Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Na sequência de relações pascais, após a lavagem de mãos de Pilatos, ou da corona de espinhos, estamos em quarentena, inicialmente um período de quarenta dias (quadraginta, em latim). 
Quarenta dias é também o tempo da quaresma, tempo de jejum cristão que medeia entre o Carnaval e hoje (domingo de ramos), um tempo pascal de crescimento do corona-vírus na Europa.

Consta que quarenta dias foram definidos por Veneza em 1377, em quarentena contra os navios de regiões contaminadas pela peste negra, remetendo os visitantes a um edifício chamado Lazareto, com raiz no nome de Lázaro, o morto-vivo ressuscitado.
D. João II decidiu o mesmo em 1490, definindo a Torre Velha do Castelo de Porto Brandão, depois Forte de S. Sebastião da Caparica, como ponto de acolhimento, ou seja como Lazareto

As instalações degradaram-se e foram recuperadas em 1869, passando a ser conhecido como Lazareto Novo de Lisboa, ou ainda, durante o Estado Novo, como Asilo 28 de Maio, mudando as funções para acolher a "criadagem" da província que "serviria" em Lisboa.
Actualmente está em ruínas, aguardando a possibilidade de funcionar como unidade hoteleira. 
A sua estrutura semi-circular lembra o panóptico de Bentham, onde de um ponto central se veriam as ramificações para os restantes edifícios, particularidade útil em estabelecimentos prisionais.

Lazareto Novo de Lisboa - vista aérea por drone (via HelderHugo).

Será clara coincidência que estes períodos de quarentena, a que ficámos sujeitos, surjam durante os quarenta dias dedicados à quaresma, mas já estamos habituados a viver com coincidências nestes tempos. 

Será ainda interessante notar que o número estimado de mortes, por vírus da gripe normal, costuma variar entre 290 e 650 mil pessoas. Assim, é estimado que tenham morrido este ano 125 mil pessoas, devido à gripe normal, um número que é o dobro das mortes associadas ao corona-vírus.

O final deste período está-se a aproximar, pois a Itália, a Espanha, e Portugal verão os números começarem a estabilizar até ao final desta "semana santa", consumando-se o milagre de recuperação do mal dito vírus.
Na próxima semana, seguinte à Páscoa irão continuar os avisos, tentará colocar-se o drama para "não embandeirar em arco", e todas crianças que jogam na Bolsa, ou na raspadinha, vão voltar a poder fazer as suas apostas.
Depois irá pensar-se que talvez tenha havido um exagero, mas o que irá faltar fazer é uma simples análise de entidades criminosas que propositadamente, ou incompetentemente, foram provocando um caos social, com o possível intuito de virem daí a tirar partido financeiro.
  • Ao contrário dos exemplos de sucesso de Macau, Taiwan, Japão ou Coreia do Sul, a Europa foi aconselhada pelo OMS, e pelas organizações de saúde nacionais acólitas, a fazer de conta de que não se passava nada. Basta reler o que os responsáveis foram dizendo, o atraso da OMS em declarar a pandemia, etc...
  • Ao contrário desses países, na Europa desapareceram máscaras protectoras ainda antes de haver procura delas. Se esses países asiáticos aconselharam a todos os cidadãos o uso de máscaras (a única forma efectiva de controlar a propagação - porque os espirros não seriam projectados), os esbirros nacionais europeus foram proclamando a falta de máscaras, o seu uso exclusivo por profissionais, etc. 
  • Para espanto de todos os viajantes na Europa, não existia nenhum controlo de passageiros, mesmo à chegada de países com casos descontrolados.
  • Em Portugal a situação foi de tal forma grotesca que a DGS criticou o fecho de universidades e aconselhou a manutenção de escolas abertas. 
  • Toda esta incompetência deveria ser processada, porque há casos de negligência dolosa e propositada. No entanto, esta malta da OMS, e aqui da DGS, passará por ter feito um grande trabalho, e terá os louvores maçónicos de serviço.
  • Empresas como a 3M, que foram alvo das críticas de Trump, com o pretexto de exportarem, não enviavam máscaras para ponto nenhum, consolidando a falta delas em todo o lado. Qualquer análise minimamente esclarecedora chegará à conclusão que houve uma vontade de causar dificuldades na distribuição de material protector.
Resta assistir às vantagens que muitos vão retirar desta suspensão da economia, com os estados a endividarem-se de novo, para controlar o caos na saúde pública. As dívidas públicas de Espanha e Itália serão provavelmente alvo de ataques especulativos.
Os que sabem que os mercados vão reabrir em força em Maio, preparam-se para comprar a baixo valor nesta altura, para depois retirarem dividendos dos investimentos.
Vislumbram-se já os abutres no ar... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24


Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Abril 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D