Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Detalhes

por desvela, em 12.01.13
Conforme tinha referido num post anterior, ao procurar nos ficheiros mais antigos, encontrei esta relação entre a rotação do mapa de Jorge Aguiar, de 1492 e as bandeiras assinaladas no globo de João de Lisboa.

Não é que dê muito relevo a esta associação, poderia ser casual. Só não achei que fosse casual porque havia também a relação na rotação do mapa de Pedro Reinel com a costa do México.
Não conheço outro mapa com uma costa parcial de África incrustrada, mas nos dois que existem (ambos do reinado de D. João II), encontram-se estas possíveis associações. Note-se ainda que as 3 árvores desenhadas no mapa de Jorge Aguiar são semelhantes às do mapa de Cantino, denotando a zona da Terra Nova.

Sobre os mapas de João de Lisboa já falei muitas vezes, pouco mais há a dizer.

Tenho só um pequeno detalhe a complementar este texto.
Imagino que os telómeros sejam vistos como um problema, porém há uma coisa óbvia:
- O universo só pode ter instâncias de si mesmo, em diversos níveis. 
Não há nada que apareça "sabe-se lá de onde"... nada se perde (essa noção resulta da nossa concepção/limitação temporal), e se há alguma que se transforma é a nossa compreensão - que afinal nada mais é do que uma instância que emergiu nesse mesmo universo. A complexificação é natural e imensa, e só parcialmente inteligível.

Desculpem-me este "depeche mode", mas dadas as evidências, pouco mais tenho a acrescentar neste contexto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55


Encoberto (22/12/2009)

por desvela, em 31.12.12
Depois do "Colombo", coloco aqui o quarto texto da série "Tese de Alvor-Silves", sob o título "Encoberto", conforme foi escrito há três anos. Creio que esta foi a primeira versão lançada em 22/12/2009, mas depois fiz algumas alterações e acabei por concatená-lo com o texto seguinte (denominado "Adamastor"), para suprimir as muitas opinações fruto do estilo que ia assumindo. Com a supressão do Knol, muitas das imagens já nem tinham ligação, e tive que recuperá-las em ficheiros gravados. Ao procurar nos ficheiros antigos, fui recuperando muitas coisas que escrevi e que deixei para trás. A mais interessante é a do mapa de Jorge Aguiar, que vou aqui colocar em breve.

Neste texto há dois detalhes sem grande importância, mas que quero referir, pois envolvem o programa de José Hermano Saraiva, que ainda passava na RTP-2. Foi nesta altura que o vi colocar a interrogação sobre a ideia do Infante D. Henrique no desembarque em Ceuta para um ataque terrestre a Tanger. Essa lenta progressão terrestre tinha sido a principal causa do desastre militar, que veio a sacrificar o Infante D. Fernando, que era quem comandava o ataque naval e não estava em perigo...
- Nessa altura estava bastante convencido (como é visível) de uma oposição política sobre a direcção das descobertas... de um lado o Ocidente oferecia-se a uma colonização, aparentemente mais pacífica, e pelo lado Oriental esperavam-se sangrentas batalhas, para a reconquista de Jerusalém (projecto antigo dos Templários, herdado na Ordem de Cristo). Este ideal da reconquista de Jerusalém prosseguia da Idade Média, passados vários séculos sobre a recuperação liderada por Saladino. Feito o Índico um mar cristão, abriria uma frente de ataque - pela rectaguarda, para entrada pelo Mar Vermelho e reconquista da Terra Santa. Tal plano seria seguido por D. Manuel, e executado admiravelmente por Afonso de Albuquerque, até à sua deposição. Nesta hipótese, a linha de acção da Casa de Viseu, iniciada pelo Infante D. Henrique, concretizada por D. Manuel, seria essa - a da cruzada templária a oriente. Por outro lado, a linha da Casa de Coimbra, iniciada pelo Infante D. Pedro, seria (por hipótese aqui colocada) a oposta... seria a de uma expansão colonial e comercial a Ocidente. A Casa de Coimbra tem o seu principal protagonista em D. João II, e a prova objectiva do seu interesse a Ocidente será o Brasil marcado em Tordesilhas. Preterido D. Jorge a D. Manuel na sucessão de D. João II, a sua Casa de Coimbra vê-se forçada a mudar de nome para Aveiro, e os partidários desse projecto de D. João II, ao governarem a Índia, vão esquecendo o objectivo de cruzada. Finalmente, a Casa de Bragança aparecia na sombra, tal como em Alfarrobeira, claramente opositora de Coimbra, representaria essencialmente a oposição a qualquer iniciativa, manobrando nos bastidores da corte. Acabará tanto por convidar a entrada de Filipe II como ser catapultada para o derrube de Filipe IV.
A ideia de que o Infante D. Henrique estaria mais motivado pela cruzada, do que pelas descobertas, ficou mais consolidada naquele programa, pela questão levantada por José Hermano Saraiva.
- O outro detalhe, ocorreu poucas semanas depois. Tendo mencionado o antigo relógio nas Caldas da Rainha, vi outro programa de José Hermano Saraiva que invocava um ainda mais antigo relógio de Serpa, e apesar deste estar datado de 1440, creio que ele o dava como mais antigo. Apresentava ainda, como curiosidade do Museu de Serpa, um relógio de navegação que, ao seu estilo, avisava ser francês... como se avisasse que tal prodígio não era suposto constar das nossas navegações.

Por outro lado, relendo o texto, devo avisar que a minha suspeita da utilização de um sistema de coordenadas local, zenital, baseado nas direcções que partiam das rosas-dos-ventos, e outros centros, se revelou à época menos promissora do que aparentava... verdade seja dita que também não tive vontade de inspeccionar mais. Ou seja, na altura, pareceu-me estranho que se desenhassem cartas mais imprecisas nos anos seguintes às descobertas, para além de muitas marcações, que estavam claramente erradas. Poderia ser só para despiste, mas tal como virando o Reinel se descobre em África um contorno Mexicano, pareceu-me ser natural que os mapas tivessem outros segredos. A pista de Pedro Nunes seria fundada no modo mais prático de navegação, ou seja seguindo as direcções locais que convinham aos "mareantes" pela sua posição. Poderia ser que escondessem num contorno impreciso do continente europeu, um contorno preciso de outras paragens... Mas a inspecção disso não é fácil, porque não é possível saber o que pretendiam representar, nem há mapas suficientes para o confirmar.
Já coloquei aqui a análise da Carta do Atlântico Norte para dar uma ideia do tipo de coisas que se podem procurar, mas terá pouco valor objectivo... a menos que seja para rebater interpretações mais mirabolantes feitas com outros mapas, nomeadamente o de Piri Reis.

O globo de João de Lisboa (que nos serve aqui de logotipo) é um claro exemplo de uso de coordenadas polares - com um só pólo, o pólo norte:
e já aqui fiz a conversão para aparecer como um planisfério típico:
Para que se perceba o trabalho envolvido nestas coisas, tive que assinalar manualmente cada pontinho na carta, para depois programar automaticamente a conversão que se vê.

Se aceitarmos que se trata de um mapa de 1514 e não uma adição feita até 1560 ao seu Tratado (cf. Cortesão), e já apresentámos várias provas, dará uma ideia parcial do que se sabia 5 anos antes da circum-navegação de Magalhães.

Depois, é claro, estas coisas são esquecidas, e como sabemos que não temos capacidade para coisas complicadas, aparece, passados 134 anos, em 1648, um francês de nome Louis de Mayerene Turquet, com a mesma representação centrada no pólo norte, reclamando a sua autoria:
La Nouvelle maniere de representer le Globe terrestre
... inventée par Louis de Mayerene Turquet 
(1648)

Repare-se que muito provavelmente Turquet não sabia da existência do mapa de João de Lisboa, tal como hoje a maioria dos estudos em cartografia que vemos parecem ignorar olimpicamente a maioria dos mapas constantes na Portugallia Monumenta Cartographica, lançada há mais de 50 anos... enfim, também parece que está esgotada.

Segue o texto, que me recorda o também o dia em que o contador do Knol "decidiu parar", e a que se devem dar os devidos descontos de entusiasmo, de quem tinha acabado de cair "na real":





Encoberto

ou seja, "o Encoberto" é o oposto "ao Descoberto".
 
Colombo pôs a descoberto a América à Europa. É verdade!... Só que des-cobrir não tem o mesmo significado que lhe damos hoje. Quando Colombo chegou, foi por onde os portugueses tinham carreiras regulares... esse foi o perigo da viagem dele - chegar lá sem ser Descoberto no caminho pelos Portugueses! Não conseguiu... de tal forma a coisa estava bem controlada!
Tese de ALVOR SILVES - Parte 4 de 7
22 de Dezembro de 2009


Mapas - Sem erros, mas com segredos
Quando olhamos para a Carta Portulana de Pedro Reinel, de 1484-85, parece ter um mapa de África! Pois parece... mas Pedro Nunes avisa-nos que não é bem assim, e chega mesmo a dizer:

"O outro género de informações é dos que notaram algumas alturas. Mas isto somente fizeram, nos lugares que estavam num mesmo paralelo, e isto também aproveitava pouco. O terceiro genero é o dos mareantes: os quais diz que não sabiam mais que as distâncias dos lugares, que a eles lhes parecia estarem norte-sul donde partiam; e os que estavam leste-oeste sabiam muito malporque isto era outrossim muito incerto (...)" 
Pedro Nunes - Tratado em Defensam da Carta de Marear (1537) 
(publicado depois de Carlos V de Espanha mandar queimar todas as Cartas Náuticas)

Este texto de Pedro Nunes serviu-me para confirmar um ligeiro detalhe que já tinha previamente reparado na carta de Pedro Reinel... voltando-a na direcção leste-oeste e não norte-sul... ou seja, RODANDO-A, obtemos, um contorno que se assemelha à costa Mexicana... até mesmo na zona de latitude onde essa costa deveria aparecer. Assim:
Carta "Pedro Reinel me fez" (1484)
 
(i) Detalhe da mesma Carta, depois de RODAR;  (ii) Costa do México.
Mais uma coincidência!... Mesmo que Pedro Nunes diga para virar a carta? Mas, tem havido quem se apresse a denegrir a capacidade náutica portuguesa, e principalmente até alguns portugueses. Quanto maior a erudição, maior será a inquisidora convicção, e Cortesão foi vítima disso!... Ainda há semanas vi um elogio a um outro artigo dos anos 1970, onde se denegria acentuadamente a capacidade de marcar latitudes e longitudes... É claro que enquanto se pensar que o relógio da Igreja da N. Sr. Pópulo nas Caldas da Rainha é um artefacto decorativo, e que os primeiros relógios mecânicos são certamente coisa de "génios estrangeiros", estaremos bem no nosso caminho!

Há coisas que parecem estar mal no mapa... de facto, para ficar mesmo bem teria que se retirar a Península Ibérica, tirar o contorno de Tunis, etc... Mas depois, quem visse os mapas não iria estranhar não estar a Península Ibérica?

E, ainda, se repararmos, há até bandeiras - que delimitam bem a zona de validade do contorno! E não só, permitem ainda datação... a bandeira moura em Espanha permite datar o mapa como anterior a 1492 - seguramente, e até como anterior a 1485 - data da conquista de Marbella. A datação aceite, e que se mantém (apesar de tentativas nacionais em sentido oposto)... é a de 1484-85. Pois, a informação nos mapas não é apenas decorativa... ou fruto de erro:  
Há um detalhe, que justifica distorções, que só percebi com Pedro Nunes. As cartas usavam coordenadas zenitais, semi-polares e locais... o nome é grande, mas quem for entendido perceberá um pouco do que quero dizer. É algo que eu nunca tinha visto, e usará conceitos mais próprios do séc. XIX, quase XX, na questão da utilização de representação cartográfica seccional. Não posso explicar aqui - todo o Tratado de Defensam da Carta de Marear, serve esse propósito encoberto! É claro que Pedro Nunes tenta argumentar dizendo que a representação planar é pior do que esta, mas é claro que não é compreendido! Ele "não conseguirá"... pois Mercator é que fica com os louros! 
    - As rosas-do-vento servem de pólos, para zénites a descoberto, de onde saem meridianos locais!
    - Há outros centros que servem de pólos, para zénites a encoberto!

Assim, a informação nos mapas, não é apenas a que está a descoberto... 
... há tanto, ou muito mais que está encoberto,
e que foi tomado por erro - é isso que Pedro Nunes tenta explicar! 
É por isso que o Mapa de Cantino (1502) tem deformações e é menos fiável... era apenas uma cópia para Alberto Cantino, um espião a serviço do Duque de Ferrara (... mas que nos foi muito útil).

Como foi possível a Pedro Nunes passar informação, sob olhares minuciosos da Inquisição?
Primeiro, tem a protecção do esclarecido Infante D. Luís, irmão de D. João III, mas depois Pedro Nunes tem mesmo que sair da Corte e de Lisboa! Só regressa, é claro, já com a protecção de Dom Sebastião... e, já velho, morre "naturalmente", logo a seguir à partida de D. Sebastião para o "massacre de Alcazar".

- É assim que é a feita a História de Portugal, de coincidências!
Mas não é só a de Portugal... este mapa apareceu exactamente em 1960, nuns Arquivos da (... Guiné, desculpem-me, Guiene, Aquitânia, ou seja:) Gironde, em Bordéus - numa altura em que a França acabava as suas pretensões colonialistas (na Guiné, cf. notas do Visconde de Carreira, séc. XIX).

- Também há mapas na Torre do Tombo?...Sim, mas mais recentes... por exemplo (& aleluia) existe a Biblioteca Nacional Digital, ainda que incompleta, tem já muita coisa! Aí encontrei outra pérola, chamada Livro de Marinharia. É atribuído a João de Lisboa, a quem são reportadas viagens até 1506, e morte em 1525.


(i) Representação polar semi-clássica

 
Livro de Marinharia - João de Lisboa (morte: 1525)
Note-se que há um quadrante que é vazio, na parte superior... por isso há claras indicações para a união nos 270º restantes, e os nomes coincidem de ambos os lados (p.ex. Japão).

É já muito próximo do que conhecemos hoje?... Pois é!
Ora como o Japão só foi descoberto em 1543, qualquer erudito conclui, que ou foi um bom palpite, ou então que o problema é datação do mapa, ou do autor. Resta justificar tanta clareza em tanta coisa... que só ficou clara muito depois, resta justificar o espaço em branco de 90º, que só torna mais difícil executar o mapa. Vejamos... poderia ser para cortar e fazer um cone? É uma resposta, mas talvez também queira significar que ainda estavam por marcar no globo 1/4 do restante conhecimento, que já se tinha...

E qual era o conhecimento que já se tinha? Deixamos Pedro Nunes falar por nós, pois não saberíamos fazer melhor. Começa logo a obra assim:
Eu fiz senhor tempo ha um pequeno tratado sobre certas dúvidas que trouxe Martim Afonso de Sousa, quando veio do Brasil. (...) Mas queira Deus suceder-me isto de sorte, que não seja necessário outro comento a este comento. Não já para Vossa Alteza [Infante Luís] a quem é tudo claro e tão notório (...)
Não há dúvida que as navegações deste reino, de 100 anos a esta parte são as maiores, mais maravilhosas, de mais altas e discretas conjecturas que as de nenhuma outra gente no mundo. 
Os Portugueses ousaram cometer o grande mar Oceano. Entraram por ele sem nenhum receio. Descobriram novas ilhas, novas terras, novos mares, novos povos e o que mais é novo céu e novas estrelas. 
E perderam-lhe tanto o medo que nem há grande quentura da torrada zona, nem o descompassado frio da extrema parte do sul, com que os antigos escritores nos ameaçavam lhes poder estorvar, que, perdendo a estrela norte e tornando-a a cobrar, descobrindo e passando o temeroso Cabo da Boa Esperança, o mar de Ethiopia, de Arabia, de Persia, poderam chegar à India. 
Passaram o rio Ganges tão nomeado, a grande Trapobana, e as ilhas mais orientais. Tiraram-nos muitas ignorâncias e amostraram-nos ser a terra maior que o mar, e haver aí Antípodas, que até os Santos duvidaram, e não há região, que nem por quente nem por fria se deixe de habitar. E que num mesmo clima e igual distância da equinocial: há homens brancos e pretos e de muitas diferentes qualidades. 
E fizeram o mar tão chão que não há hoje quem ouse dizer que achasse novamente alguma pequena ilha, alguns baixos, ou se quer algum penedo, que por nossas navegações não seja já descoberto. Ora manifesto é que estes descobrimentos de coisas, não se fizeram indo acertar, mas partiam os nossos mareantes muito ensinados e providos de instrumentos e regras de astrologia e geometria, que são coisas que os cosmógrafos hão-de andar apercebidos, segundo diz Ptolomeu no primeiro livro da sua Geografia.
--------------

(in Tratado da Defensam da Carta de Marear, 1537)...
para detalhes, transcrição da Revista de Engenharia Militar -1911

Fiz alguns destaques... para que se note mesmo!

(i) Passados muitos anos... "Deus deu-nos a sorte" de ter resistido até hoje! Mesmo assim note-se que Pedro Nunes está sob controlo da Inquisição. O Infante Luís só o protege até onde pode, e nem o Rei Dom João III terá completo controlo sobre o problema... do outro lado está Carlos V e não só!

(ii) Dificilmente se poderá dizer que há um descompassado frio na extrema parte sul de África, mas o mesmo não se poderá dizer da extrema parte sul da América... onde está o Cabo Horn.

(iii) A Trapobana é associada ao Ceilão, a tal ilha que tem Colombo como capital... Será que, quando se nomeia a Índia, se pode falar numa grande Trapobana como sendo o Ceilão... Madagáscar não é maior? Não será mais adequado começar a pensar que Trapobana foi, isso sim, a Austrália?

(iv) Depois, Pedro Nunes, em 1537, reclama um descobrimento absoluto... de toda a Terra, antes desconhecida. Estamos em 1537... e de facto, não é fácil encontrar "grandes descobridores" nomeados e honrados por isso, no Séc. XVI. A questão colocou-se só depois... Depois, tudo o que não constava, explicitamente declarado, era considerado "encoberto", e assim poderia ser "descoberto". Demorou algum tempo, de facto! Pelo menos, até Cook, final do séc. XVIII, e ainda assim temos que excluir as viagens polares, séc. XIX. Demorou a realizar em 300 anos, o que de acordo com Pedro Nunes (eu nem me atreveria a tanto...), tinha sido feito pelos portugueses em 100 anos.
Os ingleses mantiveram parte do acordo de cavaleiros, mas não na memória, só nas terras que consideraram pertencer-lhes. Os dinamarqueses só reclamaram a Gronelândia, que por múltiplas razões lhes deveria pertencer! Quem saberá a estória? Todos os intervenientes... quiçá, excepto nós!

(v) Finalmente, retira aquela ideia propagandeada de que se descobriam coisas acidentalmente.
Não houve nada acidental!

Pelos vistos, estas afirmações não chegam!
Foi publicado oficialmente numa Revista Militar de 1911... estamos já na altura da República!
Há, de facto, outras maneiras, de manter uma História submersa... e acontece ao confiar numa divulgação local e muito controlada.


(ii) Representação da América Central
Ainda, no Livro de Marinharia, encontramos outra pérola. Já é tardia... mas ainda está lá! 
Cabo "Sagre" no Panamá (no quadrado verde),

um detalhe do Mapa maior:
Livro de Marinharia - mapa da América Central (< 1525)

Antes de comentar a questão do Cabo Sagres...
Repare-se que o mapa é antigo, ao ponto de colocar bandeiras, assinalando possessões nacionais.... e em castelos, onde?
- Na Colômbia e no Perú, junto aos Incas!
Coisa estranha??
Não... basta lembrar o Castelo de S. Jorge da Mina.
Recapitulemos:
(i) ... de onde nos chegava o ouro? ... do Benim, do Congo?
(ii) Sim, e onde eram essas terras?
Houve ouro vindo de lá, depois de lá chegarem os espanhóis, por exemplo, com D. João III?
De onde veio o declínio do Império Português?

Ou, será que, com o Tratado de Tordesilhas, tudo acabou... ou melhor, foi acabando. Houve uma transição até 1520... ano em que subitamente os Espanhóis estão preparados para tomar conta das coisas. Dá que pensar?

Então, regressemos ao Cabo Sagres!- Há um Cabo Sagres em Portugal, todos o conhecemos!- Havia um Cabo Sagres em África, menos o sabem, mas era na Guiné-Conacri, e consta noutros mapas oficiais, isso é reconhecido!- Agora há também um Cabo Sagres no Panamá... e não adiantará dizer que é Sangre, ou semelhante despiste, pois foi renomeado "Graças a Dios"... é claro, assim notou-se menos!

- O que é interessante?
(i) os cabos americano e africano estão ~ sobre o mesmo paralelo;
(ii) os cabos português e africano estão ~ sobre o mesmo meridiano;
(iii) aí terminam as "navegações" atribuídas ao Infante D. Henrique.

- Há ainda outros dados, mas ficam para mais tarde, se necessário!
Detalhe: Sagres - Sacro pagão... mas também SACRE >> ACRE (Terra Santa), ACRA (África).

 
Talant de bien faire
O Infante D. Henrique usava esta frase como divisa (antes de Tanger, terá usado IDA... iniciais de Infante Dom Anrique, pela sua vontade de conquistar - Tanger, ou Jerusalém?). Frei Luís de Sousa (séc. XVII) classificou a divisa como "duas pirâmides dos antigos reis do Egipto", e encontram-se no livro perdido de Zurara (só recuperado no séc. XIX, em França...):


Divisa do Infante D. Henrique

Talant de bien faire, significaria vontade de bem fazer, mas o "e" falta em talent, pois não se trataria de talento, nem de vontade.
Há de facto dois hemisférios... poderá ver-se uma pirâmide em cada um deles, e até no topo há quem veja um "olho" na pirâmide oriental - onde é que eu já vi este símbolo (... sem ser na nota de 1 dólar)?
Na pirâmide ocidental, é claro, o "olho" descai para Oriente. E depois, vamos brincar um pouco aos anagramas:
TALANT >>ATLANT
FAI'RE >>AFRI'E
Nada mal? Num hemisfério, uma pirâmide atlântica, no outro uma africana.
Mas, para Henrique, o BIEN, o Bem, é claro... era pelo lado Oriental, pelo lado da Cruzada.

- Ao contrário, o irmão Infante Dom Pedro, deixou uma Balança, uma doce Lira, conforme designa Camões, equilibrada... e um desejo - DÉSIR... e depois surgirão outros, que assim foram "o Desejado"!

- Também D. João II procura o equilíbrio, de um lado, para equilibrar a balança está o seu sangue de Pelicano, que retira do corpo, para alimentar os seus filhos - o povo! Do outro lado, não está nada... deveria de estar qualquer coisa - e passa por ser um Camaroeiro, mas nada está! Nem precisará estar, a balança pende naturalmente para as casas Viseu-Bragança, o lado Coimbra-Aveiro vai pagar sempre por isso!

Como vimos, e note-se bem - isto não é uma questão de herança sanguínea, é uma questão de herança cultural (e de medo)! O Infante D. Luís ou D. Sebastião pertencem claramente à Casa Viseu, e por boa vontade, tentam colocar-se do outro lado da balança... mas só conseguem passar informação, nada mais! Da mesma forma, e não querendo falar desse período mais confuso (Séc. XIX), é perfeitamente verosímil que o rei D. Carlos, dada a proximidade com Eduardo VII de Inglaterra, tivesse perfeitamente compreendido as razões do acordo do mapa-cor-de-rosa... ainda que assim, como poderia ele revelar à nação todo esse encobrimento anterior?


Colômbia
A Colômbia tem uma particularidade interessante... Chegou a ser pensada para a travessia Atlântica-Pacífica, em vez do Canal do Panamá....Porquê? - porque tem no seu Rio Atrato, um rio muito navegável.
No final desse Rio Atrato, encontramos uma cidade, chamada Quibdó, e outra mais pequena chamada "IstMina"... estou a fazer ênfase no "Mina", mas seria possível também fazer no "Istmo" (acompanhando o Rio S. Juan até à foz em Buenaventura).

Mas, vejam-se as coincidências... e estão longe de acabar aqui - há um navegador português chamado Pêro Escobar (há muita gente em Portugal com o nome Escobar?... e na Colômbia?), que está associado às navegações da Mina, e à descoberta de São Tomé, sob o serviço de Fernão Gomes.
Ora esse serviço requeria efectivamente muita mão de obra, de origem africana.
Para trabalhar onde?
Qual é o país do continente americano hispânico que tem mais população de origem africana - a Colômbia (e parte da Venezuela), de longe! Nos restantes países dificilmente sabemos da sua presença.
- O que se terá passado?
Essa mão de obra seria usada no serviço da Mina, e era tanta, que não pode regressar ou sair da Colômbia, fica lá! Depois, houve sempre uma separação entre Portugal e Espanha, e de facto os escravos negros só muito pontualmente foram usados pelos espanhóis noutros locais... falta explicar algumas Antilhas, mas isso é outra estória, ainda anterior.


Os paralelos como referência
O que serve de referência para relatar Descobertas/Encobertas?...Normalmente, nas descrições de Zurara e de Duarte Pacheco Pereira, são os paralelos.Ou seja, a cada descrição em África, corresponde uma descrição na América, mas pode haver sobreposição.

Os termos "mouro", ou "negro" pouco significam... em Portugal era frequente dizer-se, indistintamente, que coisas anteriores à era cristã eram "mouras", sem se referirem a "sarracenos".Da mesma forma "negro" pode ser visto como alguém que não foi iluminado pela fé de Deus, não é tanto negro de cor, mas mais negro de alma... ou seja, poderá não ter religião organizada.Assim, é possível seguir as descrições dos autores, sem preconceitos, ou pré-julgamentos, de localização geográfica. E depois, bate tudo certo! Ou seja, percebe-se o que os autores nos queriam transmitir.

A coisa está de tal forma intrincada, que D. Afonso V achou bem oferecer uma cópia das Crónicas da Guiné de Zurara, ao Rei de Nápoles, seu familiar. Duarte Pacheco Pereira, é mais explícito... mas igualmente intrincado, já que a certa altura é mais difícil perceber quando fala de África ou da América. - Usa uma numeração dos Itens para auxílio...

Depois, é claro, alguns nomes vão mudando... uma designação para Zurara, não é necessariamente a mesma de Pacheco Pereira, pois o nome já é outro. É preciso abstrairmo-nos de preconceitos, pegar num mapa, e ir descendo a Costa Americana, de acordo com as latitudes.Mas, não é assim tão difícil, e é surpreendente!

O problema do Bojador
Ou seja, é mais ou menos fácil perceber que as coisas começam depois de Gil Eanes ter coordenado uma grande expedição - exploratória da América - até 1434, que deve ter demorado quase 12 anos... pelo menos é disso que se queixa Henrique!

Quando os portugueses perceberam que passar o continente não era possível, dentro de latitudes razoáveis, o Infante Dom Henrique terá tido luz verde para avançar com o projecto Oriental, por parte do seu irmão, o Rei D. Duarte.

O problema, o "cabo", Bojador está dobrado! ... ou, dito doutra forma, que sentido faria parar as navegações e atacar Tanger de seguida?

Entre 1435 e 1440 não aparecem outros registos de navegações, é tempo de cruzadas, e do desastre de Tanger, em 1437.
- Apesar de Tanger ser costeira, a invasão vai ser por terra, partindo de Ceuta. Porquê?
Que eu saiba, ninguém tem justificação para esta estratégia do Infante Dom Henrique...Ora, no sentido de ser preparatória à Cruzada (... à IDA), contornando África, ele usa Tanger como simulação para mostrar que será perfeitamente possível, a partir de um ponto terrestre marchar por um terreno difícil, e atingir Jerusalém. Precisa do apoio dos aliados... e assim julgará convencê-los.

Não consegue, é derrotado!... Tem uma escapatória, o apoio por mar do irmão Fernando. É esse que ele escolhe para o substituir como refém, é esse que será o Infante Santo para manter Ceuta.

Há um claro trauma nacional, durante o cativeiro do Infante Santo, e faz-se ainda uma tentativa armada de resgate... mas sem sucesso. Como D. Duarte morre e há um problema na regência, pela menoridade de D. Afonso IV, a mãe aragonesa é rapidamente exilada - teria que ser, havia demasiados segredos em jogo, para qualquer conhecimento de Aragão! Nesse ponto, os irmãos Henrique e Pedro estão de acordo!


Infante Dom Pedro
- O Infante Dom Pedro, mais velho, assume a regência em 1439, e é o primeiro período de ouro, que marcará o que se passará de seguida. Haverá colaboração com Henrique, nesta nova empresa.
É o primeiro período de ouro - literalmente!
É o tempo das caravelas... rápidas na ligação com a América.
Se Gil Eanes se teria preocupado com a ligação ocidental até 1434, sem entrar no continente, navegando pela costa, a partir daí vão começar os contactos.

Logo de início, por Gil Eanes e Afonso Baldaia (1440) - os registos começam aí com Zurara (que escreve "sob orientação científica do Infante Dom Henrique", já depois de Pedro morrer).
Depois, é uma sucessão de nomes em África, que nenhuma importância aí têm, mas que se percebe terem importância - à mesma latitude - na América, por exemplo - o Rio do Ouro (que quase nem é rio, em África).

A costa vai descendo, Arguim, Tider, Ergim, invocando povos em ilhas que não passam de bancos de areia... em África. Do outro lado, na América, é só difícil saber exactamente que ilhas se tratam, em Zurara... já com Pacheco Pereira, é mais fácil.

É aqui que começa a atribuir a chegada do ouro aos "mercadores do deserto"... é a necessidade de fazer uma Feitoria em Arguim. É tempo dos Azenagues! Mas... onde se passará tudo isto? Porque não, do outro lado, no mesmo paralelo, no México, com os Aztecas?

O Infante Dom Pedro pode ter sido um excelente governante (a nível interno e externo), mas também beneficiou desta pequena dádiva de ouro, caída dos céus!

Mas toda essa estória fica para depois... Seguimos usando a descrição de Duarte Pacheco Pereira.

Cabo Verde
Chega-se a Cabo Verde. E a que corresponde o Cabo Verde?
Nada mais nada menos, do que à grande península do Iucatão...Porquê?... Porque a Costa Africana segue, mas à mesma latitude, a Americana não!
Qual é a brilhante ideia?
É que as ilhas de Cabo Verde irão ser associadas a Grandes Antilhas.
Assim, temos seguramente São Tiago = Cuba, depois as restantes, também não é difícil...
É por isso que o Cabo Verde, aparece como um grande Cabo deformado nos mapas... por isso aparece uma rosa-dos-ventos, o zénite, para justificar a distorção polar... e tantas outras coisas, por exemplo, é aqui que se faz a distinção entre Etiópia Superior e Etiópia Inferior... e depois a outra, a Etiópia Sob-Egipto, a que ele considera africana.
- Onde seguimos?
O próximo ponto possível, compatível com outras latitudes no continente Africano é, sem dúvida, localizado nas Honduras, na "Etiópia Inferior". Teremos aí outro ponto de referência.

Nicarágua
O nome mais importante que se segue, é o Rio Canágua... que depois é renomeado convenientemente:

Canágua >> Çanaga >> Senegal
conforme vai constando nas cartas!Do outro lado, o que temos?
Temos, exactamente a Nicarágua... e vejamos, a coisa não fica por aqui!
Como nomeia um chefe local? Trata-se do chefe Nicarao... Nicarao+Canágua ~ Nicarágua estamos ou não próximo de Nicarágua, cuja capital é Manágua? Sim!

Podemos ter mais umas coincidências... certíssimo!!
Mas então olhemos a descrição de um grande lago entrando no Canágua:
Temos uma lagoa com "32 por 12 léguas", falamos de 188Km por 72Km... dimensões exactas para o Lago da Nicarágua....
Não encontramos nada semelhante a isso no Rio Senegal! O lago Guier será de facto uma lagoa comparado com isto!
Convém ainda notar que a resistência à colonização espanhola foi muito prolongada, na zona da Nicarágua, e por isso não terá sido possível uma imediata renomeação...

Panamá e Sagres
Depois, de facto, vamos encontrar uma Serra Leoa... que será Leoa, no correspondente Panamá, pois impedirá a progressão para Ocidente.É a grande cadeia montanhosa do Panamá que liga a América do Sul à do Norte.Mais uma vez a Costa volta a subir, e o contorno americano não acompanha o africano...É tempo dos contornos ocidentais darem lugar aos orientais...

Resumo do paralelismo nas descrições de Duarte Pacheco e Zurara.
(nova inclusão: a 27/12/2009)
É aqui que pode recomeçar o projecto Oriental. É aqui que ficará o Cabo Sagres, conforme referido por Duarte Pacheco Pereira. É aqui que termina a colaboração do Infante Dom Henrique com o irmão Dom Pedro.

Segue-se a luta interna... com um Duque de Bragança a influenciar o jovem Afonso IV.É aqui que esse jovem rei decide humilhar o tio, pai da sua mulher. É tempo de Alfarrobeira, é tempo do Infante Dom Pedro morrer, para dar lugar às novas conquistas para a Cruzada, contra os infiéis. É tempo desse jovem rei conquistar praças africanas, até que o Infante Dom Henrique morre, e há uma nova esperança desejada - chama-se D. João II, acima de tudo, neto de Dom Pedro. Do outro lado, há uma Spera que se acentua, especialmente depois da conquista de Arzila e de Tanger, no tal Dia de São Bartolomeu.


Encoberto e Desejado
O grande feito ocidental foi encoberto e será tempo de esperar pelo primeiro "Desejado", cumprindo o Désir de Pedro.
- Do Pedro que o povo canta e que coloca uma fonte com o seu nome em Coimbra, pelos amores que lhe tem, conforme dirá Camões, que a isso junta ninfas do Mondego;
- Do Pedro, avô de Joane, que Gil Vicente coloca contra o Sapateiro da Candosa, contra o Rachador de Alverca - ou melhor, Alfarrobeira.

É o Pedro, desejado, do sonho ocidental, do sonho americano, colonizador...
Será esse Pedro que o povo amou ao ponto de nos deixar uma infinita melancolia de séculos. Por ser tão amado poderá aparecer, até como um Gigante Adamastor em D. João II, mas também como um Trágico Massacrado em D. Sebastião. Num ponto são comuns, os desejados desaparecem... até não mais aparecerem!

Um Désir, que afinal sempre esperámos depois do séc. XVI, e que o Padre António Vieira tornou claro não ser representado por D. João IV... (... a ser alguém, seria muito mais a sua mulher, a Rainha Luísa de Guzman, descendente de Ana de la Cerda e do português Rui Gomes da Silva "o Rei Gomez", príncipes de Eboli... mas isso é outra estória!)

Mas "o Encoberto" é também o contrário "do Descoberto", é a mensagem que fica presa a um nevoeiro, cada vez mais espesso, onde só nos chegam pequenos sinais... suficientes para uma eterna inquietação, de fantasmas que sepultámos mal, e que pedem que lhes seja honrada a memória!

Há só uma História? Ou há a Estória que deixa registos, que apaga registos, e que às vezes deixa pontas soltas... até que apareça alguém a assinalar, e depois se volte tudo a colar, durante mais alguns séculos. Tem sido assim! Neste momento, o que é preciso é rever o inacreditável, e que haja então quem invente outra Estória, melhor que esta, que cole todas coincidências de forma mais verosímel.




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:34


Encoberto (22/12/2009)

por desvela, em 30.12.12
Depois do "Colombo", coloco aqui o quarto texto da série "Tese de Alvor-Silves", sob o título "Encoberto", conforme foi escrito há três anos. Creio que esta foi a primeira versão lançada em 22/12/2009, mas depois fiz algumas alterações e acabei por concatená-lo com o texto seguinte (denominado "Adamastor"), para suprimir as muitas opinações fruto do estilo que ia assumindo. Com a supressão do Knol, muitas das imagens já nem tinham ligação, e tive que recuperá-las em ficheiros gravados. Ao procurar nos ficheiros antigos, fui recuperando muitas coisas que escrevi e que deixei para trás. A mais interessante é a do mapa de Jorge Aguiar, que vou aqui colocar em breve.

Neste texto há dois detalhes sem grande importância, mas que quero referir, pois envolvem o programa de José Hermano Saraiva, que ainda passava na RTP-2. Foi nesta altura que o vi colocar a interrogação sobre a ideia do Infante D. Henrique no desembarque em Ceuta para um ataque terrestre a Tanger. Essa lenta progressão terrestre tinha sido a principal causa do desastre militar, que veio a sacrificar o Infante D. Fernando, que era quem comandava o ataque naval e não estava em perigo...
- Nessa altura estava bastante convencido (como é visível) de uma oposição política sobre a direcção das descobertas... de um lado o Ocidente oferecia-se a uma colonização, aparentemente mais pacífica, e pelo lado Oriental esperavam-se sangrentas batalhas, para a reconquista de Jerusalém (projecto antigo dos Templários, herdado na Ordem de Cristo). Este ideal da reconquista de Jerusalém prosseguia da Idade Média, passados vários séculos sobre a recuperação liderada por Saladino. Feito o Índico um mar cristão, abriria uma frente de ataque - pela rectaguarda, para entrada pelo Mar Vermelho e reconquista da Terra Santa. Tal plano seria seguido por D. Manuel, e executado admiravelmente por Afonso de Albuquerque, até à sua deposição. Nesta hipótese, a linha de acção da Casa de Viseu, iniciada pelo Infante D. Henrique, concretizada por D. Manuel, seria essa - a da cruzada templária a oriente. Por outro lado, a linha da Casa de Coimbra, iniciada pelo Infante D. Pedro, seria (por hipótese aqui colocada) a oposta... seria a de uma expansão colonial e comercial a Ocidente. A Casa de Coimbra tem o seu principal protagonista em D. João II, e a prova objectiva do seu interesse a Ocidente será o Brasil marcado em Tordesilhas. Preterido D. Jorge a D. Manuel na sucessão de D. João II, a sua Casa de Coimbra vê-se forçada a mudar de nome para Aveiro, e os partidários desse projecto de D. João II, ao governarem a Índia, vão esquecendo o objectivo de cruzada. Finalmente, a Casa de Bragança aparecia na sombra, tal como em Alfarrobeira, claramente opositora de Coimbra, representaria essencialmente a oposição a qualquer iniciativa, manobrando nos bastidores da corte. Acabará tanto por convidar a entrada de Filipe II como ser catapultada para o derrube de Filipe IV.
A ideia de que o Infante D. Henrique estaria mais motivado pela cruzada, do que pelas descobertas, ficou mais consolidada naquele programa, pela questão levantada por José Hermano Saraiva.
- O outro detalhe, ocorreu poucas semanas depois. Tendo mencionado o antigo relógio nas Caldas da Rainha, vi outro programa de José Hermano Saraiva que invocava um ainda mais antigo relógio de Serpa, e apesar deste estar datado de 1440, creio que ele o dava como mais antigo. Apresentava ainda, como curiosidade do Museu de Serpa, um relógio de navegação que, ao seu estilo, avisava ser francês... como se avisasse que tal prodígio não era suposto constar das nossas navegações.

Por outro lado, relendo o texto, devo avisar que a minha suspeita da utilização de um sistema de coordenadas local, zenital, baseado nas direcções que partiam das rosas-dos-ventos, e outros centros, se revelou à época menos promissora do que aparentava... verdade seja dita que também não tive vontade de inspeccionar mais. Ou seja, na altura, pareceu-me estranho que se desenhassem cartas mais imprecisas nos anos seguintes às descobertas, para além de muitas marcações, que estavam claramente erradas. Poderia ser só para despiste, mas tal como virando o Reinel se descobre em África um contorno Mexicano, pareceu-me ser natural que os mapas tivessem outros segredos. A pista de Pedro Nunes seria fundada no modo mais prático de navegação, ou seja seguindo as direcções locais que convinham aos "mareantes" pela sua posição. Poderia ser que escondessem num contorno impreciso do continente europeu, um contorno preciso de outras paragens... Mas a inspecção disso não é fácil, porque não é possível saber o que pretendiam representar, nem há mapas suficientes para o confirmar.
Já coloquei aqui a análise da Carta do Atlântico Norte para dar uma ideia do tipo de coisas que se podem procurar, mas terá pouco valor objectivo... a menos que seja para rebater interpretações mais mirabolantes feitas com outros mapas, nomeadamente o de Piri Reis.

O globo de João de Lisboa (que nos serve aqui de logotipo) é um claro exemplo de uso de coordenadas polares - com um só pólo, o pólo norte:
e já aqui fiz a conversão para aparecer como um planisfério típico:
Para que se perceba o trabalho envolvido nestas coisas, tive que assinalar manualmente cada pontinho na carta, para depois programar automaticamente a conversão que se vê.

Se aceitarmos que se trata de um mapa de 1514 e não uma adição feita até 1560 ao seu Tratado (cf. Cortesão), e já apresentámos várias provas, dará uma ideia parcial do que se sabia 5 anos antes da circum-navegação de Magalhães.

Depois, é claro, estas coisas são esquecidas, e como sabemos que não temos capacidade para coisas complicadas, aparece, passados 134 anos, em 1648, um francês de nome Louis de Mayerene Turquet, com a mesma representação centrada no pólo norte, reclamando a sua autoria:
La Nouvelle maniere de representer le Globe terrestre
... inventée par Louis de Mayerene Turquet 
(1648)

Repare-se que muito provavelmente Turquet não sabia da existência do mapa de João de Lisboa, tal como hoje a maioria dos estudos em cartografia que vemos parecem ignorar olimpicamente a maioria dos mapas constantes na Portugallia Monumenta Cartographica, lançada há mais de 50 anos... enfim, também parece que está esgotada.

Segue o texto, que me recorda o também o dia em que o contador do Knol "decidiu parar", e a que se devem dar os devidos descontos de entusiasmo, de quem tinha acabado de cair "na real":





Encoberto

ou seja, "o Encoberto" é o oposto "ao Descoberto".
 
Colombo pôs a descoberto a América à Europa. É verdade!... Só que des-cobrir não tem o mesmo significado que lhe damos hoje. Quando Colombo chegou, foi por onde os portugueses tinham carreiras regulares... esse foi o perigo da viagem dele - chegar lá sem ser Descoberto no caminho pelos Portugueses! Não conseguiu... de tal forma a coisa estava bem controlada!
Tese de ALVOR SILVES - Parte 4 de 7
22 de Dezembro de 2009


Mapas - Sem erros, mas com segredos
Quando olhamos para a Carta Portulana de Pedro Reinel, de 1484-85, parece ter um mapa de África! Pois parece... mas Pedro Nunes avisa-nos que não é bem assim, e chega mesmo a dizer:

"O outro género de informações é dos que notaram algumas alturas. Mas isto somente fizeram, nos lugares que estavam num mesmo paralelo, e isto também aproveitava pouco. O terceiro genero é o dos mareantes: os quais diz que não sabiam mais que as distâncias dos lugares, que a eles lhes parecia estarem norte-sul donde partiam; e os que estavam leste-oeste sabiam muito malporque isto era outrossim muito incerto (...)" 
Pedro Nunes - Tratado em Defensam da Carta de Marear (1537) 
(publicado depois de Carlos V de Espanha mandar queimar todas as Cartas Náuticas)

Este texto de Pedro Nunes serviu-me para confirmar um ligeiro detalhe que já tinha previamente reparado na carta de Pedro Reinel... voltando-a na direcção leste-oeste e não norte-sul... ou seja, RODANDO-A, obtemos, um contorno que se assemelha à costa Mexicana... até mesmo na zona de latitude onde essa costa deveria aparecer. Assim:
Carta "Pedro Reinel me fez" (1484)
 
(i) Detalhe da mesma Carta, depois de RODAR;  (ii) Costa do México.
Mais uma coincidência!... Mesmo que Pedro Nunes diga para virar a carta? Mas, tem havido quem se apresse a denegrir a capacidade náutica portuguesa, e principalmente até alguns portugueses. Quanto maior a erudição, maior será a inquisidora convicção, e Cortesão foi vítima disso!... Ainda há semanas vi um elogio a um outro artigo dos anos 1970, onde se denegria acentuadamente a capacidade de marcar latitudes e longitudes... É claro que enquanto se pensar que o relógio da Igreja da N. Sr. Pópulo nas Caldas da Rainha é um artefacto decorativo, e que os primeiros relógios mecânicos são certamente coisa de "génios estrangeiros", estaremos bem no nosso caminho!

Há coisas que parecem estar mal no mapa... de facto, para ficar mesmo bem teria que se retirar a Península Ibérica, tirar o contorno de Tunis, etc... Mas depois, quem visse os mapas não iria estranhar não estar a Península Ibérica?

E, ainda, se repararmos, há até bandeiras - que delimitam bem a zona de validade do contorno! E não só, permitem ainda datação... a bandeira moura em Espanha permite datar o mapa como anterior a 1492 - seguramente, e até como anterior a 1485 - data da conquista de Marbella. A datação aceite, e que se mantém (apesar de tentativas nacionais em sentido oposto)... é a de 1484-85. Pois, a informação nos mapas não é apenas decorativa... ou fruto de erro:  
Há um detalhe, que justifica distorções, que só percebi com Pedro Nunes. As cartas usavam coordenadas zenitais, semi-polares e locais... o nome é grande, mas quem for entendido perceberá um pouco do que quero dizer. É algo que eu nunca tinha visto, e usará conceitos mais próprios do séc. XIX, quase XX, na questão da utilização de representação cartográfica seccional. Não posso explicar aqui - todo o Tratado de Defensam da Carta de Marear, serve esse propósito encoberto! É claro que Pedro Nunes tenta argumentar dizendo que a representação planar é pior do que esta, mas é claro que não é compreendido! Ele "não conseguirá"... pois Mercator é que fica com os louros! 
    - As rosas-do-vento servem de pólos, para zénites a descoberto, de onde saem meridianos locais!
    - Há outros centros que servem de pólos, para zénites a encoberto!

Assim, a informação nos mapas, não é apenas a que está a descoberto... 
... há tanto, ou muito mais que está encoberto,
e que foi tomado por erro - é isso que Pedro Nunes tenta explicar! 
É por isso que o Mapa de Cantino (1502) tem deformações e é menos fiável... era apenas uma cópia para Alberto Cantino, um espião a serviço do Duque de Ferrara (... mas que nos foi muito útil).

Como foi possível a Pedro Nunes passar informação, sob olhares minuciosos da Inquisição?
Primeiro, tem a protecção do esclarecido Infante D. Luís, irmão de D. João III, mas depois Pedro Nunes tem mesmo que sair da Corte e de Lisboa! Só regressa, é claro, já com a protecção de Dom Sebastião... e, já velho, morre "naturalmente", logo a seguir à partida de D. Sebastião para o "massacre de Alcazar".

- É assim que é a feita a História de Portugal, de coincidências!
Mas não é só a de Portugal... este mapa apareceu exactamente em 1960, nuns Arquivos da (... Guiné, desculpem-me, Guiene, Aquitânia, ou seja:) Gironde, em Bordéus - numa altura em que a França acabava as suas pretensões colonialistas (na Guiné, cf. notas do Visconde de Carreira, séc. XIX).

- Também há mapas na Torre do Tombo?...Sim, mas mais recentes... por exemplo (& aleluia) existe a Biblioteca Nacional Digital, ainda que incompleta, tem já muita coisa! Aí encontrei outra pérola, chamada Livro de Marinharia. É atribuído a João de Lisboa, a quem são reportadas viagens até 1506, e morte em 1525.


(i) Representação polar semi-clássica

 
Livro de Marinharia - João de Lisboa (morte: 1525)
Note-se que há um quadrante que é vazio, na parte superior... por isso há claras indicações para a união nos 270º restantes, e os nomes coincidem de ambos os lados (p.ex. Japão).

É já muito próximo do que conhecemos hoje?... Pois é!
Ora como o Japão só foi descoberto em 1543, qualquer erudito conclui, que ou foi um bom palpite, ou então que o problema é datação do mapa, ou do autor. Resta justificar tanta clareza em tanta coisa... que só ficou clara muito depois, resta justificar o espaço em branco de 90º, que só torna mais difícil executar o mapa. Vejamos... poderia ser para cortar e fazer um cone? É uma resposta, mas talvez também queira significar que ainda estavam por marcar no globo 1/4 do restante conhecimento, que já se tinha...

E qual era o conhecimento que já se tinha? Deixamos Pedro Nunes falar por nós, pois não saberíamos fazer melhor. Começa logo a obra assim:
Eu fiz senhor tempo ha um pequeno tratado sobre certas dúvidas que trouxe Martim Afonso de Sousa, quando veio do Brasil. (...) Mas queira Deus suceder-me isto de sorte, que não seja necessário outro comento a este comento. Não já para Vossa Alteza [Infante Luís] a quem é tudo claro e tão notório (...)
Não há dúvida que as navegações deste reino, de 100 anos a esta parte são as maiores, mais maravilhosas, de mais altas e discretas conjecturas que as de nenhuma outra gente no mundo. 
Os Portugueses ousaram cometer o grande mar Oceano. Entraram por ele sem nenhum receio. Descobriram novas ilhas, novas terras, novos mares, novos povos e o que mais é novo céu e novas estrelas. 
E perderam-lhe tanto o medo que nem há grande quentura da torrada zona, nem o descompassado frio da extrema parte do sul, com que os antigos escritores nos ameaçavam lhes poder estorvar, que, perdendo a estrela norte e tornando-a a cobrar, descobrindo e passando o temeroso Cabo da Boa Esperança, o mar de Ethiopia, de Arabia, de Persia, poderam chegar à India. 
Passaram o rio Ganges tão nomeado, a grande Trapobana, e as ilhas mais orientais. Tiraram-nos muitas ignorâncias e amostraram-nos ser a terra maior que o mar, e haver aí Antípodas, que até os Santos duvidaram, e não há região, que nem por quente nem por fria se deixe de habitar. E que num mesmo clima e igual distância da equinocial: há homens brancos e pretos e de muitas diferentes qualidades. 
E fizeram o mar tão chão que não há hoje quem ouse dizer que achasse novamente alguma pequena ilha, alguns baixos, ou se quer algum penedo, que por nossas navegações não seja já descoberto. Ora manifesto é que estes descobrimentos de coisas, não se fizeram indo acertar, mas partiam os nossos mareantes muito ensinados e providos de instrumentos e regras de astrologia e geometria, que são coisas que os cosmógrafos hão-de andar apercebidos, segundo diz Ptolomeu no primeiro livro da sua Geografia.
--------------

(in Tratado da Defensam da Carta de Marear, 1537)...
para detalhes, transcrição da Revista de Engenharia Militar -1911

Fiz alguns destaques... para que se note mesmo!

(i) Passados muitos anos... "Deus deu-nos a sorte" de ter resistido até hoje! Mesmo assim note-se que Pedro Nunes está sob controlo da Inquisição. O Infante Luís só o protege até onde pode, e nem o Rei Dom João III terá completo controlo sobre o problema... do outro lado está Carlos V e não só!

(ii) Dificilmente se poderá dizer que há um descompassado frio na extrema parte sul de África, mas o mesmo não se poderá dizer da extrema parte sul da América... onde está o Cabo Horn.

(iii) A Trapobana é associada ao Ceilão, a tal ilha que tem Colombo como capital... Será que, quando se nomeia a Índia, se pode falar numa grande Trapobana como sendo o Ceilão... Madagáscar não é maior? Não será mais adequado começar a pensar que Trapobana foi, isso sim, a Austrália?

(iv) Depois, Pedro Nunes, em 1537, reclama um descobrimento absoluto... de toda a Terra, antes desconhecida. Estamos em 1537... e de facto, não é fácil encontrar "grandes descobridores" nomeados e honrados por isso, no Séc. XVI. A questão colocou-se só depois... Depois, tudo o que não constava, explicitamente declarado, era considerado "encoberto", e assim poderia ser "descoberto". Demorou algum tempo, de facto! Pelo menos, até Cook, final do séc. XVIII, e ainda assim temos que excluir as viagens polares, séc. XIX. Demorou a realizar em 300 anos, o que de acordo com Pedro Nunes (eu nem me atreveria a tanto...), tinha sido feito pelos portugueses em 100 anos.
Os ingleses mantiveram parte do acordo de cavaleiros, mas não na memória, só nas terras que consideraram pertencer-lhes. Os dinamarqueses só reclamaram a Gronelândia, que por múltiplas razões lhes deveria pertencer! Quem saberá a estória? Todos os intervenientes... quiçá, excepto nós!

(v) Finalmente, retira aquela ideia propagandeada de que se descobriam coisas acidentalmente.
Não houve nada acidental!

Pelos vistos, estas afirmações não chegam!
Foi publicado oficialmente numa Revista Militar de 1911... estamos já na altura da República!
Há, de facto, outras maneiras, de manter uma História submersa... e acontece ao confiar numa divulgação local e muito controlada.


(ii) Representação da América Central
Ainda, no Livro de Marinharia, encontramos outra pérola. Já é tardia... mas ainda está lá! 
Cabo "Sagre" no Panamá (no quadrado verde),

um detalhe do Mapa maior:
Livro de Marinharia - mapa da América Central (< 1525)

Antes de comentar a questão do Cabo Sagres...
Repare-se que o mapa é antigo, ao ponto de colocar bandeiras, assinalando possessões nacionais.... e em castelos, onde?
- Na Colômbia e no Perú, junto aos Incas!
Coisa estranha??
Não... basta lembrar o Castelo de S. Jorge da Mina.
Recapitulemos:
(i) ... de onde nos chegava o ouro? ... do Benim, do Congo?
(ii) Sim, e onde eram essas terras?
Houve ouro vindo de lá, depois de lá chegarem os espanhóis, por exemplo, com D. João III?
De onde veio o declínio do Império Português?

Ou, será que, com o Tratado de Tordesilhas, tudo acabou... ou melhor, foi acabando. Houve uma transição até 1520... ano em que subitamente os Espanhóis estão preparados para tomar conta das coisas. Dá que pensar?

Então, regressemos ao Cabo Sagres!- Há um Cabo Sagres em Portugal, todos o conhecemos!- Havia um Cabo Sagres em África, menos o sabem, mas era na Guiné-Conacri, e consta noutros mapas oficiais, isso é reconhecido!- Agora há também um Cabo Sagres no Panamá... e não adiantará dizer que é Sangre, ou semelhante despiste, pois foi renomeado "Graças a Dios"... é claro, assim notou-se menos!

- O que é interessante?
(i) os cabos americano e africano estão ~ sobre o mesmo paralelo;
(ii) os cabos português e africano estão ~ sobre o mesmo meridiano;
(iii) aí terminam as "navegações" atribuídas ao Infante D. Henrique.

- Há ainda outros dados, mas ficam para mais tarde, se necessário!
Detalhe: Sagres - Sacro pagão... mas também SACRE >> ACRE (Terra Santa), ACRA (África).

 
Talant de bien faire
O Infante D. Henrique usava esta frase como divisa (antes de Tanger, terá usado IDA... iniciais de Infante Dom Anrique, pela sua vontade de conquistar - Tanger, ou Jerusalém?). Frei Luís de Sousa (séc. XVII) classificou a divisa como "duas pirâmides dos antigos reis do Egipto", e encontram-se no livro perdido de Zurara (só recuperado no séc. XIX, em França...):


Divisa do Infante D. Henrique

Talant de bien faire, significaria vontade de bem fazer, mas o "e" falta em talent, pois não se trataria de talento, nem de vontade.
Há de facto dois hemisférios... poderá ver-se uma pirâmide em cada um deles, e até no topo há quem veja um "olho" na pirâmide oriental - onde é que eu já vi este símbolo (... sem ser na nota de 1 dólar)?
Na pirâmide ocidental, é claro, o "olho" descai para Oriente. E depois, vamos brincar um pouco aos anagramas:
TALANT >>ATLANT
FAI'RE >>AFRI'E
Nada mal? Num hemisfério, uma pirâmide atlântica, no outro uma africana.
Mas, para Henrique, o BIEN, o Bem, é claro... era pelo lado Oriental, pelo lado da Cruzada.

- Ao contrário, o irmão Infante Dom Pedro, deixou uma Balança, uma doce Lira, conforme designa Camões, equilibrada... e um desejo - DÉSIR... e depois surgirão outros, que assim foram "o Desejado"!

- Também D. João II procura o equilíbrio, de um lado, para equilibrar a balança está o seu sangue de Pelicano, que retira do corpo, para alimentar os seus filhos - o povo! Do outro lado, não está nada... deveria de estar qualquer coisa - e passa por ser um Camaroeiro, mas nada está! Nem precisará estar, a balança pende naturalmente para as casas Viseu-Bragança, o lado Coimbra-Aveiro vai pagar sempre por isso!

Como vimos, e note-se bem - isto não é uma questão de herança sanguínea, é uma questão de herança cultural (e de medo)! O Infante D. Luís ou D. Sebastião pertencem claramente à Casa Viseu, e por boa vontade, tentam colocar-se do outro lado da balança... mas só conseguem passar informação, nada mais! Da mesma forma, e não querendo falar desse período mais confuso (Séc. XIX), é perfeitamente verosímil que o rei D. Carlos, dada a proximidade com Eduardo VII de Inglaterra, tivesse perfeitamente compreendido as razões do acordo do mapa-cor-de-rosa... ainda que assim, como poderia ele revelar à nação todo esse encobrimento anterior?


Colômbia
A Colômbia tem uma particularidade interessante... Chegou a ser pensada para a travessia Atlântica-Pacífica, em vez do Canal do Panamá....Porquê? - porque tem no seu Rio Atrato, um rio muito navegável.
No final desse Rio Atrato, encontramos uma cidade, chamada Quibdó, e outra mais pequena chamada "IstMina"... estou a fazer ênfase no "Mina", mas seria possível também fazer no "Istmo" (acompanhando o Rio S. Juan até à foz em Buenaventura).

Mas, vejam-se as coincidências... e estão longe de acabar aqui - há um navegador português chamado Pêro Escobar (há muita gente em Portugal com o nome Escobar?... e na Colômbia?), que está associado às navegações da Mina, e à descoberta de São Tomé, sob o serviço de Fernão Gomes.
Ora esse serviço requeria efectivamente muita mão de obra, de origem africana.
Para trabalhar onde?
Qual é o país do continente americano hispânico que tem mais população de origem africana - a Colômbia (e parte da Venezuela), de longe! Nos restantes países dificilmente sabemos da sua presença.
- O que se terá passado?
Essa mão de obra seria usada no serviço da Mina, e era tanta, que não pode regressar ou sair da Colômbia, fica lá! Depois, houve sempre uma separação entre Portugal e Espanha, e de facto os escravos negros só muito pontualmente foram usados pelos espanhóis noutros locais... falta explicar algumas Antilhas, mas isso é outra estória, ainda anterior.


Os paralelos como referência
O que serve de referência para relatar Descobertas/Encobertas?...Normalmente, nas descrições de Zurara e de Duarte Pacheco Pereira, são os paralelos.Ou seja, a cada descrição em África, corresponde uma descrição na América, mas pode haver sobreposição.

Os termos "mouro", ou "negro" pouco significam... em Portugal era frequente dizer-se, indistintamente, que coisas anteriores à era cristã eram "mouras", sem se referirem a "sarracenos".Da mesma forma "negro" pode ser visto como alguém que não foi iluminado pela fé de Deus, não é tanto negro de cor, mas mais negro de alma... ou seja, poderá não ter religião organizada.Assim, é possível seguir as descrições dos autores, sem preconceitos, ou pré-julgamentos, de localização geográfica. E depois, bate tudo certo! Ou seja, percebe-se o que os autores nos queriam transmitir.

A coisa está de tal forma intrincada, que D. Afonso V achou bem oferecer uma cópia das Crónicas da Guiné de Zurara, ao Rei de Nápoles, seu familiar. Duarte Pacheco Pereira, é mais explícito... mas igualmente intrincado, já que a certa altura é mais difícil perceber quando fala de África ou da América. - Usa uma numeração dos Itens para auxílio...

Depois, é claro, alguns nomes vão mudando... uma designação para Zurara, não é necessariamente a mesma de Pacheco Pereira, pois o nome já é outro. É preciso abstrairmo-nos de preconceitos, pegar num mapa, e ir descendo a Costa Americana, de acordo com as latitudes.Mas, não é assim tão difícil, e é surpreendente!

O problema do Bojador
Ou seja, é mais ou menos fácil perceber que as coisas começam depois de Gil Eanes ter coordenado uma grande expedição - exploratória da América - até 1434, que deve ter demorado quase 12 anos... pelo menos é disso que se queixa Henrique!

Quando os portugueses perceberam que passar o continente não era possível, dentro de latitudes razoáveis, o Infante Dom Henrique terá tido luz verde para avançar com o projecto Oriental, por parte do seu irmão, o Rei D. Duarte.

O problema, o "cabo", Bojador está dobrado! ... ou, dito doutra forma, que sentido faria parar as navegações e atacar Tanger de seguida?

Entre 1435 e 1440 não aparecem outros registos de navegações, é tempo de cruzadas, e do desastre de Tanger, em 1437.
- Apesar de Tanger ser costeira, a invasão vai ser por terra, partindo de Ceuta. Porquê?
Que eu saiba, ninguém tem justificação para esta estratégia do Infante Dom Henrique...Ora, no sentido de ser preparatória à Cruzada (... à IDA), contornando África, ele usa Tanger como simulação para mostrar que será perfeitamente possível, a partir de um ponto terrestre marchar por um terreno difícil, e atingir Jerusalém. Precisa do apoio dos aliados... e assim julgará convencê-los.

Não consegue, é derrotado!... Tem uma escapatória, o apoio por mar do irmão Fernando. É esse que ele escolhe para o substituir como refém, é esse que será o Infante Santo para manter Ceuta.

Há um claro trauma nacional, durante o cativeiro do Infante Santo, e faz-se ainda uma tentativa armada de resgate... mas sem sucesso. Como D. Duarte morre e há um problema na regência, pela menoridade de D. Afonso IV, a mãe aragonesa é rapidamente exilada - teria que ser, havia demasiados segredos em jogo, para qualquer conhecimento de Aragão! Nesse ponto, os irmãos Henrique e Pedro estão de acordo!


Infante Dom Pedro
- O Infante Dom Pedro, mais velho, assume a regência em 1439, e é o primeiro período de ouro, que marcará o que se passará de seguida. Haverá colaboração com Henrique, nesta nova empresa.
É o primeiro período de ouro - literalmente!
É o tempo das caravelas... rápidas na ligação com a América.
Se Gil Eanes se teria preocupado com a ligação ocidental até 1434, sem entrar no continente, navegando pela costa, a partir daí vão começar os contactos.

Logo de início, por Gil Eanes e Afonso Baldaia (1440) - os registos começam aí com Zurara (que escreve "sob orientação científica do Infante Dom Henrique", já depois de Pedro morrer).
Depois, é uma sucessão de nomes em África, que nenhuma importância aí têm, mas que se percebe terem importância - à mesma latitude - na América, por exemplo - o Rio do Ouro (que quase nem é rio, em África).

A costa vai descendo, Arguim, Tider, Ergim, invocando povos em ilhas que não passam de bancos de areia... em África. Do outro lado, na América, é só difícil saber exactamente que ilhas se tratam, em Zurara... já com Pacheco Pereira, é mais fácil.

É aqui que começa a atribuir a chegada do ouro aos "mercadores do deserto"... é a necessidade de fazer uma Feitoria em Arguim. É tempo dos Azenagues! Mas... onde se passará tudo isto? Porque não, do outro lado, no mesmo paralelo, no México, com os Aztecas?

O Infante Dom Pedro pode ter sido um excelente governante (a nível interno e externo), mas também beneficiou desta pequena dádiva de ouro, caída dos céus!

Mas toda essa estória fica para depois... Seguimos usando a descrição de Duarte Pacheco Pereira.

Cabo Verde
Chega-se a Cabo Verde. E a que corresponde o Cabo Verde?
Nada mais nada menos, do que à grande península do Iucatão...Porquê?... Porque a Costa Africana segue, mas à mesma latitude, a Americana não!
Qual é a brilhante ideia?
É que as ilhas de Cabo Verde irão ser associadas a Grandes Antilhas.
Assim, temos seguramente São Tiago = Cuba, depois as restantes, também não é difícil...
É por isso que o Cabo Verde, aparece como um grande Cabo deformado nos mapas... por isso aparece uma rosa-dos-ventos, o zénite, para justificar a distorção polar... e tantas outras coisas, por exemplo, é aqui que se faz a distinção entre Etiópia Superior e Etiópia Inferior... e depois a outra, a Etiópia Sob-Egipto, a que ele considera africana.
- Onde seguimos?
O próximo ponto possível, compatível com outras latitudes no continente Africano é, sem dúvida, localizado nas Honduras, na "Etiópia Inferior". Teremos aí outro ponto de referência.

Nicarágua
O nome mais importante que se segue, é o Rio Canágua... que depois é renomeado convenientemente:

Canágua >> Çanaga >> Senegal
conforme vai constando nas cartas!Do outro lado, o que temos?
Temos, exactamente a Nicarágua... e vejamos, a coisa não fica por aqui!
Como nomeia um chefe local? Trata-se do chefe Nicarao... Nicarao+Canágua ~ Nicarágua estamos ou não próximo de Nicarágua, cuja capital é Manágua? Sim!

Podemos ter mais umas coincidências... certíssimo!!
Mas então olhemos a descrição de um grande lago entrando no Canágua:
Temos uma lagoa com "32 por 12 léguas", falamos de 188Km por 72Km... dimensões exactas para o Lago da Nicarágua....
Não encontramos nada semelhante a isso no Rio Senegal! O lago Guier será de facto uma lagoa comparado com isto!
Convém ainda notar que a resistência à colonização espanhola foi muito prolongada, na zona da Nicarágua, e por isso não terá sido possível uma imediata renomeação...

Panamá e Sagres
Depois, de facto, vamos encontrar uma Serra Leoa... que será Leoa, no correspondente Panamá, pois impedirá a progressão para Ocidente.É a grande cadeia montanhosa do Panamá que liga a América do Sul à do Norte.Mais uma vez a Costa volta a subir, e o contorno americano não acompanha o africano...É tempo dos contornos ocidentais darem lugar aos orientais...

Resumo do paralelismo nas descrições de Duarte Pacheco e Zurara.
(nova inclusão: a 27/12/2009)
É aqui que pode recomeçar o projecto Oriental. É aqui que ficará o Cabo Sagres, conforme referido por Duarte Pacheco Pereira. É aqui que termina a colaboração do Infante Dom Henrique com o irmão Dom Pedro.

Segue-se a luta interna... com um Duque de Bragança a influenciar o jovem Afonso IV.É aqui que esse jovem rei decide humilhar o tio, pai da sua mulher. É tempo de Alfarrobeira, é tempo do Infante Dom Pedro morrer, para dar lugar às novas conquistas para a Cruzada, contra os infiéis. É tempo desse jovem rei conquistar praças africanas, até que o Infante Dom Henrique morre, e há uma nova esperança desejada - chama-se D. João II, acima de tudo, neto de Dom Pedro. Do outro lado, há uma Spera que se acentua, especialmente depois da conquista de Arzila e de Tanger, no tal Dia de São Bartolomeu.


Encoberto e Desejado
O grande feito ocidental foi encoberto e será tempo de esperar pelo primeiro "Desejado", cumprindo o Désir de Pedro.
- Do Pedro que o povo canta e que coloca uma fonte com o seu nome em Coimbra, pelos amores que lhe tem, conforme dirá Camões, que a isso junta ninfas do Mondego;
- Do Pedro, avô de Joane, que Gil Vicente coloca contra o Sapateiro da Candosa, contra o Rachador de Alverca - ou melhor, Alfarrobeira.

É o Pedro, desejado, do sonho ocidental, do sonho americano, colonizador...
Será esse Pedro que o povo amou ao ponto de nos deixar uma infinita melancolia de séculos. Por ser tão amado poderá aparecer, até como um Gigante Adamastor em D. João II, mas também como um Trágico Massacrado em D. Sebastião. Num ponto são comuns, os desejados desaparecem... até não mais aparecerem!

Um Désir, que afinal sempre esperámos depois do séc. XVI, e que o Padre António Vieira tornou claro não ser representado por D. João IV... (... a ser alguém, seria muito mais a sua mulher, a Rainha Luísa de Guzman, descendente de Ana de la Cerda e do português Rui Gomes da Silva "o Rei Gomez", príncipes de Eboli... mas isso é outra estória!)

Mas "o Encoberto" é também o contrário "do Descoberto", é a mensagem que fica presa a um nevoeiro, cada vez mais espesso, onde só nos chegam pequenos sinais... suficientes para uma eterna inquietação, de fantasmas que sepultámos mal, e que pedem que lhes seja honrada a memória!

Há só uma História? Ou há a Estória que deixa registos, que apaga registos, e que às vezes deixa pontas soltas... até que apareça alguém a assinalar, e depois se volte tudo a colar, durante mais alguns séculos. Tem sido assim! Neste momento, o que é preciso é rever o inacreditável, e que haja então quem invente outra Estória, melhor que esta, que cole todas coincidências de forma mais verosímel.




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34


Grande Alca e outras extinções

por desvela, em 27.11.12
Há já bastante tempo coloquei aqui um mapa datado de 1970, do Museu da Marinha, que pretendia ilustrar os descobrimentos portugueses.
Apesar do mapa dizer ser feito pelo "pessoal técnico do Museu da Marinha", não deixava de conter indicações algo enigmáticas. Uma que notei foi a presença de pinguins na Gronelândia, a que erradamente atribuí um erro de execução, e também a de cangurus na Austrália (algo que não se parece observar em nenhum mapa anterior a Cook):

Acontece que desenhar pinguins árticos num mapa de 1970 parece muito estranho, mas não o seria se fosse baseado num original, desconhecido... Porquê? Porque os últimos pinguins árticos foram mortos em 1844, perto da Islândia. Isso eu não sabia, e parece ser propositadamente pouco divulgado!
Encontrei essa informação neste blog: oeco.com.br, e daí encontrei depois a informação natural sobre as "grandes alcas" - assim se chamavam os pinguins do Ártico:

Assim, a menos que se pretenda a coincidência do erro, a ilustração do Museu da Marinha assentará num mapa que tinha esses pinguins do norte e que colocava a Terra de Corte Real sob coroa portuguesa. E como a coroa está aberta, não será provavelmente de D. Sebastião, que a veio a fechar, em sinal de independência ao poder imperial, será talvez do seu avô, D. João III. No entanto, tal como se ilustram os pinguins do norte, também aparecem desenhos de cangurus na Austrália, com uma imprecisão que até sugere autenticidade...

Sobre estes pinguins e sobre a presença portuguesa na Terra Nova e Canada, acho que é suficientemente esclarecedora a obra de Jean de Laet, "L'Histoire du Nouveau Monde...", 1640. 
Na página 33, introduz a Nova França e Terra Nova, atribuindo a descoberta da Terra Nova aos Cabotos, venezianos a serviço de Inglaterra, tal como Colombo seria genovês a serviço de Espanha.
A rivalidade Génova-Veneza, habitual na escolha dos Papas, era transportada na legalização da descoberta americana... um genovês para as Antilhas, em 1492, e um veneziano para as Satanazes - Terra Nova, em 1498. É praticamente óbvio que Génova e Veneza sabiam perfeitamente os contornos desse mundo, mas pelas suas limitações logísticas seguiam os cuidados necessários para a aceitação das descobertas - navegaram em serviço de potências externas.

No entanto, Laet não deixa de referir Gaspar Corte Real, dizendo 
"Pouco depois dos Cabotos, a saber no ano 1500, Gaspar Corterealis visita as mesmas terras a comando do rei de Portugal e as descobre pouco depois" (pág. 34). 
Algo perfeitamente justificável... D. Manuel queria definir as possessões outorgadas por Tordesilhas, e assim em 1500, dois anos depois da incursão de Caboto a norte, retira do encobrimento a Terra Nova e o Brasil. Durante um século os ingleses não mais se aventuraram aí e, até à morte de D. Manuel, ninguém reclamou a Terra Nova ou o Canadá.

Depois, Laet justifica o nome "Nova França", dizendo que se chama assim porque os franceses foram os primeiros a penetrar no meio do país, e a se estabelecer a mando do rei. Portanto, é suficientemente lúcido para não atribuir nenhum papel especial de descoberta a Jacques Cartier, que apenas ali chegou em 1535, uma quinzena de anos após a morte de D. Manuel, quase quarenta anos após Caboto.

É sempre instrutivo rever a carta "Pedro Reinel a fez", datada de 1504, mas que suspeitamos ser contemporânea ao Tratado de Tordesilhas. Para além das outras suspeitas, de representação implícita, atentemos aos nomes atribuídos à parte da carta respeitante à Terra Nova (clicar p/ aumentar):

De cima para baixo, podemos ver os nomes:

- y da fortuna,   - y da tormenta
- c do marco,     - sam joham
- sam pedro,      - y das aves
- a dos gamas,           - c de boa ventura
- y de boa ventura,    - c do marco
- y de frey luis,         - b de santa ana (?)
- y dos bacalhaos,     - b da comcepção
- c da espera,            - r das pa...
- r de sam (?)...
- c Raso
( mais em baixo: sam johã e santa cruz)







Uma boa parte destes nomes vai ser mantida na descrição de Jean de Laet, que fala no Cabo de Raz (cabo raso), na ilha das aves, na ilha dos bacalhaus, baía da concepção, na ilha de Frei Luís, e na ilha da tormenta (nome a que associava origem francesa, e de que já falámos a propósito de Melgueiro).

Os nomes portugueses ainda por lá estão: Baccalieu Island na Conception Bay (baía da Concepção), Bonavista, o Manuel's river e St. Johns, sendo o mais explícito Portugal Cove (já mencionado no Portugalliae.blogspot) que, tendo sido destruída e incendiada pelos franceses em 1696, talvez reporte a si o incidente ilustrado "na descida dos franceses à Terra Nova".

Jean de Laet dá-nos uma imagem diferente do simples aportar de Corte Real à Terra Nova. Numa citação (carta enviada a Hayklut), fala-se claramente numa seca de peixe (bacalhaus, claro) e no Cap. III, dá uma descrição dos portos que vão desde o Cabo Raso, falando nos nomes e seguindo as cartas portuguesas:
- Porto Formoso, Água Forte, Ponta do Farilhão, Iheu de Galeotas, Ponta de Ferro, Cabo de Esp(h)era,  St. Jean (São João), Baía da Concepcion, Ilha dos Bacalhaos, Cabo da Boa Vista, Ponta dos Ilhéus de Frei Luis... ilhas de S. Pierre - São Pedro, e ainda uma Ilha dos Pinguins - certamente as Grandes Alcas, que viriam a ser extintas dois séculos mais tarde.
Depois retornando ao Cabo Raso, no outro sentido, fala da Angra dos Trespassam, de um rio Chincheta, indo em direcção ao Cabo dos Bretões (Cap Breton) e passando pelo Porto dos Bascos... (o que dá uma clara ideia de que os pescadores da orla do atlântico, não apenas portugueses, mas também galegos, bascos, bretões e até irlandeses, cruzavam aqueles mares, pela abundância de peixe nos grandes bancos da Terranova).
Fala ainda claramente (pg. 40) de estabelecimentos portugueses na Ilha do Cap Breton, nomeando Ninganis ("enganos" hoje Ingonish, segundo o site dightonrock.com), que depois foi abandonado, bem como outros lugares, devido ao rigor climático. Também diz que os portugueses se tentaram estabelecer na Ilha de Sable, mas sem sucesso, como aconteceria com os franceses através do Marquês de la Roche.

Ou seja, acaba por ser através de Jean de Laet que temos o melhor panorama da presença portuguesa na Terra Nova. Sendo um relato francês, restam poucas dúvidas sobre a permanência naquelas paragens, pelo menos desde 1500 até 1696, aquando da "descida dos franceses"... 
Dada a existência de material estrangeiro atestando a presença nacional na Terra Nova e Nova Escócia (as Satanazes no mapa de Pizzigano de 1424), quanto mais não fosse pela presença para secar o bacalhau... percebe-se pouco a persistência interna em ignorar o assunto, talvez porque se tenha vergonha de assumir que a colónia foi abandonada à sua sorte.
Para além disso, existem mapas que atestam esse senhorio da Terra Nova e Lavrador ao Rei de Portugal e em particular aos Corte-Reais (cf. JM-CH, ver o Catálogo Huntington HM41- folha 4).

Note-se que "Canada" é uma palavra portuguesa antiga para medidas líquidas - era um duodécimo do almude, e dividia-se em seis quartilhos. À época de D. Manuel, uma "canada" seria um litro e meio, em Lisboa, e chegava a mais de dois litros a norte (ver "Mosteiro de St. Tirso", de F. Carvalho Correia). No site dightonrock.com fala-se num imposto de um décimo para o pescado na Terra Nova, sendo a "canada" um duodécimo do almude, não é de descartar que o termo se aplicasse nesse sentido de um imposto menor (8% em vez de 10%...).

Os pinguins do ártico acabaram por desaparecer, tal como praticamente a notícia dos portugueses que colonizaram a Terra Nova, ficou talvez a pequena "Portugal cove". Com o perigo da extinção dos bacalhaus no Canada, a criação de cotas restritivas no início dos anos 1970, e depois o fim dos navios coloniais em 1975, colocaram um ponto final na grande tradição marítima portuguesa. O patrocínio ao abate das frotas de pesca, no final dos anos 80, foi o golpe final. Em pouco menos de 10 anos, a tradição da nação de navegadores reduzia-se à pesca costeira artesanal.

Os colombos americanos
Termino com um outro apontamento de extinção surpreendente.
No Séc. XIX a colombofilia norte-americana parecia concentrar-se na figura de Colombo, recuperando o mito do descobridor caído em desgraça. Do outro lado, para os nativos pombos americanos, os pombos-migratórios, a columbofilia foi diferente. 
Último pombo-migratório (passenger pigeon) - Cincinati zoo.

Consta que os sociáveis pombos-migratórios infestavam os céus americanos, estimando-se em milhares de milhões a sua população. Porém, este sucesso reprodutivo acabaria por levar à sua extinção num curto período de tempo. Foi instaurada uma caça ao pombo, que só pode ser satirizada com o clássico "Stop the pigeon", ainda que este desfecho nada tenha de comédia:

Compreende-se o efeito devastador nas colheitas que poderia ter um bando de pombos com centenas de milhares de indivíduos, e nesse sentido a sua caça indiscriminada pode ser vista nesse contexto. Porém, ao que parece houve um autêntico patrocínio à exterminação completa, terá havido caçadores que sozinhos abateram mais de um milhão de aves.  Havia competições e jogos cujo objectivo era o extermínio. Quando alguns ambientalistas solicitaram uma protecção no estado do Ohio, em 1857, foi considerada absurda pelo número de pássaros existente. Em 1897 as leis de protecção foram ineficazes para travar a extinção. O último exemplar em cativeiro morreria em 1914 no zoo de Cincinati.

Os pombos eram associados a paragens euro-asiáticas, e foi talvez com alguma surpresa que foram sendo encontrados em todo o globo, na África tropical, nas Américas e até na Nova Guiné (onde a espécie "columba coronata" é algo curiosa).

Não me parece que o carácter migrátorio particular aos pombos americanos carregasse alguma mensagem perigosa que levasse a colombofilia a atacar a columbofilia. Já aqui falámos no papel simbólico mensageiro dos pombos, e do seu contraponto na falcoaria.
E acaba por ser simbólico termos as Pleiades, as pombas filhas de Atlas, na Hespérida ocidental, a América, termos um "Colombo" a desencobrir essas paragens,  e depois olhar para a foto de Martha, a última dos pombos-migratórios, vítimas de um holocausto programado:

Nota complementar (2/12/2012): 
Na sequência do comentário do José Manuel, lembrando o acordo de exploração de 1461, entre Afonso V e Cristiano I da Dinamarca, que envolveu viagens ocidentais do pai dos Cortes-Reais, ficam aqui os links por ele indicados, que complementam a informação:
http://portugalliae.blogspot.ch/2009/06/o-amundsen-ex-quebra-gelo-sir-john.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pesca_do_bacalhau

Aproveito ainda para referir a página do Instituto Camões sobre Diogo Teive:
onde se fala da sua descoberta das ilhas do Corvo e Flores, em 1452, confirmada por cartas de régias de doação, de Afonso V. Em particular é relevante a informação do filho de Cristovão Colombo, que reportando uma viagem ocidental ao Faial de 150 léguas (aprox. 900 km), coloca Diogo Teive mais próximo da Terra Nova do que do Corvo ou Flores (a 200 km).
E também é relevante a informação de Lorenzo Anania já aqui citada, que fala sobre a partida (em 1576) de Aveiro de numerosa frota de navios para a pesca ao bacalhau na Terra Nova.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:23


Grande Alca e outras extinções

por desvela, em 26.11.12
Há já bastante tempo coloquei aqui um mapa datado de 1970, do Museu da Marinha, que pretendia ilustrar os descobrimentos portugueses.
Apesar do mapa dizer ser feito pelo "pessoal técnico do Museu da Marinha", não deixava de conter indicações algo enigmáticas. Uma que notei foi a presença de pinguins na Gronelândia, a que erradamente atribuí um erro de execução, e também a de cangurus na Austrália (algo que não se parece observar em nenhum mapa anterior a Cook):

Acontece que desenhar pinguins árticos num mapa de 1970 parece muito estranho, mas não o seria se fosse baseado num original, desconhecido... Porquê? Porque os últimos pinguins árticos foram mortos em 1844, perto da Islândia. Isso eu não sabia, e parece ser propositadamente pouco divulgado!
Encontrei essa informação neste blog: oeco.com.br, e daí encontrei depois a informação natural sobre as "grandes alcas" - assim se chamavam os pinguins do Ártico:

Assim, a menos que se pretenda a coincidência do erro, a ilustração do Museu da Marinha assentará num mapa que tinha esses pinguins do norte e que colocava a Terra de Corte Real sob coroa portuguesa. E como a coroa está aberta, não será provavelmente de D. Sebastião, que a veio a fechar, em sinal de independência ao poder imperial, será talvez do seu avô, D. João III. No entanto, tal como se ilustram os pinguins do norte, também aparecem desenhos de cangurus na Austrália, com uma imprecisão que até sugere autenticidade...

Sobre estes pinguins e sobre a presença portuguesa na Terra Nova e Canada, acho que é suficientemente esclarecedora a obra de Jean de Laet, "L'Histoire du Nouveau Monde...", 1640. 
Na página 33, introduz a Nova França e Terra Nova, atribuindo a descoberta da Terra Nova aos Cabotos, venezianos a serviço de Inglaterra, tal como Colombo seria genovês a serviço de Espanha.
A rivalidade Génova-Veneza, habitual na escolha dos Papas, era transportada na legalização da descoberta americana... um genovês para as Antilhas, em 1492, e um veneziano para as Satanazes - Terra Nova, em 1498. É praticamente óbvio que Génova e Veneza sabiam perfeitamente os contornos desse mundo, mas pelas suas limitações logísticas seguiam os cuidados necessários para a aceitação das descobertas - navegaram em serviço de potências externas.

No entanto, Laet não deixa de referir Gaspar Corte Real, dizendo 
"Pouco depois dos Cabotos, a saber no ano 1500, Gaspar Corterealis visita as mesmas terras a comando do rei de Portugal e as descobre pouco depois" (pág. 34). 
Algo perfeitamente justificável... D. Manuel queria definir as possessões outorgadas por Tordesilhas, e assim em 1500, dois anos depois da incursão de Caboto a norte, retira do encobrimento a Terra Nova e o Brasil. Durante um século os ingleses não mais se aventuraram aí e, até à morte de D. Manuel, ninguém reclamou a Terra Nova ou o Canadá.

Depois, Laet justifica o nome "Nova França", dizendo que se chama assim porque os franceses foram os primeiros a penetrar no meio do país, e a se estabelecer a mando do rei. Portanto, é suficientemente lúcido para não atribuir nenhum papel especial de descoberta a Jacques Cartier, que apenas ali chegou em 1535, uma quinzena de anos após a morte de D. Manuel, quase quarenta anos após Caboto.

É sempre instrutivo rever a carta "Pedro Reinel a fez", datada de 1504, mas que suspeitamos ser contemporânea ao Tratado de Tordesilhas. Para além das outras suspeitas, de representação implícita, atentemos aos nomes atribuídos à parte da carta respeitante à Terra Nova (clicar p/ aumentar):

De cima para baixo, podemos ver os nomes:

- y da fortuna,   - y da tormenta
- c do marco,     - sam joham
- sam pedro,      - y das aves
- a dos gamas,           - c de boa ventura
- y de boa ventura,    - c do marco
- y de frey luis,         - b de santa ana (?)
- y dos bacalhaos,     - b da comcepção
- c da espera,            - r das pa...
- r de sam (?)...
- c Raso
( mais em baixo: sam johã e santa cruz)







Uma boa parte destes nomes vai ser mantida na descrição de Jean de Laet, que fala no Cabo de Raz (cabo raso), na ilha das aves, na ilha dos bacalhaus, baía da concepção, na ilha de Frei Luís, e na ilha da tormenta (nome a que associava origem francesa, e de que já falámos a propósito de Melgueiro).

Os nomes portugueses ainda por lá estão: Baccalieu Island na Conception Bay (baía da Concepção), Bonavista, o Manuel's river e St. Johns, sendo o mais explícito Portugal Cove (já mencionado no Portugalliae.blogspot) que, tendo sido destruída e incendiada pelos franceses em 1696, talvez reporte a si o incidente ilustrado "na descida dos franceses à Terra Nova".

Jean de Laet dá-nos uma imagem diferente do simples aportar de Corte Real à Terra Nova. Numa citação (carta enviada a Hayklut), fala-se claramente numa seca de peixe (bacalhaus, claro) e no Cap. III, dá uma descrição dos portos que vão desde o Cabo Raso, falando nos nomes e seguindo as cartas portuguesas:
- Porto Formoso, Água Forte, Ponta do Farilhão, Iheu de Galeotas, Ponta de Ferro, Cabo de Esp(h)era,  St. Jean (São João), Baía da Concepcion, Ilha dos Bacalhaos, Cabo da Boa Vista, Ponta dos Ilhéus de Frei Luis... ilhas de S. Pierre - São Pedro, e ainda uma Ilha dos Pinguins - certamente as Grandes Alcas, que viriam a ser extintas dois séculos mais tarde.
Depois retornando ao Cabo Raso, no outro sentido, fala da Angra dos Trespassam, de um rio Chincheta, indo em direcção ao Cabo dos Bretões (Cap Breton) e passando pelo Porto dos Bascos... (o que dá uma clara ideia de que os pescadores da orla do atlântico, não apenas portugueses, mas também galegos, bascos, bretões e até irlandeses, cruzavam aqueles mares, pela abundância de peixe nos grandes bancos da Terranova).
Fala ainda claramente (pg. 40) de estabelecimentos portugueses na Ilha do Cap Breton, nomeando Ninganis ("enganos" hoje Ingonish, segundo o site dightonrock.com), que depois foi abandonado, bem como outros lugares, devido ao rigor climático. Também diz que os portugueses se tentaram estabelecer na Ilha de Sable, mas sem sucesso, como aconteceria com os franceses através do Marquês de la Roche.

Ou seja, acaba por ser através de Jean de Laet que temos o melhor panorama da presença portuguesa na Terra Nova. Sendo um relato francês, restam poucas dúvidas sobre a permanência naquelas paragens, pelo menos desde 1500 até 1696, aquando da "descida dos franceses"... 
Dada a existência de material estrangeiro atestando a presença nacional na Terra Nova e Nova Escócia (as Satanazes no mapa de Pizzigano de 1424), quanto mais não fosse pela presença para secar o bacalhau... percebe-se pouco a persistência interna em ignorar o assunto, talvez porque se tenha vergonha de assumir que a colónia foi abandonada à sua sorte.
Para além disso, existem mapas que atestam esse senhorio da Terra Nova e Lavrador ao Rei de Portugal e em particular aos Corte-Reais (cf. JM-CH, ver o Catálogo Huntington HM41- folha 4).

Note-se que "Canada" é uma palavra portuguesa antiga para medidas líquidas - era um duodécimo do almude, e dividia-se em seis quartilhos. À época de D. Manuel, uma "canada" seria um litro e meio, em Lisboa, e chegava a mais de dois litros a norte (ver "Mosteiro de St. Tirso", de F. Carvalho Correia). No site dightonrock.com fala-se num imposto de um décimo para o pescado na Terra Nova, sendo a "canada" um duodécimo do almude, não é de descartar que o termo se aplicasse nesse sentido de um imposto menor (8% em vez de 10%...).

Os pinguins do ártico acabaram por desaparecer, tal como praticamente a notícia dos portugueses que colonizaram a Terra Nova, ficou talvez a pequena "Portugal cove". Com o perigo da extinção dos bacalhaus no Canada, a criação de cotas restritivas no início dos anos 1970, e depois o fim dos navios coloniais em 1975, colocaram um ponto final na grande tradição marítima portuguesa. O patrocínio ao abate das frotas de pesca, no final dos anos 80, foi o golpe final. Em pouco menos de 10 anos, a tradição da nação de navegadores reduzia-se à pesca costeira artesanal.

Os colombos americanos
Termino com um outro apontamento de extinção surpreendente.
No Séc. XIX a colombofilia norte-americana parecia concentrar-se na figura de Colombo, recuperando o mito do descobridor caído em desgraça. Do outro lado, para os nativos pombos americanos, os pombos-migratórios, a columbofilia foi diferente. 
Último pombo-migratório (passenger pigeon) - Cincinati zoo.

Consta que os sociáveis pombos-migratórios infestavam os céus americanos, estimando-se em milhares de milhões a sua população. Porém, este sucesso reprodutivo acabaria por levar à sua extinção num curto período de tempo. Foi instaurada uma caça ao pombo, que só pode ser satirizada com o clássico "Stop the pigeon", ainda que este desfecho nada tenha de comédia:

Compreende-se o efeito devastador nas colheitas que poderia ter um bando de pombos com centenas de milhares de indivíduos, e nesse sentido a sua caça indiscriminada pode ser vista nesse contexto. Porém, ao que parece houve um autêntico patrocínio à exterminação completa, terá havido caçadores que sozinhos abateram mais de um milhão de aves.  Havia competições e jogos cujo objectivo era o extermínio. Quando alguns ambientalistas solicitaram uma protecção no estado do Ohio, em 1857, foi considerada absurda pelo número de pássaros existente. Em 1897 as leis de protecção foram ineficazes para travar a extinção. O último exemplar em cativeiro morreria em 1914 no zoo de Cincinati.

Os pombos eram associados a paragens euro-asiáticas, e foi talvez com alguma surpresa que foram sendo encontrados em todo o globo, na África tropical, nas Américas e até na Nova Guiné (onde a espécie "columba coronata" é algo curiosa).

Não me parece que o carácter migrátorio particular aos pombos americanos carregasse alguma mensagem perigosa que levasse a colombofilia a atacar a columbofilia. Já aqui falámos no papel simbólico mensageiro dos pombos, e do seu contraponto na falcoaria.
E acaba por ser simbólico termos as Pleiades, as pombas filhas de Atlas, na Hespérida ocidental, a América, termos um "Colombo" a desencobrir essas paragens,  e depois olhar para a foto de Martha, a última dos pombos-migratórios, vítimas de um holocausto programado:

Nota complementar (2/12/2012): 
Na sequência do comentário do José Manuel, lembrando o acordo de exploração de 1461, entre Afonso V e Cristiano I da Dinamarca, que envolveu viagens ocidentais do pai dos Cortes-Reais, ficam aqui os links por ele indicados, que complementam a informação:
http://portugalliae.blogspot.ch/2009/06/o-amundsen-ex-quebra-gelo-sir-john.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pesca_do_bacalhau

Aproveito ainda para referir a página do Instituto Camões sobre Diogo Teive:
onde se fala da sua descoberta das ilhas do Corvo e Flores, em 1452, confirmada por cartas de régias de doação, de Afonso V. Em particular é relevante a informação do filho de Cristovão Colombo, que reportando uma viagem ocidental ao Faial de 150 léguas (aprox. 900 km), coloca Diogo Teive mais próximo da Terra Nova do que do Corvo ou Flores (a 200 km).
E também é relevante a informação de Lorenzo Anania já aqui citada, que fala sobre a partida (em 1576) de Aveiro de numerosa frota de navios para a pesca ao bacalhau na Terra Nova.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:23


O cozinheiro e o sanduíche

por desvela, em 22.07.11
Esta posta explica-se com um boneco.

Como várias outras caricaturas já apresentadas, é de James Gillray (1780 ou 84). 
Agora que se fala na noção pomposa de Thinker Tanks, acho Gillray lhes chamaria mais Tinker Thanks. Neste sentido, digamos que Gillray diz tratar-se de um painel de funileiros, evitando outra tradução mais literal para o português. A panela tem forma de hemisfério ocidental...

De casaca azul estará o Conde de Sandwich, e ajoelhado tentando reparar a panela está Lord North, enquanto o rei Jorge III aguarda que os buracos sejam reparados. O estado a que a panela chegou é resultado da acção do cozinheiro... Cook.

John Montagu, Conde de Sandwich, enquanto comandante da marinha inglesa, foi entusiasta e providenciou o financiamento da expedição de James Cook.
Em reconhecimento desse apoio, Cook terá baptizado o Havai como Ilhas Sandwich.
Há, é claro uma estória sobre sanduíches e a sua "invenção" por Sandwich...
Se Colombo teve o seu ovo, pois Sandwich teve o seu sanduíche.
Entre o pedaço de pão Asiático e o Americano, Sandwich iria reclamar o bife Pacífico.
Não vejo outra sanduíche que não esta... talvez ficando demasiado explícito, no final do Séc. XIX o Havai foi renomeado e apenas ficaram as ilhas Sandwich do Sul.
Talvez possamos dizer que a viagem anterior de Bougainville e as pretensões francesas foram ensanduichadas pelo plano do grupo de Sandwich:
Da esquerda para a direita: Solander, Banks, Cook, Hawkesworth e Sandwich.
Solander era sueco, botânico da escola de Lineu, amigo de Banks, 
e sobre Sir Banks, Gillray dá conta da sua apreciação nesta caricatura...
... uma lagarta encontrada nos Mares do Sul é transformada em borboleta pelo Sol imperial.

O problema complicou-se, e conforme Gillray escreve na primeira caricatura: 
- por cada buraco tapado, abrem-se dois novos!
Digamos que um dos "buracos" de Sandwich que o primeiro-ministro Lord North não conseguiu tapar foi a Independência Americana (o desenho sobre Banks é publicado num 4th of July), projecto em que a França se empenhou...  
Digamos que ainda estava o Endeavour no mar, entre a Nova Zelândia e a Austrália, em 1770, e rebentava a rebelião em Boston, o primeiro gesto que levou à guerra de independência americana.

Havia certamente uma parte do novos territórios Pacíficos prometidos à França, que acabou por ficar com algumas ilhas (que ainda hoje mantém), mas a solução de Sandwich terá sido um rude golpe nas aspirações francesas. 

Quanto aos holandeses, tiveram que fazer quase de conta que nunca tinham visto a Austrália...
Para termos uma ideia da precisão que os mapas holandeses chegaram a ter, basta ver este mapa de Gerritsz em 1618, muito antes da viagem de Tasman (1642):

Apesar de Gerritsz ser considerado um dos maiores cartógrafos, o seu trabalho tem pouca divulgação... e percebe-se que não se queira questionar a razão pela qual as linhas perfeitas acabam onde acabam em 1628, e que os sucessores até Tasman nada tenham feito para completar o circuito. Nem Tasman, nem nenhum seguinte... e é claro que os portugueses estando com colónias em Timor, ou os espanhóis com colónias nas Filipinas, continuavam a não acertar com as velas, e não conseguiam aí navegar para sul! 
Foi preciso Sandwich e Cook para resolver o assunto!

O mapa de Gerritsz tem ainda outros problemas... identifica a descoberta de Houtman das ilhas Abrolhos, e apesar de estar datado de 1618 apresenta as descobertas até 1628. Parece claro ao inspeccionar o mapa que as inscrições com as datas e exploradores são posteriores à execução do mapa!
Quanto ao arquipélago e recifes de Abrolhos... descobertas por Houtman em 1619(!), ficaram definitivamente nomeadas Houtman Abrolhos.
Open your eyes... abram os olhos, abrolhos!
Nada mais apropriado, desde sempre até hoje...
Ilhas australianas de Houtman Abrolhos

Por via das confusões, e não tivesse ficado registo português com esse nome, apareceram também umas ilhas Abrolhos no Brasil. Assim, uma das estórias relata que Houtman terá sido inspirado por essoutras. Não é de espantar, porque Tasman vai repetir a inspiração com Pedra Branca, na Tasmânia, que lhe vai lembrar Pedra Branca, perto de Singapura.

Por acaso, Abrolhos faz-nos lembrar "Vannila Sky" que na versão original espanhola se chamava "Abre los Ojos"... só a Penelope Cruz seria a mesma. 
No fundo, um problema de chancela que tem vários aspectos e protagonistas ao longo dos tempos.
Independentemente dos protagonistas, o argumento, esse é intemporal...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:45


O cozinheiro e o sanduíche

por desvela, em 21.07.11
Esta posta explica-se com um boneco.

Como várias outras caricaturas já apresentadas, é de James Gillray (1780 ou 84). 
Agora que se fala na noção pomposa de Thinker Tanks, acho Gillray lhes chamaria mais Tinker Thanks. Neste sentido, digamos que Gillray diz tratar-se de um painel de funileiros, evitando outra tradução mais literal para o português. A panela tem forma de hemisfério ocidental...

De casaca azul estará o Conde de Sandwich, e ajoelhado tentando reparar a panela está Lord North, enquanto o rei Jorge III aguarda que os buracos sejam reparados. O estado a que a panela chegou é resultado da acção do cozinheiro... Cook.

John Montagu, Conde de Sandwich, enquanto comandante da marinha inglesa, foi entusiasta e providenciou o financiamento da expedição de James Cook.
Em reconhecimento desse apoio, Cook terá baptizado o Havai como Ilhas Sandwich.
Há, é claro uma estória sobre sanduíches e a sua "invenção" por Sandwich...
Se Colombo teve o seu ovo, pois Sandwich teve o seu sanduíche.
Entre o pedaço de pão Asiático e o Americano, Sandwich iria reclamar o bife Pacífico.
Não vejo outra sanduíche que não esta... talvez ficando demasiado explícito, no final do Séc. XIX o Havai foi renomeado e apenas ficaram as ilhas Sandwich do Sul.
Talvez possamos dizer que a viagem anterior de Bougainville e as pretensões francesas foram ensanduichadas pelo plano do grupo de Sandwich:
Da esquerda para a direita: Solander, Banks, Cook, Hawkesworth e Sandwich.
Solander era sueco, botânico da escola de Lineu, amigo de Banks, 
e sobre Sir Banks, Gillray dá conta da sua apreciação nesta caricatura...
... uma lagarta encontrada nos Mares do Sul é transformada em borboleta pelo Sol imperial.

O problema complicou-se, e conforme Gillray escreve na primeira caricatura: 
- por cada buraco tapado, abrem-se dois novos!
Digamos que um dos "buracos" de Sandwich que o primeiro-ministro Lord North não conseguiu tapar foi a Independência Americana (o desenho sobre Banks é publicado num 4th of July), projecto em que a França se empenhou...  
Digamos que ainda estava o Endeavour no mar, entre a Nova Zelândia e a Austrália, em 1770, e rebentava a rebelião em Boston, o primeiro gesto que levou à guerra de independência americana.

Havia certamente uma parte do novos territórios Pacíficos prometidos à França, que acabou por ficar com algumas ilhas (que ainda hoje mantém), mas a solução de Sandwich terá sido um rude golpe nas aspirações francesas. 

Quanto aos holandeses, tiveram que fazer quase de conta que nunca tinham visto a Austrália...
Para termos uma ideia da precisão que os mapas holandeses chegaram a ter, basta ver este mapa de Gerritsz em 1618, muito antes da viagem de Tasman (1642):

Apesar de Gerritsz ser considerado um dos maiores cartógrafos, o seu trabalho tem pouca divulgação... e percebe-se que não se queira questionar a razão pela qual as linhas perfeitas acabam onde acabam em 1628, e que os sucessores até Tasman nada tenham feito para completar o circuito. Nem Tasman, nem nenhum seguinte... e é claro que os portugueses estando com colónias em Timor, ou os espanhóis com colónias nas Filipinas, continuavam a não acertar com as velas, e não conseguiam aí navegar para sul! 
Foi preciso Sandwich e Cook para resolver o assunto!

O mapa de Gerritsz tem ainda outros problemas... identifica a descoberta de Houtman das ilhas Abrolhos, e apesar de estar datado de 1618 apresenta as descobertas até 1628. Parece claro ao inspeccionar o mapa que as inscrições com as datas e exploradores são posteriores à execução do mapa!
Quanto ao arquipélago e recifes de Abrolhos... descobertas por Houtman em 1619(!), ficaram definitivamente nomeadas Houtman Abrolhos.
Open your eyes... abram os olhos, abrolhos!
Nada mais apropriado, desde sempre até hoje...
Ilhas australianas de Houtman Abrolhos

Por via das confusões, e não tivesse ficado registo português com esse nome, apareceram também umas ilhas Abrolhos no Brasil. Assim, uma das estórias relata que Houtman terá sido inspirado por essoutras. Não é de espantar, porque Tasman vai repetir a inspiração com Pedra Branca, na Tasmânia, que lhe vai lembrar Pedra Branca, perto de Singapura.

Por acaso, Abrolhos faz-nos lembrar "Vannila Sky" que na versão original espanhola se chamava "Abre los Ojos"... só a Penelope Cruz seria a mesma. 
No fundo, um problema de chancela que tem vários aspectos e protagonistas ao longo dos tempos.
Independentemente dos protagonistas, o argumento, esse é intemporal...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:45


Marco Polo... mapa com barco!

por desvela, em 21.07.11
A Maria da Fonte publicou a existência de um enigmático mapa, na Biblioteca do Congresso Americano, que estará associado a Marco Polo, aí também entitulado "map with a ship", que contém inscrições chinesas, e também comentários no dialecto veneziano.
As conexões entre a região apresentada e o norte do Pacífico, são evidentes...
Pode ver-se claramente a zona do Estreito de Bering (ou Anian), e representadas as Aleutas, o mar de Okhotsk, o Japão, e outros contornos do sudeste asiático, por um lado, e o contorno do Alasca, por outro... conforme se procura tornar claro nesta comparação:
Na outra parte do mapa, encontramos um desenho de um barco, com uma vela triangular, conforme notou a Maria da Fonte, e algumas legendas relativas ao mapa que se encontram descritas no site.
Para além do barco com vela triangular, e do texto, encontramos uma caixa
com o que seria a assinatura do cartógrafo (Marco Polo),
onde se vê enquadrado pelo C, M, A, O, O e eventuais P, L inseridos.

O mapa está datado c. 1290, mas a proveniência não é confirmada, nem a autenticidade.
As notas associadas ao mapa são as seguintes:
  • The map, in its ornamental frame, occupies the right side of the sheet. Drawing of a ship and an eight-line explanation of Roman numerals on left side of the sheet.
  • Place names in Arabic. Chinese in two columns, on right side of map. Text in Venetian Italian.
  • Undetermined authenticity.
  • Provenance unverified.
  • Pen-and-ink.
  • Further description of map appeared in article: Bagrow, Leo, 1948. The maps from the home archives of the descendants of a friend of Marco Polo. Imago Mundi, vol. V.
  • Includes key to identifying countries and regions designated by Roman numerals.
  • Translation of the explanation of Roman numerals: Marco Polo. 
  •        I. India and the adjacent islands, according to what the Saracens say. 
  •       II. Cattigara of Tartary, island of Zipangu and adjacent islands. 
  •      III. Peninsula of the Sea Lions. 
  •     IV. Islands connected with the Peninsula of the Deer situated 2 to 4 hours of difference from the walled provinces of Tartary.
  • Given to the Library of Congress in 1935 by Mr. Marcian F. Rossi, a retired merchant, who considered himself a descendant of a friend of Marco Polo.
É claro que se poderia tratar de uma falsificação muito sofisticada, mas se alguma coisa espanta neste mapa é a ausência de interesse... ao ponto de ninguém ter-se preocupado em fazê-lo, desde 1935 (data da oferta reportada), e a pouca divulgação que o mapa tem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:48


Marco Polo... mapa com barco!

por desvela, em 21.07.11
A Maria da Fonte publicou a existência de um enigmático mapa, na Biblioteca do Congresso Americano, que estará associado a Marco Polo, aí também entitulado "map with a ship", que contém inscrições chinesas, e também comentários no dialecto veneziano.
As conexões entre a região apresentada e o norte do Pacífico, são evidentes...
Pode ver-se claramente a zona do Estreito de Bering (ou Anian), e representadas as Aleutas, o mar de Okhotsk, o Japão, e outros contornos do sudeste asiático, por um lado, e o contorno do Alasca, por outro... conforme se procura tornar claro nesta comparação:
Na outra parte do mapa, encontramos um desenho de um barco, com uma vela triangular, conforme notou a Maria da Fonte, e algumas legendas relativas ao mapa que se encontram descritas no site.
Para além do barco com vela triangular, e do texto, encontramos uma caixa
com o que seria a assinatura do cartógrafo (Marco Polo),
onde se vê enquadrado pelo C, M, A, O, O e eventuais P, L inseridos.

O mapa está datado c. 1290, mas a proveniência não é confirmada, nem a autenticidade.
As notas associadas ao mapa são as seguintes:
  • The map, in its ornamental frame, occupies the right side of the sheet. Drawing of a ship and an eight-line explanation of Roman numerals on left side of the sheet.
  • Place names in Arabic. Chinese in two columns, on right side of map. Text in Venetian Italian.
  • Undetermined authenticity.
  • Provenance unverified.
  • Pen-and-ink.
  • Further description of map appeared in article: Bagrow, Leo, 1948. The maps from the home archives of the descendants of a friend of Marco Polo. Imago Mundi, vol. V.
  • Includes key to identifying countries and regions designated by Roman numerals.
  • Translation of the explanation of Roman numerals: Marco Polo. 
  •        I. India and the adjacent islands, according to what the Saracens say. 
  •       II. Cattigara of Tartary, island of Zipangu and adjacent islands. 
  •      III. Peninsula of the Sea Lions. 
  •     IV. Islands connected with the Peninsula of the Deer situated 2 to 4 hours of difference from the walled provinces of Tartary.
  • Given to the Library of Congress in 1935 by Mr. Marcian F. Rossi, a retired merchant, who considered himself a descendant of a friend of Marco Polo.
É claro que se poderia tratar de uma falsificação muito sofisticada, mas se alguma coisa espanta neste mapa é a ausência de interesse... ao ponto de ninguém ter-se preocupado em fazê-lo, desde 1935 (data da oferta reportada), e a pouca divulgação que o mapa tem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:48


A Merica e a longitude

por desvela, em 18.07.11
Longitude
Acerca da longitude já tínhamos aqui citado António Carvalho da Costa que, em 1682, e com breves palavras, mostrava como era possível saber a correcta longitude de lugares através da observação de eclipses. 
Sendo a latitude um problema mais fácil, ficava aí claro que eram conhecidos métodos eficazes para determinar a posição recorrendo apenas a observações astronómicas. O interesse pelos eclipses lunares seria especialmente um interesse geográfico, com vista a uma correcta cartografia. Assim, a tabela de eclipses de 1534, de Jerónimo Chaves, indiciaria isso mesmo.

Encontrámos agora outro texto, de Manuel de Figueiredo, de 1603, que coloca as coisas de forma mais clara, confirmando as nossas suspeitas de que essa técnica seria bem mais antiga. 
O texto de Figueiredo é mencionado na literatura (veja-se por exemplo aqui) especialmente porque detalha a construção da balestilha, instrumento prático para a determinação de ângulos, e apropriado para a latitude. 
Aqui interessa-nos a questão da longitude, mais complicada.
"Como se acharam as longitudes das terras.
- é este o título do Capítulo XIII da "Chronographia e Repertório dos Tempos", publicada em 1603 por Manuel de Figueiredo. Começa dizendo:
Grande foi o trabalho que os geógrafos tiveram em achar as longitudes das terras, as quais observaram pelos eclipses da Lua e do Sol, & não haviam de ter tão pouco em a todas elas buscarem a longitude, porque nem todos os meses há eclipses para as poderem mostrar (...)
Não especifica quem foram os geógrafos, nem quando... apenas explica como se processou: 
Punham-se dois geógrafos em duas terras (...) esperavam o dia e hora a que havia de acontecer (...) observavam a que hora começava & cotejada uma observação com a outra, a diferença que entre elas havia essa era a longitude(...).
... algo que já tínhamos suspeitado como sendo o método usando "enviados do reino".
Duas páginas à frente faz referência às vantagens da "pedra de sevar" (magneto) que teriam marcado a diferença face aos "antigos"... e somos levados a concluir que implicitamente considerava que o processo de eclipses para a longitude era já conhecido desses "antigos". Figueiredo sugere que teria sido o magneto a marcar a diferença, pois esses antigos se restringiam ao hemisfério norte com medo de perder a Estrela Polar... que é outra maneira de dizer que tinham medo de "perder o norte", de ficarem desnorteados!


Merica
Talvez mais interessante é o detalhe de Figueiredo designar a América como "A Merica". Isso poderia passar por erro tipográfico, mas é demasiado propositado para ser qualquer erro acidental:


Menção a "a Merica" e "America", por Manuel Figueiredo

Se já havia algumas suspeitas do nome América não estar necessariamente ligado a Amerigo Vespúcio, creio que esta obra de Figueiredo vai exactamente nesse sentido... 
A Merica e não América

Fomos encontrar uma canção dos emigrantes italianos que povoaram o Rio Grande do Sul:
Dalla Italia noi siamo partiti; Siamo partiti col nostro onore;  
Trentasei giorni di macchina e vapore, e nella Merica noi siamo arriva'. 
Merica, Merica, Merica, cossa saràlo 'sta Merica? 
Merica, Merica, Merica, un bel mazzolino di fior. 
Trata-se do dialecto do Veneto (Veneza), que tira o A a America, e aparece como uma clara desfaçatez veneziana ao compatriota, mas rival florentino, Amerigo...

Haverá outro sentido para a simples palavra Merica?
O google e a wikipedia têm destas coisas, e fomos parar imediatamente a 
- merica: palavra indonésia com raiz no sânscrito que significa a especiaria pimenta.

Afinal, como chamam os ingleses a um tipo de pimenta? 
- Chili pepper... chegando mesmo a escrever Chile pepper.
A pimenta ou malagueta sempre esteve associada à comida mexicana, azteca e também inca. É claro que também é parte da cozinha indiana, e isso pode reportar perfeitamente uma rota de especiarias que se prestava a unir as índias orientais e ocidentais sob a conveniente confusão!

Ou seja... quando os nossos descobrimentos seguiam na rota da Pimenta, é mais natural que estivessem a seguir a rota da Merica. Como dizia Figueiredo: "a cobiça de reinar abriu o caminho para descobrir tantas riquezas quantas neste novo mundo há"...


Se o nome é anterior a Américo Vespúcio, esta semelhança entre "a Merica" e "Americo" pode ser um caso que já abordei num comentário que aqui fiz - a importância de se chamar Ernesto, neste caso Américo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:56


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D