Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Véus (2)

por desvela, em 10.12.15
Um dos principais problemas da humanidade, e que não vejo sinalizado em parte alguma, é o da posse de pessoas por ideias. Normalmente as pessoas vêem-se como proprietários de ideias e não se dão conta de como podem ficar escravas delas... ou pior, sabem disso, mas acham que a ideia vale a pena, e fazem sacrifícios por ela.

Há uma frase que tem sido repetida, atribuída a muitos, e que parece remeter-se a Sófocles:
- Pode-se matar um homem, mas não uma ideia.
Esta frase era-me simpática, revelando uma potência intemporal das ideias.
No entanto, este percurso que aqui fui fazendo, permitiu-me ser confrontado contra ideias que normalmente dava como boas, e não despendia tempo de reflexão com elas. Ora, uma das coisas que foi para mim clara desde o início é que não reivindicaria posse das muitas ideias que fui deixando, mantendo o estatuto de anonimato, para o melhor e para o pior. E se inicialmente isso teve razões mais estratégicas do que racionais, com o tempo apercebi-me de toda uma racionalidade subjacente - a relação de posse que se estabelece entre a pessoa e a ideia.

As pessoas julgam que beneficiam das suas convicções, e identificam-se com as ideias que adoptam.
A grande força disso é a partilha, o comungar da mesma ideia, como uma mais valia fraterna nas relações humanas.  
Esse processo levou à formação dos maiores monstros que acompanharam o Homem no domínio da Terra. Ao "Homem singular" sucedeu a par o "grupo de homens", um corpo normalmente formado por pastores e rebanhos, onde a cabeça está num pastor e o corpo é disperso pelo rebanho, não faltando, é claro, fiéis ajudantes caninos.
A estrutura imitou de tal maneira a formação de corpos biológicos, que as organizações adoptaram um mimetismo nas designações - "órgãos sociais", "corpos sociais", "membros", etc...

A sociedade apareceu assim com uma dupla faceta - o corpo social dava todas as vantagens de partilha de recursos, mas a estrutura de "grupo humano" passou a ser o maior predador contra o "homem individual".
Comparando o número de vítimas no confronto individual entre homens, com o número de vítimas resultante de acções de grupos humanos, sabemos que os monstros que dilaceraram milhões de vidas sem grande dano psicológico interno foram os "grupos humanos", um corpo em que a estrutura armada se apresenta normalmente na forma de exército. Quanto mais valor se dá à letra da lei, mais facilmente ficam essas estruturas desprovidas de humanidade, passando a funcionar como máquinas autónomas.

Esses exércitos movem-se de acordo com ideias, com pilares partilhados pelos vários membros, e para além dessas ideias usarem homens como rebanhos para a sua causa, têm pretensões de imortalidade. Assim, seja movidos por ideias religiosas, em nome de um deus, seja movidos por ideias de justiça, de verdade, de vingança, de família, de povo, de nação, de filosofia, ou quaisquer outras, criam-se dinâmicas de grupos, que não visam a eternidade do homem individual, mas sim do uso de homens em nome de ideias abstractas.
Curiosamente, os homens satisfazem-se nessa dinâmica de grupo, e aceitam bem o papel de verem o seu nome emparelhado com grandes ideias. O culto do indivíduo, enquanto promotor de ideias, foi bem patente durante a ascensão comunista, quando Lenine, Marx ou Mao serviam mesmo um corpo de ideias. O herói vivo pode ser um problema para a dinâmica de grupo, já que o indivíduo pode decepcionar a idealização que une o grupo em torno dele, mas o herói morto permitia toda a ambiguidade que satisfazia imprecisões, para os adeptos de uma certa continuidade ou de outra.

Por isso, se há ideia que tomo como boa, é a ideia de não ficar preso a nenhuma ideia. 
Adopto as ideias pela sua validade intemporal, em que não precisam de adeptos para se imporem. Não tenho nenhuma pretensão missionária, e não sirvo de corpo à disposição de nenhuma ideia. As boas ideias não precisam de mim para se imporem, mas não deixo de as acarinhar e admirar pela sua força abnegada natural. 
Sirvo essas ideias pelo simples facto de dizer, a quem quiser ouvir, que elas me servem, e porquê.
Não precisam de mais nada... se são boas, intemporais, não precisam que ninguém mude, porque quem não mudar, simplesmente está a lutar contra monstros eternos, de implantação global. Não se impõem antes de tempo, esperam que todas as idiotices façam o seu percurso suicida ou inconsequente, e aguardam que haja mentes capazes de as albergar. Essas ideias não fazem sentido antes do seu tempo próprio, que é o tempo de evolução individual de cada elemento em sociedade.

Assim, se há uma palavra que contém a principal ideia que me satisfaz, é compreensão.
Inicialmente podemos ser aliciados pela ideia de verdade, mas seria ilógico não compreender a falsidade, porque uma acompanhou a outra. Por que razão foi dado espaço de existência e tempo de proliferação às falsidades, a ponto de esconderem tanto a verdade passada? 

Portanto, estando aqui a transcrever um texto que faz uma feroz crítica à maçonaria, não é meu objectivo partilhar esse sentimento. Simplesmente deixo aqui o texto para que suscite uma compreensão da sua existência, olhando-o por uma perspectiva pretendida antagónica.

O autor do texto creio que procurava desmotivar os iniciados mações e os curiosos, naquela lógica do rebanho, em que um pastor procura evitar que ovelhas saiam do seu rebanho, indo na direcção do rebanho vizinho. A lógica de uma "vitória" pela imposição do número de adeptos, pela exibição do seu poder, ou das suas armas e tecnologia, foi simplesmente sobrevalorizada. Há um momento, em que tudo isso deixa simplesmente de ter mais sentido do que o de simples jogo inconsequente, e de mau gosto...

________________________________________________
O Véu Levantado ou o Maçonismo Desmascarado

CAPÍTULO I. 
Origem da Franc-Maçonaria, 

Os Pedreiros-Livres quanto maior mistério têm feito de sua origem, tanto mais se tem procurado descobri-la. Cada um tem pretendido ter a este respeito seu segredo, e contudo ele é conhecido de poucas pessoas. Todos os discursos que têm feito os Oradores nas lojas sobre a origem, e os progressos desta Arte Real da Maçonaria, ou não dizem nada, ou tendem só a desvairar os curiosos. 
Os livros impressos, assim em verso, como em prosa, substituem a Maçonaria Real à Maçonaria Moral e confundindo a origem de uma com a da outra, enganam continuamente os leitores pouco atentos. Os verdadeiros Mações, no sentido da Franc-Maçonaria, edificam templos para a virtude, e masmorras para os vícios; mas nunca levantaram algum monumento público; contudo, para darem um ar antigo, que lhes atraia respeitos, os Mações se associam a todos aqueles, que se distinguiram na antiguidade por alguma obra memorável, tais como Hiram, Adoniram, Solomão, Noé, Adão; alguns não temem elevar-se mesmo até Deus, e tomá-lo por Mestre da sua Arte, da qual ele deu lições formando a maravilhosa abóbada dos Céus. 

Eles não podiam ir buscar mais alto a sua origem, e se estivesse a seu alcance poderem dar-nos dela uma história seguida desde o principio do mundo até hoje, sem dúvida, que a sociedade dos Pedreiros-Livres seria o corpo mais respeitável, e mais nobre que tem havido no mundo; ao qual não seria possível recusar o primeiro lugar, nem contradizer suas máximas. 
Mas infelizmente não estão todos de acordo sobre uma tão bela origem, e por lisonjeira que ela seja para o corpo inteiro, e para cada individuo em particular, são obrigados, por falta de memórias autênticas, a aproximá-la aos nossos tempos, dos quais ela não está muito distante, se damos crédito à verdade da história. 

Alguns Pedreiros- Livres pretendem fixar seus primeiros princípios nos tempos das Cruzadas, quando os Europeus reedificaram as Cidades, que eles mesmos, ou os Sarracenos tinham destruído. Mas por total resposta podemos lembrar a estes senhores que, por sua própria confissão, a palavra Pedreiro não deve tomar-se no seu sentido próprio, mas em um sentido simbólico e figurado, e por conseguinte com significação inteiramente diferente daquela, que eles querem ligar-lhe. Além disso, como provarão eles, que a sociedade dos Pedreiros de que são membros, é quem reedificou as cidades da Palestina? quem lhes transmitiu as memórias sobre que estão apoiadas suas pretensões? Em parte nenhuma da história vemos, que os Pedreiros-Livres de hoje tenham empreendido um trabalho tão útil, como glorioso. 

É verdade que os Pedreiros-Livres de Inglaterra datam sua origem do ano 924, e por conseguinte de um tempo anterior ao das Cruzadas, de que ainda se não tratava; mas isto acaso prova que a sociedade dos Pedreiros- Livres existisse nesta época? 
Não sem dúvida; porque então seguir-se-ia, que aquela sociedade teria tomado sua origem na França, sendo certo que os mesmos Franceses convém que ela começou em Inglaterra. 

Os Pedreiros que Adelstan, filho do grande Alfredo mandou vir da França para Inglaterra, não eram com efeito Pedreiros-Livres, mas simples arquitectos, e oficiais de pedreiro, dos quais ele formou um corpo, a que deu Estatutos, e destinou lugares para suas assembleias. 

É verdade que os Pedreiros-Livres de Inglaterra se formaram ad instar dos pedreiros daquele reino; que eles se deram, ou elegeram Guardiães e Aprendizes, Serventes, Mesters, Companheiros, Arquitectos, que eles indicaram assembleias; que se formaram em associações; que eles se ligaram por meio de juramentos: mas são eles por isso Pedreiros-Livres? 
Não; eles não são mais que uns macacos, que os imitam; e a semelhança de suas corporações não prova de modo algum a semelhança de sua origem. 

Mas poder-se-à dizer: eles têm, como os Pedreiros-Livres aventais, esquadrias, prumos, estampas de desenho, martelos, trolhas, e compassos; isto é verdade; mas os pedreiros levantam edifícios, e templos à imitação dos cidadãos: pelo contrário os Pedreiros-Livres só os querem derrubar, e destruir. Se dizem que se ocupam em levantar templos à virtude, e fazer masmorras para os vícios, tudo isto deve entender-se em um sentido moral: e não quer dizer outra cousa, senão que os Pedreiros-Livres se lisonjeiam de estabelecer a virtude sobre as ruínas do vicio. Eles não são por conseguinte Pedreiros propriamente ditos, segundo o sentido natural do nome, que eles se atribuem. Mas não é aqui a ocasião de examinar, se os Pedreiros- Livres tem por objecto fazer os homens mais virtuosos; nós reservamos este exame para outro lugar. 
Alguns daqueles que sustentam que a sociedade Pedreiral teve seu nascimento em Inglaterra, não remontam mais alto que até Cromwel; e o Autor do livro intitulado «Os Pedreiros Livres esmagados» ou a«Ordem dos Pedreiros-Livres traída» é deste sentimento. 
«O seu fim, diz ele, era edificar um novo edifício, isto é reformar o género humano, exterminando os Reis, e os poderosos, de que aquele usurpador era flagelo. Ora, para este dar a seus partidistas uma ideia sensível dos desígnios deles, lhes propôs o restabelecimento do Templo de Salomão.
Este Templo tinha sido edificado pela ordem, que Deus fez intimar a este Príncipe, Era o santuário da Religião, era o lugar especialmente consagrado a estas augustas cerimónias; era para esplendor deste Templo que aquele sábio Monarca tinha estabelecido tantos ministros encarregados do asseio, e embelecimento dele. Em fim, depois de muitos anos de glória e magnificência, vem um exército formidável, que arrasa este ilustre monumento. O povo que nele rendia suas homenagens à Divindade, é carregado de ferros, e conduzido à Babilónia, donde, depois do cativeiro mais rigoroso, se vê retirado pela mão de seu Deus. Um Príncipe idólatra, escolhido para ser o instrumento da clemência divina, permite a este povo desgraçado não reedificar o Templo no seu primeiro esplendor, mas também aproveitar-se dos meios, que ele lhe fornece, para o bom sucesso da obra.
Ora, é debaixo desta alegoria que os Pedreiros-Livres encontram a exacta semelhança de sua sociedade. Este Templo, dizem eles, considerado em seu primeiro lustre, é a figura do estado primitivo do homem ao sair do nada, Esta religião, estas cerimónias, que nela se praticavam, não são outra cousa, senão aquela lei comum, que está gravada em todos os corações, e acham o seu principio nas ideias de equidade, e de caridade, a que os homens estão obrigados entre si. A destruição deste Templo, e a escravidão daqueles adoradores, são o orgulho e a ambição que introduziram a dependência entre os homens. Os Assírios, aquele exército bárbaro e cruel, são os Reis, os Príncipes, os Magistrados , cujo poder tem feito encurvar tantos desgraçados, que eles tem oprimido: em fim, aquele povo escolhido, encarregado de reedificar aquele Templo magnífico, são os Pedreiros- Livres que devem restituir ao Universo a sua primeira beleza. 
Estou bem persuadido que os Pedreiros-Livres têm podido discorrer desta maneira, e ainda com maior extravagância; porque se julgam feitos para reformar o género humano: mas eu não convirei tao facilmente que a Seita dos Pedreiros-Livres deve sua origem a Cromwel, nem que este grande protector da Inglaterra tivesse o projecto de fundar uma nova Religião, e fazer-se seu chefe. Os que melhor o tem conhecido nunca lhe atribuíram tais sentimentos. Politico profundo, limitou sua ambição a usar bem da autoridade, e do poder, que tinha sabido reunir em sua pessoa. Pareceu zombar da religião pela destreza, com que fez mover, segundo suas vistas, os diferentes sectários que então dividiam a Inglaterra por meio de suas opiniões. Nunca adoptou alguma delas por gosto nem de boa fé, e é uma injustiça imputar-se-lhe o ter querido formar um sistema de irreligião, ou traçar o plano dos Pedreiros-Livres.

Podemos assegurar que bem longe de ser certo que Cromwel quisesse fundar a sociedade Maçónica está demonstrado que não é na Inglaterra que ela teve seu nascimento. Os que tem discorrido mais justamente sobre sua origem a fazem vir do Norte. Com efeito dos países Setentrionais é que ela passou para o meio dia, e que se espalhou depois por todos os países do mundo habitado.

(continua)
_________________________________

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:11


4 comentários

De Anónimo a 11.12.2015 às 03:42

Olá boa noite,

Uma página da Wiky em português é deveras surpreendente, nesta enciclopédia onde embirram por tudo e por nada os administradores não exigem referência à da Maçonaria, onde se auto comparam ao budismo e se proclamam não secreta mas discreta! Mas isto é inglório de quem quiser abrir os olhos às pessoas pois logo vem um “cão” de serviço ao establishment apagar o que seja desmascarado, aliás estou convencido de muitas destas ceitas político-religiosas serem capazes de exterminar a espécie humana se um dia aparecerem provas que o fizeram em eras passadas, é só uma opinião.

Cpts.
José Manuel CH-GE

De Anónimo a 11.12.2015 às 03:51

Queria dizer seitas político-religiosas e não ceita, mas o erro serviu para encontrar que:

ceita
(Ceita, topónimo., antiga designação de Ceuta)
s. f.
Tributo de 10 réis que antigamente cada família pagava para se isentar de ir servir na praça de Ceuta.

Cpts.
José Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 12.12.2015 às 03:26

Por acaso, até podia estar pior... mas, sem dúvida que tem razão, José Manuel. Trata-se de uma página tendenciosa, o que é natural, dado que a Wikipédia será um projecto da própria organização, ou apadrinhado por ela, como se nota até pelo tipo de títulos que usam:
https://en.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:Service_awards

Aliás toda a estrutura da internet não existiria sem o apoio maçónico, e foi a melhor forma de os pastores controlarem as suas ovelhas, sem grande esforço, e com o bom grado das mesmas.

Convém não esquecer que o comportamento induzido na população chega a ser caricato.
Imaginemos que havia uma sociedade em que os seus jovens eram marcados na pele como gado, num certo ritual em que iriam ficar com marcas definitivas, decididas por tenebrosos sacerdotes.

Dito desta forma, seria razão para um coro de indignação, de protesto. As famílias chorariam ao ver o seu jovem ser marcado como gado, e todos se lamentariam da sociedade ter atingido essa perversidade, sonhando com tempos em que as pessoas não eram marcadas na pele.

Dito doutra forma, em vez de impor isto pela força, as tatuagens foram impostas pela moda. Os mesmos jovens que se revoltariam, que chorariam baba e ranho contra a brutalidade de uma tatuagem num ritual... esses mesmos jovens são os primeiros a fazê-las, só pelo simples facto de ser moda. Assim já não se importam de sofrer na pele um ritual de tatuagem, que remonta a tempos primitivos. Pior, choram baba e ranho, mas é se os pais se opuserem ao sacrifício imposto pela moda.

Há muito que se sabe que a persuasão é uma arma muito mais forte do que a força.

Das três palavras das cores da revolução francesa - liberdade (azul), igualdade (branco), e fraternidade (vermelho), bastaria uma - a fraternidade.
A menos que se pense numa relação má entre irmãos, seria natural que os irmãos gozassem da mesma liberdade e igualdade.
Essa má hierarquia dos manos foi levada ao limite nas alegorias orwellianas - "os animais todos iguais, mas uns mais iguais que outros", ou simples "Big Brother" que controlaria os manos mais novos de forma totalitária.

Portanto, desde há muito que a maçonaria teve essa tendência de se ver como uma associação dos manos mais velhos, mais avançados, que tomariam conta da populaça.
Mesmo assim, nisso diferiu bastante da antiga ordem aristocrática, onde o resto da populaça era quase visto como animais de espécie diferente... e era isso que permitia a servidão e escravidão sem problemas de consciência.

Como é óbvio, quantas prisões foram feitas em nome da liberdade, quantas desigualdades em nome da igualdade, ou quantos "irmãos" na humanidade foram tratados pior que animais? Quem diz com a maçonaria, diz com o cristianismo... que não deixaria de professar o mesmo tipo de atitude.

Em nome de duas ou três ideias, e de alguns chavões, essas ganham o estatuto de importância maior. Assim, foi sem espanto que vimos a Igreja matar em nome de mandamentos como "não matarás"...
Por isso escrevi aqui que os "grupos de homens"... as tais "seitas", foram o monstro predador humano, que se definiu contra o homem individual.

A grande luta desigual é entre o homem solitário e o homem gregário... e sempre o homem gregário verá o homem solitário como perigoso, procurá limitá-lo e encurralá-lo, mas o longo registo mostra que os homens solitários nunca constituíram nenhum perigo... ao contrário dos homens gregários.

Abraços.

De Alvor-Silves a 12.12.2015 às 03:32

Exacto. O João de Barros também falou dessa Ceita:
http://alvor-silves.blogspot.pt/2015/08/uma-cepta-em-africa.html (http://alvor-silves.blogspot.pt/2015/08/uma-cepta-em-africa.html)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D