Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Há uma questão relativa aos Neandertais que é razoavelmente estranha - não se encontrarem ossadas suas em paragens africanas. A questão é tanto mais estranha, porque como o nível da água estaria uns 200 metros mais baixo, permitiria uma passagem facilitada do Estreito de Gibraltar, podendo mesmo supor-se que a passagem pode ter chegado a estar fechada. 
No entanto, apesar de Gibraltar ter sido um dos primeiros locais onde se encontraram Neandertais, falando-se mesmo em "Neandertais de Gibraltar", é curioso que não tivessem dado um pequeno salto que os levaria ao Norte de África.
Convém recordar que nessa altura da Idade do Gelo, é considerado que a região do Saara seria bastante fértil, e com comida abundante, ou seja, muito diferente do deserto que se tornaria depois.

Uma hipótese possível é que os Neandertais não fossem adeptos de aventuras aquáticas... algo que acontece com todos os grandes primatas, excepto os humanos, ou melhor, os Sapiens. 
Como o Estreito de Gibraltar tem uma profundidade que varia entre 200 e 400 metros, poderia estar no limite de passagem, e bastaria sofrer algumas oscilações para permitir ou vedar a ligação. Se os Neandertais não se aventurassem em expedições aquáticas, isso seria justificação suficiente, mesmo que a margem oposta fosse bem visível.

Mas queria juntar aqui algumas pinturas rupestres que se encontram em Portugal, e que fazem parte de outra particularidade, que já referimos - a abundância de cavernas com pinturas em Espanha, parece que termina misteriosamente, ao passar-se a fronteira para Portugal.
Os exemplos são muito escassos, e agradeço que quem souber de mais, os indique.

Lapa dos Gaviões
Sobre a Lapa dos Gaviões já falámos, e juntamos aqui apenas para não a esquecer no conjunto.

São as três seguintes, que não conhecia, que foram alvo de uma publicação "recente", associada à tese de mestrado da arqueóloga Luísa Teixeira, natural de Alijó.
Já sabemos que o passado não tem vida fácil em Portugal, mas algumas destas pinturas rupestres foram identificadas há muito tempo... e para o mal e para o bem, foram deixadas como estavam, com a degradação natural de estarem expostas ao tempo.

Cachão da Rapa
Uma grande laje de pedra está no Cachão da Rapa, junto ao rio Douro, bastante próximo da linha de caminho de ferro. Os seus desenhos foram transcritos em 1735 pelo padre D. Jerónimo Contador de Argote, ou seja, há quase 300 anos... mas apesar desse interesse, depois da lavagem cerebral imposta pelo Marquês de Pombal, praticamente passam por desenhos desconhecidos da população, ainda hoje.
Estas pinturas chegaram a ser dadas como desaparecidas, vindo depois a ser reencontradas c. 1930,
Também assim podemos ver que o caso das figuras de Foz Côa foi um caso singular na preservação e divulgação do passado histórico em Portugal. 
Ainda assim, em 1943 foram classificadas como Monumento Nacional, caso diferente do que veremos de seguida.
Quanto às inscrições, estão agora muito esbatidas, mas ainda se nota uma invulgar composição de cores em padrões geométricos, que não sendo escrita, é muito provável que se trate de uma planta de antiga aldeia pré-histórica (com datação atribuída ao 2º ou 3º milénio a.C.). 
No entanto, esta hipótese de ser uma planta é mera suposição minha, já que como é óbvio, oficialmente não é dada qualquer interpretação às figuras desenhadas.

Cachão da Rapa pelo Contador de Argote e reencontro das inscrições nos anos 30.

 
Fotografias actuais das pinturas (ver).



Pala Pinta (no concelho de Alijó)
Neste outro caso houve também uma proposta recente de classificar o Abrigo rupestre de Pala Pinta como Monumento Nacional. Porém, conforme se lê na página da Direcção Geral do Património Cultural (a que remete o primeiro link): 
"Despacho de 20-02-2012 da subdiretora do IGESPAR, I.P. a determinar a reanálise da categoria de classificação pelo órgão consultivo, por considerar a classificação como MN desadequada "
Portanto, em vez de Monumento Nacional, Pala Pinta foi classificada apenas como "Sítio de Interesse Público". 
No entanto, podemos ver que as inscrições são notáveis, únicas em Portugal (que eu saiba), revelando aquilo que pode ser considerado representações solares, ou a isso se assemelhando.
Abrigo rupestre de Pala Pinta - inscrições que se assemelham a "sóis".
Penas Róias (na área do Castelo Templário de Penas Róias)
Terminamos com inscrições rupestres que estão num abrigo próximo do antigo Castelo Templário de Penas Róias, um dos castelos que se encontra desenhado no Livro de Fortalezas de Duarte d'Armas.
Será especulativo fazer a associação que a presença de um Castelo Templário naquelas paragens, fora de perigo de incursões árabes, estivesse ligada à presença dos vestígios rupestres. No entanto, convém não esquecer que os principais locais templários, antes da sua extinção, estavam localizados no sul de França, zona especialmente rica em vestígios rupestres.
Sobre este local não encontrei nenhuma tentativa de classificação - nem como monumento, nem como sítio de interesse público... aparentemente o que parece haver notoriamente é uma total falta de interesse dos responsáveis. A única coisa que fazem para proteger os locais, parece ser mantê-los fora de qualquer divulgação ao público.
As formas desenhadas, em vermelho ocre, podem ter alguma interpretação como figuras antropomórficas, mas também podem tratar-se de símbolos complexos.
Ruínas do Castelo Templário de Penas Róias
Pinturas rupestres num abrigo de Penas Róias. (imagens)
Haveria ainda que fazer pelo menos referência à Gruta do Escoural que se mantém como o único caso de vestígio de pinturas rupestres dentro de uma gruta, e não apenas como inscrições em abrigos, ao ar livre, havendo ainda notáveis inscrições nos menires e nalgumas pedras de antas. 
Se foram encontrados outros vestígios em grutas, parece que ao contrário de Espanha, deste lado da fronteira não se encontra sinal de vida.

Finalmente deixo um vídeo feito por Luísa Teixeira, relativo a estes: 
"Abrigos com pinturas rupestres de Trás-os-Montes e Alto Douro"


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


8 comentários

De João Ribeiro a 06.10.2016 às 13:28

Giro esses desenhos do Cachão da Rapa, ainda que de época diferente, se parecerem tanto com as gravações Neandertais em Gibraltar

https://en.wikipedia.org/wiki/Neanderthals_of_Gibraltar#/media/File:Neanderthal_Engraving_(Gorham%27s_Cave_Gibraltar).jpg

Ab

De da Maia a 07.10.2016 às 09:59

Ah! Eu tenderia mais a ver os padrões como semelhantes à gruta de El Castillo:
http://alvor-silves.blogspot.pt/2015/07/estado-da-arte-2.html

tal como a Lapa dos Gaviões me parece próxima dos desenhos da Cueva de los Letreros,

Mas uma coisa que me surpreendeu mesmo foi ver diversas cores, ainda que estejam muito esbatidas com o tempo, porque isso não é comum nas pinturas europeias, tal como não é muito comum ter imagens do sol; ambas as coisas são mais comuns nas pinturas rupestres norte-americanas, normalmente muito mais recentes.

Abç

De Anónimo a 09.10.2016 às 15:27

Anta Pintada de Antelas http://antelas-omeulugar.blogspot.pt/2008/10/antas-pintadas-desenhos.html (...) um dos monumentos megalíticos mais extraordinários do nosso país, pinturas a vermelho e preto, contêm representações geométricas sendo umas figurativas e outras abstractas. Entre os elementos identificados nestas pinturas são de referir: ziguezagues, labirintos, o sol e a lua, dentes de lobo e figuras humanas)https://web.archive.org/web/20091214163825/http://www.rotasdopatrimonio.com/1403antelas.html

Tem aqui mais uma amostra da riqueza “portuguesa” escondida, já tinha divulgado estas placas de xisto nas dicas do meu blog, agora já apareceram mais estudos: Gruta da Furninha http://www.megalithic.co.uk/article.php?sid=30765 bem perto da Berlenga passa-se de barco ou por cima sem se saber pois os portugueses têm um profundo desprezo pelos povos que cá viveram! Um povo que despreza o seu passado não tem futuro...

http://www.megalithic.co.uk/modules.php?op=modload&name=a312&file=index&do=showpic&pid=118226&orderby=

http://www.megalithic.co.uk/modules.php?op=modload&name=a312&file=index

Cpts
José Manuel

“Em Portugal são conhecidas mais de trezentas localidades de arte rupestre, destacando-se os complexos do Vale do rio Côa, Patrimônio Mundial, e do Vale do Tejo, dos mais antigos ao ar livre, a gruta do Escoural, fundamental no estudo do Cro-Magnon e Neandertal, e gravuras rupestres como o cavalo de Mazouco. A Anta Pintada de Antelas, em Oliveira de Frades, é um monumento nacional que apresenta as pinturas rupestres melhor conservadas de toda a Península Ibérica “

De Alvor-Silves a 10.10.2016 às 03:52

Obrigado, José Manuel. É mais outro exemplo que eu não conhecia, e ainda que haja mais inscrições em menires e antas, essa Anta Pintada de Antelas, parece-me bastante mais interessante.

Entretanto, graças a esta sua informação, já encontrei outras pinturas rupestres:
http://www.cuadernosdearterupestre.es/arterupestre/5/GomesCAR2008_5_3.pdf

... em particular, um notável cavalo pintado em Ribeiro das Casas, e diversos petroglifos no Vale do Tejo, junto a Vila Velha de Rodão.

Há provavelmente uma grande quantidade de registos, mas as coisas aparecem isoladamente, e apenas aquelas que são visíveis sem qualquer equipamento... para aceder a registos em grutas, pois ainda será mais complicado.

Abraços.

De João Ribeiro a 10.10.2016 às 16:02

Sobre pedras mas mais recentes. Desconhecia esta série...

https://www.youtube.com/watch?v=H6eFfrl0yA0&index=1&list=PLgCYWiNIlWA0Cn140soeD9dkU-ereT16x&spfreload=5

De da Maia a 11.10.2016 às 15:38

Quanto ao programa/série está aqui descrito:

http://www.rtp.pt/programa/tv/p31970

... mas também nunca tinha visto antes.

Abç

De João Ribeiro a 13.10.2016 às 09:26

Assim à primeira olhando para as figuras geométricas nomeadamente do Cachão da Rapa surgem-me imediatamente como uma representação de um plano de combate. Pensei em Lusitanos vs Romanos até pela cor vermelha que representam os esquadrões roamanos mas ao espreitar no sítio do Património Cultural, percebi que não estava a ser original...

"E, apesar de não se encontrar completamente convicto da sua teoria, colocou a hipótese de estarmos perante a figuração de um qualquer conflito armado estabelecido entre soldados romanos e comunidades lusitanas, pois equacionava de igual modo a eventualidade de os criptogramas terem sido executados por uma população aportada à Península Ibérica em tempos bastante mais recuados. Não conseguiu, contudo, teorizar a sua origem e significado dos próprios sinais pintados na pedra, razão pela qual apelou à coadjuvação dos membros do congresso promovido pela Association Française pour l'Avancement des Sciences em Grenoble, no ano de 1886, mesmo que insistindo na sua derivação exógena."

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70491

Qual será realmente o sue significado...Uma planta como diz, divisão de terrenos agrícolas pelos diversos proprietários? Um plano de combate? Talvez seja alguma destas soluções ou então o problema seja o facto de estarmos a olhar para as figuras pré-formatados pela nossa mentalidade contemporânea. Talvez tenhamos de pensar "fora da caixa".

De Alvor-Silves a 13.10.2016 às 13:08

Sim, João Ribeiro, boa observação!
Esqueci-me de referir essa hipótese, que nesse caso é até muito mais pertinente.
Tudo depende da datação feita, conforme li na tese (p. 77):

"Apresentando semelhanças com representações datadas do III e II milénio a.C. e
havendo cerâmica idêntica em vários locais de Trás-os-Montes datada do III milénio
a.C., podemos concluir que as pinturas do abrigo do Cachão da Rapa poderão remontar
ao III milénio a.C."

... os romanos estavam um bocado excluídos da situação. Mas é um facto que a típica disposição militar em quadrado, das legiões romanas, poderia ser representada daquela forma. Por outro lado, a datação parece baseada num "achar que"... e não é propriamente confiável.

Há diversas teorias, umas mais plausíveis que outras. Uma que refere tratar-se de uma invocação a um santuário (p. 81):

"Segundo M. de Jesus Sanches (1997), o Cachão da Rapa, pode ter tido um importante significado a nível regional, associado a um santuário rupestre, inserindo-se na mesma rede do povoamento do Castelo de Ansiães, ou na de outros povoados similares."

Depois há até considerações sobre o padrão do traje dos arlequins (em xadrez)... enfim é um fartote de imaginação, o que não quer dizer que estejam certas ou erradas!

Já agora, conforme é notado no site:
https://www.geocaching.com/geocache/GC1B2AD_fraga-pintada-do-cachao-da-rapa

... o achado é muito anterior ao de Altamira, tendo sido descoberto em 1706, e trata-se provavelmente de uma das primeiras sinalizações de pinturas pré-históricas.
É claro que não tem o poder representativo de Altamira, porque se trata apenas de invocação simbólica, não realística. Talvez nesta fase já tivessem abandonado as pinturas literais, que vemos em Foz Côa, ou porque eram um povo diferente, ou porque evoluíram nesse sentido.

Abç

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D