Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Besouro

08.08.14
Pode ler-se, no Archivo Popular (de 6 de Agosto de 1842):
É por certo para lamentar, que não haja sido possível descobrir a chave para a inteligência dos hieróglifos, que acompanham estas exumações egípcias. Consta que os sábios do Egipto usavam de três métodos de comunicação, a epistolográfica ou vulgar; a hierática ou sagrada; e a hieroglífica ou misteriosa. Alguns antiquários nestes dois últimos séculos procuraram decifrar estes hieroglíficos, especialmente um literato francês, Champollion; mas depois de ter desperdiçado muitos anos em procurar desentranhar estes misticismos, morreu de enfado por não o poder conseguir. Outro francês pretendeu ultimamente ter encontrado uma chave para descobrir o sentido daqueles escritos por meio das iniciais de alguns nomes antigos da língua egípcia, porém é já certo que a sua descoberta reduz-se a algumas inscrições em que havia maior probabilidade de as decifrar, sendo em geral falhas de exactidão. A destruição da Biblioteca de Alexandria contribuiu sem dúvida para envolver nas trevas a literatura egípcia; e até os primeiros filósofos gregos e romanos, que viajaram naquele país, berço de todos os conhecimentos intelectuais, não nos comunicaram noticia alguma do estilo hieroglífico usado naquelas academias.
Ou seja, antes das Revoluções de 1848 que varreram a Europa, parecia haver um consenso de que não tinha sido possível decifrar a linguagem hieroglífica. O artigo refere explicitamente Champollion, que é considerado hoje como aquele que conseguiu decifrar os hieróglifos, usando a Pedra de Roseta:
A Pedra de Roseta, com inscrições hieroglíficas 
e uma provável tradução em grego, foi usada para decifração.

A pedra de Roseta ficou tão famosa que também serviu de nome a uma sonda espacial que foi anunciado agora ter atingido um cometa (ver artigo da Euronews)
(não se encontram imagens reais)

Sobre toda a filmografia e enredo das novelas espaciais uso normalmente o blog Odemaia, aqui deixo apenas a interrogação sobre Champollion, e o seu famoso decifrar dos hieróglifos. Em 1842, alguns anos após a sua morte, tal estava muito longe de ser minimamente reconhecido, como foi peremptoriamente afirmado no Archivo Popular (publicação muito credível à época).
Essa dúvida, sobre a validade das traduções dos hieróglifos e da escrita cuneiforme, já a tínhamos aqui levantado, sem conhecer este texto.
Este texto surgiu por mero acaso... pelo caso do momento. Como já não publicava aqui há algum tempo, e quis ligar ao caso BES, pensei no bes-ouro, ou seja no besouro. Há coisa de uma hora atrás procurei nestes textos do Séc. XIX se havia algo escrito sobre os besouros egípcios. Neste texto do Archivo Popular dizia-se então sobre a mumificação:
Algumas vezes pintavam sobre o peito um escaravelho, insecto que em suas ideias alegóricas significava regeneração; outras vezes um ídolo como símbolo da fé que o defunto havia professado.
A regeneração aparecia assim no ciclo solar. Desaparecia um Sol ao anoitecer e depois reaparecia ao amanhecer, movimento que era visto ser simulado nos Besouros se encarregavam de empurrar os dejectos em forma de pequenas bolas.
Mas, o mais interessante não eram os besouros, era a Roseta - e não a sonda que tinha feito notícia ontem por atingir um cometa - mas sim a pedra que afinal não tinha convencido ninguém sobre a decifração dos hieróglifos, nem o próprio Champollion.

Portanto, e como já afirmei aqui, continuo a usar como fontes passadas principais as traduções do latim e do grego, e não outras linguagens supostamente decifradas. Interpretações há muitas, e até eu sem perceber patavina de hieróglifos posso fazer uma e ser tão consistente com ela, como são os outros que usam e abusam de várias interpretações, ditas oficiais.

O outro ponto importante, bem frisado no Archivo Popular, é que apesar de romanos e gregos terem sido perfeitamente contemporâneos da civilização egípcia, nada restou que pudesse esclarecer a tradução. Só este facto por si seria suficientemente estranho para podermos ver o tipo de selecção cuidada do que foi permitido guardar da Antiguidade. Aparentemente, os escribas árabes e os monges europeus, tão entretidos no seu copismo, esqueceram-se de transportar esse conhecimento. Azar... ou parece que é azar, e há de facto quem tenha a chave e se entretenha a validar traduções aqui e ali, conforme aprouver à narrativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:33


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D