Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Raio ou Corisco

26.07.14
Quando D. João II protesta ao Reis de Espanha, sobre a viagem de Colombo, diz que tais descobertas pertenciam aos seus "domínios da Guiné" e logo prepara Francisco de Almeida uma armada para ir às Caraíbas esclarecer o assunto... 
Podemos ver que a noção da palavra "Guiné" foi evoluindo, passando a circunscrever-se à zona do Golfo da Guiné (que provavelmente seria nome primeiro do Golfo do México, por analogia às paragens caribenhas a que D. João II se referia). 
Finalmente hoje há apenas três países que partilham o nome Guiné acrescido dos sufixos Bissau, Conacri, e Equatorial.

Não vou falar aqui da polémica política actual sobre a Guiné Equatorial e a CPLP.

No entanto, é interessante a informação que surgiu recentemente (desde 2006, altura em que a Guiné Equatorial pediu a adesão): 
- D. João II teria usado em 1493 o título de "Primeiro Senhor de Corisco".
Não encontro outra referência, a não ser a divulgação na internet, começada provavelmente na Wikipedia. Por isso, não sei se tal informação é verdadeira ou não... apesar de ter aspecto de ser.

Corisco é suposto aqui referir-se a uma das ilhas da Guiné Equatorial, próxima de São Tomé, e parece tão pouco importante, que seria improvável D. João II lhe querer dar destaque especial, face às múltiplas posses que acumulava. Assim, se Guiné tinha um sentido lato, Corisco é natural que se referisse a algo diferente da pequena ilha... por muito importante que viesse a ser aí o negócio de escravos feitos nas "razias" dos Bengas, e depois propósito de comércio da Companhia da Ilha do Corisco, fundada após a Restauração em 1648.

Por outro lado, "corisco" é uma designação alternativa para "raio, relâmpago", e se alguém se poderia designar como "Senhor do Corisco" era Zeus, pela sua capacidade divina.
Assim, é compreensível que tanto se queira reduzir o assunto à pequena ilha, descoberta por Fernando Pó, algumas décadas antes, como se poderá pensar que o título que D. João II usava poderia referir-se a maior ostentação... provavelmente de poder de fogo semelhante aos coriscos. 
É até natural que a ilha não tivesse esse nome, e por necessidade de associar o título a uma paragem, na habitual política de ilusionismo, optou-se por designar uma ilha pelo Corisco de D. João II... tal como a ilha do Princípe lhe está associada.

Por outro lado, será bom não esquecer que o Carro dos Deuses, já aqui mencionado a propósito do Alinhamento Piramidal, alinha-se com aquelas ilhas de Ano Bom, Fernando Pó, S. Tomé, etc.
Ora esse Carro de Deuses, mencionado na antiguidade, e associado ao vulcânico Monte dos Camarões, é também uma referência apropriada para Corisco. 
E, se interessam as coincidências nos Camarões, o símbolo do Camaroeiro foi usado por D. Leonor e D. João II, pois o Príncipe seu filho, Afonso, acabou envolto num camaroeiro, ao ser retirado morto da margem do rio Tejo, em Santarém.

Este Carrilhão dos Deuses dos Camarões, tem à sua frente o Golfo dos Mafras.
A opção de usar Carrilhão em vez de Carro é minha, mas Mafras e não Biafras é assim explicado:
Bight of Biafra será em todo este trabalho substituído por golfo dos Mafras. Fizemos um exame bastante rigoroso a tal respeito, e tivemos occasião de ler : golfo de Biafára, golfo de Biafra ou golfo de Biaffra, golfo dos Mafras, das Mafras ou Maffras. 
Que discordâncias ! 
A porção de mar que fica entre o cabo Lopo Gonçalves e o cabo Formoso deve chamar-se golfo dos Mafras. 
A porção de mar que fica entre o cabo Formoso e o cabo de S. Paulo tem o nome de golfo de Benim. 
Tal texto é de Manuel Ferreira Ribeiro, num Relatório de Serviço de Saúde Pública de S. Tomé e Príncipe de 1869, onde justifica a opção porque 
        "O distincto escriptor Alexandre de Castilho formou uma longa lista de nomes portuguezes que os estrangeiros alteraram ou substituíram por outros"

Aquela área da Guiné Equatorial esteve sob administração portuguesa, mas por via das sucessivas derrotas do Marquês de Pombal face aos espanhóis, quer na fronteira portuguesa, quer na fronteira brasileira, acabou por ser cedida ao reino de Espanha, tal como o Uruguai, no Tratado de St. Ildefonso de 1778, por troca com a ilha brasileira de St. Catarina. Assim, não deixa de ser curioso que a parte do Golfo dos Mafras seja perdida por via da política desastrosa do Marquês, quando tanto se pretende remeter as suas falhas para D. João V.

Do tempo da dúvida entre raio ou corisco, relativamente à designação de D. João II, vamos passando sucessivamente a tempos de "raios e coriscos", recentemente alimentados a petróleo, para uma combustão rápida.

Informação Adicional:
A designação "Primeiro Senhor do Corisco" tem a seguinte origem interessante do que pude apurar:

2002 (Fevereiro): Num artigo sobre a Ilha do Corisco, Fernando Garcia Gimeno, escreve a certa altura:
Fué don Juan II de Portugal "Señor de Guinea" , el primer Señor de Corisco, 
>por el año 1493, y el primer español Don Felipe II, que recibió informes de 

... ou seja, apenas diz que D. João II, Senhor da Guiné, foi o primeiro senhor de Corisco, assim como diz que foi depois Filipe II. Não diz que usa o título, apenas diz que tomou posse.

2005 (Março): Numa página aparentemente semi-oficial da Guiné Equatorial surge então algo diferente:
Hacia 1493, don Juan II de Portugal se proclamó 
como Señor de Guinea y el primer Señor de Corisco.
Certamente com origem no texto anterior, é dito agora que D. João II se proclamou Senhor de Corisco, o que altera bastante o significado anterior.

2006 (Abril): Na Wikipedia espanhola aparece esta mesma referência, que depois vai passar na tradução para a Wikipedia portuguesa.... e está feito o caminho de uns se repetirem aos outros.
Neste momento há até livros que já escrevem isso como factual, e quase sempre da mesma forma, respeitando algo do original (a data 1493, Senhor da Guiné, Senhor do Corisco).

Quando se chega a este ponto, de um facto surge um erro de interpretação e daí pode surgir toda uma lenda justificativa.

Uma boa parte da informação é habitualmente papagueada sem cuidado de confirmação.
E o problema é muito velho... quem conta um conto acrescenta um ponto!

Esta sequência que verifiquei não impede ainda assim que D. João II possa ter usado tal título, mas fica muito mais difícil de acreditar dado o registo histórico da internet guardado pelo Google.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:09


1 comentário

De Alvor-Silves a 28.07.2014 às 14:02

"Coerência na incoerência..." é de facto um excelente resumo das mais diversas posturas recentes.

O editorial do Jornal de Angola está bem feito, e toca em diversos problemas da CPLP.

É muito interessante ver agora Angola com determinação para assumir a herança portuguesa. Não acho mal.
As heranças culturais não são genéticas nem territoriais, são também de quem as sente como suas.
Por isso, houve até muitos estrangeiros fora de Portugal que defenderam essa herança cultural mais do que os portugueses.
Quando uns se envergonham ou encolhem, não acho mal que outros avancem.

Há diversos aspectos a ter em conta, para além das "benignas" razões que o Jornal de Angola fez gala de avançar.

1) A língua portuguesa surge na CPLP como uma herança colonial, e será difícil dissociar a sua presença dessa história. O Brasil tem uma percepção algo diferente, porque no processo de independência não houve uma migração massiva dos colonos, como aconteceu nos PALOPs em 1975.
No processo de 1975, apesar da anuência de Portugal, que fechou os olhos ao destino dos territórios ultramarinos, a independência foi encarada como uma vitória contra o colonizador.
No caso do Brasil, após 1820, o processo foi algo inverso - o rei legítimo ficou no Brasil... e foi Lisboa que foi tratada como cidade colonial, impondo-se uma descendência pela invasão de Pedro IV contra Miguel. Até a implantação da República em Portugal esteve ligada a um sinal positivo da República Brasileira.

2) Assim, a definição da CPLP resultava das colónias do Estado Novo, mais Brasil.
Isso era natural, porque a presença da língua portuguesa nas populações africanas só foi sistematizada pela política de Salazar. A monarquia e a 1ª República trataram as colónias com distância, não havia propriamente uma vontade do colonizador em alargar a educação aos colonizados.
É mais com Adriano Moreira que se vai fazer essa ligação. Por isso, a inversão de filosofia permitia ter tropas mistas, e se havia populações que lutavam pelos movimentos independentistas patrocinados pela URSS às claras, e por outros às escondidas, havia populações que foram convencidas nessa portugalidade alargada...
Para isso contribuiu imenso ter um Eusébio.
Que outro estado europeu tinha nas suas equipas de futebol pessoas vindas das colónias que eram tratadas como ídolos? Hoje é comum ver essa multiplicidade racial nalgumas equipas europeias - por exemplo na França, mas à época era afinal o "bolorento" Estado Novo que dava uma chapada aos restantes europeus.

3) Para além da CPLP, há um projecto que interessa mais à Espanha, que é a Comunidade Ibero-Americana.
Portugal e Brasil aparecem ali como excepções numa comunidade de língua castelhana.
A Espanha procurou fazer uma ligação ao império, mas deixou de fora esta Guiné Equatorial, e também as Filipinas.

Há assim um ponto comum entre a Guiné Equatorial e os PALOPs - todos tinham sido excluídos do "clube ibero-americano".
No caso da Guiné Eq. não estava em nenhum, e imagino que esta exclusão incomodasse os outros excluídos...

A ligação ibero-americana deveria passar a ibero-mundial, porque o concentrar na parte americana é esquecer o resto do mundo onde houve influência ibérica. Ou bem que ibero-americana deixa de fora quem não está na América - e aí saem Portugal e Espanha, ou senão parece uma propositada ligação apenas à parte espanhola de Tordesilhas. Assim sendo, acaba até por ter sentido inserir a Guiné Equatorial na parte portuguesa.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D