Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Vero Beach, Florida. Um colector de fósseis reparou em 2009 que, um osso que tinha recolhido dois anos antes, continha um desenho de um mamute.
O achado foi para o Smithsonian que validou a descoberta, com anúncio público em 2011:

BONE FRAGMENT IS ONLY ICE AGE ARTWORK FROM AMERICA TO SHOW A “PROBOSCIDEAN”

Desenho de um mamute inscrito num osso encontrado na América.
Osso onde se vê ao centro o desenho do mamute.
Se repararmos bem na imagem, vemos um traço no desenho que é muito semelhante aos que encontramos nas inscrições rupestres na Europa.
Portanto, como os mamutes se extinguiram em ambos os continentes no final da Idade do Gelo, estamos provavelmente a falar de uma ligação directa entre os povos que fizeram este desenho na Flórida e os que faziam os mesmos desenhos na Espanha e em França.
Ou seja, mesmo querendo excluir uma viagem marítima, haveria uma passagem pela ponte de gelo que ligaria os dois continentes, e que justificaria sem problemas este achado. 

No entanto, para a comunidade troglodita que acha que Colombo foi o primeiro a chegar à América vindo da Europa, este achado revelou-se um problema difícil de contornar.
Poderiam ter argumentado que o osso tinha ido parar à costa da Flórida arrastado por alguma corrente mirabolante... só que Vero Beach tinha sido um local que já tinha sido alvo de explorações há 100 anos, por Elias Sellards, onde tinham sido encontrado mesmo ossadas humanas, e falara-se então do Vero Man. A história e controvérsia está bastante bem detalhada no site Don's Maps:
http://www.donsmaps.com/vero.html

Foi aí que fui encontrar esta "novidade", cinco anos após a comunicação pública do Smithsonian, divulgação que passou ao lado de tudo o que é tablóide nacional ou internacional, e também ao lado da malta que passa a vida a encher os facebooks de grandes novidades (encontrei apenas uma referência cruzada num artigo do Herald Tribune de 2010 - ainda antes do reconhecimento pelo Smithsonian). 
Mexer com a descoberta da América por Colombo é sempre complicado... 

Numa época de fácil comunicação, se fosse o diz-que-disse habitual, ou a foto de um gatinho fofo, teria rapidamente agregado uma rápida comunicação no espaço de horas... tratando-se de um assunto mais inconveniente, pois temos que contar com anos, neste caso com 5 anos, até dar com isto, o que nem é mau... será mais ou menos o tempo que as notícias deveriam correr mundo no Paleolítico.

E para vermos que nem é mau, basta atentar num dos 3 comentários que se lê na página do Smithsonian (esquecendo o trombudo que não consegue ver nem tromba, nem animal, e o outro que lhe tenta explicar):
Wrong! There is a piece of artwork that was found in Delaware which depicts a mastodon dating back to at least the Clovis period, and it was discovered almost a hundred years ago.
A acreditar neste comentário, e tendo verificado que houve de facto achados que mostram a caça de mastodontes na zona do Rio Delaware, haverá outros desenhos de mamutes, encontrados há perto de 100 anos... mas que não serão agora do conhecimento público. Como, ao que parece, os caçadores de Foz Côa importavam sílex da zona de Lisboa, creio que 100 anos era tempo exagerado de comunicação, mesmo para os standards do Paleolítico (lembrando que, caminhando a passo, se poderia ir da Europa à China em menos de um ano).

Acresce que esta descoberta também concorda, de certa maneira, com os estudos de haplogrupos, que mostraram haver entre os índios da zona do Canadá uma dominância do R1, que é o dominante na Europa, e característico da cultura indo-europeia. 

A Flórida, no tempo da Idade do Gelo não seria zona costeira... a costa estaria milhares de quilómetros avançada, e por isso este achado em Vero Beach deve ser encarado como uma descoberta no interior da antiga América. 
Havendo desenhos desta qualidade em ossos, tal como existem na Europa, será de considerar que possam igualmente existir pinturas rupestres em cavernas americanas... mas dada a política de ocultação, isso seria tão difícil vir a público nos EUA, quanto o é em Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:37


2 comentários

De Bate n-avó a 07.09.2016 às 17:15

não tenho a certeza se há alguns anos atrás deixei aqui este artigo sobre a expedição a Hava Supai/Doheny Scientific Expedition!
até agora ainda não tive explicação plausível sobre estes desenhos de dinossáurios ou não?!?
segue os links:
http://www.creationism.org/swift/DohenyExpedition/Doheny01Main.htm

http://www.creationism.org/swift/DohenyExpedition/Doheny03Chinese.htm
por aqui se pode ter uma noção da teoria de Gavin Menzies (1421: The Year China Discovered the World) ser verdadeira!

http://paleo.cc/ce/dino-art.htm
http://www.genesispark.com/exhibits/evidence/historical/ancient/dinosaur/

De Alvor-Silves a 08.09.2016 às 05:12

Meu caro, tem razão, deixou aqui o link em 2013, num comentário anónimo:

http://alvor-silves.blogspot.com/2010/11/historia-segundo-schwennhagen-1.html#c1541645486427514924

e na altura indiquei o link das caves de Maastricht, onde foi encontrado um sauro aquático, e ao mesmo tempo encheram as paredes de pinturas recentes, não se sabendo se assim encobriram ou não pinturas mais antigas... inconvenientes.

A minha opinião é simples, mesmo que não tivesse restado nenhum dinossauro vivo, as escavações não foram inventadas com a arqueologia do Séc. XIX. E mesmo sem escavações, a Terra tem os seus processos de fazer aparecer o que está enterrado, com intempéries ou sismos.

Portanto, será mais de estranhar que na Antiguidade tenham omitido referências aos "esqueletos de monstros", e até tentado desenhá-los... o que nalguns casos, de esqueletos bem preservados, seria fácil, ou não diferia muito do que é feito hoje.

Ou seja, parece-me muito natural que existissem representações desses monstros "titânicos", cujas ossadas seriam naturalmente descobertas na grande quantidade de minas de ouro, prata, ferro, etc... que foram extensamente exploradas na Antiguidade, desde a Idade do Cobre.

Por isso, parece-me natural aparecerem referências a dinossauros, simplesmente o nome usado seria dragão... talvez porque as primeiras descobertas tenham resultado de "dragar" águas.
Mas isto deve ser entendido apenas no meu passatempo habitual de relacionar palavras, neste caso, dragar (remover areias de águas, draguar) com dragão.

O que me parece claro é que fazer aparecer um esqueleto de um dinossauro, envolvido em carne em decomposição, seria suficiente para aterrorizar uma aldeia, com a perspectiva de haver ainda tais bichos à solta.

Por outro lado, ainda que raros, há casos de animais julgados extintos... e que afinal não o estavam, como foi o famoso caso do Celacanto:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Celacanto

Por isso, e especialmente no que diz respeito a monstros aquáticos (onde a teoria do desaparecimento dos dinossauros, por alteração climática, deixa muito mais a desejar), não seria de excluir que alguns pudessem mesmo ter sobrevivido, até terem sido caçados pelo homem.

Abraços

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D