Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Finalizando a transcrição das origens toponímicas segundo João de Barros:
continuamos de S, terminando em Z.

Optei por não fazer comentários, sob pena de não terminar esta transcrição... onde procurei minimizar erros de interpretação do texto, sendo também para mim claro que Barros comete vários erros, mas não se parece incomodar demasiado com isso. Há sempre duas posturas - as dos que nada fazem, e por isso limitam-se a criticar o que é feito, e os que procuram fazer alguma coisa, sabendo-se sujeitos às falhas de ignorância própria e sobretudo alheia.

Deixo apenas o exemplo de Vila Real, supostamente associada ao santuário de Panóias, algo que João de Barros esclarece, por ter tido acesso ao foral de D. Dinis, que fundará a cidade.

É suposto encontrarem-se inscrições em latim em Panóias, num sítio antes chamado Valnogeiros... porém Barros é claro sobre o assunto:
« (...) aí estão em pedra letras antiquíssimas, antes dos Romanos, que se não podem ler.»

Ora, conforme se pode ver há em Panóias muitas letras latinas que se identificam bem, e até remetem a um certo Calpurnius Rufinus como autor do texto em latim. Segundo a Wikipedia terá havido um pequeno problema com as inscrições no Séc. XIX (e Barros, não podia prever que passariam a ser legíveis passados 3 séculos). Por isso, houve quem tivesse esculpido o restauro... diz-se que apenas numa das inscrições, mas os novos escultores não contariam com este manuscrito, não publicado, de João de Barros. 

Ou seja, o que se poderá ler hoje em Panóias será provavelmente uma falsificação do Séc. XIX, esculpida por cima do que estava escrito antes (e que "não se conseguia ler" - segundo Barros), simulando assim um texto conveniente em latim. Dessa maneira poderia-se remeter a inscrição para tempos romanos, e não anteriores. Calpurnius há muitos, Rufinus menos, talvez o mais conhecido seja o tradutor Tirano Rufino.

Portanto, João de Barros neste, e noutros pequenos apontamentos, mostra como se tem caminhado com pés de barro na propositada negação ou destruição do património nacional.
Haverá desculpas?... Há sempre! A retórica serve a confusão, e quando não há escapatória, passa a afirmar-se um propósito secreto ou místico, para iludir como controlo superior o que foi afinal um simples e mero descuido. 

___________________

S
Sancta Maria del Puerto - vila do Reino de Galliza chamava-se Iria Flavia como diz Volaterrano e Siculo.

Silves - cidade do Reyno do Algarve, parece que lhe chama Ptolomeo Ossonoba.

Salamanca - cidade conhecida, alguns querem dizer que se chamava Sentica, mas Ptolomeo chama-lhe Salmantica e Sentica é Ledesma.

Segovia - cidade no Reyno de Lião, chamavam.lhe Serguntia, ou Secobriga como diz Volaterrano. Antonino a chama Secovia.

Serra Morena - chamava-se Mons Marianus, e Saltus Castalonencis [Castulonencis]

Simancas - chamava-lhe o Itinerário Septimanca.

Sevilha - chamava-se Hispalis do nome do Rey Hispalo que afundou [a fundou]. E os mouros lhe puseram o nome Sevilha, os quais a tiveram por muito tempo, até que lha tomou El Rey D. Fernando, chamado o Sancto.

Soria - cidade na província Terraconense se chamava Numantia como diz Fr. Antonio Venero [Alonso Venero] no Enchiridion fol.42 

Segura - vila na mesma parte chamava-se Guadamor como diz Annio.

Santiago de Galliza - cidade muito conhecida chamava-se antes Compostela quasi te??res Composita, porque despois ali achou o corpo do glorioso apóstolo Sanctiago se fez aquela povoação, que então era piquena e lhe chamaram assi, mas Volaterrano diz que está onde se chamava Flavium Brigentium, e tudo pode ser.

Segre - rio. Chamava-se Sicoris.

Setubel [Setúbal] - vila da Lusitania, diz Anio de temporibus cap. 4º, que foi edificada por Tubal neto de Noé, primeiro Rey de Espanha e dele tem o nome.

Santarem - vila na Lusitania conhecida, tem este nome pouco há desde que a tomámos aos Mouros haverá 400 anos. E dizem que se lhe pôs de Sancta Eiria que aí jaz. E os Mouros lhe chamaram Quibir Castro, que quis dizer Castelo Grande onde eles muito tempo moraram. Os Romanos lhe chamavam Scalabis segundo diz o Itinerário Imo [Ilustríssimo ?]. E antes que fosse tomada aos Mouros se chamava Sanctarem porque Sancta Eiria foi muito antes que os Mouros tomacem [tomassem]  Espanha, dequem o lugar tomou o nome. Aly Julium Praesidium.

Sintra - vila conhecida, seis léguas de Lisboa pelo norte está onde Ptolomeu chama Monte da Lua.

Salobrenha - chamava-se Salobrina, segundo Annio.

T
Tunes - cidade de África a que os Mouros puseram este nome, chamava-se Cartago, Ptolomeo diz que antes disto se chamou Adrumetum [Hadrumetum].

Tarifa - vila na Baetica, uns dizem que se chamava Carteia, outros Barbisola, e Lucio lhe chama Belon. Ptolomeo parece que lhe chama [...] .

Tejo - rio de Lusitania, chamou-se Tagus do nome de um rei muito antigo de Espanha, mas segundo Barroso se chamava Orma, Tagorma.

Tui - cidade de Galliza, junto do Minho, chamavam-lhe Tude e os moradores Tudenses, Imo Tyde [Ilustríssimo Tyde ?] a Tydeo Diomedes e assim se escreve nos livros antigos.

Talaveira  [Talavera ?]- chamava-se Talabrica, assim como Lacobriga, Mirobriga  [ ... ??? ]

Torrijos - vila na Lusitania, diz Siculo que se chamava Turris Julia.

Tortosa - chamava-se Dertosa.

Tangere [Tanger] - cidade em África no Reino de Marrocos, diz Antonio de Nebrija, que se chamava Tigis, e outros dizem Tagosta, mas esta é Targa, pátria Augustini, porem o mais certo é que se chama Hippona do que S. Agostinho se chamou Bispo Hipponen.

Tarragona - diz Annio que Tubal neto de Noé que foi o primeiro rei de Espanha lhe pôs este nome, por ser província de muito gado e que os    chamam ao ajuntamento de gado Tarracona.

Toledo - cidade chamava-se Toletum, e tão bem Carpetana, et Carpetani Populi assim o diz Antonio de Nebrija.

Traslos montes [Trás os Montes] - comarca, não sei qula foi o primeiro que lhe pôs este nome, parece moderno porque está na parte de Galliza, e chama-se assim porque está acima dos Montes do Marão, e Gires [Gerês] que partem esta comarca dantre Douro e Minho.

Trusilho [Trujillo] - vila de Castella, Turris Julia.

Tordesilhas - vila chama-lhe o Siculo Turris Silana.

Touro [Toro]- cidade chamava-se Sarabis como diz Antonio Venero [Alonso Venero ?].

Tamega - rio dantre Douro e Minho, chamavam-lhe antigamente Tamaca, aos do redores Tamacanos.

Tentuguil [Tentugal] - segundo quer o Itinerário chamava-se Eminio porque está dez mil passos de Cuimbra, como ele diz, e por ali caminhavam de Cuimbra para o Porto.

Torres Vedras - vila na Lusitania, quer dizer velhas a diferença de novas, porque os godos chamavam por velho vetro, assim como Ponte Vedra, Monvedro, alguns querem dizer que se chamava Turduli veteres, porque a província aonde está assim se chamava, como diz Ptolomeo, e Plinio, e Strabo, o selo que esta vila tem diz Sigilum oppidi de Turribus Veteribus["Selo da cidade de Torres Velhas"]

U (V)
Ubeda - vila na Espanha Tarraconense. Antonio de Nebrija cuida ser Almeria, o que não parece porque Volaterrano lhe chama Abdera e Siculo diz que parece aquilo a que César nos Comentários chama Ulla.

Verga - chamava-se Brigetium

Urgel - em Aragão, diz Volaterrano que se chamava Urecsa, mas Siculo lhe chama Ilergetum.

Vouga - rio da Lusitania, chamava-lhe Ptolomeo Vaccus, ou Vagus

Vilebe - em Catalunia chamava-se Vicus Aquarius.

Vaena [Baena]  - cidade na Baetica chamava-se Julia Regia, como dizem Siculo, e Volaterrano. e o que viram aí em pedras antigas escritas.

Valhedollid [Valhadolide] - todos concordam que se chamava Pincia. Vallis oletana a Junioribus dici solet.

Vila Nova de Cerveira - junto ao Minho ao sul, chamavam-lhe Cervaria.

Viseu - chamava-se Visontium na Lusitania. Volaterrano.

Viscaia [Biscaia] - (olim) Celtiberia, Viscainha: Celtiber.

Viana - vila de Portugal na foz do Lima, parece que lhe chama o Itinerário Salaniana, mas Florião do Campo não lhe muda o nome em estoutra história verisimil [verosímil], dizendo que a edificaram os Franceses de Viana de França.

Villa Real - em Portugal é nome moderno que lhe pôs El Rei D. Dinis que a fundou entre dois rios e por isso dizem alguns que se há-de chamar Rial, mas eu vi o foral de sua fundação que lhe chama Villa Real, sabia-se. Chamar aquela terra Panoias de umas antigualhas que estão dali uma légua onde chamam Valnogeiros, e aí estão em pedra letras antiquíssimas, antes dos Romanos, que se não podem ler. 

Valensa [Valença] - retém o seu nome antigo, e é edifício dos Gallos que a edificaram â imitação de Valença de França, como Diana e Baiona.

X
Xires dilla fronteira [Xerez de la Frontera]  - se chamou Munda. Siculo.

Xativa - no Reino de Aragão, se chamava Setabis, como diz Annio.

Z
Zamor - cidade de África, chamava-se Assamor como diz Florião do Campo,.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D