Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Num comentário recente João Ribeiro fez notar que D. Afonso Henriques, teria passado a andar de coche, dado que tinha ficado coxo. Acrescentou que a passagem se poderia ler na Monarquia Lusitana (3ª parte) de António Brandão. Transcrevemos por isso o trecho relevante:
(...) E que neste passo afirmam alguns autores modernos que El Rey de Portugal prometeu de ir às Cortes de Leão, tanto que se pudesse pôr a cavalo e melhorasse da perna quebrada. E que depois, estando já são, usara sempre o coche, por não estar obrigado a cumprir a promessa. É mera fábula contra o que deixaram escrito os autores antigos. O Arcebispo D. Rodrigo não afirma tal coisa, antes dá por razão de El Rey D. Afonso Henriques andar de coche, não poder subir a cavalo, pelo mau tratamento da perna. O mesmo diz com expressas palavras D. Lucas, Bispo de Tuy, autor também antigo e grave, e se afirma na Crónica geral d'el Rey Dom Afonso.(...)
Aqui o cronista António Brandão está claramente mais interessado em mostrar a autoridade moral de D. Afonso Henriques, que não ia disfarçar estar coxo para não cumprir uma promessa. Convém relembrar que, por esta altura, cortar cabeças a mouros não representava qualquer mácula na moral cristã.

Ora, como na Idade Média o uso de coches era coisa rara (... seria só justificável por o rei estar coxo!) esta citação também significa que haveria um coche de D. Afonso Henriques.
Poderia ser um coche insignificante, depois abandonado ou perdido... mas não é o caso.
Além disso, o uso de coches pela realeza só voltou a estar na moda a partir do Séc. XVI, e é a partir daí que começa a grande colecção existente no Museu dos Coches. 
Mas poderia começar bem antes...

Tendo consultado a tradução da obra do príncipe polaco Felix Lichnowsky, Portugal: Recordações do anno de 1842 (pág. 84) fiquei pois bastante surpreendido com esta leitura:
(...) No Calvario a pouca distancia do palacio real de Belem, em um edificio construido de proposito por D. João V, acha-se uma collecção de coches antigos, talvez a mais admiravel que existe no mundo. É muito notavel o coche de galla do rei D. Afonso Henriques, (governou de 1128 até 1185), que tem sete bellos vidros Venezianos, cada um de oito a nove palmos em quadrado, assentos de estofo tecido com fio de ouro, pinturas, dourados, e ornatos de bronze dourado; particularmente os objectos de bronze dourado igualam os mais bellos trabalhos de or-moulu dos Francezes, ou talvez os excedem. Junto acha-se um desengraçado coche feito no Brazil, e coberto de ouro por toda a parte. Outro coche igualmente rico do grande rei D. Manoel, é todavia coberto de aprimorados relevos. Encontra-se tambem alli o coche de galla do rei D. Diniz, (que reinou de 1279 até 1325); a caixa tem flores e escudos de armas, pintados com a maior perfeição sobre um fundo de ouro; interiormente é forrada com brocado de ouro. (...)
Portanto em 1842 o príncipe Lichnowsky teve o privilégio de visitar o (antigo) edifício do Museu dos Coches, mas ao contrário de todos os visitantes populares, ele teve a oportunidade de ver:
  • o Coche de Gala do rei D. Afonso Henriques, 
  • o Coche de Gala do rei D. Dinis, 
  • um Coche todo coberto de ouro (provavelmente de D. João V), 
  • um Coche igualmente rico do rei D. Manuel. 
Como o príncipe polaco dizia, era talvez "a mais admirável colecção de coches existente no mundo", e continua a ser, mesmo estando noutro espaço e tendo sido rapinados 4 coches de valor incalculável (repare-se que ele nem sequer menciona os restantes... que serão aqueles a que temos acesso hoje).

O coche "todo coberto de ouro" não será o Coche dos Oceanos, de D. João V, até porque este não é nada "desengraçado":


Se compararmos fotos antigas e mais recentes do museu, não notamos grande diferença, excepto talvez na disposição das peças:


... pelo que a subtracção (da vista pública) terá ocorrido entre 1842 e 1905 (altura da abertura do museu ao público).

Ora, entre 1842 e 1905, não consta ter havido nenhuma Invasão Francesa, nenhum Terramoto, nenhum Tsunami, nenhum Incêndio, ou mesmo nenhum Roubo que tivesse retirado aquelas peças da família real. 
Bom, eram peças da família real, e esta é uma hipótese, de fraco entendimento, que pode ter tido a família real, em ter ocultado as peças preciosas do património português, entendendo-as como propriedade privada. Fraco entendimento, porque mesmo que quisessem ter os coches para passear na quinta de Vila Viçosa, nada impedia que permitissem que fosse sabido do seu paradeiro. Caso tenham ficado com os exemplares, confundiram realeza com o Estado, mesmo quando o Estado passou a ser republicano. E essa confusão seria tanto mais lamentável, porque a principal função real era ser o factor de união, de identificação, e não um mero agente privado que se aproveitaria da nação, para consumo e exploração própria. Outro entendimento, ainda poderia ser moda no Séc. XIX, mas seria profundamente provinciano mantê-lo no Séc. XX. No entanto, não estranharíamos.

Estejam os coches num subterrâneo de Vila Viçosa, guardados em cascos de carvalho numa cave do Porto, ou vendidos a uma colecção privada, revelar o paradeiro seria honrar a participação real na memória antepassada... Caso contrário será dissociar a identificação da família real à história de Portugal, ou seja, será ver os calhambeques como propriedade de um qualquer conde, barão, ou sapateiro, e aí os bens não têm mesmo nenhum valor significativo. Ou seja, enquanto herança da família do Barbadão podem guardá-los à vontade, porque nesse caso também pouco valem. Pouco valem os coches roubados, e muito menos vale quem os roubou à memória do Estado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:19


10 comentários

De João Ribeiro a 18.03.2019 às 23:08

A data não coincide propriamente mas ao ler, recordou logo este episódio...

Em 1793, Lord Mac Cartney, enviado do governo Britânico e da Companhia das índias parte em missão diplomática para a China. O acordo comercial é assinado e o governo inglês oferece ao Imperador chinês uma "sumptuosa carruagem de madeira dourada e esculpida, guarnecidas de sedas europeias e veludos de Génova, iluminada por lanternas de prata cinzelada". Era uma coincidência do daquelas!

Ab

De Alvor-Silves a 20.03.2019 às 03:55

Caro João,
esta sua menção acerca dos coches, e depois ter encontrado a referência do príncipe Lichnowsky sobre os coches de D. Afonso Henriques e D. Dinis, são dois factos disjuntos que se conjugam para uma completa ocultação, propositada, e de origem nacional.
Repare-se que como o príncipe polaco escreve em 1842, não há nenhuma invasão estrangeira depois disso, e tudo terá ficado dentro de portas... a menos de eventual roubo ou venda.
Os coches de D. Dinis e D. Afonso Henriques sobreviveram à invasão espanhola, à invasão napoleónica, e só não terão sobrevivido para serem vistos pelos olhos da República.
Isto é uma informação preciosa, que diz muito sobre o que se passa em Portugal.
Ou seja, há mesmo uma organização interna aristocrática que sobrevive ao estado, e opera além da sua alçada.

Na minha opinião os coches estão ainda em Portugal, e no contexto mais simplificado, vejo-os guardados em caves semelhantes às caves onde se guarda o vinho do Porto. Será essa confraria, ou análoga, que guardará esses e muitos outros objectos fulcrais da história portuguesa.
Ou seja, mantenho a convicção que expressei aqui:
https://alvor-silves.blogspot.com/2013/07/com-chas-2.html

Abç
da Maia

De João Ribeiro a 20.03.2019 às 22:35

Bem, antes de mais especulação, fazer o mais simples...Perguntar!
Já inquiri alguns contactos do Museu sobre os ditos coches. Vamos aguardar uns dias, pode ser que digam algo.

Ab

JR

De João Ribeiro a 21.03.2019 às 22:35

Boa noite caro Da Maia,

Resposta do MNC no seu email.

Ab

JR

De Alvor-Silves a 22.03.2019 às 03:19

Caro João,
felicito-o pela sua iniciativa, e aproveitando a resposta dada fiz o postal seguinte:

dos Comentários (48) coches coxos de argumentos (https://alvor-silves.blogspot.com/2019/03/dos-comentarios-48-coches-coxos-de.html)

Espero que goste.
Muito obrigado, foi útil, para confirmar o que já sabia... ou seja, que não vale a pena. Ou seja, isto é um caminho individual e solitário.
Mas, agradeço bastante que acompanhe o blog, com preciosas contribuições, como esta.

Abç
da Maia

De Unknown a 23.03.2019 às 23:43

Alvor Silves , sou adoro história e a minhas intenção no furfut é recuperar os patrimónios perdidos de porPortu quer onde eles estejam , felicito pi conteudo e gostava de saber se exiate mais algum relato desses coches .
Aguardo informaçoes. Muito obrigado

De Alvor-Silves a 24.03.2019 às 05:48

Por favor, veja o post mais recente
dos Comentários (48) coches coxos de argumentos (https://alvor-silves.blogspot.com/2019/03/dos-comentarios-48-coches-coxos-de.html)
Mas, respondendo à sua questão, não conheço mais nenhuma obra que tenha dado pela falta dos coches, mas será muito natural que haja.
Cumprimentos

De Unknown a 24.03.2019 às 11:46

Muito obrigado pela resposta , já mandei a sua teoria para um conhecido historiador (Rainer Daehnhardt) a perguntar se sabe algo a respeito dessa história, pode não saber mas existe um coche ornamentaado no museu militar ,esse coche foi trazida da América graças ao senhor Rainer Daehnhardt. Se obtiver resposta irei informar.

De Alvor-Silves a 24.03.2019 às 16:43

Obrigado. Este site sempre esteve aberto a todos os comentários.
Os que forem úteis, pois melhor ainda!

De João Ribeiro a 25.03.2019 às 22:13

Caro Da Maia,

A mim não me tem que agradecer nada. O mérito é todo seu e do Djorge que deu a dica preciosa sobre a identidade do tradutor. Se alguém tem de agradecer sou eu pelo serviço que tem prestado à Nação com as horas gastas e pestanas queimadas nesta sua "missão".

Talvez já não esteja assim tão sozinho nesse caminho espinhoso. Vontades semelhantes se começam a unir em torno do seu blog.

Ab

JR

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Setembro 2018

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D