Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma ilha chamada Brasil

por desvela, em 03.05.15
Deixei este blog durante mais de dois meses sem qualquer publicação.
Não foi a primeira vez... por exemplo, entre Outubro de 2011 e Março de 2012, não publiquei aqui nada.
Para além de afazeres pessoais, que não interessam ao caso, só me motiva escrever se tiver algo de novo para dizer, que não seja um simples repetir do que já foi dito, e acima de tudo quando considero que estou nalgum caminho com interesse, que me interesse.

Quando parei em 2011 foi pelas mesmas razões. Tinha chegado ao fim de um caminho, e de certa forma estava algo confortável com as respostas encontradas. Mantive o "canal aberto", porque não gosto de encerrar portas, e sabia intimamente que ainda havia coisas a esclarecer.
Simplesmente, não estava a ver como fazê-lo, e evito ao máximo estar a "escrever por escrever"... aliás, nunca tive nenhum propósito de cativar ou fixar leitores, tanto quanto procurei não afastar nenhum comentador.

Convém entender que nos alimentamos do desconhecido.
Manter o desconhecido é tão importante para a sanidade do espírito, quanto a água é para a sanidade do corpo.
A situação parece contraditória, mas o problema é evidente.
O indivíduo pode colocar um objectivo acima dos outros, mas esse objectivo só se mantém importante até ser atingido. Atingido esse objectivo, a pessoa precisa de colocar imediatamente nova fasquia, e não concebe que pode chegar a um ponto onde não há mais fasquias.
Ninguém quer ter as respostas a todas as questões.
Só quem não pensou no assunto é que pode imaginar que tal coisa é positiva.

Quando acabamos de ler um qualquer texto, por mais revelador que seja, ninguém quer pensar que tudo o que havia para saber acaba ali. Muito pelo contrário, o que pensa é no que fazer de seguida... mas a questão é simples - uma vez esgotados todos os objectivos, qual o objectivo seguinte? Quando a gula tudo esgota, nada resta.
Por isso, a última situação que alguém deseja é o conhecimento ou o poder total. Se tem essa ambição é porque simplesmente está demasiado longe de o conseguir, e por isso tem muito desengano que trilhar. Pode trilhar à vontade por esse beco sem saída, porque quando chegar próximo de o perceber, o pânico será tal que colocará todos os travões a fundo, e procurá a última gota de água de imprevisibilidade num enorme deserto onde se quis meter, esquecendo que areia sem mar não é nenhuma praia.

Evitei escrever sobre os bastidores destes escritos, porque sempre considerei que o principal problema da mensagem era o mensageiro. As pessoas focam-se demasiado umas nas outras, e não entendem que o problema fundamental está em encarnarem ideias, e as ideias não são de ninguém.
A principal fonte de medo que temos não resulta da nossa impotência, resulta da nossa potência.
Quando nos convencemos da nossa impotência, por exemplo, por motivo de doença, aceitaremos tratamentos a que de outra forma fugiríamos a sete pés, e até veríamos como tortura.
O medo não incide apenas sobre o que vai acontecer, incide essencialmente sobre a ideia de impotência em evitá-lo. As pessoas armam-se, confiando que uma arma lhes dará uma potência que não têm. Porém contra qualquer potência, levanta-se uma potência maior, e por isso é uma ilusão circunstancial e aparente. Procurar uma potência total é um caminho para um deserto, em que só tarde o indivíduo percebe que se perdeu sozinho no labirinto dos seus intermináveis medos.

Assim, as coisas são suficientemente intrincadas, porque nem podia ser doutra forma.
Os que caem na ideia obtusa do self-made man, imaginam-se por momentos deuses, que esqueceram a massa que os pariu do nada. E essa massa cobra caro quaisquer ilusões. Essa massa, não é palpável, mas tem um nome - caos.
Assim, o mesmo caos que faz acreditar a uns serem o alfa-e-ómega universal, se acidentalmente os ergue ao topo, também acidentalmente os pode fazer estatelarem-se no chão, esmagados pela sua insignificância objectiva que, afinal de contas, igual à dos demais.

Ora, se inicialmente comecei a escrever aqui por constatar uma monumental farsa histórica, que me surpreendeu, o problema principal seguinte era perceber de que forma arranjava um sentido para tudo isto. E "tudo isto" não era só a questão histórica, algo lateral, era essencialmente cair nas velhas questões filosóficas. Por isso este blog acabou por se transformar, em parte, numa manifestação desse desconforto filosófico. Com uma diferença principal... se as minhas deambulações anteriores eram privadas, aqui passariam a públicas. Assim, acho que acabei por beneficiar dessa decisão pessoal, já que ao tornar as coisas públicas, fui forçado a manter uma objectividade, e esquecer por completo outros factores subjectivos.

No entanto, como os factores subjectivos pesaram no que aqui foi escrito, para melhor compreensão do blog, seguem alguns apontamentos que omiti ao longo destes anos.

Não voltei ao Algarve desde que passei uma semana de férias em Lagos em 2009... e entretanto já andei por quatro continentes.
Assim, chamar a este blog "Alvor-Silves" acaba por ser algo caricato, porque creio que nunca passei por Alvor, nem por Silves, das várias vezes que fui ao Algarve.
Algum tempo depois, no início de Outubro de 2009, ao olhar para um antigo mapa de Reinel, disponível na internet com uma grande resolução, reparei numa pequena marca circular... com o nome "Brasil". 
A questão era simples... o que fazia uma ilha Brasil perto da Irlanda?
Sobre esse assunto - As Ilhas Míticas do Atlântico - um trabalho de Rui P. Martins (Quintus), foi do pouco que encontrei escrito sobre o assunto, à época, e não mudou muito.

Foi essa ilha chamada Brasil que me puxou para o desconforto de recusar o engano histórico.
Desconforto, porque o mundo é bem mais simples quando acreditamos no que os outros nos dizem.
Durante os meses seguintes, até Dezembro de 2009, procurei fazer um conserto das informações históricas contraditórias, com uma teoria que finalmente fizesse algum sentido, pelo menos para mim.
Quis perceber absurdos gritantes, como o de chegar a Timor, Malucas, e ilhas circundantes antes de 1514, sem admitir a existência da Austrália... até que os holandeses a avistassem por volta de 1600, e serem precisos mais 150 anos para Cook cozinhar com Sandwich o "descobrimento" da parte restante da Austrália, renomeando a Nova Holanda.
Por isso, são certamente os australianos mais atentos, como Peter Trickett, os que mais se intrigaram com este desprezo mirabolante do sem-número de navegadores que passaram ao lado da sua ilha-continente, por simples decreto histórico político-académico.

Apesar de ainda ter feito um contacto para divulgação jornalística das conclusões, rapidamente percebi o óbvio - se o assunto estava submerso, não era porque não fosse conhecido... havia informação que deixava suficientemente claro que o assunto estava propositadamente enterrado há séculos. Por isso, deixei completamente de lado o caminho académico, ou por editoras, bem vigiadas, e optei por usar a internet como abordagem de divulgação.

A minha ideia era simples. Havendo um razoável número de pessoas para quem as histórias dos descobrimentos não colassem bem, o que tinha para apresentar haveria de suscitar algum impacto. Procurei perceber qual seria a eventual reacção nas redes sociais - à época ainda mais centradas nos blogs do que no facebook. Bom, e como é óbvio, não havia propriamente muita gente interessada em discutir história, e ainda menos gente receptiva a teorias que não fossem as suas.
Acabei por escolher um blog envolvido numa polémica de ocasião, sobre Afonso de Albuquerque

A esse propósito, cumprem-se em Dezembro de 2015, quinhentos anos sobre a morte de um mítico símbolo da expansão portuguesa no Oceano Índico, demitido do cargo de vice-rei em 1515, quando conquistara o Suez, e pedira autorização real para invadir a sagrada Meca, com a finalidade de a trocar pela sagrada Jerusalém.
O excesso de sucesso militar do César do Oriente terá sido o seu principal problema em Lisboa, e pude saber que ainda hoje ecoam nos bastidores rivalidades familiares com cinco ou mais séculos.
Se em 1998 houve vontade de celebrar Gama, a partir daí, tirando alguma comemoração de Cabral em 2000, mais entusiasta festa brasileira que portuguesa, mergulhou-se num longo esquecimento.

Bom, entre 13 e 31 de Dezembro de 2009 publiquei 6 textos com alguns factos e conclusões, mas como o tema "história" foi imediatamente considerado inconveniente no tal blog (levando até à demissão de quem escrevia sobre o assunto), não pensei fazer mais nada de especial. O tema parecia cercado de todos os lados, e limitar-me-ia a este blog como espaço aberto a outras discussões.
Sobre o eventual impacto da divulgação que fiz, conheço pouco de objectivo, relatável a terceiros.

Nesse período, alguém fez a gentileza de me fazer saber de uma reunião de bastidores, que informara esses presentes sobre a "revolução dos cravos" antes de ocorrer... e de que a mesma campainha tocara naqueles dias. Era um tempo complicado, em que Sócrates alegava que "o mundo mudava a cada 15 dias", e Cavaco alarmara o país com um discurso de ano novo em que falara de "situação explosiva". Mas enfim, a crise financeira começava a instalar-se e um grande descontentamento estava naturalmente associado. Uma coisa é a percepção pessoal, outra coisa são dados objectivos, mesmo que implicitamente sugeridos por terceiros.
Lembro-me de um evento curioso na "minha televisão". Na tarde de 4 de Janeiro de 2010, vejo na SIC duas senhoras, uma escritora de cordel, e outra mais conhecida por ser mãe de políticos. Qual o objecto da sua conversa trivial? - Um "personagem mistério com revelações inéditas sobre a história nacional, mas que recusava aparecer"! Para além de sugerirem títulos e condecorações ao sujeito, viam como solução o seu aparecimento na sombra de outro escritor. A situação era tão ridícula que chegaram a apresentar esboços ilustrativos. Ao mesmo tempo, na RTP estava um comentador socialista que sugeria um local de encontro com o "ceguinho"... curiosamente, há coincidências, tinha o meu nome. Acabei por me cruzar com esse comentador, ex-ministro, uns dias depois.
Quanto ao tal "personagem mistério", não se falou mais disso, e será mistério até hoje. Quando fui procurar o tal programa, uns meses depois, no arquivo online, não encontrei nada.
Foi um tempo estranho, e estas foram só algumas das muitas "estranhezas".

Aquilo, que vemos, e interpretamos, dificilmente é objectivo num mundo em que a televisão, a internet, e tudo mais, nos chega por canais que nos podem ser difundidos individualmente, com conteúdo diferente, ainda que pensemos que a difusão é geral. Sem outra confirmação, o que vemos ou ouvimos nunca é objectivo, é sempre susceptível de dúvida alheia, mesmo que seja uma certeza para o próprio, que não duvida da sua visão e audição... mas que pode ficar numa situação complicada se insistir na sua fé contra proveitos de uma farsa alheia.
Assim, fica-se sozinho, ou quase, e espera-se que o tempo resolva o assunto. 

O tempo passa, mas as coisas podem tornar-se mais complicadas.
Uma coisa é passar a noite, como por exemplo, a escrever um texto com o Abraçadabra, e no final pensar... "hmmm -alguma coisa terá que mudar". Acordar depois com uma inédita resignação papal, tem o grau objectivo de relação semelhante à do bater de asas da borboleta australiana com o furacão americano. Problema nunca é uma meia-dúzia de incidências separadas, que só intrigam quem as quiser alimentar. Problema são dezenas ou centenas de coincidências diárias, pelo simples facto de se ter entrado numa certa sintonia relacional com o ambiente circundante. Isso já é mais difícil de explicar. Quando pensamos que já vimos tudo, e já pensámos em todos os cenários, acaba por aparecer novo motivo de reflexão. E isso não é mau, pode ser até bom, mas em certos assuntos deve ter um limite.

Assim, em 2011, acabei por abandonar estes escritos durante um tempo, porque até achei que não adiantaria mais no assunto, apesar dele não estar findo. Enganei-me, e em Maio e Julho de 2012 acabei por conseguir tirar novas conclusões relevantes. Pela minha parte estava de novo satisfeito, mas em Março de 2013 fui forçado a perceber que eu estar satisfeito com as conclusões, pouco interessava ao assunto global. É daquelas situações em que se percebe o outro significado da expressão "se Maomé não vai à montanha, a montanha vem a Maomé". Bom, mas o assunto não ficou resolvido em Março, e no final desse ano, creio que a montanha quis saber se tinha parido um rato, ou tinha sido parida por ele.
Nem uma coisa, nem outra, e estamos nisto, sem mais incómodos desde aí, no que me diz respeito.

Dito isto, que dificilmente fará sentido para a generalidade dos leitores, interessa que este espaço serviu um propósito, e que ultimamente não tem havido notícias que me tenham motivado outra escrita.
Poderá mudar ou não, mas mantenho-me numa posição estóica, que não é egoísta por potência, mas sim por manifesta impotência. A potência constrói-se da ordem, pelo racional do passado e tem um garantido fim futuro, já a impotência é um simples acreditar no racional do caos que é um presente a garantir um interminável futuro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:58


4 comentários

De Anónimo a 21.05.2015 às 03:12

Descobertas ferramentas de pedra mais antigas que o homem
Uma equipa de 22 arqueólogos descobriu ferramentas de pedra fabricadas há 3,3 milhões de anos, mais velhas do que a espécie humana. E agora?
http://observador.pt/2015/05/21/descobertas-ferramentas-pedra-antigas-homem/

Cpts
José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 23.05.2015 às 11:02

Obrigado pelo link, José Manuel.
Daí também segui para o link do Dailymail, que é mais completo:


http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3088208/World-s-oldest-tools-rewrite-early-human-history-3-3-million-year-old-stones-predate-Homo-700-000-YEARS.html
(http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3088208/World-s-oldest-tools-rewrite-early-human-history-3-3-million-year-old-stones-predate-Homo-700-000-YEARS.html)

Portanto, o que lemos é que as novas pedras lascadas foram datadas sendo 0,7 milhões de anos mais velhas que as anteriores, que tinham 2,6 milhões.
Não vejo que seja estranho, é a narrativa do costume... está é pintado de forma mais sensacionalista.
Se no mesmo sítio, ou noutro, encontrarem mais pedras lascadas, num estrato mais antigo, voltam a poder fazer a mesma notícia, repetidamente.

Como diz no Daily Mail um comentador
Science used to be cool and involve real scientific work, now they just make up one story after another. It is rather funny when they put out a "rewrite history" story that puts the lie to their "proven facts" original story.

... e este tipo de comentário é que mostra que a atitude das pessoas perante "pedras lascadas" e "milhões de anos" está a ser cada vez mais desconfiada.

A datação foi rapidamente feita com base no estrato e na orientação magnética das rochas.
As mudanças da orientação magnética têm dado pano para todas as mangas e mais algumas. Porém, se em termos absolutos os "milhões de anos" são delírio que pouco mais vale que nada, em termos relativos tem sempre algum valor.

O Observador.pt tem colocado alguns tópicos interessantes, como
- um lago de mercúrio em piramide azteca
http://observador.pt/2015/04/27/lago-mercurio-encontrado-piramide-pre-azteca/
- ou o complexo arqueológico de Por-Bajin
http://observador.pt/2015/04/11/bajin-monumento-enigmatico-da-russia/

este último já conhecia, e ainda pensei falar sobre isso, mas não tinha muito a dizer.
O problema destes artigos, do Observador, e outros, é que eles não dizem muito mais do que mostrar uma ou duas imagens, apesar de um grande texto a acompanhar, para parecer que estão a dizer alguma coisa.

Abraços.

De Anónimo a 23.05.2015 às 23:37

Olá boas,

Respondo sem corretor de ortografo, tenho estado afastado da minha "caça a mistérios", bom isto de datações tem sido pelo carvão das fogueiras das grutas onde encontram artefactos misturados com ossadas, o que não tem sido muito sério, incluírem outros métodos não me parece mal, mas de toda a maneira não vai resolver o mistério das origens da humanidade, eu acredito na panspermia cósmica…

Re:"sinal predominante de se tratar da mesma espécie, com a mesma origem, e não de espécies diferentes com origens diferentes."

As diferenças entre humanos existem, mas é tabu dizer que somos diferentes, racismo etc qerem tudo descendente duma Eva macacoide da Etiopa, eu acredito que não estamos sós nesta galaxia, o planeta Marte já teve condiçoes de abitabilidade, se querer entemder o passado encoberto somente pelos documentos cuevos é impossivel, encobriram Américas Austrália durante séculos e encobrem as horigens humanas.

A ideia da vida vir do espaço já é antiga:

(…) A hipótese da panspermia cósmica é uma das hipóteses acerca de como surgiram as primeiras formas de vida no planeta Terra. Essa ideia surgiu pela primeira vez no século V a.c., na Grécia, remontando a autoridade a Anaxágoras, e foi colocada novamente em evidência no século XIX por Hermann von Helmholtz, no ano de 1879. (in Wiki)

Re: “... e este tipo de comentário é que mostra que a atitude das pessoas perante "pedras lascadas" e "milhões de anos" está a ser cada vez mais desconfiada.”

Ao contrário, o que há é cada vez mais pessoas a acreditarem na história do Michael Cremo:
http://krishnatube.com/video/269/The-Mysterious-Origins-of-Man

Cpts
José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 24.05.2015 às 16:25

Caro José Manuel,
já falámos várias vezes dessa hipótese das panspérmia:

http://alvor-silves.blogspot.pt/2013/11/inevitabilidade-1.html (http://alvor-silves.blogspot.pt/2013/11/inevitabilidade-1.html)

mas normalmente isso invoca a origem externa de toda a vida, e nada tem de especial sobre o Homem.
Que os cometas podem carregar moléculas complexas, podendo trazer aminoácidos de vida, também é entretanto uma hipótese com alguma aceitação.

Por acaso, noutro sentido, e ligeiramente em linha com o que fui escrevendo aqui, encontrei há pouco tempo referência a um Princípio Antrópico

http://pt.wikipedia.org/wiki/Princ%C3%ADpio_antr%C3%B3pico

http://en.wikipedia.org/wiki/Anthropic_principle

... portanto, muito do que escrevi aqui pode ser encontrado nos defensores desse princípio, tendo a inteligência (humana) como objectivo universal.

Talvez faça aqui um post sobre isso, já que desconhecia haver outros proponentes, porque é simplesmente pouco ou nada divulgado, entrando em colisão com a Ciência Oficial, porque não pode ser "falsificado" - a falsa "Ciência" de Karl Popper apenas admite coisas incertas que podem ser sujeitas a verificação, e exclui até a simples Aritmética como ciência, porque não se podendo negar que 2+2=4, essa conclusão não é "científica".

Abraços.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D