Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Haplogrupos caprinos

por desvela, em 17.03.14
Se fosse pretendido fazer-se um estudo conclusivo e minimamente sério sobre migrações, ele teria que tomar em consideração vários aspectos, nomeadamente incluir as migrações animais e das plantas.
A evolução genética das plantas cultivadas permitiria sem grande dúvida seguir o traço da agricultura.
A maioria da informação é herança cultural, que nos diz que o milho e a batata vieram da América, o arroz da Ásia, etc... porém, era muito conveniente fazer-se o traço genético completo para perceber se assim foi.

mt-DNA caprino
Um dos poucos estudos que encontrei no sentido complementar de estudar as migrações humanas diz respeito... a cabras, ao Haplogrupo mt-DNA das cabras domésticas!

Aparentemente há o grande domínio de um haplogrupo A, e quase todos os outros são razoavelmente minoritários. O sucesso desse haplogrupo A está bem evidenciado nos mapas que se seguem.

Haplogrupos da Cabra doméstica
 (Distribuição do Haplogrupo A e restantes) 
 
Naderi S, Rezaei H-R, Taberlet P, Zundel S, Rafat S-A, et al. (2007) 
Large-Scale Mitochondrial DNA Analysis of the Domestic Goat Reveals Six Haplogroups with High Diversity.
PLoS ONE 2(10): e1012. doi:10.1371/journal.pone.0001012



(Árvore de descendência, dominada pelo Haplogrupo A)


O artigo em questão, de Naderi et al., fala numa domesticação de há aproximadamente 10 mil anos, na zona do Crescente Fértil (... uma hipótese conservadora, dada a história oficial).
Portanto, seria a partir de um ponto algo impreciso no Médio Oriente que teríamos o desvio restante.

Haverá várias interpretações, e por isso focamos uns pontos objectivos:
i) Há um domínio quase total do A, em especial na zona ibérica e mediterrânica.
ii) Esse domínio só não existe na zona malaia-indonésia, onde domina o B. Este B descende do A.
iii) Há uma ascendência comum do B e C, e o C está essencialmente na zona europeia.
iv) Uma parte do B surge na África do Sul.

As razões para isto podem ser várias, desde a adaptação dos animais ao gosto dos humanos.
No entanto, podemos considerar uma hipótese interessante. A primeira domesticação do A deu-se a ocidente, tendo migrado para oriente onde sofreu uma transformação para B na zona indonésia. Essa transformação teve elementos C que acompanharam nova migração em direcção à Europa, e espalhou elementos B pela Ásia. Para além da chegada a Madagáscar, devemos considerar uma chegada dos humanos de haplogrupo O (austroasiáticos, chineses) mesmo à África do Sul. As variações D e G são directas do A, mas a variação B e C tem a mesma origem, e podemos pensar ligar o grupo C a uma migração do haplogrupo humano R em direcção à Europa (encontra-se em zonas semelhantes). 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11


Haplogrupo e "há pelo grupo"

por desvela, em 10.03.14
O grupo protege e esmaga o indivíduo.
"Há pelo grupo" significa aqui que "o indivíduo existe pelo grupo", pelo povo, pela espécie.
Conectar "haplogrupo" a "há pelo grupo" não é certamente etimológico, é simples visão ou cegueira, consoante os olhos inquisidores.
Até que cada indivíduo consiga equilibrar-se ao grupo, numa relação de igual para igual, a luta da potência contra a impotência não tem fim previsto. O apego à potência é apenas um prolongar infantil do medo da incontornável impotência. Ninguém domina o processo que leva da vontade de erguer o braço ao efectivo erguer do braço, e no entanto há quem julgue dominar tudo em seu redor... enfim, são visões ou cegueiras!

Com o lançamento de dados sobre haplogrupos haverá múltiplas hipóteses sobre a migração humana, a maior parte das quais apontam a clássica saída de África, com a dispersão sempre feita na zona entre o Cáucaso e Himalaias. Tenho insistido numa outra migração, saída da Oceania-Melanésia, e vou retomar esse assunto com alguns esquemas gráficos mais elucidativos.
O assunto é complexo, difícil de juntar, sujeito a ser questionado por vários detalhes, mas o meu objectivo foi apenas procurar dar um nexo que fosse consistente com as informações que tenho. Como é óbvio, não cuidará dos detalhes de informações que não tenho...

Y-DNA
Primeiro pelo lado Y-DNA, de que já tinhamos falado.
Encontrei no Dienekes' Anthropology Blog um mapa muito bom que está na Wikipedia, e conforme se diz, representa um grande esforço de representar o panorama actual, com a versão "mais consensual" para as migrações:

Como as letras dos haplogrupos são pouco informativas, irei arriscar usar nomes... não arbitrariedades como já foi feito, em que um H serve para Helena... 
A ideia será que o nome reflicta objectivamente a ascendência. 
O remoto ascendente adâmico seria um certo A perdido, dos quais houve variantes umas que se encontram em África, que designaremos por Á. Ao descendente que originou todos os restantes chamaremos Ã... e quase todos os nomes irão terminar em "ã" para reflectir essa ascendência (a letra pequena significa o rasto perdido). O negrito nas letras indica a sua designação simples actual, e usarei letras "u,y" para indicar elos perdidos.

(0) Temos uma separação Á e "ã" ainda em África.
(1) A descendência de "ã" serão Bã (África) e "cã" (todo o mundo).
(2) Desse "cã" perdido surgem "ucã" e "ycã" ambos perdidos, mas que originam:
   -- Ducã (Ásia), Eucã (dominante em África), Cycã (Austrália, Sibéria), Fycã (resto do mundo).
(3) Há aqui um salto e Fycã irá originar Gu-Fycã (Europa-Cáucaso) e outro elo perdido yu-Fycã.
   Este último origina Hyu-Fycã (Dravidiano), e ainda a outro elo perdido vyu-Fycã.
(4) Será desse novo elo perdido que surgem dois novos elos perdidos: u-vyu-Fycã e y-vyu-Fycã.
   Do primeiro aparecem Iu-vyu-Fycã (Escandinavo-Balcã) e Ju-vyu-Fycã (Semita).
   O restante dá novo elo perdido uy-vyu-Fycã surgindo então:
   Kuy-vyu-Fycã e um wuy-vyu-Fycã que gerará Twuy-vyu-Fycã e Lwuy-vyu-Fycã (India). 
(5) Surge a descendência dominante Kuy-vyu-Fycã, que dá SKuy-vyu-Fycã, e ainda mais dois elos perdidos (designamos x e y). 
   Um "x" terá como "netos" Nyx-Kuy-vyu-Fycã e Oyx-Kuy-vyu-Fycã.
   Outro "y" terá My-Kuy-vyu-Fycã e Py-Kuy-vyu-Fycã, como "filhos"...
   ... e finalmente QPy-Kuy-vyu-Fycã e RPy-Kuy-vyu-Fycã, como "netos".

Esta nomenclatura é estranha, mas não é mera "invenção" - por exemplo, reflecte o parentesco entre os haplogrupos M,N,O,P,Q,R,S que remete ao K, todos aqui com o nome comum Kuy-vyu-Fycã. Mostra que estão distantes das letras D, E, com quem já só partilham a terminação "cã" em Ducã e Eucã. A única "invenção" que aqui fazemos é usar as letras u, y,... para indicar os elos perdidos, e pouco mais. 
O comprimento do nome reflecte a maior diversidade de variações, e não terminaria aqui. 
Interessa aqui seguir de novo a possível história destas "famílias"...

Começamos pelo Quadro 1 em que vemos basicamente a linha primordial, que tem basicamente duas linhas que nunca saíram de África (A e B), essas irão manter-se ali até ao fim. 
O que vai mudar é um c, "", que será eneavô dos restantes saídos de África...

Supomos uma primeira separação "ucã" presa em África, pelo fim da passagem no Mar Vermelho, que irá gerar Ducã e Eucã (letras DE), por oposição aos restantes "ycã", que ficam na Ásia, ou seja Cycã e Fycã (letras CF).

Para abreviar, no Quadro 2 temos logo a descendência alargada destes "Fycã". 
Supomos que os Fycã terão dominado, empurrando uma divisão da restante população Cycã, uma para a Sibéria, Mongólia (C1,C3) e outra para a Oceania (C2, C4). Haverá uma reentrada na Ásia de parte da população retida antes em África, os Ducã
Um primeiro evento de subida de águas (diluviano) remeterá esses Ducã às montanhas do Tibete ao Japão (Ainos). Pelo lado dos dominantes Fycã, o evento diluviano leva uma parte Gu-Fycã a refugiar-se no Cáucaso, outra parte Hyu-Fycã, nas montanhas do Sul da Índia e Ceilão (população dravidiana e cigana). Finalmente, a parte restante vyu-Fycã (mencionada na figura 2 como IJK) será sujeita a novas variações ao refugiar-se nas montanhas que vão da Birmânia, Tailândia e Vietname até à Indonésia e Oceania. 

Passamos então ao Quadro 3. 
Nesta fase, a descida das águas permitirá a expansão da população dravidiana (Hyu-Fycã) pela Índia, que deverá ter dominado o sul asiático. Pelo lado africano, parte da população Eucã (berbére, moura), terá entrado na Europa, sendo notável ainda a percentagem elevada E3 na Grécia, havendo vestígios no restante sul da Europa. Nesta fase quase toda a África é dominada por essa população Eucã (E1), e assim se irá manter. 

Por via da descida de águas, uma parte da população vyu-Fycã, remetida às montanhas da Birmânia irá tentar regressar às planícies indianas. É natural ter havido um conflito com a população dravidiana Hyu-Fycã, e nesse conflito migrante alguns, vistos como gigantes, foram repelidos das paragens indianas. Esses "gigantes" iriam contornar o Cáucaso em direcção à Europa, os Iu-vyu-Fycã (antecessores de escandinavos ou croatas), enquanto que outros iriam para a península arábica os Ju-vyu-Fycã (antecessores de árabes, semitas... e romanos!). Assinalamos essa direcção migratória com as setas saindo dos IJ, que fica explícita no quadro 4, bem como a passagem Cycã para a América, talvez movidos por pressão dos Ducã (a influência de tibetanos em mongóis ainda hoje se mantém no aspecto religioso).

No Quadro 4 assinalamos ainda uma propagação europeia dos Gu-Fycã, com alguma ligação neandertal. Finalmente, há uma parte restante dos IJK que fica na Indonésia-Oceania, serão os Kuy-vyu-Fycã, ainda que se possa falar de novas tentativas de ingressão na Índia - populações Lwuy-vyu-Fycã e Twuy-vyu-Fycã (estas populações não estão assinaladas, porque não se constituíram como dominantes, tendo mantido alguns pontos de dominância em partes da Índia, os T podem ter acompanhado os R1b na migração seguinte, talvez denotando uma origem da mesma ilha oceânica)

Entre o Quadro 3 e 4 falamos circa 30 a 15 mil a.C., de acordo com a datação convencional à entrada no continente americano:
Migração Homo Sapiens (vermelho), Erectus (verde), Neandertal (amarelo). [Wikipedia]

Terminámos o Quadro 4 com a migração dos Kuy-vyu-Fycã para a Nova-Guiné, onde constituem a população SKuy-vyu-Fycã. A evolução em ilhas separadas irá trazer maior diversidade, sendo todos estes novos elementos da família Kuy-vyu-Fycã, vamos apenas designá-los pelo "primeiro nome"... SMy (Nova-Guiné), Nyx (turcos-siberianos), Oyx (chineses), QPy (índios-americanos), RPy (indo-europeus).

Nota: A presença específica de antecedentes comuns na Nova-Guiné faz-me ser difícil conceber outra qualquer hipótese que não coloque a origem naquelas paragens. Outras teorias migratórias não têm qualquer cabimento com um final só naquela ilha. Esta é a única possibilidade "natural" que vejo, sem entrar com outras considerações mirabolantes ou simplistas (que em última análise poderiam conter uma intervenção global externa feita por alienígenas). Os novos dados sobre tradições na Nova-Guiné, que envolvem mumificações, antas, etc. suportam esta hipótese.

Podemos já passar ao Quadro 5, que mostra como esta família Kuy-vyu-Fycã se pode ter movimentado.
Já falámos sobre os S e My que terão ficado na Nova-Guiné. De ilhas adjacentes... em que os candidatos podem ser Java, Bornéu, Sumatra, Timor, Celebes, ou tantas outras, terão partido os Py que depois de se estabelecerem na zona da Tailândia-Birmânia, tendo migrado por um lado em direcção à zona chinesa (os QPy), e por outro à zona indiana (os RPy). No entanto, pela mesma época terão partido, doutra ilha, os Nyx, também em direcção a paragens chinesas, tal como fariam por fim os Oyx. Se os Nyx já teriam empurrado os QPy, mais o fizeram com a nova pressão dos Oyx, tendo como resultado a migração dos QPy para a América, conforme se vê já no Quadro 5, e ainda mais no Quadro 6:

O Quadro 6 pretende apenas tornar clara a situação de evolução da migração/conquista com a entrada dos indo-europeus R na Índia, antes da sua migração para a Europa. Na zona europeia colocámos nestes quadros uma presença menos dominante dos G, já que há maior vestígio dos I e J

Nota: Aproveito para assinalar um problema de datação típico. O grupo G tem sido atribuído c. 17000 a.C. enquanto I e J chegam a ser colocados em 30000 a.C. No entanto, como fica explícito pela extensão do nome, a parte comum é o elo u-Fycã do qual G era "filho" e os I, J seriam "trisnetos". Qual a razão para colocar o "filho" 15000 anos mais novo que um "trisneto"? É claro que pode haver variações a qualquer altura, partindo dos existentes... mas teriam que ser minimamente justificadas, algo que tem parecido ser desnecessário. A teoria actual parece dar a ideia de que a população estaria em hibernação e mutações no Cáucaso, e de vez em vez uns saiam para passear... Esse problema é tanto mais notório quando se liga Cro-Magnon a R1b. Simplesmente as datações não batem certo umas com outras!

Adiante, passamos ao Quadro 7, que antecede, e ao Quadro 8, que tem a distribuição populacional actual. O domínio da população oceânica Oyx é completo no território do sudeste asiático, remetendo os Nyx para paragens siberianas numa ligação tartára que se estenderia depois à Turquia.
Da mesma raiz oceânica, os Q ficam dominantes na América, e os indo-europeus R iniciam a invasão europeia, provocando uma divisão dos I numa parte escandinava (I1) e balcã (I2), o mesmo se passando com os R1a e R1b, por virtude diluviana que estabeleceria o continente europeu como ilha. Os G passam a residuais na Europa, remetidos à origem caucasiana. Os R1a manteriam a ligação indo-europeia, enquanto que os R1b definiriam uma civilização atlântica (ou atlante...). Este seria o panorama à época diluviana, circa 9000 a.C. (ou bem menos...). 

mt-DNA
Vamos agora ver o que se passa pelo lado mitocondrial de transmissão feminina. Este aspecto será mais relevante em sociedades matriarcais. Só agora me refiro a esta análise porque há muito menos mapas, e a informação parece muito menos clara.
De qualquer forma, o panorama não é muito diferente no início... começa também em África, mas há logo uma separação em dois haplogrupos principais "m" (mais asiático) e "n" (mais europeu-oceania).

É interessante ver que os nomes aqui serão muito mais curtos... a variação genética pela herança mitocondrial parece ser muito menor.

Há variações do L, mas para seguir a mesma linha que fizémos para o Y-DNA, atribuímos o nome "Lã" às companheiras de "cã" na migração fora de África.

(1) As "filhas" de "Lã" são MLã e NLã.
(2) De MLã surgem D'MLã, E'MLã, G'MLã, Q'MLã, Cy'MLã e Zy'MLã.
      De NLã surgem A'NLã, S'NLã, R'NLã, I'NLã, W'NLã, X'NLã, Y'NLã.
(3) Restam apenas as descendentes de R'NLã, que são
BR'NLã, FR'NLã, PR'NLã, UR'NLã e ainda elos: aR'NLã, eR'NLã
(4) KUR'NLã descende de UR'NLã, e as restantes descendências são:
- HaaR'NLã e VaaR'NLã;
- JaeR'NLã e TaeR'NLã.

Como vemos, o nome mais comprido pelo lado mt-DNA envolve apenas 7 ascendências, enquanto no caso Y-DNA se verifica o dobro.

As letras agora mudam, e vou usar minúsculas nos quadros seguintes para não confundir com as de cima.
Começamos pelo quadro i). A hipótese é que um ramo L  teria-se separado em M e N, já na Ásia.
Esta separação bate certo com uma "situação diluviana", ligando MLã aos Cycã, e NLã aos Fycã.
A grande variação ocorrerá nessa altura por isolamento insular.
Uns ficam na zona caucasiana, outros na zona himalaia e na parte tailandesa-indonésia. 
Passamos à nova divisão, que apresentamos no Quadro ii), que é muito mais complexa.
Mais complexa, porque há várias subdivisões do n e várias subdivisões do m, algo que não acontecia no outro caso. 
Para explicar tal efeito, mais uma vez recorrerei à questão das ilhas asiáticas em situação diluviana - para evoluções diferentes. Mas com um carácter distintivo face ao Y-DNA masculino, ou seja, não haveria eliminação drástica da população feminina nos confrontos, permitindo a sobrevivência dessa diversidade. Ou seja, um grupo "masculino" poderia acompanhar-se de dois ou mais grupos "femininos", simplesmente pela imposição sobre as populações, sem aniquilação da componente feminina.

Inicialmente a população "m" estendia-se pela zona asiática oriental, atingindo as ilhas oceânicas. Pela separação a que os Fycã forçaram os Cycã, uma parte destes (mongóis-esquimós), que rumou à América, levou duas populações filhas D'MLã e Cy'MLã... mas não na totalidade, pois uma maior parte dessas filhas manteve-se em território asiático. Outras variações ficaram em territórios insulares da Ásia-Pacífico, por exemplo, E'MLã (Bornéu, Filipinas), Q'MLã (Papua).
Por aqui termina praticamente a história da migração pelo lado descendente MLã.

A história de NLã é mais complicada, envolvendo uma separação entre filhas caucasianas W'NLã e I'NLã, provavelmente associadas a uma inicial povoação europeia, e todas as restantes a, r, s, x, y, que voltamos a remeter à zona da Oceania. Note-se que NLã é ainda elemento dominante nos aborígenes australianos.

Fazemos isso também porque A'NLã e X'NLã são levadas numa segunda migração em direcção às Américas, algo que só tem correspondente masculino na migração dos QPy-Kuy-vyu-Fycã ou eventualmente numa migração parcial dos Nyx-Kuy-vyu-Fycã. De qualquer forma, são já migrações tardias. Na zona da Oceania, vão ficar R'NLã e S'NLã (a outra variante australiana).

É agora de R'NLã que vão surgir todos os descendentes seguintes, e mais uma vez a presença da ligação filha PR'NLã na Nova Guiné não deixa muitas outras escolhas quanto à origem de onde partiram.
Passamos então ao Quadro iii), onde apontamos a nova migração das filhas R'NLã, que podem ter acompanhado a primeira migração dos Iu-vyu-Fycã Ju-vyu-Fycã (escandinavos e semitas), com UR'NLã, HaaR'NLã, VaaR'NLãmas certamente acompanharam depois a migração dos RPy-Kuy-vyu-Fycã (indo-europeus), com TaeR'NLã e JaeR'NLã.
No Quadro iv) temos já essa situação final, conforme ocorre nos dias de hoje, e que reflecte a outra parte da descendência oceânica. 
Da mesma origem de R'NLã surgem FR'NLã e BR'NLã, na zona do sudeste asiático e Oceânia (já tinhamos referido PR'NLã), o que reforça essa origem oceânica, mas, mais que isso há um povoamento de BR'NLã que é tipicamente migração marítima, ligada a uma migração que os Oyx-Kuy-vyu-Fycã levaram até Madagascar, e que se estendeu até às Américas, muito provavelmente associada à migração dos QPy-Kuy-vyu-Fycã.


Conclusão: 
Bom, o retrato anterior é confuso no detalhe, mas esse mesmo detalhe permite algumas conclusões mais verosímeis que outras. 
Uma delas, que me parece clara, e em que tenho insistido, é numa mesma origem dos indo-europeus, chineses e índios-americanos, na mesma zona oceânica, ligando directamente à Papua-Nova-Guiné, e que de alguma maneira é justificável pela competitividade extrema que se atingiu naquelas paragens insulares. 

Há sempre outras justificações, e podemos apontar detalhes num sentido ou noutro.
Também podemos pensar que do Cáucaso apareciam de vez em vez autênticos Adónis masculinos que seduziam todas as mulheres da redondeza... mas enfim, ainda que Genghis Khan sozinho tenha deixado uma grande prole ainda hoje visível, parece que há umas coisas mais prováveis que outras. Ainda que tenha muito de mito, a consanguinidade agrava problemas biológicos, e não é muito claro que uma simples família tenha dado origem a toda uma raça. As ilhas surgem assim como o ambiente natural para a diversidade.

Posteriormente, pelo efeito de sedentarização, houve um outro fenómeno que provocou divisões suplementares, de que aqui não falámos. Basta ver que só dentro do R1b temos as linhas:
R1b1a2a1a2 (a,b,c,d,e) - (ibérico, gaulês, norte-atlântico, nórdico, britânico),
o que mostra como as variações de DNA não se esgotam nos grupos e é claro definem os indivíduos!
A sedentarização, o isolamento de aldeias, é já uma característica posterior, e tem aspectos semelhantes ao isolamento em ilhas... mas isso só ocorreu com civilizações já bem estabelecidas, onde a agricultura se tornava a actividade dominante. O que é interessante é que estes estudos mostram uma maior proximidade genética nuns casos, e uma maior distância noutros... quando isso não era suspeitável pelo simples aspecto físico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56


Pontas da língua (3)

por desvela, em 07.07.13
Conforme referido no texto anterior, em condições favoráveis uma pequena tribo familiar teria a possibilidade de constituir um grande aglomerado populacional, digamos que ao fim de mil anos poderia atingir um milhão de pessoas. 
Porém, para o grande aumento populacional teria que se fazer uma mudança radical na sociedade... teria que se organizar como sociedade agrícola. Essa mudança parece ser recente.

(Como facto lateral, este mapa dá uma ideia de como a agricultura nalgumas zonas verdes ou amareladas 
poderiam ter o óbice de estar sob gelo, ou debaixo de água... noutros tempos)

Expansão da agricultura na Europa (fonte: eupedia.com
e possíveis origens mundiais:
Médio Oriente (9000 a.C., trigo, centeio),  Nova Guiné (9000 a.C., inhame), China (7000 a.C., arroz),
México (3000 a.C., milho, feijão, cacau), Peru (3000 a.C., batata, cabaças), 
África (2000 a.C., sorgo), EUA (2000 a.C., girassol).

A dedução destes mapas virá da arqueologia neolítica, considerando a datação de algumas sementes encontradas. Notável é o primitivo aparecimento de agricultura na Nova Guiné, Timor, Ilhas Salomão, que chega a ser considerado existente há 25 000 anos, nas Salomão.
Este aspecto é interessante para nos reportarmos a culturas que pouco terão mudado nos últimos 10 mil anos. Talvez uma causa comece por rituais iniciáticos. É especialmente curioso este ritual encontrado numa tribo da Papua-Nova Guiné, onde os jovens rapam o cabelo e colam ao rosto, para parecerem mais velhos:
imagem em themonthly.com.au ... de fotos © James Morgan 

Há por isso uma questão - tradição versus necessidade. A tradição tende a preservar, a necessidade a mudar.
Uma das primeiras zonas que parece ter introduzido a agricultura é também aquela que menos parece apresentar evolução face aos ancestrais ritos. O que encontramos nestas zonas é uma estrutura social dimensionada para um conjunto limitado de habitantes, que é replicada pelo território circundante.

Creio que não é preciso ser antropólogo para perceber uma provável transição.
1) Tribos primitivas. Terão sido as primeiras, e não se afastariam muito do padrão social de muitos primatas superiores. Comunidades familiares até algumas dezenas de elementos. Passado esse número, alguns jovens sairiam do território original, movimentando-se para territórios adjacentes, fazendo novas famílias, novas tribos. Enquanto a expansão territorial fosse possível, por exemplo em África, teríamos essencialmente uma disseminação pouco competitiva. A competição entre animais da mesma espécie é quase sempre reduzida ao mínimo confronto possível. O grande confronto interno à espécie aparece depois como característica humana.
A sedentarização das tribos aparecerá primeiro ligada a um território favorável. Um bom território de caça, fixaria tribos de caçadores-colectores. Não haveria uma subespeciação evidente porque acabaria por haver uma mistura de elementos no mesmo território. Poderia ocorrer subespeciação por rejeição de elementos... um caso frequente ainda em África são os albinos. A rejeição de albinos é uma causa provável de diferenciação na tez da pele. Foi provavelmente mais frequente em período glaciar, e poderá ter levado a um isolamento de elementos que se definiriam na subespeciação, talvez como os neandertais. Mas seria o excesso populacional, ocorrendo ao fim de poucos milhares de anos, que levaria a confrontos pela inevitável escassez de recursos com o sucessivo aumento das tribos. 
Se os animais lutavam individualmente por um território, o homem passando a ser animal social transformou o conceito de individualidade à tribo. Em vez de termos um leão a desafiar outro pela posse de um território, teríamos uma tribo a desafiar outra. Onde isso poderia ocorrer? O mais natural é que ocorresse num local donde já não haveria migração possível e onde o confronto fosse inevitável.
Não falamos aqui de nenhuma razão civilizacional, os propósitos seriam essencialmente de sobrevivência por coexistência. Os territórios deveriam ser inicialmente suficientemente vastos para permitirem o direito de passagem sem confronto... a ideia de um território cuidadosamente guardado será noção recente. O único cuidado antigo seria com um abuso de permanência que ameaçaria os mesmos recursos. Isso iria mudar com a agricultura, podendo requerer uma efectiva vigilância do espaço, e uma disputa de carácter mais letal.
Iremos tomar o exemplo da Oceania com particular importância.
Porque a Oceania com o fim da Idade do Gelo passaria a uma situação de várias ilhas onde se poderia formar uma competição feroz, devido à limitação territorial. Em pequenas ilhas talvez não se formassem muitas tribos, e o destino de alguns passou por uma migração marítima, resultando numa expansão polinésia. O resultado mais violento e letal desse confronto talvez se tenha dado na Papua - Nova Guiné, onde o espaço era suficientemente grande para múltiplas tribos, hoje culturalmente desligadas por quase 900 línguas diferentes. Aí a expansão populacional implicaria um confronto mortal entre tribos. Ainda na 2ª Guerra Mundial, apesar de estar incluída na Austrália, as tribos da Nova Guiné alinhavam com australianos ou com japoneses consoante o alinhamento das tribos rivais. Havia uma guerra cultural local e intemporal que não parecia afectada pela presença dos novos deuses da guerra, externos ao seu micro-confronto ancestral.

2) Primeiras civilizações. Para se constituírem as primeiras civilizações, a sociedade teve que mudar de paradigma. Precisaria de tempo suficiente para se constituir numa estrutura estável de divisão de tarefas, tendo por um lado elementos autoritários, e por outro, elementos obedientes. Ou seja, a menos de grande entendimento, havia uma coabitação de duas culturas... a cultura de mandar e a cultura de obedecer. Deixamos de ter uma tribo onde todos eram vistos como iguais, recebiam rituais iniciáticos semelhantes, e partilhariam a mesma cultura transmitida pelos anciãos. Nas civilizações passaria a haver uma cultura cortesã ou sacerdotal, diferente da cultura popular.
As múltiplas tribos que adoptaram a filosofia de partilha comunitária cultural acabaram por não se desenvolver... desde as ultra-competitivas tribos da Nova Guiné, às tribos da Guiné, passando pelas da Guiana. 
Onde terá ocorrido esta mudança de paradigma? Um sistema de castas antigo, não sabemos se o mais antigo, é sem dúvida o indo-europeu, onde sobressai o velho sistema de castas indiano.
De qualquer forma, o incremento populacional numa metrópole não permitiria uma cultura tribal equalitária. De entre os irmãos surgiam os varões que passavam a barões. Ao fim de poucas gerações, a prole dos restantes irmãos constituiria uma enorme massa populacional... a prole passava a proletariado.
Esse era um mecanismo, o outro mais evidente era o da simples conquista. Se nos confrontos das tribos da Nova Guiné o resultado era habitualmente a aniquilação, as primeiras civilizações passaram a usar uma estrutura social de escravos, resultante das capturas de tribos derrotadas.

A linguagem comum passou a ser fulcral nas comunicações e a língua comum da civilização impôs-se pelo seu sucesso a todos os intervenientes, passando a ser uma caracterização de nova estrutura - o povo. Poderia haver uma linguagem diferente falada pela elite da varonia, mas a longo termo a linguagem comum da população iria dominar. Deve ter sido esse o caso do latim, que a longo termo acabou apenas por ter espaço na erudição, tal como foi o caso do francês usado pela corte inglesa normanda que desapareceu.
A comunicação específica no poder passou a usar preferencialmente alegorias, símbolos e códigos abstractos, cujo significado escaparia à generalidade da população. Ao estilo dos hieróglifos egípcios, um mesmo texto poderia ter vários significados.

Munda.
Na filogenia dos haplogrupos Y-DNA aparece uma origem comum K que irá variar para diferentes haplogrupos que constituem a maioria da população mundial, gerando os L, M, N, O, P, Q, R, S, T.
Já vimos no texto "abertura genética" os mapas dos N, O, Q, R, que constituem a maioria da população terrestre, faltava mostrar, os M e S que se situam justamente na Oceania, e os L e T de pequena expressão (especialmente Oceano Índico, na zona do Indo (L) e do corno de África (T)).

  
Haplogrupos M e S
 
Haplogrupos L e T


Bom, falta ainda o P... mas sobre esse não encontrei mapa, tal como o K, talvez por serem comuns aos "descendentes" não aparecem especificados. Mas encontrei esta frase (Abe-Sandes, Human Biology, 2004)
This haplogroup P-92R7 is frequently observed among Europeans: 44.0% among Italians (Previdere` et al. 2000), 52.0% among Portuguese, and 54.0% among Spaniards...
Por outro lado, no site eupedia.com é basicamente afirmado que o P é hoje inexistente, e na wikipedia remete-se para a zona central asiática ou para os Munda, no Bangladesh. Visitando um pequena discussão técnica aquando publicação de resultados sobre Portugal diz-se: "The authors have no individuals who would have been typed as P (92R7) who are not also typed as R1a or R1b, so there is no way to associate it with or exclude it from P."
Ou seja, mudou-se a classificação, e na prática os P foram misturados nos R1b.
Atendendo a como a academia encara a Grota do Medo, usa-se o habitual "método científico":
- os resultados servem para provar a teoria (existente).
Dificilmente temos acesso a dados que não estejam enquadrados numa teoria... se isso acontecesse, ou os resultados estariam mal (o que não interessa aos autores), ou seria a teoria vigente a estar mal (o que não interessa à academia). Mudanças ou falhas na teoria só aparecem garantindo os devidos cuidados na divulgação e divulgadores, assegurando os interesses da academia...

Qual o problema? Bom, o haplogrupo P é suposto preceder o Q, dos ameríndios, e seria estranho ter uma maioria P entre os latinos, conforme reportada no artigo de Abe-Sandes. Como a disciplina era recente no início de 2000, não excluo uma confusão nas primeiras análises de resultados.
Porém, também cada vez mais será difícil ver resultados genuínos... há uma flagrante tentativa de apresentar os resultados numa linha politicamente correcta, indo sempre buscar um centro euro-asiático de onde tudo se espalha.
Ironizando... pode ver-se como uma teoria da estrelinha dispersora, assim:

Nova ou Velha Guiné?
Como referimos, a forte presença dos M e S na Nova Guiné parece sugerir algo bem diferente (mesmo não sabendo por onde andam os P)... porque a questão é que os P não deveriam estar longe da Oceania, já que o haplogrupo "pai", o K é ainda encontrado com grande frequência aí. Pode ler-se na wikipedia:
"Paragroup K - Specially in Oceania. Also in Timor, Philippines and East India."
Esse haplogrupo K originaria os actuais orientais, siberianos, ameríndios, e indo-europeus.

A hipótese que se levanta aqui é completamente diferente. A origem dessas linhas estaria na imensidão de ilhas entre o Pacífico e o Índico, na zona da Oceania. Alguns australianos queixam-se, e com razão, que toda a cultura aborígene parece ter sido esquecida, apesar de ter os registos de pinturas mais antigas da humanidade.
Ora, uma hipótese bem plausível é que um primeiro degelo tenha levado ao isolamento de populações naquelas ilhas. Tratavam-se ainda de mares mais susceptíveis à navegação... e se há povos que associemos à água são justamente os povos da Oceania.
Com o degelo as águas subiam mergulhando o seu continente, digamos Mu, e ficariam afastados de populações vizinhas, em ilhas que podiam ver à distância. Que fazer então?
Os mais próximos do continente asiático podem ter retornado a "terra firme", mas os restantes acabariam por ter uma vertente mais aquática. Já sabemos onde foram parar os M e S... estão concentrados nas diversas ilhas da Oceania. E os outros?
Os P que vão dar os Q ameríndios e os R indo-europeus podem ter tomado um caminho mais complicado!

A questão é que há semelhanças entre as culturas tribais dos ameríndios e das tribos da Oceania.
Um desses aspectos é a adaptabilidade à água. As canoas, as pirogas, são um desses elementos comuns.
As culturas da Oceania usavam e abusavam das pirogas, tal como depois os europeus foram encontrar essa tradição entre os índios americanos, especialmente na zona do Canadá ou da Amazónia, mas também na zona das Caraíbas, ou similares (até em esquimós). Note-se que não é assim tão comum ver noutras paragens uma antiga vocação humana aquática, apesar dos inúmeros cursos de água.
Alguns hábitos antropofágicos de indígenas americanos, e a extrema violência contra outras tribos também parecem ser um ponto comum com a Nova Guiné, competição atroz que a priori não se justificaria nos novos territórios americanos, de grandes espaços desabitados.
Ou seja, aqui seria precisa a teoria Kon-Tiki inversa... uma migração dos polinésios no sentido americano. A América já estaria povoada pelo haplogrupo C3 (mongol), pelo que pode ter havido aspectos de invasão, onde figurou o elemento masculino Q no Y-DNA, mas o mtDNA, pelo lado feminino, teria emprestado um aspecto oriental à descendência invasora. Convém notar que os Olmecas, civilização primeira na mesoamérica, teriam um aspecto menos oriental do que o que se viria a encontrar depois.
Cabeça Olmeca  (La Venta, 1400 a 400 a.C.)

Algo semelhante se poderá ter passado com violência no Japão. Os Ainos D terão sido suplantados pelo haplogrupo O, o traço vencedor que se disseminou pela China e sudeste asiático, talvez remetendo os N para paragens siberianas.

Nesta pequena especulação alternativa falta falar dos R, que originariam os Indo-Europeus.
Bom, os R são "irmãos" genéticos dos ameríndios Q, ambos descendendo do haplogrupo P, de que se perdeu o rasto.
Por muito que se tente esconder, há um registo R na costa leste americana, na zona do Canadá, dos grandes lagos, típica zona de canoas ou caiaques. Também, como descendentes dos K, temos os L que se estabeleceram na zona do Indo e os T que entraram em África.
Vou considerar duas hipóteses para a migração dos R:
a) A mais plausível, com os dados conhecidos, leva a uma entrada dessas populações da Oceania no subcontinente indiano, onde há ainda um grande registo R (R2 e R1a). Aí, na Índia, submeteram as populações anteriores (E,F,H), instituindo um sistema de castas, e prosseguiram na direcção do continente europeu, que praticamente esmagaram com o seu ímpeto característico. A sua língua, que seria afinal uma das centenas de variantes na Oceania, ganhou uma dimensão igual à sua expansão conquistadora. Entraram pelo Oceano Índico e só pararam quando viram mar de novo... no Oceano Atlântico, ou teriam prosseguido (ainda em caiaques?) para as paragens canadianas.
b) A mais especulativa, indo pela teoria de Schwennhagen. Os R (tal como os Q) também teriam migrado para a América e constituído aí uma civilização dominante (no norte da América). Chegariam como colonizadores à Europa Atlântica, em particular à península Ibérica onde teriam feito a sua progressão na direcção indiana. Isto seria a versão de uma "Atlântida americana", que teria sido colonizadora da bacia mediterrânica, segundo os registos egípcios comunicados a Sólon, reportados por Platão no Timeu. Esta hipótese pode ter várias falhas...

Ambas as hipóteses ajustam-se a uma predominância R na Europa, e justificam haver um diferente haplogrupo R-M173 na zona oeste da Austrália e na parte atlântica canadiana, que doutra forma tem permanecido como "mistério". Só este detalhe inviabiliza muito da teoria habitual sobre a expansão centrada no Cáucaso.

Em qualquer caso, antes da chegada dos R, a Europa deveria ter uma distribuição do haplogrupo E (especialmente na Grécia), do J (na bacia mediterrânica), do I (Escandinávia e Balcãs), e do G, que se espalhava pela Europa (mas que hoje se concentra apenas no Cáucaso). A chegada dos indo-europeus terá embatido com todas estas populações, quase fez desaparecer os G, dividiu os I, e entrou nos territórios dos E e J.
A língua indo-europeia tornou-se quase exclusiva na Europa, com variantes adaptadas aos povos sucessivamente conquistados. O caso basco, tido como singular, por não ser língua indo-europeia, mas ter a maior concentração de R1b, pode ter duas explicações simples... por um lado na Oceania a variação linguística seria uma técnica defensiva básica, por outro lado isso só seria feito num ambiente exclusivo de elementos da tribo... que teriam escolhido aquela região como assento próprio, não se misturando com os habitantes primitivos. Os casos magiar ou finlandês são substancialmente diferentes, prendendo-se com as migrações posteriores, nomeadamente dos hunos.

Esta invasão indo-europeia do haplogrupo R pode ter acontecido nos milénios subsequentes à época glaciar, na sequência do degelo. Isto seria um registo demasiado tardio, mesmo para mais velhos mitos que nos levam apenas até ~ 4000 a.C. A subsequente evolução teria misturado populações, mas também a separação do continente europeu na zona do Mar Negro terá contribuído para a separação R1a e R1b.

Os R1b formariam depois a indistinta população celta que habitou a Europa Ocidental.
Não teriam conquistado a zona mediterrânica, mas também não há propriamente registos míticos de que tenha havido qualquer conquista europeia. Curiosamente, ou não, nem mesmo os mitos parecem esclarecer o que se passou nesse passado remoto. Talvez seguindo os gregos se possa dar sentido às guerras com Titãs, Gigantes, ou Centauros... mas isso será outra história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:04


Pontas da língua (2)

por desvela, em 26.06.13
Partindo de uma raiz comum, o que pode fazer divergir linguagens?
As linguagens passam de pais para filhos, e estando inseridos numa comunidade, numa tribo, com uma linguagem estabelecida, não se justificaria nenhuma nova linguagem.

Há semelhanças entre todas as linguagens, mas isso é uma pura questão filosófica, que deixarei para o outro blog. Aqui interessa-me considerar a grande diferença entre linguagens.

(de amarelo - língua única - caso português; até verde escuro - múltiplas línguas - caso da Índia > 400)

Para vermos como o assunto pode ser desesperante uso uma citação de um artigo de R. Allott (Diversity of languages. Motor theory of language origin, 1994) 
For centuries, men have speculated about the causes of language change. The confusion and controversies surrounding causes of language change ... some reputable linguists have regarded the whole field as a disaster area, and opted out altogether. (Aitchison 1981)
Portanto, houve simplesmente quem tivesse considerado a matéria como uma área desastrosa, e acharam por bem "cair fora".
Isso poderia deixar-nos mais à vontade para especular, mas o problema é que mesmo especulações minimamente credíveis não são fáceis de estabelecer.

Há duas grandes hipóteses. Ou havia uma linguagem comum, ou apareceram separadamente nos diversos grupos populacionais. A primeira hipótese pode ser chamada "Babel", e a segunda não é muito credível... o que faziam as comunidades juntas se não tinham uma forma de comunicação estabelecida?

Por mimetismo darwiniano, há quem insista numa evolução da língua "Babel" original, tal como faz de um "Adão" hominídeo primitivo. Ou seja, haveria variações linguísticas, que depois redundariam em línguas diferentes, sobrevivendo as mais populares. Como em toda a teoria darwiniana faltam muitos "missing links"... aqui os elos entre as linguagens. Tal como em toda a teoria evolucionista tem aspectos triviais que devem ser considerados - ou seja, é óbvio que uma linguagem impopular desapareceria. Mas não só...

Comecemos por reparar no gráfico estimado para a evolução demográfica desde há 10 mil anos (wiki): 

Já sabemos que houve um "boom" populacional nos últimos 200 anos, associado ao desenvolvimento técnico. Já Fibonacci, no Séc. XIV, uns 400 antes de Malthus, sabia que os coelhos tal como as pessoas se podem reproduzir muito depressa, basta que tenham alimento e condições para isso.

Por isso, desde que o génio humano estivesse liberto de restrições, a partir do momento em que passou a viver da agricultura, poderia ter começado a duplicar a população a cada geração. Em África quadruplicou nos últimos 50 anos, nos outros continentes (excepto Europa), basicamente duplicou. Mas, como os Maltusianos sabem bem, há um ovo de Colombo que se parte - o limite populacional tem a restrição da alimentação necessária à sobrevivência.

Segundo estas estatísticas a sociedade agrícola na Idade Média parece ter variado entre 200 e 500 milhões pessoas. Antes da sociedade agrícola, uma sociedade nómada de caçadores, funcionaria ao género de alcateia de lobos. Tendo em atenção o número de 50 mil lobos existentes no Canadá, podemos extrapolar que, antes da revolução do Neolítico, as tribos caçadoras/colectoras pudessem atingir mais de um milhão de pessoas.
Bom, e quanto tempo é preciso, para passar de um casal de humanos para uma população de um milhão de pessoas? Com uma estimativa semelhante à que se verifica em África hoje, bastariam 500 anos, se usarmos como modelo a América do Norte, seriam precisos 1000 anos. Claro, poderia haver doenças, múltiplos problemas, mas bastariam salvar-se alguns, e aguardar por novos 500 anos de condições favoráveis.

O único ponto que interessa salientar é que não seria preciso esperar milhões de anos... bastam poucos milhares de anos, com uma média de natalidade superior a 3 filhos por casal, independentemente das maleitas, guerras. A população só não cresceria se a natalidade fosse muito reduzida, algo que não seria natural, numa época em que não se proclamaria muito o planeamento familiar nem o uso de contraceptivos.

A diferença que se verificava à época dos descobrimentos, entre a população europeia e a asiática, dará para reflectirmos na dimensão das restrições a que estiveram sujeitas as populações medievais. Dificilmente as pestes tiveram dimensão suficiente para explicar a diferença abissal. Mesmo nos confrontos com os muçulmanos, parecia haver sempre uma enorme desproporção, por falta de europeus.
A população europeia só deixou de passar fome quando foi importante equilibrar os números pela necessária presença ultramarina, após os descobrimentos. Olhando para as dimensões das cidades e coliseus romanos, a Europa medieval parece ter sido uma enorme prisão faminta, que regrediu populacionalmente, para além de todas as outras regressões.

Migrações
Para o que interessa, sem demasiadas restrições, a partir do momento em que a população humana teve que migrar, para encontrar novos territórios de caça, o continente africano ter-se-ia revelado insuficiente no espaço de poucos milhares de anos. 
A competição limitava a colaboração. A linguagem servia o entendimento, mas em época de competição ter a mesma linguagem não favorecia tribos competidoras.
Por isso, se interessava o entendimento com os seus, não interessava o entendimento dos outros.
Não seria assim de admirar que uma estratégia de tribo fosse mudar mesmo de linguagem, e isso justifica que justamente em África se tenha uma das maiores concentrações de diferentes linguagens.
Era uma opção dos competidores - mudar a codificação, para comunicarem apenas na tribo. Quem fosse afastado, e tivesse que fazer nova tribo, começava a ver-se como diferente, e não tinha razão para manter a linguagem comunitária anterior.
As migrações apontam justamente para uma saída de África para a zona do subcontinente indiano em direcção à Oceânia, onde mais uma vez se verifica esse fenómeno de multiplicidade de línguas. O caso extremo é o da Papua-Nova Guiné, com 820 línguas... o que pode ter a ver com essa herança de extrema competição (parece haver uma tribo antropofágica cuja palavra para designar as tribos rivais é "comida").

Portanto, a noção que temos de preservação de língua está num contexto diferente. Exemplificando, a tribo de Caim, expulso pela morte de Abel, não teria a mesma ideia de preservar língua do que a tribo de Seth, que ficou como herdeiro de Adão.
O desenvolvimento da linguagem pode ter sido assim um traço distintivo, cuja flexibilidade e evolução também terá melhorado capacidades cognitivas.

O processo inverso, de expansão de uma língua estaria relacionado com o sucesso dessa tribo e dos seus descendentes. Aquando do Neolítico, em que as culturas se começaram a sedentarizar, uma tribo de algumas dezenas de indivíduos atingia muitos milhares, ao fim de poucas centenas de anos. Não haveria expulsões, apenas uma acomodação na hierarquia, conforme a varonia. O sentimento de tribo alargou-se e passou ao sentimento de povo, deixou de ter o mesmo aspecto de tribos migrantes. As velhas línguas solidificaram-se nesses ambientes consolidados.
A competição também passou a ter um aspecto mais letal, e a diferença linguística, a existir, seria elitista... havia interesse de que a elite não fosse entendida pelos outros, mas entendesse o que população dizia.

Hieróglifos
Disraeli (primeiro-ministro inglês do Séc.XIX), sobre os hieróglifos diz o seguinte citando Diodoro (Sículo) e Heródoto:
- os Egípcios usavam dois tipos de letras - umas sagradas e outras vulgares.
As vulgares seriam de conhecimento geral, mas as sagradas eram apenas conhecidas dos sacerdotes, que as teriam aprendido dos Etíopes - mas provavelmente alterando o significado.

Sobre os hieróglifos comuns, Disraeli acrescenta (via Diodoro):
- a escrita não consistia em sílabas juntas, mas em figuras relacionadas com o que queriam exprimir... o falcão significava expedição, porque era o mais veloz dos pássaros. O crocodilo significava malícia; o olho significava um observador de justiça ou um guarda; a mão direita, que estava assegurando a sua subsistência; a mão esquerda fechada, a preservação de algo.
Disraeli argumentava o aspecto alegórico dos hieróglifos, alegorias que serviam de linguagem comum entre estranhos. Segundo Heródoto, quando Dário invadiu a Cítia, os citas enviaram uma mensagem que consistia num pássaro, um rato, um sapo e cinco flechas. Isto significaria que se ele não fugisse rapidamente como um pássaro, se escondesse como um rato, saltasse dali como um sapo, então morreria pelas flechas... 

Desde a "pedra da roseta" tem-se usado também um significado fonético dos hieróglifos.
A ideia de termos no mesmo texto dois significados nunca mais se perdeu... e como vemos remontará pelo menos ao tempo dos Egípcios.
Isso pode ser mais ou menos fácil de identificar... mas quando a mensagem, ou notícia, parece absurda ou irrelevante, pelo significado literal das letras, talvez não seja pior ideia procurar o significado alegórico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59


Abertura genética

por desvela, em 02.06.13
9) Lendas segundo a genética
O desenvolvimento moderno da genética abriu novas perguntas às teorias habituais da migração humana. No entanto, tem-se visto uma tentativa de manter as versões anteriores, que parecem ser inconsistentes com aquilo que a genética tem apresentado. É claro que, como em todas as coisas, há duvidas, e haverá quem as coloque quando as hipóteses não interessam. As teses acabam por ser compromissos comunitários, que mais do que seguirem a verdade, tentam seguir o consenso... para evitar problemas com quem teima na sua intransigência. Mas, para além disso, não é muito claro saber se as populações são mesmo nativas da área, ou quando ali se instalaram. De qualquer forma, há dados razoavelmente credíveis, que já levantam algumas dúvidas.
Esquematizamos num quadro alguns gráficos disponíveis na Wikipedia sobre a distribuição dos haplogrupos-Y, que seguem a linha masculina da ascendência (começou entretanto a investigação sobre os haplogrupos mitocondriais, que seguem pela linha feminina).
Há uma hierarquização genética, que começa nos grupos mais antigos A, até aos mais recentes NOQR, isto sem contar com as múltiplas variações. Sobre as variações em subgrupos mostramos apenas a diferença entre o R1a e R1b.
O resultado geral parece apontar para a chamada teoria "out of Africa"... ou seja, estes estudos parecem confirmar uma origem africana dos nossos ancestrais.

A--E) Dos haplogrupos mais antigos, o E manifesta-se especialmente por quase toda a África, com incidências a atingir os 100% em diversas partes. Essa variação "E" teve grande sucesso no continente africano, onde sempre se manteve e consolidou, a menos de pequenas excepções. 
F-G-H) A variação de que partirá a grande maioria da restante população humana será a F, que terá saído de África. Podemos suspeitar que tenha começado a entrar em territórios Euro-asiáticos, pelas suas variações G e H de que se encontram pequenos registos espalhados na Ásia central, até à India (H) e Europa (G). Variantes do "F" encontram-se ainda hoje entre ciganos e mongóis.

Convém aqui explicar que a forma como estamos a analisar difere do usual. Apesar da esmagadora presença do haplogrupo E em África, há quem sustente que a sua origem é da Ásia (porque a variante "irmã" D encontra-se residualmente em Tibetanos ou em Ainos no Japão).
Porém o ponto mais importante é outro. Há uma espécie de ancestralidade que se manifesta em 10 gerações principais até ao N-O-Q-R. Podemos ver o A como "trisavô" do E e do F, que seriam "primos".
Nas teorias habituais tem-se acomodado que o "trisneto" é mais velho que o "irmão"... e ainda que não seja impossível, parece-nos um exagero de forçar datação às crenças pré-definidas. Assim, é suposto o G ter-se originado há cerca 20 mil anos, mas o "irmão" IJK iria gerar um trisneto "O" que aparecia 10 mil anos antes, ou seja, há cerca de 30 mil anos. Todos sabemos de casos em que o irmão pode ser mais novo que o filho, e em vista de populações seria perfeitamente admissível situações dessas, mas não exageremos...

Por isso, vamos evitar essa "ginástica acrobática de datação", e seguir uma datação genética que seria natural, sabendo que não segue uma datação consensual e suas múltiplas justificações acessórias.

Uma questão antropológica é que a tez negra parece estar ligada aos grupos africanos A, B e E. Assim, o seu aparecimento noutras populações (por exemplo, indianas e australianas), pode ter resultado de uma expansão alargada de um destes grupos (provavelmente o CT, antepassado do E). Quando as novas populações chegavam às mesmas paragens, a sua "confraternização" poderia manter a tez negra materna, e o haplogrupo paterno.

Assim, será de admitir que o grupo original CT possa ter sido o primeiro a propagar-se globalmente atingindo a Europa, Ásia e depois a Oceânia. Uma razão para isso pode ter sido uma primeira "idade glacial", em que os limites continentais eram mais ténues pelo abaixamento do nível marítimo.

As razões para uma significativa diferença de "raças" pode ter a ver com subsequentes aumentos do nível marítimo, que isolavam populações. Ou seja, por um lado a época glacial forçava a uma migração para zonas equatoriais, e a baixa das águas permitiria uma expansão, mas depois essas zonas passavam a ilhas... quando o nível marítimo voltava a subir. Se as populações ficavam isoladas das outras, definiam-se particularidades genéticas distintivas, que levaram à noção de "raça". Isto aconteceria com todos os animais, e não apenas como humanos, como é claro...
Podemos ilustrar isto com um pequeno esquema:
Numa primeira fase, a população vermelha aparece no continente, e numa segunda fase, pela baixa de águas, pode entrar na ilha. Mas numa terceira fase o aumento de águas volta a isolar a ilha, que nesse novo ambiente pode adquirir, numa quarta fase, novas características (a azul) - por exemplo, adaptação ao frio. Um novo abaixamento de águas, numa quinta fase, pode gerar uma competição entre essas populações, que já se vêem como diferentes... e assim sucessivamente.
Assim, a oscilação do nível de águas, provocado por períodos glaciares/diluvianos, pode ter definido diferenças evolutivas significativas.

Voltando aos haplogrupos de que falávamos, podemos admitir uma idade glacial que permitiu a expansão CT, mas que depois, por factor diluviano - aumento de águas, distinguiu as populações, especialmente o F  que separadamente adquiria tez mais clara, do E (que teria evoluído no continente africano).
Acresce a este sinal, os dados que colocam descendentes directos do F na zona do Cáucaso (G) e na Índia (H), ou alguns D no Tibete ou Japão, e os C em paragens semelhantes (que se estendiam também à Oceânia).

Portanto podemos ter aqui uma primeira separação de características.

I-J-K) Da variante IJK "filha" de F, surgem dois grupos separados que ainda são hoje dominantes nas respectivas regiões. O grupo "I" que pode ser visto como "germânico", com incidências até 50% na Escandinávia, Lituânia, e superiores a 50% na zona da Croácia... ou seja, populações com grande estatura.
Por outro lado, o grupo "J" estará mais associado a populações semitas, com concentrações que chegam a 100% na Arábia, estando espalhadas desde o sul ibérico, pela bacia mediterrânica até à India.
Curiosamente haveria um ascendente comum IJ... talvez saindo Cáucaso, com a descida de águas, uns tivessem seguido o frio para norte (I), e outros regressado às paragens quentes a sul (J).

O que aparece como notável é que o outro "neto" do grupo F será um grupo K, de onde irá aparecer a maioria da população mundial - as populações orientais, europeias, nativas americanas e siberianas.
Isso foi o que mais me surpreendeu, já que aparentemente nos vemos mais próximos dos IJ do que dos N, O, ou Q... que são "primos" dos R.

NO-P) Surge assim o problema do K... de como se vai espalhar por todos os continentes.
A sua origem parece ser indiana. Ou seja, se os IJ sairam do Cáucaso, o K parece sair dos Himalaias (devido ao registo L na zona do Indo, mas também pelos vestígios T da Índia até à Ibéria, na zona concorrente com a presença dominante do J).
Parece fixar-se em território euro-asiático, mas surpreendentemente aparecerá no continente americano (talvez pela passagem de Bering, ou alternativamente via Irlanda-Terra Nova).
Quando se dá novo degelo diluviano, mais uma vez as populações teriam ficado isoladas. Só isto justificaria a posterior divisão do K. Por um lado um grupo NO tipicamente asiático, por outro lado o seu grupo "irmão" P que se estende da América até à Europa Ocidental. Em menor escala aparecem os grupos M e S, na Oceânia. A difusão do grupo K parece ter sido global...

Q-R) O isolamento do continente americano definiria a divisão do grupo P nos grupos Q (índios americanos) e R (europeus ocidentais)... enquanto que, pelo outro lado, a inundação do Mar Cáspio até ao Ártico teria definido uma diferença entre N (siberianos) e O (orientais).

A outra surpresa é uma dominância do R em parte dos nativos da América do Norte, especialmente Canadá (onde atinge quase 100%), havendo alguns focos na zona do Brasil e Perú.
No entanto, isso explica-se provavelmente doutra forma - pela cobertura, pela ocultação das viagens marítimas atlânticas, que instalaram populações de origem europeia na Terra Nova e Canadá. Entretanto a essas populações é dado o estatuto de indígena, e aparecem nestas estatísticas como nativos e não como colonizadores.
Normalmente os mapas do grupo R são focados na Europa e Ásia, para evitar mostrar esse "problema" evidente das navegações (há também um registo R na Austrália, mas bem mais pequeno).

R1a,b) Detalho o grupo do R, porque teve uma grande expansão europeia e asiática, mas há uma diferença geográfica razoável entre o R1a e R1b, o que pode indiciar nova separação por aumento do nível marítimo, numa separação do Mar Negro. A parte R1a está essencialmente a leste, estendendo-se até à Índia, enquanto que a parte R1b ficou mais concentrada na zona Atlàntica.

Para a conclusão...
Estes dados, apesar de terem suporte científico (acreditando na informação disponibilizada na Wikipedia), não devem ser sobrevalorizados face às outras informações, inclusivé míticas. Quando as informações vão sendo concordantes, é um sinal de seguir nesse caminho... quando não são, é preciso rever o que está em causa, e quem defende o quê, e porquê! 
Aquilo que coloquei foi a linha racional que encontrei que me pareceu fazer sentido, face aos dados disponíveis. Mesmo sem ter em atenção múltiplos outros factores, já não é muito fácil fazer uma teoria consistente que se limite a englobar estes dados, que parecem descoordenados, a menos que se usem teses mais fantasiosas, mas politicamente correctas.

Para uma conclusão retiram-se algumas novidades, que devem ser agora enquadradas com outros dados, nomeadamente as raízes linguísticas, culturais, os legados arqueológicos, míticos, etc... mas isso fica para outra oportunidade, pela óbvia complexidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:28


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D