Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Num comentário ao texto Livro de Fortalezas nas Índias, José Manuel Oliveira (remetendo para livro de Manuel Mira) trouxe um interessante e bizarro erro num mapa de Nova Iorque, à época holandesa nomeada Nova Amesterdão.
O mapa nada tinha a ver com Nova Iorque, era sim um mapa de Lisboa, com os nomes mudados.

Vejamos o mapa de Nowel Amsterdam en L'Amerique, de Gérard Jollain (1672).

Com efeito, à excepção dos barcos, e das legendas, todo o desenho é igual ao mapa de Georg Brun, incluído na compilação Civitates orbis terrarum (5º volume) terminada em 1617.


Como os ingleses conquistaram a cidade em 1664, o mapa feito em 1672 já deveria ter o nome Nova Iorque, pois o nome da cidade foi mudado imediatamente. Além disso designações como "Chateau Nassau" podem referir-se a fortificações nomeadas pelos holandeses, ex: Fort Nassau (norte e sul).
Mais estranha é a referência a um "Quebec"... ou Bikerque.

O erro de colocar o mapa de Lisboa no lugar de Nova Iorque, é demasiado grotesco.
Não parece ser um mero descuido, ou uma propositada preguiça de cópia - se assim fosse, qual o interesse em mudar o desenho dos barcos, colocando até um a disparar?

Porquê confundir com Lisboa, especificamente?
Não havendo outra informação, voltamos ao assunto do Livro de Fortalezas nas Índias, ou seja, que não é de excluir que Nova Iorque, ou antes Nova Amesterdão, tivesse sido uma primitiva colónia portuguesa, com um forte semelhante ao de Diu, instalado em Manhattan.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:53


19 comentários

De José Manuel a 01.12.2019 às 16:36

The Mystery of Fort Ninigret
July 1, 2019 By Gregory Pettys
One of the biggest mysteries in Rhode Island is down the Old Post Road in Charlestown. Who built Fort Ninigret?
The fort was named after the great sachem of the Niantics, Chief Ninigret. The remains of the fort, considered to be the oldest military post in America, were long ago designated as an Indian fort in atlases of the state. Indian tradition records that this site was the Royal Burial Ground of the Niantic and Narragansett Indians. The first evidence of Native American habitation goes back to 700AD but the fort itself is of obvious European origin designed with typical five-sided Bastions on three sides.
In 1812 a large study was conducted by archaeologist H.H. Wilde and he found many artifacts of Dutch origin. The Dutch in the 1500s were based in New York and could have built a trading post here but there is another intriguing possibility.
Archaeologist William Goodwin, excavating at the fort, found a piece of blue pottery with the letter “R” on it. Some experts believe this might have been the logo belonging to two Portuguese brothers, the explorers Gaspar and Miguel Corte-Real.
In 1500, King Manuel of Portugal encouraged Gasper Corte-Real, the younger brother, to search for lands in America for which he would be granted extended rights. Unfortunately, Gasper disappeared in 1501 while on his voyage. A year later Gasper’s older brother, Miguel Corte-Real, set out to search for his missing brother but he also disappeared.
Fort Ninigret’s mystery deepened in 1921 when an ancient cannon and rusted sword were discovered not far from Fort Ninigret. Along with the cannon several skeletons were also discovered, at least one of which was headless. The cannon identifies as a “cao” meaning dog and was only made by the Portuguese and dated from the 1500s. The sword was of Spanish origin and dated to the late 1400s.
So who built Fort Ninigret? Could it be the skeletons of Miguel Corte-Real and his crew? Was the cannon off one of Miguel’s Portuguese ships? Why were some of the skeletons headless? Did they die in battle or were they executed? Was the inscription on Dighton Rock made by Miguel Corte-Real? These and many other questions remain.
If you like mysteries and want to see an unusual and scenic place, try the short trip to Fort Ninigret. The public park is easily located at the end of Fort Ninigret Road in Charlestown. The park has fine views of the pond and a surrounding wall of stone and earth that outlines the original fort.
The palisade contains about ¾ of an acre of grass which is surrounded by an iron fence erected in 1893 when the park was dedicated to the Indians. There is a large boulder with an inscription which reads:
Fort Ninigret
Memorial of the Narragansett and Niantic Indians
Unwavering Friends and Allies of Our Fathers
Erected by the State of Rhode Island
Dwight R. Adams, William P. Sheffield, Jr., George Carmichael, Jr.: Comrs
1883.
Gregory Pettys
https://westerlylife.com/mystery-fort-ninigret/

Fecho com a nota do livro de Manuel Mira onde de se lê que um navegador castelhano inquirido pelo tribunal da santa inquisição declarou terem os portugueses fortificado da Terra Nova dos Bacalhaus até à Florida, antes dos espanhóis lá se estabelecerem,

quem quiser saber mais sobre este assunto que compre o livro!
http://portugalliae.blogspot.com/2010/07/melungos-portugueses-primeiros.html?view=classic

o livro também está nas bibliotecas dos USA à disposição, tem inúmeras fontes
Cumprimentos.

De Anónimo a 01.12.2019 às 19:43

"os portugueses tinham fortificado da Terra Nova dos Bacalhaus até à Florida, o que é atestado nos autos da santa inquisição"

Lá está...
Gostava de saber mais sobre esta afirmação.
Pode indicar-me a fonte ou nem por isso?

"a primeira evidencia da fortificação ou colonização da América o abandono das sete capelas na Hvalsey Church , 7 construções de pedra como as portuguesas"

O que o leva a considerar tal povoação de origem Portuguesa?
Isto é tudo interessantíssimo... mas...

Quanto ao forte em Rhode Island: muitíssimo interessante.

Cumprimentos,
IRF

De Alvor-Silves a 02.12.2019 às 03:11

Não trazendo nada ao assunto, é irrelevante que o IRF veja ou não veja relevância.

Bravo, concordamos.

Cumprimentos,
da Maia

De Anónimo a 03.12.2019 às 20:19

IRF,

X marks the spot.

https://alvor-silves.blogspot.com/2018/07/dos-comentarios-38-amtonio.html

Cumprimentos,
Djorge

De Anónimo a 04.12.2019 às 00:15

Wow, muito bom...
Desconhecia por completo.
Muito bom mesmo. Gostava - óbviamente, como é claro - de saber mais...
Estou na dúvida quanto à presença Portuguesa na América do Norte (excepto a Norte da Nova Escócia), parece-me provável e temos indícios, mas o completo silêncio do mainstream por tanto tempo continua a fazer-me muita impressão...

E porque não uma colonização efectiva? Tordesilhas? Não sei...

Muito obrigado caro Djorge,
IRF

Envie mais tesouros, não se acanhe!

De José Manuel a 04.12.2019 às 17:34

Tem aqui um Jorge de Aguiar à espera que lhe façam uma página na Wiki em português...
(XVe-XVIe siècle) est un navigateur et cartographe portugais
la pus ancienne carte portugaise connue, signée et datée
ayant rallié Goa, il est le premier européen à avoir navigué en mer Rouge (1510)
https://fr.wikipedia.org/wiki/Jorge_de_Aguiar

Cumprimentos

P. S.
e o Da Maia Alvor dê umas voltinhas à parte da Serra Leoa a ver ser encontra um forte da Mina nas Américas...

De Alvor-Silves a 05.12.2019 às 02:25

Caro José Manuel,
já há bastante tempo que fiz notar que a rotação do Jorge a guiar, dava justamente uma representação americana (tal como acontece com o Reinel):

https://alvor-silves.blogspot.com/2013/01/detalhes.html

O Forte da Mina na América chamava-se Castelo da Mina, e seria o tal representado no mapa de João de Lisboa.

Cumprimentos.

De José Manuel a 05.12.2019 às 14:02

Neste “mapa” de Jorge de Aguiar dá para imaginar muita coisa, podemos ter codificado o delta do Amazonas e Baía do Marajó-Marinatambal em África?

está assinalado um “Cabo” sem nome? com uma bandeira simbolizando o Tratado Tordesilhas? Estandarte dividido vermelho branco com esfera armilar, assinala que esta zona arborizada verdejante se encontra metade na parte espanhola em Africa? Ou no Brasil?

“mapa” de Jorge de Aguiar tem duas ilhas com símbolo tipo bandeira da Dinamarca, Ilha das Flores e Lamzarote? Canárias !, se rodarmos invertermos o que daria?

Para quem queira cogitar nisto…
Cumprimentos

De Alvor-Silves a 06.12.2019 às 03:17

Bem observado.
A bandeira dinamarquesa é a da Ordem dos Hospitalários, depois Ordem da Malta.
Se reparar, também a ilha de Rodes está assim demarcada.

Com efeito há diversos detalhes dignos de nota.
Como o mapa é de 1492, Tordesilhas ainda não tinha acontecido.
Como Granada (escrita Grada) aparece com bandeira islâmica nem creio que não teria ocorrido a queda da cidade e assim Colombo ainda estaria em Espanha.

Cumprimentos,
da Maia

Comentar post


Pág. 2/2



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D