Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Imagem parcial de um mapa de 1550.
(clique na imagem para aumentar)



Na sequência da publicação dos textos no Knol foi indicada a referência para um texto da Duquesa de Medina Sidonia. Esse texto atestava a presença árabe na América.
Com efeito, num mapa do Livro de Marinharia isso é já suspeito, pela bandeira triangular vermelha num Castelo, entre os dois Castelos com bandeira das quinas, na zona do Peru/Equador/Colombia.

Este mapa Anónimo, na Bodleian Library - Oxford, de 1550, de acordo com a datação constante na Portugaliae Monumenta Cartographica, indicia muito mais:

(i) Tem uma costa americana muito bem delineada da Florida até à Terra Nova.

(ii) Coloca nessa costa, alternadamente, bandeiras quadradas (nacionais?), com bandeiras triangulares com um crescente. Ou seja, uma eventual presença alternada portuguesa/islâmica em toda a costa ocidental da América do Norte.

(iii) O mapa sinaliza a Terra Nova com uma bandeira diferente, cristã, indicando a presença de algum território autónomo, de origem cristã, conforme atestado no texto de Francisco de Souza, de 1570. Acresce a isso o desenho de um "barco a remos" próximo da Terra Nova, talvez para sinalizar que a viagem descrita por Souza teria ocorrido mesmo em tempos visigodos, no séc. VIII.

(iv) O mapa continua, colocando mais bandeiras islâmicas na zona da bacia Amazónica.

À parte o texto surpreendente de Medina-Sidónia, que coloca a presença islâmica na América Central e do Sul, não encontrámos nenhuma outra fonte que justifique mais esta presença de bandeiras islâmicas em território americano, especialmente no norte da América.

A estória da História continua mal contada, e a precisar de muitos ajustamentos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:49


3 comentários

De Anónimo a 15.04.2010 às 20:12

Minha critica ao "O Encoberto e o Descoberto",

Não gosto dos dois O's e falta algo no titulo e prosa que nos ajude viajar aos tempos encobertos,
mas o que descobre na Carta "Pedro Reinel me fez" (1484) é original e verosímil, se abrir um pouco mais o espírito reflectir ao que lhe propus como explicação aos apócrifos Bíblicos o Alvor Silves pode encontrar um Graal.

O Continente Americano não esteve encoberto, foi "contido" para evitar o esvaziamento da Europa, e até que a saída marítima da armada do Islão do Mediterrâneo para o Atlântico fosse controlada pela cristandade, não foi permitida sua colonização.

Pode-se perguntar então porque não se colonizou antes do surgimento do Islão, a resposta seria longa e fora do assunto, mas o factor climático tem sido menosprezado pela historiografia, que não incorpora a Paleoclimatologia, Arqueologia e estudos das migrações pelo mapeamento do ADN das populações. O Gulf Stream no Atlântico Norte foi alterado várias vezes o que impediu viagens transatlânticas durante muito tempo, mas facilitou outras no Atlântico Sul.

Mas o que continua encoberto é o que motivou as viagens marítimas e expedições terrestres dos portugueses? Uns dizem que foi para expandir a cristandade, outros que foi por os lucros comerciais das especiarias, outros dizem que foi para encontrarem um Reino perdido, e aí aflora-se o encoberto que é a "Rota Marítima do Megalítico pelos portugueses nos Re descobrimentos".

Os portugueses procuravam, ou melhor os seus comanditários como o Infante D. Henrique e D. João II, que programaram a procura do que restou das civilizações depois da glaciação dá 12.000 anos, que sabiam serem mais avançadas que as deles medievais: "Sete Cidades", pois os portugueses deviam ter registos das suas localizações, porque num curto espaço de tempo foram a todas suas ruínas, e em todos os Continentes! Etiópia, Canárias, duas na Índia, uma no Tibete várias na América do Sul, foram os primeiros a oficialmente a contactar o Império Inca há documentos coevos sobre isto, no Vanuatu do pacífico (Pedro Fernandes de Queirós) desembarcaram nas Ilhas artificiais Megalíticas do Pacifico! Deram o nome de "Ilha de Pescadores" onde estão os Megalíticos submersos da zona do Japão, até o Vasco da Gama com tanto sitio para desembarcar foi faze-lo na única zona da Índia que tem Megalíticos "Neolíticos" iguais as Antas portuguesas! E agora venho a saber dum Viçente Pegado que foi o primeiro europeu a relatar sobre o Império Monomotapa / "Grande Zimbabwe" que parece ser na origem uma civilização avançada megalítica! Não esquecendo o Brasil que por si é o berço da humanidade ou um dos Éden ainda encoberto pela vegetação, donde vão surgir do que dar um ataque cardíaco a muita gente do establishment.

Os portugueses da época dos descobrimentos visitaram todos os locais megalíticos, terão encontrado o que procuravam?

Talvez o Alvor Silves possa contribuir para a resposta e a escritura dum livro com este consumidor de enigmas, "A rota do Megalítico na Era dos descobrimentos"

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE¬

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Março 2010

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D