Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Partindo de uma raiz comum, o que pode fazer divergir linguagens?
As linguagens passam de pais para filhos, e estando inseridos numa comunidade, numa tribo, com uma linguagem estabelecida, não se justificaria nenhuma nova linguagem.

Há semelhanças entre todas as linguagens, mas isso é uma pura questão filosófica, que deixarei para o outro blog. Aqui interessa-me considerar a grande diferença entre linguagens.

(de amarelo - língua única - caso português; até verde escuro - múltiplas línguas - caso da Índia > 400)

Para vermos como o assunto pode ser desesperante uso uma citação de um artigo de R. Allott (Diversity of languages. Motor theory of language origin, 1994) 
For centuries, men have speculated about the causes of language change. The confusion and controversies surrounding causes of language change ... some reputable linguists have regarded the whole field as a disaster area, and opted out altogether. (Aitchison 1981)
Portanto, houve simplesmente quem tivesse considerado a matéria como uma área desastrosa, e acharam por bem "cair fora".
Isso poderia deixar-nos mais à vontade para especular, mas o problema é que mesmo especulações minimamente credíveis não são fáceis de estabelecer.

Há duas grandes hipóteses. Ou havia uma linguagem comum, ou apareceram separadamente nos diversos grupos populacionais. A primeira hipótese pode ser chamada "Babel", e a segunda não é muito credível... o que faziam as comunidades juntas se não tinham uma forma de comunicação estabelecida?

Por mimetismo darwiniano, há quem insista numa evolução da língua "Babel" original, tal como faz de um "Adão" hominídeo primitivo. Ou seja, haveria variações linguísticas, que depois redundariam em línguas diferentes, sobrevivendo as mais populares. Como em toda a teoria darwiniana faltam muitos "missing links"... aqui os elos entre as linguagens. Tal como em toda a teoria evolucionista tem aspectos triviais que devem ser considerados - ou seja, é óbvio que uma linguagem impopular desapareceria. Mas não só...

Comecemos por reparar no gráfico estimado para a evolução demográfica desde há 10 mil anos (wiki): 

Já sabemos que houve um "boom" populacional nos últimos 200 anos, associado ao desenvolvimento técnico. Já Fibonacci, no Séc. XIV, uns 400 antes de Malthus, sabia que os coelhos tal como as pessoas se podem reproduzir muito depressa, basta que tenham alimento e condições para isso.

Por isso, desde que o génio humano estivesse liberto de restrições, a partir do momento em que passou a viver da agricultura, poderia ter começado a duplicar a população a cada geração. Em África quadruplicou nos últimos 50 anos, nos outros continentes (excepto Europa), basicamente duplicou. Mas, como os Maltusianos sabem bem, há um ovo de Colombo que se parte - o limite populacional tem a restrição da alimentação necessária à sobrevivência.

Segundo estas estatísticas a sociedade agrícola na Idade Média parece ter variado entre 200 e 500 milhões pessoas. Antes da sociedade agrícola, uma sociedade nómada de caçadores, funcionaria ao género de alcateia de lobos. Tendo em atenção o número de 50 mil lobos existentes no Canadá, podemos extrapolar que, antes da revolução do Neolítico, as tribos caçadoras/colectoras pudessem atingir mais de um milhão de pessoas.
Bom, e quanto tempo é preciso, para passar de um casal de humanos para uma população de um milhão de pessoas? Com uma estimativa semelhante à que se verifica em África hoje, bastariam 500 anos, se usarmos como modelo a América do Norte, seriam precisos 1000 anos. Claro, poderia haver doenças, múltiplos problemas, mas bastariam salvar-se alguns, e aguardar por novos 500 anos de condições favoráveis.

O único ponto que interessa salientar é que não seria preciso esperar milhões de anos... bastam poucos milhares de anos, com uma média de natalidade superior a 3 filhos por casal, independentemente das maleitas, guerras. A população só não cresceria se a natalidade fosse muito reduzida, algo que não seria natural, numa época em que não se proclamaria muito o planeamento familiar nem o uso de contraceptivos.

A diferença que se verificava à época dos descobrimentos, entre a população europeia e a asiática, dará para reflectirmos na dimensão das restrições a que estiveram sujeitas as populações medievais. Dificilmente as pestes tiveram dimensão suficiente para explicar a diferença abissal. Mesmo nos confrontos com os muçulmanos, parecia haver sempre uma enorme desproporção, por falta de europeus.
A população europeia só deixou de passar fome quando foi importante equilibrar os números pela necessária presença ultramarina, após os descobrimentos. Olhando para as dimensões das cidades e coliseus romanos, a Europa medieval parece ter sido uma enorme prisão faminta, que regrediu populacionalmente, para além de todas as outras regressões.

Migrações
Para o que interessa, sem demasiadas restrições, a partir do momento em que a população humana teve que migrar, para encontrar novos territórios de caça, o continente africano ter-se-ia revelado insuficiente no espaço de poucos milhares de anos. 
A competição limitava a colaboração. A linguagem servia o entendimento, mas em época de competição ter a mesma linguagem não favorecia tribos competidoras.
Por isso, se interessava o entendimento com os seus, não interessava o entendimento dos outros.
Não seria assim de admirar que uma estratégia de tribo fosse mudar mesmo de linguagem, e isso justifica que justamente em África se tenha uma das maiores concentrações de diferentes linguagens.
Era uma opção dos competidores - mudar a codificação, para comunicarem apenas na tribo. Quem fosse afastado, e tivesse que fazer nova tribo, começava a ver-se como diferente, e não tinha razão para manter a linguagem comunitária anterior.
As migrações apontam justamente para uma saída de África para a zona do subcontinente indiano em direcção à Oceânia, onde mais uma vez se verifica esse fenómeno de multiplicidade de línguas. O caso extremo é o da Papua-Nova Guiné, com 820 línguas... o que pode ter a ver com essa herança de extrema competição (parece haver uma tribo antropofágica cuja palavra para designar as tribos rivais é "comida").

Portanto, a noção que temos de preservação de língua está num contexto diferente. Exemplificando, a tribo de Caim, expulso pela morte de Abel, não teria a mesma ideia de preservar língua do que a tribo de Seth, que ficou como herdeiro de Adão.
O desenvolvimento da linguagem pode ter sido assim um traço distintivo, cuja flexibilidade e evolução também terá melhorado capacidades cognitivas.

O processo inverso, de expansão de uma língua estaria relacionado com o sucesso dessa tribo e dos seus descendentes. Aquando do Neolítico, em que as culturas se começaram a sedentarizar, uma tribo de algumas dezenas de indivíduos atingia muitos milhares, ao fim de poucas centenas de anos. Não haveria expulsões, apenas uma acomodação na hierarquia, conforme a varonia. O sentimento de tribo alargou-se e passou ao sentimento de povo, deixou de ter o mesmo aspecto de tribos migrantes. As velhas línguas solidificaram-se nesses ambientes consolidados.
A competição também passou a ter um aspecto mais letal, e a diferença linguística, a existir, seria elitista... havia interesse de que a elite não fosse entendida pelos outros, mas entendesse o que população dizia.

Hieróglifos
Disraeli (primeiro-ministro inglês do Séc.XIX), sobre os hieróglifos diz o seguinte citando Diodoro (Sículo) e Heródoto:
- os Egípcios usavam dois tipos de letras - umas sagradas e outras vulgares.
As vulgares seriam de conhecimento geral, mas as sagradas eram apenas conhecidas dos sacerdotes, que as teriam aprendido dos Etíopes - mas provavelmente alterando o significado.

Sobre os hieróglifos comuns, Disraeli acrescenta (via Diodoro):
- a escrita não consistia em sílabas juntas, mas em figuras relacionadas com o que queriam exprimir... o falcão significava expedição, porque era o mais veloz dos pássaros. O crocodilo significava malícia; o olho significava um observador de justiça ou um guarda; a mão direita, que estava assegurando a sua subsistência; a mão esquerda fechada, a preservação de algo.
Disraeli argumentava o aspecto alegórico dos hieróglifos, alegorias que serviam de linguagem comum entre estranhos. Segundo Heródoto, quando Dário invadiu a Cítia, os citas enviaram uma mensagem que consistia num pássaro, um rato, um sapo e cinco flechas. Isto significaria que se ele não fugisse rapidamente como um pássaro, se escondesse como um rato, saltasse dali como um sapo, então morreria pelas flechas... 

Desde a "pedra da roseta" tem-se usado também um significado fonético dos hieróglifos.
A ideia de termos no mesmo texto dois significados nunca mais se perdeu... e como vemos remontará pelo menos ao tempo dos Egípcios.
Isso pode ser mais ou menos fácil de identificar... mas quando a mensagem, ou notícia, parece absurda ou irrelevante, pelo significado literal das letras, talvez não seja pior ideia procurar o significado alegórico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Junho 2013

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D