Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Com chás (2)

por desvela, em 12.07.13
Vieira.
Já aqui tínhamos apresentado uma moeda que tinha o símbolo da empresa de D. Sebastião:

Serena Celsa Favent, era o moto, e se o esclarecimento favorece a excelência, aqui temos uma concha, a vieira venusiana, e um peixe, símbolo cristão, sob uma constelação estelar (Pleiades?) enquadrada com o crescente selene, lunar.
Devemos notar que as conchas estão ligadas ao baptismo, havendo mesmo pias baptismais com essa forma:
 
Pia baptismal - Igreja NªSrª Navegantes (Armação de Pera, imagem)e concha baptismal (imagem)

Portanto, há uma ligação da concha à libertação do "pecado original", da expulsão do Paraíso. 
Bom, e tendo acabado de falar nas ilhas polinésias, do Taiti no texto anterior, de forma algo natural estabelecemos a noção de "ilha paradisíaca"... como se congenitamente o fosse reconhecido naquelas paisagens.


Pelicano.
Para além do peixe, também o pelicano, pelo auto-sacrifício pela prole, é considerado um símbolo de Cristo, tendo sido primeiro adoptado por D. João II como seu símbolo.
Vamos encontrar esse símbolo com um influente conselheiro dos reis ingleses Henrique VII e Henrique VIII, tratava-se de Richard Foxe, bispo de Winchester:

Leito de morte de Henry VII Tudor (1509) com destaque para Richard Fox, Bispo de Winchester, 
vêem-se as quinas portuguesas e o pelicano de D. João II.

O que faria o Bispo de Winchester, o conselheiro mais influente de Henrique VII, e depois de Henrique VIII (até ser substituído por Wolsey), usar armas com quinas e o pelicano, símbolos do já defunto D. João II?
Estava aqui implícito que a política de D. João II teria uma continuação pelo lado inglês?

Richard Foxe vai fundar o Colégio Corpus Christi de Oxford, que ainda hoje usa o símbolo do pelicano:
  
Richard Fox, o pátio central com o Pelicano do Corpus Christi de Oxford, e as armas do colégio,
que incluem ainda as armas de Hugh Oldham (com 3 mochos e rosas vermelhas de Lancaster)

Mais tarde, também Isabel I, filha de Henrique VIII, a rainha que determinará a expansão inglesa, irá adoptar o pelicano como símbolo no seu papel de "mãe" da Igreja Anglicana. A simbologia cristã do pelicano remontará a S. Tomás de Aquino, a sua ligação às quinas portuguesas só fica evidente através de Fox, e da influência que terá tido na regência dos Tudor.

A tomba de Fox está na catedral de Winchester da Santíssima Trindade, que era a mais influente à época, e que curiosamente esteve em perigo de colapso por inundação das fundações, sendo "salva" pelo trabalho contínuo de um escafandrista, William Walker, entre 1906-11, que tem um busto na catedral cuja cripta ainda se encontra imersa em água. 

Catedral de Winchester, o escafandrista Walker, e a cripta inundada (com escultura moderna).

Cordeiros.
Curiosamente, 50 anos antes, outro Bispo de Winchester, Henry Beaufort, ficou famoso por dirigir o processo inquisitório que condenou Joana d'Arc à fogueira. Tratava-se de um meio-irmão de Filipa de Lancastre, sendo um dos muitos filhos de John de Gaunt (com Katherine Swynford, no terceiro casamento que originou a linha Beaufort). 
Henry Beaufort, o inquisidor, e Joana d'Arc... 
um cordeiro entregue à fogueira.

Joana d'Arc tinha sido entregue por Philippe III de Borgonha (casado com Isabel de Portugal, filha de D. João I, sobrinha do inquisidor). Margaret Beaufort, também sobrinha deste Henry, será mãe do rei Henrique VII, que derrota Ricardo III, tornando-se o primeiro dos Tudor. Henrique VII usa a rosa de Lancaster, mas ao casar com uma rosa de York, terminará a Guerra das Rosas com a união.
Um detalhe importante é Henrique VII usar num retrato o colar do Tosão de Ouro, o símbolo da Ordem fundada por Philippe III de Borgonha, aquando do casamento com Isabel de Portugal.
Phillipe III de Bourgogne, fundador da Ordem do Tosão de Ouro (esq.)
Henry VII Tudor, membro da Ordem do Tosão de Ouro (dir.)
Ambos usam o colar da ordem, com o cordeiro sacrificial.

Duque de Kent, chefe da Grande Loja de Londres, com colar da Maçonaria.

Juntei uma imagem de colar da maçonaria porque o compasso, ou o esquadro, descaindo em forma de V invertido, assemelham-se ao cordeiro sacrificial, que vemos nos colares da Ordem do Tosão de Ouro.
Conforme já referi noutros textos, o cordeiro tem vários significados, não apenas ligados à lenda de Jasão e dos Argonautas. É claro que a Ordem surgindo no contexto do casamento da irmã do Infante D. Henrique, carrega um aspecto dos Descobrimentos ligado aos "Argonautas" e ao Velo de Ouro.
Descobrir foi desvelar, tirar véus... na forma Ariana deste carneiro, o Velo seria a pele de Aries, uma pele de Ouro, ou de Oro, forma abreviada de Hórus, o olho vigilante que se pode ligar ao verbo Orar.
Descobrir foi revelar, levantar Velas e não tanto retirá-las. As cara-velas do Infante velaram pelo véus antigos, e a Ordem do Tosão ou "Velo de Ouro", pode ser vista como preservação do "véu de Hórus".
Jasão teve que vencer o Dragão da Cólquida para obter o Velo de Ouro, tal como Hércules teve que vencer o dragão Ládon, que guardava as ocidentais Hespérides, num dos 12 trabalhos (ou 12 Oras...).
Ao mesmo tempo aparecia a Ordem do Dragão, de que fez parte o Infante D. Pedro, e que já ligámos à Dra-cola, ou Cola do Dragão, em que o "Colar" se refere ao pescoço, tal como Coço e Cola se referem à retaguarda, entrelaçada ao pescoço... (sobre o significado antigo de "coço da procissão" ser "atrás da procissão", ler D. Manuel Clemente)

A história do cordeiro tem ainda o aspecto hebraico que remete à Páscoa, ou à paz-côa, quando Abraão é sujeito ao teste de obediência divino, e o seu filho Isaac é substituído pelo cordeiro no sacrifício:
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis... dona nobis pacem
É um bocado complicado falar deste ponto, porque o sacrifício do cordeiro ordeiro envolve aqui um conceito perverso, no outro verso interpretativo. Deus não permitiria o sacrifício do filho eleito, apenas dos cordeiros... e por isso os cordeiros poderiam ser sacrificados, até que Deus se manifestasse em sentido contrário. E quem eram os cordeiros a sacrificar? O sacrifício indiscriminado traria a presença de Deus?
Pois... até que ponto os Árias foram pastores de Aries, cordeiros? Até que ponto os pastores sacrificariam os seus cordeiros para reencontrarem Deus, ou o Messias?
Esta filosofia continha uma aposta tripla 1X2, se Deus não interviesse perante a iniquidade, os pastores beneficiariam do velo de ouro, uma opção hedonista face à ausência divina. De forma oposta, justificariam a sua acção perante o divino, requerendo a sua presença, afinal a sua omnipotência só permitiria o sacrifício dos sacrificáveis. A incógnita X seria a recusa teológica de outras possibilidades... obviamente possível por crença, mas afinal insustentável racionalmente. Azar, este universo foi definido justamente pela racionalidade, e os absurdos levam ao vazio contraditório - o caos irracional fica no seu exterior. O tempo permite o absurdo diferido, temporário, mas não o simultâneo e permanente. Todos os filhos de Gaia são introspectivamente recuperáveis, pela lógica do arrependimento, do reconhecimento de erros, mas não é possível a recuperação dos irrecuperáveis. A persistência eterna no absurdo foi simplesmente excluída, nem tampouco poderia ser humana. Logicamente, não poderia ser doutra forma... os erros podem viver nas ilusões temporárias, que acolhem elementos do caos, mas não o caos completo. Desse oceano caótico importamos a imprevisibilidade, elementos artísticos e sentimentais, mas esses impulsos devem sujeitar-se ao enquadramento racional, sob pena de serem o convite ao estabelecimento do irracional, e à recusa da principal faculdade humana, que nos distingue das alimárias, a racionalidade.

Chapéus...
Há muitos, vários formatos de chapéus. Assim, para além do colar com o cordeirinho sacrificial, também o chapéu usado por Filipe III de Borgonha fez moda, ficou conhecido como "chapéu borgonhês", e resistiu aos tempos, sendo ainda hoje uma indumentária usada pela Confraria do Vinho do Porto:
É claro que no caso da confraria de vinho usa-se no colar uma taça de escanção, para averiguar da cor do vinho, afinal simbolicamente tratado como "sangue de Cristo".
A taça do vinho da Última Ceia foi habitualmente designada como Graal, e houve já quem sugerisse que o nome Portugal encerraria um críptico "por-tu-graal", que assim se complementaria, pela associação de Porto e Gaia, nas caves do famoso vinho, que sozinhas asseguravam as contrapartidas do Tratado de Methuen. Para adivinhos, há outros vinhos... os famosos vinhos da Borgonha, ou de Bordéus, da antiga região da Guiana occitana-basca, entre outros preciosos néctares de um Baco divino di-vinho, cuja preservação de antiguidade necessita do devido arrefecimento em caves bem seladas.

Baptista
Não longe, encontramos a Igreja Matriz de Vila do Conde, cuja a entrada é interessante.
De construção biscainha, apresenta de um lado as armas de D. Manuel (num caso raro, em que ainda aparece a dupla esfera armilar, sugerida por D. João II), e do outro lado temos: a âncora da Póvoa de Varzim, o antigo barco de Vila do Conde, e um outro brazão com uma figura humana que emerge de uma concha (símbolo associado à localidade de S. Pedro de Rates).
Igreja Matriz, de S. João Baptista, em Vila do Conde (imagem).

Como a Igreja é dedicada a S. João Baptista (que aparece no topo da porta), a concha será baptismal, mas também referente à mítica presença do Apóstolo Santiago, que teria ordenado S. Pedro de Rates como primeiro Bispo de Braga (45 a 60 d.C.).
Há assim essa dupla ligação a conchas, cuidando ambas para o simbolismo do renascimento, numa igreja renascentista emanuelina. O homem que sai da concha aparece depois, com D. Sebastião, na forma de peixe, invocando esse Renascimento cristão, que seria o renascimento de Cristo, na forma humana.
O ritual baptista parece remeter para uma origem aquática, pela imersão do baptizado, ou mais simbolicamente vertendo água na sua cabeça.
No entanto, há variações baptistas.
Um outro aspecto de baptismo, era o baptismo com óleo, aplicado na unção de sacerdotes.
Aí podemos ver outro aspecto das vieiras que, virtude dos tempos, são reencontradas no símbolo de uma famosa companhia petrolífera:

A vieira usada como símbolo de petróleo pela Shell.

O petróleo, também designado como "ouro negro", passou a encerrar outros véus, ou velos de ouro negro... mas para essas considerações remetemos para um texto anterior.

Poderíamos ainda falar de outros aspectos interessantes das vieiras, nomeadamente pela sua geometria.
Há uma confluência entre parte de um quadrado e parte de um círculo, podendo ser usado para simbolizar a relação do número Pi na quadratura do círculo.
Por outro lado, as divisões naturais das vieiras (ou outras conchas) poderiam servir para marcar ângulos, constituindo um simples instrumento de posicionamento, semelhante a um vulgar quadrante, para simples uso náutico, em navegações primitivas. Esse seria um aspecto prático de orientação astral para qualquer peregrino, associando a vieira ao cajado do pastor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13


Nota de Rodopé

por desvela, em 01.02.13
A Rodopé foi atribuída a mais pequena das três pirâmides de Gizé (Miquerinos). A situação começa logo por ser confusa porque aparentemente Rodopé era um pedreiro escravo no Egipto. Porém, a atribuição a si da construção de uma pirâmide faz pensar mais em "pedreiro livre". 
A sua ligação a Esopo, outro escravo, é feita por La Fontaine, e a ligação de La Fontaine a Esopo faz-se através das fábulas, que são surpreendentemente semelhantes... Se escreveu sobre ele, é provável que La Fontaine tenha também lido a fábula de Esopo sobre "a formiga e o gafanhoto", a história de uma formiga trabalhadora e de um gafanhoto folião, que depois se vê obrigado a pedir-lhe comida no inverno. Agora, o que é que esta história de Esopo tem a ver com a bem conhecida Fábula de La Fontaine entitulada "A cigarra e a formiga"? O gafanhoto ter passado a cigarra? Uma lista de fábulas de Esopo pode ser encontrada aqui, e as várias coincidências de histórias podem dever-se a um olhar inculto, que não capte a inovação. E, sendo irónico, ao mesmo tempo não sou - a outra hipótese não deve ser descartada, porque as pequenas subtilezas fazem o gosto do secretismo cortesão.

Ora, esta nota de Rodapé, encontrei-a num livro de 1665, de Olfert Dapper, "Description d'Afrique", pag. 67, onde pouco antes se encontram duas ilustrações que concatenei:
Assinalei com duas setas vermelhas dois bustos. Um, próximo do Nilo, será a Esfinge com corpo de leão, quanto ao outro busto... não faço ideia. Seria liberdade criativa do autor? Finges ou Esfinges?
E todas aquelas pirâmides juntas? Contavam-se 17, segundo o relato citado do Príncipe Radzivil, que diferencia as duas principais, atribui a 3ª a Rhodopé, que dizia ser a mais perfeita em acabamento... ao contrário do que se vê hoje.

Mas, hoje, também se sabe que as esfinges, quando lhes cresce o nariz, pode cair pela gravidade.
Conforme se ilustra na wikipedia há algumas imagens da esfinge (e talvez da outra estátua) ainda com o nariz, pelo menos até 1700. Depois, o nariz cai... e há quem diga que foram os soldados de Napoleão, mas há uma imagem reportada a 1755, de F. L. Norden, que mostra uma estátua sem nariz.
Porém, nestas coisas conviria haver menor suspeição. Não ajuda as imagens terem uma legenda em francês, reportando a uma tradução de 1798, consequentemente posterior à expedição. Por azar, não se encontram as imagens originais, e também por azar, há um inglês que tendo viajado em 1755 desenhou a estátua com nariz. O cuidado que a expedição francesa teve, em deixar tudo como tinha encontrado... ou quase(!), também ajuda pouco. Mas isso faz parte da história, e é preciso compreendê-la, antes de a julgar. 

Ora, fomos de Rodopé às Esfinges. As esfinges cumpriam um papel importante na mitologia, e lembramos imediatamente de Édipo e de Tebas, ensombrada por uma esfinge. O coitado do Édipo, apesar de resolver o enigma da esfinge, e libertar Tebas do pesadelo, não lhe bastavam as chagas nos pés, teve ainda uma vida desgraçada.
Porém, aqui é ilustrativo fazer uma pequena comparação abusiva. A esfinge que atormentava Tebas seria também aquela que serviria para lhe levar o melhor rei, ou pelo menos um rei suficientemente perspicaz para resolver aquele enigma. Nesse sentido, o papel de "mau da fita" da esfinge acabaria por servir o propósito de salvaguardar Tebas, e o próprio Édipo... assumindo que só ele poderia resolver o enigma. O inimigo dos falsos pretendentes seria amigo do pretendente correcto... afastando-se nessa altura.
A comparação abusiva é com o papel da gestação humana. Os espermatozóides surgem todos como inúmeros pretendentes a uma estrutura ovular, que faz de virgem ofendida, colocando uma parede à sua investida, deixando-os perecer à sua sorte. Normalmente o que o óvulo não saberá é que também se não escolher nenhum, estas coisas têm regras...
Entendido desta forma, o papel de Édipo é o do espermatozóide bem sucedido, que passa a parede da esfinge, para encontrar uma Tebas, que quer afinal cruzar os seus cromossomas com o os do sábio forasteiro. Imagino que este tipo de mitologia esteja presente desde os tempos do culto de fertilidade, e pode invocar uma replicação de estrutura fisiológica, para o campo social.
Porém, estas coisas nem sempre são como nós queremos, e parece que o destino de Édipo estava traçado... ao invés de pastar ovelhas, foi bater nas paredes de Tebas. E também sabemos, que se Édipo não fosse ter com a Esfinge, era natural que a Esfinge aumentasse o seu raio de acção, acabando por o apoquentar no seu pasto... como já dizia Maomé.

Podia falar, analogamente, da figura do "Mecias", e escrevo assim, sem "ss", porque o "c" permite uma pequena variação de letras para "em Isac", e referir como são sacrificados cordeiros para lembrar a poupança do filho eleito de Abrão. Ora eu não fiz a linguagem, mas não posso deixar de notar no Velo de Ouro, ou no Tosão de Hórus... enfim, trocadilhos a desvelar, com colares menos explícitos, já agora.

Na parte da mitologia que falta contar, em Gaia, há uma estrutura suporte, que detém a ordem, uma visão, metade do sistema... a outra metade é externa, será filha do caos, do exterior, e terá a outra visão. Nessa mitologia de contornos fisiológicos, mas que é uma figuração de ideias, a estrutura ovular é preservada, pois é dela que sairá o ovo. É claro que se não houver ovo, entramos numa figuração diluviana.

Por outro lado, se é preciso dar nome ao ovo, ele está há muito presente como ícone. Primeiro, porque se deve separar "i-cone". E o cone numa perspectiva, numa sombra, parece uma pirâmide, mas pela base é um círculo. Sobre o equilíbrio entre as duas estruturas, já falei aqui. Sem as duas visões falha a perspectiva da outra dimensão. De um lado, do lado da realidade, do entendimento da ordem, está a perspectiva mãe, do outro lado, naquilo que parece ser acaso, caos, está a parte paterna.
O cone tem figurações que escapam à pirâmide quadrangular, justamente porque a base não é de raiz quadrangular... tem como génese a "quadratura do círculo", ou se quisermos, a "circulatura do quadrado", e o seu nome é Pi, e "ainda não tem vida". Pi está no nome "pirâmide", mas não na sua estrutura... aliás o prefixo "pi", podemos encontrá-lo em "pico", "pilar", e mais não "falo".
Porquê?
Porque haveria de a relação entre uma estrutura e outra se estabelecer com um número particular?
Teria que ser algum... é claro, mas não há nenhuma razão particular de não se estabelecer de forma racional, e sim transcendental. Na nossa compreensão do universo essa razão estabelece-se. Essa é uma ligação entre a nossa compreensão racional possível e o universo. Uma limitação que eventualmente está ligada à nossa condição material, e até biológica... onde somos meros seres definidos pelo número 5. 

Em resumo, para a parte de História, o que interessará mais será perceber o que aconteceu aos monumentos das pirâmides... o resto pode ser visto, se quiserem, como fabuloso, não de fábula de La Fontaine, nem de Esopo, mas de quem está farto de assistir à tosquia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55


Arquitecturas (3)

por desvela, em 13.05.12
A mitologia grega, reportada por Hesíodo, ilustra uma Teogonia que já aqui comentei várias vezes.
Para quem estiver demasiado enredado em teorias que explicam "sim, porque sim", será fácil negligenciar eventuais mensagens e classificá-las como poesia. 
Vou por outro caminho, demonstrando como se pode retirar alguma filosofia interessante.

O universo existe, e cada um de nós é testemunha dessa existência.
Poderia não existir, ou o que seria equivalente, poderia não ganhar consciência da sua existência!

O universo puramente material, de pedras e calhaus, não poderia ter essa consciência.

Para ser observado, o universo precisa, pelo menos, de um observador... que estará obviamente dentro do universo, por definição de universo!
Um observador básico pode não ter consciência de si, pode apenas reflectir internamente o que vê externamente. 
Se puder ver tudo então o observador e o observado coincidem... por correspondência directa. Se o observador for superior ao observado, então é porque não se observa completamente a si próprio, e caso contrário, o observador tem uma óbvia lacuna na sua observação.
Para além de eventuais alegorias políticas, a mitologia grega dá a entender que de um "caos inicial", emergem estruturas, e para o que nos interessa, há uma Gaia universal que não fica satisfeita com a ocultação em que Úrano colocará alguns dos seus filhos.
Isto sugere justamente um problema de observação incompleta, e não ficaria resolvido se parte dos filhos de Gaia, estruturas emergentes do "caos inicial", ficassem ocultados... não vissem a luz.
Há por isso, uma segunda geração, onde aparece Cronos... associado ao tempo.
Podemos ver isto também como uma passagem da palavra ao verbo. O verbo induz sempre uma acção, nem que seja contemplativa, e pressupõe a existência de tempo.

A noção de tempo vai cortar o universo entre passado e futuro, no entanto não deixa numa posição definitiva os não-observados. Os titãs, remetidos antes à escuridão, poderiam ver a luz... poderiam ser observados. A noção de tempo permite uma alternância de observação, mas induz uma outra perda, o corte temporal originaria um passado, sem acesso imediato, pela ordenação. O corte de Úrano faz assim surgir uma Afrodite, deusa do amor, que reflecte uma preferência, que vai contra as alterações temporais. Essa noção de amor primordial reflectiria um desejo de preferência, no sentido contrário ao equilíbrio de tratamento pretendido por Gaia.
Aqui podemos encontrar ainda as antigas de noções orientais de Yin e Yang, que alternam, já que qualquer preferência num sentido, assume implicitamente a existência da sua negação. Se queremos algo, sabemos da hipótese contrária, e portanto as duas coexistem, nem que seja no plano ideal, dos sonhos (ou pesadelos).

Ainda assim, Cronos, o filho de eleição de Gaia, vai originar uma nova ocultação, de si próprio... já que haverá filhos seus que são ocultados, engolidos dentro de si. Nesta segunda geração temporal é Raia que toma o papel de Gaia, e Cronos enfrentará um destino de deposição, tal como o pai Úrano, e assim previsto por ele... Afinal o problema temporal não resolvia a observação interna, apenas a incompletude das observações externas.
É neste sentido que aparece Zeus, o filho que liberta os irmãos, afinal iguais ao pai.
Nesta terceira geração pode encarar-se que se introduz a "observação do observador", e onde se poderia cumprir o desejo de Gaia-Raia, de ser contemplada em toda a sua beleza, mas eu diria que falta a Maia...
O problema, conforme relatado na Teogonia grega, é que Zeus irá remeter de novo alguns Titãs à escuridão, mesmo os que o ajudam na Titanomaquia contra Cronos.
A razão é perceptível... num mundo ideal, agora com o amor de Afrodite, alguns dos Titãs seriam menos amados, e cria-se uma divisão ao nível do desejo. Há simplesmente alguns Titãs que são remetidos definitivamente para o Tártaro... o inferno grego. Ou seja, acaba por haver conhecimento proibido, não por incapacidade, mas por vontade. Talvez nessa altura Gaia tenha começado a girar, fazendo oscilar entre a luz do dia, e as trevas nocturnas... onde o sonho faria emergir afinal o que não se queria ver.

Prometeu, um dos titãs não condenados, mas inconformado, criador dos humanos, obriga Zeus a uma escolha relativa às oferendas aos deuses. Das oferendas, resultantes do trabalho dos humanos, Zeus teria que escolher apenas uma das partes.
Zeus prometeu a Prometeu respeitar a escolha, não sabendo que o titã iludira "os ossos", que ficariam assim para os deuses, e deixando "a carne" para os humanos. 
Como Zeus não fez tenção de cumprir o prometido, Prometeu decide entregar o fogo, a centelha divina, aos humanos... que antes disso seriam provavelmente vistos como hominídeos.
Essa capacidade humana, semelhante à dos deuses, terá enfurecido definitivamente Zeus, que condenou o titã a ver o fígado ser devorado por uma águia, provavelmente a águia imperial. 

Ou seja, a mitologia grega leva-nos até ao momento em que os deuses constituíam uma elite, uma inteligência com alguns poderes superiores aos humanos vulgares, mas que interagia com ela, num acordo diferente do prometido a Prometeu.
O acordo era simples... os humanos submetiam-se à vontade divina, faziam as suas oferendas no sentido dos desejos de ambos. Esses desejos incluíam manter os titãs ocultos no Tártaro, e livrar-se de todas as más influências, ainda que para isso os humanos sofressem com os caprichos dos deuses.
Durante a vida terrena, os deuses serviriam como um garante de que os humanos poderiam ter os seus desejos satisfeitos, mediante as devidas oferendas, ou trocas comerciais. Os humanos alinhariam assim com estes deuses do Olimpo na ocultação de conhecimento.
Afinal, tal como a maçã, a caixa de Pandora seria demasiado perigosa.

Termino, com uma consideração final, no mesmo sentido, mas não tanto no aspecto mitológico, mas sim no aspecto mais racional.

Conforme dito, o universo puramente material, de pedras e calhaus, não poderia ter consciência de existência.
Os seres animais mais básicos conseguiriam observar uma parte do universo, mas com uma reflexão semelhante à do espelho. O que era interno reflectia o exterior, sem conhecimento acrescentado... dito doutra forma, limitavam-se a replicar, sem acrescentar nada de novo.
Não seria apenas assim que o universo tomaria consciência da sua existência.
Seria necessário ligar a essa informação exterior uma informação interior, diferente, nova... uma apreciação pessoal, interna ao ser.
Os seres poderiam evoluir no sentindo de organizarem internamente a informação externa, e a sua apreciação sobre ela, terminando numa capacidade de consciência... ou seja, que existiriam para além do exterior que viam!

Só que cada ser teria a capacidade de desenvolver uma visão individual do exterior, que poderia ser completamente arbitrária, variando de ser para ser, e não acrescentaria propriamente nada de novo.
A apreciação teria que ter um custo individual, para que tivesse algum valor.
É neste sentido que aparece a "necessidade" de uma "realidade" que interage com cada um dos seres... eles deixam de ser simples espectadores arbitrários de uma parte do universo.
A sua cognição é formada com um propósito de sobrevivência, uma cognição desadequada implicaria  a extinção antecipada, e assim por um processo de selecção seria determinada a cognição mais apta para interagir com a realidade comum criada.
Neste sentido funciona o "evolucionismo", já que a cognição que melhor modelar o mundo exterior, permitirá uma sobrevivência.
Porém, isso depende das leis do mundo exterior... e o objectivo não será encontrar o animal melhor capaz de sobreviver num determinado mundo exterior. Caso tivesse sido isso, podíamos ver os dinossauros, ou análogos muito maiores, como destino final evolutivo.
Do ovo de crescimento individual, não acompanhado, sem interacção social, não surgiu acréscimo cognitivo para além da transmissão genética. Foi a estrutura de acompanhamento familiar, típica dos mamíferos (e aves), que permitiu essa evolução, pela comunicação.
O acréscimo de cognição, que tornou o homem como mais apto à sobrevivência na Terra, trouxe uma capacidade de entendimento que vai para além da realidade que compreende. Trouxe o mundo de ideias abstractas, que não estão restritas a uma realidade particular, ainda que possam ter aí a sua origem.
A competição "evolucionista" que passou por uma capacidade de sobrevivência nesta realidade física, e que foi preservando genes pela reprodução, guardando material genético do mais apto, misturou-se com uma nova competição. O homem passou da competição pela guarda do código genético, para guerras motivadas por ideias. A competição pelo código genético seria ainda um comportamento animal, passado para tribos, povos, nações... mas a competição pela prevalência de ideias é algo completamente diferente. Os irmãos não são necessariamente irmãos de sangue, passam a irmãos de ideias, ainda que possam estar ligadas à cultura de um povo.
Isto é um salto, já que o espaço de algo imaterial, como uma ideia, ganha estatuto de máxima relevância material, ao ser disputado no campo de uma realidade, misturando os dois conceitos, e colocando em causa a própria sobrevivência individual, e consequentemente das ideias.

Como explicitei, o caminho será o do auto-conhecimento, mas não de um indivíduo particular.
O indivíduo é um detalhe no meio do processo... como já o tinha sido enquanto portador de genes. Os indivíduos foram dispensados na evolução, apenas ficando um traço genético, que permitiu o raciocínio complexo. Um puro materialista verá o raciocínio como consequência da evolução.
Evoluções haveria muitas, mas poucas levariam a privilegiar uma evolução no sentido do conhecimento. Se não houvesse qualquer objectivo, a evolução mais natural terminaria rapidamente em seres que nada tinham de pensante.
A evolução que levou ao estádio em que estamos teve como objectivo o conhecimento, e é por isso que a percepcionamos. Nesse sentido, o conhecimento é a causa da nossa evolução e não a consequência, e por isso foi tão frágil, misterioso, com saltos algo inexplicáveis, e não tão linear.
Limitar o conhecimento tem custos claros, já que podemos evitar procurar o que desconhecemos, mas arriscamos obviamente a que o desconhecido nos procure a nós.
(12 e 15 Maio 2012)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:47


Arquitecturas (3)

por desvela, em 12.05.12
A mitologia grega, reportada por Hesíodo, ilustra uma Teogonia que já aqui comentei várias vezes.
Para quem estiver demasiado enredado em teorias que explicam "sim, porque sim", será fácil negligenciar eventuais mensagens e classificá-las como poesia. 
Vou por outro caminho, demonstrando como se pode retirar alguma filosofia interessante.

O universo existe, e cada um de nós é testemunha dessa existência.
Poderia não existir, ou o que seria equivalente, poderia não ganhar consciência da sua existência!

O universo puramente material, de pedras e calhaus, não poderia ter essa consciência.

Para ser observado, o universo precisa, pelo menos, de um observador... que estará obviamente dentro do universo, por definição de universo!
Um observador básico pode não ter consciência de si, pode apenas reflectir internamente o que vê externamente. 
Se puder ver tudo então o observador e o observado coincidem... por correspondência directa. Se o observador for superior ao observado, então é porque não se observa completamente a si próprio, e caso contrário, o observador tem uma óbvia lacuna na sua observação.
Para além de eventuais alegorias políticas, a mitologia grega dá a entender que de um "caos inicial", emergem estruturas, e para o que nos interessa, há uma Gaia universal que não fica satisfeita com a ocultação em que Úrano colocará alguns dos seus filhos.
Isto sugere justamente um problema de observação incompleta, e não ficaria resolvido se parte dos filhos de Gaia, estruturas emergentes do "caos inicial", ficassem ocultados... não vissem a luz.
Há por isso, uma segunda geração, onde aparece Cronos... associado ao tempo.
Podemos ver isto também como uma passagem da palavra ao verbo. O verbo induz sempre uma acção, nem que seja contemplativa, e pressupõe a existência de tempo.

A noção de tempo vai cortar o universo entre passado e futuro, no entanto não deixa numa posição definitiva os não-observados. Os titãs, remetidos antes à escuridão, poderiam ver a luz... poderiam ser observados. A noção de tempo permite uma alternância de observação, mas induz uma outra perda, o corte temporal originaria um passado, sem acesso imediato, pela ordenação. O corte de Úrano faz assim surgir uma Afrodite, deusa do amor, que reflecte uma preferência, que vai contra as alterações temporais. Essa noção de amor primordial reflectiria um desejo de preferência, no sentido contrário ao equilíbrio de tratamento pretendido por Gaia.
Aqui podemos encontrar ainda as antigas de noções orientais de Yin e Yang, que alternam, já que qualquer preferência num sentido, assume implicitamente a existência da sua negação. Se queremos algo, sabemos da hipótese contrária, e portanto as duas coexistem, nem que seja no plano ideal, dos sonhos (ou pesadelos).

Ainda assim, Cronos, o filho de eleição de Gaia, vai originar uma nova ocultação, de si próprio... já que haverá filhos seus que são ocultados, engolidos dentro de si. Nesta segunda geração temporal é Raia que toma o papel de Gaia, e Cronos enfrentará um destino de deposição, tal como o pai Úrano, e assim previsto por ele... Afinal o problema temporal não resolvia a observação interna, apenas a incompletude das observações externas.
É neste sentido que aparece Zeus, o filho que liberta os irmãos, afinal iguais ao pai.
Nesta terceira geração pode encarar-se que se introduz a "observação do observador", e onde se poderia cumprir o desejo de Gaia-Raia, de ser contemplada em toda a sua beleza, mas eu diria que falta a Maia...
O problema, conforme relatado na Teogonia grega, é que Zeus irá remeter de novo alguns Titãs à escuridão, mesmo os que o ajudam na Titanomaquia contra Cronos.
A razão é perceptível... num mundo ideal, agora com o amor de Afrodite, alguns dos Titãs seriam menos amados, e cria-se uma divisão ao nível do desejo. Há simplesmente alguns Titãs que são remetidos definitivamente para o Tártaro... o inferno grego. Ou seja, acaba por haver conhecimento proibido, não por incapacidade, mas por vontade. Talvez nessa altura Gaia tenha começado a girar, fazendo oscilar entre a luz do dia, e as trevas nocturnas... onde o sonho faria emergir afinal o que não se queria ver.

Prometeu, um dos titãs não condenados, mas inconformado, criador dos humanos, obriga Zeus a uma escolha relativa às oferendas aos deuses. Das oferendas, resultantes do trabalho dos humanos, Zeus teria que escolher apenas uma das partes.
Zeus prometeu a Prometeu respeitar a escolha, não sabendo que o titã iludira "os ossos", que ficariam assim para os deuses, e deixando "a carne" para os humanos. 
Como Zeus não fez tenção de cumprir o prometido, Prometeu decide entregar o fogo, a centelha divina, aos humanos... que antes disso seriam provavelmente vistos como hominídeos.
Essa capacidade humana, semelhante à dos deuses, terá enfurecido definitivamente Zeus, que condenou o titã a ver o fígado ser devorado por uma águia, provavelmente a águia imperial. 

Ou seja, a mitologia grega leva-nos até ao momento em que os deuses constituíam uma elite, uma inteligência com alguns poderes superiores aos humanos vulgares, mas que interagia com ela, num acordo diferente do prometido a Prometeu.
O acordo era simples... os humanos submetiam-se à vontade divina, faziam as suas oferendas no sentido dos desejos de ambos. Esses desejos incluíam manter os titãs ocultos no Tártaro, e livrar-se de todas as más influências, ainda que para isso os humanos sofressem com os caprichos dos deuses.
Durante a vida terrena, os deuses serviriam como um garante de que os humanos poderiam ter os seus desejos satisfeitos, mediante as devidas oferendas, ou trocas comerciais. Os humanos alinhariam assim com estes deuses do Olimpo na ocultação de conhecimento.
Afinal, tal como a maçã, a caixa de Pandora seria demasiado perigosa.

Termino, com uma consideração final, no mesmo sentido, mas não tanto no aspecto mitológico, mas sim no aspecto mais racional.

Conforme dito, o universo puramente material, de pedras e calhaus, não poderia ter consciência de existência.
Os seres animais mais básicos conseguiriam observar uma parte do universo, mas com uma reflexão semelhante à do espelho. O que era interno reflectia o exterior, sem conhecimento acrescentado... dito doutra forma, limitavam-se a replicar, sem acrescentar nada de novo.
Não seria apenas assim que o universo tomaria consciência da sua existência.
Seria necessário ligar a essa informação exterior uma informação interior, diferente, nova... uma apreciação pessoal, interna ao ser.
Os seres poderiam evoluir no sentindo de organizarem internamente a informação externa, e a sua apreciação sobre ela, terminando numa capacidade de consciência... ou seja, que existiriam para além do exterior que viam!

Só que cada ser teria a capacidade de desenvolver uma visão individual do exterior, que poderia ser completamente arbitrária, variando de ser para ser, e não acrescentaria propriamente nada de novo.
A apreciação teria que ter um custo individual, para que tivesse algum valor.
É neste sentido que aparece a "necessidade" de uma "realidade" que interage com cada um dos seres... eles deixam de ser simples espectadores arbitrários de uma parte do universo.
A sua cognição é formada com um propósito de sobrevivência, uma cognição desadequada implicaria  a extinção antecipada, e assim por um processo de selecção seria determinada a cognição mais apta para interagir com a realidade comum criada.
Neste sentido funciona o "evolucionismo", já que a cognição que melhor modelar o mundo exterior, permitirá uma sobrevivência.
Porém, isso depende das leis do mundo exterior... e o objectivo não será encontrar o animal melhor capaz de sobreviver num determinado mundo exterior. Caso tivesse sido isso, podíamos ver os dinossauros, ou análogos muito maiores, como destino final evolutivo.
Do ovo de crescimento individual, não acompanhado, sem interacção social, não surgiu acréscimo cognitivo para além da transmissão genética. Foi a estrutura de acompanhamento familiar, típica dos mamíferos (e aves), que permitiu essa evolução, pela comunicação.
O acréscimo de cognição, que tornou o homem como mais apto à sobrevivência na Terra, trouxe uma capacidade de entendimento que vai para além da realidade que compreende. Trouxe o mundo de ideias abstractas, que não estão restritas a uma realidade particular, ainda que possam ter aí a sua origem.
A competição "evolucionista" que passou por uma capacidade de sobrevivência nesta realidade física, e que foi preservando genes pela reprodução, guardando material genético do mais apto, misturou-se com uma nova competição. O homem passou da competição pela guarda do código genético, para guerras motivadas por ideias. A competição pelo código genético seria ainda um comportamento animal, passado para tribos, povos, nações... mas a competição pela prevalência de ideias é algo completamente diferente. Os irmãos não são necessariamente irmãos de sangue, passam a irmãos de ideias, ainda que possam estar ligadas à cultura de um povo.
Isto é um salto, já que o espaço de algo imaterial, como uma ideia, ganha estatuto de máxima relevância material, ao ser disputado no campo de uma realidade, misturando os dois conceitos, e colocando em causa a própria sobrevivência individual, e consequentemente das ideias.

Como explicitei, o caminho será o do auto-conhecimento, mas não de um indivíduo particular.
O indivíduo é um detalhe no meio do processo... como já o tinha sido enquanto portador de genes. Os indivíduos foram dispensados na evolução, apenas ficando um traço genético, que permitiu o raciocínio complexo. Um puro materialista verá o raciocínio como consequência da evolução.
Evoluções haveria muitas, mas poucas levariam a privilegiar uma evolução no sentido do conhecimento. Se não houvesse qualquer objectivo, a evolução mais natural terminaria rapidamente em seres que nada tinham de pensante.
A evolução que levou ao estádio em que estamos teve como objectivo o conhecimento, e é por isso que a percepcionamos. Nesse sentido, o conhecimento é a causa da nossa evolução e não a consequência, e por isso foi tão frágil, misterioso, com saltos algo inexplicáveis, e não tão linear.
Limitar o conhecimento tem custos claros, já que podemos evitar procurar o que desconhecemos, mas arriscamos obviamente a que o desconhecido nos procure a nós.
(12 e 15 Maio 2012)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:47


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D