Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Visto isto

26.09.18
Desde o início não me preocupei muito com o aspecto do blogue, interessava-me bastante mais o que iria conseguir descobrir... por isso, basicamente o aspecto do blogue não mudou.

Decidi agora mudar um pouco o logotipo inicial, para ir ficar


o que não corresponde a nenhuma mudança significativa, nem nenhuma vontade especial de tornar o blogue mais esteticamente apelativo, até porque na minha opinião nem ficou melhor.

Continua a assentar no paralelismo África-América que, propositadamente, ou então por grande coincidência, faz com que o portulano de 1485 de Pedro Reinel representando a África vá bater de forma muito coincidente com a costa americana junto ao Golfo do México. Não apenas na forma, mas igualmente na latitude. Aqui uso a versão que fiz para a Wikipedia, porque aí não era permitido usar imagens do Google Maps... teve a vantagem de ficar melhor.

Esse paralelismo África-América senti-o também no logotipo do Infante D. Henrique, que Frei Luís de Sousa dizia ter "duas pirâmides dos reis do Egipto". 
Porque se o logotipo era entendido como tendo pirâmides, pois poderiam ser justamente as pirâmides egípcias e as pirâmides aztecas/maias. 
Acrescia então ter reparado que "Talant de bien Faire", seria "Atlant de bien Afrie", com um pequeno anagrama que trocava as letras de "talAnt" para "Atlant", e outro que trocava "fAi're" para "Afri'e" (note-se que há 2 "A" maiúsculos e apenas um "a" minúsculo).
O que significava isto?
O antigo nome para o continente perdido no Atlântico era "Atlant", e daí também o nome do Oceano, remetendo para o titã Atlas. No Séc. XV ninguém lhe chamava América, e o nome mais natural era a Atlântida de Platão. É isso que diz Poliziano, é isso que diz Sanson.
Acresce que os dois círculos fazem bem dois hemisférios. 
"América por bem África" dá a pista do engano propositado na descrição de Zurara.
Mas "vontade de fazer bem" ou mesmo "talento de fazer bem" é ainda um moto notável.

Finalmente as letras ALVOR SILVES foram retiradas de "OS LVSIADAS" de Camões, à excepção do "R"e do "E" que ficam propositadamente a destoar, retiradas de "REAL" em letra mais pequena. Isto porque tenho perfeita consciência de que ainda que tenhamos vontade de fazer bem, haverá sempre erros que irão contra a realidade. Neste caso, faltaram 2 às 10 letras de "OS LVSIADAS" para se ajustarem ao nome do blogue que tem 11 letras... paciência.

Ainda pensei em juntar uma imagem de D. João II, que está presente no nome do blogue, pelos locais de falecimento e enterro. Gosto especialmente da imagem que está nas tapeçarias de Pastrana, junto ao pai, D. Afonso V. Está ali ainda com cara de criança, com 16 anos, aquando da tomada de Arzila.
No entanto, o propósito do blog acabou por divergir muito do tema inicial, que se centrava na história dos descobrimentos portugueses. As imagens que ficam dizem respeito às imagens iniciais que levaram à constituição deste mesmo blogue.

De resto, verificando que a Descrição, Metodologia, Links e Referências, estão inalterados desde 2010, está na altura de dar uma volta ao blogue, e corrigir alguns aspectos que estão a precisar de reforma desde há muito tempo.



______________ Descrição  _____________

(de 27 de Junho de 2010 a 27 de Setembro de 2018)
_______________________________________________________________________

Imagem do blog
Comparação entre detalhe da Carta "Pedro Reinel me fez" (1485) e a costa do México.
Ver explicação neste knol.

Porquê Alvor-Silves?
  • Alvor e Silves são duas localidades algarvias, com importância na história de Portugal. 
  • Alvor foi identificada à cidade romana de Portus Annibalis, referindo a sua ligação cartaginesa a Aníbal.
  • Silves será mais conhecida pela importante Tarifa de Silves (reino independente árabe).
  • A sua associação é feita no contexto do relato da morte de D. João II.
  • D. João II depois de procurar tratamento nas Caldas de Monchique, decide morrer no Alvor, e solicita ser enterrado na Sé de Silves, só depois será transladado para o Mosteiro da Batalha.
As investigações que iniciei acidentalmente em Outubro/Novembro de 2009 levaram-me a várias inconsistências e mistérios sobre o período dos descobrimentos. Tal como o Infante D. Henrique, que escolhe Lagos para morrer, a opção de D. João II escolher como lugar de morte Alvor e Silves, não foi acidental... encerra um mistério, propositado, legado pelo maior protagonista da empresa dos descobrimentos.

Tese de Alvor-Silves
Foi o título colocado à primeira compilação de conclusões publicada até 31 de Dezembro de 2009, no knol.
A versão original encontra-se em
http://groups.google.com/group/alvorsilves
e depois de alguns polimentos, menos opinativos, foi colocada uma versão como pdf
http://www.scribd.com/alvorsilves3896
com o essencial sobre a parte cartográfica.
O ponto fundamental será entender as informações documentais no contexto político para a sua divulgação. Ou seja, há informações contraditórias... e ou aceitamos uma versão oficial "bacoca", com muitos medos e erros, ou tentamos compreender que aquilo que foi divulgado estava sujeito a escrutínio da Inquisição. 
Por isso houve documentos perdidos, como se queixaram João de Barros e Damião de Goes, e na prática pouco ou nada nos chegou da época de D. João II. Grande parte das publicações interessantes, ainda sujeitas a controlo inquisitorial, acabaram por aparecer na transição para o reinado de D. Sebastião (e nesse reinado).

Assuntos do blog Alvor-Silves
O blog Alvor-Silves continua a colocar informação documental histórica, mais relacionada com o período dos descobrimentos marítimos, mas também com ligação a outros tempos. A referência a períodos de civilizações mais antigas, no contexto dos mitos de Tubal, Hércules, Ulisses, influenciaram a cultura portuguesa, até à sua quase anulação, primeiro na época pombalina, e depois após Alexandre Herculano.
Por isso, os diversos registos históricos, do Séc. XV até ao Séc. XIX são considerados de maior interesse, alargados a tempos anteriores, colocando-se em segundo plano assuntos de História do Séc. XX, ou XXI. 
É importante conhecer bem a história com mais de um século, e só depois conjecturar sobre o contexto recente ou actual. Assim se poderá compreender o que determinou a selecção dos escritos divulgados, e a quase supressão doutras obras valiosas.

Para assuntos com maior actualidade, foi definido um outro blog: 
odemaia.blogspot.com/


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:02


14 comentários

De Clemente Baeta a 02.10.2018 às 14:41

Caro da Maia
O pormenor de o jovem segurar a bandeira de S. Jorge, só o confirma como o futuro D. João II,dado que este rei era devoto deste santo como está atestado no parágrafo do chamado "Manuscrito do Rio" imediatamente antes do trecho relativo aos Painéis.
Regressando a este tema, repare como o capacete deste jovem se assemelha ao do barrete da figura do rapaz dos Painéis, e ainda como o par D. Afonso V/jovem João (II) da Tapeçaria, e no que respeita aos respectivos rostos, se podem confundir com o par pai/filho situado à direita do painel do Infante.
Abraço

De da Maia a 02.10.2018 às 16:07

Caro Clemente,
estou de acordo, e por isso o referi... só que, em campo de batalha, tenho dúvidas que o príncipe fosse colocado a servir de alvo, segurando numa bandeira. É verdade que bandeiras de S. Jorge não faltavam no campo de batalha, mas mesmo assim, duvido que fosse autorizado a tal coisa.
É diferente em termos de representação, e nesse quadro mais ficcionado da batalha, apresentado na tapeçaria, conclui-se seguramente que aquele é o par rei/príncipe.

A batalha já é em 1471 e as tapeçarias serão ligeiramente posteriores, mas seguramente anteriores a 1475.

Se os Painéis de S. Vicente fossem anteriores às Tapeçarias de Pastrana, acha que o rei D. Afonso V tinha ficado agradado com o trabalho encomendado?

Não considerará o caro Clemente que, os Painéis de S. Vicente são muito superiores em representação, quer das feições, quer da perspectiva geométrica, tendo em comparação as Tapeçarias de Pastrana?
Aqui nem sequer se pode argumentar com a Duquesa de Borgonha, porque aparentemente as tapeçarias vieram de lá.

Que haja registo, só houve dois momentos em que houve um retrocesso claro da pintura, em termos da representação "fidedigna":
- no fim do Império Romano, e predomínio medieval cristão;
- no fim do Séc. XIX, propositadamente, sobrelevando a pintura abstracta.

Por isso, se todos vós estiverem certos, e eu errado, então temos aqui outro momento em que se preferiu um retrocesso na técnica de desenho e representação pictórica. Faltará justificar porquê...

Estou ainda de acordo que a caraminhola tem algumas semelhanças, o que me parece natural, sendo ambas destinadas a príncipes. Esta é vermelha, porque o contexto é de guerra, a outra será negra, ou verde escura, estando num contexto fúnebre. Esta tem um grande penacho branco, a outra não. Ou seja, este barrete está bem mais decorado do que o outro, mas isso também não significa nada, porque os contextos são diferentes.

Dado o quase nulo detalhe dos rostos na tapeçaria (em que os olhos são basicamente pontos), acho muito difícil concluir o que quer que seja. Aliás, em combate, até para poderem colocar o elmo, deveriam cortar significativamente a barba.

Abraço,
da Maia

De Clemente Baeta a 02.10.2018 às 16:50

Repare que os materiais utilizados nas duas obras são totalmente diferentes. Naquela época, por mais exímio que fosse o autor ou a oficina onde as Tapeçarias foram executadas, não se poderia chegar à qualidade da patente nos Painéis, ainda por cima executado por um mestre.
Pode-se afirmar que houve, depois desta pintura, um retrocesso na técnica da pintura em Portugal.
Abraço

De da Maia a 02.10.2018 às 19:11

Atendendo à complexidade do desenho e riqueza de cores exibidas nas tapeçarias, não parece de todo um problema de conseguir desenhar sobre o material, mas sim um problema do desenho de raiz.

O que se pode argumentar é que o desenhadores que pintavam sobre os tapetes não eram tão dotados. Mas não é um problema de material, é um problema da pintura.

Também haveria um problema de "retrocesso na pintura" se datassem o tecto da Capela Sistina no Séc. XV ou XIV.

Eu percebo perfeitamente os argumentos contrários, que para subsistirem, clamam a excepção, um epifenómeno nacional, com os Painéis de S. Vicente.
Cá dentro podem fazer brado, mas simplesmente ninguém os ouve lá fora.
Enquanto os portugueses continuarem a "brincar aos segredos", os Painéis de S. Vicente nem constam da maioria dos livros de história da arte.

Por acaso, deveria ter feito um postal sobre as Tapeçarias de Pastrana, mas não sei se já acumulei suficiente material de interesse para o fazer.

Abraço e obrigado pelo comentário.

Comentar post


Pág. 2/2



Alojamento principal

alvor-silves.blogspot.com

calendário

Setembro 2018

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D