Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Temor

por desvela, em 05.10.14
É frequente ouvir-se falar na dificuldade em transportar e erguer grandes monumentos megalíticos, normalmente como aperitivo para invocar depois tecnologias alienígenas, ou algo semelhante.
Sendo claro que a tarefa não seria propriamente fácil de executar, foram deixadas pistas claras sobre o processo. Relativamente ao erguer de megalitos, ainda que ninguém se dedique hoje a erguer pedras de grande dimensão manualmente, há a chamada 
 "festa do mastro" - maypole 
onde se repete uma técnica ancestral em eventos culturais.
(perto de Penafiel, em Julho) - (perto de Munique, em Maio)

Por toda a Europa (e não só - no Brasil também ocorre), especialmente em zonas de conhecida tradição celta, temos esta tradição pagã, praticamente igual após muitos milénios. A festa acontece habitualmente em Maio ("May Day" - ver texto anterior), e não será acidental a cultura ser comum, porque guardará um velho conhecimento de como erguer grandes estruturas verticais, usando apenas a força de um grande número de homens. Claro que estas tradições pagãs foram combatidas de forma repressora... e depois no Séc. XX de forma sedutora, com maior sucesso, por deixarem de estar na "moda".

A ideia de dólmens, mouras ou antas, está espalhada não só na Europa, mas também na Ásia, havendo mesmo registo de que serviria como pedestal para chefes. Para isso fomos parar à Oceania-Indonésia, confirmando uma tendência persistente de "origem celta" vinda dessas paragens, que deduzimos de uma interpretação descomprometida da informação recente sobre os haplogrupos.

Para juntar à festa do mastro, encontrámos estas fotos antigas da Indonésia no princípio do Séc. XX, e que são elucidativas:

A primeira imagem mostra bem como se transportava manualmente um grande megalito na Indonésia, até há 100 anos atrás, e a segunda imagem evidencia vários menires megalíticos.
Por isso, quando virmos discussões de "como seria possível antigamente levar megalitos, etc, etc..." bastará pegar no link da fotografia, que está na wikipedia, e enviar a quem tem dúvidas.
Mas essas dúvidas são naturais, porque há todo um cozinhado educacional que tem suprimido este tipo de provas que desvanecem automaticamente mistérios. É claro que com megalitos maiores seria mais difícil, ninguém duvida, mas estamos aqui a considerar o caso de uma tribo duma pequena ilha - Nias (na costa ocidental de Sumatra), que usava até ao Séc. XX os métodos mais rudimentares.

Portanto, apesar de se ignorar sistematicamente a ocorrência megalítica em paragens indonésias, ou da Oceania, vislumbra-se aqui de novo a ligação cultural do rendilhado das ilhas da Melanésia, nos confins do Oriente, até às manifestações culturais do Ocidente, em particular nesta técnica megalítica.
Um quadro de propaganda ao Império Holandês do início do Séc. XX, é ilustrativo da jóia da coroa holandesa, centrada em Jacarta (Batavia):
____________
Poderíamos falar de como os holandeses se dedicaram a substituir-se aos portugueses, depois da anexação filipina. Para isso convém notar que, para além dos segredos que Cornelius Houtman obteve em Lisboa (já falámos aqui do cozinhado nas ilhas australianas de Houtman Abrolhos), houve contribuição interna para o ascendente marítimo de holandeses e ingleses, assim que o "démon du midi", Filipe II, anexou o reino de Portugal. O fenómeno também se deu ao contrário - afinal, a bem sucedida invasão holandesa da Inglaterra, protagonizada com Guilherme de Orange, acabou por iniciar o declínio holandês, e talvez mostrar que a Holanda pouco mais serviu do que um trampolim para um império comercial maior - o império britânico.

Aqui interessa-nos referir a Holanda, pela estranha partilha que acabou por ser feita em Timor. De todas as ilhas indonésias, o último reduto português foi aquela ilha, aliás, apenas uma parte dela. A reduzida população portuguesa nunca teria conseguido grande implantação num império tão vasto, mas foram significativas as perdas de Malaca e Maluco. Malaca era importante no controlo do estreito de comunicação com a China e com as especiarias das ilhas Malucas. Se Houtman usou o caminho alternativo para as Malucas pelo estreito de Sunda, os holandeses não descansaram enquanto não atacaram Malaca, bem como todas as importantes possessões portuguesas.


Timor significa em latim "temor", associa-se à divindade grega Phobos, mas a origem do termo é reportada à palavra "Timur" que significa "Leste" em bahasa indonésio. Ainda que hajam muitos mais territórios a leste, é suficientemente a leste para justificar o termo. Malaca era também a designação latina para a cidade de Málaga, também cidade às margens de outro estreito - o de Gibraltar. Quando aumentamos o número de linguagens, torna-se quase forçosa a coincidência de termos simples, e isso não revela nada de especial. Fica apenas a curiosidade dos muitos termos com sonoridade semelhante como Mataram - um dos maiores reinos indonésios. Se encontramos Timor que é Phobos, não encontramos Metus que seria Deimos, e portanto o par de divindades associada a Marte não está presente na nomenclatura.

Interessa aqui que, após os sucessivos abandonos de territórios indonésios pelos portugueses, havia uma grande quantidade de população mestiça (característica típica da actuação portuguesa), que se revia apenas no controlo do rei português e recusava o domínio holandês. Esse foi o caso dos Topas, ou Topasses, que podem bem justificar a persistência final dum enclave português rodeado por hostilidade holandesa.
Os Topas reclamavam origem portuguesa 
e eram caracterizados pelo uso de chapéu.

Com efeito, a única razão que justifica o enclave timorense de Oecussi-Ambeno, parece ter sido a ferocidade com que os Topas defenderam a sua autonomia - não só contra holandeses, como até contra o vice-rei português, reclamando sempre a sua afiliação directa ao rei português. Essa identidade própria acabou por desvanecer-se sob o domínio português, mas ainda hoje é traçada uma ligação directa às famílias Topas que dominam esse enclave timorense com o estatuto de rajas.

Apesar de ser uma pequena ilha, verifica-se mais uma vez, o fenómeno de multiplicidade linguística, ainda que o tetum possa ser dominante

Não chegando a 800 línguas, como no caso da vizinha ilha da Papua - Nova Guiné, há várias dezenas de línguas, algumas das quais, a oriente, aparentadas com as línguas da Papua. Ora também isto mostra como conviveram, num certo equilíbrio, uma quantidade razoável de tribos muito distintas.

__________
Jaoa ou Iaoa, aparece em mapas antigos como nome para a ilha de Java.
O "homem de Java", homo erectus, foi considerado durante bastante tempo como um elo na transição dos símios para humanos. Não se trata aqui de referir a teoria darwiniana, que assenta num caos evolutivo aleatório, mas sim um facto óbvio - a inteligência é precedida de não-inteligência, qualquer observador só ganha sentido com um observável prévio. Isto aplica-se a homens, ETs, deuses, ou qualquer uma outra entidade que se entenda como inteligência primeira - foi sempre antecedida por uma entidade não inteligente. Mas é preciso entender que, se é o olho que permite ver, o que vê é o que lá estava antes. Assim o papel da inteligência consciente é reencontrar em si a inteligência prévia, que só não era inteligência por não ser consciente.

O homem de Java enquadra-se bem na hipótese natural, esta sim darwiniana, de terem sido as ilhas os locais a favorecerem a evolução separada de espécies singulares, como foi também o caso que abordámos dos pigmeus homo floresensis, onde se mencionava também os Topas da Ilha das Flores, entendidos como "portugueses pretos" pelos holandeses. A esse assunto acresce outro comentário de José Manuel, sobre as stupas no templo de Borobudur em Java (c. Séc. VIII):
Este templo de Borobodur tem detalhes muito interessantes, nomeadamente ao mito dos elefantes brancos no nascimento de Buda pela Rainha Maya. Dificilmente será acidental o nome Maia corresponder no ocidente à mãe de Hermes, com um papel religioso-filosófico igualmente crucial na vertente de Hermes Trimegisto.
Igualmente curioso é o desenho em Borobudur de uma embarcação, muito semelhante a uma caravela
... sendo claro que o budismo não chegou à Indonésia sem travessias com barcos, mesmo que este aspecto nos pareça estar algo deslocado da típica embarcação do Índico e Melanésia.

Um nome de embarcação que nos surge a este propósito é a Carraca, notando que este termo é muito semelhante ao irlandês Currach ou ao galês Coracle
... notando que, ao contrário da carraca quinhentista, estas embarcações eram incipientes, parecendo-se até com alcofas, e estavam espalhadas no seu uso popular da Irlanda ao Vietname. O termo alcofa é apropriado ainda pelo nomes que a embarcação tem no Iraque (quffa) e no Tibete (kowa).

Há uma série de relações e factos interessantes que acrescem, e que nos dispensamos agora de acrescentar, nomeadamente os habitáculos em pedra em Gunung Kawi, em Bali, ou o monte piramidal de Gunung Padang
Gunung Kawi

Terminamos com um apontamento sobre Timor que podemos ler na wikipedia:
In 2011 evidence was uncovered in neighbouring East Timor showing that 42,000 years ago these early settlers were catching and consuming large numbers of big deep sea fish such as tuna, and that they had the technology needed to make ocean crossings to reach Australia and other islands.     
Portanto, se já tinhamos falado sobre o mito polinésio de Tuna, que era suposto ser afinal uma enguia, temos esta evidência de pesca pré-histórica de atum. Atum, tema de que faláramos há uns dias atrás, serve assim para fechar este apontamento.
_________________
6/10/2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:44


20 comentários

De Bartolomeu Lanca a 05.10.2014 às 15:38

Parece mais o velho conhecimento de como erguer grandes estruturas verticais, usando a força de um pequeno número de homens...pese embora o facto que hoje nem muitos nem poucos o sabem fazer.
Na transição para o século XIV, um grupo de poucos construiu ~250 cidades com suas catedrais (na dimensão actual seriam Vilas) na Europa em ~35 anos...alienígenas que sabiam fazer tinto. Hoje, a nova palhaçada, sem uma parafernália de máquinas e gabinetes com gente, não consegue fazer UM arco em ogiva.

De Anónimo a 06.10.2014 às 03:45

Re: "aperitivo para invocar depois tecnologias alienígenas"

Pois, essa desculpa dos ET's é em grande parte para esconder que já se tem provas de 3 tipo de civilizações tanto ou mais avançadas que a actual que por motivos diversos voltaram à estaca zero, e seus sobreviventes tinham os conhecimentos mas não a capacidade de produzir o que uma civilização avançada extinta fez, provas? basta a análise de medicina legal nos esqueletos dos Cro-Magnon Neanderthais, ou simplesmente ver ao microscópio um resto de tecido par se saber o que se passou.

Agora impedirem por todos os meios que se imagine que este planeta foi colonizado por extraterrestres é nesta época ridículo.

Cpts.
José Manuel CH-GE

Provável calendário mais antigo do mundo foi encontrado na Escócia

"A pesquisa demonstra que a sociedade da Idade da Pedra de 10 mil anos atrás era muito mais sofisticada do que se suspeitava anteriormente. A evidência sugere que as sociedades de caçadores-coletores na Escócia tinham a necessidade de controlar o tempo ao longo dos anos", disse o professor Gaffney à BBC.

FONTE(S)BBC News - UKUniversidade de Birmingham
http://www.youtube.com/watch?v=yPIdaaAow_0#t=34

De Alvor-Silves a 06.10.2014 às 06:18

Tem razão, Bartolomeu. Houve essa tendência de se fazer pensar que sem máquinas nada é possível, porque se fizeram esquecer as técnicas e engenhos antigos.
Um dos generais de Napoleão em Austerlitz (Holanda e não na outra), mandou erguer uma pirâmide como exercício de rotina para as tropas, que a fizeram num mês... ainda hoje lá está - não é tão alta quanto as egípcias, e é apenas um monte de terra, mas é ilustrativo da capacidade de construção quando há organização.

Abraço.

De Alvor-Silves a 06.10.2014 às 06:33

Caro José Manuel,
eu não tenho grandes dúvidas que existiram retrocessos civilizacionais propositados, desde a Idade do Gelo. Para além disso, o que vemos neste erguer do mastro, é algo muito claro - havia conhecimento popular para aquele tipo de construções megalíticas. Se houve algum conhecimento mais sofisticado, esse não passou bem, ou não o sabemos interpretar bem.
Há provas claras de que houve uma regressão civilizacional - como diria Picasso - depois de Altamira foi só decadência... e se foi em termos de pintura, também me parece que não deve ter ficado por aí.
Agora, esse conhecimento superior não passou para toda a população, mas a população lá foi mantendo tradições que lembravam os eventos para as quais era chamada - para trabalhos de força, como erguer megalitos.
Quem mais mal faz a hipóteses de intervenção com conhecimento superior é quem omite estas técnicas esquecidas de construção exigente, que não envolviam tecnologia especial, nem espacial.

Abraços.

PS: verei depois o vídeo que indicou.

De Bartolomeu Lanca a 07.10.2014 às 02:11

Há moinhos (recentes) de vento em Portugal, construídos por um único homem. São máquinas de alta precisão e harmonia.

De Amélia Saavedra a 07.10.2014 às 15:13

Finalmente descobriram o segredo das pirâmides egípcias... areia molhada, eis o segredo... ;-)

http://www.sabado.pt/Ultima-hora/Sociedade/Como-os-egipcios-construiram-as-piramides.aspx

De Anónimo a 07.10.2014 às 16:34

Re: "Finalmente descobriram o segredo das pirâmides egípcias..."

Cada vez se afunda mais o establishment em areias movediças, que a torre de marfim do estapafúrdio catedrático faz tudo para que não seja submergida, o que gostaria eu era que os holandeses descobrissem uma explicação menos arenosa para o fenómeno de apothème em Khéops:

"La Grande Pyramide possède en réalité huit faces et non quatre, car chacune est légèrement mais très précisément incurvée, cette forme géométrique étant très délicate à réaliser sur de telles dimensions"

Sem falar nas galarias subterrâneas obstruídas... que ai é tabu desobstrui-las, mas continuem alegremente a acreditar no papai noel que é o melhor que a humanidade sabe fazer, lendas e narrativas, com muitas canções de embalar.
Exemplo, podiam dizer que o Einstein entrava em transe místico para visualizar antes de produzir as tais 4 teses provavelmente copiadas no departamento dos brevets dos relógios onde trabalhou, pois em Zurich ninguém lhe quis dar trabalho como professor, enfim, mundo de vigaristas manipuladores, não é de admirar que de tempos em tempos se queimem bibliotecas, só falta voltarem queimar bruxas outra vez...

José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 08.10.2014 às 01:42

Não conheço, mas acredito que sim.
Uma pena minha é não me dedicar a construir coisas mais palpáveis do que o alinhar de caracteres de um lado para o outro! Dá um grande prazer fazer uma máquina que funcione bem. Depois, também sei que feita essa, quer-se logo fazer outra e outra... também por isso me custa a acreditar que a capacidade inventiva, uma vez accionada, poderia parar. Não compro essa - compro mais a história de que quem junta tijolos para uma casa, pensa logo em juntar tijolos para uma Torre de Babel.
E por isso, o génio inventivo foi metido na lamparina.

De Alvor-Silves a 08.10.2014 às 01:58

Vi agora o vídeo, e parece-me que as conclusões fazem bastante sentido.
Não sei se é o caso das marcas que ele encontrou, mas que os ciclos da natureza não eram só uma curiosidade constatada, que se ligavam à caça, às plantas que recolhiam, isso parece-me tão natural que é difícil que não fosse notado.
Agora, também é claro que o mecanismo celeste só passou a ser mais crucial para o sucesso agrícola, e como já aqui referi, foi aí que passaram a fazer mais sentido as divindades de cariz agrícola.

De Alvor-Silves a 08.10.2014 às 02:01

Olá Amélia.
Esse piscar de olho está muito bom... pois quem haveria de se lembrar que com água, com um bocadinho de lama, a coisa escorrega melhor - foi preciso virem os holandeses explicar isso. Certamente holandeses emprisionados, pois não devem ver televisão, filmes ou documentários, há muitos anos.
Abraço.

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D