Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



É frequentemente aqui citado o Tratado ou Livro de Marinharia de João de Lisboa, porém tinha-nos escapado um detalhe importante, que encontrámos na obra "História Geral do Brasil", do historiador brasileiro Francisco Adolfo Varnhagen (1816-78, visconde de Porto Seguro):
Francisco Varnhagen

A certa altura, sobre a viagem de Magalhães, Varnhagen começa por notar que Magalhães teria começado por tentar mudar o nome do Rio de Janeiro, para Baía de Santa Luzia... facto de menor importância, mas que ilustra que num dos objectivos da viagem de Magalhães se encontraria uma renomeação dos vários pontos geográficos conhecidos (página 31, do Tomo 1):
Façamos porém excepção em favor da pequena frota do primeiro circum-navegador Fernão de Magalhães. Em vão quiz este mudar para bahia de Santa Luzia o nome do golfo, em que aportou no dia do orago daquella santa, e ao qual os primeiros navegantes chamaram tão impropriamente Rio de Janeiro. Deixemo-lo passar adiante sem detença; que o resoluto nauta portuense tem reservadas para si paginas mais brilhantes na historia das navegações em torno do globo, que ele emprehendeu levar avante a preço da propria vida e do labéo, miseravelmente mal cabido, quando se trata de tão grande homem e de tão grande feito, de traidor a um rei e a um paiz que o não ajudavam. 
 Mas, a parte informativa mais importante é sem dúvida a seguinte:
Consignemos porém de passagem que com o Magalhães ia o piloto portuguez João de Lisboa, que já no Brazil havia estado antes, e que escreveu um livro sobre marinharia, cujo aparecimento seria talvez de trascendente importancia para a historia geographica.
Não restam dúvidas que o aparecimento do Tratado de Marinharia seria de transcendente importância... apesar de nunca ter sido dado como perdido!
A diferença é que se à data de Vernhagen ele seria "impublicável". 
Agora, apesar de estar acessível na internet, continua como se estivesse fechado no cofre mais seguro, ou perdido para sempre. 

Por muito que se fale da velocidade de propagação da informação na internet, isso é um puro mito... só funciona se tiver um circuito lubrificado que estimula o boato. Pela nossa parte, há um ano que temos mantido essa informação acessível, e certamente chegou a centenas de pessoas, mas não tem depois nenhum efeito retransmissor visível. 
O próprio interesse das pessoas é canalizado para assuntos de outra natureza, por boa fé na sociedade onde cresceram, e onde definiram os seus valores. Desconhecem como a História pode influenciar definitivamente a actualidade... no fundo, não querem largar o conforto maternal das certezas, e concluir todas as incertezas!

Esta informação adicional, só tem importância no contexto.
Afirmámos que os mapas de João de Lisboa, que tinham o Estreito de Magalhães, eram de 1514, anteriores à viagem... conforme datado no Livro.  A "Cola do Dragão" foi assim representada antes da viagem oficial, conforme já dissera António Galvão... 

Ao encontrarmos João de Lisboa como piloto de Magalhães, encaixam várias coisas... e coloca em causa a datação da sua morte. Pura e simplesmente, João de Lisboa não consta na lista de 18 sobreviventes da viagem. A história contada por Magalhães a Pigaffeta sobre um eventual mapa de Martin Behaim ganha ainda outros contornos de simples despiste ao cronista. 
Já tínhamos referido que Pedro e Jorge Reinel teriam ajudado Fernão de Magalhães com os mapas. Agora, conclui-se que ainda levava consigo João de Lisboa que tinha desenhado 5 anos antes um mapa com o Estreito, e que mais uma vez recordamos...
O facto de já estar escrito "estreito dos Magalhãis" aparenta ter sido uma "torta" inclusão posterior (conforme já extensamente mencionado). Aliás alguns dos nomes coincidem (São Julião... Puerto de San Julian, Baía de São Matias... Golfo de São Matias, Rio da Cruz... Rio de Santa Cruz), mas a maioria não... e de um modo geral, o contorno não corresponde a uma fiável linha de costa.
De entre os nomes que não coincidem... destacamos o singular nome:
Cabo dos Trabalhos
... e assim a expressão "cabo dos trabalhos" tem outro significado relacionado com esta empresa!

Já nos tínhamos apercebido ser duvidosa a data da morte de João de Lisboa em 1525, aliás Vernhagen acaba por dizer em nota, que se sabia que em 1535 era morto, pois nessa data Heitor de Coimbra pedia o seu lugar de "piloto mor do Reino". Apesar do seu nome não constar no desembarque com Sebastian Elcano, não é de excluir que João de Lisboa tenha desembarcado num qualquer outro ponto do império português (afinal a nau Trinidad acabaria por ser capturada). Apesar do serviço a esta empreitada espanhola, continuaria como "piloto mor do reino"?

Todo o registo histórico é suficientemente estranho, e apenas claro no sentido de mostrar que a viagem de Magalhães acabou por servir mais como uma formalidade necessária, acordada talvez uma ajuda adicional de D. Manuel a Carlos V, para consumar a partilha dos hemisférios.
Varnhagen parece ir no mesmo sentido, ainda que escudado pela menção à história brasileira:
A navegação de Magalhães, com respeito à historia do Brazil, só interessa pelo facto da conquista das Molucas, que fez descubrir as primeiras dúvidas na intelligencia dos pontos questionáveis do tratado de Tordesilhas, pontos que a historia hoje elucida; mas que em direito nunca se aclararam, apezar dos muitos gastos e esforços ostensivos feitos pelas duas coroas, como veremos.
Esta aventura conjunta, ou consentida, terá profundas consequências na demarcação do anti-meridiano. A obstinação de D. Sebastião em recusar a união com a casa de Filipe II, que oferecia as Filipinas como dote da sua filha, teria consequências irreversíveis para Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16


2 comentários

De Alvor-Silves a 28.09.2018 às 23:30

Estes comentários apareceram no espelho deste blog que está no Sapo.
Trago-os aqui para minha referência:


De Anónimo a 25.09.2018 às 20:25 ________________

Hola: Me ha parecido fantástica la noticia de que Varnhagen afirmaba, en la pagina 31 de su libro, que Joao De Lisboa fue piloto en la expedición de circunnavegación.
Y más fantástico todavía me ha parecido el ver que los datos que suministraba Varnhagen sobre Joao de Lisboa coincidían con datos pertenecientes a Joao Lopes de Carvalho...

Creo que, desgraciadamente, todo es tan solo fruto de una errata de imprenta. Si se consulta la fe de erratas del libro de Varnhagen se advierte que en la página 31 citada faltan dos líneas. Añadiendo esas dos líneas a la página impresa, parece claro que Varnhagen lo que quería decir es que fue Carvalho quien acompañó a Magalhaes, lo cual es de sobra conocido.

un saludo
Julián Díaz Alonso

De Anónimo a 26.09.2018 às 03:16 ________________

Caro Julián,
isso é um detalhe tão minúsculo no contexto, que só vejo o interesse que tem em conformar a narrativa escrita à história que se pretende escrever.
Se faltam duas linhas, pois poderiam dizer muito mais do que isso, poderiam dizer o que quisermos que elas digam.

O livro de marinharia de João de Lisboa, que "teria transcendente importância", apareceu, e está comentado aqui:

http://alvor-silves.blogspot.com/2010/12/mapas-no-tratado-de-marinharia-1.html

Se conseguir explicar os problemas com mapas, pois tenho muito gosto em ouvi-lo, seja em castelhano, em inglês ou francês.

Alguém pode acreditar que a parte acima da Califórnia ficou 250 anos por cartografar, ou que só metade da Austrália foi descoberta pelos holandeses - justamente a parte que ficaria para Portugal no tratado de Tordesilhas?

Houve um encobrimento propositado porque esses territórios não eram supostos ser des-cobertos, eram para ficar cobertos.

Cumprimentos,
da Maia

De Anónimo a 26.09.2018 às 10:07 ________________

Hola: Yo tan solo quería aportar información sobre la cuestión de si Joao de Lisboa estuvo o no en la 1ª expedición de circunnavegación. En ese sentido apunto que no es cierto que Varnhagen afirmase esto, y argumento que la confusión se debe únicamente a un error de imprenta.

Las dos líneas que advierto que faltan en la página 31 que citáis, y que dan origen a la confusión, sí que aparecen recogidas al final del propio libro de Varnhagen, en la fe de erratas, de manera que no es necesario imaginar su contenido. El contenido completo del párrafo quedaría así:

"...com o Magalhães ia o piloto portuguez João Lopes Carvalho, que reconheceu o cabo de Santa Maria pela relação que delle tinha de outro tambem piloto portuguez João de Lisboa, que ja no Brazil havia
estado antes..."


un saludo
julián

De da Maia a 26.09.2018 às 22:27 ________________

Obrigado.
João de Lisboa e João Lopes de Carvalho não seriam o mesmo?
É perfeitamente possível que um fosse conhecido pelo outro nome, já que o apelido Lisboa, que não é vulgar, poderia dizer respeito à sua cidade.

O que interessa aqui é que Varnhagen associa o mesmo "João" à estadia anterior no Brasil, e à produção do Livro de Marinharia.
Esse Livro de Marinharia é atribuído a João de Lisboa, que assina assim.
Portanto não me parece haver aqui "erro de imprensa".

Cumprimentos,
da Maia

De Alvor-Silves a 28.09.2018 às 23:31

(continuação)

De Anónimo a 27.09.2018 às 07:13

Hola:

Sobre la posibilidad que planteas de si Carvalho y Joao de Lisboa podrían ser la misma persona, he de decir que esa fue la sospecha que tuve cuando leí tu información sobre Joao de Lisboa. Pero, hay que concluir que lo único que apuntaba en esa dirección era, precisamente, la errata de la página 31 del libro de Varnhagen, ya suficientemente aclarada. Con lo cual, el único indicio en ese sentido se deshace como un azucarillo en el agua

Además, el propio Varnhagen en su libro, en la pag 42, habla de Lopes Carvalho diferenciándolo claramente de Joao de Lisboa.

Sabemos, por otra parte, que Carvalho falleció en la isla de Tidore el 14-2- 1522 antes de que la Trinidad intentara el tornaviaje por el Pacífico.
Por tanto, hemos de concluir que no. Carvalho y Joao de Lisboa no son la misma persona.

Antes de nada quería darte las gracias por tu información sobre el libro de Varnhagen porque gracias a tu blog he podido encontrar una pista para incrementar mi conocimiento sobre Joao de Lisboa y sobre Joao Lopes Carvalho, en mi opinión uno de los hombres más interesantes de aquella expedición que circunnavegó la Tierra.
un saludo
julián


De da Maia a 28.09.2018 às 00:03

Meu caro,
que eu veja, Varnhagen refere-se a João Lopes Carvalho na página 23, na página (42) nem sequer consta o nome dele.
Nessa página 23 não diz se é ou não é.
Não explica minimamente a associação ao Livro de Marinharia, mas você não parece estar interessado nisso, porque já lhe disse duas vezes.

Lamento, mas tudo o que você quer ler ou concluir, não está escrito em parte alguma, nem pode ser inferido de nada do que disse.
Termino assim o assunto.
Grato pelo contacto.
Cumprimentos,
da Maia

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D