Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tiahuanaco e Baalbec

por desvela, em 31.01.11
Encontramos muitos registos soltos, e cada um poderia dar para um artigo... porém é difícil encontrar um registo que dê para muitos artigos. É o caso do enorme trabalho de E. G. Squier, um americano pouco conhecido, que calcorreou a América Central e a América do Sul, fazendo um trabalho historiográfico notável.
As suas gravuras do Séc. XIX estão ao nível de qualidade fotográfica... e ensinam-nos muito sobre o que estava e o que restou!

Squier chama a Tiahuanaco, a Baalbec ou a Stonehenge, da América do Sul!
Tal como no caso de Stonehenge, as pedras de Tiahuanaco foram movidas e recolocadas posteriormente.
"Porta do Sol" de Tiahuanaco à época de Squier (1863, publ. 1877)

"Porta do Sol" de Tiahuanaco, conforme é apresentada hoje... 
o monumento foi parcialmente desenterrado, e os dois blocos foram juntos!

Destas primeiras imagens torna-se óbvio que houve alteração, podendo essa alteração ter inclusivé mudado a posição e orientação do monumento. Deve por isso ter-se sempre atenção este facto quando se analisam posições solares de monumentos que foram sujeitos a alteração posterior... e há imensos ditos sobre isto. 
A melhor análise científica vale zero, se não considerar a deturpação histórica... 

Mais interessante (... e há tanta coisa interessante nos relatos de Squier), é a sua gravura da outra porta, a porta da Lua, que ele chama "mais pequena":
"Porta da Lua" de Tiahuanaco à época de Squier, e actualmente...
... o megalito que tombava sobre a porta desapareceu!

O notável é que haveria um enorme megalito que tombava sobre essa porta, e que pura e simplesmente desapareceu!... Não seria o único megalito rectangular. A razão pela qual Squier lhe chamava Stonehenge americana, está aqui:
Sequência de megalitos em Tiahuanaco, à época de Squier
(o registo/foto semelhante foi coberto com paredes)

Os megalitos rectangulares, estruturas verdadeiramente notáveis, e invulgares, apareceriam na paisagem numa sucessão, como num cromeleche. Porém, também estes megalitos vieram a desaparecer do registo de Tiahuanaco.
Pela sua singularidade, não vamos negar que nos fizeram lembrar os megalitos rectangulares que Kubrick ilustrou no seu "2001, Odisseia no Espaço", e afirmações de Buzz Aldrin sobre a existência de um megalito em Phobos, satélite de Marte!

Squier mostra ainda o amontoado de pedras rigorosamente talhadas, feito notável e difícil de conseguir mesmo nos standards do Séc. XIX, e também aquilo que ele pensava ser um "modelo em escala" de um outro templo, incrustado numa rocha.
Amontoado de pedras em Tiahuanaco conforme Squier (à esquerda), 
e (à direita) pedra inscrustada com possível modelo/planta de templo.


Squier segue um percurso por diversos monumentos notáveis que encontrou na sua viagem pelos Andes, e um site muito bom, com fotos actuais que seguem a mesma pista, é de D. Pratt, poupando-nos o trabalho de reescrever o muito que já foi escrito.

Notamos apenas que o posterior trabalho de alvenaria inca, usa ainda de junções milimétricas, mas não segue linhas geométricas tão bem definidas.
Essa geometria não perfeita pode ser considerada um retrocesso, mas não o é necessariamente... estas junções adaptadas funcionariam melhor numa região andina sujeita a intensos terramotos. Não havendo linhas de ruptura facilmente identificadas, a estrutura resistiria por diversos ângulos aos movimentos terrestres. A resistência das muralhas incas acaba por ser prova disso.

Squier não tem dúvidas em associar estas estruturas megalíticas a uma época remota, ligando aos mais notáveis de todos os megalitos... os de Baalbek, ou Heliopolis, cidade Fenícia de que já aqui falámos:
O enorme megalito rectangular de Baalbec.

Falamos dos maiores megalitos do mundo, estimados em mais de 1 milhão de quilos... a força humana para a proeza de levantar tal coisa, cifra-se em dezenas de milhares de homens! A posterior construção romana parece tacanha sobre alguns dos megalitos, conforme se evidencia em certas imagens:
(imagem obtida aqui)

Mais do que construir, perante a impossibilidade de destruir, talvez tenha sido ideia romana ocultar as pedras ciclópicas sobre uma nova construção que dedicariam a Júpiter. Mitologicamente adequado, já que Júpiter fazia uso dos cíclopes, filhos de Gaia e Úrano, para forjar armas contra Saturno e os titãs.

Há assim vários pontos de contacto, com estruturas megalíticas, de grande precisão, que ocorreram em tempos remotos, e muitas vezes identificadas impropriamente a estruturas romanas (como nos parece ser o caso de Centum Cellas). Essa civilização megalítica seria talvez lembrada pelos toscos menires europeus, cuja origem é talvez celta, mas teria tido um outro apogeu, bem anterior... seria uma civilização de gigantes, de ciclopes, de titãs? Disso apenas nos restou alguma mitologia e certas ossadas que parecem ser ocultadas...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:12


4 comentários

De José Manuel CH-GE a 02.02.2011 às 14:29

Manuscrito Voynich
http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuscrito_Voynich

Accademia Secretorum Naturae - Giovanni Battista della Porta http://pt.wikipedia.org/wiki/Giovanni_Battista_della_Porta

Henry Cavendish
http://www.1911encyclopedia.org/Henry_Cavendish

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE

De Anónimo a 05.02.2011 às 21:21

Caro Alvor,
uma ligação a Heliopólis http://dsc.discovery.com/news/2009/03/24/giza-pyramids.html

melhores cumprimentos,

Calisto

De Alvor-Silves a 06.02.2011 às 00:50

... e porque haveriam os egípcios de alinhar as suas pirâmides com Heliopolis?
Ou seja, o que haveria em Baalbec que suplantasse a diferença cultural entre fenícios e egípcios?
Bom, pelo menos neste caso, as pedras de Baalbec e as pirâmides de Gizé não iriam ser retiradas para nova localização sem dar muito nas vistas!

De Alvor-Silves a 22.05.2011 às 22:08

Afinal as dimensões do que está actualmente em Tiahuanaco parece uma réplica de dimensões reduzidas...

http://odemaia.blogspot.com/2011/05/tiahuanaco-liliputiano.html</a>

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D