Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O eco

23.06.18
A palavra "ecologia" é remetida ao grego com "oikos" (casa) e "logia" (estudo), enquanto "eco" é uma palavra grega ligada a som "ekhe".

Como o eco é uma reflexão do próprio som, o termo ecologia adequa-se bem, sem andanças gregas. 
As "logias" são justamente "lojas" de conhecimento, pelo que a ecologia enquadra uma loja de conhecimento dos ecos da acção humana. Um desses primeiros conhecimentos foi entender que ao gritar num vale, estaria sujeito a ouvir como resposta o seu eco. Da mesma forma terá rapidamente entendido que outras acções na natureza teriam um eco, um reflexo, na sua vivência futura, em particular na futura abundância ou ausência de caça.

A experiência ecológica na pré-história resultou no desaparecimento de mamutes, bisontes, leões, e muitas outras espécies existentes na Europa. A excessiva caça humana teve um reflexo, que levou ao fim dessas espécies, mais do que qualquer outra razão. Aliás, a agricultura e a domesticação, terão sido um principal factor para evitar o desaparecimento de muitas outras espécies animais.

Haveria um conhecimento ecológico primitivo?
Conforme já referi em comentário, nos aborígenes da Austrália conta-se esta história:
Tjilbruke viveu como mortal e foi um a quem a lei foi confiada. O seu sobrinho, Kulutuwi foi morto como punição de quebrar a lei, por ter morto uma fêmea emu. Tjilbruke levou então o corpo do sobrinho pela costa da Península Fleurieu até à terra Ngarrindjeri perto de Goolwa. 
Este pequeno apontamento parece mostrar uma lei draconiana na protecção das fêmeas emus, o que poderia visar evitar a extinção completa dos emus na Austrália.

Povo Kaurna - monumento a Tjilbruke e Kulultuwi, no Sul da Austrália.

Tjilbruke era um mortal a quem a lei tinha sido confiada. Mas, por quem?
De onde surgia essa lei antiga, que todos seguiam?

O que parece possível, plausível, é que o desaparecimento de espécies, por excessiva caça, tenha começado por ocorrer em ilhas próximas, na Melanésia. E que aí tenha nascido essa consciência ecológica, que teria sido depois passada às tribos australianas.

Mais do que isso. Tem sido hipótese de trabalho considerar que a origem da civilização ocidental tenha começado na Melanésia. Arriscaria falar nas ilhas de Java, Molucas ou Timor, se tal fizesse mais sentido do que outras quaisquer. Faltaria falar de todo um continente, que se estendia do sudeste asiático até à Austrália, e que hoje se encontra submerso... mas que não estava antes do degelo que terá ocorrido há 12 mil anos.

O mito de Afrodite
Na Teogonia dos deuses do panteão grego, o aparecimento de Afrodite é curioso, porque a deusa do Amor é suposta resultar da castração do Céu pelo Tempo, ou seja, de Úrano por Cronos, saindo da espuma das ondas, que a queda dos genitais provocara.

Porém a parte mais curiosa é o seu aparecimento de dentro de uma concha gigantesca.
Podemos ver isso num fresco de Pompeia, ou numa terracota do Séc. III a.C.:


Em ambos os casos se nota a dimensão exagerada da concha, que envolve Afrodite. No entanto, na segunda imagem, da terracota, podemos ver que a concha parece também sugerir asas.
Isso verifica-se em diversas outras terracotas do mesmo período (por exemplo, aqui ou aqui).

Acresce a isto a identificação de Afrodite à deusa suméria Inanna (ou Ana), que é por vezes representada com asas, conforme podemos ver na figura seguinte:
Inanna - deusa suméria encarada como equivalente a Afrodite.

Ora, podemos tomar como casual a ideia exagerada de ter uma pessoa dentro de uma concha, mas o problema é que sendo exagerado e impensável na Grécia ou Suméria, ocorria justamente nas ilhas do Pacífico:
Conchas gigantes - Palau - Ilhas Carolinas.

Dessa forma, a origem do mito grego pode perder-se na deusa suméria Inanna, mas parece ir bastante mais além, encontrando eco nas gigantescas conchas, de existência real, capazes de albergar uma criança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:58



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D