Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Devo começar por dizer que o título não é meu, vem emprestado de um texto noutro blog :
Rokus blog: The demise of oriental neolithic admixture
juntamente com a figura que o justifica:

Esta representação mista de um touro e de um ventre feminino está na Gruta de Chauvet, e terá perto de 30 mil anos. Estamos portanto na época do Paleolítico, e quando foi descoberta, em 1994, esta gruta teria as pinturas rupestres mais antigas até então. 
Aqui ultrapassa-se claramente a simples representação literal, há uma composição pensada, ao ponto da perna do touro se confundir com a representação da perna feminina.
A questão sobre uma alusão ao mito do Minotauro coloca-se com muitos milhares de anos de diferença!

O nome "Quinotauro" é invocado nesse blog devido a uma lenda francesa antiga, do período merovíngio, do Séc. VII. O rei Meróvis, fundador da linhagem Merovíngia, teria sido gerado por um "quinotauro marinho", de acordo com a Crónica de Fredegar (ou Fredegário). A menção "quino", o número 5, parece dizer respeito a uma representação de Neptuno com o tridente (3) mais os cornos (2). A lenda reportada por Fredegar insere-se numa época suficientemente obscura, e já aqui mencionámos o registo lendário de Fredegunda, Brunilda, bem como o registo que leva à lenda dos Nibelungos, imortalizado pela ópera de Wagner (e também na fantasia do Senhor dos Anéis).
Curiosamente a Crónica de Fredegar parece ter sido continuada por ordem de Childebrand, um filho de Pepino II, que dará origem à linhagem Nibelunga, enquanto um outro filho, Carlos Martelo, será avô de Carlos Magno. A vitória de Carlos Martelo contra os muçulmanos em Poitiers, em 732 d.C., será decisiva não apenas para a circunscrição dos mouros apenas à península ibérica, mas também para terminar com a dinastia merovíngia. Desde Pepino I que os mordomos-mor já eram efectivos regentes, enquanto os reis merovíngios eram considerados reis-mendigos, tal era a sua ausência de poder ou riqueza. A vitória contra os mouros deu apenas o pretexto aos carolíngios para apresentar formalmente o poder real que já se conhecia nos bastidores do palácio, em que os "mordomos" passaram a efectivos governantes.

Bom, mas sobre esta época mítica francesa, já falámos no texto Tabula Peutingeriana.
Interessa aqui voltar à figuração representada, independentemente de ser interessante o mito taurino reaparecer na Creta do rei Minos, ou depois como legitimação mítica da dinastia Merovíngia.
Tendo visto o filme-documentário "Gruta dos Sonhos Perdidos" de Werner Herzog, dedicado em exclusivo à Gruta de Chauvet, o tema das pinturas rupestres regressou com novas interrogações.

Primeiro, o fecho da gruta é aqui acidental, provocado por uma derrocada que tapou a entrada, deixando preservado um museu vivo com 30 mil anos. Depois, esse retrato da vida pré-histórica parece bem diferente do que é comum pensar. Um aspecto notável é que a gruta não servia então para habitação, não se encontram restos humanos, nem vestígios de restos alimentares. Acresce que só havia pinturas em locais remotos, bem no interior da gruta, pelo que a gruta teria um propósito ligado às representações e a eventuais cultos associados. 
Onde habitavam então aqueles pintores? 
A gruta está muito perto de uma notável formação rochosa, denominada Pont d'Arc, e é nessa zona que foram encontrados em escavações alguns vestígios paleolíticos.
Pont d'Arc, a centenas de metros da Gruta Chauvet.

Não me atrevo a dizer se Pont d'Arc é ou não natural... é certamente uma estrutura rochosa notável, com uma enorme abertura arredondada numa espessa rocha. Se aquela abertura não existisse as águas deveriam subir umas dezenas de metros formando cascatas, e a zona jusante estaria sujeita a inundações. Assim, o fluxo do rio ficou regularizado, e as águas de Neptuno penetram a dura rocha da mãe Terra pela abertura.

A gruta permanece fechada ao público, com os compreensíveis argumentos de protecção, mas que são de tal forma exagerados, que Werner Herzog se queixa moderadamente da sua circunscrição a um trilho muito bem definido, e a um efectivo impedimento de filmagens para além do estipulado.

A questão da datação fica aqui difícil de contornar porque algumas pinturas tinham já uma deposição de cristais na parede, por cima das figuras, acusando uma grande antiguidade. Havia estalagmites formadas em cima de caveiras de ursos, mas nada vi que aponte para tantos milhares de anos. Essa conclusão resulta da datação por Carbono 14 e especialmente pelas imagens representadas, com a fauna que deixou de existir - nomeadamente rinocerontes com um unicórnio muito mais proeminente do que o habitual.

Ficam diversas questões. A datação por Carbono 14 apontava diferenças entre as pinturas na mesma parede que podiam ir até 5000 anos... e pergunta-se 5000 anos?
Que civilização mantém 5000 anos de tradição sem um desenvolvimento?
Os arqueólogos da pré-história parecem tratar milhares de anos como se fossem dezenas.
Compreendia-se um intervalo de 50 anos, com muito maior dificuldade de 500 anos... mas 5000 anos?
Estamos a falar de um período que vai desde as primeiras pirâmides egípcias até hoje, não estamos a falar do tempo como um número qualquer. 5000 anos é o tempo da civilização humana conhecida, e o que se passou nesse período não se resumiu a olhar para o curso de um rio e dar um retoque numa pintura.
Acho que tem que haver limites para o ridículo, e devemos ser críticos, com bom senso. 
Ninguém pode dizer, sem se rir, que houve ali uma população que se dedicou à pesca de rio durante 5000 anos, que tinha uma gruta onde alguém fez umas pinturas notáveis, e esperaram milhares de anos para uns retoques e novidades.

Outro problema complicado é a singularidade artística das pinturas. À excepção das grutas não se encontram outros vestígios correspondentes. Mesmo as mais formosas Vénus, encontradas em escavações, têm habitualmente um traço tosco, quando comparado com o que ali se vê em termos técnicos.
Qual a explicação?
A explicação mais convincente parece-me ser uma casta de conhecimento. Ou seja, insisto na ideia de que haveria uma classe sacerdotal, de xamãs, que controlava a população. Essa teria acesso à gruta, e preservaria as representações dos olhares restantes. Há uma pegada de uma criança de 8 anos, que poderia ser um iniciado. 
Durante um número indeterminado de gerações, os xamãs controlariam um conhecimento e deixariam a restante população num estádio muito inferior de desenvolvimento, para mais fácil controlo. Isso explicaria que as esculturas encontradas sejam razoavelmente toscas... são meros artefactos feitos a partir do estádio zero de desenvolvimento, repetidos sem um acumular de conhecimento. O conhecimento acumulado era apenas passado para o novo candidato a xamã, escolhido desde tenra idade, com a missão de preservar o "jardim do paraíso". 
Fariam o papel de deuses, tentando evitar que o progresso destruísse a harmonia que controlavam.
O avanço civilizacional resultou da obstinação de muitos, que quiseram abrir a Caixa de Pandora, apesar de todas as restrições colocadas pelos "deuses de serviço". O maior perigo... a tentação do xamã, a necessidade de preservar o seu estatuto sigiloso. Afinal, ainda que passasse as provações necessárias para a sua fidelidade última, bastaria uma paixão feminina para transformar a cabeça do homem numa besta taurina, deitando a perder uma herança milenar de segredos. Sem o controlo dos xamãs, o que seria daquela herança de deuses, daqueles que prescindiam do seu "eu" para serem "de eus", de todos os "eus"?

Repare-se, se houve pinturas que resistiram em cavernas durante tantos milénios (não importa se foram 30 mil ou apenas 10 mil anos), se se tratasse de uma faculdade popular, por que razão não haveriam de ser comuns os registos de pinturas em tantas grutas que há? Não são comuns, porque se tratava de um conhecimento muito restrito, detido apenas pelos xamãs - não era do conhecimento da tribo inteira. De entre as crianças que mostravam algum génio, eram seleccionados os herdeiros da tradição, e procurava-se reprimir o génio dos outros. Todos os vestígios eram sucessivamente apagados, a memória ficava no xamã, não passaria de pais para filhos, e toda a nova geração era educada como se nada existisse antes.

Uma filosofia destas só pode ter sido imposta após um acontecimento deveras traumático. Ou seja, deveria haver locais precisos, em que se reunissem provas de tal forma contundentes do que se tinha passado antes, que nenhum aprendiz alguma vez ousaria quebrar o protocolo, perante o perigo de nova catástrofe. Ao estilo de Noé, quem sobrevivesse ao "dilúvio" teria feito um compromisso de preservar a civilização do perigo da auto-destruição, e arranjou forma de o fazer por uma tradição estanque, à prova de tentações próprias. Essa seria razão mais que suficiente para uma herança elitista de secretismo. O mais curioso numa estrutura destas é que ninguém terá completa certeza de ser o último na pirâmide de controlo... só poderia aferir isso se ousasse quebrar por completo o compromisso, pondo em risco a própria segurança pessoal.

Como é óbvio, o traço certo e seguro, ou a técnica artística presente em Chauvet, Lascaux, Altamira,  etc... denunciam que estes não teriam sido nem os únicos, nem os primeiros, nem os últimos lugares onde se passou essa herança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:42


Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Setembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D