Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mustang

09.07.18
Este é um daqueles postais que se resume à ilustração:


Na ilustração vemos a musa Lusitania acompanhada pelas musas da  (Fidae) e da Força (Fortitude), em cima do globo terrestre, indo à frente quatro elementos típicos dos continentes:
  • América - um chefe índio americano, em cima de um cavalo;
  • Europa - um rei europeu, em cima de um boi, digamos de um touro;
  • Ásia - um marajá indiano, em cima de um elefante (indiano);
  • África - um chefe africano, em cima de um leão.
Para quem ainda não achou nada de estranho, é perfeitamente natural ver o leão como símbolo de África, o elefante como símbolo da Índia, da Ásia, o touro como símbolo da Europa - atendendo até ao mito do rapto de Europa por Zeus, disfarçado de touro branco... mas há um pequeno problema ao considerar o cavalo como símbolo da América.

Porquê? - Porque, segundo a nossa notável estória, historieta feita História, não existiam cavalos na América até à chegada dos Europeus.

A ilustração está no livro "Historia del Reyno de Portugal", de Manuel de Faria e Sousa (1590-1649) que escreveu a maior parte da sua obra em castelhano, tal como seria natural a um catalão não optar pelo catalão, para uma maior divulgação dos seus escritos.
Para além da "Epítome de las Historias Portuguesas" que é de 1628, a primeira edição desta "História" aparece postumamente em 1677, à qual não tive acesso, mas esta figura antecede pelo menos a segunda edição de 1730, à qual tive acesso:
https://catalog.hathitrust.org/Record/001237631

Esquecendo, o exagero de se colocar um rei africano em cima de um leão, ou um rei europeu em cima de um touro, ou eventualmente os freios no cavalo índio, qual seria a ideia de colocar um chefe índio associado a um cavalo, se tal não fizesse sentido? Faltavam ao desenho lamas, alpacas ou alces?

Admitindo que o desenho estava apenas nesta edição de 1730, mesmo nessa altura não é reportado o uso extensivo do cavalo por parte das tribos índias norte-americanas. Aliás, nessa altura grande parte da colonização era ainda instável e muito circunscrita aos territórios leste, junto à costa.

Aquilo que se procura difundir é que os cavalos ibéricos perdidos pelos espanhóis tinham fugido, e ficaram selvagens. Ou seja, por exemplo, os mustangs, uma das raças americanas mais famosas, teriam saído do México, e tornando-se selvagens desenvolveram características próprias. Só depois, os índios passaram a usá-los com grande agilidade... digamos, isto já na altura de 1800, que foi quando começaram a haver confrontos na expansão norte-americana
Para esse efeito, fazem-se estudos de DNA, tão "minuciosos" que praticamente concluíriam que todos os homens que tivessem um sinal na cara tinham o mesmo pai. Na prática há um estudo geral sobre as relações entre as diversas raças da cavalos, que permite ver que está mais próximo o cavalo Lusitano de um pónei do Cáspio, do que está de um Tenessee Walker.

Quem fez esta tabela escusou-se a inserir os Mustangs... ("There are several mustang registries, but overall there is just too much complexity to consider them in breed ancestry analysis.")

Parece claro que no México Azteca, ou no Perú Inca, não existiriam cavalos, ou pelo menos disso não ficou registo. No entanto, isso não significa que não existissem em abundância nas pradarias da América do Norte, ou nas pampas sul americanas. No Séc. XIX, com o estabelecimento dos grandes fazendeiros, é natural que tenham sido desenvolvidas raças particulares, com diversos cruzamentos, mas essa é uma questão completamente diferente, que não se colocava em 1677 ou 1730.

É ainda natural que os espanhóis, começando a colonização pelo México e pelo Perú, onde não havia cavalos, quando chegaram a novos territórios americanos, consideraram que os cavalos selvagens aí existentes seriam ferais - ou seja, eram selvagens resultantes de animais domesticados.

Isso poderia ser assim, mas nesse caso nunca justificaria assumir-se o cavalo sob um índio como emblema americano.
O que esta gravura mostra é que havia uma clara consciência no Séc. XVII e XVIII de que os cavalos eram de origem americana. Talvez a questão surja mesmo na direcção oposta - ao ponto de os cavalos ibéricos poderem ser descendentes dos americanos (... excluindo o garrano que aparenta ser uma raça autóctone). Para isso falta apenas considerar que muito antes de haver exportação, poderia ter havido importação...

Ficou-nos o mito de que os cavalos lusitanos tinham uma origem bizarra... eram "filhos do vento", ou seja que as éguas eram inseminadas pelo vento Zéfiro, o vento de Oeste.
Não poderia servir esta alegoria para ilustrar que foi o vento de Oeste que permitiu insuflar velas para ir à América buscar uma raça de cavalos bem diferente dos cavalos originais, com compleixão de garranos, que aparecem pintados nas pinturas rupestres?

Finalmente, um pequeno detalhe.
Qual era o deus egípcio associado ao cavalo? Se os egípcios associaram muitos dos seus deuses a animais (inclusive o escaravelho), não encontramos entre os seus deuses o cão, o galo, ou o cavalo (entre outros). As primeiras representações de cavalos dão-se aquando da invasão dos Hicsos, c. 1600 a. C., um povo de origem indo-europeia... e esses animais ausentes da mitologia egípcia acabam por estar ligados a uma herança indo-europeia, céltica. A presença dos cavalos no Egipto pode ter tido o espanto conjecturado que os cavaleiros tiveram na Grécia, sendo vistos como centauros... um misto homem-cavalo.
É razoavelmente diferente ter um exército montado em cavalos, ou ter um exército montado em burros... tornando claro que não era indiferente a raça de cavalo que tornaria os cavaleiros um factor decisivo em múltiplas batalhas da Antiguidade. Especialmente se atendermos que até 2000 a.C. pouco ou nenhum registo há do uso de cavalos... começando apenas nas estepes euroasiáticas.
Assim, na altura da Guerra de Tróia, Séc. XIII a.C., apesar da rápida difusão após o Séc. XVI a.C., o cavalo seria ainda um factor relevante no equilíbrio ou desequílibrio de um cenário de guerra. Fosse ele prenda dos visitantes, ou prenda aos visitantes, por ser criado na região. Digamos que, se Tróia venerava os cavalos, a sua apropriação pelos visitantes gregos equilibraria as coisas...
E a própria palavra equilibrio, ainda que se decomponha em "equi" (igual) e "libra" (peso), também tem o prefixo equídeo e sufixo liberal.

_________________________
Nota adicional (13.08.2018):
Encontrei agora diversos textos de Gunnar Thompson (falecido em 2017):
http://marcopoloinseattle.com/wp/articles-by-gunnar-thompson/
um dos quais com o título
que começa assim:
According to most leading scholars in history, anthropology and geography, none of the Native Tribes had horses until after Columbus. “On the contrary,” say elders of the Plains Indian Tribes, “our ancestors always had horses.”
Este texto lançara apenas a suspeita motivada especialmente pela figura encontrada. 
Gunnar Thompson adiciona muito mais elementos, mas seria bom começar por dar a palavra aos próprios índios das grandes planícies americanas... 
Também não é difícil perceber que nesta sociedade de pedestal a conta está feita, e pouco interessa o que dizem as parcelas que não se têm em conta.

Não se pense que isto é culpa dos que figuram no pedestal, isto é culpa de todos os que os colocam num pedestal, ou seja 99.99% das pessoas, simplesmente para não terem que se aborrecer com assuntos que acham que não lhe dizem respeito. 
Habituados a aceitar sem questionar, só quando questionam percebem que ficaram sozinhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15


6 comentários

De Alvor-Silves a 10.08.2018 às 16:20

Pedindo desculpa pela prolongada ausência, agradeço os vossos comentários, nomeadamente ao João que respondeu na perfeição.

Quanto aos carros com rodas, lembro sempre o de Trundholm
https://en.wikipedia.org/wiki/Trundholm_sun_chariot
... e não sei se percebi a relevância dos Olmecas serem africanos negros ou não.

Abraços,
da Maia

Comentar post



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Julho 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D