Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tagus Aureo

por desvela, em 26.04.10
Juvenal, Decimus Iunius Iuvenalis (~60-127) nas suas Sátiras menciona por duas vezes o Rio Tejo...

Ah! Let not all the sands of the shaded Tagus, and the gold which it rolls into the sea, be so precious in your eyes that you should lose your sleep, and accept gifts, to your sorrow, which you must one day lay down, and be for ever a terror to your mighty friend!
Juvenal (Sátira 3)

The man for whose desires yesterday not all the gold which Tagus and the ruddy Pactolus rolls along would have sufficed, must now content himself with a rag to cover his cold and nakedness, and a poor morsel of food, while he begs for pennies as a shipwrecked mariner, and supports himself by a painted storm!

Juvenal (Sátira 14)


Portanto, concluímos desta pequena referência que no Séc.I/II era do comum conhecimento romano que o sítio que forneceria a maior parte do ouro que chegava a Roma, vinha essencialmente do Rio Tagus. César foi quaestor da Lusitânia, e parte do seu sucesso está ligado às moedas de ouro com que pagava às suas legiões...

Não é completamente clara a referência de Juvenal ao "ouro que rola" pelo "sombrio Tejo", parecendo já querer aludir a algum mistério. Sobre o "ruivo" Rio Pactolus, apurei que seria na Lídia... região já por si também sombria, e que como tal uma boa parte de "regiões sombrias" foram sempre situadas na Ásia Menor. Nessa península turca, couberam muitos reinos poderosos, muitas vezes contemporaneamente, sem que se percebesse o que delimitaria fisicamente as suas fronteiras e como se processaria a sua convivência.

É num mundo contraído por uma História reescrita, que encontramos também demasiadas semelhanças de nomes.

À força de querer limitar as navegações gregas a paragens próximas, nomes como Iberia ou Albania, aparecem associados a reinos do Cáucaso, próximos de uma Cólquida, no Mar Negro, associada à viagem do intrépido Jasão e dos Argonautas.
Não será porém de considerar que esse Mar Negro, o Pontus Euxinus, não foi renomeado pela escuridão medieval que se associou ao Oceano Atlântico... e que a viagem de Jasão foi para além do Estreito de Dardanelos, servindo como alias do Estreito de Gibraltar.

Afinal não será natural que o Rei Dardanus (filho de Zeus e Electra, neto de Atlas) tenha casado com Batea (associando-a à Baetia, região romana do Guadalquivir ~ Baetis Fluvius)?
Isto coloca-nos na zona de Tróia....

Mas, afinal, não será natural que Olissipos-Lisboa, derive de Ulisses por alguma razão?
Seria assim justificável o nome de Tróia para a península... que sempre teve esse nome.
Setúbal, antiga cidade do Rei Túbal teria talvez sido a antiga Tróia, após o Dardanelos?
O Rio Sado, era pelo Romanos denominado Calipos Fluvius. Não será também de associar esse nome à ninfa Calipso, filha de Atlas, que reteve Ulisses por 7 anos? Qual seria a ilha... uma ilha onde há uma Orquídea cuja variedade se chama Calipso?

Por que razão limitar as grandes navegações gregas à Asia Menor?
Se Duarte Pacheco Pereira cita Estrabão, e diz que Menelau, marido de Helena de Tróia, contornou toda a África, por onde teria andado Ulisses que mereceu de Homero um poema muito maior, uma Odisseia?

Teria Ulisses ficado perdido num Mar Mediterrâneo que os Gregos conheciam tão bem, ou terá Ulisses ficado perdido no grande Oceano Atlântico?... quiçá, no meio de sereias que os portugueses voltaram a encontrar!
Se as ilhas gregas estavam mais distantes entre si do que Micenas estava da Tróia na Anatólia, faria sentido embarcarem todos numa longa viagem, que afinal era tão próxima? Não faria mais sentido que essa viagem visasse uma distante Tróia, situada após o Mar Mediterrâneo?

Será demasiado nacionalismo?... há falta de objectividade, ou depois de um Tejo Mahalay, teremos agora uma Helena de Tróia, raptada por um Páris setubalense...

É difícil distinguir as influências, mas seguindo esta linha, aparece ainda como consistente a ideia de Poliziano - Roma enquanto colónia Lusitana... É que segundo Virgílio, Afrodite terá sugerido a Eneias partir de Tróia, e fazer reviver a glória de Tróia numa outra parte... em Roma.

É nesta parte difícil distinguir o aproveitamento da lenda para interesse próprio... os portugueses do Séc. XV podem ter descoberto documentos nesta linha, ou podem ter seguido a linha de reescrever a história a seu belo prazer, associando alguns nomes convenientemente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:15


16 comentários

De Anónimo a 26.04.2010 às 07:19

Não! A História está certa!
Chega-se lá pela Genealogia. Foi assim que eu cheguei a ESUS, a Sara de Mauryan, a Helena de Moor, e a Gala Plácida.
Mas agora estou muito cansada.
Logo, tento explicar.

Maria da Fonte

P.S. Lisboa é uma Região Vulcânica

De Anónimo a 27.04.2010 às 04:24

Caro da Maia

No Livro de Genealogia dos Reis de Portugal, do Infante D. Fernando, da autoria de António de Holanda e Simão Benig, está escrito que os Reis de Portugal descendem de Magog, descendente de Noah.

Entre esses descendentes de Noah, encontramos Tubal-Cain, irmão de Neithhopet B, que foi a mãe de Japhet c 2452 a.C.

Um dos filhos de Japhet, teve o nome do tio materno Tubal, e a outro foi dado o nome de Magog.

Tubal, teve três filhos, Aripi, Kesed e Taari, de quem ainda não consegui a História.

De Magog, descendem entre outros o Rei Sargão de Akkadia c 2300 a.C., Sairai bint Naor e Amenmose Ibraim de Urukk Acádia, que conhecemos pelos nomes de Sara e Abraão.

A mãe de Amenmose Ibraim , foi Enheduanna da casa de Sargão, e a sua Genealogia está estudada em várias fontes.

O estudo de onde tirei estes dados, Rodovid Org, utiliza Nove Fontes diferentes, só para a linhagem de Abraão.
É um trabalho colossal, que tem que seguir com calma, e que nos ocupa muitas e muitas horas.

A Genealogia Ilustrada do Infante D. Fernando, ou dos Reis de Portugal, estabelecida desde Noah, é um congunto de 13 Fólios de Pergaminho todos iluminados, excepto um que é desenhado a tinta, e encontra-se no departamento de Manuscritos do Museu Britânico, em Londres.

António de Aguiar, publicou um Estudo Histórico e Crítico sobre estes 13 Fólios, em 1962, onde se podem vêr as cópias dos Fólios.

Dos 450 exemplares então feitos, tenho um, que vou comparando com os dados do Rodovid.

Temos portanto Várias Fontes, que colocam Tubal, entre a ascendência dos Reis de Portugal, pelo que não será por falta da provas, que não se chegará a Tróia e ao Taj Mahal.

Quanto ao Tagus Áureo, é óbvio que os Romanos o haveriam de expoliar até à última gota.

Como aliás, fizeram depois Castelhanos, Franceses Ingleses e Holandeses, e outros que se seguiram em épocas mais recentes.

(Continua)

Maria da Fonte

De Anónimo a 27.04.2010 às 23:15

Cara Maria da Fonte,

Perdi-me!
Sabe qual a fonte em que se baseou a Genealogia Ilustrada do Infante D. Fernando?
Perdoe-me a pergunta, mas é para ver se entendo Damião António de Lemos Faria e Castro.

Calisto

De AlvorSilves a 28.04.2010 às 04:12

Cara Fonte e caro Calisto,

eu segui (o que pude...) da Monarchia Lusitana do Frei Bernardo de Brito.
É claro que há todo um enredo posterior, que coloca estas versões como fabulações baseadas em Viterbo. No entanto, há citações para Orósio, e mesmo de Estrabão ou Pompónio Mela.

Nesse sentido, acho que havia uma teoria aceite anterior ao Séc. XV, acerca da ligação lusitana de um Rei Tubal, com um filho Ibero, com um Rei Hispalo, e ainda com um Rei Luso, ou com outro Lisio, companheiro de Baco, de onde viria o nome Lusitânia.
Vi agora ainda que o próprio Frei Bernardo confirma a relação de Túbal a Cetobriga (por via de ce-tubal-briga), e ainda a Tróia.

Apesar de já ter tentado várias vezes, não consigo fazer o download da Monarchia Lusitana (usei várias vias... mas quebra sempre a ligação), pelo que a minha consulta é do tipo página-aqui/página-ali...

Há um Tubal-Caim pré-diluviano, mas no pós-dilúvio aparecem 3 filhos de Noé, um dos quais Japhet, povoador europeu, teria um Túbal como um dos seus filhos.
Túbal teria sido o fundador da primeira república, de acordo com fontes romanas... que ainda diriam que a Hispania seria o país com leis mais antigas, ditas em forma de verso!
Alega o Frei Bernardo que esse sistema mais justo teria motivado a fixação de povos caucasianos, os Iberos, que se colocaram na zona da foz do Rio Ebro (antes Iberus Fluvius), e isso estaria no nome do filho de Túbal, que foi Ibero.

É ainda interessante não fazer parte do conhecimento geral, o nome da primeira cidade que Noé terá feito - Saga Albina (que seria na Arménia, ou talvez na Albania caucasiana junto ao Mar Cáspio).

PS: Caro Calisto, o Damião Faria e Castro parece ser uma "fonte"... Obrigado! Imagino que não seja por acaso que o únici volume da História que consegui puxar, comece após 1648 e faltem algumas páginas.
Provavelmente após a "actuação do monstro devorante da tranquilidade pública" (como ele lhe chama), só algumas páginas escaparam...

De Anónimo a 28.04.2010 às 10:43

Caro Da Maia,

no que refere a este assunto, de uma leitura superficial que fiz de Damião Faria e Castro fiquei um pouco baralhado, e daí surgiram as minhas dúvidas, pois quando li Politica, Moral, e Civil,Aula da Nobreza Lusitana Tomo VI de 1754(a), e depois História Geral de Portugal e suas conquistas, 1786 (b)parece que o assunto não é tão claro quanto parecia e aí perdi-me, pois fiquei sem perceber em qual versão o autor se baseava.
Repare, os documentos de Viterbo hipotéticamente baseados em Beroso foram contestados (e parece que daqui viria a associação de Tubal à Lusitânia), mas parece que contestam não Tubal mas as justificações.Já Frei Brito discorda de Viterbo na sequência cronológica,no entanto já em 1561 Gaspar Barreiros publicou em lingua portuguesa a crítica de Pseudo-Beroso (c) (tal como Damião Faria e Castro na História Geral de Portugal), o meu espanhol é muito ruim mas para dizerem: "Sin embargo, Annio de Viterbo no se lo había inventado todo."(d)parece que há um fundo de verdade. Mas afinal o que é que é verdade, ou antes, qual é a verdade?
Tal como Maria da Fonte, Da Maia, José Manuel tem referido inumeras vezes, isto anda tudo embrulhado...

Tomei a liberdade de incluir os links dos documentos referidos, deixo ao seu critério a inclusão dos mesmos na sua página.

Melhores cumprimentos,

Calisto

a)Politica, Moral, e Civil,Aula da Nobreza Lusitana Tomo VI
http://purl.pt/13935/2/hg-12788-v/hg-12788-v_item2/index.html

b)História Geral de Portugal e suas conquistas http://www.archive.org/details/historiageralde01castgoog

c)Estrutura e função do mito de Hércules na
Monarquia Lusitana de Bernardo de Brito
http://www2.dlc.ua.pt/classicos/hercules.pdf

d)
http://cvc.cervantes.es/el_rinconete/anteriores/abril_98/27041998_01.htm

De Anónimo a 28.04.2010 às 10:54

Cara Maria da Fonte,

Como não sou da àrea, as interpretações que possa fazer podem ser duvidosas, mas diga-me se o seguinte faz sentido:
Na página 9 no 1º parágrafo do livro Politica Moral, e Civil, Aula da Nobreza Lusitana tomo VI de Damião Faria e Castro é dito (referindo-se a Hibero filho de Tubal, e às gentes da Hiberia que fugiam da tirania de Nembrot) "(...) deu-lhe para a governar um filho seu, que então fez chamar Hibero, para lhe suavizar com o nome do Principe a lembrança da patria". Será que o filho de Tubal teria outro nome antes de ser apelidado de Hibero? Seria Aripi, Kesed ou Taari? Faz sentido?

Calisto

De AlvorSilves a 30.04.2010 às 04:31

Caro Calisto,
Tem razão a história tem necessariamente muitos pontos de confusão.
No entanto, é preciso ter em atenção que uma censura, ou apreciação negativa, quando contém ainda assim informação sobre o assunto, não deve ser colocada de parte. O censor pode estar simplesmente a passar informação doutra forma, explicando os argumentos de um lado e os do outro lado. Cabe a nós fazer o nosso julgamento.

O método mais eficaz acaba por ser controlar a difusão de informação de forma subtil, para que o autor apenas se possa sentir frustrado pela inaceitação do seu trabalho, não atribuindo responsabilidades a outros, nem tendo razões objectivas para se queixar.
E... funciona bem!

De Anónimo a 01.05.2010 às 00:06

A Nova Jerusalém de Pedro Fernandes de Queirós (Tierra Autralia del Espiritu Santo & Nan Madol)

Olá,

Deixo-lhe só aqui algo que diz talvez respeito ao seu tópico"Jerusalém no Livro de Marinharia", pois os portugueses, ou um criou uma Nova Jerusalém, mas como o caro não levou a sério a minha "tese" não lha vou apresentar de novo:
… (AlvorSilves disse... Duvido que inicialmente os Portugueses tenham procurado os vestígios do que quer que fosse...);
experimente embarcar sozinho num barco sem motor e sinta por si o que é "ir descobrir algo" por via marítima, verá que nem consegue sair do porto, ninguém ia vai ou irá à descoberta de algo pelo mar oceano sem saber a rota e local a alcançar, nem com costa à vista.

Sim os portugueses sabiam onde iam e o que iam descobrir, mas aqui vai um que foi considerado de louco e que no meio de milhares de ilhas teve que ir desembarcar numa de uma civilização megalítica, mas tem a honra de ser citado e imortalizado em mais de 4 livros, mas completamente ignorado pelos portugueses:

Queirós foi recebido pelo Papa antes de iniciar esta viagem…

… (L'île s'appelle toujours Espiritu Santo. Il y fonde une colonie qu'il baptise Nouvelle Jérusalem, mais doit rapidement abandonner son projet en raison de l'hostilité des autochtones et des conflits entre les membres de l'expédition.
Le nom de Quirós sera mentionné par Bougainville dans son Voyage autour du monde, et par Jules Verne dans Vingt Mille Lieues sous les mers (…) http://fr.wikipedia.org/wiki/Pedro_Fernandes_de_Queir%C3%B3s

Nan Madol na Oceânia (1595 Pedro Fernandes de Queirós)
… (Com superficie total de 1.340 km2, as Ilhas Carolinas constituem o maior grupo de ilhas da Micronésia, na região noroeste da Oceânia. Entre as aproximadamente 1.500 ilhas, Pônape, com superfície de 504 km2, é a maior das ilhotas espalhadas ao seu redor. Uma dessas ilhotas, com 0,44 km2, extensão territorial da Cidade do Vaticano, cujo nome oficial é Temuen, é chamada de Nan Madol, por causa das ruínas gigantescas de Nan Madol. Também neste caso, falta a data da origem desse complexo e ninguém sabe quem foram os seus construtores. Segundo os dados históricos, autênticos, em 1595, quando o navegador português Pedro Fernandes de Queirós lançou as âncoras do seu barco "São Jerônimo" em Temuen, os visitantes já encontraram as ruínas.)

Sobre a Austrália de Queirós vou ler isto aqui:
http://www.gutenberg.org/files/17022/17022-h/17022-h.htm#maps-col-05

Mas termino para dizer que muito encobrem os portugueses da sua história, tem medo ainda de algo presentemente, que sejam tratados de nacionalistas de saudosistas, e ficam reduzidos a mediocridade que lhes é imposta pelo lobby dos juristas e maçónicos que comandam a historiografia portuguesa, é esta a verdade.

AlvorSilves diz: " É nesta parte difícil distinguir o aproveitamento da lenda para interesse próprio..." sim se andar a fazer história só pelos papeis e ignorar outras disciplinas, a Bíblia sérvio par desenterrar muitas cidades que eram lenda…,

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE

De AlvorSilves a 02.05.2010 às 06:52

Caro José Manuel,

Como se lembrará, comecei pela parte dos Séc. XIV-XVII, e nunca escondi que não me sinto ainda "à vontade" a navegar para épocas bíblicas ou pré-diluvianas. Tudo fica mais confuso, face à nossa realidade... começando logo pela longevidade dos nossos antepassados.

Por outro lado, viagens intrépidas, sem referência, não são uma restrição. A altura do sol, foi sempre uma referência, com maior ou menor precisão.

Obrigado pela referência ao Pedro Queirós, é sem dúvida uma boa direcção.
Já agora, junto a isso a existência na Tasmânia de um Parque Natural, cujo nome é
Walls of Jerusalem (http://en.wikipedia.org/wiki/Walls_of_Jerusalem_National_Park)
há ainda outro, próximo, também na Tasmânia, denominado
Cradle Mountain (http://en.wikipedia.org/wiki/Cradle_Mountain-Lake_St_Clair_National_Park)
Ou seja, acha que poderá essa Ilha "Espírito Santo" ter sido a Tasmânia?

Quanto a Nan Madol (http://en.wikipedia.org/wiki/Nan_Madol) nem tampouco tinha ouvido falar!
É uma referência para mim assombrosa!
Considera possível que tal construção resultasse de alguma cultura de origem europeia? Algum grupo de navegadores que naufragado, ou por deserção, tivesse conseguido desenvolver aí alguma cultura autóctone? Ou há evidências de que essas construções devam ser anteriores? Desculpe a questão, mas desconheço a matéria.

Quanto à restante questão, não sei como lhe responder. Não é difícil perceber que há um grupo não negligenciável de pessoas para o qual muito do que é aqui discutido é conhecido, ou pelo menos em larga parte conhecido.

Também não é difícil perceber que já houve várias pessoas, algumas ilustres, que tentaram passar a mensagem. No entanto, constata-se que essa mensagem se perdeu, ou é de tal forma desvalorizada que nem é referida!
Posso perceber isso em casos isolados, mas agrupando a informação, percebe-se que o problema é muito maior do que uma simples desvalorização de algumas fontes.
Conseguirá financiamento e/ou autorização para desenterrar coisas?... Ainda assim, o que lhe garante a devida divulgação e preservação dos achados? Dados os contornos que vejo, ou julguei ver, nada disso me parece possível, e já dou por bom ser permitido este espaço para discussão.

Cumprimentos, e bom fim de semana.

De Anónimo a 02.05.2010 às 23:57

1) Portugal berço da civilização Megalítica - Cromeleque dos Almendres / Antas portuguesas / Rocha da Mina – Junto à ribeira do Lucifécit

… (Considera possível que tal construção [Nan Madol] resultasse de alguma cultura de origem europeia?):
Não se sabe, sabe-se que o megalítico teve origem provavelmente na actual zona de Portugal, pela sua quantidade concentração e antiguidade, temos um observatório astronómico mais antigo que Stonehenge …, o Cromeleque dos Almendres é o mais antigo de todos na Europa, apesar de os alemães pensarem o terem, ver aqui que merece a pena:
… (Contando 7000 anos de existência, as ruínas de Goseck, no Estado alemão de Saxônia-Anhalt, são, ao mesmo tempo, o mais antigo observatório solar da Europa e o mais antigo templo da Europa Central. Segundo o arqueólogo François Bertemes: “Aqui não apenas se estudava a trajetória do sol, como também havia vida social, com reuniões e rituais”);
http://www.dw-world.de/dw/article/0,,943642,00.html

Só que os alemães defendem a sua história e os portugueses cospem nela ‼!

Sabe-se que Nan Madol é uma cidade megalítica "aquática" e artificial cujas gigantes pedras foram trazidas de longe pela mão do homem, são ILHAS ARTIFICIAIS MEGALÍTICAS, e o português Pedro Fernandes de Queirós foi o primeiro a lá chegar e as redescobrir em 1595.

Sobre como o Establishment cospe no Megalítico português ver estas escadarias (6 - 8.000 BCE) neste YouTube:
Endovélico: Deus dos Lusitanos http://www.youtube.com/watch?v=ltisu6s5xD0
Os Romanos cuspiram nos Deuses Lusitanos partiram tudo e construíram um templo por cima ou perto, depois os portugueses partiram tudo de novo e roubaram para construir de casas a igrejas até manjedouras de gado com os mármores romanos fizeram, mas restou o Megalítico original… pois quem o fez fê-lo a prever a sua destruição.

… (A altura do sol, foi sempre uma referência, com maior ou menor precisão);
Lamento que lhe diga mas está enganado, incómoda o Establishment a área da Arquio- astrologia, mas a Arqueoastronomia é uma disciplina reconhecida e demonstra que os povos neolíticos, e talvez anteriores, sabiam observar mais que o Sol! Pois a maioria das Antas portuguesas estão quase todas orientadas para as Plêiades, nos Andes utilizavam as mesmas como calendário para plantar a batata-doce, o observatório ainda existe, etc.

… (Conseguirá financiamento e/ou autorização para desenterrar coisas?... Ainda assim, o que lhe garante a devida divulgação e preservação dos achados?):
Muitas pessoas se dedicam à pesquisa com detectores de metais, a maioria são pessoas conscienciosas; (http://www.megalithomania.co.uk/ ) dou-lhe dois exemplos emblemáticos o primeiro foi o maior tesouro em ouro descoberto na Irlanda (provavelmente ouro vindo da América antes de Colombo) o segundo é o Disque de Nebra, prova que os europeus estavam mais desenvolvidos que as civilizações sumérias egípcias e outras orientais, este disco tem provavelmente também as Plêiades representadas, ambos são descobertas feitas por amadores, quando refiro o que se descobriu com a ajuda das lendas da Bíblia é um exemplo que se devem dar crédito às lendas dos povos isolados das civilizações ocidentais…! Pois são a verdadeira história da humanidade contada oralmente! A não confundir com lendas de mouras encantadas evidentemente.

Não se pode continuar a dar créditos cegamente a teses históricas oficiais que foram estabelecidas só com papéis, pois vêm a Arqueologia o ADN e uma grande quantidade de testes químicos e radioactivos e outras disciplinas que as desmentem categoricamente!
(continua no seguinte post)

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D