Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pela mão de Sebastião (3)

por desvela, em 24.08.15
Conforme referi no texto anterior, transcrevo a cópia da carta escrita por D. Sebastião a João de Mendonça, em 1576, onde explica claramente a sua preocupação com a presença turca no Reino de Fez (Marrocos), e o que essa ameaça poderia significar primeiro para as fortalezas portuguesas, e depois, através de Ceuta, como porta de entrada turca na Península Ibérica, considerando ainda que em Portugal e Espanha residia (... à época) "a maior e a melhor" potência da Cristandade.

Claro que mesmo tudo isto não justificaria a deslocação pessoal do Rei à "mouraria", e nota-se aqui a junção de mais um pretexto de cavaleiro para encontrar a batalha. Enquanto do lado do seu tio Filipe II, vemos os pretextos de diplomata para a evitar.
No entanto, essa tinha sido a tradição da dinastia de Avis, começada em Ceuta. 

No romance do vencedores, não houve censura à aventura de Ceuta, do Rei D. João I, levando os seus três filhos primogénitos. Afinal, foi vitoriosa.
Mesmo terminando mal o episódio de Tanger, com a morte em cativeiro do Infante D. Fernando, a decisão do Infante D. Henrique, de trocar o seu lugar de prisioneiro com o seu irmão, não manchou a sua imagem. Para escusar de si a condenação fraterna, o irmão passou a mártir da fé, a Infante Santo. Afinal, Henrique estava do lado vencedor do romance histórico. 
Esse romance para os seus fins não olha a meios e esquece os princípios. 
Da mesma forma, Afonso V nas suas aventuras africanas, acompanhando-se nelas do único príncipe sucessor, D. João II, não vemos ninguém criticar o perigo de sucessão. Afonso V foi vencedor.
Com D. Manuel já foi diferente e ninguém viu o "César Manuel" em nenhuma batalha. Em seu nome teve Francisco de Almeida, Afonso de Albuquerque, etc. Igual atitude prudente tomou D. João III, que aliás perdeu algumas das praças marroquinas, como seja a emblemática Arzila.

Por isso, D. Sebastião, indo pessoalmente à Jornada de África, sem cuidar dos sucessores, estava a terminar a aventura africana de forma semelhante como D. João I tinha feito, e especialmente D. Afonso V. Não igualou o Infante D. Henrique na expedição a Tanger, que se salvou condenando o irmão. Poderá ter sido esse "espírito vitorioso", de troca de vencidos por vencedores, que determinou quem contou a história. Ficar mal contada... foi um detalhe que se resolveu depois, e fora disso ficaram-nos as Larachas (cidade), os Loucos (rio), e os Malucos (Mulei).

_________________________________________________

Cópia da carta original d'el Rey D. Sebastião 
a João de Mendonça sobre a Jornada de África.

João de Mendonça amigo.
Por cartas de D. Duarte de Menezes, meu capitão em Tanger soube como Muley Moluc tio do Xarife entrara em Fez e com 8 ou 9 mil turcos (que de Argel trouxera consigo por ordem e mandado turco), e com muitos mouros que com ele se juntaram, desbarataram o Xarife, o qual se retirara a Marrocos. E Muley Moluc fora pacificamente recebido por Rey e Senhor de Fez.
E por estas novas serem da qualidade e importância que vedes e podeis considerar, me pareceu fazer-vos-las logo a saber. Confiando de vós e de vossa prudência, fareis nelas aqueles discursos que convém, assim para o que eu devo acerca disto ao presente mandar fazer, como já me prevenir, e ordenar, para o que ao diante pode suceder. E que é razão e sigo que se cuide, e espere de inimigos tão vizinhos aos meus lugares, e tão poderosos e de tanta indústria, e experiência nas coisas de guerra, como são os Turcos, mormente considerando da vinda deles a Fez. Não é somente para dar a posse daquele Reino ao tio do Xarife, mas principalmente com o fundamento de o fazerem tributário e vassalo do Turco, e o Turco se fazer Senhor de toda África, e de todos os portos de mar dela, tendo em cada uma delas muitas galés que lhes será fácil de pôr em efeito. Assim, pela natureza da mesma terra, como por seu grande poder, que quando assim acontecesse, o que Deus não permita, visto é quantos males sem remédio 

poderiam recrescer a toda espanha, que da Cristandade se pode dizer que é hoje a melhor e maior parte, e com este intento queria que não somente cuidareis nesta matéria e a discorrereis para me nela dardes parecer e conselho no que farei e devo fazer, nas novas e acidentes presentes, mas ainda naquele que em tão propícia potência estarão de poder ao diante acontecer. E também quero que saibais o que agora ordenei de logo, que é mandar prosseguir a fortificação naqueles meus lugares, e provê-los de mantimentos e munições, e reforçar, e apressar minhas armadas, e aperceber gente em algumas comarcas do Reino.
Mas tudo isto não descansa, nem deve tirar, nem aliviar este cuidado, que obriga a começar a aperceber de logo para tudo o que pode suceder. E eu espero na misericórdia de Nº Srº, que receberemos dele, quando assim de nossa parte nos dispusermos, tamanhas e tão grande vitórias, que receba de nós os serviços, que lhe eu muito desejo fazer, não somente na defesa de sua fé, mas também da ampliação dela. E muito vos encomendo que me respondais logo a esta carta, e por certo tenho que será tal a resposta como de vós espero e confio, e do mais que suceder terei lembrança de vos avisar. 

Escrita em Setuval, a 24 de Abril de 1576
Rey

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59


Pela mão de Sebastião (2)

por desvela, em 23.08.15
Se Ceuta foi Seta, ou lança, de entrada em África, a Laracha foi "Tiro de saída".

Tendo visto a compilação dos manuscritos sobre D. Sebastião, que indiquei antes, prossigo com algumas transcrições interessantes, aí encontradas. Embora agora não sejam "Pela mão de Sebastião", seguem o espírito.

De diversos textos que fui escrevendo sobre D. Sebastião, o que me parece mais completo será o Peça por Peça, ainda que não se inclua aí larachas ou bulas de pretendentes, mas o caso do Maluco, depois escrito Moluco, está presente desde o início. E essa brincadeira de nomes já teve o seu preço.

Bom, e há sempre "coisas estranhas" a juntar ao rol.
Encontram-se duas relações da batalha, escritas quase uma em cima da outra, e de certa forma pretendendo a relação marginal ser um complemento à principal.

Interessa-me aqui a parte final do relato principal:
Neste tempo vendo El Rey que estava na vanguarda o seu campo desbaratado, se veio recolhendo pela banda do Duque de Aveiro, e o seguiu alguma gente de cavalo e a pé, cuidando que ia fazendo uma ponta para volver sobre os mouros, viu o campo já tão desbaratado que se retirou. Durou a batalha quatro horas sem se declarar a vitória.
relato que assim termina, apresentando-se apenas depois a disposição do exército de D. Sebastião:

Disposição do exército de D. Sebastião, na Batalha de Alcácer Quibir.
(nota: "SV mouros" - podem ser 5 mil ou 8 mil mouros)
A frente de batalha é para a direita, e a disposição é explicada no relato.
Nota: O relato não menciona as carruagens de religiosos, mas menciona os "bisonhos" que não seriam gente de combate. O desenho é feito por quem transcreve, e certamente a logística própria do tempo implicaria carruagens e religiosos... que certamente aumentariam a confusão. 
Tudescos é outro nome para alemães, e os Aventureiros eram soldados experimentados em batalhas no Oriente.

Ora, a questão é - por que razão o relato do "cativo" acaba assim:
"... a batalha terminou sem se declarar a vitória"?

O outro relato marginal também não fala de nenhuma "derrota" ou vitória alheia... e apenas termina com a notícia da morte do Maluco.

Transcrevo os documentos integralmente. É claro que dada a caligrafia e ortografia da época podem ocorrer algumas falhas, mas não me parece que sejam muitas, ou muito significativas. É claro que isto não deveria ser feito por mim, mas à falta de outros... é quem fica para o fazer.

Dificilmente se encontrará melhor relato "imparcial" do que sucedeu... do que não sucedeu, isso temos variados ou avariados, uns mais pintados que outros.
É claro que o relato não explica o que se passou depois da batalha terminar sem vitória para nenhum lado. Nem explica como o "cativo que fala" ficou afinal cativo... ou como tanta gente ficou cativa, e depois regressou, pagando bom preço pelo seu retorno. Explica os mortos, mas não os vivos.

Percebe-se sim que Maluco esperava o confronto num ponto estratégico, na travessia do Rio Loucos que iria dar à Laracha. Pior, nota-se que os portugueses ignoravam o poder de artilharia de Maluco, e que sendo isso normalmente o factor decisivo para a vitória das tropas europeias, foi ali invertido. Maluco tinha o apoio directo dos Turcos, e essa foi a única razão para intervenção de D. Sebastião em África.
Trarei outra carta que explica isso "pela sua mão".
Quis assim parar a ameaça de invasão turca que avançara já por Argel, Tunis e Tripoli, faltando só apoderar-se dos reinos de Marrocos, e consequentemente das lanças nacionais em África, terminando em Ceuta.
Daí prosseguiria o Grão Turco com a ameaça de invasão ibérica, reeditando a invasão de 711. Para isso contava com todos os Andaluzes desterrados em África, prontos para regressar e refazer o reino ibérico de Granada dos seus avós, perdido então há menos de cem anos.
Portanto, toda a intervenção de D. Sebastião naquele momento tem um nexo, tem o nexo de querer evitar que hoje falássemos árabe. Tanto mais que, se Marrocos acabou por não sofrer invasão turca, o deveu muito à Batalha de Alcácer Quibir. Do outro lado da Europa, os turcos já tinham cercado Viena, e portanto estes eram os dois focos de pressão na expansão turca em direcção à Europa... conforme se pode ver pelo mapa:

Entender que o projecto de D. Sebastião era "maluco", foi pintura posterior, porque não havia apenas o acordo nacional aprovado em Cortes, havia o apoio de tropas germânicas, que sentiam a ameaça turca, a descoberto pelo lado de Viena. Quanto aos espanhóis e italianos, comparativamente menos, tinham o mesmo problema. A vitória de Lepanto só "aparara a barba ao Paxá"...
A única coisa de estranhar seria mesmo a falta de empenho de Filipe II, talvez lembrado pelo pai Carlos V, que em Tunis tinha apanhado com tiros de canhão franceses pelo lado turco.

Há um número de "80 mil cavaleiros" que me parece claro exagero ou simples erro de transcrição, mas é claro que a expedição em terreno hostil tinha tudo para correr mal, não fosse a experiência portuguesa nas praças marroquinas. Por isso a escolha de D. Duarte de Menezes, de Tanger, para liderar o campo... mas conforme é descrito, o campo esteve tão desorganizado que de "Mestre de Campo" só teria o nome. Esse mesmo sobreviveria à batalha e seria depois Vice-Rei da Índia, nomeado por Filipe II.

Segue o texto...
____________________________________________________________________

Relação da Batalha de Alcácer 
que mandou um cativo ao Dr. Paulo Afonso


Relação da Batalha de Alcácer que mandou um cativo ao Dr. Paulo Afonso.
E em nota marginal "Relação de Simão da Cunha" (pdf - pág. 144)
Novas da guerra, nem de nossas desventuras não tenho por que me "entremeter" nisso, porque creio que V. aí terá lá sabido melhor todos os sucessos de cá. O que direi só é que a gente de infantaria que El Rey trazia seriam até 16 mil, destes seriam até 10 mil piqueiros pelos quais se pode dizer que morreram mártires, dos 6 mil arcabunzeiros, os 3 mil eram bisonhos, só assim 3 mil arcabunzeiros souberam pelejar. Da gente a cavalo seriam até 1600, dos quais poderiam ficar limpos para pelejar até 900.

Esta gente de cavalo repartiu El Rey segunda-feira que foi a 4 de Agosto, que foi o dia da batalha, de 78. Ao Duque de Aveiro deu 300 de cavalo, e lhe deu a mão direita da batalha, El Rey se pôs da esquerda, por ficar encontrado com o inimigo, que vinha da parte direita. Deu a D. Duarte de Menezes, que trazia nome de Mestre do Campo, os cavaleiros de Tanger, que seriam 300, e o mandou à mão direita na dianteira do Duque de Aveiro. 
O Xarife [aliado] se pôs com obra de 250 lanças suas, muito boa gente, à mão direita do Duque de Aveiro, afastado dos Nossos, e chegado aos inimigos com obra de 200 arcabunzeiros, gente de guerra, porque pelejaram muito valorosamente.
Os Aventureiros, que seriam 2300, deu a Cristovão de Távora, que ia ora vanguarda, por lhe parecer com boas disposições, e armas lustrosas bastavam ao inimigo. Da mão direita estavam os Tudescos, da esquerda os espanhóis e italianos. A nossa artilharia plantaram diante no meio da Vanguarda, diante dos arcabunzeiros. Detrás dos espanhóis puseram no corpo da batalha o Terço de 

Vasco da Silveira, da mão direita, da mão esquerda o de Lopo de Sequeira, e na retaguarda da mão direita estava o Terço de Francisco de Távora, e na esquerda o de Miguel de Noronha. Na boca desta retaguarda estavam dois esquadrões de mosqueteiros para não nos entrar o inimigo. Tinhamos por uma parte e outra as Carretas, e quatro ou cinco arcabunzeiros em cada uma.
Ao domingo nos alojámos meia légua donde demos a batalha, tivemos este dia escaramuça com os Mouros, e se no domingo não pegaram connosco para dar batalha, foi porque nos tinham certos, e sabiam que à segunda-feira, havíamos de ir buscar o passo que era o Rio, que estava perto de Alcácer, onde estava o Maluco com sua artilharia de campo prantada e todo entrincheirado, ali tinha toda a força da batalha, e como sabia que forçado havíamos de demandar este passo, trincheirou-se e fortificou-se devagar. O irmão que agora é Rei, nos correu domingo com 8 ou 10 mil lanças, dos quais à segunda-feira se passaram da nossa parte 500, que nos depois foram todos traidores.
À segunda-feira pela manhã abalamos o campo nesta ordem sem parecer que podíamos pelejar, e sobretudo mortos de fome e haver 5 dias que se não bebia vinho, e afirmo a V. aí que ao Domingo ficou o nosso arraial triste, porque vimos muita forma de Mouros que nos rodeavam de todas as partes.
Segunda-feira pela manhã começámos a marchar todos nesta ordem, mas como digo todos enfadados e tristes, porque sabíamos de certeza que estava ali o Maluco com grossa gente para nos dar batalha, que assim afirmo então a V. aí que tão bisonho estava o nosso campo que não sabíamos parte do Maluco nem da batalha. Na segunda-feira às 7 horas se abalou o campo e começámos de marchar.
Neste tempo soube El Rey que estava o Maluco dali meia légua no passo por onde havíamos de passar. Dizem que lhe mandou um recado, e que ele lhe mandara dizer que ali o estava esperando onde o fomos buscar, e antes que chegássemos a tiro de bombarda, ficámos todos cercados de Mouros, e assim fomos marchando até chegar ao Maluco, tanto espaço como do Corpo Santo até à Cruz de Cata que farás, donde o Maluco começou a disparar sua artilharia que era muita, e muito mais esforçada que a nossa que nos fez pouco uso porque a mais dela foi por alto, e nós passamos


Em nota marginal - "Oito ou nove mil Andaluzes vendo 
como a coisa ia em favor nosso, estiveram quase 
determinados para se lançarem da nossa parte."
e começou a jogar à nossa, donde um pelouro dos nossos lhe deu na sua pólvora, e lha queimou toda, e logo serraram dos Mouros connosco 80 mil de cavalo, e 6 mil de pé em que os mais eram Elches e Andaluzes, segundo os Mouros dizem, afora a gente de pé que não tem conta.
E começando agora bateria sua, e nossa, aí pelouro dos nossos na prenunciada deu no Maluco que vinha dentro em um coche e o matou, de que os Mouros ficaram amedrontados, e se retiraram ali. Tanto mais dizem que no mesmo coche trazia dois arrenegados consigo que o fizeram sempre vivo para animar os seus, deitando-lhe muito dinheiro em nome do Maluco, e os Mouros posto que não desapegaram da batalha de todo, tornaram a pegar de novo mais rijo.

Neste tempo correram os Tudescos com o seu Terço e chegaram junto da artilharia dos Mouros, donde foram logo cercados deles por não marchar toda a infantaria, que se o fizeram ganhávamos toda a artilharia, e sem dúvida os desbaratávamos. Mas como se os Tudescos se viram sós, e com o seu Coronel e Capitão mortos ficaram logo perdidos, por não haver quem os socorresse. Porque os Aventureiros, que com eles estavam juntos não os socorreram, por não terem arcanbuzeria nenhuma, senão só duas companhias de escopeteiros de Tanger que todos valorosamente pelejaram, até os matarem a todos, e aos Aventureiros, que morreram mártires pelos não deixarem marchar como queriam. Os Mouros tanto que viram a desordem cortaram o terço dos Tudescos, e Aventureiros, e foram nos ganhar nossa artilharia que não tirou mais que a primeira vez.
Neste tempo estando a batalha indeterminada de ambas as partes, desbarataram-nos muita gente de cavalo. Deu El Rey pela sua parte Santiago de quatro ou cinco mil de cavalo, onde pelejou muito valorosamente, mas mais cavaleiro do que capitão. E o Duque de Aveiro por outra parte, com D. Duarte de Menezes que ia na dianteira dele, com a gente de Tanger, deu nos Mouros onde os puseram em fugida, e a gente de Tanger chegou à artilharia do Maluco, e lhe tomaram uma bandeira de cima da artilharia, e como a nossa cavalaria era pouca, a cortaram logo, pelo que conveio retirar-se ao nosso esquadrão, mas com muita gente perdida, que com a escopetaria matavam, e fazendo só três voltas com os Mouros (de que lhe matámos 

muita gente) não se pôde mais sortir a nossa cavalaria por ser tão pouca, e se meteu no esquadrão, que estavam já neste tempo desbaratados, e a artilharia perdida. O Xarife com a sua gente pelejou muito valorosamente, mas como éramos todos poucos, não nos pudemos sustentar.

Neste tempo vendo El Rey que estava na vanguarda o seu campo desbaratado, se veio recolhendo pela banda do Duque de Aveiro, e o seguiu alguma gente de cavalo e a pé, cuidando que ia fazendo uma ponta para volver sobre os mouros, viu o campo já tão desbaratado que se retirou. Durou a batalha quatro horas sem se declarar a vitória.



















O outro relato "por relação de Simão da Cunha", escrito na margem, diz assim:
Havendo el Rey passado o rio e todo o exército, veio ter com ele D. Duarte de Menezes e lhe disse que todo o exército havia passado o rio, pelo que mandasse Sua Alteza o que se havia de fazer. Peguntou-lhe El Rey o que lhe parecia, disse-lhe D. Duarte que o seu parecer e de todos e dos Elches (um dos quais era o Alcaide Raposo) era que caminhasse Sua Alteza ao longo do rio para Larache. Mandou El Rey chamar o Raposo e os outros seus companheiros, que lhe disseram o mesmo. E que fazendo assim, Sua Alteza ganharia a mais preciosa vitória sem sangue que se podia desejar, porque o Maluco estava morrendo e não escaparia daquele ou do outro dia. E estando El Rey quasi determinado a seguir este conselho, chegou a ele Fernão da Silva, o clérigo, armado, e do que lhe disse que ninguém ouviu (estando Simão da Cunha que ia no esquadrão dos aventureiros presente), voltou El Rey para D. Duarte e lhe disse que marchasse o campo adiante assim como ia, contra o do Maluco, o qual se o esperasse lhe daria batalha, e se fugisse que fosse com todos os diabos. 
Quando os nossos ouviram a artilharia dos inimigos e o estrago que neles fazia ficaram maravilhados e cretados do medo, porque a quasi todos parecia que os mouros não haviam artilharia; tão pouca notícia havia de tudo, sendo tão necessária. 
Quando o esquadrão de aventureiros arremeteu, e chegou à artilharia dos inimigos, e os mouros se retiraram, andava o Maluco [Mulei Moluco] a cavalo e vendo ou entendendo que os seus fugiam, levou do Alfange para os deter, e com a cólera e enfermidade não acabou de arrancar o alfange e caiu do cavalo. Meteram-no logo nas andas e logo expirou.
______________________________________

Conforme disse, esta história por este lado dos manuscritos acaba assim, sem final para D. Sebastião. Quem quiser pode agora contentar-se ou não com um final habitual que nos é conhecido:
"Depois de quatro horas de luta, terminara a batalha. Apenas D. Sebastião e um pequeno grupo de fidalgos seguiam combatendo. Nem a bandeira, nem o guião real, chamavam já a atenção dos mouros sobre o monarca ; e talvez a esta circunstância devesse não ter sido ainda morto. Mas era um fim previsto. Cristóvão de Távora suplica-lhe que se renda. D. João de Portugal acrescenta : "Que pode haver aqui que fazer, senão morrermos todos?" Respondeu D. Sebastião: "Morrer, sim, mas devagar". D. Nuno Mascarenhas chegou a arvorar um lenço, na ponta da lança ou da espada. D. Sebastião, porém, não se rendeu; e travando-se combate, foram mortos o conde de Vimioso, Cristóvão de Távora e alguns fronteiros de Tânger. Os restantes ficaram prisioneiros. Mais adiante, foi o soberano português cercado dum grupo de alarves que o mataram, com profundos golpes na cabeça e algumas arcabuzadas no tronco."   
(daqui) 
Pela minha parte, aqui leio outra coisa.
Leio que D. Sebastião "viu o campo já tão desbaratado que se retirou". E leio não apenas que "depois de quatro horas de luta terminara a batalha", leio que "terminou sem se declarar a vitória".
Por isso, parece-me que havia condições de se ter feito uma "retirada estratégica". 
Se é possível acreditar que isso não fizesse o estilo de D. Sebastião, "mais cavaleiro que capitão", a rendição de D. Duarte de Menezes foi mais de capitão do que de cavaleiro. Porque em que paragens andaria a honra do Mestre de Campo que se rendeu, se o rei não o fez?
Certo é que as inconsistências do relato final levaram ao mito sebastianista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59


Pela mão de Sebastião

por desvela, em 21.08.15
Hoje é Embaixada de França o que antes foi o Palácio de Santos.
Para mostrar como o edifício foi querido de D. Sebastião, temos esta descrição na página da Embaixada:
D. Sebastião (rei de 1557 a 1578), sucessor de D. João III, considera, pelo contrário, o Palácio de Santos como uma das suas residências preferidas. Em 1576, o monarca escapou a uma violenta explosão dos armazéns de pólvora que se situavam nas margens do Tejo, do lado da actual Rua das Janelas Verdes. O sinistro danificou muitíssimo o Palácio. Em 1577, o Palácio de Santos é o teatro de uma cena histórica: o rei recebe a notificação do seu ministro contra a campanha, na África do Norte, que ele estava a preparar. A 25 de Junho de 1578, o rei D. Sebastião parte de Lisboa para Marrocos. Na véspera, assiste à Missa na Igreja de Santos-o-Velho e diz-se ter tomado a sua última refeição no Palácio, na mesa de mármore que se encontra no actual jardim. Esta cruzada contra os Mouros termina com a catástrofe de Alcácer Quibir (4 de Agosto) onde morre uma grande parte da nobreza portuguesa próxima do rei (um filho, Afonso, e dois netos de Jorge de Lancastre são mortos; um outro neto, Luís, é feito prisioneiro).
Depois desta perda, os Lancastre instalaram-se novamente no Palácio de Santos que se encontrava num estado lastimável, devido à explosão dos armazéns de pólvora e da sua ocupação pelo exército de Filipe I que veio, em 1580, afirmar as pretensões do seu monarca ao trono português, depois de extinta a dinastia de Aviz. Luís de Lancastre (1540-1613), regressado de Marrocos, depois de ter sido pago um grande resgate, compra o Palácio às Comendadeiras, mas esta aquisição foi contestada pelo poder real. Só em 1629, o seu filho, Francisco Luís (1580-1667), consegue finalmente comprar o Palácio definitivamente às Comendadeiras com a autorização real. O Palácio fica na posse dos Lancastre até 1909.
É sobre o episódio da Explosão dos Armazéns de Pólvora, que destaquei, que encontrei esta transcrição.numa compilação de manuscritos constante na Biblioteca Nacional

Documentos de várias tipologias, relativos à história portuguesa, 
sobretudo do reinado de D. Sebastião
 (pag.121-123)

___________________________________________________________________

Del Rey D. Sebastião de mão própria 
ao Magnífico Embaixador D. Juan da Silva

Magnífico Embaixador,
havendo-vos escrito por Miguel de Moura, me pareceu toda via por mim escrevermos o que mais oferece para o dizerdes ao Senhor Rey meu tio e ao Duque de Alva, e ao Prior Dom António, e se discorrer ponderar, e entender o que Deus mostrou, e o como aprovou quão servido foi destas Vistas e do que delas deve proceder e resultar com permitir e ordenar que sucedesse o efeito da Pólvora, que foi tanta como na carta que escrevo a D. Cristovão de Moura, e tão grande a ruína e perigosa, como desta entendereis. Nestas casas caíram muitas pedras e com tanta força que quebraram as pedras das paredes e os tijolos em que deram, que ainda fizeram algum dano em quem não fora pedra, na casa do conselho morreram sem falta todos os que nela estivessem e pelas horas em que foi, se eu aqui me achara alguns morreram que fora

grande perda, podendo ser isto a outras, que os que nela alcançava não fora tão grande perda. Nesta casa em que estou entraram algumas pedras com mais força da com que o Alferes Mor monteia, e da com que D. Diogo de Cordova esperava os Porcos de Portugal com os seus venablos. Porque nas paredes em que deram desfizeram a Cal, e quebraram as pedras delas, e uma deu com esta força onde eu aquelas horas costumo estar assentado, e onde estou encostado à parede, e finalmente de onde me fica a cabeça. Lembra-me que quando me tivestes, e D. Cristovão nesta casa, que o Imperador era falecido, e que visse o que escreveríeis no das Vistas, vos respondi que entendia se nelas houvesse dilação segundo as coisas que sempre corriam, e se ofereciam, se não efectuariam. O que se viu ser assim, pois se não partira quando parti, suposto o sucesso da Pólvora, e o efeito das Pedras, e a que me alcançava na cabeça com a força que se viu trazia, pelo que na parede e pedras dela fez, eu não pudera partir. De onde se pode bem inferir que por uns dias de dilação não foram estas Vistas e se perdera a grande importância delas. Em que se vê permitir Nosso Senhor que fosse este acontecimento uns dias depois que parti, e não permitir que acontecesse muito depois, nem algum antes, porque sendo dias depois, parecia sem mistério e sem interpretação; sendo antes, parecera não permitir tal sucesso.

Sendo no dia em que foi, mostrou o que em tudo por tão diferentes modos, e densas demonstrações quer que se entenda e se veja por se sentir e recear, e que ou a razão convença e obrigue, ou o receio mova e persuada declarando Deus e tão claramente mostrado que não somente se perdem as coisas por se passarem as conjunções delas, mas se perdem por um dia de Dilação nas boas ocasiões para elas. E que além de se ver quanto se perde nisto nas coisas que convém, mostra Deus com castigo quando se ofende visto por o muito que o contrário modo a seu serviço convém e importa. Finalmente experiencia razão, e a escritura, provam esta conclusão, lendo-se em um Salmo tempus faciendi Domino dissipaverunt legem tuam ideo mandata tua dilexi super aurum, donde se tempo de haver fazer destruir a Lei de Deus, que fará por não fazer o tempo de não fazer, e muitas vezes dizem as coisas de si o que dizia Job por si (si mane me quaesieris, non subsistam) e parece-me que a quem as coisas isto puderem dizer, poderá de si dizer as mesmas coisas (si nunc me quaesieris tam non subsisto). Tenho-me alargado tanto que ia posto mais dizer, que não sei. O que digo que cuidar que sei ia o que escrevo, referi ao Senhor Rei meu tio a 

história desde o acontecimento com interpretação .
Ao Duque d'Alva lede esta carta e ao Prior D. António e lede-a com D. Cristovão e avisai-me como leu o Duque a minha carta, e se viu o que sobre ele e o Prior escrevi ao Senhor Rei meu tio


Diz que quer vir agora cá, um homem que está em Évora vestido de vermelho a falar em coisas que lhe importam, e não advirte que sendo vista, queixa geralmente dizer o homem que o não ouviram, quanto maior deve ele ter de si e de quem o ouvir, podendo dizer com o mesmo encarecimento, que o ouviram.

Dizei a D. Diogo de Cordova que os porcos de Salvaterra e de Almeirim o desafiam, e o esperam para entrar com ele em mato e não em campo e que eu serei seu padrinho no mato e no campo;
Escrevei-me de como fica o Duque de Alva, e se achou estes dias, dizei-lhe que espera cedo pelo homem que me escreveu me mandaria, e pelas mais coisas que com ele haviam de vir, e que neste intento e para este efeito se procede cá nas coisas, e que das que se oferecem de novo o avisarei, e assim tenho por mui certo se procederá lá em tudo.

de Lisboa 26 de Janeiro de 1577
Rey
___________________________________________________________________

Portanto, esta explosão dos Armazéns da Pólvora não foi vista como um mero acidente por D. Sebastião, e noutros documentos podemos ver como o Embaixador de Espanha se queixa de que ele, por mais explicações que lhe sejam dadas por si ou pelo Rei de Espanha, não acredita em nenhuma.

D. Sebastião é irónico, e aproveita a questão dos "porcos" para desafiar directamente D. Diogo de Cordova, e o Duque de Alba. Inclui ainda na "lista", Cristovão de Moura, e também o Prior do Crato.
Portanto, de certa forma esta carta mostra que D. Sebastião não estava completamente desavisado de eventuais vontades externas contra a sua vida, e facilmente apontava isso a Filipe II de Espanha, seu tio, ou aos seus associados mais directos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:58


Santelmo

por desvela, em 04.08.13
Por mero acaso, hoje, que se comemoram 435 anos sobre a batalha de que deixou Portugal suspenso, encontrei este vídeo, da TvL Odivelas, sobre o Elmo de D. Sebastião, numa entrevista a Rainer Daehnhardt:

Perspectivas : O Elmo de Dom Sebastião- Rainer Daehnhardt

O elmo de D. Sebastião, segundo R. Daehnhardt.
Programa Perspectivas da TvL.

falei muitas vezes sobre D. Sebastião, e não terei muito mais a acrescentar. 
Já conhecia esta história do Elmo, apresentado há dois anos, numa fugaz participação que tive no facebook, mas não conhecia o vídeo, que é posterior, e onde Daehnhardt detalha as suas conclusões sobre o elmo.
Em particular, depois de explicar as razões que levam à suspeita que foi um dos elmos usado em batalha, dirige as suas conclusões para a violência dos impactos sobre o elmo. Talvez a parte mais interessante é a sua conclusão de que o portador do elmo estaria vivo, e teria rechaçado os inimigos (em número que aponta até mais de 70)... nessa altura, ao abrir a viseira seria atingido por um lança granadas, a curta distância, que teria levado à morte... do rei?
- Rainer Daehnhardt admite a hipótese de ser já um escudeiro a lutar com a armadura do rei. De qualquer forma, o disparo de granada visaria a morte do rei, e sairia por traição, de entre as tropas nacionais.
A outra hipótese leva à diversa especulação de que o rei não teria morrido, nomeadamente à hipótese do Prisioneiro de Veneza...

A expansão otomana complicara o equilíbrio de forças no Mediterrâneo, e após a perda da Ilha de Rodes em 1520, a Ordem dos Hospitalários de S. João fica sem terras, e vai receber a oferta Carlos V sobre as Ilhas de Malta e Gozo, bem como a cidade de Tripoli (em poder espanhol desde 1510).
Em troca, a Ordem, agora chamada Ordem de Malta, entregaria simbolicamente um falcão anualmente... o chamado Falcão Maltês (tributo que esteve na origem do filme Maltese Falcon), o que fez até à intervenção militar de Bonaparte em 1798. Com essa intervenção e a inglesa, os domínios da Ordem de Malta reduziram-se desde então a uma propriedade em Roma...

Esta Ordem militar hospitalária que construíra o Crac dos Cavaleiros, recebera o espólio dos Templários aquando da sua supressão e condenação francesa, acabou mais dedicada ao corso, devido à perda dos territórios na Terra Santa.
O seu renascer como Ordem Malta associava-se ao grande êxito militar quando o grão-mestre La Valette, do Forte de Santo Elmo, consegue segurar o Cerco de Malta, feito pelos otomanos, em 1565.
La Valeta e o Forte de Santo Elmo
(onde La Valette segurou a invasão otomana em 1565).

Nessa altura, o sucesso cristão na Batalha de Lepanto teria como contraponto a perda de Chipre, e a perda definitiva de Tunis em 1576, colocava um acentuado domínio otomano sobre o Mediterrâneo.
É assim simbólico que Filipe II decline o apoio ao sobrinho, mas ofereça a D. Sebastião o Elmo de Carlos V, que ele levara na conquista de Tunis... onde o galeão Botafogo teria servido como peça fundamental.

Não é o Elmo de Carlos V o que é exposto por Daehnhardt, que fala na utilização de 3 diferentes armaduras por D. Sebastião em batalha. O elmo em causa aparenta uma resistência superior, capaz de resistir às armas convencionais, mas não a uma granada europeia disparada a curta distância.

Santo Elmo aparece como designação alternativa para São Erasmo de Fórmia, padroeiro de navegantes, parecendo algo forçada a redução do nome Erasmo para Elmo... ou Telmo (sendo ainda associado a um frade dominicano Pedro Gonzalez).

O Fogo de Santo Elmo, estranho fenómeno em tempestades, era descrito pelos marinheiros portugueses como "fogo de corpo santo". Tal fenómeno é descrito no Canto V (17-18) dos Lusíadas:

Os casos vi, que os rudos marinheiros, 
Que têm por mestra a longa experiência, 
Contam por certos sempre e verdadeiros, 
Julgando as cousas só pola aparência, 
E que os que têm juízos mais inteiros, 
Que só por puro engenho e por ciência 
Vêm do mundo os segredos escondidos, 
Julgam por falsos ou mal entendidos. 

Vi, claramente visto, o lume vivo 
Que a marítima gente tem por santo, 
Em tempo de tormenta e vento esquivo, 
De tempestade escura e triste pranto. 
Não menos foi a todos excessivo 
Milagre, e cousa, certo, de alto espanto, 
Ver as nuvens, do mar com largo cano, 
Sorver as altas águas do Oceano. 


 
Ilustração do fogo de santelmo, e ilustração do Séc. XVI de Santo Elmo 

Camões não nomeia o "fogo de santelmo", apenas disserta sobre a incredulidade dos sábios face às descrições dos "rudes marinheiros". Dado o aspecto de fuzis que disparavam cargas eléctricas partindo dos mastros dos veleiros, a então nova capacidade dos elmos resistirem a esses disparos, conforme explica Daehnhardt, justificaria a invocação da mesma protecção simbólica para os navegantes.
Acresce que o nome Santelmo vai aparecer na mitologia Filipina... nas ilhas de Filipe II, em disputa com D. Sebastião. Aparece aí como uma monstruosidade capaz de emitir bolas de fogo... e não necessariamente granadas convencionais.

A principal curiosidade é que este tipo de elmo e armadura eficaz contra projécteis teria o seu fim exactamente nesta época. O elmo completo de D. Sebastião talvez tenha sido dos últimos usados em batalha... a partir dessa data, usar-se-ia apenas um capacete, em tropas especializadas, como couraceiros ou dragões. Apesar da aparente infalibilidade protectora, o aumento de poder de fogo, e especialmente o "pragmatismo", acabariam por condenar a capacidade de salvação do Elmo.
Os reis e generais ficariam habitualmente fora da primeira linha dos cenários de guerra. A reposição do material humano, carne para canhão, seria afinal mais económica do que financiar um equipamento pesado, protector da soldadesca...

É ainda interessante Daehnhardt referir como foram tratados os restos das cotas de malhas de ferro... no Séc. XIX o liberalismo cuidou de reduzir essa memória à dilaceração para esfregões de panelas! Vêem-se mesmo alguns tachos que usavam partes de armaduras.
Mais do que reciclagem de material... a ideia seria sempre a reciclagem da memória!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58


Fernão de Oliveira

por desvela, em 08.06.13
A primeira gramática portuguesa impressa, conhecida, é a "Grammatica da lingoagem portuguesa", de 1536, de Fernão de Oliveira, que obteve o merecido destaque na página da Biblioteca Nacional:
Começa assim:
"Esta he a primeyra anotação que Fernão doliveira fez da lingua Portuguesa. Dirigida ao mui manífico senhour nobre fidalgo o senhor dom fernando Dalmada."

Esta "anotação" tem menos de 80 páginas, mas terá matéria para muita conversa.
Em primeiro lugar, só queremos realçar que apesar das regras de escrita serem algo diferentes, não prejudicam a fonética. Talvez seja mais complicado identificar os caracteres góticos do que perceber as palavras pela sua sonoridade. "Magnífico" realça-se que foi escrito sem ler o "g", apenas como "Manífico"... assim como encontrámos, noutras obras, "manho" em vez de "magno", ou seja, é-nos dito que pode haver uma leitura de "magnas" nas "manhas". 

A escrita influenciou a fonética, assim como a fonética influenciou a escrita.
Nunca tivemos uma escrita igual à fonética, e ainda assim podemos constatar que, sem grande esforço, poderíamos entender o que dizia um português do Séc. XVI. Ou seja, ao longo das últimas 20 gerações, os pais ensinaram os filhos a falar de forma semelhante à sua... e pasme-se! - não começaram a falar diferente.
É claro que há artistas que nos gostam de convencer que a "língua evolui"... 
Claro que sim, especialmente à pancada, por imposição do poder às populações... ou então, mais subtilmente, por "modas" dos infernos, do Hades:
- ui, ui, veja-se só aquele pacóvio diz "hádes" em vez de "hás-de"!
- "hádem" esquecer-se!... 
E é claro, já todos se esqueceram de Ádem, da presença portuguesa naquela meia cratera de vulcão extinto. Na página da wikipedia a única menção à presença portuguesa em Ádem está neste quadro
... porque os barcos que a protegem têm no seu pavilhão a bandeira das quinas!

Faço esta pequena introdução, porque há artistas que vão a compasso de foice, esquadrilhando e martelando tudo com o seu escopro de pedreiro, e já tentaram demasiadas vezes perturbar a nossa língua. Enfiaram-lhe e tiraram-lhe vogais ou consoantes, consoante lhes convinha à vinha, que alimenta a embriaguez demente, da mente. Não é difícil suspeitar que até na ajuda de agentes psicotrópicos, estas gentes procuram ver o além, mas assim só "hádem" ver o aquém que transportam consigo, o "hádes".

Adiante, há ainda quem lute contra a imposição de maior caos linguístico... ainda bem! 
Porque, a pretexto de imitar a fonética, aparecem neste "novo acordo ortográfico" autênticos atentados que não servem nenhuma uniformização, apenas servem maior confusão fonética. 
Querem a "adoção" em vez da "adopção", mas só a nossa Pública Ré, dita República, que visa o ideal de ter uma Rês Pública, pronta para abate, foi na "Adoção". Adoçam agora a língua dos outros lusófonos no "adotar" das suas "adoções", por mais contra-natura que sejam.

O que sentirá um grego que olha para um texto que pode ler bem, e que terá mais de 2 mil anos?
Sentirá que ao longo de 100 gerações, de pais para filhos, a perturbação que houve pelo domínio estrangeiro das suas terras não fez com que os pais abdicassem da herança que lhes foi legada, mesmo que umas palavras tivessem caído fora de moda, e outras as tivessem substituído.

O romano já não poderá dizer o mesmo... onde estão os romanos que falavam latim?
Qual foi a geração de romanos que decidiu ensinar aos filhos uma língua diferente daquela que os pais lhe tinham ensinado? Que godos chegaram a Roma e obrigaram o povo a falar "italiano", ao mesmo tempo que obrigariam a que as missas fossem recitadas em latim?
O que era afinal o latim? 
Talvez pouco mais que uma construção erudita baseada nas línguas latinas, ensinada aos patrícios, mas que não seria a língua popular. Uma espécie de "esperanto", que tem sofrido o mesmo destino... sem base de tradição popular as línguas, por mais científicas e simples que sejam, não se enraízam nas populações.

Assim, a menos que houvesse um castigo por falar a língua nativa, o natural seria as línguas manterem-se sem grandes alterações ao longo de inúmeras gerações. Porque o natural é ensinar a mesma língua que se fala na comunidade, e a evolução pouco mais será que umas palavras que entram na moda e outras que saem.
É pois natural que seja possível ler textos com 500 anos sem nenhum estudo, e sem nenhuma dificuldade especial. Ora, nestes últimos 500 anos, de grande mudança, de grande contacto entre civilizações, em que muitas palavras entraram e saíram, as mudanças linguísticas foram pequenas. O que dizer dos 500 anos anteriores? Tudo depende do tipo de comunidade e das influências que sofreu. Comunidades rurais, mais isoladas, é natural que tenham mantido mais naturalmente a sua língua primitiva, mas também podem ter sido aliciadas pelas "modas" ou imposições citadinas, numa vontade de não serem discriminadas por serem diferentes. Isso nota-se nos imigrantes, que abandonam o cuidado de passar aos filhos a língua de origem, preferindo que eles se adaptem à língua dominante, na ausência duma comunidade. Porém, quando essa comunidade existe, e não estão isolados, a língua materna vai passando.
O caso dos bascos é paradigmático... a sua língua não é nenhuma variação de vizinhança, é uma passagem de uma língua original, ao longo de muitas gerações, favorecida pelo espírito comunitário, apesar das potências vizinhas que os influenciavam e os controlaram politicamente. Nem terão sido permeáveis a nenhuma influência de línguas latinas, mesmo durante o período romano, onde já era notado que aquela população teria uma língua completamente diferente das restantes.

Talvez a maior mudança linguística se tenha dado exactamente com a difusão da imprensa, porque a palavra escrita passou a marcar o compasso fonético. Haveria menos variações entre regiões, menos dialectos, e a inclusão de uma ou outra consoante, a mudança do seu valor fonético, poderiam alterar a pronúncia, como se veio a verificar.

Fernão de Oliveira dizia que só usávamos as cinco vogais latinas, mas que poderiam distinguir-se muitos sons para a mesma vogal. E, é claro que não usámos a tradição de acentuar tudo, muito ficou implícito.
Olhamos para "sem" e o valor de "e" passa a um breve "" pois lemos "saín". Alguma acentuação fazia-se com as consoantes "mudas", e por isso "detecta" podia ser escrito "detéta", mas escrever "deteta" retira esse valor fonético, e haverá uma tendência futura a ler-se "detêta". 
A escrita foi usada para replicar a fonética, mas depois foi modificada para a deturpar.

"GAIVS IVLIVS CAESAR", é habitual passar o "I" de "Iulius" para "Julius", mas ninguém ousa escrever "Gajus", e escreve antes "Caius". Além disso, o "Caesar" foi usado pelos alemães em "Kaiser", ou pelos russos em "Czar", passou nas línguas latinas a "César", modificando por completo a fonética com raiz no mesmo nome... devido à regra imposta que o "e" e "i" fariam o "c" ler-se como "s".
Há inúmeros exemplos destes, e houve claramente um propósito de confusão, porque tratando-se de traduções de termos eruditos, vindos do latim e grego, não estavam presos à tradição popular. 
A letra "G", pela confusão de no alfabeto grego o "gama" aparecer como terceira letra, serviu também como "C", e vice-versa.

Só depois de escrever isto, se pode entender algumas coisas que Fernão de Oliveira irá dizer.
A propósito do nome Portugal critica Duarte Galvão, que remetia a origem de Portocale ao Porto de Gaia (seria mais à romana Cale, que seria mesmo o Porto). Ou seja, criticava a associação que é ainda hoje tida como boa. Reclamava pois que a origem vinha dos povos, da mistura entre Turdulos e Galos:
Turdulos + Galos = Turdugal daria por corrupção, Portugal
... enfim, já vi pior, eu até já usei a fonética Por Tubal para escrever um texto... por isso nada há a censurar, é mais uma hipótese com algum sentido. 
Fernão de Oliveira fala também do nome Lisboa que diz vir de "Libisona", por referência a Hércules Líbico - o herói mítico teria escolhido morrer na Ibéria. Na mesma linha mítica, fala de Luso, dizendo que não foi grego, teria nascido aqui, filho de Sicileo (ele escreve Ciçeleu que, está-se a ver... nessa mitologia aparecia ligado à Sicília). Curiosamente associa o nome Dionísio a Dinis - ligação que nunca me ocorrera, mas que também tem todo o sentido.


Nota-se a referência aos reis míticos, pela moda resultante de Anio de Viterbo, que transcreveu uma obra de Beroso. Porém, essa transcrição foi alvo de acusações de falsificação. No entanto, até ao Iluminismo, as acusações de falsificação não vingavam, e essa mitologia durou vários séculos... basicamente de 1500 até 1800. Muito se escreveu com essa base "Viterbense", apoiada pelos sectores católicos. 
O Iluminismo acabaria por fazer uma selecção interessante - alguns mitos pagãos sobreviveram como lendas, mas os registos que acrescentavam descendências a Noé, e assim iam além da Bíblia, esses foram proscritos, e nem sequer como lendas passaram para o Séc. XX. Não seria uma questão científica, era uma questão de inviolabilidade e exclusividade do antigo testamento, muito cara aos protestantes... e aos judeus.

Porém, Fernão de Oliveira vai bem mais longe. Argumenta que antes de gregos e latinos, os primeiros a falar viveram cá nesta terrinha, quer dizer, na Península! Para isso recorre a Vitrúvio, que tinha dito que a origem da língua resultara de necessidade entre os homens, por razão de um grande fogo. Citando:
"(...) primeiro souberam falar os da nossa terra. Porque Vitrúvio diz no 2º livro dos seus Edifícios que, ajuntando-se os homens a um certo fogo, o qual por acerto com grande vento se acendeu em matos, e ali, conversando uns com os outros, souberam formar vozes e falar. E não dizendo ele onde foi esse fogo, conta Diodoro Siculo, no 6º livro da sua Biblioteca, que foi nos Montes Pirinéus (...)"

Ou seja, Fernão de Oliveira remete a origem da línguagem humana à região dos Pirinéus, e não há dúvida que nos últimos séculos sempre houve quem visse na língua basca uma excepção que poderia justificar a sua maior ancestralidade. 
É suficientemente ambíguo, porque ele nem fala disso, vai argumentar apenas que a língua portuguesa seria mais antiga que o grego ou o latim, algo depois melhor sustentado pelo Cardeal Saraiva, que separou o português de uma raiz latina.
Acrescenta Oliveira que a língua não teria inicialmente cuidados gramaticais, e esses sim teriam sido implementados no grego e no latim, e depois importados para adaptação na nossa língua. 
Segundo ele, a língua portuguesa só teria o devido cuidado linguístico no reinado de D. Dinis, porque antes teríamos estado sempre demasiado ocupados em guerras. Recusa todo o papel da nobreza Goda na protecção da Ibéria, e diz que foi devido aos vícios dos Visigodos que a península teria sido invadida pelos árabes... mas, é claro, nem toda a península! Portugal tinha ficado sempre com uma parte resistente.

Para isso argumenta com a lenda do Abade João de Montemor, que viveu c. 850 d.C., em Montemor-o-Velho (Mosteiro de Lorvão) e que tinha ficado conhecido por se opor aos mouros na Estremadura. Ora, diz ele, se ele vivia em Montemor-o-Velho, isso significava que essa zona não tinha ficado sob domínio árabe.
Podemos acrescentar que houve sempre registos de Bispos de Coimbra. Porém, diz-se, que isso era uma posição no exílio... ou que as investidas islâmicas iam e vinham. Umas vezes subiam o Mondego, outras vezes ficavam abaixo dele. Parece-nos que, pelo menos algum papel deverá ter tido Vímara Peres, cujo nome ficou ligado a Guimarães (e aos vimaranenses), e que viveu no mesmo século que o Abade João. No entanto, Vimara Peres é suposto ter apenas chegado ao Porto e a Gaia.

A obra teria muito mais assuntos a discutir... mas já nos alongámos muito.
Deixo mais uma observação instrutiva, conforme é citada por Teófilo Braga:
Fernão de Oliveira também nota as alterações da moda: «Nem os lavradores de Entre Douro e Minho entendem as novas vozes que este ano vieram de Tunes com suas gorras». E o mesmo: «o costume novo traz à terra novos vocábulos: como agora pouco há, trouxe este nome picote, que quer dizer burel; do qual, porque de fora trouxeram os malgalantes o costume, ou para melhor dizer, o desdém de vestir o tal pano, trouxeram também o nome com esse costume: e alquice tão-pouco é vestido da nossa terra, por isso também traz o nome estrangeiro consigo.» A pragmática de 3 de Junho de 1535 proibia o trazer luvas perfumadas aos homens.
É preciso introduzir o poderoso galeão português Botafogo para perceber o que ali está escrito:
Galeão Botafogo no cerco a Tunis (1535).
Os seus 366 canhões tornavam-no o navio mais temível dos mares.

O que é dito é que os "nomes da moda" reflectiam questões políticas, de forma implícita.
Carlos V queria impor-se com uma grande proeza militar - a conquista de Tunis, que realizou em 1535, um ano antes de Fernão de Oliveira escrever o que escreveu. Os lavradores de Entre-Douro e Minho não sabiam dos mexericos cortesãos, e não perceberiam a razão dos nomes usados nas suas vestes, mas Oliveira sabia, Teófilo Braga também...

Sabia que Carlos V tinha pago a expedição a peso de ouro, o peso que Pizarro pedira pelo resgate de Atahualpa, o Inca feito prisioneiro, que prometera encher uma sala de ouro, em troca da sua vida.
De nada valeu a Atahualpa presentear Pizarro com imenso ouro, foi executado...
O ouro já tinha outro destino, serviria para as imensas despesas da expedição de Carlos V contra os turcos de Barbarrosa. Para isso requisitara uma armada Genovesa, e outra Portuguesa, em que entrava o poderoso  galeão Botafogo. Esse galeão era comandado pelo Infante D. Luís, irmão de D. João III, e foi com ele que se rebentaram as correntes de ferro que protegiam o porto de Tunis. Depois, os seus 366 canhões (provavelmente para anos bissextos), ajudaram a destruir por completo a frota de Barbarrosa.
Carlos V requisitara especificamente a presença desse galeão, por ser o maior e mais temível, alguma vez construído - ainda hoje, no Rio de Janeiro temos um bairro do Botafogo, e à frente, a ilha chamada Galeão.

Adequa-se também esta referência à outra parte da história... afinal os franceses, 20 anos mais tarde tomaram o Rio de Janeiro durante uns anos, onde pensavam que iriam formar a sua França Antártica. Como diria um cronista inglês, ao tomarem a baía de Guanabara chamaram-lhe Antártica com a pretensão de que tinham tomado posse de todo o continente austral.

Onde entram os franceses na história de Tunis? 
Carlos V também pedira o apoio francês, mas sem grande sucesso. Quando entrou em Tunis, verá balas de canhão com a chancela da "flor-de-lis" francesa. Os Otomanos de Barbarrosa tinham o apoio dos franceses contra as forças cristãs. A aliança entre franceses e otomanos veio mesmo a ser oficializada pouco depois.

A história cheirava mal, luvas perfumadas adequariam-se à moda. 
Os ingleses não usaram a asneira "picote", mas depois derivaram a palavra "bureau", usado para divisão governamental, da palavra francesa "burel", que designava um pano de má qualidade para cobrir a secretária, ou os negócios maltrapilhos feitos à secretária. Não sei como se chamaram os gorros...

Quando em 1574 os Otomanos reconquistam Tunis, os franceses tinham já perdido a sua França Antártica, e haviam de lembrar-se do Botafogo.
D. Sebastião alerta Filipe II para o perigo da ameaça turca, que de novo se aproximava dos limites ibéricos.
Porém Filipe II já deveria ter percebido o significado do "bureau", ou do "picote" francês, em troca do Botafogo oferece-lhe o elmo que Carlos V teria usado na conquista de Tunis.
O resto da história, ou parte dela, já sabemos... D. Sebastião parte para combater a ameaça turca em Laracha, e terá o seu destino traçado junto à antiga cidade Lixo às margens do rio Loucos, numa batalha que ficou afinal com o nome de Alcácer Quibir... comemorada efusivamente pelos judeus como o "Purim dos Cristãos".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55


Noites de insomnia (Camilo)

por desvela, em 27.06.12
Durante algum tempo fiz algum esforço de procurar material histórico que me permitisse compreender o problema que levou a tão pesada ocultação e ao persistente condicionamento educacional, até aos dias de hoje. Já deixei de fazer isso, pois a justificação que aqui fui deixando, e elaborando, está basicamente concluída.
Penso ainda colocar aqui alguns documentos relevantes, uns que acabei por esquecer, outros que encontro acidentalmente, como será esta posta de Camilo Castelo Branco e a sua resposta.

Para o que interessa em termos de conclusões, releva o encobrimento dos descobrimentos. Essa é a parte mais extensa, iniciada com aquilo a que denominei a "Tese de Alvor-Silves", há dois anos e meio. Podem haver mais detalhes, mas o importante são as óbvias contradições históricas, mesmo sem abandonar o "registo oficial". Às contradições históricas acrescentam-se as contradições lógicas, e de bom senso.
Interessa ainda o material adicional, etiquetado como "Questão Gaia", que mostra que o encobrimento histórico foi algo mais profundo, tendo raízes na Antiguidade... ou seja, desde que há "História". O mundo antigo ocidental ficou com fronteiras condicionadas à periferia do Mar Mediterrâneo, e isolado das restantes civilizações, sem que haja razão objectiva que justifique isso, excepto um condicionamento imposto.

Ilustrando como é irrelevante adicionar demasiados detalhes, é bom mencionar o apontamento que Camilo Castelo Branco introduz no nº1 nas suas "Noites de insomnia", num texto denominado "Problema Histórico a Prémio". Criticando o livro de Miguel Dantas (*) que enumera os "falsos D. Sebastião", aparece com três documentos de três papas (Clemente VIII, Paulo V e Urbano VIII).
(*) Também aparece como Miguel d'Antas. A este Dantas seguir-se-à outro Dantas, 
Júlio Dantas, contra quem Almada Negreiros será bastante virulento.

Abreviando, citamos a missiva de Urbano VIII, que menciona as anteriores:
«Urbano VIII por Divina Providencia Bispo de Roma, Servo dos Servos de Deus. A todos os Arcebispos e Bispos e pessoas constituidas com dignidade que vivem debaixo do amparo da Igreja Catholica, em especial aos do Reyno de Portugal e suas conquistas, saude e paz em Jesus Christo nosso Salvador que de todos é verdadeiro remedio e salvaçaõ: Fazemos saber que por parte do nosso filho D. Sebastião Rey de Portugal nos foi aprezentado pessoalmente no Castello de Sancto Angelo duas sentenças de Clemente Outavo e Paulo Quinto nossos antecessores, ambas encorporadas, em que constava estar justificado largamente ser o proprio Rey e nesta conformidade estava sentenciado para lh'o largar Felipe 3.o Rey de Hespanha, ao que não quiz nunca satisfazer; pedindo-nos agora tornassemos de novo a examinar os processos, e constando ser o proprio o mandassemos com effeito investir da posse do Reyno, pois tinha filhos e mulher, e não podia perder seus direitos, que prejudicava a seus herdeiros, o que mandamos brevemente e por extenso vêr como convinha em cazo de tanta importancia; e considerando como nos convem julgar e detreminar a cauza dos Principes christãos, mandando dar vista a Felipe Quarto que hoje vive, cometendo a cauza ao Imperador, e a ElRey de Inglaterra e a ElRey de França, com o que se passou e se resolveu que lhe desse posse do Reyno de Portugal; e hora por parte do dito Rey D. Sebastião nos foi pedido pozessemos o cumpra-se na sentença, e mandassemos passar nosso Breve Appostolico com excommunhão rezervada a nós para que nenhum fiel christaõ lhe impida sua posse, nem tome armas offensivas contra elle e seus soldados e Ministros; e vendo nós com os nossos Cardiaes do nosso Conselho sua justiça, com maduro conselho lh'o concedemos: pelo que vos mandamos que depois da notificação desta a nove mezes primeiros seguintes que assignamos pelas trez canonicas admoestaçoens, dando repartidamente trez mezes por cada canonica admoestaçaõ, termo peremptorio, tanto que vos for apresentado e da minha parte mandado, façaes por vossos religiosos assim Seculares como Regulares publicar-se nos pulpitos das egrejas e praças publicas que ...[parte ilegível pela humidade do original]. Dada em esta Curia Romana sob o signal do Pescador aos 20 de outubro de 1630.»
Deixamos as outras duas missivas papais em comentário a esta posta, assim como a resposta de um leitor, publicada no número seguinte. Essa resposta anónima é bastante irónica, podendo até conjecturar-se uma autoria do próprio Camilo. Citamos uma parte elucidativa do tom:
Os documentos pontificios que vossê apresentou resistiriam á critica de João Pedro Ribeiro e Theophilo Braga. Este sabio e vossê são os dous homens que n'este seculo tem achado as melhores peças historicas. Vossê achou as sentenças a favor do Encoberto; o doutor Theophilo achou a carta de Ayres Barbosa a André de Rezende. Eu achei a vossês, os dous, dous odres de sciencia em que espero exercitar o meu intellecto como os touros exercitam a força nos ôdres de vento. Creio que está dada a solução do problema historico. Mande-me o premio pelo portador.
Independentemente dos mimos, que o correspondente estende não apenas a Camilo e a Teófilo Braga, mas também a Guerra Junqueiro, Eça e Ortigão, "conferencistas de Casino" e "demais socialistas"... as referidas missivas papais foram entretanto "desacreditadas". 
Essa "desacreditação" encontrei como inscrita em nota na Sebástica (pág. 39), de Vitor Amaral Oliveira (2002):
A propósito do falso D. Sebastião de Veneza, que Miguel D'Antas dá como tendo sido enforcado em 1603, Camilo possuía uma "sentença" de vários Papas que viram este falso rei e emite a hipótese de um 5º falso D. Sebastião.
É a transcrição dos três "Breves" fictícios de Clemente VIII (1598), Paulo V (1617), e Urbano VII (1630), já desmascarados como sendo talvez obras dos Jesuítas a favor de D. João IV.
A intervenção pombalina foi particularmente bem sucedida em desacreditar a documentação dos Jesuítas, e facilmente se desenvolveram apreciações automáticas. No caso em concreto, parece-me "demasiada fruta" a existência de 3 breves papais, com conteúdo tão sucinto e contundente. Apesar de não descurar a hipótese da sobrevivência de D. Sebastião, e um nefasto tratamento subsequente, não apostaria na validade destas missivas papais, e creio que Camilo Castelo Branco também não fez questão disso... procurou mais revelar a sua existência, negligenciada no livro de Dantas. Por vezes é pior caminho negligenciar a documentação do que revelar razões plausíveis para a sua implausibilidade. Aqui o favorecimento a D. João IV é razoavelmente dúbio, já que o monarca se viu obrigado a condicionar a sua legitimidade a um eventual reaparecimento de D. Sebastião. Estas "provas de vida" de D. Sebastião condicionariam essa mesma legitimidade de D. João IV, caso se apresentasse algum herdeiro legítimo...

No entanto, e como há sempre algo mal explicado, relembramos a gravura constante na Biblioteca Nacional (ref. 669807) que tem como título:

"Morte del Re di Portogalli condanatta dall'Inquisizione l'anno 1628"

Conforme dizia Camilo: "Não podia ser o rei da Ericeira, nem o rei de Penamacor, nem o pasteleiro do Escurial, nem Marco Tullio Catizone. Os quatros impostores eram já mortos. Então quem era?".
De facto, em 1628, não poderia ser nenhum destes, de acordo com o apurado...
Mas então em 1630, a breve do Papa Urbano VIII não faz sentido, estando este "D. Sebastião" morto em 1628, por julgamento da Inquisição, conforme ilustrava a gravura da época. Não há nenhum registo de impostor tão verosímel (ao ponto de merecer gravura como "Rei de Portugal"), condenado apenas em 1628...
Ora, há uma história fácil de contar, que engloba estes dados. Admitindo a sobrevivência de D. Sebastião, e o empenho de alguns fiéis patriotas, houve diligências junto dos papas para estas missivas. Tanto Clemente VIII, como Paulo V, podem ter acedido a estas "breves" diligências, perante alguma incomodidade de pressões na Igreja, se o caso fosse de clara legitimidade do defensor da fé, D. Sebastião.
Convém lembrar que a clara oposição de Filipe III ao papa Leão XI (sucessor de Clemente VIII) talvez não se possa desligar dos seus curtos 26 dias de papado.
E se o sucessor, Paulo V envia a missiva em 1617, também devemos perceber que no ano seguinte se inicia a Guerra dos Trinta Anos, e não seria tempo de cisões no lado católico, face à "ameaça protestante".

A situação no final do pontificado de Paulo V, depois com Gregório XV, e especialmente com Urbano VIII já é completamente diferente... ou seja, a ligação entre os Habsburgo e Urbano VIII era de clara cumplicidade. Por isso, não seria tanto de estranhar que Urbano VIII terminasse em 1628 com o incómodo "D. Sebastião" num julgamento inquisitório, e ao mesmo tempo enviasse uma missiva, em tom semelhante às dos seus predecessores, atestando a presença, de um fantasma, em 1630. Consta haver um provérbio romano sobre Urbano VIII (Mafeo Barberini): "o que os bárbaros não fizeram, fez Barberini", relativamente a grandes destruições ocorridas em Roma no seu pontificado, que ocultaram o legado romano. Por isso, dada a índole, não seria propriamente surpreendente que o próprio Barberini decidisse enviar uma missiva de despiste, relativamente à sua actuação na condenação de 1628.

Enquanto episódio no contexto global, não é demasiado relevante saber se D. Sebastião morreu em Laracha ou se foi vítima de posteriores larachas inquisitórias. Serve apenas como episódio de dúvida adicional no secretismo de que se alimentam os poderes fugazes. Podem até vir a ser encontrados outros documentos, num sentido ou noutro... mas, sem vontade de verdade, o erro será tentar impor argumentos a quem criou automatismos para os rejeitar. 
Pelas suas contradições evidentes e mal explicadas, a História não passa de uma história, escrita por contadores de contos, e propalada pelos bardos de serviço que a cantam oficialmente às criancinhas. Não vale a pena discutir os factos de uma história quando ela mistura a ficção com a realidade... é apenas uma criação artística, de qualidade e bom gosto muito discutíveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:55


Laracha, Lixo, Loucos, Maluco

por desvela, em 02.04.12
Há uma obra que já fiz aqui referência:
Jornada de África, de Jerónimo de Mendonça (1607)

e talvez mereça uma menção (que nem sei bem como adjectivar) haver uma obra homónima, de Manuel Alegre, o nosso contemporâneo poeta, político e assumido maçon. Apesar de mencionar a obra original, a usurpação do mesmo título "Jornada de África", por Manuel Alegre, pouco mais parece servir do que contribuir para uma conveniente confusão.

A obra de Jerónimo de Mendonça relata a expedição de D. Sebastião a Alcácer-Quibir, e surge em pleno domínio de Filipe II de Espanha. Portanto todo o enquadramento é condicionado por uma escrita aparentemente subserviente a esse domínio filipino, tendo a necessária consciência de qualquer outra abordagem não seria autorizada.

Tornou-se comum usar a expressão "Larachas" para designar palavras sem sentido, mas ao que pude constatar esta expressão só se tornou habitual em textos já na segunda metade do Séc. XIX.
Diz Jerónimo de Mendonça:
           "porque de uma maneira ou doutra melhorava no partido; pois tomando el Rey Dom Sebastião Larache segurava os Reynos de Espanha, e morrendo na demanda ficava seu herdeiro"

... é claro que esta confortável posição de Filipe II não é denunciada por Mendonça, mas sim repudiada por ele, tentando defender acusações que circulavam. Uma maneira sagaz de dizer o que não podia ser dito...

Larache, ou Laracha (também aparece assim designada), aparecia como o destino estratégico de conquista na jornada de África de D. Sebastião. 
O nome Quibir associado à batalha acaba por substituir um verdadeiro objectivo anunciado - Laracha!
Larache - gravura de J. Ogilvy (1670)

Será elucidativo associar-se depois à palavra Laracha um significado distinto, de índole jocosa.
Esta suposta coincidência... ou que quer que seja, não está isolada. 
Já mencionámos várias vezes o problema Maluco... das ilhas Malucas, depois designadas Molucas.
Para além de serem um problema no anti-meridiano (prometidas como dote a Sebastião, tivesse ele querido o casamento espanhol), as Malucas eram a essência da especiaria!
Acresce que, como sabemos, o Mulei inimigo de Sebastião era também designado Mulei Moluco...

Podemos ignorar isto, evitar a expressão "Malucos" e passar a "Loucos"...
... curiosamente isto não resolve bem o problema porque a batalha dá-se ao pé do Rio Loukos.

Às margens deste Rio Loukos, encontravam-se as ruínas de Lixo (cidade antiga que antecedeu Laracha):
Lixo - ruínas, Loucos - rio

Para dia 1 de Abril, parece-me bem maluca esta Laracha, que veio de Lixo, e é claro - rio de Loucos.
Não rio da laracha, mas rio de loucos fazendo lixo.

De origem latina, o Lixo tem mais raiz no lixar, traduzido directamente de Queimar... é lixado, mas já a palavra Lixo enquanto "depósito de desperdício" parece-me ter entrado apenas nos nossos textos posteriormente.

Ainda indo aos tempos em que o "calendário de Rómulo" começava em Abril, sendo depois substituído pelo "calendário de César" que passou a começar em Janeiro, honrando Janos das duas faces, parece que esta cidade de Lixo era a última cidade habitável admitida, a partir dali o resto seria... lixo, ou talvez ficassem lixados... queimados!

Minas no Séc. XVI
O texto de Jerónimo de Mendonça fala de minas...
Que o texto de Manuel Alegre pudesse falar das minas na guerra de África... é algo normal e trivial.
Porém, de que minas fala Mendonça?... Não é certamente das Fortalezas das Minas.
Vejamos o texto, logo no final do prólogo "ao leitor":

       E quando trata del Rey Phelippe nosso senhor segundo deste nome, na Cidade de Lisboa diz, que correu nela dois grandes perigos de vida, porque duas vezes foram descobertas minas que os portugueses fizeram nos paços Reais, e na igreja onde costumava ouvir Missa, e se isto senão descobrira, fora el Rey arruinado, ou nos paços, ou na igreja, e que os Autores desta maldade foram gravemente castigados (...)

Se isto não é uma descrição de uma tentativa de atentado, com minas explosivas, colocadas para serem detonadas na presença de Filipe II, não sei que outra laracha pode ser inventada para justificar este texto.

Portanto trata-se de um relato de minas explosivas, com detonamento programado, e seja de que forma fosse, é um claro sinal de que a tecnologia era suficientemente sofisticada para ser dissimulada e usada num atentado. Para além de raras experiências e relatos chineses, até ao Séc. XIX não há propriamente registo da utilização de minas explosivas, especialmente com o intuito de atentado.

Se esta iniciativa portuguesa tinha origem numa ideia chinesa, ou não, pouco importa, pois este é um dos raros casos em que compreendemos que houvesse alguma necessidade prática em evitar a divulgação destas ideias literalmente explosivas.

Não deixa de ser curioso que a palavra Mina, originalmente ligada ao minério, tanto se vai associar depois à riqueza do minério como ao explosivo... no fundo, a uma riqueza explosiva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:35


Peça por Peça

por desvela, em 18.09.11
- Uma Peça, de Teatro Isabelino: - The Battle of Alcazar, de George Peele (1591)
Peça por outra peça - e do pedido sai nova peça:
- Uma Peça, de Teatro Carolino: - Believe as you list, de Philip Massinger (1631).

Há mais peças... e peça por peça vão colando uma história diversa, neste caso de D. Sebastião.

Em 13 de Dezembro de 2009 foi iniciado o tópico Alvor-Silves com um texto sobre D. Sebastião, que seria o primeiro de sete textos, finalizados a 31... Alguns argumentos colocados nesse texto inicial podiam ser considerados especulativos, e acabei por deixar cair parcialmente o assunto.

Não deixa de ser coincidência que D. João de Áustria desapareça, tal como D. Sebastião, no ano de 1578!
Ambos eram jovens, ver-se-iam como guerreiros no modelo de Aquiles, e o brilhante cometa que apareceu no início desse ano (mais precisamente entre Novembro de 1577 e Janeiro de 1578), concretizaria alguns presságios de sorte funesta.

Sebastião foi levado no coração da batalha, João de Áustria foi levado pelo tifo... mas que necessidade haveria de dissecar o corpo do herói de Lepanto, no transporte para o Escorial, sendo só depois juntadas as partes? Recebia ambos os corpos, Filipe II, irmão de João e tio de Sebastião.

D. João de Áustria, morto em 1578

Acerca de Lepanto, que em 1571 terá catapultado D. João de Áustria para a celebridade, o Grão-Vizir de Selim II, Mahamet Sokulu, terá afirmado:  
- Ao tomarmos Chipre, ficaram sem um braço, enquanto ao derrotarem a nossa armada [em Lepanto], só apararam a nossa barba

Foi desta forma que os Otomanos desvalorizaram o resultado de Lepanto.
A Sagrada Aliança, que reunia o Império Habsburgo Espanhol, Veneza e Génova, a Savóia, Malta e os Estados Papais, tinha vencido os Otomanos, mas dificilmente essa vitória permitira alterar a disposição das peças no terreno... e Chipre teria caído definitivamente.

Numa luta que carregava o epíteto sagrado, seria natural ver um "fervoroso rei católico" juntar as forças nacionais nesse empreendimento pela cristandade. Porém, não será esse rei D. Sebastião, que já governava o reino há três anos. O rei de Portugal não estará representado na coligação naval de Lepanto. Convém notar que o Infante D. Luís (tio de D. Sebastião) tinha estado presente na Conquista de Tunis, em 1535, comandada por Carlos V, pai de Filipe II. Era habitual uma colaboração cristã contra os otomanos...

Quando falha a potência militar, entra em jogo a diplomacia... os acordos em jogos de bastidores.
Se Lepanto não travava a expansão Otomana já consolidada na Europa, por onde poderia ela progredir sem apoquentar mais os Estados Italianos e Austríacos? 
- Um caminho claro seriam os outros estados islâmicos do Norte de África.
Assim, apesar do resultado de Lepanto, três anos depois, em 1574, a cidade de Tunis volta a cair em mãos otomanas.
Será neste contexto que aparece a ameaça de implantação otomana em Marrocos, e consequente perturbação da vizinhança ibérica, não apenas nas navegações, mas até num eventual reeditar de desembarques muçulmanos - a queda de Granada faria em breve um século e seria natural inflamar um espírito de reconquista pelo outro lado.

Se D. Sebastião pareceu preocupado com o problema, a ponto de oferecer ajuda a Mulei Mohamed, já Filipe II pareceu negligenciar a ameaça turca das suas fronteiras a sul.
Convém notar que num avanço dessa forma, os primeiros pontos vulneráveis seriam as possessões espanholas no Norte de África. Tunis fora logo perdida em 1574, mas havia várias outras... antes de chegar aos fortes portugueses, que começavam apenas em Ceuta.

Uma derrota pesada, que envolveu a morte do Rei, deixaria as possessões portuguesas em Marrocos como desígnio apetecível de embalo na reconquista. Porém, com Filipe II no trono português esse perigo muçulmano sob influência turca nunca se efectivou... aliás Filipe II será particularmente expediente na forma como irá tratar de aparecer como parte intermédia na resolução do problema de resgate dos sobreviventes de Alcácer-Quibir.

Os contactos de Filipe II com o lado vencedor na contenda de Alcácer-Quibir são particularmente proveitosos. Às expensas de fortunas enviadas para este intermediário no resgate, regressa alguma da nobreza e fidalguia nacional. Aparece como salvador de famílias dos cárceres dos infiéis, e certamente que tais famílias lhe ficam gratas apesar das somas dispendidas. Um dos prisioneiros resgatados era o Conde de Barcelos, filho do Duque de Bragança... tinha então apenas 10 anos de idade.
Os franceses chamavam a Filipe II "demónio do meio-dia"... mas não foi assim encarado em Lisboa, e a prova disso foi a Monumentalia Filipina - dezenas de grandes Arcos de Triunfo erigidos em Lisboa em 1581 (... dos quais nenhum sobreviveu!). A reacção da fidalguia à invasão filipina foi muito moderada, como pôde constatar o Prior do Crato... que teve entre os portugueses os seus principais amigos de Peniche!

Quando falamos de Filipe II, de D. Sebastião, e de D. João de Áustria, convém não esquecer o problema interno que se desenrolava em Espanha, entre Albistas e Ebolistas!
Esta luta interna, nos meandros da corte espanhola, teve uma clara vitória pelo lado Albista, do Duque de Alba, afinal o vencedor contra D. António. Do lado dos Ebolistas, e como Rui Gomes morre em 1573, será a sua jovem mulher, a notável Ana Mendonza de La Cerda, que procurará liderar o partido do seu marido - um português da Chamusca que, de tutor de Filipe II, ascendeu a Príncipe de Eboli, e Duque de Pastrana.

Ana de Mendonza y de La Cerda, Princesa de Eboli, com o devido olhar.  

A Princesa de Eboli acabou por ser denunciada em conspiração com Antonio Perez, sendo presa em 1579... estavam abertas todas as portas para a anexação portuguesa que o rival Duque de Alba concretizou no ano seguinte. O motivo principal da acusação seria a morte do secretário de D. João de Áustria, em Março de 1578, mas ligava-se primeiro o problema de D. Sebastião e depois o da sucessão,  que envolviam "segredos de estado".  

As versões que dispomos tiveram de sobreviver à forte censura que imperou nos reinados filipinos.
Não apenas nessas regências... afinal é sabido que o Marquês de Pombal fez queimar publicações que evidenciassem um teor sebastianista! 
Foi mesmo um pouco mais longe... sendo claro que o Duque de Aveiro e os Távoras foram protagonistas ao lado de D. Sebastião em batalha, foram também esses as vítimas principais do Processo de 1758, que condenou essas famílias a uma cruel execução pública.
- Coincidência?... Para quem gosta de numerologia, reparará ainda que 1578 e 1758 têm os mesmos dígitos!
Para quem não gosta, é claro que a Casa de Bragança não foi uma escolha consensual na Restauração!
Estaria demasiado ligada ao partido de Filipe II, a quem Catarina de Bragança acabou por abdicar o direito do trono, e essa foi também a Casa que mais beneficiou sob domínio filipino. 
D. João IV teve pois que admitir abdicar num eventual regresso de D. Sebastião. O episódio de Luísa de Gusmão, preferindo ser "Rainha por um dia...", reflecte implicitamente a parte da Casa onde Portugal queria rever-se. Não era na linha do anterior Duque de Bragança - que tomado por febres, se tinha escusado a partir com o Rei.... seria talvez mais na linha de Luísa, a bisneta da Princesa de Eboli.
O Duque de Aveiro ainda era, à época do Marquês de Pombal, um candidato ao trono, pela linha mais antiga... que vinha da descendência de D. João II pelo filho D. Jorge, preterido a D. Manuel.
As três casas ducais formadas por Afonso V, ou seja Coimbra, Viseu e Bragança... tinham-se enfrentado desde a Batalha de Alfarrobeira. 
E se o ducado de Viseu foi vencedor na sucessão de D. João II, obrigando o ducado de Coimbra a mudar de nome para Aveiro; após a extinção da linha com D. Sebastião, a sucessão pela via de D. Jorge permaneceu como ameaça à casa de Bragança até à execução definida em 1758. O problema era de tal forma evidente que o filho do Duque de Aveiro só escapou à morte com a promessa de não ter sucessores. 


Prisioneiro de Veneza
Por isso, é importante encontrar registos um pouco mais longínquos... na Inglaterra!
Há uma excelente compilação de escritos (que encontrei agora), publicada em 1985, pelo Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, do Ministério da Educação:
D. Sebastião na Literatura Inglesa
... e parece ser um dos poucos registos onde se fala das importantes obras inglesas que abordaram o assunto da Batalha de Alcácer-Quibir e do destino de D. Sebastião.

Uma dessas obras é Believe as you list, de Philip Massinger (1631), que foi censurada!
"Acreditem enquanto ouvem" só teve autorização de publicação depois do autor mudar por completo o enquadramento! Ao invés de falar do reaparecimento de D. Sebastião, colocou-o como reaparecimento de Antíoco, rei da Síria no Séc. II a.C.

O motivo da peça era o aparecimento de D. Sebastião enquanto o "Cavaleiro da Cruz", em Veneza, em Junho de 1598. Consegue convencer portugueses aí sediados, e por isso o homem é preso pelo Doge de Veneza em Novembro de 1598, a pedido do embaixador espanhol. É libertado por intervenção do filho do Prior do Crato, e consegue escapar até Florença onde volta a ser preso pelo Duque da Toscana, mais uma vez a pedido do embaixador espanhol. É visitado pelo Conde de Lemos em 1601, mas acaba por ser primeiro condenado perpetuamente às galés e finalmente executado em 1603. 
Esta história contada por Frei José Teixeira e usada por Massinger, está bem documentada no artigo de Isabel Oliveira Martins (ver pág. 121-145), incluso no dito livro de 1985.

É claro que o "Prisioneiro de Veneza"(*) aparenta ser apenas mais um caso de reaparcimento, após os de Penamacor, Ericeira e Madrigal, com desfecho funesto para os pretendentes. Havendo interesses em depor a linha espanhola, também é natural pensar que alguns portugueses alinhassem nesta solução alternativa. O prisioneiro de Veneza, talvez um certo Marco Tulio Catizone, acabou por ter repercursão ao ponto da peça ter sido proibida no reinado de Carlos I, rei inglês que teve depois destino igualmente funesto!


Moluco
Um aspecto que se mantém particularmente intrigante é a designação Mulei Moluco para Abd-al-Malik (ou Abdilmelec), especialmente se o conectarmos a um período em que as Ilhas Molucas estiveram sob disputa no Anti-Meridiano das Tordesilhas, desde D. João III. 
A fundação de Manila após 1571, e subsequente renomeação daquelas ilhas como Filipinas, em honra a Filipe II, mostram que se mantinham questões territoriais a resolver naquela parte oriental, entre Filipe II e D. Sebastião. Essa questão é especialmente notória pela oferta dessas mesmas ilhas como dote da filha de Filipe II, se D. Sebastião tivesse aceite esse casamento! Porém, obstinadamente, D. Sebastião sempre recusou essa proposta de casamento espanhol.
As ilhas eram inicialmente denominadas Malucas, e a conotação do termo "Maluco" só tem um significado de loucura posteriormente. Convém a este propósito referir que, na Jornada de África, Jerónimo de Mendonça diz:
(...) e Mulei Audelmelic, vendo isto se passou ao Gram Turco, o qual vulgarmente se chama Mulei Moluco, porque sendo pequeno era tão afeiçoado aos Christãos, que seu pay lhe mandou fazer huma bragua d'ouro chea de muitas pedras ricas, e lha pôs hum dia chamando-lhe Moluco (como quem diz servo) donde lhe ficou o sobrenome tambem assentado, que muitos lhe não sabem o nome verdadeiro. Andou pois Mulei Molucco em Constantinopla muito tempo, sem poder alcançar socorro do Gram Turco contra seu sobrinho (como tambem del Rey de Espanha , não havia podido alcançar, fazendo primeiro os mesmos ofícios).
O significado de Moluco é assim explicado como sinónimo de "servo", e de forma clara é estabelecida a tentativa de contacto de Mulei Moluco ao rei de Espanha, antes de obter o apoio de Murad III, o Sultão Turco, que lhe concederá uma tropa de janízaros.

Portanto, o combate de D. Sebastião foi contra uma ameaça otomana, entretanto colorida como uma questiúncula interna de legitimidade de sucessão marroquina, por diversas interpretações testamentárias.
Se não há nada que aponte para uma participação espanhola contra a incursão portuguesa em Alcácer-Quibir, há muito que aponta para um combate directo contra uma coligação com forças otomanas em solo de Marrocos, e não apenas contra uma facção do exército marroquino. Pior do que isso, há algumas suspeitas sobre como uma batalha, aparentemente ganha numa primeira fase, e em que o próprio Mulei Moluco morre no seu decurso, se vai desenrolar com uma desastrosa descoordenação posterior, não do lado marroquino, mas sim indiciando problemas internos no lado português.

Foram à época colocadas dúvidas sobre o papel de Filipe II, sobre o conselho ao sobrinho de não participar, sobre a falha de envio de tropas, sobre a oferenda do Elmo que o pai, Carlos V, teria usado na Conquista de Tunis. Ou ainda, sobre o pedido do próprio Mulei Moluco a D. Sebastião, com o compromisso de não usar o apoio turco como ameaça às possessões portuguesas. Essas dúvidas podem fazer sentido, na sequência de acontecimentos, dado que Filipe II obteria vantagens com a vitória de D. Sebastião, ao afastar a ameaça turca... mas também com a derrota, pela sua pretensão à sucessão do trono português.
Porém, a derrota de D. Sebastião não afastaria a ameaça turca...
Onde ficou a ameaça turca após a derrota de Alcácer-Quibir?
Teria sido travada pelos marroquinos?
Pelo partido dos mesmos marroquinos que juravam fidelidade ao Sultão Murad III?
O plano de Filipe II só seria perfeito com uma prévia negociação com os turcos...

De facto, durante o período seguinte a Europa vai entrar numa grande guerra interna, a Guerra dos Trinta Anos... quase esquecendo a ameaça turca, ameaça que parece evaporar-se após Alcácer-Quibir.
Assim sendo, como não pensar num extenso acordo entre os beligerantes de Lepanto?
- Constatado o equilíbrio tácito, há uma certa aceitação da presença turca.
O espírito de Cruzada, de reconquista da Terra Santa tinha sido perdido por completo e a conquista de Jerusalém deixa de ter importância como tema europeu.
Curiosamente, os Otomanos ocupam o papel de Constantinopla... não apenas com a renomeação da capital para Istambul, também porque os seus domínios vão concentrar-se nos domínios do Império Romano do Oriente.
A Europa Ocidental parece assim conformar-se ao império ocidental e deixa o oriental para os Turcos.

O Quinto Império
O Império Ocidental era do tio, Filipe II, mas D. Sebastião ousa pela primeira vez colocar uma Coroa Imperial num rei português.


As coroas dos seus antecessores, mesmo de D. João II ou D. Manuel, tinham sido sempre abertas... em obediência a Roma e ao Sacro-Império, porém a atitude de D. Sebastião parece unilateral.
Tal atitude seria semelhante a uma cisão do Império Romano Ocidental, não passaria facilmente despercebida. Como o Sacro-Império será colocado em causa durante a Guerra dos Trinta Anos, a atitude poderá depois não ser tão notória, e até vista como uma questão de moda... mas o fecho da coroa significava implicitamente não estar sob o Sacro-Império.

A empresa de D. Sebastião é representada pela junção de vários componentes cristãos, que podemos ver na moeda seguinte:
Moeda de D. Sebastião

Há uma vieira sobre um peixe acima do mar, e uma lua (crescente) que abre sobre algumas estrelas (quatro aqui, embora haja quem desenhe 7 invocando a Ursa Maior... poderiam ser ainda as Pleiades).
Este símbolo pode ser encarado como uma reencarnação no seio do amor de Cristo, excepto no que se refere especificamente à configuração da Lua e estrelas.
O moto - Serena Celsa Favent... algo como o esclarecimento (ou a serenidade) favorece a excelência, parece sugerir que D. Sebastião, o Desejado, estava em sintonia com uma filosofia que o veria como executante escolhido para nova missão divina.

Essa mesma ideia de um Novo Império acaba por passar no mito que é gerado em torno do seu desaparecimento.
Conforme notado por alguns autores (ver Lucette Valensi), a batalha de Alcácer-Quibir não será alvo de efusivas comemorações pelo lado marroquino, apesar do seu aparente desfecho glorioso, e é ao contrário um símbolo de união portuguesa, em torno da ideia do Quinto Império.
É afinal uma derrota que parece motivar um desígnio imperial, nunca antes explícito!


Nesta ilustração podemos ver o pensamento dessa saudade sebastianista, nas frases:
Dois retratos vês q são.
Hum velho só na aparência
Do Rey D. SEBASTIÃO.
Repara q têm mistério
Pois a mão da Providência o guarda
Para o V Império
 
SI  VERA  EST  FAMA  SEBASTIUS
O Incoberto. Esperado. Sebastião. O dezejado.
O Quinto Império está alegoricamente representado na incompletude dos degraus da pirâmide... há quatro degraus bem definidos, e um quinto malforme que se parecia desenhar, e onde fica explícita uma intenção de construção ao colocar-se sobre a pedra uma coroa imperial.
Se na mão do jovem Sebastião está aberto o bastão...
... na mão do mais velho o bastão aparece já sem ponta solta.
De bastão passa a bastião, num outro Sebastião!
As figuras estão ainda em reflexão, em orientações opostas, mas exibindo em ambos os casos coroas imperiais, só ligeiramente diferentes.

Importa assim notar que não é um Rei que parte para Alcácer-Quibir, é um assumido imperador.
As pretensões imperiais poderia tê-las tentado D. Sebastião pela união com a filha de Filpe II, seguindo o plano Habsburgo, uma Casa que cumpria as regras, crescendo por casamentos planeados que foram eliminando sucessores até que a família austríaca detivesse a coroa imperial.
Porém, parece claro que D. Sebastião pretendia outra via... um novo Império.
Num mapa do Museu da Marinha, feito em 1970, que já aqui apresentámos, surge uma mistura entre linhas de costa actuais, e símbolos de posse antigos:

O mapa foi certamente inspirado num outro mapa que desconhecemos...
O notável é aparecerem bandeiras portuguesas numa extensão que cobre toda a parte leste da América do Sul, numa área da Argentina, bem como um escudo sobre o Canadá/Labrador/Terra Nova.
Esta pretensão sobre a zona da Terra Nova (aí denominada Terra de Corte-Real) foi claramente assumida por D. Sebastião, pelo que nos parece que este mapa terá inspiração nalgum documento desse período.
D. Sebastião estaria convencido em bastar impor a legitimidade de pretensões territoriais sem uma necessidade de chancela de Roma, e por isso definia-se como imperador por direito autónomo. Isso causaria enormes dificuldades, não apenas contra o Imperador designado, o seu tio Filipe II, mas também contra as pretensões marítimas francesas e até inglesas. Isso colocava Portugal praticamente isolado, conduzindo quase sem alianças um império mundial. Foi uma pretensão elevada, que teve um preço correspondente.
Porém, se o poder centralizado no Sacro-Império Romano acabou por cair definitivamente na Guerra dos Trinta Anos, assinado o Tratado de Vestfália (70 anos depois de Alcácer-Quibir), esta iniciativa de D. Sebastião é a única nacional que segue para além da linha da actuação de Henrique VIII, em Inglaterra (quando os Tudor passam a invocar a coroa fechada), e que marca o início do movimento para um outro Império Europeu, definido por nações independentes do poder central de Roma.



Batalha dos Três Reis
A Batalha de Austerlitz é também conhecida como a Batalha dos Três Imperadores, onde o conceito imperial já se havia difundido, e se confrontam os Impérios Francês, Russo e Austríaco (o que resta do Sacro-Império Germânico após Vestfália havia ficado na linha Habsburgo de Viena). A derrota austríaca vai marcar decisivamente o fim dessa linha imperial que remontava a Carlos Magno. O conceito imperial era já mais difuso, mas não ao ponto da iniciativa imperial de Napoleão que ignora um Papa que é forçado a assistir à sua auto-coroação. Napoleão acaba por sucumbir às suas pretensões de esmagar também o Império Russo e aparecer como imperador único. O ressuscitar de um Sacro-Império Germânico ficará ainda marcado pelas derrotas alemãs nas duas Grandes Guerras do Séc. XX... Porém essa reorganização europeia em torno de um poder centralizador, fazendo reviver o velho império germânico, não deixou de fazer parte da agenda política.

Antes da Batalha dos Três Imperadores, onde não morreu nenhum imperador, a Batalha de Alcácer-Quibir ficou conhecida como Batalha dos Três Reis, quer na nomenclatura marroquina, quer na inglesa.
O nome pretende invocar a morte de D. Sebastião, de Mulei Mohamad, o Rei de Marrocos deposto, e também de Mulei Moluco, o tio que o depôs, um vencedor que morre no decurso da batalha.
Estas três mortes numa batalha foram algo de único, e justificaram o nome adoptado.
É ainda particularmente estranho o monumento marroquino que marca a Batalha dos Três Reis:
À esquerda: Monumento marroquino à Batalha dos Três Reis, 
duas estrelas marroquinas certamente lembrando os Muleis,
e sobre elas uma invocação a Allah, conforme se confirma na figura à direita.
Falta D. Sebastião... ou o que representa afinal o terceiro círculo?
(observação devida a Carlos S. Silva)

Com Lucette Valensi vemos que as comemorações da derrota portuguesa são especialmente celebradas pela comunidade judaica marroquina, expulsa de Portugal... ao ponto de terem visto D. Sebastião como uma ameaça ao nível de um Holocausto:
Disputée entre le monarque et le saint [Sebastião], la mémoire de la bataille des Trois Rois suscite en terre marocaine une pluralité de récits: historiques, hagiographiques, folkloriques. Mais elle ne fait l'objet d'aucune célébration. Seules les communautés juives établies dans le nord du pays et habitées par le ressentiment contre ceux qui les ont expulsées de la Péninsule ibérique fêtent la défaite du roi Sébastien lors du Pûrim de los cristianos, le premier eloul de chaque année. Le texte biblique est mobilisé pour donner la signification de l'événement: la dévastation de la communauté juive de Marrakech par Muhammad al-Mutawakkil est identifiée à la destruction du Temple, le roi Sébastien au Haman du Livre d'Esther qui a décidé l'extermination de tous les juifs, sa défaite et l'exécution de ce dernier. Comme Pûrim célèbre l'éloignement de la menace de destruction qui pesait sur Mardochée et les siens, le nouveau pûrim, institué par les rabbins après la bataille de 1578 (5338 dans le calendrier juif), rend grâce à Dieu d'avoir détourné un péril mortel. (cf. wiki)
Assim, se por um lado se instituiu em Portugal uma visão Messiânica ligada a D. Sebastião, a opinião é absolutamente oposta pelo lado judeu! Para além de um ressentimento difuso, talvez houvesse uma noção de perigo por uma "falsa identificação messiânica", algo explícita no símbolo da empresa de D. Sebastião. Esse perigo seria tanto maior se as comunidades muçulmanas não o vissem como um inimigo cristão, e antes o acolhessem como um novo Messias. Assim, uma infiltração de Sebastião com adesão na comunidade magrebina poderia ter efeitos revolucionários na geografia política.

É conveniente referir que na obra de George Peele transparece claramente que o lado certo, o lado dos deuses, é o lado de Mulei Moluco. D. Sebastião aparece aí como um rei levado no engano, para o mau partido de Mulei Mohamed...
Mulei Moluco tem o apoio de Murad III, que é designado como "deus dos reis terrenos":
Abdil Reyes: Long live my lord, the sovereign of my heart, Lord Abdilmelec, whom the God of kings, The mighty Amurath hath happy made; And long live Amurath for this good deed. 
[Nota: Abdilmelec: Mulei Moluco; Amurath: Murad III]
O poder do Sultão Murad III é sempre enfatizado, colocado ao nível da expressão do poder divino na Terra... e se podemos ver isso como uma natural visão parcial do personagens, a invocação de deuses do panteão Romano, como Júpiter, não sofre da simples crítica de ignorância, que é feita por críticos de Peele, convenientemente ignorantes. Ao colocar nas palavras de Mulei Mohamed:

(...) Be Pluto, then, in hell, and bar the fiends,
Take Neptune’s force to thee and calm the seas,
And execute Jove’s justice on the world (...)

Peele saberia perfeitamente que os mouros não se refeririam aos deuses do panteão romano, mas decidiu inserir esse discurso no Mouro, aliado de D. Sebastião, que assim se rebelava contra o destino que lhe preparavam os deuses do panteão clássico.
Apesar de se pretender reduzir o interesse inglês na batalha à participação de Thomas Stukeley, um personagem controverso na Corte da Rainha Isabel, que alguns diziam ser seu irmão ilegítimo... é óbvio que a Batalha de Alcácer-Quibir só foi desvalorizada por algumas censuras explícitas, mas depois foi-no por censuras muito mais poderosas - as implícitas, que levaram o posterior Shakespeare a aparecer como fundador do Teatro Inglês, esquecendo estas obras de George Peele, aliás supostamente anónimas. Shakespeare emerge como encenador no teatro inglês apenas após a morte de George Peele, e só traz uma particularidade efectivamente nova - o não abordar explicitamente assuntos incómodos nas suas peças.

O argumento estava definido para as peças seguintes:
- a fama seria bondosa com temas abstractos ou ligeiros, mas severa com representações explícitas!
O argumento desta peça... o argumento desta grande peça encontra-se desde então em exibição por todas as salas de teatro, por todas as salas de cinema, por todas as nossas salas através da televisão.


___________
(*) Curiosamente o título "Prisioneiro de Veneza" será depois usado como título numa obra de um soldado metereologista, que decide publicar um "Panfleto sobre a contingência"... obra depois renomeada como "A Náusea", ou seja falamos de Jean Paul Sartre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


São Vicente de Fora

por desvela, em 22.04.11
Os painéis de S. Vicente de Fora foram um dos primeiros temas que abordámos, há mais de um ano atrás.
Não vejo necessidade de grandes alterações ao que foi dito na altura... as correcções face à nova informação seriam entretanto pequenas e pontuais.
Talvez um dos aspectos a merecer alguma reflexão é ter D. Afonso Henriques empreendido uma viagem (em 1173) ao Cabo de S. Vicente, atendendo a que o Algarve estaria sob domínio mouro... S. Vicente estaria fora do território nacional. O historiador árabe Al-Idrisi salientava a presença de corvos no local da sua sepultura, designada igreja dos corvos: Kanīsah al-Ghurāb.

Para além da tradição acrescentar dois corvos, companheiros da embarcação que transportava os restos do santo, e que ficaram no símbolo de Lisboa... a tradição dizia ainda que nesse Promontório Sacro estariam os restos do Templo de Hércules. A conotação "sacro" perdia-se na memória até aos tempos de Hércules. Afonso Henriques define aí um novo ponto sagrado - as relíquias de S. Vicente. Esta substituição obliterou essa memória antiga, substituindo-a por uma outra, mais católica.

Somos depois levados ao templo de S. Vicente de Fora. Dizia a Ilustração Portuguesa de 1867:
Representamos hoje na nossa estampa o templo de "S. Vicente de Fóra", que foi erecto em tempo de El-Rei D. Sebastião, no local onde existia a ermida que memorara a primeira glória de Portugal: - queremos dizer, onde, na conquista de Lisboa, em tempo de El-Rei D. Afonso Henriques sagrando o terreno que serviu de cemitério aos soldados dedicados a Cristo, e ao levantamento de um novo reino, que tanto se há ilustrado na História.
 A estampa de S. Vicente de Fora, que se encontra no periódico, é a seguinte:
o que mostra que não houve propriamente grandes alterações face ao seu estado actual:
A estampa ilustrava o funeral de D. Pedro V, acontecimento particularmente sentido pela população.
Porém, se o relato da revista coincide com a história de D. Afonso Henriques e o cemitério dos Cruzados, já é muito menos concordante ao atribuir a construção ao reinado de D. Sebastião...
A afirmação é feita casualmente, como se fosse facto bem conhecido, não tendo em conta que a arquitectura não parece ser típica do Séc. XVI, sendo por isso hoje considerada a construção terminada 50 anos mais tarde, já no Séc. XVII, e sempre sob reinado filipino. Ter sido mausoléu da dinastia de Bragança talvez invocasse uma construção pela casa de Bragança no período de ocupação filipina.
Trata-se portanto de mais uma, das muitas obras executadas no reinado de D. Sebastião, rei que normalmente não é considerado pela sua faceta construtora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:33


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D