Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Contas

01.04.13
Sabemos que um maratonista razoável demora menos de 3 horas a percorrer os 42 Km, e que uma pessoa deslocando-se a passo, faz uma média de 5 Km/h. Ou seja, sem dificuldades especiais, passo a passo, não apressado, uma pessoa vulgar pode fazer 50 Km em 10 horas, por dia, reservando pelo menos 12 horas para descansar.
Ora 50 Km num dia, são 500 Km em 10 dias, 5 000 Km em 100 dias, digamos mesmo 4 meses, se reservarmos 20 dias para dificuldades adicionais no percurso.

Simples contas como esta, levam-nos ao percurso de 15 000 Km num ano, a passo, a pé, com bastante tempo de repouso, e 2 meses de pausa para enfrentar dificuldades especiais.
Será menor o percurso que leva de Portugal a Macau (cerca de 11 000 Km), em extremidades do continente euroasiático.
Semelhante será o percurso que se leva pelas praias do continente africano, de Ceuta ao Cabo da Boa Esperança.

Isto serve para mostrar que sempre foram demasiado enfatizadas as dificuldades de mobilidade humana, sem acompanhar duma razão aparente que o justificasse. Em tempos primitivos, sem grande delimitações territoriais, seria possível a um povo deslocar-se de uma ponta à outra das plataformas continentais, no espaço de um ano. Usando um cavalo, como meio de transporte, podemos passar a ligações que levavam apenas dois ou três meses.

Por isso, quando apresentámos este gráfico da expansão portuguesa, em direcção ao sul de África...
... convém reparar que os aproximadamente 3 000 Km de costa africana, creditados em 26 anos de exploração levada a cabo pelo Infante D. Henrique, de 1434 a 1460, do Cabo Bojador à Serra Leoa, seriam percorridos pelos extensos areais que fazem aquelas praias, por um qualquer grupo expedicionário, mesmo mal preparado, e preguiçoso, num espaço de poucos meses.
Em vez de alguns meses, foram precisos quase 30 anos de "organização científica" na exploração do Infante...

De forma semelhante, os restantes 8 000 Km de costa, que se seguiram, levaram mais 28 anos até passar o Cabo da Boa Esperança. Poderiam ter sido percorridos por um grupo expedicionário num espaço de meio ano, mas nem os sábios de D. Afonso V, nem os de D. João II, o teriam feito.

Não se trata de percursos complicados, pelo meio da selva, tratar-se-ia praticamente de seguir as praias, mandar uns tiros de mosquete para afugentar eventuais problemas com indígenas mais curiosos.
Qual seria o grande obstáculo a este progresso terrestre, que serviria, quanto mais não fosse para propósitos de cartografia? Nenhum, e não há registo de confrontos na parte ocidental de África, que alguma vez tivessem colocado obstáculos complicados à passagem dos portugueses, em direcção ao sul.

Se é natural que uma pessoa vulgar não se interrogue sobre estes assuntos, é inconcebível que estudiosos o ignorem. É natural o desconhecimento, o duvidar por que razão o assunto não é debatido, mas o cidadão alfabetizado tem obrigação intelectual de colocar a questão e não se deixar iludir.

Ao fim destes mais de três anos que aqui fui colocando informação, é habitual que haja dúvidas, as mais diversas, que começam sempre pelo simples facto de mais ninguém falar no assunto. O homem é demasiado social, e acaba por não dar conta que a maioria das questões que coloca a si próprio são um produto social.
Não coloca questões que não sejam induzidas por outrem... e essas já trazem respostas previstas, prontas para se enredar na retórica das verdades ilusórias.

Porém, há coisas tão simples quanto estas contas... que são simples obrigação de interrogação de quem fez a 4ª classe. Não precisa de duvidar ou procurar documentação, deve duvidar da versão que lhe é apresentada oficialmente, porque todos sabem fazer contas elementares.

Ao fim de mais de três anos, contam-se pelos dedos da mão as pessoas que foram capazes de me dizer que sim, que de facto a história oficial não batia certo, e que a versão que conheciam dos bancos de liceu estava muito mal contada... 
Por mais que sejam os argumentos que apresente, do outro lado normalmente espero o silêncio.

Por isso, caros leitores, o cidadão vulgar quando aceita desta forma ser enganado, é cúmplice de todos os enganos, e não é um nem dois... é a esmagadora maioria, quase totalidade absoluta da população que aceita e quer ser enganada, porque deposita sempre confiança noutro alguém que não em si próprio.

Quanto a isso, nada há a fazer... os enganos de que a população é vítima ocorrem justamente por ela ser cúmplice, juntamente com as suas elites, num conveniente silenciamento geral.

Pouco interessa ter aqui registadas mais de 90 mil visitas, essas contas não valem nada, nem sei se representam alguma coisa real. Já coloquei informação em vários espaços, desde facebooks a blogs conhecidos, inclusivé espaços dedicados à história nacional, oficial ou alternativa - sempre com o mesmo resultado prático - um silêncio mais que suspeito.
O silêncio impera, e a generalidade da população é cúmplice desse silenciamento.
O problema nunca foi meu, e se o assumi como tal foi porque o vi tão desprezado... 
Pela minha parte de responsabilidade, de investigação e divulgação... pouco mais posso fazer! Ou melhor, ainda que o pudesse fazer, nem sei se há alguém que quer verdadeiramente que a situação mude. Parece-me que todos se acomodaram a este status quo da mentira aceite. Portanto, as consequências disso manifestam-se, e manifestar-se-ão, cada vez mais, a diversos níveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:52


4 comentários

De José Manuel de Oliveira a 05.04.2013 às 04:13

Olá boa noite,

O caro amigo compatriota aparentemente não percebeu ainda o fundo da razão das omissões manipulações pela parte do establishment, num filme culto perguntavam os jornalistas a um rico milionário que sabia tudo "como tinha enriquecido" ele responde "é tudo uma questão de bem saber gerir as prioridades durante a vida", o riquíssimo homem era uma autêntica enciclopédia viva...

As prioridades da humanidade não são saber de onde vieram o que fazem aqui e para onde irão, mas sim comer beber fazer sexo e ter poder (alimentar egos), dizem que o verdadeiro poder é a informação, isso já o Alvor o têm, por isso mande às ortigas os 99% dos "carneiros sapiens" deste planeta que este modelo de sociedade está a arrebentar pelas costuras, a espécie humana tal como a conhecemos está condenada a desaparecer brevemente, muitos Alvores continuarão a divulgar que somos enganados e manipulados mas ninguém os quererão escutar, questão de prioridades.

Tem aqui algumas informações importantes nos seus blogs, se fossem escritas para inglês ver teria muita audiência e reconhecimento, mas para a lusofonia é uma perca de tempo o seu trabalho, os portugueses estão em 67 lugar na lista dos povos mais iletrados deste planeta.

Boas leituras, votos de coragem para continuar, paz saúde e prosperidade, gira bem as suas prioridades, são os votos deste seu leitor da Suíça

José Manuel

De Alvor-Silves a 13.04.2013 às 11:08

Olá José Manuel,

em primeiro lugar obrigado pelo comentário, e desculpe pelo atraso na resposta. Estive alguns dias fora... não muito longe daí, um pouco mais acima, no sul da Alemanha.
Em segundo lugar, muito agradeço as suas palavras, e sinceros conselhos, que são pertinentes.

Antes de mim, o José Manuel foi trilhando, enfrentando, e compreendendo a dimensão do problema, as suas várias faces escondidas, tantas vezes veladas, falsamente reveladas para nunca serem desveladas.

Haverá quem se adapte, quem julgue que só pode ser assim, quem não veja outra forma de ser, quem não queira ver, etc... Nunca faltam desculpas, e certamente podemos compreender o passado, mas dificilmente as desculpas servem para justificar que esse seja o único futuro.

Tem razão, tem-se procurado materializar a sociedade nesses valores básicos, num "comer, beber, sexo, poder", afinal desejos que os homens partilham com outras alimárias, e que apenas nos reduzirão à dimensão de onde partimos, à bestialidade... "the best beast".

Há uma relação que considero saudável com a posse/dinheiro... ter o suficiente de forma a que não nos preocupemos com ele. Isso não se consegue nem tendo pouco, nem procurando ter muito. São pobres aqueles a quem nunca chega o que têm... e isso tanto acontece na grande pobreza, como com grande riqueza.
Neste século, nos países desenvolvidos, a maior pobreza não está nas posses materiais, está sim na sua pobreza emocional e espiritual. A sociedade tornou-se cínica, individualista, pouco solidária, concentrada em emoções fugazes, ficando desorientada pela ausência de um caminho para a construção do indivíduo e da sociedade que o engloba.

Para mim, isto foi um desassossego que me bateu à porta... não o procurei, acidentalmente caiu-me em cima. Como se tratava de um desassossego público considerei que a matéria merecia tratamento público. Não me preocupa a divulgação, importava-me não o resolver privadamente, porque deixava de ser assunto privado. Se alguém fará uso disto ou não, pois isso é algo que não considero estar na minha esfera de responsabilidade. A minha única responsabilidade é para com uma comunidade de valores humanos, onde prevalecerá a procura da verdade e não uma farsa.
Essa comunidade pode não existir, ou ter muito poucos elementos, desconexos, isolados, mas não importa, importa ir construindo o fundamento para que exista, resista, independentemente do caminho seguido por todos os outros.

Mais uma vez muito obrigado pelas suas palavras.
Um grande abraço.

De Jaws'76 a 19.05.2014 às 15:34

Caro Alvor,

Essas "contas" são fáceis de compreender. As mudanças de política e logo de ideais fazem parar o progresso num sentido para outro. Zurara escreveu na sua crónica o que lhe convinha tornando o Infante D. Henrique , o Navegador (que nunca foi) em herói nacional e impulsionador dos Descobrimentos portugueses. Felizmente um punhado (infelizmente que seja só um punhado) de gente sabe que assim não foi. O verdadeiro impulsionador foi o Infante D. Pedro que foi travado em Alfarrobeira.
É na década de 40 que se dão os maiores avanços iniciais (durante a regência de D. Pedro). Em 49 é assassinado D. Pedro e dá-se um período de estagnação e pouco mais se adiantou até 60 (morte de D. Henrique).
D. Afonso V intitula-se Senhor da Guiné mas o que ele segue é os ideias de D. Henrique (O Norte de África). Quando ascende ao trono D. João II volta a exploração das costas de África e do Atlântico a estarem na agenda do dia.
As contas não estão mal feitas, a História é que está mal contada.

Aproveito este comentário para dizer também que o tenho seguido desde 2009 ou será 2010 (não sei precisar ao certo). Umas vezes mais assíduo que outras. Muito poucas vezes fiz comentários mas muitas vezes invoco os seus artigos em conversas com amigos.
Tenho estado a colocar a leitura em dia sempre que tenho tempo para isso. Como pode ver estou a comentar um artigo de Março de 2013.
Embora as visitas ao seu blog sejam baixas, por favor continue e não desista porque, caso contrário deixo de ter leitura interessante na Internet.
Um abraço
Rui Rodrigues

De Alvor-Silves a 19.05.2014 às 16:25

Muito obrigado pelas palavras, Rui.
Enquanto tiver tempo e coisas novas para dizer vou partilhando... digamos que é assim que eu vejo uma comunidade - como espaço de partilha. O facto de se dar mais relevo a uma história manipulada do que às suas inconsistências, é um problema comunitário porque acabamos por nos deixar enredar numa fábula com acontecimentos trocados.
Depois, como em diversas alturas nas conversas aparecem estes exemplos históricos como sendo "factos", é complicado argumentar que são histórias da carochinha sem consistência. Por isso, uma história falsificada vale menos do que um mito com consistência... e talvez sabendo isso muitos poetas da antiguidade acabaram por preferir o mito para preservar o sentido educacional.

Abraço.

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D