localmente, permite manter uma elite tribal, pelas condicionantes e proibições, mas não aguenta o embate com outra civilização em que o progresso de conhecimento seja mais valorizado e generalizado. Basta ver que em pouco mais de 200 anos de difusão de conhecimento, passámos de carruagens para aviões e foguetões....
Na tentativa de preservar a ordem, mantendo a habitual distância entre o conhecimento da elite e o conhecimento popular, compromete-se o progresso e a sociedade cairá no vício de estagnação, alimentado por sucessivas imposições e proibições, tal como nas primitivas sociedades tribais condicionadas pela religiosidade e tradição cultural fechada.

No santuário de Delfos haveria a inscrição "conhece-te a ti mesmo"... e sem dúvida que esse é o primeiro passo do homem, mas depois deve ser aplicado aos homens em conjunto, na sua unidade de conhecimento. 
Enquanto não percebermos o que fomos, o que nos condicionou e condiciona, dificilmente podemos definir o que devemos ser, funcionando como uma hidra insana... com múltiplas cabeças não coordenadas, competindo pelo controlo do mesmo corpo.
Temos até um exemplo interno... se os nossos hemisférios cerebrais direito e esquerdo funcionassem isoladamente e competitivamente, desconfiando um do outro, mentindo um ao outro... alguma vez teríamos tido sucesso enquanto organismo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:43


A viagem ao Brasil em 1498

por desvela, em 03.06.12
Ao fim de muito tempo, vi ontem, pela primeira vez em televisão, alguém referir-se à descoberta do Brasil em 1498 por Duarte Pacheco Pereira. Quem o fez foi Miguel Sousa Tavares, respondendo à pergunta final num programa da SIC-Notícias, chamado "Conversas Improváveis".

O incidente é isolado e nada tem de especial, para além de ir completamente contra a versão oficial, que atribui o relato de descoberta à viagem de Pedro Álvares Cabral em 1500.
A tese deveria ser largamente conhecida desde a publicação do Esmeraldo de Situ Orbis em 1892, por Raphael Basto, conservador da Torre do Tombo. Mais conhecida ainda quando Jorge Couto em 1995 sustentou a tese dessa descoberta anterior, com documentação adicional. Jorge Couto é uma figura reconhecida, tendo sido presidente do Instituto Camões e director da Biblioteca Nacional (2005-2011).
No entanto, apesar disso, que eu saiba, a tese de 1500 nunca foi beliscada em comunicações públicas, para uma larga plateia, por exemplo em televisão. Assim, a demonstração por Jorge Couto da viagem de Duarte Pacheco Pereira, em 1498, passa ao lado do folclore oficial, e de todo o comentário ou discussão, ao longo dos últimos 20 anos. Nada de estranhar, pois já teria passado ao lado da discussão do grande público durante todo o Séc. XX. Afinal, passam já 120 anos desde a publicação por Raphael Basto, que confrontou dois exemplares do Esmeraldo de Situ Orbis. Os exemplares estavam incompletos, sem nenhum dos 16 mapas (vistos na biblioteca dos Marqueses de Abrantes), e aparentemente em Setembro de 1844, para além da lei sobre funerais que originou depois a Revolta da Maria da Fonte, também houve uma portaria que retirou o livro da Biblioteca de Évora.
O detalhe da descoberta do Brasil em 1498, inscrito no livro, não passou obviamente despercebido, pois é referido pelo próprio inspector em 1891, na primeira página.

A afirmação que Duarte Pacheco Pereira dirige a D. Manuel é esta:
(...) alem do que dito é, a experiência que é madre das coisas nos desengana & de toda duvida nos tira & portanto bem aventurado Principe temos sabido & visto como no terceiro ano de vosso Reinado do ano de nosso senhor de mil quatrocentos noventa & oito donde nos vossa alteza mandou descobrir a parte ocidental passando alem a grandeza do mar oceano onde é achada & navegada uma tão grande terra firme com muitas & grandes ilhas adjacentes a ela que se estende a setenta graus de ladeza da linha equinocial contra o polo artico  & posto que seja assaz fora é grandemente pauorada, & do mesmo circulo equinocial toma outra vez & vai além em vinte & oito graus & meio de ladeza contra o polo antartico (...)

Fica completamente claro que Duarte Pacheco Pereira ao referir-se a uma extensão de terra firme que vai da latitude 70ºN (Gronelândia, Norte do Canadá) a 28ºS (Rio Grande do Sul, Brasil), dá logo no ano de 1506 uma informação demasiado detalhada sobre o que se conhecia da América. Aliás, dá informações precisas sobre a parte da América que estaria destinada dentro do Hemisfério português, de acordo com o Tratado de Tordesilhas. Isto praticamente mostra que o conhecimento do continente americano era completo, antes mesmo do nome América ter sido associado a Alberico Vespúcio. Dizer que 1498 é a data da primeira viagem ao Brasil apenas peca por ser tão escasso quanto tudo o que esconde essa afirmação e que Duarte Pacheco Pereira revela.

Quando falei do Esmeraldo de Situ Orbis, em 17 de Dezembro de 2009, no Knol da Google, escrevi o seguinte:

Duarte Pacheco Pereira não tem problema em atribuir navegações, para o contorno costeiro de África - aos gregos e fenícios... e até se atribuem navegações atlânticas aos fenícios!
Porquê?... porque isso não era nada, comparado com as navegações nacionais!
Duarte Pacheco Pereira, no seu "Esmeraldo de Situ Orbis", é bastante claro a esse respeito... mas também diz que teve o cuidado de preparar essa obra convenientemente, pois D. Manuel quereria "fiar-se" do que iria escrever... e, mesmo assim, a obra esteve perdida até ao Séc. XIX.
Tem um pequeno descuido, onde diz explicitamente que navegou para o Brasil, a mando de D. Manuel em 1498, mas isso é um detalhe sem qualquer importância, face a tudo o resto que nos consegue dizer - para quem o queira ler a sério!

Nessa altura procurei ligar a descrição da Costa de África à descrição da Costa Americana
Paralelismo África-América (Tese de Alvor-Silves, Dezembro 2009)

Vim na altura a saber (pelo José Manuel-CH) que a Duquesa de Medina-Sidonia, Luisa Alvarez de Toledo tinha argumentado no mesmo sentido no livro Africa versus America.

Provavelmente, caso fosse hoje, nem teria escrito nada acerca desse paralelismo... simplesmente porque é difícil sustentar a tese baseando-nos apenas na leitura de textos antigos, já que facilmente se poderá contra-argumentar que se tratam de coincidências interpretativas, sem usar outras provas.
Se usei aqui muitas interpretações, e fui avançando com diversas possibilidades, elas foram sendo sustentadas cada vez mais em citações literais, e factos documentais. Inicialmente não fazia ideia de que existisse tanta matéria "escondida com o rabo de fora", e por isso ainda procurava estabelecer relações fugazes, que pouco a pouco deixaram de ser fugazes... 

Quebrada a confiança com o conhecimento oficial, aquilo que escrevi sofre de toda a incerteza sobre as fontes e sobre a interpretação que fazemos delas. As diversas hipóteses que fui escrevendo resultam de tentativas parciais de encontrar nexo lógico, sem desacreditar tudo o que nos foi transmitido. O formato de blog tem a vantagem de não pretender ser mais do que uma interpretação escrita naquela data, em face da conjugação dos diversos dados acumulados, procurando focar mais no nexo lógico global do que no detalhes contraditórios.
Afinal, o que podemos saber resulta apenas do que nos é dado a saber... nada mais do que isso.
A maioria dos textos a que temos acesso é posterior à Idade Média, e muito tempo terá havido para definir o conhecimento que se divulgaria e o que iria ser ocultado. O povo nasce órfão de informação antiga... mal conhecemos os nomes dos trisavós, e poucas famílias passaram no seu seio histórias anteriores ao Séc. XIX. A partir daí fica só a confiança na cultura comum aprendida na escola formadora de mentes... Mesmo sobre monumentos/livros, devemos contar com reconstruções/ reedições, com a boa-fé dos criadores/autores, etc.
Quebrada a confiança, a grande certeza é a incerteza... e se dela não se livra o povo, órfão de antigos legados familiares, também não estarão muito mais seguros os depositários de conhecimento mais antigo. Afinal, têm que contar que a informação nunca foi alterada, coisa algo difícil de assumir mesmo em casas reais europeias, cujo legado teve múltiplas oscilações, e dificilmente chega ao Séc. X d.C. Indo mais longe, o registo perde-se nos legados religiosos. 
De qualquer forma, esquecendo o encobrimento nas descobertas arqueológicas, não há aparentemente um registo fiável para além das civilizações egípcias ou mesopotâmicas... como se os nossos anteriores antepassados nada nos tivessem querido deixar de importante. 
E, no entanto, em todos os povos parece ter havido a necessidade de transmitir um legado, não tanto uma história factual, mas antes uma tradição cultural religiosa, cujo significado primeiro se perdeu. A excepção parece ser a tradição hebraica, já que o Velho Testamento engloba também uma história do povo.
Vemos assim que o conhecimento que foi passando, não apagado entre gerações, foi uma mensagem religiosa autorizada. As histórias de heróis deveriam ser igualmente populares, mas retirando personagens divinos, poucas ficaram nos mitos, e talvez Hércules seja a excepção humana.
As novas gerações nasciam com conhecimento restrito, com pouco mais do que recebiam dos pais,  quase ignorando os avós. Quando isso acontece a evolução é normalmente pequena, e os jovens arriscam a fazer apenas uma repetição do percurso dos progenitores, sem acumular inovação no conhecimento. Isso seria tanto mais efectivo quanto as imposições religiosas visassem condicionar o progresso do conhecimento. A motivação poderia ser simplesmente manter o maior conhecimento na pequena elite reinante, para facilitar o controlo. No entanto, essa estagnação cultural funciona localmente, permite manter uma elite tribal, pelas condicionantes e proibições, mas não aguenta o embate com outra civilização em que o progresso de conhecimento seja mais valorizado e generalizado. Basta ver que em pouco mais de 200 anos de difusão de conhecimento, passámos de carruagens para aviões e foguetões....
Na tentativa de preservar a ordem, mantendo a habitual distância entre o conhecimento da elite e o conhecimento popular, compromete-se o progresso e a sociedade cairá no vício de estagnação, alimentado por sucessivas imposições e proibições, tal como nas primitivas sociedades tribais condicionadas pela religiosidade e tradição cultural fechada.

No santuário de Delfos haveria a inscrição "conhece-te a ti mesmo"... e sem dúvida que esse é o primeiro passo do homem, mas depois deve ser aplicado aos homens em conjunto, na sua unidade de conhecimento. 
Enquanto não percebermos o que fomos, o que nos condicionou e condiciona, dificilmente podemos definir o que devemos ser, funcionando como uma hidra insana... com múltiplas cabeças não coordenadas, competindo pelo controlo do mesmo corpo.
Temos até um exemplo interno... se os nossos hemisférios cerebrais direito e esquerdo funcionassem isoladamente e competitivamente, desconfiando um do outro, mentindo um ao outro... alguma vez teríamos tido sucesso enquanto organismo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D