Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O tema deste texto ficaria simplesmente ilustrado pelas imagens das Ilhas Faroé, que não apenas lembram Faraós pelo nome similar, mas também por estas formações geológicas notáveis, que lembram perfeitas pirâmides:
Ilhas Faroé - formações geológicas piramidais.
Esta seria uma forma típica, com que comecei aqui muitos textos, notando semelhanças fonéticas que deram títulos interessantes. No entanto, uma grande e principal diferença é que já não estou a trilhar nenhum caminho exploratório. Trata-se agora mais de um passeio, e o interesse de fazer este texto é residual, no sentido de não encerrar o blog por completo.

A semelhança fonética entre as Faroés e os Faraós existe também em inglês, e é até talvez maior, conforme se pode ver neste relato sobre uma marcação de viagem:
"I said the Faroe Islands, not the Pharoah Islands".

Como curiosidade adicional, fiz uma simples pesquisa para saber se havia alguma etimologia que ligasse uma coisa à outra, e não encontrei nada de relevante.
No entanto, encontrei um interessantíssimo livro
Archaic England de Harold Bayley (1919)
onde podemos ler uma folclórica ligação em que os habitantes das Faroé viam as focas como representações dos soldados do Faraó, afogados quando perseguiam Moisés pelo Mar Vermelho.
In all probability the phoca was a token of the Phocean Greeks who founded Marseilles: the phoca was pre-eminently associated with Proteus, and in the Faroe Islands they have a curious idea that seals are the soldiers of the Pharaoh who was drowned in the sea.
Provavelmente não seriam os únicos a usar esse mito, mas foi essa ligação remetida às Faroés que me permitiu encontrar o livro de Bayley. Esse livro começa com um capítulo chamado "Magic of Words", que remete ao fascínio da antiguidade das palavras... ou como é dito, a língua carrega uma história enorme que só parcialmente foi alterada pelas alterações gramaticais, impostas contra a tradição popular.
Bayley dá como exemplo o caso do lugar de Palmira, uma cidade síria (de que já aqui falei a propósito de Zenóbia), para enfatizar que a origem da toponímia se pode perder em milénios de história. Não tanto pelas ruínas de Palmira que seriam influência greco-romana, mas por uma cidade ainda anterior a essa, cujo nome mais antigo era Tadmor. Hoje a cidade recuperou o nome da tradição árabe, mas à época de Bayley, antes da independência síria, era mais natural aos ocidentais considerar Palmira como o nome antigo. Provavelmente estão ambas ligadas a "palmeiras" ou "tâmaras", indicando um talvez antigo oásis. Palmira fez entretanto notícia televisiva, pelo medo ao novo papão chamado "Estado Islâmico", e a associada destruição do património greco-romano.
[É sempre curioso saber que os exércitos de "drones" vigilantes são afinal muito selectivos nos inimigos que deixaram crescer, e que Israel se preocupa mais em bombardear escolas em Gaza, do que em incomodar os vizinhos lunáticos cortadores de cabeças em fatos de ninja... isto, é claro, sem duvidar da qualidade da produção em cena. Ninguém ousa confundir o filme transmitido às 19h55 com a notícia transmitida às 20h05... a entrada do logotipo do "telejornal", tal como uma campaínha de Pavlov, faz passar do modo ficção para o modo realidade.]

Bayley refere ainda uma tradição de ligar o deus Thor ao touro: "a bull, the symbol of the god Thor was called thor", algo já aqui falado algumas vezes (aqui e ali), entre outras múltiplas relações facilmente sugeridas pela simples fonética. Porém, não é minha opinião que estas coisas tenham resistido simples e puramente duramente milénios, apenas por perservação linguística na tradição popular... Ao contrário, é possível que as modificações ocasionais tenham partido a porcelana, mas a sucessiva colagem permite ver onde se encaixavam as peças.

Bom, quanto às pirâmides da Ilhas Faroés, não é impossível que sejam naturais, mas parece um caso ainda mais evidente que a propalada "pirâmide da Bósnia", e não é de excluir que possa ter havido uma alteração humana a escopro e martelo sobre a rocha.... para obter aquele aspecto mais quadrangular.
Convém não esquecer que, não muito longe, entre as Faroé e a Escócia, estão as Shetland, onde foram encontradas grandes torres megalíticas. Ver p.ex. notícia final em

Assim, havendo construções megalíticas nas Shetland, parece mais facilmente possível uma modificação do relevo das rochas, para obter o aspecto piramidal.... isto sugere uma possível utilização até das Faroés como Faróis de referência, para limite da navegação a norte. Se o grande Farol de Alexandria, referência egípcia, foi proeza dos Faraós Ptolomaicos, nessa altura seria perfeitamente possível navegar até aos limites do Norte da Europa.


Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 05:10


13 comentários

De olind g a 11.06.2015 às 18:55

Se terminar com o blog, por favor, diga onde continua a escrever!

De Alvor-Silves a 16.06.2015 às 05:43

Obrigado pela mensagem, Olinda.
Conforme referi, não penso terminar o blog, apenas não conto manter a mesma assiduidade anterior.
Abraço.

De Amélia Saavedra a 17.06.2015 às 15:28

Ora boas...
Mais uma achega importante sobre o ADN nos tempos idos da Idade do Bronze.... 170 amostras e a explicação natural é a imigração ... em barda, claro está! Afinal.. a coisa é até bastante simples... Anda aqui o caro Alvor-Silves com tanta pesquisa e estudo... e a explicação é tão simples...;-)

http://www.publico.pt/ciencia/noticia/adn-antigo-da-pistas-sobre-revolucao-cultural-da-idade-do-bronze-na-europa-1698773?page=2#/follow

De Alvor-Silves a 21.06.2015 às 06:44

Olá Amélia.
Digamos que 170 elementos para amostra, parecem as sondagens eleitorais, que com base numa amostra pequena concluem muita coisa, mais ou menos o que esperamos ouvir, ou quase, para confirmar a "narrativa".
Do que pude perceber, não vi nada de surpreendente face ao que se conhecia antes.
Houve para ali confusão, para os lados da Crimeia, até porque seria o caminho natural entre a Ásia e a Europa.
Quando falei sobre o assunto aqui:
http://alvor-silves.blogspot.pt/2014/03/dos-comentarios-6-volta-do-mar-negro.html (http://alvor-silves.blogspot.pt/2014/03/dos-comentarios-6-volta-do-mar-negro.html)
achei muito interessante aquele desenho na caverna, mais concretamente este aqui (http://2.bp.blogspot.com/--XrTMglWhfs/UyxDnTWm6gI/AAAAAAAAA2o/tBvl7NCseC0/s1600/CavernaCrimeia.jpg).
Agora nessa história antiga há sempre muitas confusões, especialmente, como a Maria da Fonte e o José Manuel, já aqui referiram, a propósito da múmias da bacia do Tarim, não se percebe bem se (na época reportada) estavam a ir da Ásia para a Europa ou vice-versa.
Muito obrigado por indicar a notícia.
Um abraço.

De Anónimo a 29.06.2015 às 20:07

Boa tarde caro Da Maia

Também eu tenho estado ausente, mas por outro motivo.
A minha tia faleceu no final de Março, e eu nunca aprendi a lidar com a perda dos afectos.
A minha tia, morreu de desgosto, porque um bando de alienados, nos destruiu a casa, ao construir um jardim sobre a cobertura. Eu só refiro isto, porque a casa era em Lagos. Não tenho por hábito trazer questões pessoais,por mais dolorosas que sejam, para os meus comentários, dada a completa irrelevância para aquilo que se discute.

Mas o seu Blog, chama-se Alvor-Silves em homenagem a Dom João II. Deveria talvez ter-se chamado Alvor-Lagos, já que o Porto onde o Rei embarcou era em Lagos.

Até aqui, nada de novo, o Da Maia sabe da minha absoluta convicção, sobre a falsa morte do Rei. Sabe da minha convicção sobre o destino da viagem que Dom João então iniciou.
Se pensar bem, até sabe o local exacto que o Rei pisou, e qual era o legado que transportava.
E é por isso, que o Da Maia, não vai deixar de escrever, como eu não deixei.

Passei por aqui, à procura do Mar Vermelho e da Eritreia, e deparo-me com o Mar Negro e os Yuezhi.
Foi um ramo dos Yuezhi, que originou o Império Kushan, e naquela época, eu creio que vinham para o Oeste.
Os Yuezhi, são R1a, sobreviventes dos Balcans, nós, os sobreviventes do Oeste, somos R1b.
Tal como os Faraós do Egipto, eram R1b.

Existe uma Lenda muito interessante, sobre a queda de Lúcifer, derrotado por Miguel, e a fragmentação da pedra Ex Caeli, que lhe conferia o poder sobrenatural.
De um dos fragmentos, Cristo terá mandado esculpir o Cálice.
Sei que não liga a este tipo de divagações....
Mas o rei David, era Tutmosis III, o enteado da Rainha Hatshepsut, o que explorou a Amazónia em conjunto com Hiran, Rei de Tiro, que aprendera a navegar com os Tartesos....
Recorda-se?

Abraço

Maria da Fonte

Maria da Fonte

De Alvor-Silves a 05.07.2015 às 06:37

Cara Maria da Fonte,
já se passaram 5 anos desde que falamos, umas vezes melhores que outras, e ainda que não tenhamos deslumbres sobre as entidades virtuais que temos, e que não substituem as relações directas, deixe-me pelo menos agora tratá-la por - minha amiga.
Minha amiga, porque de facto, tal como o José Manuel, ao fim de tantos anos que me acompanharam aqui, não posso considerá-los doutra forma.
Digo isto, para lamentar a sua perda, que dada essa ligação a Lagos, acaba por ter significado, mesmo aqui, naquele plano das coincidências que bem conhecemos.

Objectivamente, tento menosprezar a relação da minha ida a Lagos naquele Agosto/Setembro de 2009, mas já o aqui referi, que pessoalmente tem para mim um significado diferente... um mês depois e já via os mapas que sempre vira, de forma diferente, já tudo me começava a soar de forma diferente.
Não voltei lá, e como aqui já disse, fiquei-me pela Meia-Praia, nem sei se dei meia volta ao Alvor, e certamente que nunca me lembro de ir a Silves.
Por isso, seria até simpático pensar que o rei não se findou no Alvor, nem foi a enterrar em Silves, e todo o embarque foi em Lagos.
Mantenhamos esse desfecho em aberto, já que nunca pretendi que este blog Alvor-Silves fosse o fim de nada, mas apenas o princípio, ou melhor, o retomar de muitas viagens perdidas no nevoeiro que o tempo, e o culto de ocultar, tinham ensombrado no esquecimento forçado.

Sobre a lenda de Lúcifer, creio que podemos encontrar um traço semelhante com a mitologia grega, no sentido filosófico.

A questão permanente na geração das divindades gregas foi a questão da sucessão - Urano destronado por Cronos/Saturno, e este por Zeus/Jupiter... considerando-se ainda a profecia de que mesmo Zeus seria destronado por uma divindade saída da cabeça de Atena.
Ou seja, a questão pai-filho foi sendo vista como levando a uma disputa divina pelo poder universal.
No caso judaico, o filho anjo Lucifer apresenta-se em eterna disputa, enquanto o filho homem Cristo passou no cristianismo a representar a junção de pai-filho numa única entidade, não sujeita a separação.

De Alvor-Silves a 05.07.2015 às 06:38

Tendo em conta as proximidade fonética dos nomes, como Jove é alternativo a Júpiter, parece-me consistente ver em Jove/Zeus a mesma entidade grega que os judeus chamaram Jeová/Deus. Ora Jove é também significado de "jovem", já que seria filho de Saturno.
Acresce a semelhança entre Satã e Saturno, que os gregos entendiam como Cronos, e que a mitologia judaica encarou como "cornos" em Satã.
Assim sendo, dá-se uma inversão face ao entendimento grego, já que Saturno seria o pai e não o filho de Jove.
Na chamada Titanomaquia, a guerra que Jove levou contra Saturno, do pai contra o filho, foi uma guerra de titãs e não de anjos, mas levou ao encarceramento de Saturno/Cronos nas profundezas da Terra.
Há assim algumas semelhanças, que são menores dado o carácter único de Deus no Céu, diferente de Zeus no Olimpo.
No entanto, o problema na relação pai-filho e o levantamento dessa questão como crucial no Cristianismo, mostram que o especial entendimento da separação ou união das duas entidades seria fundamental.

Eu tendo a dar mais importância ao poder simbólico do que ao poder material, até porque um poder sobrenatural nunca é um último poder, seria apenas maior para humanos, mas vulgar para entidades superiores. A supremacia entre entidades superiores precisaria então de um sobre-sobrenatural, e esta sequência nunca mais teria fim. Esse era a ideia das primeiras religiões que faziam uma hierarquia de poderes entre as suas divindades.
Dito isto, uma pedra "Ex Caeli" (do céu) só teria importância entre humanos, e serviria para os separar, tal como qualquer outra qualidade superior dividiria o Céu.

Por isso, acabo por considerar que a "pedra filosofal" é mesmo o conhecimento filosófico, a simples resposta a estas questões fulcrais que foram consideradas desde a noite dos tempos. Seria dado mais valor à resposta sobre o verdadeiro valor do poder, do que a ter qualquer poder.
Porque ter poder só interessa se estivermos certos do seu uso. Se estivermos certos de que suprimir A é sempre melhor que suprimir B. Ora isso só é claro para quem pode conhecer todo o futuro, e quem conhece todo o futuro não pertence ao tempo presente... aliás, já se findou no significado da sua existência. Porque sabendo o futuro, nada mais tem a saber, e o tempo termina para si.

Já quanto à questão do rei David, enquanto enteado de Hatshepsut, pois isso é diferente, e faz sentido que se liguem os registos egípcios aos mitos hebraicos, até porque essa ligação foi sempre conhecida. O que poderá ser mais controverso é o ajustar o personagem egípcio ao personagem judaico.

Termino, lamentando a sua perda, e enviando um abraço.
Abraço.

De José Manuel de Oliveira a 06.07.2015 às 01:46

Olá a todos,

Passei por Alvor numa Via do Infante, modelo de estrada a esportar aos marroquinos, que não honra nada D. Henrique. Grande decepção o Algarve ao fim de 20 anos sem lá ir (Tavira com forte escondido e abandonado etc.) quem diz que o país está uma maravilha que vá a Ilha Canela para copiarem algo aos castelhanos... fuii a Silves para visitar o Castelo esbarro com tudo cerrado às 17:30 e duas funcionárias sem nada fazerem dentro, quando saíram pareciam"doutoras", perdi a compostura e lá ouviram indiretamente umas farpas ao sistema que continua a esconder o que Portugal teve de melhor!
Idêntico caso ao ir à fortaleza deste Infante que tanto se esforçam por encobrir, como o seu passo na rua das escolas em Lisboa. Subi depois ao castelo de Aljezur de carro a pique, a cavalo não iam lá certamente, e vi o espelho de Portugal:

UMA RUÍNA histórico-cultural.

Mais tarde subi ás minhas origens maternas, terra de Viriato para alguns.Perguntei aos locais onde era a sepultura de reis suevos que lá viveram e nem sabiam o que são suevos, nem dizem para visitarem a ponte romana e suas calçadas, da Cabeça da Velha e do velho tão pouco querem saber, mas dá-lhes jeito o dinheiro que o turista lá deixa. Claro que a jovem sirigaita do posto de turismo de Loriga lá ouviu as minhas críticas por não porem em evidência estas figuras graníticas (naturais ou megalíticas) recolhi evidências que apontam para mão humana, tenho fotos a mostrar quando e se chegar inteiro a Genebra.

Mas a cereja sobre o bolo é Piodão para quem quer portugueses romanos e árabes de origem que se engane pois esta "aldeia" o desmente. Só por isto não estou arrependido de ter vindo a Portugal, do muito que percorri nestes 3 meses, se por cá ficasse seria no Baleal pela vista das Berlengas e formações geológicas. Ali há algo de enigmático como nos Montes Hermínios, nome já não falado, e que não ficará submerso quando os gelos derreterem no Árctico...!

A Serra da Estrela é mais bonita que a Suíça (geologicamente falando) dá ainda para imaginar cheia de castanheiros e lobos que uma tia desaparecida de Loriga me falava. Os meus sentimentos pela perca da tia da cara Airmid-Maria da Fonte.

Ao Alvor Silves as minhas melhores saudações, depois de registar na Wiki fotos proponho de desenvolverem o tema das figuras antropomorfas.

Até breve
Cpts.
José-Manuel CH-GE

De Alvor-Silves a 07.07.2015 às 05:01

Caro José Manuel, muito obrigado por essa excelente partilha de viagem, bastante instrutiva.
Fui marcando uma série de sítios a visitar, mas em pouco tempo eram tantos que nem sabia bem por onde começar... e de facto ainda não comecei, tirando umas visitas ocasionais. Desta vez vou ver se não falho uma melhor visita ao Algarve, pelo menos à zona de Lagos, de novo.

É uma excelente ideia disponibilizar essas suas fotos, talvez seja melhor no seu blog, porque na wikipedia já sabe como é. A partir daí, farei então ligação aqui.
O Piódão é de facto muito notável, porque mostra um aspecto tipo construção-Lego com as lajes de granito... a ponto de terem feito pontes dessa forma, algo que dificilmente vemos noutro lado fora de Portugal. Aliás, muito provavelmente a descoberta da pedra-angular deu-se dessa forma. Simplesmente colocaram várias lajes em fila, e ao transportar podem ter reparado que aquilo se aguentava mesmo torto... e o resto foi aperfeiçoamento. É muito mais fácil isso ter ocorrido inicialmente com estas lajes pequenas, do que directamente com grandes blocos apropriados. Portanto, a própria característica do solo e das pedras pode ter desenvolvido esse lado construtor, como crianças com blocos Lego.

No Baleal já andei por lá há uns anos, mas não vi propriamente nenhum registo histórico muito antigo. A natureza ali entre Peniche e Nazaré é de facto bastante interessante, com as Berlengas como pano de fundo. Mas, que eu saiba não há por ali muitos registos históricos antigos, apesar de na Lourinhã terem pegadas de dinossauro! Os mapas antigos indicam que Peniche foi ilha tal como o Baleal, depois colada pela areia ao continente.

Ficamos então combinados com essas fotos.
Muito obrigado e um abraço!

De Anónimo a 10.07.2015 às 23:52

Fico grata a ambos, Da Maia e José Manuel, pela simpatia

Creio que cada um de nós, ao seu modo, foi seguindo a Estrela de Belém, a Conjunção de Vénus/Júpiter, do passado dia 30.

A mesma que há dois mil anos guiou até nós, o Rei de Saka, Rustaham-Gondophares, que foi casado com a mãe de Madalena, e passou à História como o Rei Mago Gaspar.

Um abraço a ambos e um pequeno esclarecimento.
Não é Granito.
Pelo menos a Rocha de Monsanto e da Serra da Gardunha, não é Granito. É Anónima, como Madalena.
E quem a vê e toca, sabe a quem pertence.

Grata por tudo.

Maria da Fonte

Comentar post


Pág. 1/2



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D