Site Meter

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ebreus do Ebro

por desvela, em 15.01.11
[ Esta Estória é motivada pelo comentário da Maria da Fonte sobre o Mar Vermelho, em que fala de Moisés, ligando a outro comentário sobre o Ebro... e como seria natural ligar-lhe ebreus, sem "h"! ]

Quando a dúvida sobre a História oficial se torna uma certeza, é natural querer reencontrar o enorme puzzle criado com as sucessivas mudanças de nomes, de atribuições, etc. 
A partir daqui, vivem apenas as especulações, mais ou menos baseadas, e por isso falamos apenas de Estórias.
Qualquer associação mais séria poderia levar a confusões com pessoas que tomam apenas o oficial como sério.

Esta estória tem como dúvida fundamental a deambulação de 40 anos no deserto, de Moisés com o seu povo. É um dado mais preciso do que qualquer nome mudado de localização perdida...
Uma pequena população em migração focada, mesmo em ritmo lento, pode deslocar-se sem dificuldade 100Km por ano... Sendo menos do que isso, desfocaria o seu propósito migratório. 
Ao fim de 40 anos falamos no mínimo em 4000Km.
Se pretendermos colocar essa deslocação do Monte Sinai para Israel, falamos de 10% desse valor, ou seja, não parece lógico migrar apenas 10 ou 20 Km por ano... isso seria a periferia do acampamento.

Um deserto com 4000Km, partindo do Egipto, e sem encontrar civilizações, apenas faz sentido a Ocidente.
Ou seja, a partir daqui colocamos a nossa Estória de travessia do deserto no Norte de África. Há até nomes que encontramos sem esforço, por exemplo Massah é referido no Exodo e é ainda nome de uma cidade Líbia.

Nesta estória, Moisés teria escapado do Egipto com o propósito de atingir, não a península do Sinai, mas sim a península Ibérica, e mais além! Essa sim, seria a sua terra prometida...

Mosaicos no Monte Nebo (Séc. V) 
- lugar jordano atribuído à morte de Moisés.

O tempo histórico de Moisés segue na linha de perturbações no Egipto, que poderiam corresponder à transição entre Hatchepsut e Tutmoses III, ou ao fim do culto monoteísta de Akhenaton, sob forte convulsão e perseguição (a datação é duvidosa, porque estranhamente o nome dos faraós contemporâneos de Moisés não é referido). 
As navegações egípcias envolveriam o Mediterrâneo até à Hispânia, e mais além... isto seria do conhecimento da corte a que Moisés pertenceria. Uma dissidência natural seria procurar a outra Egitânia... literalmente terra do Egito, nome recuperado para Idanha-a-Velha no tempo Suevo.

A haver uma fuga para a península do Sinai, seria uma fuga estranha, colocada à mercê de qualquer perseguição egípcia, encurralados pela própria geografia do local inóspito. A localização medieval da passagem no Mar Vermelho foi logo disputada pela própria tradução de Yam Suph que se referiria literalmente a um mar de algas (sargaços?)...

São poucos os lagos que foram chamados mares... e certamente é estranho chamar-se Mar Morto e não Lago Morto, dadas as suas pequenas dimensões. Já por oposição ao Oceano Atlântico, o Mar Mediterrâneo pode até ser visto como um mar de águas calmas... o novo destino que levaria ao mar de sargaços, deixaria atrás um mar morto.

Nesta estória, o êxodo de 40 anos teria seguido a direcção ocidental, iludindo a perseguição egípcia que levaria a uma mais natural perseguição oriental, na direcção oposta. Moisés abriria caminho por terra, enquanto que os seus perseguidores seriam iludidos, e teriam sofrido sorte diferente no mar a oriente. Procurando evitar confrontos com as populações ou avistamentos costeiros, a migração seguiria por ocidente, pelo longo deserto saariano, durante longos anos, guiada pela fé de Moisés em atingir o destino ocidental.

A última passagem seria agora o estreito de Gibraltar... não logo no início da estória, mas sim quase no fim dela. De início figuraria como propósito, o objectivo traçado que os afastaria definitivamente dos inimigos.
Moisés terminaria sem ver a "Terra de Canã", e caberia a Josué conquistar esse território. 
Faltarão imensos detalhes da estória, contada muito posteriormente... mas sendo negado a Moisés vislumbrar o Atlântico, feita a passagem do estreito, poderia não ter passado o rio Guadalquivir. Quanto a montes sagrados, pois a serra Nevada cumpriu esse papel, mesmo durante o domínio do reino de Granada, com "o vermelho" Alhambra. Do outro lado, a evidência é maior... Jabal Musa - Monte de Moisés é o nome dado ao monte Sinai, mas também ao monte que está no lado marroquino do estreito!
(a) (b)
Jebel Musa (monte de Moisés): (a) o monte Sinai, (b) um dos pilares de Hércules.

Outro nome, Hebron, sem H revela-nos Ebron... e se o rio Ebro derivava de Ibero, pois a designação Ebreu poderia abreviar a descendência ibérica. Acresce a "nossa" curiosa troca de B por V... já que quando nos referimos a Éber, a grafia hebraica é Éver, havendo vários outros casos semelhantes (por exemplo, Reoboão e Rehavam...). As designações "israelitas", "hebreus", "judeus", podem referir-se não apenas a períodos de tempo distintos, mas também a resultado de migrações e partes geográficas diferentes. 

A existência de um poderoso Rei Salomão não teria passado despercebida na literatura grega ou egípcia, se o seu domínio se acotovelasse com o Rei Hirão de Tiro, na exígua faixa marítima mediterrânica (que foi depois consagrada a ambos). Seria mais natural uma coabitação entre fenícios e hebreus na extensão ibérica. Isso justificaria aliás as diversas nomenclaturas e origens de povos mencionados, bem como a presença de nomes tipicamente fenícios (como Balaam ou Balak).
Seria mais natural uma exploração marítima de Salomão, na pista do mar dos sargaços, na rota do acadiano Sargão. A terra prometida iria agora mais além do que o exíguo território que se colocava na tradição israelita. Seria essa memória que ficaria na tradição posterior, aquando do cativeiro na Babilónia.
Aliás, a separação hebraica dá-se a seguir a Salomão, havendo posteriormente uma conquista por Sargão II, agora Assírio, pelo que uma Jerusalém independente em Israel estaria sob diversas vicissitudes da região...

Quando Nabucodonosor II estende o seu domínio para além do Egipto, derrotando Neco II, vai preocupar-se em sitiar Tiro durante vários anos... a Fenícia é conquistada depois do Egipto, aparece em conjunto com a derrota hebraica, mas mais uma vez sem qualquer auxílio de uma eventual Cartago, já então existente.
Ao período de deportação, segue-se um longo cativeiro sob regime esclavagista, só terminado com a invasão persa de Ciro II. Camões recupera "Sôbolos rios que vão por Babilónia", bem conhecido dessa diáspora hebraica, ainda que num contexto diferente... o Sião já é outro. A cidade cantada como Sião é identificada a Jerusalém, afinal poderia ser outra, situada numa outra costa ocidental?
Cativeiro na Babilónia (c. 600-537 a.C.)

Nesta estória, são também os hebreus ibéricos que são deportados. Quando Ciro II concede a libertação desses escravos, eles serão recolocados no reino de Judá, perdendo-se a anterior ligação ibérica, quiçá apenas mantida no nome alternativo hebraico. Estando perdida uma parte apreciável da memória, por eliminação das elites em cativeiro, grande parte da história foi reescrita nessa altura persa de Ciro II e redireccionada para o único território admissível, Israel. Uma eventual remniscência foi depois recuperada pelos judeus sefarditas, na sua nova diáspora por terras ibéricas, na altura dos descobrimentos. Talvez se tenha tornado claro que as descrições do período de Salomão se poderiam adaptar a uma presença ibérica, e assim justificar a perda de todos os registos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19


Heliocentrismo e Evolucionismo (1)

por desvela, em 15.01.11
Houve duas teorias que marcaram o advento da concepção científica descentrada do homem: 
  • primeiro o heliocentrismo, recuperado por Galileu do trabalho de Copérnico (apesar de Aristarco de Samos ser mesmo citado por Arquimedes);
  • depois o evolucionismo, em que Darwin propõe a evolução das espécies, colocando o homem como apenas mais uma espécie.

Estas concepções marcaram o afastamento do Homem e a Terra do centro do universo, deixando de ocupar um lugar especial no mundo, seja por criação divina, seja por razão natural.
Ao que parece, o matemático Pedro Nunes, quando informado pela teoria publicada por Copérnico, seu contemporâneo, terá respondido que era "matematicamente equivalente".

De facto, não é difícil perceber que, ao contrário do que é popularizado, ambas as representações - geocêntrica ou heliocêntrica - são absolutamente equivalentes. É uma relatividade de posição trivial.
Convirá desmistificar a "falsidade" da posição geocêntrica...

Devem distinguir-se duas posições geocêntricas. Num caso mais puro não se admite a rotação terrestre, noutro caso admite-se essa rotação, mas não a rotação em torno do Sol. O sistema ptolomaico era complexo e muito ajustado às observações terrestres, que conseguiria obter com o auxílio de órbitas adicionais nos planetas que manifestassem movimentos retrógrados. Ptolomeu parece ter referido que, mais importante do que a validade do sistema, era o aspecto de poder calcular sem grande erro, as posições planetárias... não se tratava de entrar em conflito com o sistema heliocêntrico de Aristarco.

Anticítera
De facto, o sistema geocêntrico deverá ter sido usado na concepção do mecanismo encontrado em Antícitera... um mecanismo de relógio, com a posição do Sol e Lua (e talvez de planetas), com mais de 2100 anos, que só teria sido igualado no Séc. XVIII.
A incrível máquina encontrada em Antícitera

Do ponto de vista prático, seria mais importante conhecer as posições na Terra do que ter uma visão externa do sistema. Este mecanismo dá-nos uma clara ideia de que o conhecimento na Antiguidade era muito superior ao que foi relatado e transmitido ao longo de gerações... até hoje. Excluindo, é claro, um eventual conhecimento secreto.

Comparações de visões:
Ninguém se preocupa com os detalhes do sistema geocêntrico. No entanto, o primeiro problema são as fases da Lua. A rotação da Lua diferiria em ~1/28 para comportar uma diferença de iluminação, que permitisse regressar à fase inicial ao fim de ~28 dias. Galileu argumentará com as fases de Vénus e com os satélites de Júpiter, mas nada disso invalidaria a aparente rotação em torno da Terra.

Ilustramos, numa simples simulação computacional, ambas as visões, no caso geocêntrico mais puro:
Descrição parcial das órbitas dos 4 primeiros planetas, de forma equivalente, na visão heliocêntrica e geocêntrica pura, num período de 84 dias (~ revolução de Mercúrio). Na visão geocêntrica pura, a rotação da Terra é substituída pela rotação de todos os outros corpos, o que complexifica o sistema. Apesar da simplificação heliocêntrica, ambas as representações são equivalentes (note-se que a posição relativa dos planetas é a mesma).

A rotação terrestre não é perceptível na imagem da visão heliocêntrica, enquanto na imagem geocêntrica ela é predominante e como consequência complexifica as órbitas na forma espiral... 
A mais elaborada visão Ptolomaica (tal como Oresme Séc. XIV) admitiria uma simplificação com a rotação terrestre. Nesse caso, o sistema geocêntrico fica mais simples, sem órbitas diárias, mas mesmo assim demasiado complexo:  
Sistema geocêntrico, onde a rotação terrestre é suprimida do modelo, permitindo visualizar o modelo num espaço de 7 anos. É mais facilmente perceptível o aparente movimento retrógrado dos planetas.

Estas visões geocêntricas são tão exactas quanto a heliocêntrica, é uma questão de referencial, tal como na mecânica se pode pode optar por coordenadas Eulerianas, fixas, ou Lagrangianas, ligadas ao corpo em movimento. Mas, a visão heliocêntrica teve a sua vitória final com o modelo gravitacional de Newton. À simplificação matemática, acrescia uma base física, a lei da gravidade.

A concepção Ptolomaica tinha ainda erros, de averiguação difícil, no que dizia respeito à ordenação planetária. Em particular, porque os planetas internos (Mercúrio e Vénus), próximos do Sol, são apenas visíveis no período crepuscular (aprox. 20º (1h30m) para Vénus e 10º (45 min) para Mercúrio, antes do nascer ou após o pôr do Sol). A difícil observação de um trânsito de Vénus (sobre o Sol), clamada pelo persa Avicena, terá sido influência para considerar Vénus mais próximo da Terra. Tal é particularmente notável num época em que não era claro que Vénus ao anoitecer fosse o mesmo planeta que ao amanhecer!
   
A posição geocêntrica de Mercúrio, Vénus e Marte teria que contemplar o caso desses planetas estarem mais próximo ou mais longe da Terra do que o Sol. Assim a sua posição relativa seria indecidível entre os quatro, Marte pode estar mais próximo da Terra do que o Sol, Mercúrio ou Vénus.
Apenas um planeta com órbita do Sol acima de 2 UA (1 UA= distância da Terra ao Sol) ficaria sempre mais longe do que o Sol... Acima de 2UA é a distância ao Sol do cinturão de asteróides, e depois dos planetas externos, com Júpiter, Saturno, etc.

Isidoro de Sevilha
É neste contexto de ambiguidade que encontramos a obra de Isidoro de Sevilha (de Rerum Natura, Séc. VI). Vemos que há uma separação de Vénus, é colocado Lucifer, anterior ao Sol, e Vesper, posterior ao Sol - ambos os nomes correspondem a designações de Vénus. 
Lucifer é a estrela de alva, e Vesper a sua aparição ao entardecer. De forma estranha, como não é mencionado Marte podendo aqui colocar-se uma identificação de Marte a Vesper, já que também Júpiter aparece nomeado como Faeton (optando pela nomeação grega). Mercúrio e Saturno aparecem designados normalmente.
Sistema planetário por Isidoro de Sevilha (Séc. VI)

É razoavelmente bizarra a associação depois dada ao nome Lucifer ("portador da luz") a Vénus, enquanto estrela da manhã, e prende-se com interpretações da literatura bíblica, e à influência posterior das obras de Dante e Milton. 
Ao contrário, o aparecimento de Vénus a ocidente, no pôr do sol, era associado à esperança com o nome Hesper (ou Vesper), muitas vezes associado ainda às Hespérides, ilhas paradisíacas ocidentais... cujo nome viria de Hespero, um dos reis míticos da Ibéria.
Manifestação clara da dualidade Ocidente/Oriente, em que o Ocidente era associado à terra prometida ocidental, ou seja à América... à esperança de regressar ao Paraíso Perdido (trazendo o título de Milton).

Bartolomeu Velho
Dentro da concepção geocêntrica, posterior a Copérnico, a representação de Bartolomeu é interessante, pois assume apenas uma rotação solar anual, e não propriamente a visão pura, da rotação diária do Sol. O tempo já é outro, e este será já um esquema geocêntrico de compromisso que assume claramente a rotação terrestre.
Sistema geocêntrico sem rotação - Bartolomeu Velho (1568), cartógrafo.

Apresenta as curiosas esferas de Ar e Fogo, antes da Lua.
A posição dos astros indica claramente a ordem crescente do seu tempo de revolução:

  • Lua: 27 dias e 8 horas (~correcto -15 min.) ; 
  • Mercúrio: 70 dias e 7 horas (~88 dias) 
  • Vénus: 273 dias e 23 horas (~225 dias)
  • Sol: 365 dias e 6 horas (~correcto -ano bissexto)
  • Marte: 2 anos, 730 dias (~687 dias)
  • Júpiter: 12 anos (~11,86 anos)
  • Saturno: 30 anos (~29,4 anos); 
  • Estrelas: 36000 anos
Os valores são bons atendendo à época, sendo o valor mais estranho os 36000 anos para a revolução estelar. Mais curioso ainda é arriscar valores para as circunferências. Sendo o valor 6300 léguas correspondente à dimensão do perímetro equatorial terrestre, com uma légua aproximadamente 6,3 Km... obtemos praticamente 2 UA para a localização das estrelas, enquanto para a distância ao Sol, dá menos de 1% do valor conhecido. Não há uma ligação directa entre o tempo de revolução e a distância em léguas para o grau, não se conhecendo outra razão para os valores apontados. 
O mapa-mundi incluso também não apresenta nenhuma novidade à época.


Contexto
O modelo heliocêntrico de Aristarco deverá ter sido considerado em todo o mundo grego, e nem o próprio Ptolomeu o terá querido colocar em causa. 
Como é óbvio, no período de regressão civilizacional que se seguiu, os textos de Aristarco caíram no esquecimento, e o Almagesto de Ptolomeu acomodaria uma visão popular e ao mesmo tempo bíblica.

O heliocentrismo puro (Sol no centro do universo) acabou por ser rapidamente substituído, por uma visão galáctica recomeçada com a catalogação de Messier no Séc. XVIII, e com a inclusão da própria Via Láctea enquanto mais um entre tantas galáxias.

Grupo de seis galáxias - sexteto de Seyfert

A Terra perdeu o seu lugar especial no Universo, e os homens ficaram reduzidos na sua dimensão...  seriam simples habitantes de um planeta minúsculo. 
Ainda assim, habitantes especiais, feitos à imagem de Deus... 
Ora, sobre essa questão coube a Darwin postular a nossa insignificância seguinte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:24


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D