Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fernão de Oliveira (2)

por desvela, em 14.06.13
Vamos fazer uma pequena mistura antigo-moderno neste texto.

Catedral de Salamanca
Muitos foram vendo na catedral espanhola a escultura de um astronauta, e isso ganhou algum espaço de divulgação, devido à internet, nos últimos anos:
Catedral de Salamanca - escultura de astronauta. (imagem)

O que isto tem de especial? Nada. Nada, porque descobre-se que afinal é habitual os escultores de catedrais espanholas colocarem astronautas, fotógrafos, dragões a comer gelados, telemóveis, etc...
Sim é verdade, mas a versão oficial diz-nos que não foram os escultores antigos... é fruto da inspiração artística dos restauradores modernos! A Igreja ou o Estado encomendam o restauro, e o sujeito pensa - não, vou mas é aqui colocar um astronauta (deve ser pelo efeito Axe, com um cheiro de sovaco diferente).

Depois alguém publica uma foto diferente... que tanto circula como sendo uma foto anterior (versão de que existia antes do restauro), como posterior (versão de que foi vandalizado o restauro - creio que correcta).
Por isso aparece uma terceira versão, que creio ser a actual, com um restauro mais grosseiro, substituindo a anterior cara por uma máscara, tirando a expressão dos olhos.
Curiosamente não encontrei fotos dessa parte da Catedral sem o astronauta, antes do restauro, algo que teria acontecido em 1992 (parece ser uma teoria lançada pela Wikipedia portuguesa), e vi muitas pessoas a queixarem-se do mesmo problema - ausência de fotos anteriores (ninguém fotografou antes de 1992?).
Num dos sites apresentam-se testemunhos de que o astronauta já estaria representado na catedral em 1970. Antes dos anos 1960 era natural que as pessoas nem soubessem o que era um astronauta, e por isso nem notavam nada de especial numa representação com aquele aspecto.

Há quem também possa ver referências a astronautas nas esculturas de Pensacola:
Seria possível que o "astronauta" da Catedral de Salamanca tivesse sido inspirado nas esculturas encontradas na América-Latina? 
Após 1960, pela sua parecença com os astronautas, talvez isso tivesse motivado a ideia de um restauro original... ou seja, substituir a imagem que se parecia com um astronauta por uma verdadeira representação de astronauta moderno. Isso seria uma solução para evitar polémicas - criando uma figura mais explícita eliminava-se a parecença. As imagens anteriores não teriam entretanto sido divulgadas porque afinal iriam revelar essa semelhança, não resolvendo o problema.

Isto é obviamente uma hipótese... outra hipótese será que qualquer dia se veja uma garrafa de Coca-Cola esculpida no túmulo de Camões, por inspiração dos restauradores. 
Finalmente, a outra hipótese é a de que a evolução da tecnologia pode não ter sido o que se pensa... e já assim dizia Fernão de Oliveira.

Artilharia de Fernão de Oliveira 
Fernão de Oliveira escreveu também uma "Arte da Guerra do Mar", em 1555.
Não, não encontramos na decoração do livro nada de estranho. Talvez se destaque uma Fénix que sempre renasce das cinzas, um poder que renasce sempre de todas revoluções... porque, enfim, parece que tem sido preciso "mudar para que nada mude". Esta "arte" de Fernão de Oliveira tinha sido "novamente escrita", agora "vista e admitida pelos senhores deputados da Santa Inquisição". Há uma parte rasgada, e a data de 1555 é confirmada no final.

Há mais uma vez muito material de interesse, começando por uma dissertação sobre a necessidade de manter guerra constante para não ser surpreendido em paz pela guerra alheia.
Passamos directamente à artilharia. Diz ele, na página XXV:
A invenção da artilharia, segundo dizem alguns, foi achada na Alemanha do ano de Cristo de c. 1380, mas a mim me parece que é mais antiga. Porque nós temos que os homens da Fenícia se defendiam de Alexandre Manho com tiros de fogo. E que as gentes de Russia pelejavam com pelouros de chumbo lançados de canos de metal com fogo de enxofre. E alguns filósofos que fizeram fogo artificial que voava, o que parece que fariam com os materiais de pólvora que se acostuma nas bombardas e arcabuzes. Finalmente a fábula de Prometeu, o qual dizem que quis imitar os trovões e coriscos de Jupiter, disto parece que teve seu fundamento, que no princípio da Grécia sendo ela rústica, Prometeu trouxe este artifício de tiros de fogo do exército de Jupiter, rei de Creta ou da África, o qual artifício os rústicos Gregos imaginaram ser trovões, como também cuidaram que os homens de cavalo eram monstros. Como quer que seja, a invenção da artilharia quer velha, quer nova, ela é mais danosa que proveitosa para a geração humana.
(clique na figura para aumentar)

Portanto temos aqui uma explícita referência à existência de armas de fogo, artilharia, desde o tempo dos Fenícios, contra Alexandre Magno (ele diz Manho), e que também era usada na Rússia (muitas vezes o nome aparece só Rusia ou ainda como Rufia...).
Se "tiros de fogo" pode ter alguma ambiguidade, saber que o cerco foi a Tiro, diz muito sobre o conceito de "tiro"... e depois não atirem mais nossa língua, com o objectivo de atirar para a tirar.

No caso russo a descrição é bastante completa, e não parece oferecer grandes dúvidas. Afinal, já é aceite a utilização de dispositivos explosivos na China, praticamente desde a Antiguidade. A sua utilização apenas para efeitos pirotécnicos seria uma limitação filosófica benigna, pouco realista dada a capacidade humana, e desumana, de transformar invenções positivas em armas negativas... conforme Fernão de Oliveira salienta no final.

A referência a um Júpiter rei de Creta (ou África, talvez Cyrene, Líbia, que seria ilha), é bem mais antiga, e tem muito maior ambiguidade interpretativa. Pode servir como pista para entendermos como um rei passou a ser associado a raios e coriscos, e depois a um deus de raios e trovões, pela utilização da artilharia.
Não deixa ainda de ser curioso Fernão de Oliveira dizer que os gregos primitivos entendiam os cavaleiros como um conjunto monstruoso... sendo natural que daí tivesse surgido a noção de Centauro
Lembramos que também é dito que os cavaleiros espanhóis foram vistos como um conjunto homem-cavalo pelos Incas.

No fundo...
O que hoje é associado a representações de "antigos astronautas" tem algo de moda passageira...
Podemos usar uma imagem meso-americana, que encontrámos, para ilustrar a questão:

Acontece que hoje pode ser habitual ver esta figura como um Astronauta... mas no Séc. XIX seria muito mais natural ver esta representação como um Escafandrista.
Escafandristas em 1873 (wikipedia)

Portanto, estas interpretações estão sujeitas às modas dos tempos... convenientemente confundidas.
Depois, é preciso rever um pouco da história do mergulho.
No fundo, chegamos mesmo aos Assírios, que nos ofereceram esta representação:
Representação de um mergulhador num friso Assírio (c. 900 a.C.)

Trata-se provavelmente de um Anedoto, do homem-bacalhau, de que já falámos... e aqui torna-se mais evidente como ele poderia desaparecer nos mares, parecendo um homem-peixe.
A imagem pode ser encontrada no US-Navy Diving Manual. Acrescenta-se aí que a origem do mergulho poderia ser remetida a 3000 a.C., há ainda a lenda de Scyllis e da filha Cyana, ao tempo de Xerxes.

Mas, ainda mais interessante, voltamos ao cerco de Alexandre "Manho" aos fenícios de Tiro, que usavam "tiros", a que se contrapunha a "manha" de mandar mergulhadores ao fundo do Porto de Tiro para remover os obstáculos, em 332 a.C.
Nesse manual encontra-se ainda uma figura de 1511, que ilustra a utilização de um tubo de respiração:
Ilustração de 1511, mostrando o uso de um tubo de respiração em mergulho.

Bom... e haverá quem possa ver no mergulhador uma cabeça com aspecto alienígena?
Talvez... porém, serviria para isolar a cabeça para a respiração.
Outras imagens que nos aparecem com aspecto alienígena são, por exemplo, estas:

Ora, fica mais ou menos evidente que o halo que envolve a cabeça também poderia ser visto como uma "representação de santidade".
Essa foi uma outra interpretação... mas nos tempos que correm nem sequer se pensa em santos, nem em capacetes de escafrandos, vai-se directamente para astronautas ou alienígenas.

Enfim... o que concluir?
- Não vou discutir a versão dos "restauradores brincalhões", até porque esse caminho é uma contradição com a noção de obra "restaurada", é mais uma visão de "rês tourada". Quando a cozinha aventar uma "restauração" com ares desses, acaba-se a credibilidade do serviço, entra-se no fast-food justificativo.
- Tenho dúvidas sobre a capacidade tecnológica dos Anedotos. Já percebemos que impressionavam as civilizações menos desenvolvidas com um aspecto estranho. Tanto poderiam ser homens-peixe, como homens-falcão, homens-crocodilo, etc... dependia do povo e da religião que quisessem impor. Pelo lado homem-peixe justificar-se-iam os acessórios de mergulho. Porém, creio que o mais importante seria protegerem o seu corpo... A última imagem indicia uma possível vestimenta imune a alguma flecha perdida, que os poderia vitimar. Assim, para não serem vítimas de ataques de populações hostis, ou de um atirador incauto, uma fatiota-armadura com um elmo de vidro espesso seria suficiente para lhes conferir um estatuto de imunidade, de divindade.
- Bom, e sobre os Anedotos mais não sei, mas como também percebemos, as Anedotas continuam...

14/06/2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:54


Fernão de Oliveira

por desvela, em 08.06.13
A primeira gramática portuguesa impressa, conhecida, é a "Grammatica da lingoagem portuguesa", de 1536, de Fernão de Oliveira, que obteve o merecido destaque na página da Biblioteca Nacional:
Começa assim:
"Esta he a primeyra anotação que Fernão doliveira fez da lingua Portuguesa. Dirigida ao mui manífico senhour nobre fidalgo o senhor dom fernando Dalmada."

Esta "anotação" tem menos de 80 páginas, mas terá matéria para muita conversa.
Em primeiro lugar, só queremos realçar que apesar das regras de escrita serem algo diferentes, não prejudicam a fonética. Talvez seja mais complicado identificar os caracteres góticos do que perceber as palavras pela sua sonoridade. "Magnífico" realça-se que foi escrito sem ler o "g", apenas como "Manífico"... assim como encontrámos, noutras obras, "manho" em vez de "magno", ou seja, é-nos dito que pode haver uma leitura de "magnas" nas "manhas". 

A escrita influenciou a fonética, assim como a fonética influenciou a escrita.
Nunca tivemos uma escrita igual à fonética, e ainda assim podemos constatar que, sem grande esforço, poderíamos entender o que dizia um português do Séc. XVI. Ou seja, ao longo das últimas 20 gerações, os pais ensinaram os filhos a falar de forma semelhante à sua... e pasme-se! - não começaram a falar diferente.
É claro que há artistas que nos gostam de convencer que a "língua evolui"... 
Claro que sim, especialmente à pancada, por imposição do poder às populações... ou então, mais subtilmente, por "modas" dos infernos, do Hades:
- ui, ui, veja-se só aquele pacóvio diz "hádes" em vez de "hás-de"!
- "hádem" esquecer-se!... 
E é claro, já todos se esqueceram de Ádem, da presença portuguesa naquela meia cratera de vulcão extinto. Na página da wikipedia a única menção à presença portuguesa em Ádem está neste quadro
... porque os barcos que a protegem têm no seu pavilhão a bandeira das quinas!

Faço esta pequena introdução, porque há artistas que vão a compasso de foice, esquadrilhando e martelando tudo com o seu escopro de pedreiro, e já tentaram demasiadas vezes perturbar a nossa língua. Enfiaram-lhe e tiraram-lhe vogais ou consoantes, consoante lhes convinha à vinha, que alimenta a embriaguez demente, da mente. Não é difícil suspeitar que até na ajuda de agentes psicotrópicos, estas gentes procuram ver o além, mas assim só "hádem" ver o aquém que transportam consigo, o "hádes".

Adiante, há ainda quem lute contra a imposição de maior caos linguístico... ainda bem! 
Porque, a pretexto de imitar a fonética, aparecem neste "novo acordo ortográfico" autênticos atentados que não servem nenhuma uniformização, apenas servem maior confusão fonética. 
Querem a "adoção" em vez da "adopção", mas só a nossa Pública Ré, dita República, que visa o ideal de ter uma Rês Pública, pronta para abate, foi na "Adoção". Adoçam agora a língua dos outros lusófonos no "adotar" das suas "adoções", por mais contra-natura que sejam.

O que sentirá um grego que olha para um texto que pode ler bem, e que terá mais de 2 mil anos?
Sentirá que ao longo de 100 gerações, de pais para filhos, a perturbação que houve pelo domínio estrangeiro das suas terras não fez com que os pais abdicassem da herança que lhes foi legada, mesmo que umas palavras tivessem caído fora de moda, e outras as tivessem substituído.

O romano já não poderá dizer o mesmo... onde estão os romanos que falavam latim?
Qual foi a geração de romanos que decidiu ensinar aos filhos uma língua diferente daquela que os pais lhe tinham ensinado? Que godos chegaram a Roma e obrigaram o povo a falar "italiano", ao mesmo tempo que obrigariam a que as missas fossem recitadas em latim?
O que era afinal o latim? 
Talvez pouco mais que uma construção erudita baseada nas línguas latinas, ensinada aos patrícios, mas que não seria a língua popular. Uma espécie de "esperanto", que tem sofrido o mesmo destino... sem base de tradição popular as línguas, por mais científicas e simples que sejam, não se enraízam nas populações.

Assim, a menos que houvesse um castigo por falar a língua nativa, o natural seria as línguas manterem-se sem grandes alterações ao longo de inúmeras gerações. Porque o natural é ensinar a mesma língua que se fala na comunidade, e a evolução pouco mais será que umas palavras que entram na moda e outras que saem.
É pois natural que seja possível ler textos com 500 anos sem nenhum estudo, e sem nenhuma dificuldade especial. Ora, nestes últimos 500 anos, de grande mudança, de grande contacto entre civilizações, em que muitas palavras entraram e saíram, as mudanças linguísticas foram pequenas. O que dizer dos 500 anos anteriores? Tudo depende do tipo de comunidade e das influências que sofreu. Comunidades rurais, mais isoladas, é natural que tenham mantido mais naturalmente a sua língua primitiva, mas também podem ter sido aliciadas pelas "modas" ou imposições citadinas, numa vontade de não serem discriminadas por serem diferentes. Isso nota-se nos imigrantes, que abandonam o cuidado de passar aos filhos a língua de origem, preferindo que eles se adaptem à língua dominante, na ausência duma comunidade. Porém, quando essa comunidade existe, e não estão isolados, a língua materna vai passando.
O caso dos bascos é paradigmático... a sua língua não é nenhuma variação de vizinhança, é uma passagem de uma língua original, ao longo de muitas gerações, favorecida pelo espírito comunitário, apesar das potências vizinhas que os influenciavam e os controlaram politicamente. Nem terão sido permeáveis a nenhuma influência de línguas latinas, mesmo durante o período romano, onde já era notado que aquela população teria uma língua completamente diferente das restantes.

Talvez a maior mudança linguística se tenha dado exactamente com a difusão da imprensa, porque a palavra escrita passou a marcar o compasso fonético. Haveria menos variações entre regiões, menos dialectos, e a inclusão de uma ou outra consoante, a mudança do seu valor fonético, poderiam alterar a pronúncia, como se veio a verificar.

Fernão de Oliveira dizia que só usávamos as cinco vogais latinas, mas que poderiam distinguir-se muitos sons para a mesma vogal. E, é claro que não usámos a tradição de acentuar tudo, muito ficou implícito.
Olhamos para "sem" e o valor de "e" passa a um breve "" pois lemos "saín". Alguma acentuação fazia-se com as consoantes "mudas", e por isso "detecta" podia ser escrito "detéta", mas escrever "deteta" retira esse valor fonético, e haverá uma tendência futura a ler-se "detêta". 
A escrita foi usada para replicar a fonética, mas depois foi modificada para a deturpar.

"GAIVS IVLIVS CAESAR", é habitual passar o "I" de "Iulius" para "Julius", mas ninguém ousa escrever "Gajus", e escreve antes "Caius". Além disso, o "Caesar" foi usado pelos alemães em "Kaiser", ou pelos russos em "Czar", passou nas línguas latinas a "César", modificando por completo a fonética com raiz no mesmo nome... devido à regra imposta que o "e" e "i" fariam o "c" ler-se como "s".
Há inúmeros exemplos destes, e houve claramente um propósito de confusão, porque tratando-se de traduções de termos eruditos, vindos do latim e grego, não estavam presos à tradição popular. 
A letra "G", pela confusão de no alfabeto grego o "gama" aparecer como terceira letra, serviu também como "C", e vice-versa.

Só depois de escrever isto, se pode entender algumas coisas que Fernão de Oliveira irá dizer.
A propósito do nome Portugal critica Duarte Galvão, que remetia a origem de Portocale ao Porto de Gaia (seria mais à romana Cale, que seria mesmo o Porto). Ou seja, criticava a associação que é ainda hoje tida como boa. Reclamava pois que a origem vinha dos povos, da mistura entre Turdulos e Galos:
Turdulos + Galos = Turdugal daria por corrupção, Portugal
... enfim, já vi pior, eu até já usei a fonética Por Tubal para escrever um texto... por isso nada há a censurar, é mais uma hipótese com algum sentido. 
Fernão de Oliveira fala também do nome Lisboa que diz vir de "Libisona", por referência a Hércules Líbico - o herói mítico teria escolhido morrer na Ibéria. Na mesma linha mítica, fala de Luso, dizendo que não foi grego, teria nascido aqui, filho de Sicileo (ele escreve Ciçeleu que, está-se a ver... nessa mitologia aparecia ligado à Sicília). Curiosamente associa o nome Dionísio a Dinis - ligação que nunca me ocorrera, mas que também tem todo o sentido.


Nota-se a referência aos reis míticos, pela moda resultante de Anio de Viterbo, que transcreveu uma obra de Beroso. Porém, essa transcrição foi alvo de acusações de falsificação. No entanto, até ao Iluminismo, as acusações de falsificação não vingavam, e essa mitologia durou vários séculos... basicamente de 1500 até 1800. Muito se escreveu com essa base "Viterbense", apoiada pelos sectores católicos. 
O Iluminismo acabaria por fazer uma selecção interessante - alguns mitos pagãos sobreviveram como lendas, mas os registos que acrescentavam descendências a Noé, e assim iam além da Bíblia, esses foram proscritos, e nem sequer como lendas passaram para o Séc. XX. Não seria uma questão científica, era uma questão de inviolabilidade e exclusividade do antigo testamento, muito cara aos protestantes... e aos judeus.

Porém, Fernão de Oliveira vai bem mais longe. Argumenta que antes de gregos e latinos, os primeiros a falar viveram cá nesta terrinha, quer dizer, na Península! Para isso recorre a Vitrúvio, que tinha dito que a origem da língua resultara de necessidade entre os homens, por razão de um grande fogo. Citando:
"(...) primeiro souberam falar os da nossa terra. Porque Vitrúvio diz no 2º livro dos seus Edifícios que, ajuntando-se os homens a um certo fogo, o qual por acerto com grande vento se acendeu em matos, e ali, conversando uns com os outros, souberam formar vozes e falar. E não dizendo ele onde foi esse fogo, conta Diodoro Siculo, no 6º livro da sua Biblioteca, que foi nos Montes Pirinéus (...)"

Ou seja, Fernão de Oliveira remete a origem da línguagem humana à região dos Pirinéus, e não há dúvida que nos últimos séculos sempre houve quem visse na língua basca uma excepção que poderia justificar a sua maior ancestralidade. 
É suficientemente ambíguo, porque ele nem fala disso, vai argumentar apenas que a língua portuguesa seria mais antiga que o grego ou o latim, algo depois melhor sustentado pelo Cardeal Saraiva, que separou o português de uma raiz latina.
Acrescenta Oliveira que a língua não teria inicialmente cuidados gramaticais, e esses sim teriam sido implementados no grego e no latim, e depois importados para adaptação na nossa língua. 
Segundo ele, a língua portuguesa só teria o devido cuidado linguístico no reinado de D. Dinis, porque antes teríamos estado sempre demasiado ocupados em guerras. Recusa todo o papel da nobreza Goda na protecção da Ibéria, e diz que foi devido aos vícios dos Visigodos que a península teria sido invadida pelos árabes... mas, é claro, nem toda a península! Portugal tinha ficado sempre com uma parte resistente.

Para isso argumenta com a lenda do Abade João de Montemor, que viveu c. 850 d.C., em Montemor-o-Velho (Mosteiro de Lorvão) e que tinha ficado conhecido por se opor aos mouros na Estremadura. Ora, diz ele, se ele vivia em Montemor-o-Velho, isso significava que essa zona não tinha ficado sob domínio árabe.
Podemos acrescentar que houve sempre registos de Bispos de Coimbra. Porém, diz-se, que isso era uma posição no exílio... ou que as investidas islâmicas iam e vinham. Umas vezes subiam o Mondego, outras vezes ficavam abaixo dele. Parece-nos que, pelo menos algum papel deverá ter tido Vímara Peres, cujo nome ficou ligado a Guimarães (e aos vimaranenses), e que viveu no mesmo século que o Abade João. No entanto, Vimara Peres é suposto ter apenas chegado ao Porto e a Gaia.

A obra teria muito mais assuntos a discutir... mas já nos alongámos muito.
Deixo mais uma observação instrutiva, conforme é citada por Teófilo Braga:
Fernão de Oliveira também nota as alterações da moda: «Nem os lavradores de Entre Douro e Minho entendem as novas vozes que este ano vieram de Tunes com suas gorras». E o mesmo: «o costume novo traz à terra novos vocábulos: como agora pouco há, trouxe este nome picote, que quer dizer burel; do qual, porque de fora trouxeram os malgalantes o costume, ou para melhor dizer, o desdém de vestir o tal pano, trouxeram também o nome com esse costume: e alquice tão-pouco é vestido da nossa terra, por isso também traz o nome estrangeiro consigo.» A pragmática de 3 de Junho de 1535 proibia o trazer luvas perfumadas aos homens.
É preciso introduzir o poderoso galeão português Botafogo para perceber o que ali está escrito:
Galeão Botafogo no cerco a Tunis (1535).
Os seus 366 canhões tornavam-no o navio mais temível dos mares.

O que é dito é que os "nomes da moda" reflectiam questões políticas, de forma implícita.
Carlos V queria impor-se com uma grande proeza militar - a conquista de Tunis, que realizou em 1535, um ano antes de Fernão de Oliveira escrever o que escreveu. Os lavradores de Entre-Douro e Minho não sabiam dos mexericos cortesãos, e não perceberiam a razão dos nomes usados nas suas vestes, mas Oliveira sabia, Teófilo Braga também...

Sabia que Carlos V tinha pago a expedição a peso de ouro, o peso que Pizarro pedira pelo resgate de Atahualpa, o Inca feito prisioneiro, que prometera encher uma sala de ouro, em troca da sua vida.
De nada valeu a Atahualpa presentear Pizarro com imenso ouro, foi executado...
O ouro já tinha outro destino, serviria para as imensas despesas da expedição de Carlos V contra os turcos de Barbarrosa. Para isso requisitara uma armada Genovesa, e outra Portuguesa, em que entrava o poderoso  galeão Botafogo. Esse galeão era comandado pelo Infante D. Luís, irmão de D. João III, e foi com ele que se rebentaram as correntes de ferro que protegiam o porto de Tunis. Depois, os seus 366 canhões (provavelmente para anos bissextos), ajudaram a destruir por completo a frota de Barbarrosa.
Carlos V requisitara especificamente a presença desse galeão, por ser o maior e mais temível, alguma vez construído - ainda hoje, no Rio de Janeiro temos um bairro do Botafogo, e à frente, a ilha chamada Galeão.

Adequa-se também esta referência à outra parte da história... afinal os franceses, 20 anos mais tarde tomaram o Rio de Janeiro durante uns anos, onde pensavam que iriam formar a sua França Antártica. Como diria um cronista inglês, ao tomarem a baía de Guanabara chamaram-lhe Antártica com a pretensão de que tinham tomado posse de todo o continente austral.

Onde entram os franceses na história de Tunis? 
Carlos V também pedira o apoio francês, mas sem grande sucesso. Quando entrou em Tunis, verá balas de canhão com a chancela da "flor-de-lis" francesa. Os Otomanos de Barbarrosa tinham o apoio dos franceses contra as forças cristãs. A aliança entre franceses e otomanos veio mesmo a ser oficializada pouco depois.

A história cheirava mal, luvas perfumadas adequariam-se à moda. 
Os ingleses não usaram a asneira "picote", mas depois derivaram a palavra "bureau", usado para divisão governamental, da palavra francesa "burel", que designava um pano de má qualidade para cobrir a secretária, ou os negócios maltrapilhos feitos à secretária. Não sei como se chamaram os gorros...

Quando em 1574 os Otomanos reconquistam Tunis, os franceses tinham já perdido a sua França Antártica, e haviam de lembrar-se do Botafogo.
D. Sebastião alerta Filipe II para o perigo da ameaça turca, que de novo se aproximava dos limites ibéricos.
Porém Filipe II já deveria ter percebido o significado do "bureau", ou do "picote" francês, em troca do Botafogo oferece-lhe o elmo que Carlos V teria usado na conquista de Tunis.
O resto da história, ou parte dela, já sabemos... D. Sebastião parte para combater a ameaça turca em Laracha, e terá o seu destino traçado junto à antiga cidade Lixo às margens do rio Loucos, numa batalha que ficou afinal com o nome de Alcácer Quibir... comemorada efusivamente pelos judeus como o "Purim dos Cristãos".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55


A Century of War

por desvela, em 10.09.12
Neste blog procurei evitar falar sobre o que se passou historicamente nos últimos 100 anos.
Há um excelente livro que faz uma análise pouco convencional do que se passou, e explica com bastante nexo o que se tem passado no último século e meio de hegemonia anglo-americana. Não é um livro que se encontre muito referenciado, e certamente estará ausente da grande distribuição... a mim chegou-me por email amigo (de KT), mas encontra-se o PDF na internet:

William Engdahl: A Century of War (PDF link)
Anglo-American Oil Politics and the New World Order (2004)

Como o próprio subtítulo indica, o livro foca a geoestratégia baseada no petróleo, mas vai muito para além disso, explicando as diversas crises financeiras, como foram provocadas, e mais importante - por que razão foram necessárias.

Começa justamente pela Grande Depressão Financeira de 1873, revelando que o problema da especulação financeira é anterior à Depressão de 1928... Ignora-se a anterior porque o seu carácter não afectou o Estados Unidos da mesma forma. Em 1873 o mundo financeiro centrava-se na City de Londres e dava apenas os primeiros passos em Wall Street.

O esquema de controlo baseado numa política financeira global, assente na comercialização das dívidas soberanas, começa a ser desenhado em Londres no Séc. XIX, e irá consolidar-se em Nova Iorque no Séc. XX. É notável o encadeamento estratégico que termina com a ligação da moeda ao ouro. Começa na reunião de Bretton Woods, logo em 1944, dois meses após a rendição alemã. O dólar aparece sobrevalorizado face ao valor de mercado, e o passo final será dado em 1971 quando Nixon decide unilateralmente acabar com a  conversão da moeda em ouro - o chamado Nixon-Shock. Isso permite basicamente aos EUA imprimir dólares livremente... Para assegurar a necessidade dos estados aceitarem dólares (ou seja, dívida americana) seria fundamental a política dos "petro-dólares", ou seja que a negociação do petróleo fosse feita exclusivamente com dólares. Segundo Engdahl, isso justifica toda a política de tensão e controlo do Médio-Oriente.
Entre as diversas notáveis "coincidências", encontra-se a deposição do Xá da Pérsia, Rheza Pahlevi que coincide com o fim do contrato de exploração de petróleo, a vontade de não renovação, e a aposta na energia nuclear.

Engdahl afirma que os movimentos anti-nucleares visavam essencialmente acabar com a política franco-alemã que insistia na independência petrolífera, através das centrais nucleares. A crise petrolífera de 1973, estaria na agenda duma reunião do grupo Bildeberg em Saltsjöbaden, consolidaria o dólar como moeda necessária para o petróleo.
Curiosamente, no decorrer das décadas seguintes, e apesar do sucesso tecnológico que levaria a novas formas de energia, verificou-se a progressiva menorização dessas possibilidades, e apesar de tudo levar a crer que o petróleo teria os dias contados, tal como o carvão teve, o que se passou foi o oposto. Aumentou a dependência energética do petróleo, agora agravada pelo aparecimento das necessidades chinesas e indianas... Até o Brasil, que durante muitos anos enveredou pelo álcool como substituto, vai deixando cair essa ideia quase por completo.

O mais notável no livro é a explicação de como a Alemanha aparece como inimigo principal, quase sucessivamente, durante o Séc. XX. A história começa com a unificação prussiana e a política económica após a crise financeira de 1873, o que leva a Alemanha a tornar-se numa potência capaz de rivalizar navalmente com a Inglaterra. A Entente Cordiale com a França surge dessa necessidade inglesa de parar o desenvolvimento autónomo alemão. O tradicional inimigo inglês passaria a aliado, face ao maior perigo. Engdahl simboliza essa ascensão na construção alemã de uma ferrovia que ligasse Berlim a Bagdad, ou seja permitiria o fluxo de petróleo sem passar pelo Canal do Suez controlado pelos ingleses desde a abertura em 1869.
A entrada dos EUA na 1ª Guerra Mundial faz parte do acordo de cedência de poder inglesa, numa aliança americana, financiada por J. P. Morgan. Os termos dos acordos de Versalhes deixam a Alemanha numa posição de fragilidade absoluta, incapaz de pagar as dívidas de guerra que lhe são assacadas.

A Invasão e Ocupação Francesa do Ruhr entre 1923 e 1925.
Um facto que passa normalmente despercebido é efectiva ocupação da zona industrial alemã do Ruhr, como forma de "cobrar a dívida de guerra", durante a presidência francesa de Poincaré. Durante o processo de ocupação que terminou com 137 civis mortos, as forças francesas e belgas chegaram a registar 100 mil efectivos.
Enterro de 10 vítimas civis na ocupação francesa da Alemanha, em 1923.

Neste contexto, a posterior resposta alemã, na 2ª Guerra Mundial, que leva a uma ocupação parcial da França poderia até ser vista como um contraponto a esta invasão feita 15 anos antes. Os efeitos destruidores do Tratado de Versalhes criaram um sentimento de profunda revolta entre os alemães, praticamente vassalos trabalhadores obrigados a pagar pesadas dívidas de guerra. Uma política de endividamento iniciada com os ingleses e que se consolida com os americanos. Porém, como sabemos, para Hitler a causa do problema internacional tinha origem judaica - basta ler o Testamento de Hitler.

Essas ideias surgiam de vários lados, e convém não esquecer que na própria Inglaterra se desenvolveu um movimento nacionalista, que colhia a simpatia do Rei Eduardo VIII, que foi forçado a abdicar por motivo secundário de "casamento com divorciada". 
No contexto conturbado que antecedeu a 2ª Guerra Mundial é ainda interessante citar Julius Evola sobre os Protocolos de Sião:
"Whether or not the controversial Protocols of the Learned Elders of Zion are false or authentic does not affect the symptomatic value of the document in question, that is, the fact, that many of the things that have occurred in modern times, having taken place after their publication, effectively agree with the plans assumed in that document, perhaps more than a superficial observer might believe"
Pós-Guerra
Engdahl vai mais longe e constata que a tensão alemã se reacende no pós-guerra. Pelo entendimento franco-alemão que leva à construção da União Europeia e pela autonomia nuclear, mas especialmente pelo entendimento que Gorbashev se preparava para firmar com a Alemanha de Kohl (segundo Engdahl, os ingleses teriam afirmado que Helmut Kohl se afigurava como um novo Hitler - talvez lembrando o acordo com Stalin que antecedeu a 2ª Guerra Mundial).
Em troca da reunificação alemã, da queda do muro de Berlim, Gorbashev pedia o apoio económico alemão face à débil economia russa. Por isso, tornava-se um imperioso anglo-americano favorecer a sua queda, e Ieltsin acabou por favorecer esse propósito. A ideia de ajuda alemã à Rússia caía por terra, caindo também a ameaça soviética, rapidamente invadida com a maquinaria especulativa, propícia à corrupção que destruiu o frágil sistema comunista.

O livro de Engdahl apresenta muitas coincidências, entre mortes acidentais e por atentados, nomeadamente na Alemanha e Itália, afinal os dois elementos europeus do Eixo, onde actuavam grupos terroristas políticos (Baader Meinhoff e Brigadas Vermelhas).
Um outro factor interessante é o desenvolvimento de uma mentalidade Malthusiana tendo em vista a escassez de recursos. Como Engdahl constata, o próprio anúncio ter sido feito por Malthus há 200 anos não mostra um visionário, mas mostra sim como estava errado. A população cresceu exponencialmente e os recursos não acabaram porque a tecnologia permitiu esse desenvolvimento para aumento de recursos.

Ligação
O livro de Engdahl começa basicamente onde eu tinha acabado de escrever... ou seja, começa com a efectivação de um colonialismo financeiro, centrado na actividade bolsista de Londres e Nova Iorque, e termina com o surgimento dos "braços armados" que são as instituições financeiras internacionais, em particular o FMI. 
Subjacente está uma necessidade de envolvimento num comércio mundial que torne todas as nações dependentes pelas dívidas contraídas. Os actores são facilmente manipuláveis em frágeis democracias onde a opinião pública é controlada pelos meios de comunicação. O controlo desses meios de comunicação, nomeadamente das televisões e agências noticiosas é fulcral...

Engdahl mostra ainda uma solução que foi encontrada para abalar as novas economias asiáticas, que estavam praticamente ausentes da pressão das dívidas internacionais. Uma solução é justamente a imposição de abrir o mercado e permitir a especulação sobre os valores imobiliários. Os especuladores começam a comprar fazendo disparar os preços, o que provoca uma necessidade de crédito dos bancos locais... esses bancos ficam endividados para satisfazer o crédito exigido pela população. Depois, os investidores vendem, retirando o devido lucro, e ao mesmo tempo passam a controlar os bancos locais pelas dívidas contraídas internacionalmente.

A questão que fica é simples... Engdahl denuncia esta estratégia recente como um plano de dominação anglo-americano sediado num poder financeiro, mas nós fomos uns séculos... uns milénios mais atrás, e vimos um fio condutor. Se a estratégia de domínio financeiro parece ser uma novidade, não parece ser novidade a sua coordenação a nível internacional, sem dissensões, encobrindo factos passados e refazendo o futuro. Do ponto de vista comercial começou com as Companhias das Índias, mas já muito antes passava por um fechar de fronteiras, por uma ocultação propositada de territórios.

Não passa pela cabeça de ninguém acreditar que um imperador romano como Augusto não se preocupasse em saber o que se passava para além do Mare Nostrum, do Mediterrâneo, que controlava. O mesmo aconteceria com os imperadores chineses... a necessidade de conhecimento exterior só seria limitada pela sua capacidade de exploração, e essa capacidade de exploração permitiu desde sempre aventuras marítimas. Se não foram divulgadas, se foram ocultadas coordenadamente, isso apenas se poderia dever a um entendimento internacional que ultrapassaria as fronteiras e poderes dos reinos individuais. Por isso, o domínio anglo-americano parece-nos ser apenas um manifestação recente de um poder antigo....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:56


A Century of War

por desvela, em 09.09.12
Neste blog procurei evitar falar sobre o que se passou historicamente nos últimos 100 anos.
Há um excelente livro que faz uma análise pouco convencional do que se passou, e explica com bastante nexo o que se tem passado no último século e meio de hegemonia anglo-americana. Não é um livro que se encontre muito referenciado, e certamente estará ausente da grande distribuição... a mim chegou-me por email amigo (de KT), mas encontra-se o PDF na internet:

William Engdahl: A Century of War (PDF link)
Anglo-American Oil Politics and the New World Order (2004)

Como o próprio subtítulo indica, o livro foca a geoestratégia baseada no petróleo, mas vai muito para além disso, explicando as diversas crises financeiras, como foram provocadas, e mais importante - por que razão foram necessárias.

Começa justamente pela Grande Depressão Financeira de 1873, revelando que o problema da especulação financeira é anterior à Depressão de 1928... Ignora-se a anterior porque o seu carácter não afectou o Estados Unidos da mesma forma. Em 1873 o mundo financeiro centrava-se na City de Londres e dava apenas os primeiros passos em Wall Street.

O esquema de controlo baseado numa política financeira global, assente na comercialização das dívidas soberanas, começa a ser desenhado em Londres no Séc. XIX, e irá consolidar-se em Nova Iorque no Séc. XX. É notável o encadeamento estratégico que termina com a ligação da moeda ao ouro. Começa na reunião de Bretton Woods, logo em 1944, dois meses após a rendição alemã. O dólar aparece sobrevalorizado face ao valor de mercado, e o passo final será dado em 1971 quando Nixon decide unilateralmente acabar com a  conversão da moeda em ouro - o chamado Nixon-Shock. Isso permite basicamente aos EUA imprimir dólares livremente... Para assegurar a necessidade dos estados aceitarem dólares (ou seja, dívida americana) seria fundamental a política dos "petro-dólares", ou seja que a negociação do petróleo fosse feita exclusivamente com dólares. Segundo Engdahl, isso justifica toda a política de tensão e controlo do Médio-Oriente.
Entre as diversas notáveis "coincidências", encontra-se a deposição do Xá da Pérsia, Rheza Pahlevi que coincide com o fim do contrato de exploração de petróleo, a vontade de não renovação, e a aposta na energia nuclear.

Engdahl afirma que os movimentos anti-nucleares visavam essencialmente acabar com a política franco-alemã que insistia na independência petrolífera, através das centrais nucleares. A crise petrolífera de 1973, estaria na agenda duma reunião do grupo Bildeberg em Saltsjöbaden, consolidaria o dólar como moeda necessária para o petróleo.
Curiosamente, no decorrer das décadas seguintes, e apesar do sucesso tecnológico que levaria a novas formas de energia, verificou-se a progressiva menorização dessas possibilidades, e apesar de tudo levar a crer que o petróleo teria os dias contados, tal como o carvão teve, o que se passou foi o oposto. Aumentou a dependência energética do petróleo, agora agravada pelo aparecimento das necessidades chinesas e indianas... Até o Brasil, que durante muitos anos enveredou pelo álcool como substituto, vai deixando cair essa ideia quase por completo.

O mais notável no livro é a explicação de como a Alemanha aparece como inimigo principal, quase sucessivamente, durante o Séc. XX. A história começa com a unificação prussiana e a política económica após a crise financeira de 1873, o que leva a Alemanha a tornar-se numa potência capaz de rivalizar navalmente com a Inglaterra. A Entente Cordiale com a França surge dessa necessidade inglesa de parar o desenvolvimento autónomo alemão. O tradicional inimigo inglês passaria a aliado, face ao maior perigo. Engdahl simboliza essa ascensão na construção alemã de uma ferrovia que ligasse Berlim a Bagdad, ou seja permitiria o fluxo de petróleo sem passar pelo Canal do Suez controlado pelos ingleses desde a abertura em 1869.
A entrada dos EUA na 1ª Guerra Mundial faz parte do acordo de cedência de poder inglesa, numa aliança americana, financiada por J. P. Morgan. Os termos dos acordos de Versalhes deixam a Alemanha numa posição de fragilidade absoluta, incapaz de pagar as dívidas de guerra que lhe são assacadas.

A Invasão e Ocupação Francesa do Ruhr entre 1923 e 1925.
Um facto que passa normalmente despercebido é efectiva ocupação da zona industrial alemã do Ruhr, como forma de "cobrar a dívida de guerra", durante a presidência francesa de Poincaré. Durante o processo de ocupação que terminou com 137 civis mortos, as forças francesas e belgas chegaram a registar 100 mil efectivos.
Enterro de 10 vítimas civis na ocupação francesa da Alemanha, em 1923.

Neste contexto, a posterior resposta alemã, na 2ª Guerra Mundial, que leva a uma ocupação parcial da França poderia até ser vista como um contraponto a esta invasão feita 15 anos antes. Os efeitos destruidores do Tratado de Versalhes criaram um sentimento de profunda revolta entre os alemães, praticamente vassalos trabalhadores obrigados a pagar pesadas dívidas de guerra. Uma política de endividamento iniciada com os ingleses e que se consolida com os americanos. Porém, como sabemos, para Hitler a causa do problema internacional tinha origem judaica - basta ler o Testamento de Hitler.

Essas ideias surgiam de vários lados, e convém não esquecer que na própria Inglaterra se desenvolveu um movimento nacionalista, que colhia a simpatia do Rei Eduardo VIII, que foi forçado a abdicar por motivo secundário de "casamento com divorciada". 
No contexto conturbado que antecedeu a 2ª Guerra Mundial é ainda interessante citar Julius Evola sobre os Protocolos de Sião:
"Whether or not the controversial Protocols of the Learned Elders of Zion are false or authentic does not affect the symptomatic value of the document in question, that is, the fact, that many of the things that have occurred in modern times, having taken place after their publication, effectively agree with the plans assumed in that document, perhaps more than a superficial observer might believe"
Pós-Guerra
Engdahl vai mais longe e constata que a tensão alemã se reacende no pós-guerra. Pelo entendimento franco-alemão que leva à construção da União Europeia e pela autonomia nuclear, mas especialmente pelo entendimento que Gorbashev se preparava para firmar com a Alemanha de Kohl (segundo Engdahl, os ingleses teriam afirmado que Helmut Kohl se afigurava como um novo Hitler - talvez lembrando o acordo com Stalin que antecedeu a 2ª Guerra Mundial).
Em troca da reunificação alemã, da queda do muro de Berlim, Gorbashev pedia o apoio económico alemão face à débil economia russa. Por isso, tornava-se um imperioso anglo-americano favorecer a sua queda, e Ieltsin acabou por favorecer esse propósito. A ideia de ajuda alemã à Rússia caía por terra, caindo também a ameaça soviética, rapidamente invadida com a maquinaria especulativa, propícia à corrupção que destruiu o frágil sistema comunista.

O livro de Engdahl apresenta muitas coincidências, entre mortes acidentais e por atentados, nomeadamente na Alemanha e Itália, afinal os dois elementos europeus do Eixo, onde actuavam grupos terroristas políticos (Baader Meinhoff e Brigadas Vermelhas).
Um outro factor interessante é o desenvolvimento de uma mentalidade Malthusiana tendo em vista a escassez de recursos. Como Engdahl constata, o próprio anúncio ter sido feito por Malthus há 200 anos não mostra um visionário, mas mostra sim como estava errado. A população cresceu exponencialmente e os recursos não acabaram porque a tecnologia permitiu esse desenvolvimento para aumento de recursos.

Ligação
O livro de Engdahl começa basicamente onde eu tinha acabado de escrever... ou seja, começa com a efectivação de um colonialismo financeiro, centrado na actividade bolsista de Londres e Nova Iorque, e termina com o surgimento dos "braços armados" que são as instituições financeiras internacionais, em particular o FMI. 
Subjacente está uma necessidade de envolvimento num comércio mundial que torne todas as nações dependentes pelas dívidas contraídas. Os actores são facilmente manipuláveis em frágeis democracias onde a opinião pública é controlada pelos meios de comunicação. O controlo desses meios de comunicação, nomeadamente das televisões e agências noticiosas é fulcral...

Engdahl mostra ainda uma solução que foi encontrada para abalar as novas economias asiáticas, que estavam praticamente ausentes da pressão das dívidas internacionais. Uma solução é justamente a imposição de abrir o mercado e permitir a especulação sobre os valores imobiliários. Os especuladores começam a comprar fazendo disparar os preços, o que provoca uma necessidade de crédito dos bancos locais... esses bancos ficam endividados para satisfazer o crédito exigido pela população. Depois, os investidores vendem, retirando o devido lucro, e ao mesmo tempo passam a controlar os bancos locais pelas dívidas contraídas internacionalmente.

A questão que fica é simples... Engdahl denuncia esta estratégia recente como um plano de dominação anglo-americano sediado num poder financeiro, mas nós fomos uns séculos... uns milénios mais atrás, e vimos um fio condutor. Se a estratégia de domínio financeiro parece ser uma novidade, não parece ser novidade a sua coordenação a nível internacional, sem dissensões, encobrindo factos passados e refazendo o futuro. Do ponto de vista comercial começou com as Companhias das Índias, mas já muito antes passava por um fechar de fronteiras, por uma ocultação propositada de territórios.

Não passa pela cabeça de ninguém acreditar que um imperador romano como Augusto não se preocupasse em saber o que se passava para além do Mare Nostrum, do Mediterrâneo, que controlava. O mesmo aconteceria com os imperadores chineses... a necessidade de conhecimento exterior só seria limitada pela sua capacidade de exploração, e essa capacidade de exploração permitiu desde sempre aventuras marítimas. Se não foram divulgadas, se foram ocultadas coordenadamente, isso apenas se poderia dever a um entendimento internacional que ultrapassaria as fronteiras e poderes dos reinos individuais. Por isso, o domínio anglo-americano parece-nos ser apenas um manifestação recente de um poder antigo....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56


As sete monarquias

por desvela, em 27.07.11
Segundo Manuel de Figueiredo teriam existido 7 monarquias até à época em que escrevia:

  • 1ª Monarquia - Assírios (2183 a.C - 823 a.C) - de Nembroth (Nimrod) a Sadanalapo (Sardanapalo)
  • 2ª Monarquia - Medas e Caldeus (823 a.C - 531 a.C) - de Arbaces a Astiages; de Beloco Sul (??) a Baltazar (Belshazar)
  • 3ª Monarquia - Pérsia (531 a.C - 329 a.C) - de Ciro II a Dario III
  • 4ª Monarquia - Macedónica (329 a.C - 46 a.C) - de Alexandre Magno à linha sucessória dos generais
  • 5ª Monarquia - Romana (46 a.C. - 331 d.C) - de Júlio Cesar a Constantino Magno
  • 6ª Monarquia - Constantinopla (331 d.C - 800 d.C) - de Constantino Magno a Carlos Magno
  • 7ª Monarquia - Germânica (800 d.C - .... ) - de Carlos Magno até então (1603).
A 7ª Monarquia terá terminado em 1806, pois de facto com Francisco II terminou o Sacro-Império Germânico... momentaneamente terá passado para Napoleão, que se sagra imperador em 1804, mas a potência que se estabeleceu como reinante foi a Inglaterra, de Jorge III, definitivamente com a vitória de 1815 em Waterloo. Esse domínio foi consolidado alguns anos depois, com a Rainha Vitória e Disraeli, mas já era efectivo desde a vitória na Guerra dos Sete Anos (1756-63). Podemos por isso falar de uma 8ª monarquia britânica, que se estende na Commonwealth.

O que era entendido por Figueiredo nesta divisão por monarquias seria a definição da potência dominante. Não vemos aí listada a Grécia, o Egipto, a Fenícia, ou Cartago... mas vemos uma sequência ininterrupta!
A origem está na Babilónia, e mantém-se nessa parte até ao advento de Alexandre... são quase 2000 anos, e como só Júlio César a levará para Roma, temos aí depois outros 2000 anos. 
Os grandes protagonistas, os "Magnos", estão aí listados, mas também estão outros personagens menos conhecidos.

(1) Para ilustrar Nimrod, que Figueiredo diz ser "o inventor da monarquia", basta apresentar o conhecido quadro de Bruegel sobre a Torre de Babel:
Nimrod é visto como alguém que desafiou o poder de Deus, procurando que o homem atingisse esse estatuto divino. Na prática teria tentado essa perfeição instaurando uma tirania, que originou fugas. Uma das fugas dessa tirania teria desembarcado em Lisboa, de acordo com Pinho Leal. Tendo havido múltiplas fugas, de cuja migração surgiram várias nações, faz sentido associá-lo à questão da divisão em várias línguas. O ponto comum dessas várias tribos dissidentes seria o repúdio à tirania de Nimrod.
Dante coloca-o preso no seu Inferno, soltando a frase enigmática: "Raphèl maí amèche zabí almi".

(2) Há um excepcional quadro de Delacroix que ilustra a queda de Sardanapalo... o último rei desta primeira monarquia, deposto por Arbaces.
Apesar de Arbaces ser uma figura "demasiado" pouco conhecida, terá dividido o poder entre duas potências - os Medas e os Caldeus/Babilónia. Aqui não haveria apenas uma potência, tendo surgido dois focos de poder. Assurbanipal e Nabucodonosor serão protagonistas desse domínio...
É difícil perceber até que ponto Figueiredo ignora tudo o resto... 
Por exemplo, nesta divisão, a Guerra de Tróia não tem qualquer efeito na alteração da potência dominante. A vitória dos Aqueus sobre os Troianos é um facto lateral que não teria tido importância no domínio da potência Assíria. Isto já para não falar na omissão dos reinos orientais, hindús, mongóis ou chineses... Sobre os Egípcios, Figueiredo irá fazer uma divisão em dinastias, mas não os inclui nas monarquias!
Uma possível interpretação é que se os Assírios exerciam um poder sobre o resto do mundo (pelo menos europeu), os Egípcios teriam conseguido apenas manter alguma independência.

(3) Da Babilónia, passamos a Persépolis com Ciro II, o Grande. Ciro derrotará os arianos, e estabelecerá o Império Aqueménida/Persa. Se na tradição bíblica as figuras anteriores são mal retratadas, o mesmo não se poderá dizer de Ciro, que libertará os judeus do seu cativeiro. 
Ciro visita os corpos do Rei de Susa (tornado seu aliado) e da mulher que se suicida.

Com Ciro há também uma substituição religiosa, com a instituição do Zoroastrismo, de Zaratustra, e parece ter havido alguma harmonia multicultural sob o seu império. No entanto, nem Ciro, nem Dario ou Xerxes, seus sucessores, iriam deixar a política de conquistas... tendo os gregos sido uns dos principais visados! É especialmente estranha esta insistência na rivalidade greco-persa que só se terá manifestado acentuadamente com os Aqueménidas, tendo passado despercebida antes, com Nabucodonosor ou Assurbanipal, por exemplo.

(4) Como contraponto, serão os gregos macedónios a conquistar a Pérsia e a destruir todo o legado cultural existente em Persépolis, com a vitória de Alexandre Magno sobre Dario III, em Ipsus, 333 a.C. Alexandre que morrerá aos 33 anos e por isso rapidamente a sua monarquia é dividida pelos generais.
O estatuto de potência única deixará de existir, convivendo na rivalidade entre Seleucidas, Antigonidas, e Ptolomaicos. É especialmente instrutiva a menção sobre o testamento de Alexandre, ao dizer que pretendia circumnavegar... a África(!), mas especialmente que pretendia uma migração de populações de ocidente para oriente e vice-versa, com o propósito de miscigenação. Que ocidente tinha ele em seu poder? Toda a sua conquista não tinha sido feita no sentido oriental?
Se este último desejo tivesse sido satisfeito, pois seria natural encontrar populações ocidentais deslocalizadas em territórios orientais, talvez mantendo o seu antigo nome, mas em territórios diversos, prestando-se à confusão!

(5) Este domínio multipartido dos generais de Alexandre será quebrado com a ascenção de Roma.
O protagonista fulcral será Júlio César... mas parece aqui claro que o seu principal papel na consolidação do império pelo lado romano ocorrerá na destituição do último reduto do legado de Alexandre. Ou seja, no domínio sobre o Egipto dos Ptolomeus... na cedência de Cleópatra. A última resistente vai sucumbir, depois da vitória de Octávio Augusto sobre Marco António.
César e Cleópatra

Porém, é aqui que importa parar um pouco... não há dúvida de que Roma passou a ser a monarquia dominante... mas, antes de Júlio César era uma República!
Ou seja, a Roma é dado este estatuto, de sucessor para a 5ª monarquia, justamente quando muda esse regime político... como se isso fosse condição necessária para um poder que já estava consolidado desde a queda de Cartago! (Roma já nessa época não teria rival à altura...)
Acrescenta-se a isto que os próprios romanos vão ficar muito limitados nas suas progressões.
Sintoma destas monarquias... atingem rapidamente uma grande expansão territorial, mas depois estabilizam nesses territórios, não havendo propriamente uma segunda expansão significativa.
Há vários factores, que há muito nos fazem suspeitar que este poder monárquico não seria o último degrau na cadeia de poder... Sejamos mais precisos. De que forma se instituiu o primeiro poder monárquico e de que forma caíu? Será que caíu? Será que não se manteve activo? 
Será que os magos afastados pelo Zoroastrismo Aqueménida não procuraram restabelecer o seu poder, nem que tivesse sido para isso necessário apoiar um Alexandre estrangeiro, que foi efémero no seu império... Podemos compreender as restrições romanas nas conquistas, mas dificilmente é compreensível a sua estagnação técnica e de exploração marítima... quanto mais não fosse, progredindo pela costa africana, como teria sido desejo de Alexandre. E essas mesmas restrições vão-se manter de umas monarquias para as suas sucessoras.

(6) A sexta monarquia parece ser uma passagem formal sem sobressaltos, feita pelo próprio Constantino. Há uma mudança de capital para Bizâncio, e uma mudança de religião... só isso são motivos para considerar uma diferença. Até porque a profunda divisão que se irá seguir, entre Império Romano Ocidental e Oriental, justifica isso mesmo.
Constantino - estátua em York, onde foi aclamado imperador.

Figueiredo acaba por considerar que a linha sucessória da Monarquia será continuada por Bizâncio, e só regressará ao lado Ocidental com Carlos Magno.

(7) A importância que é dada a Carlos Magno tem justamente a ver com essa recuperação do ceptro imperial para o lado ocidental, passando para o Sacro-Império Germânico - até à queda dos Habsburgos... formalmente representada na derrota austríaca contra Napoleão em Austerlitz.
Carlos Magno

Aliás, a relutância ibérica em abdicar do calendário hispânico, que começava em Augusto, estará ligada a essa reforma educacional medieval levada a cabo por Carlos Magno. Perante a derrota de Carlos Magno em Roncesvalles, os hispânicos não reconheciam por completo esse carácter imperial germânico, chancelado por interposto papal e cúria romana. Continuavam a colocar a sua monarquia de referência como sendo a de César e Augusto... vemos aqui como a questão religiosa não era tão importante quanto a política. O calendário com o Ano Domini, nascimento de Cristo, podia esperar pelos desenvolvimentos políticos. Assim, não é de estranhar os sucessivos contenciosos com o papado ao longo da 1ª Dinastia Portuguesa.
Poderiam navegar fora da chancela imperial, mas isso seriam actos não reconhecidos... até que com D. João I a situação muda. O calendário AD é finalmente aceite e o Infante D. Pedro vai-se colocar ao serviço do Imperador Segismundo, e segue-se a autorização de "des-cobrir". Os reinos europeus parecem independentes, mas estão interligados e condicionados pela chancela imperial que é efectivada pela cúria romana e bulas papais.

(8) O poder do Sacro-Império sofre um grande revés com a derrota dos Habsburgos espanhóis na Guerra dos Trinta Anos, entrando em declínio acentuado, concentrando-se especialmente em assegurar o poder do Império Austro-Húngaro. Perante esse desfecho, segue-se um período de nações, de absolutismo local, sem a restrição do poder imperial, e ficam por definir os territórios ainda "não descobertos"... Da Guerra dos Trinta Anos até à Guerra dos Sete Anos, esses "novos" territórios ficam em suspenso, e é após o desfecho vitorioso inglês, em 1763, que se seguem, passados poucos anos, as explorações de Cook.

A queda formal do Sacro-Império na derrota de Austerlitz, coloca um Napoleão na posição de reclamar o ceptro Imperial, e é mais curioso pois é ele próprio que decide colocar a coroa na sua cabeça, e depois na cabeça de Josefina... não haveria ninguém com mais poder do que o próprio!
Aparentemente seria assim, mas a partir daí acabaram-se as vitórias napoleónicas... e começa o acentuado declínio que o levará a Elba e depois a Santa Helena. Apesar dessas derrotas, a França emerge facilmente, sem os constrangimentos financeiros que vão atormentar os aliados ibéricos no Séc. XIX, destinados a pagar a factura das guerras. Isso tem um motivo estratégico... de qualquer forma, o Sacro-Império acabava de tombar graças à França e a Napoleão. O último episódio da transferência de poder, e fim completo do Império Austro-Húngaro, irá dar-se com a Primeira Guerra. E é claro que podemos ver a Segunda Guerra como uma tentativa gorada de recuperar o ceptro imperial para o lado germânico, entre múltiplos outros factores concorrentes e divergentes...
Porém, como dissemos, isto apenas revela uma componente da movimentações, pelo lado visível das monarquias dominantes, pelo que não podemos ignorar as componentes menos visíveis...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:19


As sete monarquias

por desvela, em 26.07.11
Segundo Manuel de Figueiredo teriam existido 7 monarquias até à época em que escrevia:

  • 1ª Monarquia - Assírios (2183 a.C - 823 a.C) - de Nembroth (Nimrod) a Sadanalapo (Sardanapalo)
  • 2ª Monarquia - Medas e Caldeus (823 a.C - 531 a.C) - de Arbaces a Astiages; de Beloco Sul (??) a Baltazar (Belshazar)
  • 3ª Monarquia - Pérsia (531 a.C - 329 a.C) - de Ciro II a Dario III
  • 4ª Monarquia - Macedónica (329 a.C - 46 a.C) - de Alexandre Magno à linha sucessória dos generais
  • 5ª Monarquia - Romana (46 a.C. - 331 d.C) - de Júlio Cesar a Constantino Magno
  • 6ª Monarquia - Constantinopla (331 d.C - 800 d.C) - de Constantino Magno a Carlos Magno
  • 7ª Monarquia - Germânica (800 d.C - .... ) - de Carlos Magno até então (1603).
A 7ª Monarquia terá terminado em 1806, pois de facto com Francisco II terminou o Sacro-Império Germânico... momentaneamente terá passado para Napoleão, que se sagra imperador em 1804, mas a potência que se estabeleceu como reinante foi a Inglaterra, de Jorge III, definitivamente com a vitória de 1815 em Waterloo. Esse domínio foi consolidado alguns anos depois, com a Rainha Vitória e Disraeli, mas já era efectivo desde a vitória na Guerra dos Sete Anos (1756-63). Podemos por isso falar de uma 8ª monarquia britânica, que se estende na Commonwealth.

O que era entendido por Figueiredo nesta divisão por monarquias seria a definição da potência dominante. Não vemos aí listada a Grécia, o Egipto, a Fenícia, ou Cartago... mas vemos uma sequência ininterrupta!
A origem está na Babilónia, e mantém-se nessa parte até ao advento de Alexandre... são quase 2000 anos, e como só Júlio César a levará para Roma, temos aí depois outros 2000 anos. 
Os grandes protagonistas, os "Magnos", estão aí listados, mas também estão outros personagens menos conhecidos.

(1) Para ilustrar Nimrod, que Figueiredo diz ser "o inventor da monarquia", basta apresentar o conhecido quadro de Bruegel sobre a Torre de Babel:
Nimrod é visto como alguém que desafiou o poder de Deus, procurando que o homem atingisse esse estatuto divino. Na prática teria tentado essa perfeição instaurando uma tirania, que originou fugas. Uma das fugas dessa tirania teria desembarcado em Lisboa, de acordo com Pinho Leal. Tendo havido múltiplas fugas, de cuja migração surgiram várias nações, faz sentido associá-lo à questão da divisão em várias línguas. O ponto comum dessas várias tribos dissidentes seria o repúdio à tirania de Nimrod.
Dante coloca-o preso no seu Inferno, soltando a frase enigmática: "Raphèl maí amèche zabí almi".

(2) Há um excepcional quadro de Delacroix que ilustra a queda de Sardanapalo... o último rei desta primeira monarquia, deposto por Arbaces.
Apesar de Arbaces ser uma figura "demasiado" pouco conhecida, terá dividido o poder entre duas potências - os Medas e os Caldeus/Babilónia. Aqui não haveria apenas uma potência, tendo surgido dois focos de poder. Assurbanipal e Nabucodonosor serão protagonistas desse domínio...
É difícil perceber até que ponto Figueiredo ignora tudo o resto... 
Por exemplo, nesta divisão, a Guerra de Tróia não tem qualquer efeito na alteração da potência dominante. A vitória dos Aqueus sobre os Troianos é um facto lateral que não teria tido importância no domínio da potência Assíria. Isto já para não falar na omissão dos reinos orientais, hindús, mongóis ou chineses... Sobre os Egípcios, Figueiredo irá fazer uma divisão em dinastias, mas não os inclui nas monarquias!
Uma possível interpretação é que se os Assírios exerciam um poder sobre o resto do mundo (pelo menos europeu), os Egípcios teriam conseguido apenas manter alguma independência.

(3) Da Babilónia, passamos a Persépolis com Ciro II, o Grande. Ciro derrotará os arianos, e estabelecerá o Império Aqueménida/Persa. Se na tradição bíblica as figuras anteriores são mal retratadas, o mesmo não se poderá dizer de Ciro, que libertará os judeus do seu cativeiro. 
Ciro visita os corpos do Rei de Susa (tornado seu aliado) e da mulher que se suicida.

Com Ciro há também uma substituição religiosa, com a instituição do Zoroastrismo, de Zaratustra, e parece ter havido alguma harmonia multicultural sob o seu império. No entanto, nem Ciro, nem Dario ou Xerxes, seus sucessores, iriam deixar a política de conquistas... tendo os gregos sido uns dos principais visados! É especialmente estranha esta insistência na rivalidade greco-persa que só se terá manifestado acentuadamente com os Aqueménidas, tendo passado despercebida antes, com Nabucodonosor ou Assurbanipal, por exemplo.

(4) Como contraponto, serão os gregos macedónios a conquistar a Pérsia e a destruir todo o legado cultural existente em Persépolis, com a vitória de Alexandre Magno sobre Dario III, em Ipsus, 333 a.C. Alexandre que morrerá aos 33 anos e por isso rapidamente a sua monarquia é dividida pelos generais.
O estatuto de potência única deixará de existir, convivendo na rivalidade entre Seleucidas, Antigonidas, e Ptolomaicos. É especialmente instrutiva a menção sobre o testamento de Alexandre, ao dizer que pretendia circumnavegar... a África(!), mas especialmente que pretendia uma migração de populações de ocidente para oriente e vice-versa, com o propósito de miscigenação. Que ocidente tinha ele em seu poder? Toda a sua conquista não tinha sido feita no sentido oriental?
Se este último desejo tivesse sido satisfeito, pois seria natural encontrar populações ocidentais deslocalizadas em territórios orientais, talvez mantendo o seu antigo nome, mas em territórios diversos, prestando-se à confusão!

(5) Este domínio multipartido dos generais de Alexandre será quebrado com a ascenção de Roma.
O protagonista fulcral será Júlio César... mas parece aqui claro que o seu principal papel na consolidação do império pelo lado romano ocorrerá na destituição do último reduto do legado de Alexandre. Ou seja, no domínio sobre o Egipto dos Ptolomeus... na cedência de Cleópatra. A última resistente vai sucumbir, depois da vitória de Octávio Augusto sobre Marco António.
César e Cleópatra

Porém, é aqui que importa parar um pouco... não há dúvida de que Roma passou a ser a monarquia dominante... mas, antes de Júlio César era uma República!
Ou seja, a Roma é dado este estatuto, de sucessor para a 5ª monarquia, justamente quando muda esse regime político... como se isso fosse condição necessária para um poder que já estava consolidado desde a queda de Cartago! (Roma já nessa época não teria rival à altura...)
Acrescenta-se a isto que os próprios romanos vão ficar muito limitados nas suas progressões.
Sintoma destas monarquias... atingem rapidamente uma grande expansão territorial, mas depois estabilizam nesses territórios, não havendo propriamente uma segunda expansão significativa.
Há vários factores, que há muito nos fazem suspeitar que este poder monárquico não seria o último degrau na cadeia de poder... Sejamos mais precisos. De que forma se instituiu o primeiro poder monárquico e de que forma caíu? Será que caíu? Será que não se manteve activo? 
Será que os magos afastados pelo Zoroastrismo Aqueménida não procuraram restabelecer o seu poder, nem que tivesse sido para isso necessário apoiar um Alexandre estrangeiro, que foi efémero no seu império... Podemos compreender as restrições romanas nas conquistas, mas dificilmente é compreensível a sua estagnação técnica e de exploração marítima... quanto mais não fosse, progredindo pela costa africana, como teria sido desejo de Alexandre. E essas mesmas restrições vão-se manter de umas monarquias para as suas sucessoras.

(6) A sexta monarquia parece ser uma passagem formal sem sobressaltos, feita pelo próprio Constantino. Há uma mudança de capital para Bizâncio, e uma mudança de religião... só isso são motivos para considerar uma diferença. Até porque a profunda divisão que se irá seguir, entre Império Romano Ocidental e Oriental, justifica isso mesmo.
Constantino - estátua em York, onde foi aclamado imperador.

Figueiredo acaba por considerar que a linha sucessória da Monarquia será continuada por Bizâncio, e só regressará ao lado Ocidental com Carlos Magno.

(7) A importância que é dada a Carlos Magno tem justamente a ver com essa recuperação do ceptro imperial para o lado ocidental, passando para o Sacro-Império Germânico - até à queda dos Habsburgos... formalmente representada na derrota austríaca contra Napoleão em Austerlitz.
Carlos Magno

Aliás, a relutância ibérica em abdicar do calendário hispânico, que começava em Augusto, estará ligada a essa reforma educacional medieval levada a cabo por Carlos Magno. Perante a derrota de Carlos Magno em Roncesvalles, os hispânicos não reconheciam por completo esse carácter imperial germânico, chancelado por interposto papal e cúria romana. Continuavam a colocar a sua monarquia de referência como sendo a de César e Augusto... vemos aqui como a questão religiosa não era tão importante quanto a política. O calendário com o Ano Domini, nascimento de Cristo, podia esperar pelos desenvolvimentos políticos. Assim, não é de estranhar os sucessivos contenciosos com o papado ao longo da 1ª Dinastia Portuguesa.
Poderiam navegar fora da chancela imperial, mas isso seriam actos não reconhecidos... até que com D. João I a situação muda. O calendário AD é finalmente aceite e o Infante D. Pedro vai-se colocar ao serviço do Imperador Segismundo, e segue-se a autorização de "des-cobrir". Os reinos europeus parecem independentes, mas estão interligados e condicionados pela chancela imperial que é efectivada pela cúria romana e bulas papais.

(8) O poder do Sacro-Império sofre um grande revés com a derrota dos Habsburgos espanhóis na Guerra dos Trinta Anos, entrando em declínio acentuado, concentrando-se especialmente em assegurar o poder do Império Austro-Húngaro. Perante esse desfecho, segue-se um período de nações, de absolutismo local, sem a restrição do poder imperial, e ficam por definir os territórios ainda "não descobertos"... Da Guerra dos Trinta Anos até à Guerra dos Sete Anos, esses "novos" territórios ficam em suspenso, e é após o desfecho vitorioso inglês, em 1763, que se seguem, passados poucos anos, as explorações de Cook.

A queda formal do Sacro-Império na derrota de Austerlitz, coloca um Napoleão na posição de reclamar o ceptro Imperial, e é mais curioso pois é ele próprio que decide colocar a coroa na sua cabeça, e depois na cabeça de Josefina... não haveria ninguém com mais poder do que o próprio!
Aparentemente seria assim, mas a partir daí acabaram-se as vitórias napoleónicas... e começa o acentuado declínio que o levará a Elba e depois a Santa Helena. Apesar dessas derrotas, a França emerge facilmente, sem os constrangimentos financeiros que vão atormentar os aliados ibéricos no Séc. XIX, destinados a pagar a factura das guerras. Isso tem um motivo estratégico... de qualquer forma, o Sacro-Império acabava de tombar graças à França e a Napoleão. O último episódio da transferência de poder, e fim completo do Império Austro-Húngaro, irá dar-se com a Primeira Guerra. E é claro que podemos ver a Segunda Guerra como uma tentativa gorada de recuperar o ceptro imperial para o lado germânico, entre múltiplos outros factores concorrentes e divergentes...
Porém, como dissemos, isto apenas revela uma componente da movimentações, pelo lado visível das monarquias dominantes, pelo que não podemos ignorar as componentes menos visíveis...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19


A Merica e a longitude

por desvela, em 18.07.11
Longitude
Acerca da longitude já tínhamos aqui citado António Carvalho da Costa que, em 1682, e com breves palavras, mostrava como era possível saber a correcta longitude de lugares através da observação de eclipses. 
Sendo a latitude um problema mais fácil, ficava aí claro que eram conhecidos métodos eficazes para determinar a posição recorrendo apenas a observações astronómicas. O interesse pelos eclipses lunares seria especialmente um interesse geográfico, com vista a uma correcta cartografia. Assim, a tabela de eclipses de 1534, de Jerónimo Chaves, indiciaria isso mesmo.

Encontrámos agora outro texto, de Manuel de Figueiredo, de 1603, que coloca as coisas de forma mais clara, confirmando as nossas suspeitas de que essa técnica seria bem mais antiga. 
O texto de Figueiredo é mencionado na literatura (veja-se por exemplo aqui) especialmente porque detalha a construção da balestilha, instrumento prático para a determinação de ângulos, e apropriado para a latitude. 
Aqui interessa-nos a questão da longitude, mais complicada.
"Como se acharam as longitudes das terras.
- é este o título do Capítulo XIII da "Chronographia e Repertório dos Tempos", publicada em 1603 por Manuel de Figueiredo. Começa dizendo:
Grande foi o trabalho que os geógrafos tiveram em achar as longitudes das terras, as quais observaram pelos eclipses da Lua e do Sol, & não haviam de ter tão pouco em a todas elas buscarem a longitude, porque nem todos os meses há eclipses para as poderem mostrar (...)
Não especifica quem foram os geógrafos, nem quando... apenas explica como se processou: 
Punham-se dois geógrafos em duas terras (...) esperavam o dia e hora a que havia de acontecer (...) observavam a que hora começava & cotejada uma observação com a outra, a diferença que entre elas havia essa era a longitude(...).
... algo que já tínhamos suspeitado como sendo o método usando "enviados do reino".
Duas páginas à frente faz referência às vantagens da "pedra de sevar" (magneto) que teriam marcado a diferença face aos "antigos"... e somos levados a concluir que implicitamente considerava que o processo de eclipses para a longitude era já conhecido desses "antigos". Figueiredo sugere que teria sido o magneto a marcar a diferença, pois esses antigos se restringiam ao hemisfério norte com medo de perder a Estrela Polar... que é outra maneira de dizer que tinham medo de "perder o norte", de ficarem desnorteados!


Merica
Talvez mais interessante é o detalhe de Figueiredo designar a América como "A Merica". Isso poderia passar por erro tipográfico, mas é demasiado propositado para ser qualquer erro acidental:


Menção a "a Merica" e "America", por Manuel Figueiredo

Se já havia algumas suspeitas do nome América não estar necessariamente ligado a Amerigo Vespúcio, creio que esta obra de Figueiredo vai exactamente nesse sentido... 
A Merica e não América

Fomos encontrar uma canção dos emigrantes italianos que povoaram o Rio Grande do Sul:
Dalla Italia noi siamo partiti; Siamo partiti col nostro onore;  
Trentasei giorni di macchina e vapore, e nella Merica noi siamo arriva'. 
Merica, Merica, Merica, cossa saràlo 'sta Merica? 
Merica, Merica, Merica, un bel mazzolino di fior. 
Trata-se do dialecto do Veneto (Veneza), que tira o A a America, e aparece como uma clara desfaçatez veneziana ao compatriota, mas rival florentino, Amerigo...

Haverá outro sentido para a simples palavra Merica?
O google e a wikipedia têm destas coisas, e fomos parar imediatamente a 
- merica: palavra indonésia com raiz no sânscrito que significa a especiaria pimenta.

Afinal, como chamam os ingleses a um tipo de pimenta? 
- Chili pepper... chegando mesmo a escrever Chile pepper.
A pimenta ou malagueta sempre esteve associada à comida mexicana, azteca e também inca. É claro que também é parte da cozinha indiana, e isso pode reportar perfeitamente uma rota de especiarias que se prestava a unir as índias orientais e ocidentais sob a conveniente confusão!

Ou seja... quando os nossos descobrimentos seguiam na rota da Pimenta, é mais natural que estivessem a seguir a rota da Merica. Como dizia Figueiredo: "a cobiça de reinar abriu o caminho para descobrir tantas riquezas quantas neste novo mundo há"...


Se o nome é anterior a Américo Vespúcio, esta semelhança entre "a Merica" e "Americo" pode ser um caso que já abordei num comentário que aqui fiz - a importância de se chamar Ernesto, neste caso Américo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:56


A Merica e a longitude

por desvela, em 17.07.11
Longitude
Acerca da longitude já tínhamos aqui citado António Carvalho da Costa que, em 1682, e com breves palavras, mostrava como era possível saber a correcta longitude de lugares através da observação de eclipses. 
Sendo a latitude um problema mais fácil, ficava aí claro que eram conhecidos métodos eficazes para determinar a posição recorrendo apenas a observações astronómicas. O interesse pelos eclipses lunares seria especialmente um interesse geográfico, com vista a uma correcta cartografia. Assim, a tabela de eclipses de 1534, de Jerónimo Chaves, indiciaria isso mesmo.

Encontrámos agora outro texto, de Manuel de Figueiredo, de 1603, que coloca as coisas de forma mais clara, confirmando as nossas suspeitas de que essa técnica seria bem mais antiga. 
O texto de Figueiredo é mencionado na literatura (veja-se por exemplo aqui) especialmente porque detalha a construção da balestilha, instrumento prático para a determinação de ângulos, e apropriado para a latitude. 
Aqui interessa-nos a questão da longitude, mais complicada.
"Como se acharam as longitudes das terras.
- é este o título do Capítulo XIII da "Chronographia e Repertório dos Tempos", publicada em 1603 por Manuel de Figueiredo. Começa dizendo:
Grande foi o trabalho que os geógrafos tiveram em achar as longitudes das terras, as quais observaram pelos eclipses da Lua e do Sol, & não haviam de ter tão pouco em a todas elas buscarem a longitude, porque nem todos os meses há eclipses para as poderem mostrar (...)
Não especifica quem foram os geógrafos, nem quando... apenas explica como se processou: 
Punham-se dois geógrafos em duas terras (...) esperavam o dia e hora a que havia de acontecer (...) observavam a que hora começava & cotejada uma observação com a outra, a diferença que entre elas havia essa era a longitude(...).
... algo que já tínhamos suspeitado como sendo o método usando "enviados do reino".
Duas páginas à frente faz referência às vantagens da "pedra de sevar" (magneto) que teriam marcado a diferença face aos "antigos"... e somos levados a concluir que implicitamente considerava que o processo de eclipses para a longitude era já conhecido desses "antigos". Figueiredo sugere que teria sido o magneto a marcar a diferença, pois esses antigos se restringiam ao hemisfério norte com medo de perder a Estrela Polar... que é outra maneira de dizer que tinham medo de "perder o norte", de ficarem desnorteados!


Merica
Talvez mais interessante é o detalhe de Figueiredo designar a América como "A Merica". Isso poderia passar por erro tipográfico, mas é demasiado propositado para ser qualquer erro acidental:


Menção a "a Merica" e "America", por Manuel Figueiredo

Se já havia algumas suspeitas do nome América não estar necessariamente ligado a Amerigo Vespúcio, creio que esta obra de Figueiredo vai exactamente nesse sentido... 
A Merica e não América

Fomos encontrar uma canção dos emigrantes italianos que povoaram o Rio Grande do Sul:
Dalla Italia noi siamo partiti; Siamo partiti col nostro onore;  
Trentasei giorni di macchina e vapore, e nella Merica noi siamo arriva'. 
Merica, Merica, Merica, cossa saràlo 'sta Merica? 
Merica, Merica, Merica, un bel mazzolino di fior. 
Trata-se do dialecto do Veneto (Veneza), que tira o A a America, e aparece como uma clara desfaçatez veneziana ao compatriota, mas rival florentino, Amerigo...

Haverá outro sentido para a simples palavra Merica?
O google e a wikipedia têm destas coisas, e fomos parar imediatamente a 
- merica: palavra indonésia com raiz no sânscrito que significa a especiaria pimenta.

Afinal, como chamam os ingleses a um tipo de pimenta? 
- Chili pepper... chegando mesmo a escrever Chile pepper.
A pimenta ou malagueta sempre esteve associada à comida mexicana, azteca e também inca. É claro que também é parte da cozinha indiana, e isso pode reportar perfeitamente uma rota de especiarias que se prestava a unir as índias orientais e ocidentais sob a conveniente confusão!

Ou seja... quando os nossos descobrimentos seguiam na rota da Pimenta, é mais natural que estivessem a seguir a rota da Merica. Como dizia Figueiredo: "a cobiça de reinar abriu o caminho para descobrir tantas riquezas quantas neste novo mundo há"...


Se o nome é anterior a Américo Vespúcio, esta semelhança entre "a Merica" e "Americo" pode ser um caso que já abordei num comentário que aqui fiz - a importância de se chamar Ernesto, neste caso Américo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56


Portas do Ródão

por desvela, em 17.07.11
Nesta sequência de "portas", e tal como Olinda, também nos lembrámos das Portas do Ródão... e que estariam na zona atribuída aos Carpetanos, povo ibérico.
Aqui falha-nos o último volume de Pinho Leal que poderá ter algum comentário a propósito de Vila Velha de Rodão. Encontrámos menção a Vila Velha de Ródão na Corografia (1708) de António Carvalho da Costa, mas não especifica o que significará "velho" neste caso, poderá remeter-se à formação da nacionalidade, ou anterior. Nos territórios adjacentes, mas em ponto bastante mais elevado, encontra-se o Castelo de Wamba (ou Vamba).
Um bom texto relativamente a reabilitação arqueológica desse Castelo e da Capela próxima, pode ser encontrado na Associação de Estudos do Alto Tejo.

Focando-nos mais na Portas do Ródão, começamos por uma gravura antiga, de 1823 (por William Westall)
Passage of the Tagus at Villa-Velha  (Westall, 1823)

Quer-nos parecer que a paisagem mudou consideravelmente, já que as escarpas parecem na gravura muito mais acentuadas, se atendermos a imagens mais recentes da mesma vista de jusante (poente):

Podemos falar em exagero do artista... porém não parece ser o caso de Westall, e temos alguma confirmação da diferença pela imagem vista do lado nascente (C. Turner, 1811):
Pass of the Tagus at Villa Velha into Alemtejo (C. Turner, 1811)

Parece ter havido entretanto uma erosão acentuada, já que as imagens do Séc. XIX dão uma ideia de cortes limpos, quebrando a rocha a pique, algo que se terá atenuado significativamente nestes séculos seguintes. Por outro lado, nota-se na imagem de Turner que o rio seria razoavelmente baixo, não se notando o forte caudal. Sobre esse assunto, fomos encontrar uma outra referência:
A pouca distância do porto de Villa-Velha, corre o Tejo por entre dois altos montes de finíssimo mármore, formando uma espécie de garganta, a que chamam as portas do Rodão. Pelas influências do, Marquez de Pombal se fez o mesmo, rio navegavel até ao porto de Villa Velha, que fica dentro desta garganta. Junto do porto havia huma Fazenda e Casas, em cuja porta se viam as armas, do Marquez, que são huma Estrella entre uma, quaderna, de crescentes.   (Poesias de Cruz e Silva, 1805)
Ou seja, concluímos que os cortes abruptos, vistos nas gravuras do início do Séc. XIX, eram provável resultado da "fresca intervenção" do Marquês de Pombal, no sentido de tornar o rio mais navegável.
Tal como acontecia com o Rio Douro, que tinha uma forte cascata perto de S. João da Pesqueira, chamado o "Cachão do Douro", é possível que algo semelhante se passasse nas Portas do Rodão.
Acrescentamos este texto de J. J. Forrester (1854):
The Tagus (that beautiful river which our forefathers used to ascend without difficulty as far as Toledo [cf. Faria e Sousa]) has been fearfully neglected. During the winter season, in some situations, the current is five feet per second; and at the place called Vallada, where the river is 1330 feet wide, the volume of water that descends in that time is not less than 100,000 cubick feet. At the Portas do Rodão, 150 feet wide, the current is twelve feet per second; so that a volume of 7776 millions of cubick feet of water passes through this gorge in one day.
The Portas do Rodão, on the Tagus, are similar to the Cachão on the river Douro, that is to say, during the wet season, the passage being narrow, the river above naturally overflows its banks, and lays the country under water. Now one of two things,— either widen the passage to give egress to the waters, or store them up for irrigation purposes, preserves for fish, &c. The idea is not originally ours. It is the conviction of the much-injured and persecuted Portuguese author, Bento De Moura (born 1702), who proposed to construct a dam and form an enormous deposit of water, 20 leagues square, during the winter, so as to leave its rich deposits and manure on the land, and prepare it for cultivation in the summer. "Rivers," says Senhor de Moura, "bring down earth in proportion of 15 to 1 of sand. From 5 to 25 years, 1000 moios of earth would be deposited, and would produce 10,000 moios of grain, or in a few years the deposits would yield ten times their weight in grain."
Ou seja, no sentido inverso ao do Marquês, Bento de Moura tinha proposto construir uma barragem.
Isto é interessante, pois podemos ter uma ideia da consequência dessa barragem:
Por uma simples inspecção de altitude a 200 metros (as montanhas laterais ultrapassam os 300 m), o terreno formaria uma bacia natural que se estenderia até Idanha-a-Nova, criando um lago artificial... seria esta a ideia de Bento de Moura. Assim, se havia alguma represa natural de água, parece certo que o Marquês acabou com ela... e com um nível baixo, a navegabilidade ficou também comprometida, excepto para pequenas embarcações, conforme se pode ver nas gravuras.

As gravuras não mencionam o nome Ródão... o acrescento de Ródão a Vila Velha pareceu-nos ser posterior às invasões francesas, mas o registo de 1708 não deixa dúvidas sobre a origem anterior do nome. Não queremos deixar de notar uma associação fonética de Ródão a Ródano, e alguma semelhança na paisagem das Gargantas do Ródano (Rhône)... 
Gargantas do Ródano (imagem)

Castelo de Wamba
O rei visigodo Wamba (672-680) ficou ligado a uma antiga fortaleza, no monte norte das Portas do Ródão, da qual ainda se mantém uma torre quadrada interessante:
Torre de Wamba (Portas do Rodão)

A associação a Wamba é discutida, mas atendendo a que os visigodos tiveram o cuidado de renomear Idanha como Egitania, reconstruí-la depois da destruição sueva... e outros detalhes (Pinho Leal diz que Wamba seria natural da zona), mostrará o interesse que os visigodos tiveram pela região.

Com as Portas do Ródão fechadas ao Tejo, este formaria um lago interior que se estenderia até à zona de Idanha-a-Nova, e anteriormente talvez mesmo próximo de Idanha-a-Velha. Estas vilas que aparecem hoje como isoladas nos limites montanhosos da Serra da Estrela, poderiam ter tido um lago natural resultante da acumulação de águas do Tejo. Uma primeira cedência da rocha teria causado a deslocalização de Idanha-a-Velha para Idanha-a-Nova, mas a ideia de navegabilidade do Marquês teria terminado com qualquer ideia de recuperar o lago interno, conforme parecia pretender Bento de Moura.

Pinho Leal diz que "alguns" davam também o nome de Hircania a Idanha-a-Velha (que diz ser uma das primeiras vilas lusitanas, fundada c. 500 a.C.)... lembrando-nos que o mar Hircanio era exactamente a designação do Cáspio, não deixamos de ver aqui uma alusão a um mar interno. Egitania foi um bispado importante na época visigoda, e a cidade terá mudado de nome para Eydaia na época árabe, de onde viria o nome Idanha. A nova Idanha parece ser só mencionada já com D. Sancho I.

Serras
Sendo uma zona de grifos, e outras aves de rapina ou não, em belos parques naturais, não deixamos de mencionar outras "portas" semelhantes, na vizinha Extremadura espanhola.
--- O Parque Natural de Monfrague
Salto do Gitano - o Tejo no Parque Natural de Monfrague
--- Canchos de Ramiro

 
Canchos de Ramiro e ponte sobre o Alagon 
(afluente do Tejo) [imagens]

Ou seja, as portas do Ródão não são muito diferentes da paisagem que o Tejo e afluentes fazem ao "furar" as serras da Extremadura ou Alentejo.
E aqui convém mencionar a noção de "Serra"... porque é nestas formações que ela ganha sentido.
Estas formações características da Estremadura espanhola e portuguesa, ou do Alentejo, surgem como linhas montanhosas bem definidas como se pode ver no mapa (em cima, também na zona de Castelo de Vide/Marvão). São praticamente linhas montanhosas singulares cujos "dentes" são os picos oscilantes... e por isso têm verdadeira analogia com a noção de "serra", da lâmina de corte. A generalização desta palavra a qualquer conjunto montanhoso fez perder a particularidade destas formações quase laminares. Não havendo distinção particular entre o nome desta estrutura "de serra" e os conjuntos montanhosos, poupa-se qualquer justificação particular para a singularidade que estas montanhas exibem enquanto serras - linhas bem definidas de montanhas que aparecem como autênticos muros na paisagem.


Nota: (17/07/2011)
Texto consideravelmente reeditado e corrigido no dia seguinte, por nos ter escapado a menção a Vila Velha do Ródão na Corografia de António Carvalho da Costa, de 1708:
A Villa Velha de Ródão fica cinco léguas de Castelo-Branco para o Sul, & está fundada num tezo, que banha o rio Tejo: tem 160 vizinhos com uma Igreja Parroquial, Vigararia da Ordem de Christo, & Commenda, de que é Comendador o Conde de Atouguia; tem mais Casa da Misericordia, & uma Ermida de N. Senhora do Castelo, imagem milagrosa, aonde concorre em romaria muita gente do Alentejo, & de outras partes. O seu termo é fertil de pão, azeite, linho, & tem muita caça, & colmes, com algum vinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:42


Portas do Ródão

por desvela, em 16.07.11
Nesta sequência de "portas", e tal como Olinda, também nos lembrámos das Portas do Ródão... e que estariam na zona atribuída aos Carpetanos, povo ibérico.
Aqui falha-nos o último volume de Pinho Leal que poderá ter algum comentário a propósito de Vila Velha de Rodão. Encontrámos menção a Vila Velha de Ródão na Corografia (1708) de António Carvalho da Costa, mas não especifica o que significará "velho" neste caso, poderá remeter-se à formação da nacionalidade, ou anterior. Nos territórios adjacentes, mas em ponto bastante mais elevado, encontra-se o Castelo de Wamba (ou Vamba).
Um bom texto relativamente a reabilitação arqueológica desse Castelo e da Capela próxima, pode ser encontrado na Associação de Estudos do Alto Tejo.

Focando-nos mais na Portas do Ródão, começamos por uma gravura antiga, de 1823 (por William Westall)
Passage of the Tagus at Villa-Velha  (Westall, 1823)

Quer-nos parecer que a paisagem mudou consideravelmente, já que as escarpas parecem na gravura muito mais acentuadas, se atendermos a imagens mais recentes da mesma vista de jusante (poente):

Podemos falar em exagero do artista... porém não parece ser o caso de Westall, e temos alguma confirmação da diferença pela imagem vista do lado nascente (C. Turner, 1811):
Pass of the Tagus at Villa Velha into Alemtejo (C. Turner, 1811)

Parece ter havido entretanto uma erosão acentuada, já que as imagens do Séc. XIX dão uma ideia de cortes limpos, quebrando a rocha a pique, algo que se terá atenuado significativamente nestes séculos seguintes. Por outro lado, nota-se na imagem de Turner que o rio seria razoavelmente baixo, não se notando o forte caudal. Sobre esse assunto, fomos encontrar uma outra referência:
A pouca distância do porto de Villa-Velha, corre o Tejo por entre dois altos montes de finíssimo mármore, formando uma espécie de garganta, a que chamam as portas do Rodão. Pelas influências do, Marquez de Pombal se fez o mesmo, rio navegavel até ao porto de Villa Velha, que fica dentro desta garganta. Junto do porto havia huma Fazenda e Casas, em cuja porta se viam as armas, do Marquez, que são huma Estrella entre uma, quaderna, de crescentes.   (Poesias de Cruz e Silva, 1805)
Ou seja, concluímos que os cortes abruptos, vistos nas gravuras do início do Séc. XIX, eram provável resultado da "fresca intervenção" do Marquês de Pombal, no sentido de tornar o rio mais navegável.
Tal como acontecia com o Rio Douro, que tinha uma forte cascata perto de S. João da Pesqueira, chamado o "Cachão do Douro", é possível que algo semelhante se passasse nas Portas do Rodão.
Acrescentamos este texto de J. J. Forrester (1854):
The Tagus (that beautiful river which our forefathers used to ascend without difficulty as far as Toledo [cf. Faria e Sousa]) has been fearfully neglected. During the winter season, in some situations, the current is five feet per second; and at the place called Vallada, where the river is 1330 feet wide, the volume of water that descends in that time is not less than 100,000 cubick feet. At the Portas do Rodão, 150 feet wide, the current is twelve feet per second; so that a volume of 7776 millions of cubick feet of water passes through this gorge in one day.
The Portas do Rodão, on the Tagus, are similar to the Cachão on the river Douro, that is to say, during the wet season, the passage being narrow, the river above naturally overflows its banks, and lays the country under water. Now one of two things,— either widen the passage to give egress to the waters, or store them up for irrigation purposes, preserves for fish, &c. The idea is not originally ours. It is the conviction of the much-injured and persecuted Portuguese author, Bento De Moura (born 1702), who proposed to construct a dam and form an enormous deposit of water, 20 leagues square, during the winter, so as to leave its rich deposits and manure on the land, and prepare it for cultivation in the summer. "Rivers," says Senhor de Moura, "bring down earth in proportion of 15 to 1 of sand. From 5 to 25 years, 1000 moios of earth would be deposited, and would produce 10,000 moios of grain, or in a few years the deposits would yield ten times their weight in grain."
Ou seja, no sentido inverso ao do Marquês, Bento de Moura tinha proposto construir uma barragem.
Isto é interessante, pois podemos ter uma ideia da consequência dessa barragem:
Por uma simples inspecção de altitude a 200 metros (as montanhas laterais ultrapassam os 300 m), o terreno formaria uma bacia natural que se estenderia até Idanha-a-Nova, criando um lago artificial... seria esta a ideia de Bento de Moura. Assim, se havia alguma represa natural de água, parece certo que o Marquês acabou com ela... e com um nível baixo, a navegabilidade ficou também comprometida, excepto para pequenas embarcações, conforme se pode ver nas gravuras.

As gravuras não mencionam o nome Ródão... o acrescento de Ródão a Vila Velha pareceu-nos ser posterior às invasões francesas, mas o registo de 1708 não deixa dúvidas sobre a origem anterior do nome. Não queremos deixar de notar uma associação fonética de Ródão a Ródano, e alguma semelhança na paisagem das Gargantas do Ródano (Rhône)... 
Gargantas do Ródano (imagem)

Castelo de Wamba
O rei visigodo Wamba (672-680) ficou ligado a uma antiga fortaleza, no monte norte das Portas do Ródão, da qual ainda se mantém uma torre quadrada interessante:
Torre de Wamba (Portas do Rodão)

A associação a Wamba é discutida, mas atendendo a que os visigodos tiveram o cuidado de renomear Idanha como Egitania, reconstruí-la depois da destruição sueva... e outros detalhes (Pinho Leal diz que Wamba seria natural da zona), mostrará o interesse que os visigodos tiveram pela região.

Com as Portas do Ródão fechadas ao Tejo, este formaria um lago interior que se estenderia até à zona de Idanha-a-Nova, e anteriormente talvez mesmo próximo de Idanha-a-Velha. Estas vilas que aparecem hoje como isoladas nos limites montanhosos da Serra da Estrela, poderiam ter tido um lago natural resultante da acumulação de águas do Tejo. Uma primeira cedência da rocha teria causado a deslocalização de Idanha-a-Velha para Idanha-a-Nova, mas a ideia de navegabilidade do Marquês teria terminado com qualquer ideia de recuperar o lago interno, conforme parecia pretender Bento de Moura.

Pinho Leal diz que "alguns" davam também o nome de Hircania a Idanha-a-Velha (que diz ser uma das primeiras vilas lusitanas, fundada c. 500 a.C.)... lembrando-nos que o mar Hircanio era exactamente a designação do Cáspio, não deixamos de ver aqui uma alusão a um mar interno. Egitania foi um bispado importante na época visigoda, e a cidade terá mudado de nome para Eydaia na época árabe, de onde viria o nome Idanha. A nova Idanha parece ser só mencionada já com D. Sancho I.

Serras
Sendo uma zona de grifos, e outras aves de rapina ou não, em belos parques naturais, não deixamos de mencionar outras "portas" semelhantes, na vizinha Extremadura espanhola.
--- O Parque Natural de Monfrague
Salto do Gitano - o Tejo no Parque Natural de Monfrague
--- Canchos de Ramiro

 
Canchos de Ramiro e ponte sobre o Alagon 
(afluente do Tejo) [imagens]

Ou seja, as portas do Ródão não são muito diferentes da paisagem que o Tejo e afluentes fazem ao "furar" as serras da Extremadura ou Alentejo.
E aqui convém mencionar a noção de "Serra"... porque é nestas formações que ela ganha sentido.
Estas formações características da Estremadura espanhola e portuguesa, ou do Alentejo, surgem como linhas montanhosas bem definidas como se pode ver no mapa (em cima, também na zona de Castelo de Vide/Marvão). São praticamente linhas montanhosas singulares cujos "dentes" são os picos oscilantes... e por isso têm verdadeira analogia com a noção de "serra", da lâmina de corte. A generalização desta palavra a qualquer conjunto montanhoso fez perder a particularidade destas formações quase laminares. Não havendo distinção particular entre o nome desta estrutura "de serra" e os conjuntos montanhosos, poupa-se qualquer justificação particular para a singularidade que estas montanhas exibem enquanto serras - linhas bem definidas de montanhas que aparecem como autênticos muros na paisagem.


Nota: (17/07/2011)
Texto consideravelmente reeditado e corrigido no dia seguinte, por nos ter escapado a menção a Vila Velha do Ródão na Corografia de António Carvalho da Costa, de 1708:
A Villa Velha de Ródão fica cinco léguas de Castelo-Branco para o Sul, & está fundada num tezo, que banha o rio Tejo: tem 160 vizinhos com uma Igreja Parroquial, Vigararia da Ordem de Christo, & Commenda, de que é Comendador o Conde de Atouguia; tem mais Casa da Misericordia, & uma Ermida de N. Senhora do Castelo, imagem milagrosa, aonde concorre em romaria muita gente do Alentejo, & de outras partes. O seu termo é fertil de pão, azeite, linho, & tem muita caça, & colmes, com algum vinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D