Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nave espiritual

por desvela, em 20.10.13
É suposto a palavra "nave" derivar de "navis" do latim, que por sua vez sairia de um "naos" grego.
Em todos os casos tratam-se de embarcações para... navegar.
Se "navio" pode advir do latim e "nau" do grego, é de notar que a letra "v" apresentou duplicidades, não apenas na troca dos "b" pelos "v", mas também na troca de "v" por "u"... ou seja, o "navis" latino poderia pronunciar-se "nauis", da mesma forma que "Julius" seria escrito "IVLIVS". 
Esta duplicidade entre o "u" e o "v" não desapareceu com a invenção do "w" que também manteve a duplicidade de ser lido como "u", pela via inglesa, e como "v", pela via francesa e germânica.

Ao contrário dos ingleses não falamos de "navio espacial", e a designação "nave espacial" parece ser tipicamente das línguas ibéricas, porquanto a palavra "nave" solitariamente teria perdido o significado marítimo e seria mais aplicada na arquitectura de catedrais, falando-se habitualmente da sua "nave central".
 
Naves centrais do Mosteiro de Alcobaça e do Mosteiro da Batalha

A relação da nave marítima com a estrutura das catedrais é bem conhecida. Havia uma grande semelhança invertida entre o fundo dos navios e o tecto das catedrais. Os fiéis seriam assim convidados para uma embarcação que teria a sua quilha penetrante nos céus, tal como a quilha dos navios entraria nas águas... afinal também a parte espiritual sediada na cabeça estaria mais próxima dos céus do que os pés que conduziam o corpo.
É num mundo medieval, onde as navegações marítimas estavam praticamente proibidas que vamos encontrar alusões a outras naves, de carácter espiritual. Ao contrário de anfiteatros, o formato linear, sob o comprido, que passaria a ser característica típica das igrejas, não era o mais adequado para comunicar a uma plateia de fiéis. Envolvia uma direcção - as igrejas estavam normalmente viradas a Nascente, e o próprio sacerdote, virando costas aos fiéis, tomava posição semelhante na embarcação, primeiro na proa em direcção a esse renascimento figurado numa alvorada (após o controverso Concílio do Vaticano II, em 1962, estas tradições caem, diz-se que por influência maçónica na igreja).

Movendo-nos um pouco para outra parte do globo, para as Caves de Ellora, Índia, datadas do Séc. VII, encontramos uma estrutura de topo curiosamente semelhante... em que o tecto poderia bem representar o fundo de um navio:
Nave da Cave... Cave 10 (dita do Buda Carpinteiro)

De acordo com a Revista Panorama (número de 8 Julho 1837), já Diogo Couto dava conta da existência destas Grutas de Ellora, bem como da Ilha de Elefanta (ou Elefante) e da Ilha de Salsete. É interessante que a Ilha de Elefanta tenha feito parte do dote de Catarina de Bragança a Carlos II de Inglaterra, o que simbolicamente mostra já uma cedência do poder aos ingleses sobre a Índia. No entanto, creio que na Ilha de Elefanta, dedicada a Xiva não se apresenta este tipo de estrutura.

As estruturas dedicadas a Xiva envolviam mais construções de Pirâmides, como são os vários templos Tamil, como seja Chidambaram (partes atribuídas ao Séc. XIII):

ou os templos hindús de Annamalayiar (datados do Séc. XV):

ou ainda, do mais recente Templo de Meenakshi (datado do Séc. XVII):

bem como de vários outros (ver lista). Estes templos piramidais têm também uma linha de orientação definida, ao contrário do que acontece com as habituais pirâmides... mas não deixam de exibir características que remetem para conjuntos monumentais egípcios ou mexicanos. É mais difícil perceber aqui se havia algum significado religioso especial, mas a orientação não é constante, e o efeito de nave não estará presente nestes templos. 

Finalmente, sobre as construções com forma do fundo de barco, convém lembrar a menção que já fizemos às mapalias da Numídia, no relato do Rei Hiempsal II. Segundo esse relato, os persas que acompanharam Hércules na expedição que este fez à Hispânia, ficaram a habitar a costa africana, usando os cascos invertidos dos seus navios para fazerem casas. Esta tradição ter-se-ia mantido como forma de construção no Norte de África, no fabrico das mapalias (também chamadas magalias). 
Mapalias da Numídia - inversão dos cascos dos barcos dos companheiros persas de Hércules.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:04


Abalos de Sebastião - Marquês

por desvela, em 30.10.11
Se há méritos na actuação do Marquês de Pombal, durante o reinado de D. José, eles não são muito fáceis de encontrar, ao contrário do que se institucionalizou na propaganda, formada durante os séculos seguintes, que o tornou numa figura central da História Portuguesa. 

Sebastião (de Carvalho e Melo) combateu o Sebastianismo, tornando-se numa espécie de último Sebastião, visto como último protagonista do papel de "regente esclarecido".

Se este último Sebastião pretendeu combater o sebastianismo, é bom notar que antes desses dois "Sebastiões", houve um terceiro Sebastião português... no Séc. V. 

Sebastião - general romano
Em 427 d.C. quando o Império Romano se fragmentava e a Hispania começava  a ser "concessionada" aos godos, há um general romano, de nome Sebastião que organiza os Lusitanos, derrotando uma coligação de Alanos e Suevos, ao ponto de conquistar Lisboa!
De acordo com Pinho Leal, esse general Sebastião decide então aclamar-se rei, contra a "vontade popular", e é assassinado... qual César. Pouco depois, os Alanos e Suevos reconquistavam Lisboa! 

Esta história, pouco ou nada conhecida (... e sobre isto agradeço mais informação!), talvez complemente o motivo do singular nome de Sebastião dado ao Rei Desejado. 
A posteriori parece infelizmente adequada a conexão a São Sebastião, o santo - cristão infiltrado que chega a capitão da Guarda Pretoriana, mas que é executado ao ser descoberto. Também D. Sebastião sendo capitão da Cristandade, poderá ter sido executado ao lutar no sentido de restaurar a verdade histórica.

(reconstituição da condenação de "falso" D. Sebastião)


A Fama do Sebastião - Marquês de Pombal
Houve vários factores que concorreram para esta fama do Marquês.
1º) A eliminação da Casa de Aveiro tornou-o personagem agradável à Casa de Bragança, que deixou de ter fantasmas a assombrarem a legitimidade da sua linha de sucessão definida na Restauração.
2º ) A sua ligação à maçonaria granjeou-lhe um clube de fãs que se propagaram na história, nas artes e ciências, nunca atacando o lado ditatorial e tirano. A maçonaria estava então particularmente activa, participando na criação dos EUA e na Revolução Francesa.
3º) Reabilitando os descendentes dos cristãos-novos, colocando-os a par dos outros cidadãos, terá sido uma medida positiva, certamente apreciada no contexto de influência judaica.
4º) Mesmo o lado jesuíta, ligado a Roma, tendo sido fortemente perseguido pelas repressões do Marquês, acabou por aceitar o personagem. Isto não deixa de ser algo estranho, e talvez diga mais sobre a evolução dessa organização católica, do que propriamente sobre o Marquês.
5º) Salazar viu no Marquês um exemplo de "despotismo iluminado", que adoptou como referência reformista para a ditadura do seu "estado novo". Estratégia inteligente, indo captar um herói caro à 1ª República, pelo lado maçónico, ditos combatentes encarniçados da influência da Igreja de Roma. Salazar, ao colocar o Marquês no mais alto pedestal de Lisboa - na Rotunda, coloca o símbolo maçónico no alto, perante o silêncio de uma Igreja rendida, que via em Salazar a sua maior esperança contra o anticlericalismo maçónico.

Assim, de forma algo singular, o Marquês apareceu como figura consensual entre lados opostos!
Os registos críticos que apareceram sobre a actuação do Marquês foram quase sempre tímidos e algo silenciados. 
A nova censura - o politicamente correcto, impede pôr em causa a obra do Marquês em Lisboa, após o Terramoto, ou na reestruturação administrativa ou da universidade, admitindo a crítica sobre a chacina dos Távoras. Os adeptos do Marquês tentam usar a semelhança com as execuções ordenadas por D. João II... sendo óbvio que a comparação é algo absurda. A execução dos Távoras teria melhor paralelo nos métodos da Antiga Roma, ao estender-se a toda a família.

Os agentes do encobrimento histórico parecem apreciar tornar vilões em heróis, e denominar como fracos os regentes mais lúcidos. Dessa forma ignoram os mais sensatos e elogiam os mais cruéis...  ficando assim mais próximos, pelos defeitos, daqueles que colocaram no panteão que inventaram. 

Assim, a maioria dos erros foram passados ao antecessor, D. João V, quiçá o melhor governante da dinastia de Bragança... já que ameaçava colocar Portugal de novo no caminho de potência mundial.
D. João V é criticado por trazer ouro do Brasil... esquecendo que essas remessas pararam pelo total desinteresse do Marquês no Brasil.
Ao Marquês elogia-se a pretensa obra nacional, omitindo o desastre que foi a sua condução do império... foi aliás durante essa pretensa "regência brilhante" que se serviu a Sandwich Havaiana e Australiana aos ingleses.
Se há mérito nalguma actuação será coisa de bastidores... e apenas se justificaria se a ruína nacional fosse necessária para algum bem maior!

Os sucessos de um rei, levam a uma absorção e a um descuido com a sucessão. Era assim habitual um investimento no príncipe seguinte, por aqueles que eram preteridos pelo rei.
Quando D. João V morre, é a rainha (austríaca, Habsburgo) Maria Ana Josefa que vai indicar Sebastião de Carvalho e Melo ao seu filho, D. José.
Este diplomata, antes embaixador na Inglaterra e depois na Áustria, e que D. João V acabara de demitir, aparece num lugar de destaque arranjado pela Rainha Maria Ana de Áustria, que o irá proteger (casando mesmo com uma austríaca). As ligações à maçonaria, essas parecem ocorrer aquando da embaixada em Londres... onde certamente terá privado com cozinheiros e sanduíches.

Porém, atrevemos também a sugerir um plano de longo curso, que estava já a ser testado pelos hábeis Habsburgos. De facto, uma maneira de controlar uma sociedade maçónica, em crescimento acentuado de poder, seria usar essa avidez de poder a serviço da aristocracia implantada. 
D. José I passa assim como figura despercebida, desfrutando das delícias da corte, longe dos assuntos de estado, encarregues a Sebastião de Melo... mas influenciando decisivamente as decisões mais controversas - como a execução dos Távoras. Em troca desses serviços, o Sebastião passa a Conde de Oeiras e depois a Marquês de Pombal. A aristocracia usaria o prestígio como moeda de troca na governação, e poderia descansar... mas a Revolução Francesa alterou um pouco estas contas.

Este plano aristocrata de longo curso seria inteligente... abdicavam das tarefas pesadas de governação, e passavam a desfrutar das vantagens do Reino. As quebras de popularidade passavam para os ministros, que tinham aparente carta-branca, mas que estavam condicionados.
Os Habsburgos austríacos, com Metternich, preferiam a via absolutista, que viam como única solução face à experiência caótica da Revolução Francesa de 1789. Os ingleses, que já tinham uma experiência revolucionária bem anterior, com Cromwell ao invés de Napoleão, preconizavam uma filosofia ainda mais inteligente - a Monarquia Liberal.

A Monarquia Liberal, tornou-se a forma comum de governo nos Séc. XIX e XX, especialmente após as Revoluções de 1848, e ainda hoje perdura na Europa. A legitimidade do Rei não era afectada, mas o governo passava a ser opção por eleição. No fundo a responsabilidade da governação visível passava para o próprio povo, por resultado de uma pretensa eleição, mas estes governantes estavam depois condicionados a todo o jogo que se passava nos bastidores, nas armadilhas cortesãs.
A população era co-responsabilizada nos erros governativos dos ambiciosos líderes que elegia, e a cabeça coroada passava incólume pelos pingos da chuva.

A experiência mais decisiva ocorreria com as Repúblicas... mesmo com a destituição do Rei e das Cortes, os poderes instituídos seriam corrompidos pelas ligações ancestrais das famílias, e na prática esses elementos aristocratas voltavam a concentrar o poder sob forma camuflada. 
Aparentemente partilhavam o poder com uma nova parte da população burguesa, que subia nos degraus do poder, mas esses novos protagonistas eram seduzíveis a honrarias e festas, e poderiam ser manipulados em jogos cortesãos, onde a aristocracia reinava sem concorrência.
Talvez a última experiência, destinada a erradicar essa submersa influência aristocrática nas Repúblicas, terá sido tentada na Revolução Russa de 1917. No entanto, é fácil perceber como os jogos de bastidores assumiam, mesmo assim, contornos tenebrosos... a luta de poder na antiga URSS acabou por substituir um sistema oligárquico por outro - em que a aristocracia passou a ser o "partido único". 
Essa experiência russa foi fechada, expondo fantasmas semelhantes aos fantasmas do Reino de Terror, que se seguiu à Revolução Francesa. Os escritores da História decidiam assim fechar definitivamente a hipótese comunista, usando dos habituais reflexos pavlovianos - a palavra comunista ganharia um tom pejorativo automático.


Abalos Lisboetas antes de 1755
Voltamos a Sebastião, Marquês de Pombal, e aos sentidos abalos!
Um dos méritos propagandeados ao Marquês é a reconstrução de Lisboa após o Terramoto de 1755.
Isto é colocado como se Lisboa não tivesse passado antes por dezenas de terramotos severos.

Em 26 de Janeiro de 1531 estima-se que tenham morrido 30 mil pessoas em Lisboa, número até maior ao avançado para o de 1755. 
Também nessa altura foi feito um bairro com estrutura quadricular que sobreviveu - o Bairro Alto (ver p.ex. aqui). Assim, a proclamada "quadrícula inovadora" nas ruas da baixa lisboeta, pensada pelo Marquês, já tinha tido um precedente com 250 anos, durante o reinado de D. João III.

Vejamos então um registo de sismos em Lisboa (usamos os adjectivos de Pinho Leal):
1009 - grande terramoto que destroi "mais ou menos" Lisboa.
1117 - idem
1146 - ibidem
1290 - fortíssimo terramoto aluíram muitas casas de Lisboa.
1344 - idem
1531 - espantoso terramoto que dura 50 dias! Arruinados alguns templos e 1500 casas cairam. 
1551 - terramoto medonho destruiu 200 casas em Lisboa
1575 - violento terramoto sem vítimas
1598 - violento terramoto sem vítimas
1699 - violento tremor de terra de 3 dias com alguns intervalos 
1724 - fortíssimo tremor de terra, não causou desgraças 


O abalo sísmico de 1531, tendo até levado à construção do Bairro "Alto", parece ter um registo histórico mais devastador que o de 1755...
Porém o abalo do Marquês teve várias componentes - especialmente posteriores.

Selecção Herculana
O terramoto do Marquês e assessores foi de tal forma potente que parece ter feito cair as Torres de Hércules em Cadiz (construção que tinha aguentado milénios de terramotos), apesar de ter poupado o Aqueduto das Águas Livres em Lisboa, ou o Convento de Mafra.
As ditas Torres de Hércules tiveram ainda uma queda diferente em Coimbra, onde a Torre Pentagonal tombou pela outra proeza pombalina - a universidade!
Não terá sido a Universidade de Évora, que Pombal decidiu fechar, nem o Observatório Astronómico, que apenas serviu de pretexto para a destruição da Torre de Hércules. O que Pombal fez foi importar génios... ou melhor arrumar o génio nacional na prateleira e contratar a subsidariedade, pela ideia de que um bom estrangeiro seria sempre melhor! Os textos de autores do Séc. XVIII que ironizam esse estado de coisas são particularmente interessantes para se perceber quando se começou a venerar a importação externa de valores, e a consolidar a dívida subjacente, transformando os valores nacionais em resignados, menosprezados, e desconsiderados subsidiários de uma inteligentia externa.

Como era Lisboa antes do Terramoto?
Apesar de serem pouco vistas imagens de Lisboa anteriores ao Terramoto de 1755, sobreviveram algumas bem ilustrativas, onde se percebe que a "grande reconstrução", ou a "grande alteração", é essencialmente manobra publicitária.
Pormenor da zona do Palácio do Rei,  onde depois do Terramoto será o Terreiro do Paço.
Estampa na Biblioteca Nacional de Maillet (impresso em Paris, 1760)


Estampa na Biblioteca Nacional de Clara Black (início Séc. XVIII)


Podemos ver em particular que o posterior Terreiro do Paço e os edifícios pouco mais são do que a adaptação do que já era o Palácio do Rei. Aliás, o que se notará mais é que a zona do Paço terá até perdido alguma qualidade estética, a avaliar pelas estampas. Se havia caos urbanístico na zona interna até ao Rossio, pois isso é algo que não se consegue avaliar nestas imagens, e não seria no Bairro Alto. Mas há outras que mostram pelo menos uma grande rua com clara vista do Tejo, e podem ainda ver-se edifícios com altura de 5 andares.

Em resumo, para além da duplicação dos torreões no Paço, não se vislumbra propriamente uma "grande" alteração face ao que era Lisboa antes do terramoto.

A destruição de Lisboa, não terminou no Terramoto, e em larga parte uma das maiores perdas resultou do incêndio, que também destruiu os Arquivos da Torre do Tombo. Estes acidentes, ditos fortuitos, têm a particular selectividade de destruir a memória histórica, de forma quase definitiva. Este caso, ou a Biblioteca de Alexandria, são alguns dos muitos exemplos ao longo dos séculos (e.g. Grande Incêndio de Londres, ao tempo da nossa Rainha Catarina)...

Quanto à contenção do desastre, conhece-se a forma brutal de repressão que se processou após o terramoto, causando mais vítimas do que o próprio acidente (isso é habitualmente ilustrado nesta imagem).

Processo dos Távoras - 1758
Ainda no rescaldo do acontecimento, e devido à sensação de "castigo divino", a insatisfação sobre a actuação do Marquês acentua-se, mas irá terminar de forma contundente.
Três anos depois do terramoto, dá-se o incidente da "tentativa de assassinato" do Rei, que resulta no chamado Processo dos Távoras, sendo implicados o Duque de Aveiro, o Conde da Atouguia e toda a família dos Távoras, entre outros.

Processo dos Távoras
Teatro da Execução (estampa na Bibl. Nac., anónima, c. 1759-60)

Já aqui falámos sobre a particularidade dos mortos envolvidos no processo serem das mesmas Casas que estiveram até à morte ao lado de D. Sebastião em Alcácer-Quibir, e até de 1578 e 1758 terem os mesmos dígitos.
O que choca mais neste processo é a brutalidade envolvida nas execuções públicas. Talvez não fosse novidade, dado o tratamento de tortura e esquartejamento que Louis XV decidiu implementar a Robert Damiens em 1757... a novidade aqui foi a sua aplicação a uma casa aristocrata rival.
Convirá ler Pinho Leal sobre o Processo, num apontamento que tem sobre o sítio "Chão Salgado"... nunca é demais saber de que matéria são feitos os heróis que estão no pedestal mais alto da capital lisboeta.

Guerra Fantástica
Portugal participou na Guerra dos Sete Anos, ao lado da Inglaterra...
... e assim, ao contrário do que é habitualmente publicitado, os conflitos com Espanha não terminaram nas vitórias da Restauração. Houve a Guerra Fantástica.
A Espanha, aliada da França, entrou em Portugal, e ameaçou a invasão em 1762, durante a regência do Marquês... o exército português tinha sido reduzido desde 1754 a metade dos efectivos - manda dizer a publicidade instituída - que por culpa de D. João V - que apesar de este ter morrido em 1750, tinha costas largas para aguentar com esta culpa adicional, mesmo morto. Lê-se isto na wikipedia:


       "O Exército Português, abandonado desde a doença de D. João V, não tinha oficiais preparados para a guerra — fardamento, soldados e armas eram praticamente inexistentes."

Ainda que isso fosse verdade, será que a ausência de espírito crítico é tal que não se percebe que a doença de D. João V ocorreu em 1750... e que nos 12 anos seguintes as responsabilidades sobre o exército estariam a cargo de D. José e do ministro Pombal.

Há ilustrações dessas batalhas, que levaram a fortes derrotas das forças portuguesas.

"Guerra Fantástica"
O espanhol Conde de Aranda invade Portugal em 1762, durante a regência pombalina,
conquistando Salvaterra e ameaçando Lisboa. (**)

A solução pombalina recai mais uma vez na ajuda externa, pela organização militar do Conde de Lippe, aparentando quase que já não poderia ter sob controlo português um exército forte - aconteceu depois o mesmo com a ajuda de Wellington - as tropas portuguesas nunca parecem ter ousado responder sem haver direcção externa. De forma semelhante, mesmo a presença do Duque de Schomberg, durante a Guerra da Restauração nunca foi bem vista pelos nacionais (nomeadamente o Marquês de Marialva), e terá contribuído mais para a deposição de Afonso VI em favor de Pedro II, ou para colher os louros de da vitória portuguesa em Montes-Claros.

Esta "Guerra Fantástica" evidencia a acentuada degradação nacional após D. João V.
Dir-se-à uma decadência quase propositada, conduzida pelo Marquês de Pombal, e pelas forças infiltradas de traição nacional que continuam a promover a incompetência, de forma a suprimir qualquer renascimento organizado.
Foi essa a principal herança pombalina!

(**) ________________
Observação [18/05/2013]
Lê-se na legenda:
Vue perspective de la Bataille remportée par les Troupes Espagnoles et Françoises aux ordres de Mr. le Comte d'Aranda sur les Portugais aprés laquelle le Comte d'Aranda s'est emparé de la Place de Salvatierra ainsi que du Chateau de Segura sur le Tage ou il a laissé une partie de ses Troupes. Cette Ville a capitulé le seize Septembre 1762.
A figura induz em erro, pela extensão de água apresentada para o Tejo, pensando-se em Salvaterra de Magos. Porém, tratava-se da zona fronteiriça Salvaterra do Extremo e do Castelo de Segura, na proximidade de Idanha. 
Fica assim em dúvida a imaginação artística ao ponto de colocar navios numa parte montante do Tejo, que só faria sentido na zona do Mar da Palha, próxima da outra Salvaterra de Magos...
... a menos que consideremos alguma barragem na zona das Portas do Ródão, como falámos aqui:
http://alvor-silves.blogspot.pt/2011/07/portas-do-rodao.html
... algo que dificilmente justificaria a navegabilidade de embarcações consideráveis, pelo que é mais natural admitir a confusão do artista na mistura de paisagens das duas Salvaterras...

Nota 19/03/2014:  
Correcção de todos os links para as imagens, devido a mudanças nos links da Biblioteca Nacional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:13


Abalos de Sebastião - Marquês

por desvela, em 29.10.11
Se há méritos na actuação do Marquês de Pombal, durante o reinado de D. José, eles não são muito fáceis de encontrar, ao contrário do que se institucionalizou na propaganda, formada durante os séculos seguintes, que o tornou numa figura central da História Portuguesa. 

Sebastião (de Carvalho e Melo) combateu o Sebastianismo, tornando-se numa espécie de último Sebastião, visto como último protagonista do papel de "regente esclarecido".

Se este último Sebastião pretendeu combater o sebastianismo, é bom notar que antes desses dois "Sebastiões", houve um terceiro Sebastião português... no Séc. V. 

Sebastião - general romano
Em 427 d.C. quando o Império Romano se fragmentava e a Hispania começava  a ser "concessionada" aos godos, há um general romano, de nome Sebastião que organiza os Lusitanos, derrotando uma coligação de Alanos e Suevos, ao ponto de conquistar Lisboa!
De acordo com Pinho Leal, esse general Sebastião decide então aclamar-se rei, contra a "vontade popular", e é assassinado... qual César. Pouco depois, os Alanos e Suevos reconquistavam Lisboa! 

Esta história, pouco ou nada conhecida (... e sobre isto agradeço mais informação!), talvez complemente o motivo do singular nome de Sebastião dado ao Rei Desejado. 
A posteriori parece infelizmente adequada a conexão a São Sebastião, o santo - cristão infiltrado que chega a capitão da Guarda Pretoriana, mas que é executado ao ser descoberto. Também D. Sebastião sendo capitão da Cristandade, poderá ter sido executado ao lutar no sentido de restaurar a verdade histórica.
Morte del Re di Portogalli condanatta dall'Inquisizione l'anno 1628
(reconstituição da condenação de "falso" D. Sebastião)


A Fama do Sebastião - Marquês de Pombal
Houve vários factores que concorreram para esta fama do Marquês.
1º) A eliminação da Casa de Aveiro tornou-o personagem agradável à Casa de Bragança, que deixou de ter fantasmas a assombrarem a legitimidade da sua linha de sucessão definida na Restauração.
2º ) A sua ligação à maçonaria granjeou-lhe um clube de fãs que se propagaram na história, nas artes e ciências, nunca atacando o lado ditatorial e tirano. A maçonaria estava então particularmente activa, participando na criação dos EUA e na Revolução Francesa.
3º) Reabilitando os descendentes dos cristãos-novos, colocando-os a par dos outros cidadãos, terá sido uma medida positiva, certamente apreciada no contexto de influência judaica.
4º) Mesmo o lado jesuíta, ligado a Roma, tendo sido fortemente perseguido pelas repressões do Marquês, acabou por aceitar o personagem. Isto não deixa de ser algo estranho, e talvez diga mais sobre a evolução dessa organização católica, do que propriamente sobre o Marquês.
5º) Salazar viu no Marquês um exemplo de "despotismo iluminado", que adoptou como referência reformista para a ditadura do seu "estado novo". Estratégia inteligente, indo captar um herói caro à 1ª República, pelo lado maçónico, ditos combatentes encarniçados da influência da Igreja de Roma. Salazar, ao colocar o Marquês no mais alto pedestal de Lisboa - na Rotunda, coloca o símbolo maçónico no alto, perante o silêncio de uma Igreja rendida, que via em Salazar a sua maior esperança contra o anticlericalismo maçónico.

Assim, de forma algo singular, o Marquês apareceu como figura consensual entre lados opostos!
Os registos críticos que apareceram sobre a actuação do Marquês foram quase sempre tímidos e algo silenciados. 
A nova censura - o politicamente correcto, impede pôr em causa a obra do Marquês em Lisboa, após o Terramoto, ou na reestruturação administrativa ou da universidade, admitindo a crítica sobre a chacina dos Távoras. Os adeptos do Marquês tentam usar a semelhança com as execuções ordenadas por D. João II... sendo óbvio que a comparação é algo absurda. A execução dos Távoras teria melhor paralelo nos métodos da Antiga Roma, ao estender-se a toda a família.

Os agentes do encobrimento histórico parecem apreciar tornar vilões em heróis, e denominar como fracos os regentes mais lúcidos. Dessa forma ignoram os mais sensatos e elogiam os mais cruéis...  ficando assim mais próximos, pelos defeitos, daqueles que colocaram no panteão que inventaram. 

Assim, a maioria dos erros foram passados ao antecessor, D. João V, quiçá o melhor governante da dinastia de Bragança... já que ameaçava colocar Portugal de novo no caminho de potência mundial.
D. João V é criticado por trazer ouro do Brasil... esquecendo que essas remessas pararam pelo total desinteresse do Marquês no Brasil.
Ao Marquês elogia-se a pretensa obra nacional, omitindo o desastre que foi a sua condução do império... foi aliás durante essa pretensa "regência brilhante" que se serviu a Sandwich Havaiana e Australiana aos ingleses.
Se há mérito nalguma actuação será coisa de bastidores... e apenas se justificaria se a ruína nacional fosse necessária para algum bem maior!

Os sucessos de um rei, levam a uma absorção e a um descuido com a sucessão. Era assim habitual um investimento no príncipe seguinte, por aqueles que eram preteridos pelo rei.
Quando D. João V morre, é a rainha (austríaca, Habsburgo) Maria Ana Josefa que vai indicar Sebastião de Carvalho e Melo ao seu filho, D. José.
Este diplomata, antes embaixador na Inglaterra e depois na Áustria, e que D. João V acabara de demitir, aparece num lugar de destaque arranjado pela Rainha Maria Ana de Áustria, que o irá proteger (casando mesmo com uma austríaca). As ligações à maçonaria, essas parecem ocorrer aquando da embaixada em Londres... onde certamente terá privado com cozinheiros e sanduíches.

Porém, atrevemos também a sugerir um plano de longo curso, que estava já a ser testado pelos hábeis Habsburgos. De facto, uma maneira de controlar uma sociedade maçónica, em crescimento acentuado de poder, seria usar essa avidez de poder a serviço da aristocracia implantada. 
D. José I passa assim como figura despercebida, desfrutando das delícias da corte, longe dos assuntos de estado, encarregues a Sebastião de Melo... mas influenciando decisivamente as decisões mais controversas - como a execução dos Távoras. Em troca desses serviços, o Sebastião passa a Conde de Oeiras e depois a Marquês de Pombal. A aristocracia usaria o prestígio como moeda de troca na governação, e poderia descansar... mas a Revolução Francesa alterou um pouco estas contas.

Este plano aristocrata de longo curso seria inteligente... abdicavam das tarefas pesadas de governação, e passavam a desfrutar das vantagens do Reino. As quebras de popularidade passavam para os ministros, que tinham aparente carta-branca, mas que estavam condicionados.
Os Habsburgos austríacos, com Metternich, preferiam a via absolutista, que viam como única solução face à experiência caótica da Revolução Francesa de 1789. Os ingleses, que já tinham uma experiência revolucionária bem anterior, com Cromwell ao invés de Napoleão, preconizavam uma filosofia ainda mais inteligente - a Monarquia Liberal.

A Monarquia Liberal, tornou-se a forma comum de governo nos Séc. XIX e XX, especialmente após as Revoluções de 1848, e ainda hoje perdura na Europa. A legitimidade do Rei não era afectada, mas o governo passava a ser opção por eleição. No fundo a responsabilidade da governação visível passava para o próprio povo, por resultado de uma pretensa eleição, mas estes governantes estavam depois condicionados a todo o jogo que se passava nos bastidores, nas armadilhas cortesãs.
A população era co-responsabilizada nos erros governativos dos ambiciosos líderes que elegia, e a cabeça coroada passava incólume pelos pingos da chuva.

A experiência mais decisiva ocorreria com as Repúblicas... mesmo com a destituição do Rei e das Cortes, os poderes instituídos seriam corrompidos pelas ligações ancestrais das famílias, e na prática esses elementos aristocratas voltavam a concentrar o poder sob forma camuflada. 
Aparentemente partilhavam o poder com uma nova parte da população burguesa, que subia nos degraus do poder, mas esses novos protagonistas eram seduzíveis a honrarias e festas, e poderiam ser manipulados em jogos cortesãos, onde a aristocracia reinava sem concorrência.
Talvez a última experiência, destinada a erradicar essa submersa influência aristocrática nas Repúblicas, terá sido tentada na Revolução Russa de 1917. No entanto, é fácil perceber como os jogos de bastidores assumiam, mesmo assim, contornos tenebrosos... a luta de poder na antiga URSS acabou por substituir um sistema oligárquico por outro - em que a aristocracia passou a ser o "partido único". 
Essa experiência russa foi fechada, expondo fantasmas semelhantes aos fantasmas do Reino de Terror, que se seguiu à Revolução Francesa. Os escritores da História decidiam assim fechar definitivamente a hipótese comunista, usando dos habituais reflexos pavlovianos - a palavra comunista ganharia um tom pejorativo automático.


Abalos Lisboetas antes de 1755
Voltamos a Sebastião, Marquês de Pombal, e aos sentidos abalos!
Um dos méritos propagandeados ao Marquês é a reconstrução de Lisboa após o Terramoto de 1755.
Isto é colocado como se Lisboa não tivesse passado antes por dezenas de terramotos severos.

Em 26 de Janeiro de 1531 estima-se que tenham morrido 30 mil pessoas em Lisboa, número até maior ao avançado para o de 1755. 
Também nessa altura foi feito um bairro com estrutura quadricular que sobreviveu - o Bairro Alto (ver p.ex. aqui). Assim, a proclamada "quadrícula inovadora" nas ruas da baixa lisboeta, pensada pelo Marquês, já tinha tido um precedente com 250 anos, durante o reinado de D. João III.

Vejamos então um registo de sismos em Lisboa (usamos os adjectivos de Pinho Leal):
1009 - grande terramoto que destroi "mais ou menos" Lisboa.
1117 - idem
1146 - ibidem
1290 - fortíssimo terramoto aluíram muitas casas de Lisboa.
1344 - idem
1531 - espantoso terramoto que dura 50 dias! Arruinados alguns templos e 1500 casas cairam. 
1551 - terramoto medonho destruiu 200 casas em Lisboa
1575 - violento terramoto sem vítimas
1598 - violento terramoto sem vítimas
1699 - violento tremor de terra de 3 dias com alguns intervalos 
1724 - fortíssimo tremor de terra, não causou desgraças 


O abalo sísmico de 1531, tendo até levado à construção do Bairro "Alto", parece ter um registo histórico mais devastador que o de 1755...
Porém o abalo do Marquês teve várias componentes - especialmente posteriores.

Selecção Herculana
O terramoto do Marquês e assessores foi de tal forma potente que parece ter feito cair as Torres de Hércules em Cadiz (construção que tinha aguentado milénios de terramotos), apesar de ter poupado o Aqueduto das Águas Livres em Lisboa, ou o Convento de Mafra.
As ditas Torres de Hércules tiveram ainda uma queda diferente em Coimbra, onde a Torre Pentagonal tombou pela outra proeza pombalina - a universidade!
Não terá sido a Universidade de Évora, que Pombal decidiu fechar, nem o Observatório Astronómico, que apenas serviu de pretexto para a destruição da Torre de Hércules. O que Pombal fez foi importar génios... ou melhor arrumar o génio nacional na prateleira e contratar a subsidariedade, pela ideia de que um bom estrangeiro seria sempre melhor! Os textos de autores do Séc. XVIII que ironizam esse estado de coisas são particularmente interessantes para se perceber quando se começou a venerar a importação externa de valores, e a consolidar a dívida subjacente, transformando os valores nacionais em resignados, menosprezados, e desconsiderados subsidiários de uma inteligentia externa.

Como era Lisboa antes do Terramoto?
Apesar de serem pouco vistas imagens de Lisboa anteriores ao Terramoto de 1755, sobreviveram algumas bem ilustrativas, onde se percebe que a "grande reconstrução", ou a "grande alteração", é essencialmente manobra publicitária.
Pormenor da zona do Palácio do Rei,  onde depois do Terramoto será o Terreiro do Paço.
Estampa na Biblioteca Nacional de Maillet (impresso em Paris, 1760)


Estampa na Biblioteca Nacional de Clara Black (início Séc. XVIII)

Podemos ver em particular que o posterior Terreiro do Paço e os edifícios pouco mais são do que a adaptação do que já era o Palácio do Rei. Aliás, o que se notará mais é que a zona do Paço terá até perdido alguma qualidade estética, a avaliar pelas estampas. Se havia caos urbanístico na zona interna até ao Rossio, pois isso é algo que não se consegue avaliar nestas imagens, e não seria no Bairro Alto. Mas há outras que mostram pelo menos uma grande rua com clara vista do Tejo, e podem ainda ver-se edifícios com altura de 5 andares.

Em resumo, para além da duplicação dos torreões no Paço, não se vislumbra propriamente uma "grande" alteração face ao que era Lisboa antes do terramoto.

A destruição de Lisboa, não terminou no Terramoto, e em larga parte uma das maiores perdas resultou do incêndio, que também destruiu os Arquivos da Torre do Tombo. Estes acidentes, ditos fortuitos, têm a particular selectividade de destruir a memória histórica, de forma quase definitiva. Este caso, ou a Biblioteca de Alexandria, são alguns dos muitos exemplos ao longo dos séculos (e.g. Grande Incêndio de Londres, ao tempo da nossa Rainha Catarina)...

Quanto à contenção do desastre, conhece-se a forma brutal de repressão que se processou após o terramoto, causando mais vítimas do que o próprio acidente (isso é habitualmente ilustrado nesta imagem).

Processo dos Távoras - 1758
Ainda no rescaldo do acontecimento, e devido à sensação de "castigo divino", a insatisfação sobre a actuação do Marquês acentua-se, mas irá terminar de forma contundente.
Três anos depois do terramoto, dá-se o incidente da "tentativa de assassinato" do Rei, que resulta no chamado Processo dos Távoras, sendo implicados o Duque de Aveiro, o Conde da Atouguia e toda a família dos Távoras, entre outros.
Processo dos Távoras
Teatro da Execução (estampa na Bibl. Nac., anónima, c. 1759-60)

Já aqui falámos sobre a particularidade dos mortos envolvidos no processo serem das mesmas Casas que estiveram até à morte ao lado de D. Sebastião em Alcácer-Quibir, e até de 1578 e 1758 terem os mesmos dígitos.
O que choca mais neste processo é a brutalidade envolvida nas execuções públicas. Talvez não fosse novidade, dado o tratamento de tortura e esquartejamento que Louis XV decidiu implementar a Robert Damiens em 1757... a novidade aqui foi a sua aplicação a uma casa aristocrata rival.
Convirá ler Pinho Leal sobre o Processo, num apontamento que tem sobre o sítio "Chão Salgado"... nunca é demais saber de que matéria são feitos os heróis que estão no pedestal mais alto da capital lisboeta.

Guerra Fantástica
Portugal participou na Guerra dos Sete Anos, ao lado da Inglaterra...
... e assim, ao contrário do que é habitualmente publicitado, os conflitos com Espanha não terminaram nas vitórias da Restauração. Houve a Guerra Fantástica.
A Espanha, aliada da França, entrou em Portugal, e ameaçou a invasão em 1762, durante a regência do Marquês... o exército português tinha sido reduzido desde 1754 a metade dos efectivos - manda dizer a publicidade instituída - que por culpa de D. João V - que apesar de este ter morrido em 1750, tinha costas largas para aguentar com esta culpa adicional, mesmo morto. Lê-se isto na wikipedia:


       "O Exército Português, abandonado desde a doença de D. João V, não tinha oficiais preparados para a guerra — fardamento, soldados e armas eram praticamente inexistentes."

Ainda que isso fosse verdade, será que a ausência de espírito crítico é tal que não se percebe que a doença de D. João V ocorreu em 1750... e que nos 12 anos seguintes as responsabilidades sobre o exército estariam a cargo de D. José e do ministro Pombal.

Há ilustrações dessas batalhas, que levaram a fortes derrotas das forças portuguesas.
"Guerra Fantástica"
O espanhol Conde de Aranda invade Portugal em 1762, durante a regência pombalina,
conquistando Salvaterra de Magos e ameaçando Lisboa.

A solução pombalina recai mais uma vez na ajuda externa, pela organização militar do Conde de Lippe, aparentando quase que já não poderia ter sob controlo português um exército forte - aconteceu depois o mesmo com a ajuda de Wellington - as tropas portuguesas nunca parecem ter ousado responder sem haver direcção externa. De forma semelhante, mesmo a presença do Duque de Schomberg, durante a Guerra da Restauração nunca foi bem vista pelos nacionais (nomeadamente o Marquês de Marialva), e terá contribuído mais para a deposição de Afonso VI em favor de Pedro II, ou para colher os louros de da vitória portuguesa em Montes-Claros.

Esta "Guerra Fantástica" evidencia a acentuada degradação nacional após D. João V.
Dir-se-à uma decadência quase propositada, conduzida pelo Marquês de Pombal, e pelas forças infiltradas de traição nacional que continuam a promover a incompetência, de forma a suprimir qualquer renascimento organizado.
Foi essa a principal herança pombalina!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13


dos Santos e Silva

por desvela, em 04.08.11

Portugal, 1917... não é novidade que, ao longo dos séculos, muitos foram aqueles que tentaram publicar, para transmitir à população, um conhecimento que parecia ser destinado à ocultação.
Calisto encontrou uma preciosidade de J. E. dos Santos e Silva, então engenheiro da Direcção Geral das Colónias, que procurava compilar conhecimento que se afastava "dos modernos historiadores portugueses" que faziam surgir "quase espontaneamente" a nossa História com D. Afonso Henriques (cito o autor).

Para além de no excelente material compilado por Calisto ficar evidenciada uma outra estória sobre as Colunas e Torres de Hérculesparece ainda clara uma ligação Egiptânia e não só... temos uma confirmação para a existência de um Canal do Suez na Antiguidade.

Não podemos deixar de notar que Estrabo dá a entender que os Pilares/Colunas seriam no seu tempo as torres que estavam em Cadiz:
... while the Iberians and Libyans place them at Gades, alleging that 
there is nothing at all resembling pillars close by the strait.

pelo que talvez haja uma confusão no texto com essas torres, que já teriam desaparecido por altura das invasões napoleónicas, fazia mais de um século quando Santos e Silva escreveu o livro (em vez de livro apetece aqui dizer balanço de balança, se libro vier de libra).


------------------- email de Calisto Barbuda  -------------------

Quando há pouco tempo andava à procura de informações sobre os Coni/Cynetes/Cunetes, deparei-me com este livro:
Episódios e Tradições relativos à História Antiga da LusitaniaJ. E. dos Santos e Silva (Lisboa, 1917) 
foi aqui que encontrei umas informações sobre Hércules que achei curiosas, pondo de parte algumas coisas que não percebi como por exemplo ter o nome de Rhamsés II, e a data 1600, quando Sesóstris I reinou 1908-1875 a.c.

Segundo o autor, sobre a vida de Sesóstris I (Rhamsés II), diz que os episódios relatados podem ser relativos a vários dos seus Reis 
“(...) mas que a imaginação e vaidade nacional reuniram n’um só. Supõem que é o Sesác dos livros sagrados; que viveu muito antes da guerra de Troya, no tempo dos Juízes de Israel; que é o Setósis de Maneton; o Egypto, irmão de Danáo; Typhon da Mythologia; o Pharaó submergido nas ondas do Mar Vermelho, quando ia em perseguição de Moysés; e por último que era ou foi chamado o Osíris Egypcio.
Heródoto coloca este rei um século antes da guerra de Tróia (1300 a 1100 A.C.), Cantù coloca em 1600, época em que a península Ibérica foi reinada por Geryon, e como o Sesóstris foi chamado de Osiris, parece lógico que o libertador da Península tenha sido ele.

A data de Heródoto, segundo o autor do livro, coincidiria com a invasão dos Pelasgos na Península, mas refere também que antes destas invasões podem ter havido outras, por outro lado entre os historiadores tem havido confusões chamando Pelasgos aos Tyrrhenos, por isto será (para o autor) a data que Cantù menciona; ou um século depois, na opinião de Bossuet (ou seja, 1491-1457 a.c.).

O autor continua dizendo que: 
Não há tambêm unidade de opiniões sôbre se a derrota de Geryon e a sua morte foi simultâneamente com a dos seus três filhos, nem são unânimes os autores em supôr a vinda de Horus distinta da de Osíris. O que é mais seguido e comentado nos livros antigos é a invasão da Península pelo Hércules Egypcio, isto é, por um rei conquistador d’aquela nacionalidade, cujos feitos o fizeram comparar com o deus Hércules, e que ficou conhecido por êste nome. Considerando, portanto, que a existência de Osíris e Horus, a ser verdadeira, teria necessáriamente que remontar-se a uma época muitíssimo anterior à de Geryon, em cujo tempo reinava no Egypto a XVIII dinastia, de que Sesóstris foi um dos últimos reis (1643, antes de Christo), e que a época d’êste rei coincide com a de Geryon, temos que concluir que o Hércules Egypcio, libertador da Ibéria, foi realmente Sesóstris.
Segundo Heródoto, Hércules teve origem no Egipto, de onde Gregos e Fenícios o adoptaram dando esse nome aos seus heróis, assim na Fenícia era Hércules Tyriano ou Melkarth, na Grécia era Hércules Thebano ou Heraklés, na Gália identificaram-no como Ogmios dos Celtas, chamando-lhe Hércules Gaulês, e na Itália também foi introduzido o culto do Hércules Tebano. Toledo e Huesca consagram vitimas a Hércules Endovecélio (ou Endovélico), mas Leite Vasconcelos (Religiões da Luzitânia) diz supor serem falsas as inscrições.
A história dos diferentes Hércules é um conjunto de prodígios, ou antes, é a história de todos aqueles que tiveram o mesmo nome e suportaram os mesmos trabalhos. Tem-se exagerado os sues feitos, reùnindo-os em um só homem e atribuindo-lhe todas as grandes emprêsas de que se ignorava o autor, cobrindo-os assim d’uma notoriedade que os elevava acima da espécie humana (Diodoro Sículo). Comtudo, o que parece averiguado é que um grande conquistador, que supomos ser Sesóstris e não Osíris nem Orus, e a quem se chamou «o Hércules Egypcio», à frente de forte exército d’esta nacionalidade, depois de ter empreendido uma grande peregrinação, ennobrecendo com os seus feitos quasi todo o mundo, veio à Península Ibérica.
O autor continua dizendo que por todas as partes extremas a que ele chegou erigiu colunas simbólicas das suas vitórias com inscrição do seu nome, pátria e a resenha das vitórias obtidas pelo seu exército sobre os povos subjugados, segundo Heródoto só Sesóstris usou a prática de establecer estas colunas, encontrando-se no tempo de Heródoto as de Scythia e da Thrácia, 
“Não será, pois, para estranhar e talvez seja esta a verdade histórica que as famosas colunas de Hércules do estreito de Gibráltar, que separa a Península Ibérica da África e que a fantasia transformou nos montes Calpe e Abyla, sejam as colunas colocadas por Sesóstris em Cádiz quando conquistou a Península e derrotou o rei Geryon.”.
Fala depois da introdução da agricultura na Península por ele, e diz que: 
“Estamos, pois, em presença d’outra grande invasão na Península, constituida pelo povo Egypcio e por todos aqueles que o conquistador arrastou na sua passagem; Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios; os quais, como veremos, prolongaram aqui o seu império por muitos anos, devendo ter deixado forçosamente vestígios da sua passagem na raça peninsular.”
Fala depois dos seus feitos, da abertura do canal do Suez que terminaram no tempo dos primeiros Lagidas (250 a.c.), tendo depois ficado obstruida e tornou-se novamente navegável no tempo de Trajano e Adriano conservando-se até ao séc. VI quando foi novamente obstruido sendo reaberto em 1869.
Para o autor, as lendas de Osiris e Sesóstris são semelhantes, os dois saem do Egipto, conquistam nações bárbaras, estabelecem a ordem social, fomentam a riqueza, etc, sendo “endeusados”, 
“(...) ficando na memória dos povos como um mito de virtudes cuja tradição constitue uma parte das suas crenças religiosas. Estas circunstâncias e o facto de Sesóstris ter sido chamado Osíris confirmam a suposição de ser aquele rei egypcio o Hércules que veio à Península e não o verdadeiro Osíris que, se existiu, foi em tempos muito mais remotos.”
Mais à frente diz: 
Há contudo uma consideração que, se bem não altera fundamentalmente a tradição, modifica-a na forma como os acontecimentos se teriam dado. Geryon, conhecido pelo monstro de três cabeças, por ter três filhos ou três exércitos, podia ter sido derrotado em Tarifa, na primeira invasão dos Egypcios, juntamente com os filhos, ou em três batalhas dadas em vários pontos da Península; e, n’êste caso, fica posta de parte a vinda de Horos para castigar os filhos de Geryon. O que porém, importa verdadeiramente é o facto, que parece fóra de dúvida, de ter-se dado na Península uma grande invasão egypcia acompanhada de Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios, catorze a dezasseis séculos antes de Christo.
Quando o autor fala dos Sírios diz o seguinte: 
“Carteya, diz Strabão, mantinha grande comércio com os Iberos e foi tomada por Amilcar, carthaginês, no ano de 236 da fundação de Roma. Era a povoação mais importante junto ao Estreito de Gibráltar (fretum Herculeum ou Gaditano), que para os antigos estava situado entre o cabo de Espartel (Ampelusa), junto ao monte Almina (Abyla), termo de Ceuta e o promontorium Junonis, antigo monte Calpe ao noroeste da ponta d’Europa, na montanha de Gibráltar. Êstes montes, Abyla e Calpe, eram as colunas de Hércules da Mythologia; as verdadeiras e reais deviam porêm, ser as de Sesóstris, edificadas em Cádiz.”
Sobre as colunas de Hércules o autor diz o seguinte: 
As colunas de Hércules passavam por ser antigamente, as portas do mundo. Êste monumento substiu até 1145. Constava de uma estrutura de pilares de pedra sobrepostos, formando uma espécie de torre levantada na praia ou já no mar. Cada pilar tinha quinze côvados de circunferência e dez de altura. O conjunto, que media de 60 a 100 côvados de alto, estava ligado sólidamente por barras de ferro chumbadas. Sôbre esta tôrre, em que todavia não existiam portas nem câmaras interiores, levantava-se uma estátua de bronze doirado, de Melkarth, o Hércules phenício, da altura de 6 côvados, representando o deus sob a figura de um homem barbado, com cinto e manto que lhe descia até ao joelho. Com a mão esquerda apanhava as dobras do manto contra o peito, e no braço direito estendido, a mão segurava uma chave ao mesmo tempo que o indicador apontava para o Estreito. O facto, porêm, de existir sôbre as colunas a estátua de Melkarth, não significa que elas fôssem construidas pelos Phenícios, mas unicamente a sua consagração àquele deus, efectuada posteriormente por aqueles povos invasores.

            Os Cruzados e os piratas normandos chamavam ao Estreito, Karlsar, ' as águas do homem'; e Isidoro de Beja, no tempo do domínio árabe, atribuia uma significação profética à atitude da dextra de Melkarth: a chave que empunha era o símbolo de que era essa a porta do país; e o dedo, apontando para o Estreito, queria dizer o caminho por onde vieram os exércitos de Muza.

            As colunas de Hércules foram destruídas em 1145 pelo almirante árabe Ali-ibn-Isa-ibn-Maimun, que se sublevára em Cádiz. Corria a tradição que a estátua era de oiro puro e por isso o Árabe a abateu: era doirada, mas ainda assim a douradura produzio 12.000 dinàrs. (Dozy, Histoire et Littérature d’Espagne).”
Só uma última referência em que é dito que 


“(...) outros dão a entender que Espanha quer dizer, terra desconhecida e afastada. Em língua euskara (vascongada) Espanha significa extremidade, isto é, extremo do mundo conhecido, convicção antiga que deu origem ao  non plus ultra que dizem estava escrito nas colunas d’Hércules, e que se vê reproduzido nas moedas peninsulares.”
No fim de ler isto lembrei-me da questão levantada pela Maria da Fonte sobre o haplogrupo de Tutankhamun ser da Península Ibérica...

Estátuas do templo de Melkarth em Cadiz...
cuja pose parece ser tipicamente egípcia. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:31


dos Santos e Silva

por desvela, em 03.08.11

Portugal, 1917... não é novidade que, ao longo dos séculos, muitos foram aqueles que tentaram publicar, para transmitir à população, um conhecimento que parecia ser destinado à ocultação.
Calisto encontrou uma preciosidade de J. E. dos Santos e Silva, então engenheiro da Direcção Geral das Colónias, que procurava compilar conhecimento que se afastava "dos modernos historiadores portugueses" que faziam surgir "quase espontaneamente" a nossa História com D. Afonso Henriques (cito o autor).

Para além de no excelente material compilado por Calisto ficar evidenciada uma outra estória sobre as Colunas e Torres de Hérculesparece ainda clara uma ligação Egiptânia e não só... temos uma confirmação para a existência de um Canal do Suez na Antiguidade.

Não podemos deixar de notar que Estrabo dá a entender que os Pilares/Colunas seriam no seu tempo as torres que estavam em Cadiz:
... while the Iberians and Libyans place them at Gades, alleging that 
there is nothing at all resembling pillars close by the strait.

pelo que talvez haja uma confusão no texto com essas torres, que já teriam desaparecido por altura das invasões napoleónicas, fazia mais de um século quando Santos e Silva escreveu o livro (em vez de livro apetece aqui dizer balanço de balança, se libro vier de libra).


------------------- email de Calisto Barbuda  -------------------

Quando há pouco tempo andava à procura de informações sobre os Coni/Cynetes/Cunetes, deparei-me com este livro:
Episódios e Tradições relativos à História Antiga da LusitaniaJ. E. dos Santos e Silva (Lisboa, 1917) 
foi aqui que encontrei umas informações sobre Hércules que achei curiosas, pondo de parte algumas coisas que não percebi como por exemplo ter o nome de Rhamsés II, e a data 1600, quando Sesóstris I reinou 1908-1875 a.c.

Segundo o autor, sobre a vida de Sesóstris I (Rhamsés II), diz que os episódios relatados podem ser relativos a vários dos seus Reis 
“(...) mas que a imaginação e vaidade nacional reuniram n’um só. Supõem que é o Sesác dos livros sagrados; que viveu muito antes da guerra de Troya, no tempo dos Juízes de Israel; que é o Setósis de Maneton; o Egypto, irmão de Danáo; Typhon da Mythologia; o Pharaó submergido nas ondas do Mar Vermelho, quando ia em perseguição de Moysés; e por último que era ou foi chamado o Osíris Egypcio.
Heródoto coloca este rei um século antes da guerra de Tróia (1300 a 1100 A.C.), Cantù coloca em 1600, época em que a península Ibérica foi reinada por Geryon, e como o Sesóstris foi chamado de Osiris, parece lógico que o libertador da Península tenha sido ele.

A data de Heródoto, segundo o autor do livro, coincidiria com a invasão dos Pelasgos na Península, mas refere também que antes destas invasões podem ter havido outras, por outro lado entre os historiadores tem havido confusões chamando Pelasgos aos Tyrrhenos, por isto será (para o autor) a data que Cantù menciona; ou um século depois, na opinião de Bossuet (ou seja, 1491-1457 a.c.).

O autor continua dizendo que: 
Não há tambêm unidade de opiniões sôbre se a derrota de Geryon e a sua morte foi simultâneamente com a dos seus três filhos, nem são unânimes os autores em supôr a vinda de Horus distinta da de Osíris. O que é mais seguido e comentado nos livros antigos é a invasão da Península pelo Hércules Egypcio, isto é, por um rei conquistador d’aquela nacionalidade, cujos feitos o fizeram comparar com o deus Hércules, e que ficou conhecido por êste nome. Considerando, portanto, que a existência de Osíris e Horus, a ser verdadeira, teria necessáriamente que remontar-se a uma época muitíssimo anterior à de Geryon, em cujo tempo reinava no Egypto a XVIII dinastia, de que Sesóstris foi um dos últimos reis (1643, antes de Christo), e que a época d’êste rei coincide com a de Geryon, temos que concluir que o Hércules Egypcio, libertador da Ibéria, foi realmente Sesóstris.
Segundo Heródoto, Hércules teve origem no Egipto, de onde Gregos e Fenícios o adoptaram dando esse nome aos seus heróis, assim na Fenícia era Hércules Tyriano ou Melkarth, na Grécia era Hércules Thebano ou Heraklés, na Gália identificaram-no como Ogmios dos Celtas, chamando-lhe Hércules Gaulês, e na Itália também foi introduzido o culto do Hércules Tebano. Toledo e Huesca consagram vitimas a Hércules Endovecélio (ou Endovélico), mas Leite Vasconcelos (Religiões da Luzitânia) diz supor serem falsas as inscrições.
A história dos diferentes Hércules é um conjunto de prodígios, ou antes, é a história de todos aqueles que tiveram o mesmo nome e suportaram os mesmos trabalhos. Tem-se exagerado os sues feitos, reùnindo-os em um só homem e atribuindo-lhe todas as grandes emprêsas de que se ignorava o autor, cobrindo-os assim d’uma notoriedade que os elevava acima da espécie humana (Diodoro Sículo). Comtudo, o que parece averiguado é que um grande conquistador, que supomos ser Sesóstris e não Osíris nem Orus, e a quem se chamou «o Hércules Egypcio», à frente de forte exército d’esta nacionalidade, depois de ter empreendido uma grande peregrinação, ennobrecendo com os seus feitos quasi todo o mundo, veio à Península Ibérica.
O autor continua dizendo que por todas as partes extremas a que ele chegou erigiu colunas simbólicas das suas vitórias com inscrição do seu nome, pátria e a resenha das vitórias obtidas pelo seu exército sobre os povos subjugados, segundo Heródoto só Sesóstris usou a prática de establecer estas colunas, encontrando-se no tempo de Heródoto as de Scythia e da Thrácia, 
“Não será, pois, para estranhar e talvez seja esta a verdade histórica que as famosas colunas de Hércules do estreito de Gibráltar, que separa a Península Ibérica da África e que a fantasia transformou nos montes Calpe e Abyla, sejam as colunas colocadas por Sesóstris em Cádiz quando conquistou a Península e derrotou o rei Geryon.”.
Fala depois da introdução da agricultura na Península por ele, e diz que: 
“Estamos, pois, em presença d’outra grande invasão na Península, constituida pelo povo Egypcio e por todos aqueles que o conquistador arrastou na sua passagem; Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios; os quais, como veremos, prolongaram aqui o seu império por muitos anos, devendo ter deixado forçosamente vestígios da sua passagem na raça peninsular.”
Fala depois dos seus feitos, da abertura do canal do Suez que terminaram no tempo dos primeiros Lagidas (250 a.c.), tendo depois ficado obstruida e tornou-se novamente navegável no tempo de Trajano e Adriano conservando-se até ao séc. VI quando foi novamente obstruido sendo reaberto em 1869.
Para o autor, as lendas de Osiris e Sesóstris são semelhantes, os dois saem do Egipto, conquistam nações bárbaras, estabelecem a ordem social, fomentam a riqueza, etc, sendo “endeusados”, 
“(...) ficando na memória dos povos como um mito de virtudes cuja tradição constitue uma parte das suas crenças religiosas. Estas circunstâncias e o facto de Sesóstris ter sido chamado Osíris confirmam a suposição de ser aquele rei egypcio o Hércules que veio à Península e não o verdadeiro Osíris que, se existiu, foi em tempos muito mais remotos.”
Mais à frente diz: 
Há contudo uma consideração que, se bem não altera fundamentalmente a tradição, modifica-a na forma como os acontecimentos se teriam dado. Geryon, conhecido pelo monstro de três cabeças, por ter três filhos ou três exércitos, podia ter sido derrotado em Tarifa, na primeira invasão dos Egypcios, juntamente com os filhos, ou em três batalhas dadas em vários pontos da Península; e, n’êste caso, fica posta de parte a vinda de Horos para castigar os filhos de Geryon. O que porém, importa verdadeiramente é o facto, que parece fóra de dúvida, de ter-se dado na Península uma grande invasão egypcia acompanhada de Ethiopes, Assyrios, Persas, Scythas e Thrácios, catorze a dezasseis séculos antes de Christo.
Quando o autor fala dos Sírios diz o seguinte: 
“Carteya, diz Strabão, mantinha grande comércio com os Iberos e foi tomada por Amilcar, carthaginês, no ano de 236 da fundação de Roma. Era a povoação mais importante junto ao Estreito de Gibráltar (fretum Herculeum ou Gaditano), que para os antigos estava situado entre o cabo de Espartel (Ampelusa), junto ao monte Almina (Abyla), termo de Ceuta e o promontorium Junonis, antigo monte Calpe ao noroeste da ponta d’Europa, na montanha de Gibráltar. Êstes montes, Abyla e Calpe, eram as colunas de Hércules da Mythologia; as verdadeiras e reais deviam porêm, ser as de Sesóstris, edificadas em Cádiz.”
Sobre as colunas de Hércules o autor diz o seguinte: 
As colunas de Hércules passavam por ser antigamente, as portas do mundo. Êste monumento substiu até 1145. Constava de uma estrutura de pilares de pedra sobrepostos, formando uma espécie de torre levantada na praia ou já no mar. Cada pilar tinha quinze côvados de circunferência e dez de altura. O conjunto, que media de 60 a 100 côvados de alto, estava ligado sólidamente por barras de ferro chumbadas. Sôbre esta tôrre, em que todavia não existiam portas nem câmaras interiores, levantava-se uma estátua de bronze doirado, de Melkarth, o Hércules phenício, da altura de 6 côvados, representando o deus sob a figura de um homem barbado, com cinto e manto que lhe descia até ao joelho. Com a mão esquerda apanhava as dobras do manto contra o peito, e no braço direito estendido, a mão segurava uma chave ao mesmo tempo que o indicador apontava para o Estreito. O facto, porêm, de existir sôbre as colunas a estátua de Melkarth, não significa que elas fôssem construidas pelos Phenícios, mas unicamente a sua consagração àquele deus, efectuada posteriormente por aqueles povos invasores.

            Os Cruzados e os piratas normandos chamavam ao Estreito, Karlsar, ' as águas do homem'; e Isidoro de Beja, no tempo do domínio árabe, atribuia uma significação profética à atitude da dextra de Melkarth: a chave que empunha era o símbolo de que era essa a porta do país; e o dedo, apontando para o Estreito, queria dizer o caminho por onde vieram os exércitos de Muza.

            As colunas de Hércules foram destruídas em 1145 pelo almirante árabe Ali-ibn-Isa-ibn-Maimun, que se sublevára em Cádiz. Corria a tradição que a estátua era de oiro puro e por isso o Árabe a abateu: era doirada, mas ainda assim a douradura produzio 12.000 dinàrs. (Dozy, Histoire et Littérature d’Espagne).”
Só uma última referência em que é dito que 


“(...) outros dão a entender que Espanha quer dizer, terra desconhecida e afastada. Em língua euskara (vascongada) Espanha significa extremidade, isto é, extremo do mundo conhecido, convicção antiga que deu origem ao  non plus ultra que dizem estava escrito nas colunas d’Hércules, e que se vê reproduzido nas moedas peninsulares.”
No fim de ler isto lembrei-me da questão levantada pela Maria da Fonte sobre o haplogrupo de Tutankhamun ser da Península Ibérica...

Estátuas do templo de Melkarth em Cadiz...
cuja pose parece ser tipicamente egípcia. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31


Torres de Hércules

por desvela, em 01.08.11
As Colunas de Hércules foram um ponto marcante, colocado como referência na maioria dos textos da Antiguidade. O estatuto lendário de Hércules acabou por identificar essas colunas com os montes situados de um e outro lado do Estreito de Gibraltar, a saber o Monte Calpe em Gibraltar, e o Monte Abila (ou será Avila?) em Ceuta. Porém, os antigos escritores romanos consideraram a hipótese das colunas terem mesmo existido. A cidade de Cadiz (ou Gades) mantém o mito das colunas no seu brasão e a inscrição Plus Ultra:
 

Acontece que, para além destas colunas, podemos encontrar as Torres de Hércules...
Essas torres estiveram sinalizadas em mapas e textos até há bastante pouco tempo!
Encontramos isso ainda num mapa de 1715:
Mapa em detalhe (zonu.com)

E mesmo numa descrição marítima de 1812 vemos que restava uma Torre, que passava a chamar-se "Torregorda"... Ao contrário do que esperava, foi estranhamente difícil encontrar menção a essas torres, cito a este propósito um dos poucos textos que encontrei online:
En Cádiz existían dos torres llamadas de Hércules en 1550, una donde hoy está torregorda y la otra como doscientos pasos más cerca de la ciudad, ambas iguales de altura, dice Adolfo de Castro, la ultima de ellas posiblemente fue destruida cuando el saqueo de los ingleses, porque en el siglo XVII solo se habla de una torre.
Esta fue totalmente destruida en el terremoto acaecido el 1 de Noviembre de 1753[!! 1755]. Por otro lado, las dos columnas del non plus ultra del que habla los antiguos historiadores pudieron ser las dos torres que señalaban la entrada del Puerto de Cádiz, una en la punta de la isla de San Sebastián, donde hoy está el faro, y otra también altísima, e igual en el Cabo Candor. Servían para avisar con fuego nocturno la entrada y el peligro de los puertos.
Portanto, percebemos que havia duas torres em 1550 (o que se vê no mapa de 1715), e que uma delas foi destruída no terramoto de 1755 (o ano 1753 estará errado no texto). A acção desse terramoto estendeu-se até Cadiz, como vemos! Será aqui útil referir a expressão associada a esse terramoto:
Caiu o Carmo e a Trindade...
Muito do que havia para cair, caíu, e o que não caiu na altura, caiu depois, e já não se recompôs!
Como a segunda torre estava de pé, segundo texto publicado em 1812, mas depois desapareceu, consideramos a hipótese de actuação napoleónica...

Como seriam essas Torres?
Podemos ter uma razoável ideia neste site ou neste [links entretanto removidos] pela ilustração num mapa de N. J. Visscher de 1660:
No canto superior direito desse mapa podemos ver (nas duas versões cores/preto-branco):
Ao contrário, num mapa semelhante constante da Universidade de Évora, encontramos o mapa com figuras recortadas! O que havia nessas figuras, que mereceu o recorte e a exclusão a olhos vindouros?

Uma das figuras que não está recortada, mas deixa algum mistério é a ponte de Segovia!
Também essa ponte de Segóvia já não existirá... deixamos aqui as imagens encontradas nos mapas referidos em cima:
Não sabemos se esta ponte caiu com o Carmo ou com a Trindade... há ainda outras duas construções nos outros cantos do mapa, que não conseguimos identificar.

Ainda sobre a questão de Torres de Hércules, já falámos sobre a Torre pentagonal de Coimbra...
... mas voltamos a acrescentar referências. Uma por António Francisco Barreto, outra de António Coelho Gasco, mas a mais enfática está na Revista Universal Lisbonense onde se começa por citar Almeida Garrett (D. Branca):
Alli o berço foi da lusa gloria; Creral-o hoje sepulcral moimento; D'essa gloria defunta
Ruínas tristes; Esbroardos pardieiros - oh, vergonha! São as torres...
 mas o autor do artigo continua, e cito:
(...) de mais longe vem o nefando empenho de apagar memórias do que fomos, arrasando os mais famosos monumentos de nossas glórias; julgamos por isso mais execráveis os antigos demolidores, que são os patriarcas d'essa abominável seita, cujo compromisso cifra todos os seus preceitos no único: "Aniquilar tudo o que recorde façanhas portuguezas".
e informa que o projecto do Marquês de Pombal para a destruição da Torre, ou segundo a versão politicamente correcta da nossa História - para construir o Observatório Astronómico, tinha sido entretanto abandonado... porque "não estava livre de abalos ocasionais pelo rolar dos carros nas calçadas, condição essencial que deve satisfazer todo o local destinado para observações". Depois, já no Séc. XX foi construído algo semelhante a um Observatório Astronómico de Coimbra, do outro lado do rio...
Digamos que se o Carmo caiu por mão de Neptuno, a Trindade deve ter caído por mão do Marquês e acólitos...
Fala-se ainda de que pelo menos a pedra com a inscrição "Quinaria turris Herculea fundata manu" deveria ter sido preservada!... Havia uma outra inscrição, que reportava a D. Sancho e ao ano (hispânico) de 1232, e deveria remeter para a construção da torre adicional... também essa parece ter desaparecido... coisas de invasões talvez! Se os culpados não podem ser internos, vêm os externos... e aqui os séculos de permanência árabe dificilmente podem ser vistos como motivo de destruição das nossas antiguidades, conforme podemos comprovar nos vários exemplos!

O artigo fala ainda do "arco da traição", e o arco do castelo, que tinha grossas portas chapeadas e cravadas de ferro, ambos teriam sido arrasados pela Câmara Municipal em 1836. Continuava por isso a reescrever-se a História, agora por mão do "mano Pedro", já que o "mano Miguel" tinha sido derrotado em 1834, e Maria II, filha de Pedro IV, era já rainha.
O autor do artigo, R. de Gusmão, termina assim:
Restos venerandos do alcaçar coimbrão, testemunha das nobres proezas de nossos maiores, poupe-vos a cólera dos homens d'hoje a aniquilação! O pó dos séculos, em que jazeis involtos, cegue os olhos incuriosos dos que ousarem desbaptizar-vos do sólo em que vos encravaram homens d'outras eras.
Se o brasão de Cádis mantém ainda a figura de Hércules, o problema identificado por Gaspar Barreiros - que ouvia tudo ser atribuído a Hércules, terá sido eliminado definitivamente pelo Marquês e sucessores que o compararam ao herói mítico, colocando-o em pedestal máximo lisboeta, acompanhado também por um leão. Não terão sido dois leões, talvez por modéstia... afinal tinha edificado alguma coisa sobre o destruído, mas não teria destruído tudo sozinho.
Não tem a maça nem a maçã de Hércules, por aí ficámos com o "anónimo" homem da maça e com "algo" ao lado, já que ninguém quererá ver Ládon. Cortados os braços, retiradas a maça e a maçã... o que resta do homem?
Homem da Maça (Monte de S. Brás) 
[imagem de C.M.Matosinhos]

Desterrados das suas sepulturas, desonrados os feitos, nomeados outros heróis, desses fantasmas doutrora ainda não terá sido silenciado por completo o registo, e é certo que o peso dos assombros passados parece pesar agora como assombração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57


Torres de Hércules

por desvela, em 31.07.11
As Colunas de Hércules foram um ponto marcante, colocado como referência na maioria dos textos da Antiguidade. O estatuto lendário de Hércules acabou por identificar essas colunas com os montes situados de um e outro lado do Estreito de Gibraltar, a saber o Monte Calpe em Gibraltar, e o Monte Abila (ou será Avila?) em Ceuta. Porém, os antigos escritores romanos consideraram a hipótese das colunas terem mesmo existido. A cidade de Cadiz (ou Gades) mantém o mito das colunas no seu brasão e a inscrição Plus Ultra:
 

Acontece que, para além destas colunas, podemos encontrar as Torres de Hércules...
Essas torres estiveram sinalizadas em mapas e textos até há bastante pouco tempo!
Encontramos isso ainda num mapa de 1715:
Mapa em detalhe (zonu.com)

E mesmo numa descrição marítima de 1812 vemos que restava uma Torre, que passava a chamar-se "Torregorda"... Ao contrário do que esperava, foi estranhamente difícil encontrar menção a essas torres, cito a este propósito um dos poucos textos que encontrei online:
En Cádiz existían dos torres llamadas de Hércules en 1550, una donde hoy está torregorda y la otra como doscientos pasos más cerca de la ciudad, ambas iguales de altura, dice Adolfo de Castro, la ultima de ellas posiblemente fue destruida cuando el saqueo de los ingleses, porque en el siglo XVII solo se habla de una torre.
Esta fue totalmente destruida en el terremoto acaecido el 1 de Noviembre de 1753[!! 1755]. Por otro lado, las dos columnas del non plus ultra del que habla los antiguos historiadores pudieron ser las dos torres que señalaban la entrada del Puerto de Cádiz, una en la punta de la isla de San Sebastián, donde hoy está el faro, y otra también altísima, e igual en el Cabo Candor. Servían para avisar con fuego nocturno la entrada y el peligro de los puertos.
Portanto, percebemos que havia duas torres em 1550 (o que se vê no mapa de 1715), e que uma delas foi destruída no terramoto de 1755 (o ano 1753 estará errado no texto). A acção desse terramoto estendeu-se até Cadiz, como vemos! Será aqui útil referir a expressão associada a esse terramoto:
Caiu o Carmo e a Trindade...
Muito do que havia para cair, caíu, e o que não caiu na altura, caiu depois, e já não se recompôs!
Como a segunda torre estava de pé, segundo texto publicado em 1812, mas depois desapareceu, consideramos a hipótese de actuação napoleónica...

Como seriam essas Torres?
Podemos ter uma razoável ideia neste site ou neste, pela ilustração num mapa de N. J. Visscher de 1660:
No canto superior direito desse mapa podemos ver (nas duas versões cores/preto-branco):
Ao contrário, num mapa semelhante constante da Universidade de Évora, encontramos o mapa com figuras recortadas! O que havia nessas figuras, que mereceu o recorte e a exclusão a olhos vindouros?

Uma das figuras que não está recortada, mas deixa algum mistério é a ponte de Segovia!
Também essa ponte de Segóvia já não existirá... deixamos aqui as imagens encontradas nos mapas referidos em cima:
Não sabemos se esta ponte caiu com o Carmo ou com a Trindade... há ainda outras duas construções nos outros cantos do mapa, que não conseguimos identificar.

Ainda sobre a questão de Torres de Hércules, já falámos sobre a Torre pentagonal de Coimbra...
... mas voltamos a acrescentar referências. Uma por António Francisco Barreto, outra de António Coelho Gasco, mas a mais enfática está na Revista Universal Lisbonense onde se começa por citar Almeida Garrett (D. Branca):
Alli o berço foi da lusa gloria; Creral-o hoje sepulcral moimento; D'essa gloria defunta
Ruínas tristes; Esbroardos pardieiros - oh, vergonha! São as torres...
 mas o autor do artigo continua, e cito:
(...) de mais longe vem o nefando empenho de apagar memórias do que fomos, arrasando os mais famosos monumentos de nossas glórias; julgamos por isso mais execráveis os antigos demolidores, que são os patriarcas d'essa abominável seita, cujo compromisso cifra todos os seus preceitos no único: "Aniquilar tudo o que recorde façanhas portuguezas".
e informa que o projecto do Marquês de Pombal para a destruição da Torre, ou segundo a versão politicamente correcta da nossa História - para construir o Observatório Astronómico, tinha sido entretanto abandonado... porque "não estava livre de abalos ocasionais pelo rolar dos carros nas calçadas, condição essencial que deve satisfazer todo o local destinado para observações". Depois, já no Séc. XX foi construído algo semelhante a um Observatório Astronómico de Coimbra, do outro lado do rio...
Digamos que se o Carmo caiu por mão de Neptuno, a Trindade deve ter caído por mão do Marquês e acólitos...
Fala-se ainda de que pelo menos a pedra com a inscrição "Quinaria turris Herculea fundata manu" deveria ter sido preservada!... Havia uma outra inscrição, que reportava a D. Sancho e ao ano (hispânico) de 1232, e deveria remeter para a construção da torre adicional... também essa parece ter desaparecido... coisas de invasões talvez! Se os culpados não podem ser internos, vêm os externos... e aqui os séculos de permanência árabe dificilmente podem ser vistos como motivo de destruição das nossas antiguidades, conforme podemos comprovar nos vários exemplos!

O artigo fala ainda do "arco da traição", e o arco do castelo, que tinha grossas portas chapeadas e cravadas de ferro, ambos teriam sido arrasados pela Câmara Municipal em 1836. Continuava por isso a reescrever-se a História, agora por mão do "mano Pedro", já que o "mano Miguel" tinha sido derrotado em 1834, e Maria II, filha de Pedro IV, era já rainha.
O autor do artigo, R. de Gusmão, termina assim:
Restos venerandos do alcaçar coimbrão, testemunha das nobres proezas de nossos maiores, poupe-vos a cólera dos homens d'hoje a aniquilação! O pó dos séculos, em que jazeis involtos, cegue os olhos incuriosos dos que ousarem desbaptizar-vos do sólo em que vos encravaram homens d'outras eras.
Se o brasão de Cádis mantém ainda a figura de Hércules, o problema identificado por Gaspar Barreiros - que ouvia tudo ser atribuído a Hércules, terá sido eliminado definitivamente pelo Marquês e sucessores que o compararam ao herói mítico, colocando-o em pedestal máximo lisboeta, acompanhado também por um leão. Não terão sido dois leões, talvez por modéstia... afinal tinha edificado alguma coisa sobre o destruído, mas não teria destruído tudo sozinho.
Não tem a maça nem a maçã de Hércules, por aí ficámos com o "anónimo" homem da maça e com "algo" ao lado, já que ninguém quererá ver Ládon. Cortados os braços, retiradas a maça e a maçã... o que resta do homem?

Desterrados das suas sepulturas, desonrados os feitos, nomeados outros heróis, desses fantasmas doutrora ainda não terá sido silenciado por completo o registo, e é certo que o peso dos assombros passados parece pesar agora como assombração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57


Augusto de Pinho Leal

por desvela, em 02.07.11
Augusto de Pinho Leal (1816-84) compilou a monumental obra corográfica Portugal Antigo e Moderno, terminada em 1890 pelo Padre Augusto Ferreira. Com este historiador, um miguelista influenciado por Pedro de Mariz, amigo de Camilo Castelo Branco (através do qual terá conseguido a permissão de publicação), vemos talvez os últimos apontamentos sobre as "estórias antigas" e a influência que ainda se manifestava nas diversas regiões portuguesas.
Quem quiser informações sobre uma determinada localidade, poderá encontrar nesta obra material interessante, incluindo assuntos doutras corografias que já fizemos referência. O quase desconhecimento desta grande obra é facilmente compreendido por quem segue este blog, e será mais um caso de memória danada subrepticiamente.
Augusto Pinho Leal
(por Rafael Bordalo Pinheiro)

Colimbria e Conimbriga
Lembramos, por exemplo, o texto de Pedro Mariz sobre a torre pentagonal de Coimbra - então atribuída a Hércules, e terraplanada à época do Marquês de Pombal. 
Pinho Leal retoma o assunto, de forma ligeira, mandando uma ligeira piada ao facto do Observatório Astronómico estar agendado para as calendas gregas (recordamos que teria sido o motivo invocado para a terraplanagem, um complemento do terramoto pombalino). Acrescenta que a Torre teria a inscrição:
Quinaria turris Herculea fundata manu
atribuída a D. Fernando, aquando da reconstrução do Castelo de Coimbra. D. Fernando, que teria provavelmente já naus em todos os locais que seriam depois descobertos, mas sem autorização de Roma (notamos que a excomunhão foi frequente nos reis da Primeira Dinastia, dita de Borgonha, mas que aqui dizemos de Bolonha). 
A esta manifestação de base "quinária", ou pentagonal, na torre de Hércules, Pinho Leal acrescenta a proximidade de outra torre muito alta (provavelmente a de D. Afonso Henriques). Nesse local fica agora o Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra (ver tese de doutoramento na FLUP, 2008, de Adriaan De Man, pág. 255). Depois da acção do Marquês e outros marqueses, restaram as torres do Anto e Almedina.

Pinho Leal menciona ainda a existência de duas "Coimbras", já reportada em 652 d.C. num concílio em Toledo do rei Recesvindo, onde haveria "dois bispos, cada um de sua Coimbra", reportando essa informação a João Vaseu (João Vaseo) e André de Resende. Haveria pois um "colimbriense" e outro "conimbricense", conforme os registos! Uma mudança de L para N faria aqui a diferença ou confusão.
Arrisca duas explicações para os nomes, que nos parecem pertinentes:
- Conimbriga, vai reportá-la aos Cónios, e à contracção Cuneu+briga, na menção externa de "povoação dos cónios", mas não deixa de mencionar algum consenso sobre a fundação em 308 a.C. pelos celtas da Gália, e descartar a hipótese de ter sido fundada pelo mítico Brigo.
- Colimbria, coloca-a fundanda por Hércules Líbio em 1788 a.C., e é original arriscando a contracção do nome em Herculíbia, de onde teria ficado só o Colíbia... que teria dado Collimbria.

Uma povoação ficaria na margem norte, e outra na margem sul do Mondego, mas devemos pensar na topografia à época e na possível grande entrada marítima que se estendia até à zona de Coimbra (ver mapa), e que pelo curso do actual Rio dos Mouros chegaria a Condeixa, e a Conimbriga... o posterior recúo marítimo levou ao progressivo abandono desta povoação que ficou como Condeixa-a-Nova (ver ainda o registo sobre o comércio de âncoras). 

Mais curiosamente vai afirmar que Colimbria teria sido habitada antes por 9 nações bárbaras:
- egípcios, fenícios, gregos, celtas, romanos, suevos, alanos, godos, e mouros

A menção ao Egipto sai completamente do registo habitual, e é primeira que a vemos escrita, ainda que já tivéssemos arriscado isso no texto Egitânia. Porém, vai mais longe... conforme explica, sabe que está "fora da moda" dos "autores modernos" (como um Herculano, que suprime os campos Herculanos, quase renegando uma influência do seu próprio nome...), mas não quer atribuir fantasia aos mesmos "autores antigos" que depois servem de referência para outro material. 
Concordamos plenamente, com a contradição assinalada a esses "modernaços"!

 
Perto de Condeixa: Buracas do Casmilo.
Ponte "Filipina" sobre o Rio dos Mouros (ou Rio Carália).
[As buracas são ditas "fenómenos geológicos naturais", e quanto à ponte... 
chamar-lhe filipina... talvez, se o construtor se chamava Filipe!]


Lysia, Ulyssipo, Lisboa
No quarto volume, tem um longo texto sobre Lisboa, com uma breve exposição sobre a sua história...
Logo depois de divagar sobre a sua fundação por Elisas, Lysias, ou Luso, bisneto de Noé, que teria dado o nome Lysia, refere a lenda de Ulisses enquanto fundador de Ulyssipo ou Ulyssea. Parece não ser adepto dessa hipótese e refere a eventual confusão de Elisas com Ulisses.

O mais interessante será a parte seguinte... diz Pinho Leal:
Não se pode dizer ao certo quem foram os primeiros habitantes de Lisboa; mas segundo os melhores escritores, foram os caldeus e babilónios, ou iberos, que tinham fugido à tirania de Nemrod, rei da Babilónia, pelos anos 1900 do mundo [ou seja 2100 a.C.]
Nemrod, também bisneto de Noé, é o suposto construtor da famosa Torre de Babel, e ainda marido da rainha Semiramis.

Quase só faltaria uma ligação da Iberia aos caldeus e babilónios... ainda que já a tivéssemos aqui sinalizado pela via de Nabucodonosor. Porém, esta ligação é bem anterior! Se do Ebro falámos em Ebreus, já poderíamos ter ligado as diversas Caldas ibéricas aos Caldeus... porém seria gratuito, já que não havia nada de específico nesse sentido! Se esta confusão e acumulação na presença de vários povos pode parecer estranha a muitos, é menos incipiente do que resumir a presença na Iberia (ou noutras paragens europeias) a celtas, cartagineses e romanos.

Mas, também aqui Pinho Leal não avança mais do que isto... passa a Baco, que teria aportado em Lisboa, com uma colónia de gregos, que se juntaram aos caldeus e babilónios aí refugiados. Lísias sendo o futuro rei, filho de Baco, leva Pinho Leal a supor uma confusão com entre este e o Elisas, ou Lísias, bisneto de Noé, com uma diferença de 787 anos entre eles. Reconhecendo alguma inconsistência nos diversos escritos, reconhece uma grande mistura entre hipóteses e teses, passando à ocupação pelos celtas, que reporta a 1005 a.C., quase seguidos 50 anos depois pelos fenícios, por volta de 600 a.C. pelos cartagineses, e em 200 a.C. pelos romanos. Menciona então que Julio César recupera a cidade renomeando-a Felicitas Julia, e dando-lhe o estatuto de município romano.
A história continua, com um detalhe razoável, nomeando extensivamente os sismos e outras catástrofes que se abateram sobre a cidade.... Procurando fazendo uma descrição enumerativa, não deixa de apontar uma série de acontecimentos que serão novidade para uma larga maioria de leitores!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:54


Augusto de Pinho Leal

por desvela, em 02.07.11
Augusto de Pinho Leal (1816-84) compilou a monumental obra corográfica Portugal Antigo e Moderno, terminada em 1890 pelo Padre Augusto Ferreira. Com este historiador, um miguelista influenciado por Pedro de Mariz, amigo de Camilo Castelo Branco (através do qual terá conseguido a permissão de publicação), vemos talvez os últimos apontamentos sobre as "estórias antigas" e a influência que ainda se manifestava nas diversas regiões portuguesas.
Quem quiser informações sobre uma determinada localidade, poderá encontrar nesta obra material interessante, incluindo assuntos doutras corografias que já fizemos referência. O quase desconhecimento desta grande obra é facilmente compreendido por quem segue este blog, e será mais um caso de memória danada subrepticiamente.
Augusto Pinho Leal
(por Rafael Bordalo Pinheiro)

Colimbria e Conimbriga
Lembramos, por exemplo, o texto de Pedro Mariz sobre a torre pentagonal de Coimbra - então atribuída a Hércules, e terraplanada à época do Marquês de Pombal. 
Pinho Leal retoma o assunto, de forma ligeira, mandando uma ligeira piada ao facto do Observatório Astronómico estar agendado para as calendas gregas (recordamos que teria sido o motivo invocado para a terraplanagem, um complemento do terramoto pombalino). Acrescenta que a Torre teria a inscrição:
Quinaria turris Herculea fundata manu
atribuída a D. Fernando, aquando da reconstrução do Castelo de Coimbra. D. Fernando, que teria provavelmente já naus em todos os locais que seriam depois descobertos, mas sem autorização de Roma (notamos que a excomunhão foi frequente nos reis da Primeira Dinastia, dita de Borgonha, mas que aqui dizemos de Bolonha). 
A esta manifestação de base "quinária", ou pentagonal, na torre de Hércules, Pinho Leal acrescenta a proximidade de outra torre muito alta (provavelmente a de D. Afonso Henriques). Nesse local fica agora o Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra (ver tese de doutoramento na FLUP, 2008, de Adriaan De Man, pág. 255). Depois da acção do Marquês e outros marqueses, restaram as torres do Anto e Almedina.

Pinho Leal menciona ainda a existência de duas "Coimbras", já reportada em 652 d.C. num concílio em Toledo do rei Recesvindo, onde haveria "dois bispos, cada um de sua Coimbra", reportando essa informação a João Vaseu (João Vaseo) e André de Resende. Haveria pois um "colimbriense" e outro "conimbricense", conforme os registos! Uma mudança de L para N faria aqui a diferença ou confusão.
Arrisca duas explicações para os nomes, que nos parecem pertinentes:
- Conimbriga, vai reportá-la aos Cónios, e à contracção Cuneu+briga, na menção externa de "povoação dos cónios", mas não deixa de mencionar algum consenso sobre a fundação em 308 a.C. pelos celtas da Gália, e descartar a hipótese de ter sido fundada pelo mítico Brigo.
- Colimbria, coloca-a fundanda por Hércules Líbio em 1788 a.C., e é original arriscando a contracção do nome em Herculíbia, de onde teria ficado só o Colíbia... que teria dado Collimbria.

Uma povoação ficaria na margem norte, e outra na margem sul do Mondego, mas devemos pensar na topografia à época e na possível grande entrada marítima que se estendia até à zona de Coimbra (ver mapa), e que pelo curso do actual Rio dos Mouros chegaria a Condeixa, e a Conimbriga... o posterior recúo marítimo levou ao progressivo abandono desta povoação que ficou como Condeixa-a-Nova (ver ainda o registo sobre o comércio de âncoras). 

Mais curiosamente vai afirmar que Colimbria teria sido habitada antes por 9 nações bárbaras:
- egípcios, fenícios, gregos, celtas, romanos, suevos, alanos, godos, e mouros

A menção ao Egipto sai completamente do registo habitual, e é primeira que a vemos escrita, ainda que já tivéssemos arriscado isso no texto Egitânia. Porém, vai mais longe... conforme explica, sabe que está "fora da moda" dos "autores modernos" (como um Herculano, que suprime os campos Herculanos, quase renegando uma influência do seu próprio nome...), mas não quer atribuir fantasia aos mesmos "autores antigos" que depois servem de referência para outro material. 
Concordamos plenamente, com a contradição assinalada a esses "modernaços"!

 
Perto de Condeixa: Buracas do Casmilo.
Ponte "Filipina" sobre o Rio dos Mouros (ou Rio Carália).
[As buracas são ditas "fenómenos geológicos naturais", e quanto à ponte... 
chamar-lhe filipina... talvez, se o construtor se chamava Filipe!]


Lysia, Ulyssipo, Lisboa
No quarto volume, tem um longo texto sobre Lisboa, com uma breve exposição sobre a sua história...
Logo depois de divagar sobre a sua fundação por Elisas, Lysias, ou Luso, bisneto de Noé, que teria dado o nome Lysia, refere a lenda de Ulisses enquanto fundador de Ulyssipo ou Ulyssea. Parece não ser adepto dessa hipótese e refere a eventual confusão de Elisas com Ulisses.

O mais interessante será a parte seguinte... diz Pinho Leal:
Não se pode dizer ao certo quem foram os primeiros habitantes de Lisboa; mas segundo os melhores escritores, foram os caldeus e babilónios, ou iberos, que tinham fugido à tirania de Nemrod, rei da Babilónia, pelos anos 1900 do mundo [ou seja 2100 a.C.]
Nemrod, também bisneto de Noé, é o suposto construtor da famosa Torre de Babel, e ainda marido da rainha Semiramis.

Quase só faltaria uma ligação da Iberia aos caldeus e babilónios... ainda que já a tivéssemos aqui sinalizado pela via de Nabucodonosor. Porém, esta ligação é bem anterior! Se do Ebro falámos em Ebreus, já poderíamos ter ligado as diversas Caldas ibéricas aos Caldeus... porém seria gratuito, já que não havia nada de específico nesse sentido! Se esta confusão e acumulação na presença de vários povos pode parecer estranha a muitos, é menos incipiente do que resumir a presença na Iberia (ou noutras paragens europeias) a celtas, cartagineses e romanos.

Mas, também aqui Pinho Leal não avança mais do que isto... passa a Baco, que teria aportado em Lisboa, com uma colónia de gregos, que se juntaram aos caldeus e babilónios aí refugiados. Lísias sendo o futuro rei, filho de Baco, leva Pinho Leal a supor uma confusão com entre este e o Elisas, ou Lísias, bisneto de Noé, com uma diferença de 787 anos entre eles. Reconhecendo alguma inconsistência nos diversos escritos, reconhece uma grande mistura entre hipóteses e teses, passando à ocupação pelos celtas, que reporta a 1005 a.C., quase seguidos 50 anos depois pelos fenícios, por volta de 600 a.C. pelos cartagineses, e em 200 a.C. pelos romanos. Menciona então que Julio César recupera a cidade renomeando-a Felicitas Julia, e dando-lhe o estatuto de município romano.
A história continua, com um detalhe razoável, nomeando extensivamente os sismos e outras catástrofes que se abateram sobre a cidade.... Procurando fazendo uma descrição enumerativa, não deixa de apontar uma série de acontecimentos que serão novidade para uma larga maioria de leitores!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:54


Rocha Estrombólica

por desvela, em 07.06.11
Há uma quantidade de palavras cuja origem é estranha e de alguma forma indeterminada, ainda que haja sempre alguma explicação mais ou menos original. Um desses casos é a palavra "Estrombólico"... que irei aqui associar à Rocha da Mina, perto de Terena, assinalada num comentário por Olinda Gil.

Estrombólico (Strombolicchio)
Trata-se de um pequeno rochedo em face da ilha vulcânica Estromboli (Stromboli, uma das Ilhas Eólias), cuja forma é suficientemente estrombólica, especialmente na parte da formação que parece uma cabeça rochosa.
Rochedo Estrombólico / Strombolicchio

Em "Uma viagem de duas mil léguas" de Cláudio Barbuda (e Filipe Xavier), 1848, anunciava-se o nascimento de novas ilhas perto dos Açores, Estromboli e Santorino. Não há muitos vulcões activos na Europa, e na zona da Sicília/Nápoles encontramos alguns dos mais famosos, o Vesúvio, o Etna e o Stromboli. Era nesta zona que eram colocados os deuses Vulcano, associado ao fogo, e Eólos, aos ventos.
Cláudio Barbuda dá conta da grande diferença entre vulcões activos na Europa (1 continental, 12 nas ilhas), face à América (97 continentais, 19 nas ilhas), à Ásia (8 continentais, 58 nas ilhas), e especialmente a ausência de vulcões na África, exceptuando nas ilhas (?), ainda que o Kilimanjaro devesse ter sido considerado (mas não tinha sido escalado).
Nesse relato de Barbuda, fala-se ainda da diferença nas erupções - "na Europa e Ásia tudo é lava ou pedra, porém na América lançam de si greda, escória de azouge e carvão, e algumas vezes água e peixes fervidos".
Não sei a origem da palavra "estrombólico", mas já era usada no Séc. XIX, e não disponho de nenhuma informação sobre algo estranho em erupções do Stromboli, nomeadamente algum relato de cuspir "peixes fervidos" para que constasse como associação bizarra.

Ilha Sabrina
O relato de Cláudio Barbuda, no que respeita aos Açores, refere-se à ilha de Sabrina - um episódio de 1811 já pouco conhecido no continente, mas que os açorianos relembram. 
A ilha Sabrina, ao largo de S. Miguel, relato do comando de Tillard.

Uma erupção formou uma ilha reclamada pelo navio inglês Sabrina, mas que não se consolidou e desapareceu pouco depois... evitando um problema de disputa territorial ao largo de S. Miguel.
O mesmo problema territorial é reportado numa erupção do vulcão submarino Empedócles, que originou em 1701, 1831 e 1866, a ilha Julia ou Ferdinandea e cuja volatilidade da propriedade foi ironizada por Julio Verne.
Seria este relato o referido por Barbuda, associado ao Estromboli? 
O Stromboli está no norte da Sicilia e não no sul, onde apareceu esta ilha Julia... e por outro lado, relativamente Santorini confirmamos Nea Kameni na erupção de 1707.

Rocha da Mina (Terena)
Por simples comparação visual, a Rocha da Mina, associada ao culto do Endovélico, tem uma configuração também "estrombólica" parecendo revelar uma cabeça rochosa. 

 
Rocha da Mina, Alandroal 

aqui afirmámos que o culto de Endovélico nos parece ter sido uma invenção romana, destinada a ocultar a religião original ibérica, que se centraria num culto não muito diferente do greco-romano, elevando acentuadamente a figura de Hércules... ou o "homem da maça". Este parece ser o único registo confirmado desse culto, que estaria ao mesmo tempo associado a Cupido, deus do amor...
Na nossa opinião a origem dessa confusão tem um protagonista inicial, que poderá ter deixado rasto não muito longe... em Juromenha!

Juromenha
Uma das fortalezas mais espectaculares que ainda restam é a de Juromenha.
A construção inicial de Juromenha está envolta nalgum mistério, sendo claro que sofreu alterações posteriores, nomeadamente na altura das Guerras da Restauração e seguintes.
Castelo de Juromenha

Encontramos o relato do Padre António Carvalho da Costa, na Corografia Portuguesa de 1708, que diz o seguinte:
No Bispado de Elvas, onze legoas de Aviz para o Nascente, três de Borba para о Oriente, & três de Elvas para o Ocidente, nas margens do rio Guadiana, em lugar iminente, forte por natureza, & arte tem seu assento a Villa de Jurumenha, cercada de fortes muros, que edificou Julio Cesar (segundo a tradição dos moradores) a quem os Latinos chamam Julii maenia, corrupto hoje em Jurumenha. Foi fundada pelos Galos Celtas muitos anos antes da vinda de Christo, & depois El Rey Dom Diniz a aumentou pelos anos de 1312.
Ou seja, havia a tradição local de associar as muralhas de Juromenha a Júlio César, a que se acrescenta a derivação de Julii Maenia. É mais uma associação à família Julia de Júlio César, que tem outras derivações conhecidas:
Pax Julia (Beja), Liberalis Julia (Evora), Felicitas Julia (Lisboa)
Não é difícil compreender que Júlio César teve sucesso (felicitas) na Lusitânia, sendo conhecido que passou a pagar em ouro puro às suas legiões, muito provavelmente devido a uma combinação de paz (pax) com os povos locais, que admitia alguma liberdade (liberalis) nativa.
Essa paz terá tido algum compromisso com o culto, ou melhor cult-ura, lusitana, onde o Endovélico terá sido uma peça para a ocultação de cult-os, ou cult-uras, anteriores. Em particular, torna-se evidente que a fortaleza de Juromenha seria implantada por cima de uma fortaleza celta...
Esta tendência foi ainda reafirmada por Octávio, depois imperador Augusto, de tal forma que a Era Hispanica foi marcada a partir da sua presença na Hispania, e subsistiu na marcação de anos até D. João I.

Lucefece
Como bem observou Olinda Gil, perto de Terena corre a Ribeira de Lucefecit (ou Lucefece), afluente do Guadiana, e indicamos um excelente artigo de Heitor Pato sobre este tema.
Outras origens do nome já tinham sido abordadas pelo Padre António Carvalho da Costa em 1708:
(...) corre por ele uma ribeira chamada Lucefece, que tomou o nome do que disse um Capitão, o qual dando uma batalha na Serra d'Ossa assim chamada dos muitos ossos, que nela ficaram dos que na batalha morreram) indo-se recolhendo, & chegando a esta ribeira, vinha amanhecendo, disse para os seus Lucent fecit, & que desta palavra tomou o nome. Há neste termo uma Paróquia dedicada a N. Senhora do Rosário com um Cura da Ordem de Aviz, & uma Ermida do Arcanjo S. Miguel perto da Vila de Terena , fundada nas ruínas daquele célebre, & antiquíssimo templo dedicado a Cupido, chamado Endovelico na lingua dos antigos Lusitanos.
Não é explicado qual é o Capitão... mas sendo romano, poderia até ser o próprio Júlio César (*). O efeito terá sido devastador pela quantidade de ossos dar origem ao nome da serra... e este "Lucem fecit" ou "faz-se luz" fica com um significado carregado, um pouco diferente do "Lucifer" enquanto estrela de alva. 
Encontramos ainda nas margens dessa ribeira, a Igreja da Boa Nova, de Terena, já ligada a uma relação posterior, à filha de Afonso IV que convenceu o pai a apoiar o rei de Castela, seu marido, na Batalha do Salado. A imagem do Séc. XIX, que encontrámos na revista Panorama de 1847, é próxima da actual:

Vila do Cano, Sousel
Acabamos na Vila do Cano este pequeno périplo naquela zona alentejana, que muito provavelmente em tempos antigos seria quase costeira pela proximidade do extenso mar interior... É epíteto da vila ser "a mais vetusta das vetustas"... mas desconhecemos de onde vem tal pretensão de tão grande antiguidade.
tínhamos falado sobre esta vila, como exemplo alternativo aos Olhos de Fervença, pela referência aos tais olhos de água, sobre os quais o Padre António Carvalho da Costa, em 1708, diz:
Para o Nascente tem uns olheirões de água, que chamam a "fonte dos olhos", por estar neles fervendo tanta agua, donde sai um cano dela, com que moem azenhas, & pizão; Se a água das azenhas se converte em pedra dentro na caldeira, de sorte que muitas vezes se tira dentro dela outra caldeira de pedra, que se fez da agua & por tradição antiga se conta que já estes olheirões indo um homem com um carro о sorveram com carro & boys, & não apareceu mais.
Fica assim uma outra referência ao tal fenómeno popular de "desaparecimento" próximo de tais "olhos de água", que invocam alguma nascente de origem vulcânica, pela descrição.

Álamo
Regressamos assim ao "estrambólico", não apenas pela descrição destes fenómenos, mas pela descrição de uma eventual nascente termal, que tinha um cano... 
A Vila do Cano, que já no tempo romano teria a designação Cannum, mantém no seu brazão um enigmático cano... Carvalho da Costa fala dessa origem do nome, sugerindo os múltiplos canos, ou um cano de natureza singular.
Não muito longe vamos encontrar a Torre de Camões, ou Torre do Álamo:
Brazão da Vila do Cano, e Torre do Álamo, ou de Camões, concelho de Sousel

A associação da Torre do Álamo a Luís de Camões parece dever-se à história de que ali teria escrito grande parte dos Lusíadas... ou talvez dito de outra forma, que grande parte da História dos Lusíadas poderia ser encontrada por ali. No plural de Álamo(**)... Los Alamos ficou depois célebre nos EUA pelo projecto atómico, e adequadamente finalizamos com uma associação "estrambólica".

Habitualmente não consideramos invulgares fontes de águas sulfurosas, as ditas Caldas, em diversas povoações ibéricas, apesar de já não haver qualquer registo de actividade vulcânica há muito tempo! Essas fontes assumem uma origem interna, e um calor interno, que se manifesta nos vulcões, cuja distribuição é algo peculiar, conforme apontava Cláudio Barbuda. Essa erupção resultante de uma pressão e fonte interna de calor poderosa tem um problema temporal... se já não existe fonte de calor, a manifestação de actividade vulcânica tenderia a desaparecer rapidamente, pelo arrefecimento natural (equilíbrio térmico). Porém, nada disso acontece... e o fenómeno das erupções do Stromboli, razoavelmente periódicas e contínuas, indicia ao contrário uma permanência de fonte interna de calor durável. Qual?

Notas adicionais (7/6/2011)
(*) Esta hipótese vai ser completamente descartada no post seguinte.
(**) Convém notar que Álamo é um tipo de madeira semelhante ao Choupo. Ao nível da história americana, o episódio do Forte Álamo foi marcante na definição da independência do Texas (que veio depois a ser integrado voluntariamente como estado dos EUA).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:43


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D