Site Meter

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




West-fall

por desvela, em 24.06.10
A influência que as obras de Bernardo de Brito e Florião do Campo (ou Floriano de Ocampo) tiveram na cultura portuguesa e ibérica é importantíssima.
Mito ou não, a lenda do fundador Tubal, neto de Noé, influenciou a cultura ibérica durante toda a Idade Moderna, e só foi abandonada, diria mesmo anulada, já na Idade Contemporânea.
Qualquer historiador sério não pode estudar a literatura e a mentalidade entre os séculos XV a XVIII sem ter em atenção os mitos que se fortaleciam com a afirmação da identidade ibérica, fruto da expansão dos descobrimentos. 
Hoje temos ainda algumas obras que referem Floriano de Ocampo como um propagandista ao serviço de Filipe II e dos Habsburgos... é natural que sim, mas uma coisa é analisar criticamente a obra, outra coisa é ignorar qualquer referência, como se o assunto não tivesse existido. Ainda hoje os registos evidenciam que tocar nesse assunto tem aspecto de "doença contagiosa" que se evita, ou se toca com muita precaução e desdém!
10º Trabalho: Hércules contra Gerião (monstro de 3 corpos)
[os 3 corpos seriam os filhos de Gerião]
[imagem]

Com a derrota dos Habsburgos na Guerra dos Trinta Anos, e com o Tratado de Westphalia (1648), para além da balcanização da Alemanha (a chamada Deutsche Welle), a Espanha dos Habsburgos acabou por ceder o seu papel de grande potência mundial para a França, Holanda, Suécia e Dinamarca... Após o Tratado dos Pirinéus (1659), esta paz entre França e Espanha deixou o restaurado Portugal numa situação de fragilidade perante as novas potências, depois de 80 anos sem autonomia militar.
Esta situação foi ainda sentida internamente em Portugal, traduzindo-se numa procura de apoio na Inglaterra, com o casamento de D. Catarina de Bragança e Charles II de Inglaterra, e também numa guerra interna entre os irmãos D. Afonso VI e D. Pedro II. 
Tal como o Infante Duarte de Bragança foi sacrificado, também D. Afonso VI acabou por morrer em cativeiro, sendo mais uma vítima dessa Paz de Vestfália, decidida a reescrever a História mundial. 
A partir de D. Pedro II, seria claro que Portugal não iria arriscar de novo a sua perda de independência com guerras desnecessárias. Contaria com a diplomacia e com uma política de alianças europeia, que foi especialmente fortalecida com o Tratado de Methuen (1703), mas nunca mais teve uma armada capaz de ser ofensiva, limitando-se a gerir com dificuldade a defesa dos já imensos territórios.
O aspecto mais sinistro desta história não terá sido tanto o fim da independência, mas muito mais o fim da memória colectiva... Não foi uma alteração significativa, no sentido em que essa perda de memória ocorrera já no acordo de D. Manuel com os Reis Católicos, e depois com os Habsburgos espanhóis... a América perdera-se progressivamente, e só D. Sebastião terá tentado restaurar essa independência, de forma intempestiva, com as consequências conhecidas.

Após a queda do Império Romano, a História tinha sido reescrita pelos sucessores Godos, incapazes de aceitar o legado cultural dos ocupados, superior ao dos ocupantes. Esta terá sido a primeira Revolução Cultural, para um apagamento da memória. A situação parece de tal forma caricata, que a roda era uma invenção menosprezada para a locomoção da nobreza e combate, sendo usada mais pelo povo nos seus trabalhos.
O Renascimento, iniciado na Alta Idade Média, especialmente após as Cruzadas, e a influência árabe peninsular, levou a alguma mudança de mentalidades, e a um reencontro com toda a mitologia e herança cultural deixada pelos Romanos e Gregos. Esse reencontro foi tímido, lento, e algo escondido do poder e valores culturais instituídos... Terá tido talvez a maior expressão em Portugal após o Infante D. Pedro até D. João II, mas depois a influência dominante abafadora manteve-se pelo apoio generalizado ao papado, e pelo chancelado poder dos Habsburgos. 
A Paz de Vestfália irá terminar isso, parecendo haver uma decisão de reescrever a História... mas no sentido também de omitir parte dos legados do Renascimento, ibéricos, e de outras culturas orientais, distribuindo as descobertas pelos diversos novos vencedores. Apesar de tudo, entra em curso mais uma Revolução Cultural do Esquecimento, de apropriação de conhecimento alheio, chancelado sob a forma de descoberta, quando aceite e divulgada pelos demais. Terá sido assim com uma parte das navegações portuguesas (e da antiguidade), mas também com outras descobertas técnicas e científicas orientais. 
Até hoje essa história foi assim colada, mantendo-se esse acordo de omissão!

A escravatura surge aqui como elemento condutor perturbante. Sendo característica da antiguidade, será de perguntar em que altura da História os descendentes dos escravos romanos se libertaram dessa sua condição de classe inferior?
A República Romana sofreu três revoltas de escravos, sendo a de Spartacus, a que teve a mais profunda influência, por ter sido a última e a que mais ameaçou a solidez da República. A revolta acabou por ser contida e reprimida de forma exemplar, com a crucificação dos milhares de sobreviventes ao longo da Via Ápia. Essa decisão de Marco Licínio Crasso, é na minha opinião a verdadeira razão para a expressão "Erro Crasso". Porquê? Porque a cruz passou a ser um símbolo entre as centenas de milhares de escravos, que viam de forma revoltada o destino que Roma lhes reservava. A situação deverá ter passado a ser muito instável... pequenas cruzes passariam de mão em mão, simbolizando uma nova revolta iminente. Exactamente ao mesmo tempo a República precisou de poderes ditatoriais, conferidos ao triunvirato com César, e depois seguir-se-à a época Imperial. A república acaba por sucumbir a essa necessidade de mão forte, e os imperadores acabam por instituir a filosofia do "pão e circo".
A sociedade romana torna-se mais violenta, para conter a possibilidade de nova revolta. Mas, ao mesmo tempo, por via da universalização da religião cristã por Paulo de Tarso (São Paulo), os escravos acabam por aceitar uma filosofia completamente diferente que se irá impor como estratégia inteligente. A cruz representando a ira, contra a chacina da Via Ápia, passa a representar uma cruz de abnegação, de uma religião que promove o sacrifício e a submissão... o ideal para uma religião de escravos! Não será acidental que a Via Ápia contenha muitas das sepulturas dos primeiros cristãos. A filosofia cristã estabiliza o Império e acaba por impor-se dentro da sua estrutura a partir de Constantino. Será talvez por isso que a revolta de Spartacus será a última revolta significativa de escravos, esse pilar base da sociedade romana resignara-se culturalmente à sua condição, por influência da religião.

O fim do Império Romano terminou com a Escravatura, mas substitui-a de facto pela Servidão. Uma forma dissimulada de escravatura generalizada que imperou na Idade Média, com uma pequena aristocracia dominante. O crescimento do comércio simbolizado pelas Repúblicas italianas (Veneza, e também Génova, Florença...), por Portugal (com a Rés-pública), e depois pela Holanda, fez crescer uma pressão da nova burguesia sobre a aristocracia europeia.
O problema da República acabou por ser de novo colocado, primeiro com Cromwell na Inglaterra, mas tal como com Napoleão em França, e com as jovens repúblicas do Século XX, todas acabaram por evoluir no sentido de guerras civis, seguidas de poder despótico (outros casos são - Lenine na Rússia, Mussolini na Itália, Salazar em Portugal, Hitler na Alemanha, Franco em Espanha). Os "jovens" republicanos ao chegar ao poder não têm hipótese de segurar os jogos de bastidores, com toda a rede de segredos e cumplicidades na aristocracia estabelecida. Só o conseguirão fazer após a 2ª Guerra Mundial com o apoio de uma grande república (os E.U.A.), que floresceu fora da influência directa da Europa, e com o apoio necessário de uma "organização de bastidores iluminista", que retomou a herança secreta dos templários, e que foi aprendendo com os erros da Revolução Francesa e sucedâneos.
A consequência foi também o final da época mítica da tradição da cavalaria, os registos antigos e as tradições populares foram sacrificados ao pragmático sucesso da Revolução Industrial. Como Wagner ilustrou de forma épica, ficariam enterrados no Crepúsculo dos Deuses, os mitos antigos, como Artur e a Távola Redonda, Parseval e Lohengrin, Tristão e Isolda, e tantos outros conhecidos, e outros depois desconhecidos, como Tubal, Ibero, Hércules, Luso, etc... bem como todo o registo de navegações oceânicas de Ulisses, Salomão, Ptolomeu, etc...
É essa pesada herança de ocultação que pesa ainda sobre o mundo contemporâneo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:23


6 comentários

De Anónimo a 29.06.2010 às 05:28

Ou seja, Caro Alvor Silves, andamos num Ciclo vicioso, em que uns supostamente se libertam, para ir escravizar outros.

E se a Cruz tiver outro significado?
Se for o símbolo de uma Herança Ancestral.

Nefer, era representado com um Coração estilizado em coração de cordeiro, cravado numa Cruz, colocado sobre a Traqueia.

Se a Cruz for o símbolo da Voz, do som das ideias?

E se ao longo dos Milénios a luta entre a Inteligência e o Poder, não se tiver extinto?
Se ainda hoje se travar a guerra entre Neanderthais e Sápiens Africanos?

Maria da Fonte

De AlvorSilves a 30.06.2010 às 06:15

Cara Maria da Fonte,

... mas a coisa aponta em que sentido?
Seriam os sapiens "africanos" ou "escandinavos"?

Ou seja, quem eram os deuses e quem eram os godos?
GOTHS ... GODS (inglês...)
foneticamente não há grande diferença! (*)

A questão é se não houve mesmo uma identificação entre uma supremacia mítica algures na Gottland e a deificação dos personagens...
Afinal, alguma vez os romanos ameaçaram as partes do norte germânico e escandinávia?
Alguém alguma vez ameaçou?... (excepto a Rússia e Hitler)

A supremacia romana parece ter acabado com as invasões dos godos, que constituíram depois uma grande e uniforme monarquia europeia. Quando acabou essa supremacia dos godos/normandos?
Não foi a Guerra dos 30 anos uma grande reafirmação dessa supremacia?
E se lembrarmos a importância de Hamlet na literatura inglesa?

Quanto à cruz, teve sempre muitos significados e variou no tempo, faz ainda hoje parte de várias bandeiras...

Repare, eu estou apenas a levantar algumas associações e questões, que me intrigam. Ao enunciar uma hipótese, não deixo de estar aberto a outras possibilidades, e a Cruz pode relacionar-se com conhecimento anterior... e de facto não conhecia essa relação com Nefer - o "arquitecto" para os egípcios, certo?

Abraços!


(*) E se formos buscar a palavra Deus em várias línguas encontramos algumas semelhanças notáveis:

Théos (Grego) ... Deus, Dios, Dio, Dieu
(raiz comum nas línguas latinas
e em irlandês é "Dia")

Gud (Dinamarquês/Sueco/Norueguês) ... Gott, God
(raiz semelhante nas línguas germânicas, para além de ser parecido com Good... Bom/Bem)

[nota: é ainda curiosa a tradução noutras línguas:
- Bog (russo, polaco, búlgaro, macedónio)
- Buh, boh (checo, ucraniano)
- Jumal (finlandês, estónio)
- Jainkoaren (basco)
- Devata (hindu)
]

De AlvorSilves a 30.06.2010 às 06:23

Nota: Mudança de imagem.
Acontece as imagens que aqui coloco desaparecerem do site original (mais frequentemente do que seria desejável), tentarei repor por uma semelhante, sempre que possível, ou caso necessário colocarei internamente.

De Anónimo a 30.06.2010 às 07:41

Caro Alvor Silves

Nefer foi o Mestre Cantor. E é o Faraó do mesmo nome, que é representado com o Coração de Cordeiro crucificado.
O Arquitecto de Saqqara, foi Imothep. Esse é que segundo consta é mais para Bode que para Cordeiro.

Não me diga que estão a boicotar o Blogue?
É inútil!

Agora, já não há como travar a Verdade!

Maria da Fonte

De AlvorSilves a 01.07.2010 às 02:02

Cara Maria da Fonte,

como o seu nome indica, eu não estaria tão confiante.
As revoltas populares foram pequenas picadas de mosquito dos Sapiens, que nunca perceberam que existiam mesmo os Sapiens Sapiens!

Os Sapiens perceberam uma verdade... já os "Sapiens Sapiens" perceberam que podiam controlar a verdade em que os Sapiens acreditavam, com a mentira.

Estas designações via-as como acidentais, mas agora não! "Sapiens Sapiens" soa-me a controlo sobre o conhecimento. Foi essa a evolução... há quem acredite no que conhece - são os Sapiens, que assumem a verdade como base. Mas a evolução no discurso, na organização social, fez imperar a mentira como possibilidade melhor de sobrevivência. A mentira não é mais do que a manipulação do conhecimento... o nome "Sapiens Sapiens" fica assim apropriado.

Mas eu não estaria assim tão confiante... não tenho nenhuns sinais nesse sentido!

Abraços!

De Anónimo a 02.07.2010 às 06:07

Caro Alvor Silves

Não! Não podem!
Não eternamente!

Se os Sápiens Sápiens pudessem manipular todo o Conhecimento, nós não teríamos possibilidade alguma de chegar aonde hoje estamos.

Como o Alvor diz, o nome Sápiens Sápiens é de facto o mais apropriado, já que eles controlam o Conhecimento impondo a mentira.

Mas existe uma incógnita, chamemos-lhe X, ou Y se preferir, que lhes escapa.
A Incógnita que motiva ao longo dos Milénios, todos aqueles, que sem razão aparente, súbitamete se sentem compelidos a descobrir o que se esconde por detrás da mentira que lhes é imposta.

Osíris, é tido como um dos Deuses do Antigo Egípto.
E a sua História como Governante do Egipto é considerada um Mito. Como a Civilização perdida da Atlântida.
Apenas um Mito.

E no entanto, é o próprio Zahi Hawass, quem nos mostra o Túmulo de Osíris, que se encontrava submerso.
E Osíris, de um dia para o outro, sai do Reino Imaginário para onde fora relegado, e assume o seu verdadeiro papel como Rei do Egipto.

Rei do Egipto. Do Egipto submerso. Esquecido. Perdido no fundo das águas, que cobriram o início da sua História.

Há quanto Tempo?
Há 7300 Anos, na Época do Dilúvio do Mar Negro?
Ou há 12500 anos, durante a última Glaciação?

Osiris existiu, não é um Mito.
E o seu Túmulo foi encontrado.
Submerso como dissera Heródoto.

E toda a História mudou.
Porque desde o Império Antigo, que o Egipto tem um clima desértico!


Maria da Fonte

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2010

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D